SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Unic – Universidade de
Cuiabá
HERBICIDAS
ACADÊMICOS:
DOCENTES:
HERBICIDAS
• Composto triazínicos
• Derivados da uréia
• Penta clorofenol e
dinitrofenos
• Compostos
quaternários de
amônia
• Fenoxiacidos
Tipos de
Herbicidas
Herbicida - Definição
“É um produto químico utilizado para
destruir ou controlar o crescimento de
plantas daninhas, arbustos ou qualquer
tipo de vegetação indesejável”.
Fatos históricos
 Dentre as todas armas de guerra presentes, destacaram-se
os herbicidas desfolhantes ( o mais famosos ficou
conhecido como “agente laranja”), que foram utilizados
pelos norte-americanos pela seguinte razão: como a
resistência vietnamita era composta por bandos de
guerrilheiros que se escondiam nas florestas, formando
tocaias e armadilhas para os soldados americanos, a
aspersão de nuvens de herbicidas por aviões fazia com que
as árvores perdessem suas folhagens, dificultando a
formação de esconderijos. Contudo, essa operação militar
aparentemente bem sucedida trouxe consequências
ambientais e de saúde catastróficas para a população local
Fatos históricos
“Nós permitimos que esses produtos
químicos fossem utilizados com pouca ou
nenhuma pesquisa prévia sobre seu efeito
no solo, na água, animais selvagens e sobre
o próprio homem”.
Publicado em 1962, Primavera Silenciosa (Silent Spring) de Rachel
Carson
Composto triazínicos
• É um grupo de substância geralmente utilizadas como
herbicidas.
Produto DL50 rato (mg/kg)
Anilasine 2.710
Ametryne 1.110
Atrazine 2.000
Cyanazine 288
Hexazinone 1.690
Metribuzin 2.200
Prometon 2.980
Prometrine 3.150
Simazine >5.000
The WHO recommended classification of pesticides by hazard, 1989.
Composto triazínicos
• Os herbicidas desse grupo apresenta
uma toxicidade relativamente baixa ,
praticamente não existe relatos sobre
intoxicação agudas humanas, mas
sim em animais. Alguns
componentes do grupo como a
Anilasine e a Atrazine são irritantes a
pele e mucosa ocular.
Composto triazínicos
Exposições crônicas
Atrazina: Estudos avaliados em 2001 pela EPA. Tumores
mamários observados em ratos. Fortes evidências recentes de
causar desregulação endócrina.
Simazina: Estudos avaliados em 2002 pela EPA. Mostrou-se
fetotóxico / embrio-fetal em coelhos, em um estudo
reprodutivo. Alguns ensaios foram positivos para
mutagenicidade. Aumentou a incidência de tumores benignos
e malignos das glândulas mamárias em rato
Ametrina: Não há dados disponíveis ou adequados para
determinar seu potencial carcinogênico e reprodutivo em
humanos Causa dano hepático em animais (EXTOXNET).
Tratamento
• É apenas sintomáticos e de suporte.
Nos casos e nos casos excepcionais
de ingestão os risco e benefícios dos
procedimento para o esvaziamento
gatrico devem ser ponderados.
Derivados da uréias
Produto DL50 rato (mg/kg)
Diflubenzuron 4.640
Diuron 3.400
Fenuron 6.400
Fluometuron 8.000
Linuron 4.000
Monuron 3.600
Neburon 2.980
A toxicidade dos herbicidas desse grupo é relativamente baixa.
Praticamente não foram registradas intoxicações na espécie humana,
alguns pode provocar dermatite por contato direto e prolongado, mas
em animais foram relatados distúrbios sanguíneos, principalmente
anemia metemoglobiemias, além de um quadro neurológico
evidenciado por ataxia e convulsões e coma.
Produtos incluídos no grupo da ureia modificadas e suas respectivas
DL50 rato.
Penta clorofenol e Dinitrofenos
Conhecido como PCP é comercializado
principalmente como Dwocid 7,
Impergnatox, Imunit, Jimo cupim, Pentud
entre outros.
Insolúvel em agua e solúveis em solventes
orgânicos (éter etílico e álcool etílico)
Utilizado como inseticida e fungicida
(preservados de madeira)
Dose toxica
• DL50 é estimada em 2g/70kg.
Em doses muito menores
como 0,2g/70kg já apresenta
efeitos tóxicos ao homem.
Etiologia da intoxições
Suicidas
Homicidas
Acidentais
Farmacodinâmica
Promovem inibição das
ligações fosfóricas reguladoras
Da utilização de energia pela
Célula
Absorção
Via oral Respiratória
Cutânea
Metabolismo
• Possui propriedades de eliminar se
rapidamente pela urina
principalmente pela forma inalterada,
reage com acido glicurônio e forma
um derivado glicuroconjugado
Sinais e sintomas
• O inicio da manifestação toxica é
geralmente abrupto e pode ocorrer horas
ou ate dois dia. Ocasiona febre alta,
hipertensão, glicosuria, hiperglicemia,
hiperperistaltismo, cefaleia, dificuldade
respiratória, cirrose, hematúria, coma.
• Nos casos não agudo tem se notado
erupções cutâneas, lesões hepáticas e
renais.
Tratamento
• Lavagem gástrica com bicarbonato
de sódio.
• Purgante salino;
• Tratar a febre com antitérmico e
compressas frias.
• Atropina é altamente contra indicado.
Pesquisa toxicologias
Cromatografia
em camada
delgada
Cromatografia
gasosa
Compostos Quaternários de Amônia
