Novas Fronteiras do Gerenciamento de Projetos Projetos de Desenvolvimento Claudio Porto e José Paulo Silveira 6 de Outubro...
<ul><li>O conteúdo desta apresentação está ancorado na experiência dos autores e da Macroplan nos seguintes projetos:  </l...
Sumário <ul><li>Os desafios da implantação de uma estratégia de desenvolvimento </li></ul><ul><li>Características dos proj...
1.  Os desafios da implantação de uma estratégia de desenvolvimento
Estratégia de desenvolvimento é <ul><li>um conjunto de  grandes escolhas  </li></ul><ul><li>que orienta a construção de um...
Estratégia de desenvolvimento: uma resposta consistente a três grandes questões Estratégia e Carteira de Projetos 3. Como ...
Visão, estratégia e projetos de desenvolvimento Trajetórias possíveis Futuros possíveis Trajetória desejada Futuro desejad...
1.  Os desafios da implantação de uma estratégia de desenvolvimento <ul><li>Os resultados almejados são  transformações  e...
A estratégia de desenvolvimento do  estado do Espírito Santo 2025 www.espiritosanto2025.com.br
Três Cenários para o Espírito Santo 2006-2025 ES 2025  Ambiente Externo Favorável Ambiente Externo Desfavorável Profission...
Ciclos de desenvolvimento do Espírito Santo e a Visão de Futuro Ciclo do Café Industrialização baseada no capital estatal,...
Estratégia de Desenvolvimento do  Espírito Santo no Horizonte 2006-2025 Desenvolvimento da Logística Recuperação e Conserv...
2. Projetos de Desenvolvimento
Características dos projetos de desenvolvimento <ul><li>organizam uma cadeia de recursos, ações e resultados </li></ul><ul...
Tipologia de projetos orientados para resultados Recursos Ações Produtos Resultados finalísticos Projetos orientados para ...
3. Grupo Sinérgico de Projetos
Grupo Sinérgico de Projetos <ul><li>O que é:  articulação dos projetos para potencializar externalidades positivas adicion...
3. Grupo Sinérgico de Projetos  Projeto Âncora Projetos Estruturantes Resultados Finalísticos Condições de Governança e Su...
Exemplo 1  Grupo de Projetos de Capital Humano (ES 2025)  (sinergia vertical)  <ul><li>Gestão e Inovação do Sistema Educac...
Exemplo 2:  Grupo de Projetos de Logística (ES 2025) (sinergia horizontal) <ul><li>Desenvolvimento do Porto Barra do Riach...
9. Universalizar os serviços de saneamento (água, esgoto e lixo) até 2025 14. Fortalecer o sistema logístico capixaba, por...
4. Análise da Carteira de Projetos
Análise da Carteira de Projetos   <ul><li>Análise multicritério e participativa para </li></ul><ul><ul><li>Avaliação da co...
Estrutura de fatores de priorização dos projetos do  ES 2025
Ferramenta: análise estrutural de projetos e carteiras <ul><li>Identifica e dimensiona as relações de influenciação e caus...
FAE – Ferramenta de Análise Estrutural Plano Motricidade x Dependência – Carteiras de Projetos do ES 2025 Motricidade (%) ...
Estrutura de fatores de priorização dos projetos do  ES 2025
 
 
 
Análise Estratégica dos Projetos do ES Custos (R$ milhões) 0 100.000 Capacidade de  Transformação Moderada Alta Risco Mode...
Projetos de maior intensidade requerida de gerenciamento <ul><li>Desenvolvimento do Capital Humano </li></ul><ul><ul><li>I...
Estrutura de fatores da APEX-Brasil Unidade de  Projetos 1. Desempenho  Potencial do Projeto 2.  Coerência com  a Estratég...
1 4 2 3 Matriz de Análise Estratégica   Resultado APEX-Brasil 1 4 2 3 4 5 9 11 12 20 22 24 26 27 28 30 31 33 35 39 52 53 5...
5. Monitoramento estratégico dos projetos de desenvolvimento
Monitoramento <ul><li>Atividade sistemática que visa  provocar decisões  para eliminar obstáculos à implantação dos projet...
