Artigo a importância dos jogos na aprendizagem matemática - sueli maria

54.248 visualizações

Publicada em

2 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Olá estou realizando um trabalho sobre esse artigo e necessito de algumas referencias da autora, se puder me passar alguma agradeço abraço
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Saudações a todos. Aproveito esse momento para, dizer que o artigo é realmente esclarecedor, como também bem organizado. Parabens aos idealizadores. Por ultimo, deixo uma pergunta a esse respeito 'Como definir um sistema de numeração de modo particular?'.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
54.248
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
671
Comentários
2
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo a importância dos jogos na aprendizagem matemática - sueli maria

  1. 1. 0 SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR AMADEUS – SESA FACULDADE AMADEUS – FAMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO – NUPPE CURSO DE METODOLOGIA DO ENSINO DA MATEMÁTICA SUELI MARIA DE SANTANA ROSAA IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DO JOGO NA APREDIZAGEM DAS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS COM NÚMEROS NATURAIS LAGARTO – SE 2011
  2. 2. 1 SUELI MARIA DE SANTANA ROSAA IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DO JOGO NA APREDIZAGEM DAS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS COM NÚMEROS NATURAIS Artigo científico apresentado à Faculdade Amadeus como trabalho de conclusão de curso e requisito básico para obtenção do título de Especialista em Metodologia do Ensino da Matemática. Orientadora: Professora Especialista Erisângela de Jesus Santos LAGARTO – SE 2011
  3. 3. 2 A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DO JOGO NA APREDIZAGEM DAS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS COM NÚMEROS NATURAIS *Sueli Maria de Santana Rosa1RESUMO A Matemática tem se apresentado como uma das disciplinas mais temidas pelosalunos, principalmente nos níveis Fundamental Maior e Médio. Essas dificuldades naaprendizagem da Matemática podem ocasionar a retenção continuada do aluno chegando atémesmo à evasão escolar. Aulas atraentes e motivadores é um estímulo a mais naaprendizagem dos alunos. Apresentado a Matemática como uma disciplina de extremaimportância para o desenvolvimento social e cultural do indivíduo. Iremos promover asocialização entre Escola e Comunidade. Por meio da aplicação de jogos de raciocínio lógico,podemos tornar as aulas mais atraentes e assim conseguimos estimular a participação detodos. Os jogos serão confeccionados a partir dos assuntos estudados e apresentados àcomunidade escolar por meio de festivais de jogos internos, com o objetivo de propor algointeressante e desafiador aos alunos permitindo que os mesmos possam autoavaliar o seugrau de conhecimento e de dificuldades de aprendizagem. Em momentos de brincadeiras nos surpreendemos ao ver educandos desafiando unsaos outros para a execução dos jogos. O lúdico manifesta – se na Matemática de uma maneiramuito intensa e é preciso que o professor tenha clareza para perceber que nos jogos oseducandos recriam e estabilizam aquilo que sabem sobre as mais diversas esferas doconhecimento, em uma atividade espontânea e imaginária.Palavras - chave: Matemática; dificuldade; jogos; aprendizagem.RESUMO Mathematics has emerged as one of the disciplines most feared by students, especially atthe elementary and middle Major. These difficulties in learning mathematics can lead tothe continuedretention of the student even coming to school dropout rates. Attractive andmotivating classes are an added stimulus on students learning. Presented mathematics*Graduada em Matemática pela UFS, especialista em Educação Física Escolar pela Faculdade de Atlântico eprofessora de Matemática na rede municipal de Simão Dias - SE
  4. 4. 3as a discipline of extreme importance to the social and cultural development of the individual.We will promote socialization between School and Community. Through the applicationof logical reasoning games, we can make lessons more attractive and so we can stimulate theparticipation of all. The games will be made from the subjects studied and presented to theschool community through festivals in games, aiming to offer something interesting andchallenging to students and allow them to self-evaluation the degree of knowledge andlearningdifficulties. In moments of play we were surprised to see students challenging each other to carryout the games. The play shows - on the mathematics in a very intense and requires thatthe teacher has to understand clearly that the students recreate the games and stabilize whatwe know about the most diverse spheres of knowledge, a spontaneous activity and imaginary.Palavras - chave: Mathematics, difficulty, games, learning.1 INTRODUÇÃO A Matemática tem se apresentado como uma das disciplinas mais temida peloseducandos, principalmente nos níveis Fundamental e Médio. As dificuldades naaprendizagem podem ocasionar a retenção continuada do educando, chegando até mesmo àevasão escolar. Mesmo antes de entrar na Escola as crianças já tem contato com aMatemática, ao comprar doces e ao fazerem cálculos para saberem quanto gastaram e quantotiveram de troco. Sabe – se também que as quatro operações fundamentais com números naturais (N)deveriam ser pré – requisitos para os alunos do Ensino Fundamental Maior, mas passa a serum conceito que precisa ser bem definido, compreendido e não ignorado, trazendo reflexosnegativos nas séries seguintes. Os recursos utilizados nas aulas devem atender aos anseios dos alunos e o professordeve passar segurança, além de demonstrar paciência para se obter o aproveitamentodesejado. Aulas atraentes e motivadoras é um estímulo a mais na aprendizagem dos alunos, epara que isso aconteça, os professores têm que ter o domínio do conteúdo e estratégias quedinamizem a permanência do aluno em suas aulas. Deve – se salientar que é necessárioenvolver conceitos básicos das operações fundamentais com a realidade dos alunos.