• Agente de importância
toxicologia PARAQUAT
(Gramoxone e Reglone) o
Diquat.
• Altamente solúveis em agua.
Toxicidade
• DL50 3 a 5 g porem já ocorreu óbitos
com 4g.
• O diquat tem a DL50 em 10 a 20g.
Índice insignificante de óbitos.
• Em solos são inativados
possivelmente por se combinarem
com as partícula argila
Farmacodinâmica
Está bem estabelecido que o “Ciclo
Redox” é a reação primária responsável
pela toxicidade do paraquat. Em
condições anaeróbicas, o cátion
paraquat pode ser reduzido através de
NADPH microssomal dependente para
formar o radical reduzido. Este então
reage com oxigênio molecular para
formar o cátion de paraquat e o íon
superóxido. O Paraquat continuará então
o ciclo de oxidação para a forma
reduzida com os elétrons do oxigênio,
causando morte celular por
lipoperoxidação das membranas
celulares ou depleção de NADPH, como
no pulmão, onde há acumulação seletiva
tanto nos pneumócitos tipo I e II.
Absorção
Via oral Cutânea
Pouquíssima pela
via cutânea
Sinais e sintomas
• Queimação na boca, garganta, esôfago,
quando ingerido;
• Distúrbios respiratório e cianose
• Hemoptise
• Tremores, convulsões, cólicas intensa,
diarreias, problemas hepáticos e renais.
• No diquat não haverá gravidades da lesão
pulmonares.
Tratamento
• Ingestão de leite ou albumina no caso de
diquat e no paraquat pode se usar o
carvão ativado.
• Purgante;
• Vitamina c em altas doses
• Repor liquido e força a diurese no caso do
diquat.
• Repouso absoluto
Pesquisa toxicológicas
• Teste rápido – TOMPSETT 10 ml de
urina ou lavado gástrico e adicionar
150mg de Na2HCO3 positiva para
diquat cor amarelada esverdeada e
paraquat cor azul imediata.
• Cromatografia camada delgada
Fenoxiacidos
Destacam-se 2,4 diclorofenoxiacético,
seus sais e ésteres.
 O acido 2,4,5 triclorofenoxiacetico,
atualmente não utilizado também
pertencia ao grupo.
Fenoxiacidos
2,4-D
• Dose toxica ao
homem é de 3-
4g
• Apresenta em
forma de um pó
branco e de
odor fenólico
2,4,5-T
• Quadro toxico
igual ao 2,4-D
• Graves
problemas são
descrito devido
a presença de
dioxina
Dioxina
Especificamente 2,3,7,8 tetraclorodibenzo-p-
dioxina TCDD é uma substancia química
extremamente toxica, DL50 a partir de
0,1mcg/kg e potente ação teratogênica,
mutagênica, carcinogênica.
Absorção
Via oral Cutânea
Pouquíssima pela
via cutânea
Toxicodinâmica
2,4-
diclorofenoxiacé
tico bem como
os demais
derivados
clorofenoxi são
inibidores da
fosforilação
oxidativa
clinica
O TCDD é altamente lipossolúvel,
tende a se acumular no tecido
adiposo e é eliminada sem
alterações nas fezes.
Sintomatologia
• Lesões
cutâneas
tardia e
atrófica
• Cefaleia,
mialgia,
fadiga e
Parestesia.
• Disfunção
hepática
• Na pele,
bolhas,
pústulas de
cor amarelada
Cloracne Hepatomegalia
Disturbio do
metabolismo
da porfirina
Disturbios
neurológicos e
musculares
Tratamento
• Não existe antidoto especifico. As lesões
cutânea, que mais afligem o paciente, em
virtude de seus problemas estéticos,
devem merecer especial atenção com
cuidados de higiene intensos. Todo
paciente exposto devem ser seguidos
durante longo tempo para detecção de
possíveis efeitos carcinogênicos.
Referencias bibliográficas
• JAKELAITIS, A. et al. Influência de herbicidas e de sistemas
de semeadura de Brachiaria brizantha consorciada com
milho. Planta daninha, v. 23, n. 1, p. 59-67, 2005.
• VIDAL, Ribas Antonio. Herbicidas: mecanismos de ação e
resistência de plantas. RA Vidal, 1997.
• MIDIO, Antonio Flavio; MARTINS, Deolinda Izumida.
Herbicidas em alimentos: aspectos gerais toxicológicos e
analíticos. Livraria Varela, 1997.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIAMANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIAGeagra UFG
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxGeagra UFG
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxGeagra UFG
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoGeagra UFG
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESGeagra UFG
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoGeagra UFG
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoGeagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controleGeagra UFG
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseGeagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de Ação de Herbicidas
Mecanismo de Ação de HerbicidasMecanismo de Ação de Herbicidas
Mecanismo de Ação de HerbicidasGeagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Geagra UFG
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertiajrturra
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIAMANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
MANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDESMANEJO DE FITONEMATOIDES
MANEJO DE FITONEMATOIDES
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
 