Fatores críticos de sucesso: <ul><li>Sistema de informações gerenciais operando em tempo real </li></ul><ul><li>Equipe ded...
Mensagem final
Projetos de Desenvolvimento: uma nova fronteira do gerenciamento de projetos  <ul><li>Projetos orientados para transformaç...
Projetos de Desenvolvimento: uma nova fronteira do gerenciamento de projetos  <ul><li>Projetos orientados para transformaç...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Novas Fronteiras do Gerenciamento de Projetos - Projetos de Desenvolvimento

2.072 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.072
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
56
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novas Fronteiras do Gerenciamento de Projetos - Projetos de Desenvolvimento

  1. 1. Novas Fronteiras do Gerenciamento de Projetos Projetos de Desenvolvimento Claudio Porto e José Paulo Silveira 6 de Outubro de 2006
  2. 2. <ul><li>O conteúdo desta apresentação está ancorado na experiência dos autores e da Macroplan nos seguintes projetos: </li></ul><ul><ul><li>Programa Brasil em Ação (1996-1997) </li></ul></ul><ul><ul><li>Plano Avança Brasil (1998-2002) </li></ul></ul><ul><ul><li>Plano Mineiro de Desenvolvimento e Projetos Estruturadores do Governo de Minas Gerais (2003-2004) </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão Estratégica Orientada para Resultados – Sistema SEBRAE (2003-2006) </li></ul></ul><ul><ul><li>Projetos Estratégicos do Governo de São Paulo (2005) </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão Estratégica Orientada para Resultados – APEX-Brasil (2005-2006) </li></ul></ul><ul><ul><li>Plano de Desenvolvimento do Espírito Santo 2025 (2005-2006) </li></ul></ul>
  3. 3. Sumário <ul><li>Os desafios da implantação de uma estratégia de desenvolvimento </li></ul><ul><li>Características dos projetos de desenvolvimento </li></ul><ul><li>Grupos sinérgicos de projetos </li></ul><ul><li>Análise da carteira de projetos </li></ul><ul><li>Monitoramento estratégico dos projetos </li></ul>
  4. 4. 1. Os desafios da implantação de uma estratégia de desenvolvimento
  5. 5. Estratégia de desenvolvimento é <ul><li>um conjunto de grandes escolhas </li></ul><ul><li>que orienta a construção de uma visão de futuro de médio e longo prazos para um dado segmento da realidade (econômica, social, ambiental, tecnológica, institucional etc.) </li></ul><ul><li>sob condições de incerteza </li></ul>
  6. 6. Estratégia de desenvolvimento: uma resposta consistente a três grandes questões Estratégia e Carteira de Projetos 3. Como vamos chegar lá ? Cenário 1 Cenário 2 Cenário n Onde estamos ? 1. Presente Aonde queremos chegar ? 2.Visão de Futuro
  7. 7. Visão, estratégia e projetos de desenvolvimento Trajetórias possíveis Futuros possíveis Trajetória desejada Futuro desejado Trajetórias prováveis Futuros prováveis Estratégia e Projetos de Desenvolvimento
  8. 8. 1. Os desafios da implantação de uma estratégia de desenvolvimento <ul><li>Os resultados almejados são transformações em várias dimensões: econômica, social, ambiental, tecnológica e institucional </li></ul><ul><li>Há múltiplos atores , com interesses diversos e várias fontes de recursos (atuais ou potenciais) </li></ul><ul><li>A adaptação constante às mudanças é essencial </li></ul><ul><li>A superação de restrições exige atenção sistemática e gerenciamento intensivo </li></ul><ul><li>A construção do apoio social é fator crítico de sucesso </li></ul>
  9. 9. A estratégia de desenvolvimento do estado do Espírito Santo 2025 www.espiritosanto2025.com.br
