SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Respeito - Humanidade

                          Todos os seres merecem respeito.
                   Todos os seres humanos são dignos de respeito.
         As individualidades pessoais precisam ser consideradas caso a caso.

Os Pré-Conceitos e os estigmas são nefastos para todos os seres humanos nas relações
                             com os seus semelhantes.

 Rotular ou classificar previamente o outro é conduta corrente entre nós. Contudo, é
  justamente na diferença que repousam as riquezas pessoais da maioria dos seres
                                      humanos.

    Todos os seres humanos merecem respeito nas suas características individuais.

                                               ZB


                              Veja o exemplo de Qorpo-Santo:

Qorpo Santo



              Nasceu em 1829, na cidade de Triunfo, no Rio Grande do

              Sul, com o nome de José Joaquim de Campos Leão. Em 1839,

              muda para Porto Alegre onde estudaria gramática e

              trabalharia no comércio. Em 1850, habilita-se para o

              magistério público, passando a exercer o cargo de

              "professor de primeiras letras", ele daria aulas até

              1855.



              Em 1851 cria um grupo dramático. Em 1857, muda para

              Alegrete, cidade em que funda um colégio de instrução

              primária e secundária. É eleito vereador da Câmara
Municipal de Alegrete, em 1860.



Maníaco obsessivo, enfrentou um processo de interdição

movido por sua própria esposa, Inácia de Campos Leão,

que em 1862, pediu a interdição judicial dos bens do

marido, alegando a insanidade mental do marido, que

acabou perdendo seus direitos civis e seus bens. Por

ordens médicas, foi forçado a parar de escrever.



Professor, fundador e diretor de um colégio,

subdelegado, vereador, comerciante e escritor, José

Joaquim de Campos Leão (Qorpo Santo) nasceu em 19 de

abril de 1829, na Vila do Triunfo e faleceu em 1 de maio

de 1883 em Porto Alegre, com 53 anos.



Precursor do Teatro do Absurdo e do Surrealismo na

dramaturgia, Qorpo Santo chocou a sociedade de sua

época. Sua obra teatral só foi apresentada ao público

pela primeira vez em 1966 ou 1968 (não se sabe ao certo)

através da montagem de três de suas peças. Foi ele

antecessor de Alfred Jarry, considerado por muitos o

precursor do Teatro do Absurdo.



"Se o autor parece ansiar por um mundo em que prevaleçam
a ordem e a obediência aos preceitos religiosos e

legais, logo se insinua a malícia e o deboche, colocando

em ridículo tais objetivos e mostrando a precariedade de

nossos juízos", escreve Eudinyr Fraga, um dos principais

pesquisadores da obra de Qorpo Santo.



Segundo o professor Eudinyr Fraga, as peças estão mais

próximas do surrealismo de André Breton, autor do

Manifesto Surrealista, do que do absurdo de Eugène

Ionesco. Um dos argumentos é a presença das divagações

dos chamados ''fluxos de consciência'', método que

aparece no surrealismo do início do século 20 como

''automatismo psíquico puro''. A enxurrada de palavras

aparece em diferentes textos, entre os quais As Relações

Naturais. Mas também há elementos do absurdo.



Obra:

Certa identidade em busca de outra

Eu sou vida eu não sou morte

Um credor da Fazenda Nacional

As relações naturais

Hoje sou um; e amanhã sou outro

Um assovio

Um parto
Hóspede Atrevido ou O brilhante Escondido

                A Impossibilidade da Santificação ou A Santificação

                Transformada

                Dois Irmãos

                A Separação de Dois Esposos

                Mateus e Mateusa

                La

                Lanterna de Fogo

                Marinheiro Escritor

                Marido Extremoso

FONTE: http://zeferinobrasil.spaces.live.com/blog/cns!F490AC6A915D3D4C!194.entry

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMO
Marcelo Fernandes
 
Erico Verissimo - Vida e Obra
Erico Verissimo - Vida e ObraErico Verissimo - Vida e Obra
Erico Verissimo - Vida e Obra
Lisiane Locatelli
 
jose de alencar
jose de alencarjose de alencar
jose de alencar
030577
 

Mais procurados (20)

O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O primo-basilio
O primo-basilioO primo-basilio
O primo-basilio
 
Poesia
PoesiaPoesia
Poesia
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
Érico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e ObraÉrico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e Obra
 