Mecanismo de Ação de Herbicidas
Mecanismo de Ação de HerbicidasMecanismo de Ação de Herbicidas
Mecanismo de Ação de Herbicidas
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 
A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 

Semelhante a Herbicidas

Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5profsempre
 
Feminização dos peixes
Feminização dos peixesFeminização dos peixes
Feminização dos peixesHiago Bellaver
 
5-Slides-DefensivosAgricolas.pptx
5-Slides-DefensivosAgricolas.pptx5-Slides-DefensivosAgricolas.pptx
5-Slides-DefensivosAgricolas.pptxjuamis morais
 
Segurança no trabalho rural
Segurança no trabalho ruralSegurança no trabalho rural
Segurança no trabalho ruralZacarias Junior
 
dirofilariosecanina-210331003057.pptx
dirofilariosecanina-210331003057.pptxdirofilariosecanina-210331003057.pptx
dirofilariosecanina-210331003057.pptxLuisFelipeFerreirada3
 
Dirofilariose canina
Dirofilariose caninaDirofilariose canina
Dirofilariose caninaMariane Gomes
 
Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)
Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)
Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)Adry Sifhord
 
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residênciaAtendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residênciaCarlos Collares
 
Efeitos da quitosana no controle de doenças pós colheita
Efeitos da quitosana no controle de doenças pós colheitaEfeitos da quitosana no controle de doenças pós colheita
Efeitos da quitosana no controle de doenças pós colheitaErnane Nogueira Nunes
 
Seminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdf
Seminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdfSeminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdf
Seminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdfGREICIELEFARIASDASIL
 
Estudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cãesEstudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cãesLeonora Mello
 
Venenos de Animais da Classe Amphibia
Venenos de Animais da Classe AmphibiaVenenos de Animais da Classe Amphibia
Venenos de Animais da Classe AmphibiaHugo Fialho
 
Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular, Ozonioterapia e A...
Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular,  Ozonioterapia e A...Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular,  Ozonioterapia e A...
Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular, Ozonioterapia e A...Clínica Higashi
 

Semelhante a Herbicidas (20)

Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5
 
Giardia cryptosporidium ferro e manganês
Giardia  cryptosporidium ferro e manganêsGiardia  cryptosporidium ferro e manganês
Giardia cryptosporidium ferro e manganês
 
Feminização dos peixes
Feminização dos peixesFeminização dos peixes
Feminização dos peixes
 
5-Slides-DefensivosAgricolas.pptx
5-Slides-DefensivosAgricolas.pptx5-Slides-DefensivosAgricolas.pptx
5-Slides-DefensivosAgricolas.pptx
 