  10. 10. Três Cenários para o Espírito Santo 2006-2025 ES 2025 Ambiente Externo Favorável Ambiente Externo Desfavorável Profissionalização e transparência, com elevados padrões de qualidade e desempenho Elevada qualidade do capital humano, formado em um sistema moderno e articulado Crescimento acelerado e diversificado, com adensamento das cadeias e elevada articulação com as bases de informação e conhecimento Erradicação da pobreza extrema e redução da desigualdade Baixos padrões de qualidade e desempenho coexistindo com algumas “ilhas de excelência” Mediana qualidade do capital humano, formado em um sistema dual e pouco integrado Crescimento moderado e pouco diversificado, com reduzido adensamento das cadeias e restrita articulação com as bases de informação e conhecimento Redução parcial da pobreza extrema e manutenção da desigualdade Deterioração sistêmica, com baixos padrões de qualidade e desempenho Insuficiente qualidade do capital humano, formado em um sistema desarticulado e defasado Crescimento baixo e especializado, sem adensamento das cadeias e baixa articulação com as bases de informação e conhecimento Manutenção da pobreza e aumento da desigualdade Ambiente Externo ao ES (Mundo, Brasil e Entorno Regional) Qualidade das instituições públicas capixabas Sistemas de formação de capital humano Sistema produtivo capixaba e base de informação e conhecimento Pobreza e desigualdade Cenário B Cenário C Cenário A
  11. 11. Ciclos de desenvolvimento do Espírito Santo e a Visão de Futuro Ciclo do Café Industrialização baseada no capital estatal, privado e internacional Integração competitiva de uma economia diversificada e de maior valor agregado sustentada pelo capital humano, social e institucional de alta qualidade Cenário A Cenário B Cenário C Industrialização baseada no capital Local Mudança de qualidade
  12. 12. Estratégia de Desenvolvimento do Espírito Santo no Horizonte 2006-2025 Desenvolvimento da Logística Recuperação e Conservação dos Recursos Naturais Desenvolvimento da Rede de Cidades Redução da Violência e da Criminalidade Interiorização do Desenvolvimento Inserção Estratégica Regional Agregação de valor à Produção, Adensamento das Cadeias Produtivas e Diversificação Econômica Espírito Santo 2025 Fortalecimento da Identidade e Melhoria da Imagem Capixaba Capital Social e Qualidade das Instituições Capixabas Erradicação da Pobreza e Redução das Desigualdades Desenvolvimento do Capital Humano
  13. 13. 2. Projetos de Desenvolvimento
  14. 14. Características dos projetos de desenvolvimento <ul><li>organizam uma cadeia de recursos, ações e resultados </li></ul><ul><li>articulam produtos, resultados finalísticos e públicos-alvo bem definidos </li></ul><ul><li>envolvem negociação com o público alvo e parceiros </li></ul><ul><li>requerem governança compartilhada </li></ul><ul><li>exigem monitoramento sistemático, avaliação de resultados e aperfeiçoamento contínuo </li></ul>
  15. 15. Tipologia de projetos orientados para resultados Recursos Ações Produtos Resultados finalísticos Projetos orientados para resultados finalísticos Projetos orientados para produtos Grupo sinérgico de projetos orientados para produtos
  16. 16. 3. Grupo Sinérgico de Projetos
  17. 17. Grupo Sinérgico de Projetos <ul><li>O que é: articulação dos projetos para potencializar externalidades positivas adicionais decorrentes da interação das ações ou dos produtos desses projetos </li></ul><ul><li>Sinergia vertical </li></ul><ul><li>Sinergia horizontal </li></ul><ul><li>Projeto âncora </li></ul>
  18. 18. 3. Grupo Sinérgico de Projetos Projeto Âncora Projetos Estruturantes Resultados Finalísticos Condições de Governança e Sustentabilidade Projetos Associados