  5. 5. 4 Outro fato que deve ser levado em conta é o baixo rendimento dos alunos emMatemática que vem crescendo assustadoramente e são inúmeras as evidências que deixamtransparecer que ela constitui como uma espécie de peneira para a conclusão do EnsinoFundamental. No contato em sala de aula pode – se observar e conhecer um pouco ascarências e constatar que quando não se entende bem o conteúdo apresentado, tem – se adesmotivação para a assimilação. Com isso a Matemática tem sido apontada como adisciplina que contribui significativamente para as altas taxas de reprovação e,consequentemente, do processo de evasão escolar, gerando a exclusão e conferindo à Escolaum papel elitista e discriminatório. Nesse contexto, o jogo assume um papel importante na Matemática e, é através do seucaráter lúdico que facilmente se divulga a Matemática e se diminui o peso psicológico queesta assume na sociedade. O presente estudo tem como título A importância da prática do jogo na aprendizagemdas quatro operações fundamentais com números naturais: experiência vivida na EscolaMunicipal “Maria Rabelo Barreto”, cujo interesse surgiu durante a prática docente,percebendo as dificuldades apresentadas pelos alunos. O objetivo desse trabalho é propor algo interessante e desafiador aos alunos e depermitir que os mesmos possam auto – avaliar o seu grau de conhecimento e de dificuldadesde aprendizagem, utilizando jogos confeccionados a partir dos conteúdos estudados eaplicados para tornarem as aulas mais atrativas e participativas. O trabalho foi estruturado para ressaltar a importância da utilização dos jogos emnossas aulas para a construção e ampliação do conhecimento. Apesar do ensino da Matemática hoje continuar sendo vista pela maior partesociedade como uma disciplina de resultados precisos e de procedimentos infalíveis, porémpara muitos cansativa, chata e desprazora, cujos elementos abordados são as operaçõesaritméticas, cálculos algébricos, geometria, muitas escolas abordam as sequências de regras, aênfase da memorização, o adestramento intensivo dos algoritmos. Percebe – se que a atualpreocupação Matemática deverá ter como parâmetros a interação da aprendizagem grupal ejamais deverá ser vista por ângulo individualista, fazendo com que a Escola compartilhe o seuconhecimento com a comunidade em geral. A matemática, assim como a Literatura, a Música,os Esportes e a Ciência são um produto cultural e uma atividade culturalmente definida.