Toxicologia e compostos orgânicos
Toxicologia e compostos orgânicosToxicologia e compostos orgânicos
Toxicologia e compostos orgânicos
 
Segurança no trabalho rural
Segurança no trabalho ruralSegurança no trabalho rural
Segurança no trabalho rural
 
dirofilariosecanina-210331003057.pptx
dirofilariosecanina-210331003057.pptxdirofilariosecanina-210331003057.pptx
dirofilariosecanina-210331003057.pptx
 
Dirofilariose canina
Dirofilariose caninaDirofilariose canina
Dirofilariose canina
 
Toxicologia
ToxicologiaToxicologia
Toxicologia
 
Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)
Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)
Calêndula Apresentação farmacognosia (1) (1)
 
Ectoparasiticidas
EctoparasiticidasEctoparasiticidas
Ectoparasiticidas
 
Toxicologia
ToxicologiaToxicologia
Toxicologia
 
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residênciaAtendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
Atendimento inicial das intoxicações + Questões de residência
 
Efeitos da quitosana no controle de doenças pós colheita
Efeitos da quitosana no controle de doenças pós colheitaEfeitos da quitosana no controle de doenças pós colheita
Efeitos da quitosana no controle de doenças pós colheita
 
Seminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdf
Seminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdfSeminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdf
Seminário-Poluentes-emergentes_2S2017.pdf
 
Estudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cãesEstudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cães
 
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescadoApresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
 
Venenos de Animais da Classe Amphibia
Venenos de Animais da Classe AmphibiaVenenos de Animais da Classe Amphibia
Venenos de Animais da Classe Amphibia
 
Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular, Ozonioterapia e A...
Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular,  Ozonioterapia e A...Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular,  Ozonioterapia e A...
Avanços na Medicina: Medicina Regenerativa, Ortomolecular, Ozonioterapia e A...
 
Endocrinos
EndocrinosEndocrinos
Endocrinos
 

Mais de Mabi Almeida

Plano de negócios
Plano de negóciosPlano de negócios
Plano de negóciosMabi Almeida
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Mabi Almeida
 
Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Mabi Almeida
 
Farmacognosia nova técnica de extração de alcaloides
Farmacognosia   nova técnica de extração de alcaloidesFarmacognosia   nova técnica de extração de alcaloides
Farmacognosia nova técnica de extração de alcaloidesMabi Almeida
 
Trabalho farmacognosia
Trabalho farmacognosiaTrabalho farmacognosia
Trabalho farmacognosiaMabi Almeida
 
Triagem fitoquimica copia
Triagem fitoquimica   copiaTriagem fitoquimica   copia
Triagem fitoquimica copiaMabi Almeida
 
Trabalho de hospitalar Radiofarmacos
Trabalho de hospitalar Radiofarmacos Trabalho de hospitalar Radiofarmacos
Trabalho de hospitalar Radiofarmacos Mabi Almeida
 

Mais de Mabi Almeida (9)

Plano de negócios
Plano de negóciosPlano de negócios
Plano de negócios
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
 
Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011
 
Farmacognosia nova técnica de extração de alcaloides
Farmacognosia   nova técnica de extração de alcaloidesFarmacognosia   nova técnica de extração de alcaloides
Farmacognosia nova técnica de extração de alcaloides
 
Trabalho farmacognosia
Trabalho farmacognosiaTrabalho farmacognosia
Trabalho farmacognosia
 
Triagem fitoquimica copia
Triagem fitoquimica   copiaTriagem fitoquimica   copia
Triagem fitoquimica copia
 
Trabalho de hospitalar Radiofarmacos
Trabalho de hospitalar Radiofarmacos Trabalho de hospitalar Radiofarmacos
Trabalho de hospitalar Radiofarmacos
 