  19. 19. Exemplo 1 Grupo de Projetos de Capital Humano (ES 2025) (sinergia vertical) <ul><li>Gestão e Inovação do Sistema Educacional e das Escolas (âncora) </li></ul><ul><li>Formação e Valorização de Professores </li></ul><ul><li>Implantação da Jornada Ampliada </li></ul><ul><li>Qualidade e Expansão da Educação Infantil </li></ul><ul><li>Qualidade do Ensino Fundamental </li></ul><ul><li>Qualidade e Universalização do Ensino Médio </li></ul><ul><li>Expansão e Qualidade do Ensino Técnico </li></ul><ul><li>Expansão do Acesso ao Ensino Superior de Qualidade </li></ul>
  20. 20. Exemplo 2: Grupo de Projetos de Logística (ES 2025) (sinergia horizontal) <ul><li>Desenvolvimento do Porto Barra do Riacho (âncora) </li></ul><ul><li>Adequação do Porto de Vitória </li></ul><ul><li>Desenvolvimento do Porto de Ubu </li></ul><ul><li>Eixo Longitudinal Litorâneo </li></ul><ul><li>Eixo Longitudinal Interiorano </li></ul><ul><li>Adequação de capacidade da BR 262 </li></ul><ul><li>Eixos Transversais </li></ul><ul><li>Eixos Diagonais </li></ul><ul><li>Ferrovia Litorânea Sul </li></ul><ul><li>Adequação do Corredor Centro-Leste </li></ul><ul><li>Implantação de Ramal Ferroviário Norte </li></ul><ul><li>Terminal de Carga Aérea </li></ul><ul><li>Transporte e Distribuição de Gás Natural </li></ul>
  21. 21. 9. Universalizar os serviços de saneamento (água, esgoto e lixo) até 2025 14. Fortalecer o sistema logístico capixaba, por meio de projetos de adequação, ampliação da capacidade e modernização dos modais viários até 2015 1. Elevar a escolaridade média da população para 12 anos em 2025, alcançando um aumento médio de 35% nas avaliações do SAEB 2. Erradicar a pobreza no estado até 2025 3. Reduzir o índice de GINI em pelo menos 26%, alcançando um valor inferior a 0,412 em 2025 5. Reduzir a taxa de homicídios para valores inferiores a 10 por 100 mil habitantes até 2025 6. Aumentar a participação do interior no total da massa de renda familiar do estado para 35% até 2025 7. Reduzir a concentração populacional na RMGV, alcançando até 2025 um valor inferior a 0,6 no Índice de Primazia de Cidades 8. Melhorar a qualidade de vida no ambiente urbano, alcançando até 2025 um valor superior a 0,83 no Índice de Desenvolvimento Urbano (IDU) estadual 10. Aumentar para 16% o percentual do território coberto por vegetação nativa conservada, preservada ou em estágio de recuperação até 2025 11. Ser a quinta economia mais competitiva da Federação até 2025 12. Ser a quinta economia no ranking estadual de intensidade de valor das exportações (US$ FOB) até 2025 13. Elevar para 35 o número de setores responsáveis por 90% do PIB capixaba 15. Aumentar o grau de confiança da sociedade nas instituições públicas capixabas para valores superiores a 70% até 2015 16. Melhorar a percepção da imagem do Espírito Santo fora do estado, aproximando-a gradativamente da imagem desejada 17. Estabelecer alianças estratégicas que promovam o aumento do IDH das regiões deprimidas comuns ao Espírito Santo e seus estados vizinhos (MG, RJ e BA) até 2025 18. Estabelecer alianças estratégicas que promovam até 2015 a superação dos principais gargalos logísticos influenciadores da dinâmica capixaba que se situam fora do ES 4. Reduzir a mortalidade infantil para valores inferiores a 5 por mil nascidos vivos até 2025 Em 2025, o Espírito Santo será um dos primeiros estados brasileiros a erradicar a pobreza, resultado de um modelo de desenvolvimento marcado pela qualidade de seu capital humano, pela capacidade competitiva de suas empresas, pela inclusão social, pelo compromisso com o meio ambiente e por instituições públicas eficientes e reconhecidas Visão de Futuro Plano de Metas 1. Desenvolvimento do capital humano referenciado a padrões internacionais de excelência 2. Erradicação da pobreza e redução das desigualdades para ampla inclusão social 7. Diversificação econômica, agregação de valor à produção e adensamento das cadeias produtivas 9. Desenvolvimento do capital social e da qualidade e robustez das instituições