  6. 6. 5 A relação entre os jogos e a Matemática deve oportunizar um espaço para explorar edescobrir elementos da realidade que cerca e educando. Dando oportunidades de vivenciarsituações ricas e desafiadoras.2 O JOGO NA APREDIZAGEM MATEMÁTICA Ensinar Matemática é desenvolver raciocínio lógico, estimular o pensamentoindependente, desenvolver a criatividade e a capacidade de manejar situações reais e resolverdiferentes tipos de problemas. Porém deve – se levar em conta, que o mesmo deve estaradequado a realidade do aluno. Todo jogo acontece em um tempo e espaço. Ele é o meio que auxilia na concretizaçãode determinados objetivos e promove o domínio do conhecimento. Segundo Mariotti (2003) ojogo é uma ação livre, sentida com fictícia e voltada ao cotidiano. É uma atividade voluntáriado ser humano. O jogo é liberdade de ação do jogador, a separação do jogo em limites de espaço e tempo, a incerteza que predomina o caráter improdutivo de não criar nem bens nem riquezas e suas regras. (Caillois 2006, p.27) O jogo é uma atividade que permite aprender a relacionar – se com os outros,desenvolver a capacidade de pensamento e fantasia; comunicar – se. Na concepção piagetina, os jogos consistem numa simples assimilação funcional, numexercício de ações individuais já aprendidas. Geram ainda sentimento de prazer e domínio dasações. Para Jean – Jacques Rousseau (1712 – 1778) a criança tem que ter a oportunidade deum ensino livre e espontâneo, gerado com alegria e descontração. Assim o jogo é umamaneira de aprender sem sofrimento e lágrimas. Froebel (1782 – 1852), idealizador dos jardins de infância coloca o jogo como parteintegrante de educação infantil, pois representa ações de liberdade e espontaneidade. Spencer (1820 – 1903) elege o jogo como elemento que propicia o desenvolvimento davida intelectual em todos os aspectos, pois produz uma excitação mental e agradável e, ainda,as crianças que com ele se envolvem denotam interesse e alegria. De acordo com Schwartz (1996) valoriza a noção de jogo aplicado à educaçãodesenvolve – se vagarosamente e penetrou tardiamente, no âmbito escolar, sendo
  7. 7. 6sistematizada com atraso. Porém, trouxe transformações significativas, fazendo com que aaprendizagem se tornassem divertidas. Miguel de Gusman (1986) valoriza a utilização dos jogos para o ensino da Matemática,sobretudo porque os jogos não apenas divertem, mas, também extrai das atividades, materiaissuficientes para gerar conhecimento, interessar e fazer com que os educandos pensem comcerta motivação. De acordo com Borin, (1996) um dos motivos para a introdução de jogos nas aulas deMatemática é a possibilidade de diminuir bloqueios apresentados pelos educandos. Por ser livre de pressões e avaliações, o jogo cria um clima de liberdade, propício aaprendizagem e estimulando a moralidade, o interesse, a descoberta e a reflexão. O jogo de acordo com a abordagem construtivista enfatizada por Moura (2006, p.78)deve ser usado na educação matemática obedecendo aos estágios de idades dos educandos. Fundamentada em Piaget, Alves (2001, p.27) afirma que “os jogos são elementos quedevem ser utilizados em nossas aulas, pois são atividades prazerosas e interessantes”. Para que os jogos sejam realmente úteis no processo educativo é necessário que osmesmos sigam certos critérios: Propor algo interessante e desafiador; Permitir a autoavaliação; Estimular a participação ativa do educando, do começo ao fim de cada jogo. Mas devemos, também, ter alguns cuidados ao escolher os jogos a serem aplicados: Não tornar o jogo algo obrigatório; Escolher jogos que o fator sorte não interfira nas jogadas, permitindo que vença aquele que descobrir as melhores estratégicas; Utilizar atividades que envolvam dois ou mais alunos, para oportunizar a interação social; Estabelecer regras, que podem ou não serem modificadas no decorrer de uma rodada; Trabalhar a frustração pela derrota, no sentido de minimizá –la; Estudar o jogo antes de aplicá – lo (o que só é possível, jogando).