Cromatografia ccd
Cromatografia ccdCromatografia ccd
Cromatografia ccd
 
Mabi
MabiMabi
Mabi
 

Último

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Herbicidas

  • 1. Unic – Universidade de Cuiabá HERBICIDAS
  • 3. HERBICIDAS • Composto triazínicos • Derivados da uréia • Penta clorofenol e dinitrofenos • Compostos quaternários de amônia • Fenoxiacidos Tipos de Herbicidas
  • 4. Herbicida - Definição “É um produto químico utilizado para destruir ou controlar o crescimento de plantas daninhas, arbustos ou qualquer tipo de vegetação indesejável”.
  • 5. Fatos históricos  Dentre as todas armas de guerra presentes, destacaram-se os herbicidas desfolhantes ( o mais famosos ficou conhecido como “agente laranja”), que foram utilizados pelos norte-americanos pela seguinte razão: como a resistência vietnamita era composta por bandos de guerrilheiros que se escondiam nas florestas, formando tocaias e armadilhas para os soldados americanos, a aspersão de nuvens de herbicidas por aviões fazia com que as árvores perdessem suas folhagens, dificultando a formação de esconderijos. Contudo, essa operação militar aparentemente bem sucedida trouxe consequências ambientais e de saúde catastróficas para a população local
  • 6. Fatos históricos “Nós permitimos que esses produtos químicos fossem utilizados com pouca ou nenhuma pesquisa prévia sobre seu efeito no solo, na água, animais selvagens e sobre o próprio homem”. Publicado em 1962, Primavera Silenciosa (Silent Spring) de Rachel Carson
  • 7. Composto triazínicos • É um grupo de substância geralmente utilizadas como herbicidas. Produto DL50 rato (mg/kg) Anilasine 2.710 Ametryne 1.110 Atrazine 2.000 Cyanazine 288 Hexazinone 1.690 Metribuzin 2.200 Prometon 2.980 Prometrine 3.150 Simazine >5.000 The WHO recommended classification of pesticides by hazard, 1989.
  • 8. Composto triazínicos • Os herbicidas desse grupo apresenta uma toxicidade relativamente baixa , praticamente não existe relatos sobre intoxicação agudas humanas, mas sim em animais. Alguns componentes do grupo como a Anilasine e a Atrazine são irritantes a pele e mucosa ocular.
  • 9. Composto triazínicos Exposições crônicas Atrazina: Estudos avaliados em 2001 pela EPA. Tumores mamários observados em ratos. Fortes evidências recentes de causar desregulação endócrina. Simazina: Estudos avaliados em 2002 pela EPA. Mostrou-se fetotóxico / embrio-fetal em coelhos, em um estudo reprodutivo. Alguns ensaios foram positivos para mutagenicidade. Aumentou a incidência de tumores benignos e malignos das glândulas mamárias em rato Ametrina: Não há dados disponíveis ou adequados para determinar seu potencial carcinogênico e reprodutivo em humanos Causa dano hepático em animais (EXTOXNET).
  • 10. Tratamento • É apenas sintomáticos e de suporte. Nos casos e nos casos excepcionais de ingestão os risco e benefícios dos procedimento para o esvaziamento gatrico devem ser ponderados.
  • 11. Derivados da uréias Produto DL50 rato (mg/kg) Diflubenzuron 4.640 Diuron 3.400 Fenuron 6.400 Fluometuron 8.000 Linuron 4.000 Monuron 3.600 Neburon 2.980 A toxicidade dos herbicidas desse grupo é relativamente baixa. Praticamente não foram registradas intoxicações na espécie humana, alguns pode provocar dermatite por contato direto e prolongado, mas em animais foram relatados distúrbios sanguíneos, principalmente anemia metemoglobiemias, além de um quadro neurológico evidenciado por ataxia e convulsões e coma. Produtos incluídos no grupo da ureia modificadas e suas respectivas DL50 rato.
  • 12. Penta clorofenol e Dinitrofenos Conhecido como PCP é comercializado principalmente como Dwocid 7, Impergnatox, Imunit, Jimo cupim, Pentud entre outros. Insolúvel em agua e solúveis em solventes orgânicos (éter etílico e álcool etílico) Utilizado como inseticida e fungicida (preservados de madeira)
  • 13. Dose toxica • DL50 é estimada em 2g/70kg. Em doses muito menores como 0,2g/70kg já apresenta efeitos tóxicos ao homem.
  • 15. Farmacodinâmica Promovem inibição das ligações fosfóricas reguladoras Da utilização de energia pela Célula
  • 17. Metabolismo • Possui propriedades de eliminar se rapidamente pela urina principalmente pela forma inalterada, reage com acido glicurônio e forma um derivado glicuroconjugado