capixabas 6. Recuperação e conservação de recursos naturais 3. Redução drástica e definitiva da violência e da criminalidade no estado 4. Promoção de um desenvolvimento mais equilibrado entre a região metropolitana, o litoral e o interior 8. Alcance de níveis crescentes de eficiência, integração e acessibilidade do sistema logístico 11. Estabelecimento de alianças estratégicas regionais para aproveitamento de oportunidades de desenvolvimento integrado de interesse do estado 5. Desenvolvimento de uma rede equilibrada de cidades 10. Fortalecimento da identidade capixaba e imagem do estado Estratégia de Desenvolvimento Projetos Estruturantes 1. Gestão e Inovação do Sistema Educacional e das Escolas 2. Formação e Valorização de Professores 3. Implantação da Jornada Ampliada 4. Qualidade e Expansão da Educação Infantil 6. Qualidade e Universalização do Ensino Médio 5. Qualidade do Ensino Fundamental 7. Expansão e Qualidade do Ensino Técnico 8. Expansão do Acesso ao Ensino Superior de Qualidade 9. Promoção do Desenvolvimento Local 10. Consolidação e Ampliação das Transferências de Renda Condicionadas 12. Educação de Adultos 11. Universalização do Acesso à Tecnologia da Informação 13. Universalização dos Serviços de Saúde da Família 14. Prevenção à Gravidez e Planejamento Familiar 15. Ampliação do Acesso à Habitação de Baixa Renda 16. Sistema Integrado de Defesa Social 18. Atenção ao Jovem 17. Redução dos Crimes Contra o Patrimônio 19. Prevenção Social da Criminalidade 20. Gestão da Segurança Pública 21. Capacitação Policial Orientada para Resultados 23. Ampliação e Modernização do Sistema Prisional 22. Modernização da Polícia Técnico-Científica 24. Policiamento Comunitário e Solução de Problemas 25. Controle de Atividade Policial 26. Diagnóstico e Pesquisa em Segurança Pública 27. Gestão da Competitividade Sistêmica no Interior 28. APL Mármore e Granito 29. APL Confecções e Vestuário 30. APL Florestal-Moveleiro 31. APL Fruticultura 33. APL Alimentos e Bebidas 32. APL Café 34. APL Turismo 35. Cadeia Produtiva da Pecuária Leiteira 36. Planejamento e Gestão de Cidades 38. Rede de Cidades Cachoeiro de Itapemirim 37. Desenvolvimento da Região Metropolitana Grande Vitória 39. Rede de Cidades Colatina 40. Rede de Cidades Linhares 41. Rede de Cidades São Mateus 43. Desenvolvimento Urbano de Aracruz e Região de Impacto 42. Rede de Cidades de Nova Venécia 44. Desenvolvimento Urbano de Anchieta e Região de Impacto 45. Rede de Cidades Serranas 46. Rede de Cidades Caparaó 47. Expansão com Qualidade da Habitação Urbana 48. Universalização do Saneamento 49. Conservação e Recuperação da Mata Atlântica 50. Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos 52. Gerenciamento de Resíduos Sólidos 51. Expansão e Diversificação de Plantios Agro florestais Comerciais 53. Educação Ambiental 54. Conservação de Solos 56. Qualificação de Mão de Obra para os Setores Produtivos 55. Promoção e Atração de Investimentos 57. Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Setor Petróleo e Gás Natural 58. Tecnologia e Inovação 59. Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Setor Petróleo e Gás Natural 61. Implantação do Polo Siderúrgico em Anchieta 60. Implantação do Polo Gás-Químico do Espírito Santo 62. Implantação de Unidades de Ferro-Esponja Briquetado e Aciaria 64. Desenvolvimento de Fontes Alternativas de Energia 65. Geração de Energia Elétrica 67. Transporte e Distribuição de Gás Natural 66. Desenvolvimento da Indústria Naval 68. Desenvolvimento do Porto Barra do Riacho 69. Adequação do Porto de Vitória 70. Desenvolvimento do Porto de Ubú 72. Eixo Longitudinal Interiorano 71. Eixo Longitudinal Litorâneo 73. Eixos Transversais 74. Adequação de Capacitação da BR 262 75. Eixos Diagonais 77. Adequação do Corredor