  8. 8. 7 Temos que ter a consciência de que os sujeitos, ao aprenderem, não o fazem comopuros assimiladores de conhecimento, mas sim que nesse processo, existem determinadoscomponentes internos que não podem deixar de ser ignorados pelos educadores. Não é necessário ressaltar a grande importância da solução de problemas, poisvivemos em um mundo o qual cada vez mais, exige que as pessoas pensem, questionem e searrisquem propondo soluções aos vários desafios que surgem no nosso cotidiano. Para que haja aprendizagem é necessário que o aprendiz tenha um determinado nívelde desenvolvimento. As situações de jogo são consideradas parte das atividades pedagógicas,justamente por serem elementos estimuladores do desenvolvimento do raciocínio lógico. Essa participação deve obedecer a certos critérios de acordo com a idade do educandose a sua capacidade de absorção de regras. São classificados sob este rótulo: “Os jogos de combinação sensorial – motora (corrida, jogar bola de gude ou bola, etc.), competição de indivíduos (sem o que a regra seria inútil) e regulamentados por um código de geração a geração, que por acordos momentâneos (PIAGET (1975) citado por FARIA, 2001, p.111) Tornar as aulas mais atrativas é fazê – las prazerosas, trazendo o conhecimento de forada sala de aula, no cotidiano dos alunos, porque não trazê – los para o nosso contexto escolare transformá – los em atividades a serem desenvolvidas pelos educandos.2.1 O JOGO COMO RECURSO DIDÁTICO A Matemática é fundamental em nossas vidas, e, principalmente quando atingimos umnível de entendimento mais amplo. Ela é um método geral de pensamento aplicável a todas asdisciplinas e desempenha um papel dominante na ciência moderna. Ensinar Matemática é desenvolver o raciocínio, estimular o pensamento independente,a criatividade e a capacidade de resolver problemas. Entre os recursos didáticos citados nosPCN’s, destacam – se os jogos. Finalmente, um aspecto relevante nos jogos é o desafio genuíno que eles provocam no aluno, que gera interesse e prazer. Por isso, é importante que os jogos façam parte da cultura escolar, cabendo ao professor analisar e avaliar a potencialidade educativa dos diferentes jogos e o aspecto curricular que se deseja desenvolver (PCN’s, 1998, p.48 – 49)
  9. 9. 8 O uso de jogos e curiosidades no ensino da Matemática tem como objetivo fazer comque as crianças e adolescentes gostem de aprender essa disciplina, mudando a rotina da classee despertando o interesse do aluno envolvido. No contexto ensino – aprendizagem, o objetivo do professor no trabalho com jogosdeve valorizar seu papel pedagógico. Associar jogos pode tornar certos conceitos bem maisclaros e atrativos, sendo grande a variedade de temas de ensino Fundamental e Médio quepodem ser explorados, com destaque principalmente na Geometria. Uma vez que o professor planeja a exploração do jogo, este deixa de ser atraente para oaluno, porque visa à elaboração de processos de análise de possibilidades e tomada dedecisões. Jogos e resolução de problemas são abordados como produtores de conhecimento epossibilidades da aquisição de conhecimentos matemáticos (MOURA 2006). Os jogos podem ser utilizados para introduzir, amadurecer conteúdos e preparar oaluno para aprofundar os itens já trabalhados. O jogo, na Educação Matemática, “passa a ter ocaráter de material de ensino quando considerado motor de aprendizagem. A criança,colocada diante de situações lúdicas, apreende a estrutura matemática presente. “Cabe aoprofessor selecionar e planejar todos os recursos a serem utilizados em sua prática docente.“O professor deve ser organizador, facilitador, mediador, incentivador e avaliador”. (PCN’s,1998) Agindo desta forma a intervenção irá dinamizar o processo pedagógico e possibilitarque o aluno construa uma linha de pensamento articulada. Uma vez que os jogos ebrincadeiras, a Matemática torna – se convidativa e atraente, motivando a criança ao trabalhoem grupo com imaginação e prazer. O uso de jogos e curiosidades no ensino da Matemática tem como objetivo de fazercom que as crianças e adolescente gostem de aprender essa disciplina, mudando a rotina daclasse e despertando o interesse do aluno envolvido. Uma boa maneira de estudar aMatemática é por meio da exploração de conceitos de maneira lúdica, de forma que o prazer,a criatividade e a satisfação pessoal estejam sempre presentes no processo de resolução deproblemas e divulgação dos resultados. Além de ser uma atividade prazerosa e criativa, o usodos jogos nas aulas de Matemática permite também o desenvolvimento de habilidades deraciocínio lógico, bem como o de organização , atenção e concentração.