C:\Fakepath\O Teatro
C:\Fakepath\O TeatroC:\Fakepath\O Teatro
C:\Fakepath\O Teatro
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O guarani- José de Alencar; Ficha Literária
O guarani- José de Alencar; Ficha LiteráriaO guarani- José de Alencar; Ficha Literária
O guarani- José de Alencar; Ficha Literária
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - ÉRICO VERÍSSIMO
 
Erico Verissimo - Vida e Obra
Erico Verissimo - Vida e ObraErico Verissimo - Vida e Obra
Erico Verissimo - Vida e Obra
 
O primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de QueirozO primo Basílio - Eça de Queiroz
O primo Basílio - Eça de Queiroz
 
jose de alencar
jose de alencarjose de alencar
jose de alencar
 
Pré- Modernismo
Pré- ModernismoPré- Modernismo
Pré- Modernismo
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
O Primo Basílio - Análise
O Primo Basílio -  AnáliseO Primo Basílio -  Análise
O Primo Basílio - Análise
 
Joaquim Maria Machado De Assis
Joaquim Maria Machado De AssisJoaquim Maria Machado De Assis
Joaquim Maria Machado De Assis
 
Caminhos cruzados erico verissimo
Caminhos cruzados   erico verissimoCaminhos cruzados   erico verissimo
Caminhos cruzados erico verissimo
 
Literatura aula 23
Literatura aula 23Literatura aula 23
Literatura aula 23
 

Semelhante a Preconceito

Jorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaJorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De Areia
Flaviacristina74
 
Livros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileiraLivros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileira
Ana Borges
 
2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupo2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupo
Gabriel Mendes
 
O cortiço trabalho de português
O cortiço   trabalho de portuguêsO cortiço   trabalho de português
O cortiço trabalho de português
Luuh Kamimura
 
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia FagundesConto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
KamisCarvalho
 

Semelhante a Preconceito (20)

Jorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaJorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De Areia
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesa
 
Augusto Dos Anjos
Augusto Dos AnjosAugusto Dos Anjos
Augusto Dos Anjos
 
Augusto
AugustoAugusto
Augusto
 
Urupês - 3ª A - 2011
Urupês - 3ª A - 2011Urupês - 3ª A - 2011
Urupês - 3ª A - 2011
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
REVISAO ENEM preparatório curso ben.pptx
REVISAO ENEM preparatório curso ben.pptxREVISAO ENEM preparatório curso ben.pptx
REVISAO ENEM preparatório curso ben.pptx
 
Constistas da Literatura Brasileira
Constistas da Literatura BrasileiraConstistas da Literatura Brasileira
Constistas da Literatura Brasileira
 
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptxRevisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
 
Livros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileiraLivros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileira
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupo2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupo
 
Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
 
O cortiço trabalho de português
O cortiço   trabalho de portuguêsO cortiço   trabalho de português
O cortiço trabalho de português
 
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia FagundesConto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 

Mais de Gladis Maia

Matéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladisMatéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladis
Gladis Maia
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
Gladis Maia
 
Dissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagnoDissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagno
Gladis Maia
 
Tese caes da_provincia
Tese caes da_provinciaTese caes da_provincia
Tese caes da_provincia
Gladis Maia
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
Gladis Maia
 
O qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escritaO qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escrita
Gladis Maia
 
Um credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacionalUm credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacional
Gladis Maia
 
Um atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondidoUm atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondido
Gladis Maia
 
Um assovio univ da amazônia
Um assovio   univ da amazôniaUm assovio   univ da amazônia
Um assovio univ da amazônia
Gladis Maia
 
Parque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsantoParque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsanto
Gladis Maia
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
Gladis Maia
 
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadosoO marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
Gladis Maia
 
Mateus e mateusa
Mateus e mateusaMateus e mateusa
Mateus e mateusa
Gladis Maia
 
Eu sou a vida eu não sou a morte
Eu sou a vida  eu não sou a morteEu sou a vida  eu não sou a morte
Eu sou a vida eu não sou a morte
Gladis Maia
 

Mais de Gladis Maia (20)

Mateusemateusa
MateusemateusaMateusemateusa
Mateusemateusa
 
Matéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladisMatéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladis
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
 
Final
FinalFinal
Final
 
Dissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagnoDissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagno
 
Artigo10 adv06
Artigo10   adv06Artigo10   adv06
Artigo10 adv06
 
00758
0075800758
00758
 
Tese caes da_provincia
Tese caes da_provinciaTese caes da_provincia
Tese caes da_provincia
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
 
O qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escritaO qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escrita
 
T rvol14sum
T rvol14sumT rvol14sum
T rvol14sum
 
Um parto
Um partoUm parto
Um parto
 
Um credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacionalUm credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacional
 
Um atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondidoUm atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondido
 
Um assovio univ da amazônia
Um assovio   univ da amazôniaUm assovio   univ da amazônia
Um assovio univ da amazônia
 
Parque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsantoParque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsanto
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
 
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadosoO marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
 
Mateus e mateusa
Mateus e mateusaMateus e mateusa
Mateus e mateusa
 
Eu sou a vida eu não sou a morte
Eu sou a vida  eu não sou a morteEu sou a vida  eu não sou a morte
Eu sou a vida eu não sou a morte
 

Preconceito

  • 1. Respeito - Humanidade Todos os seres merecem respeito. Todos os seres humanos são dignos de respeito. As individualidades pessoais precisam ser consideradas caso a caso. Os Pré-Conceitos e os estigmas são nefastos para todos os seres humanos nas relações com os seus semelhantes. Rotular ou classificar previamente o outro é conduta corrente entre nós. Contudo, é justamente na diferença que repousam as riquezas pessoais da maioria dos seres humanos. Todos os seres humanos merecem respeito nas suas características individuais. ZB Veja o exemplo de Qorpo-Santo: Qorpo Santo Nasceu em 1829, na cidade de Triunfo, no Rio Grande do Sul, com o nome de José Joaquim de Campos Leão. Em 1839, muda para Porto Alegre onde estudaria gramática e trabalharia no comércio. Em 1850, habilita-se para o magistério público, passando a exercer o cargo de "professor de primeiras letras", ele daria aulas até 1855. Em 1851 cria um grupo dramático. Em 1857, muda para Alegrete, cidade em que funda um colégio de instrução primária e secundária. É eleito vereador da Câmara
  • 2. Municipal de Alegrete, em 1860. Maníaco obsessivo, enfrentou um processo de interdição movido por sua própria esposa, Inácia de Campos Leão, que em 1862, pediu a interdição judicial dos bens do marido, alegando a insanidade mental do marido, que acabou perdendo seus direitos civis e seus bens. Por ordens médicas, foi forçado a parar de escrever. Professor, fundador e diretor de um colégio, subdelegado, vereador, comerciante e escritor, José Joaquim de Campos Leão (Qorpo Santo) nasceu em 19 de abril de 1829, na Vila do Triunfo e faleceu em 1 de maio de 1883 em Porto Alegre, com 53 anos. Precursor do Teatro do Absurdo e do Surrealismo na dramaturgia, Qorpo Santo chocou a sociedade de sua época. Sua obra teatral só foi apresentada ao público pela primeira vez em 1966 ou 1968 (não se sabe ao certo) através da montagem de três de suas peças. Foi ele antecessor de Alfred Jarry, considerado por muitos o precursor do Teatro do Absurdo. "Se o autor parece ansiar por um mundo em que prevaleçam
  • 3. a ordem e a obediência aos preceitos religiosos e legais, logo se insinua a malícia e o deboche, colocando em ridículo tais objetivos e mostrando a precariedade de nossos juízos", escreve Eudinyr Fraga, um dos principais pesquisadores da obra de Qorpo Santo. Segundo o professor Eudinyr Fraga, as peças estão mais próximas do surrealismo de André Breton, autor do Manifesto Surrealista, do que do absurdo de Eugène Ionesco. Um dos argumentos é a presença das divagações dos chamados ''fluxos de consciência'', método que aparece no surrealismo do início do século 20 como ''automatismo psíquico puro''. A enxurrada de palavras aparece em diferentes textos, entre os quais As Relações Naturais. Mas também há elementos do absurdo. Obra: Certa identidade em busca de outra Eu sou vida eu não sou morte Um credor da Fazenda Nacional As relações naturais Hoje sou um; e amanhã sou outro Um assovio Um parto
  • 4. Hóspede Atrevido ou O brilhante Escondido A Impossibilidade da Santificação ou A Santificação Transformada Dois Irmãos A Separação de Dois Esposos Mateus e Mateusa La Lanterna de Fogo Marinheiro Escritor Marido Extremoso FONTE: http://zeferinobrasil.spaces.live.com/blog/cns!F490AC6A915D3D4C!194.entry