Centro-Leste 76. Ferrovia Litorânea Sul 78. Terminal de Cargas Aéreas 79. Ramal Ferroviário Norte 80. Transporte e Distribuição de Gás Natural 81. Profissionalização e Inovação no Serviço Público 82. Gestão Orientada para Resultados 84. Modernização da Gestão Pública Municipal 83. Governo Eletrônico 85. Pesquisa Aplicada em Políticas Públicas 86. Qualidade da Administração Pública 87. Ampliação da Gestão Pública Não Governamental 89. Disseminação da Cultura Capixaba na Educação 88. Valorização e Divulgação da Imagem 90. Preservação das Manifestações Culturais Tradicionais 91. Rede de Espaços Culturais 92. Desenvolvimento do Esporte 93. Cultura em Transformação 95. Alianças Estratégicas para Desenvolvimento Econômico Integrado 94. Alianças Estratégicas para a Erradicação da Pobreza e Redução das Desigualdades 97. Alianças Estratégicas para Recuperação e Conservação de Recursos Naturais 96. Alianças Estratégicas para Integração Logística 63. Implantação de Unidades de Laminação a Frio e Galvanização Plano de Desenvolvimento ES 2025
  22. 22. 4. Análise da Carteira de Projetos
  23. 23. Análise da Carteira de Projetos <ul><li>Análise multicritério e participativa para </li></ul><ul><ul><li>Avaliação da coerência dos projetos com a estratégia de desenvolvimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Determinação da intensidade de gerenciamento dos projetos </li></ul></ul><ul><ul><li>Avaliação e otimização da alocação de recursos </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificação dos pontos de melhoria na qualidade dos projetos </li></ul></ul>
  24. 24. Estrutura de fatores de priorização dos projetos do ES 2025
  25. 25. Ferramenta: análise estrutural de projetos e carteiras <ul><li>Identifica e dimensiona as relações de influenciação e causalidade entre projetos ou carteiras: </li></ul><ul><ul><li>Com que intensidade o projeto “i” contribui para o bom desempenho e/ou os resultados do projeto “j” ? </li></ul></ul><ul><li>Hierarquiza os projetos (ou carteiras) em função da intensidade dessas relações </li></ul><ul><ul><li>Plano motricidade x dependência </li></ul></ul>
  26. 26. FAE – Ferramenta de Análise Estrutural Plano Motricidade x Dependência – Carteiras de Projetos do ES 2025 Motricidade (%) Dependência (%) Capital Institucional Capital Humano Controle da Violência Desenvolvimento da Logística Inserção Estratégica Regional Rede de Cidades Interiorização do Desenvolvimento Aumento do Valor Agregado Recuperação e conservação de Recursos Naturais Identidade e Imagem Capixaba Erradicação da Pobreza 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 10 20 30 50 40 60 70 80 90 100
  27. 27. Estrutura de fatores de priorização dos projetos do ES 2025
  28. 31. Análise Estratégica dos Projetos do ES Custos (R$ milhões) 0 100.000 Capacidade de Transformação Moderada Alta Risco Moderado Alto 5 9 3 4 13 31 47 48 58 68 71 74 77 79 14 projetos com alta intensidade de gerenciamento
  29. 32. Projetos de maior intensidade requerida de gerenciamento <ul><li>Desenvolvimento do Capital Humano </li></ul><ul><ul><li>Implantação da Jornada Ampliada </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidade e Expansão da Educação Infantil </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidade do Ensino Fundamental </li></ul></ul><ul><li>Erradicação da Pobreza e Redução das Desigualdades </li></ul><ul><ul><li>Promoção do Desenvolvimento Local </li></ul></ul><ul><ul><li>Universalização dos Serviços de Saúde da Família </li></ul></ul><ul><li>Interiorização do Desenvolvimento </li></ul><ul><ul><li>APL Fruticultura </li></ul></ul><ul><li>Desenvolvimento da Rede de Cidades </li></ul><ul><ul><li>Expansão com Qualidade da Habitação Urbana </li></ul></ul><ul><li>Recuperação e Conservação de