  • 18. Sinais e sintomas • O inicio da manifestação toxica é geralmente abrupto e pode ocorrer horas ou ate dois dia. Ocasiona febre alta, hipertensão, glicosuria, hiperglicemia, hiperperistaltismo, cefaleia, dificuldade respiratória, cirrose, hematúria, coma. • Nos casos não agudo tem se notado erupções cutâneas, lesões hepáticas e renais.
  • 19. Tratamento • Lavagem gástrica com bicarbonato de sódio. • Purgante salino; • Tratar a febre com antitérmico e compressas frias. • Atropina é altamente contra indicado.
  • 21. Compostos Quaternários de Amônia • Agente de importância toxicologia PARAQUAT (Gramoxone e Reglone) o Diquat. • Altamente solúveis em agua.
  • 22. Toxicidade • DL50 3 a 5 g porem já ocorreu óbitos com 4g. • O diquat tem a DL50 em 10 a 20g. Índice insignificante de óbitos. • Em solos são inativados possivelmente por se combinarem com as partícula argila
  • 23. Farmacodinâmica Está bem estabelecido que o “Ciclo Redox” é a reação primária responsável pela toxicidade do paraquat. Em condições anaeróbicas, o cátion paraquat pode ser reduzido através de NADPH microssomal dependente para formar o radical reduzido. Este então reage com oxigênio molecular para formar o cátion de paraquat e o íon superóxido. O Paraquat continuará então o ciclo de oxidação para a forma reduzida com os elétrons do oxigênio, causando morte celular por lipoperoxidação das membranas celulares ou depleção de NADPH, como no pulmão, onde há acumulação seletiva tanto nos pneumócitos tipo I e II.
  • 25. Sinais e sintomas • Queimação na boca, garganta, esôfago, quando ingerido; • Distúrbios respiratório e cianose • Hemoptise • Tremores, convulsões, cólicas intensa, diarreias, problemas hepáticos e renais. • No diquat não haverá gravidades da lesão pulmonares.
  • 26. Tratamento • Ingestão de leite ou albumina no caso de diquat e no paraquat pode se usar o carvão ativado. • Purgante; • Vitamina c em altas doses • Repor liquido e força a diurese no caso do diquat. • Repouso absoluto
  • 27. Pesquisa toxicológicas • Teste rápido – TOMPSETT 10 ml de urina ou lavado gástrico e adicionar 150mg de Na2HCO3 positiva para diquat cor amarelada esverdeada e paraquat cor azul imediata. • Cromatografia camada delgada
  • 28. Fenoxiacidos Destacam-se 2,4 diclorofenoxiacético, seus sais e ésteres.  O acido 2,4,5 triclorofenoxiacetico, atualmente não utilizado também pertencia ao grupo.
  • 29. Fenoxiacidos 2,4-D • Dose toxica ao homem é de 3- 4g • Apresenta em forma de um pó branco e de odor fenólico 2,4,5-T • Quadro toxico igual ao 2,4-D • Graves problemas são descrito devido a presença de dioxina
  • 30. Dioxina Especificamente 2,3,7,8 tetraclorodibenzo-p- dioxina TCDD é uma substancia química extremamente toxica, DL50 a partir de 0,1mcg/kg e potente ação teratogênica, mutagênica, carcinogênica.
  • 32. Toxicodinâmica 2,4- diclorofenoxiacé tico bem como os demais derivados clorofenoxi são inibidores da fosforilação oxidativa
  • 33. clinica O TCDD é altamente lipossolúvel, tende a se acumular no tecido adiposo e é eliminada sem alterações nas fezes.
  • 34. Sintomatologia • Lesões cutâneas tardia e atrófica • Cefaleia, mialgia, fadiga e Parestesia. • Disfunção hepática • Na pele, bolhas, pústulas de cor amarelada Cloracne Hepatomegalia Disturbio do metabolismo da porfirina Disturbios neurológicos e musculares
  • 35. Tratamento • Não existe antidoto especifico. As lesões cutânea, que mais afligem o paciente, em virtude de seus problemas estéticos, devem merecer especial atenção com cuidados de higiene intensos. Todo paciente exposto devem ser seguidos durante longo tempo para detecção de possíveis efeitos carcinogênicos.
  • 36. Referencias bibliográficas • JAKELAITIS, A. et al. Influência de herbicidas e de sistemas de semeadura de Brachiaria brizantha consorciada com milho. Planta daninha, v. 23, n. 1, p. 59-67, 2005. • VIDAL, Ribas Antonio. Herbicidas: mecanismos de ação e resistência de plantas. RA Vidal, 1997. • MIDIO, Antonio Flavio; MARTINS, Deolinda Izumida. Herbicidas em alimentos: aspectos gerais toxicológicos e analíticos. Livraria Varela, 1997.