  10. 10. 9 De acordo com os PCN’s os conteúdos de Matemática para o Ensino Fundamentaldevem contemplar o estudo dos números e das operações, das formas, do espaço, dasgrandezas e medidas. A aplicação dos jogos deve procurar conhecer o domínio por parte doseducandos em relação aos conteúdos aplicados e a sua capacidade de absorção dos mesmos. Adiscussão sobre a importância dos jogos no ensino da Matemática vem sendo bastantequestionado por educadores e comunidade em geral: a criança aprende os conteúdosmatemáticos brincando com a intervenção do professor? A Matemática faz – se presente em diversas atividades realizadas pelos educandos, emvárias situações que possibilitam o desenvolvimento do raciocínio lógico, da criatividade e acapacidade de resolver problemas, momento propício para aplicação de jogos nas aulas deMatemática.3 CONCLUSÃO O uso dos jogos não deve se restringir apenas ao horário do intervalo. Neste sentido,uma das formas de resgatar o gosto pela Matemática foi por meio da utilização dos jogos.Porém se o professor propor o jogo como uma estratégia de ensino, não deverá tratá – lá comoum veículo de construção do conhecimento inserido num momento de descoberta, de criaçãoe de experimentação. O trabalho por meio dos jogos possibilitou ao aluno um maior envolvimento comconceitos que estavam sendo desenvolvidos, além de estimular o desbloqueio de alguns emrelação à Matemática, melhorando assim a motivação pessoal e a auto – estima. O jogomotiva e desafia, pois provoca um conflito interno. Através do jogo a criança aprende a lidarcom suas frustrações, constrói e reconstrói a sua realidade. Todo jogo deve ter regras claras para que se possa alcançar os objetivos demandados etambém para que o jogador possa delinear suas estratégias de ação. As estratégias, a tomadade decisões, a análise dos erros, a capacidade de lidar com perdas e ganhos, a oportunidade derepensar uma jogada em função de outro jogador são princípios fundamentais para odesenvolvimento do raciocínio lógico e as estruturas cognitivas dos alunos. A escola precisa definir objetivos concretos a serem alcançados, redirecionando osconteúdos aplicados, buscando a interdisciplinaridade, oferecendo oportunidade deatualização de professores para que estes não fiquem na mesmice. A Matemática é uma
  11. 11. 10disciplina que os alunos não têm atração, mas com a atualização de vários recursos (jogos,modelagem, matemática, informática e outros) eles conseguem aprender o que for ensinado. A prática com jogos não deve ser desenvolvida em sala de aula como uma linha única,mas como uma proposta alternativa para a Matemática despertar a motivação, o interesse, acriatividade e a autonomia dos alunos, bem como fazer com que o aluno sinta prazer emaprender. Cabe a escola propiciar os meios para que se possa generalizar os resultados noambiente escolar. Além de ser uma atividade prazerosa, os jogos desenvolvem a habilidade de convívioem grupo, o raciocínio lógico, a motivação e nos ajuda a lidar com nossas frustrações,principalmente em relação ao baixo rendimento dos alunos em Matemática, diminuindo assimo peso psicológico que a mesma assume na comunidade escolar e consequentemente nasociedade de forma geral. Assim sendo o ensino da Matemática deve priorizar o avanço do conhecimento doseducandos perante situações significativas de aprendizagem, sendo que o ensino por meio dejogos deve acontecer de forma a auxiliar no ensino do conteúdo, propiciando a aquisição dehabilidades e o desenvolvimento operatório do educando, afastando a aversão às aulascansativas, tanto para o professor que não ver o seu trabalho render, como para o aluno queacaba cansando e detestando a disciplina. Por meio dos jogos o educando desenvolve ahabilidade na resolução de problemas e a capacidade de compreender e explicar os fatos pormeio de conceitos matemáticos. Os jogos são educativos, sendo assim, requerem um plano de ação que permita aaprendizagem de conceitos matemáticos e culturais de uma maneira geral. Já que os jogos emsala de aula são importantes, devemos ocupara um horário dentro de nosso planejamento, demodo a permitir que o professor possa explorar todo o potencial dos jogos, processos desolução, registro e discussões sobre possíveis caminhos que poderão surgir. Jogar não é estudar nem trabalhar, porém ajuda ao educando a conhecer, compreendere relacionar – se com o mundo social que o rodeia.
  12. 12. 11 REFERÊNCIASALVES, Eva Maria Siqueira. A ludicidade e o ensino da Matemática. 3ª edição; PapirusEditoraFARIA Anália Rodrigues. O desenvolvimento da criança e do adolescente segundo Piaget.São Paulo: Ática, 2001.LARA, Isabel Cristina Machado de. Jogando com a Matemática de 5ª a 8ª série. 1ª edição;São Paulo; Rêspel, 2003.MARIOTTI, Fabián. Jogos e Recreação. Tradução José Edil de Lima Alves. Rio de Janeiro:SHAPE, 2003.PCN’s: Parâmetros Curriculares Nacionais: MEC/SEF, 1998.

×