Recursos Naturais </li></ul><ul><ul><li>Universalização do Saneamento </li></ul></ul><ul><li>Agregação de Valor à Produção, Adensamento das Cadeias Produtivas e Diversificação Econômica </li></ul><ul><ul><li>Tecnologia e Inovação </li></ul></ul><ul><li>Desenvolvimento da Logística </li></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento do Porto de Barra do Riacho </li></ul></ul><ul><ul><li>Eixo Longitudinal Litorâneo </li></ul></ul><ul><ul><li>Adequação de Capacidade da BR 262 </li></ul></ul><ul><ul><li>Adequação do Corredor Centro-Leste </li></ul></ul><ul><ul><li>Ramal Ferroviário Norte </li></ul></ul>
  30. 33. Estrutura de fatores da APEX-Brasil Unidade de Projetos 1. Desempenho Potencial do Projeto 2. Coerência com a Estratégia da APEX Brasil 1.1 Potencial do produto /serviço 1.2 Capacidade das Empresas 1.3 Capacidade de gestão da entidade 1.4 Qualidade do Projeto 2.1 Aumento das Exportações 2.2 Aumento da Base Exportadora 2.3 Diversificação da pauta exportadora 2.4 Diversificação de mercados 2.5 D esenvolvimento econômico e social 2.6 I magem comercial do Brasil 0,153 0,132 0,112 0,103 0,125 0,098 0,072 0,057 0,076 0,073 0,5 0,5
  31. 34. 1 4 2 3 Matriz de Análise Estratégica Resultado APEX-Brasil 1 4 2 3 4 5 9 11 12 20 22 24 26 27 28 30 31 33 35 39 52 53 56 57 1 2 3 6 7 8 10 14 14 15 16 17 19 20 21 23 25 29 32 34 36 37 38 40 42 42 43 44 46 46 48 48 49 50 51 54 55 0,10 0,30 0,50 0,10 0,30 0,50 Desempenho Potencial do Projeto Coerência com a Estratégia da APEX
  32. 35. 5. Monitoramento estratégico dos projetos de desenvolvimento
  33. 36. Monitoramento <ul><li>Atividade sistemática que visa provocar decisões para eliminar obstáculos à implantação dos projetos </li></ul>Tomada de decisão Informação gerencial Análise e sinalização
  34. 37. Fatores críticos de sucesso: <ul><li>Sistema de informações gerenciais operando em tempo real </li></ul><ul><li>Equipe dedicada ao monitoramento para </li></ul><ul><ul><li>Produzir informações sintéticas, interpretadas e tempestivas </li></ul></ul><ul><ul><li>Fazer a avaliação situacional e identificar riscos </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar e propor medidas preventivas e corretivas </li></ul></ul><ul><ul><li>Acionar a cadeia decisória quando necessário </li></ul></ul><ul><li>Disciplina de trabalho </li></ul>
  35. 38. Mensagem final
  36. 39. Projetos de Desenvolvimento: uma nova fronteira do gerenciamento de projetos <ul><li>Projetos orientados para transformações do contexto econômico, social, ambiental, tecnológico e institucional </li></ul><ul><li>Instrumento de gerenciamento de organismos públicos, organizações não governamentais e empresas praticantes da responsabilidade social </li></ul><ul><li>Gerenciamento intensivo, multiplicidade de atores, diversidade de fontes e formas de financiamento e ambientes em constante mudança </li></ul><ul><li>Sinergia entre projetos como elemento de organização de carteiras de projetos de alcance estratégico </li></ul><ul><li>Novas abordagens de monitoramento e de avaliação de resultados </li></ul>
  37. 40. Projetos de Desenvolvimento: uma nova fronteira do gerenciamento de projetos <ul><li>Projetos orientados para transformações do contexto econômico, social e ambiental </li></ul><ul><li>Instrumento de gerenciamento de organismos públicos, organizações não governamentais e empresas praticantes da responsabilidade social </li></ul><ul><li>Gerenciamento intensivo, multiplicidade de atores, diversidade de fontes e formas de financiamento e ambientes em constante mudança </li></ul><ul><li>Sinergia entre projetos como elemento de organização de carteiras de projetos de alcance estratégico </li></ul><ul><li>Novas abordagens de monitoramento e de avaliação de resultados </li></ul>

×