Fundação Biblioteca Nacional   ISBN 978-85-7638-754-1                                Elaboração de Roteiros e Pacotes     ...
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,               mais informações www.iesde.com.br
Elabora           ç   Roteiros ão de            e Pacote                     s                               Alessan      ...
© 2007– IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos a...
Sumário  Planejando um roteiro | 9      Componentes do itinerário | 11      Desenvolvendo a pesquisa do destino | 12      ...
Portugal, Espanha e França | 53    A região | 53    Os habitantes e sua história | 53    A Península Ibérica | 54    As re...
Canadá | 105    A região | 105    O povo e sua história | 106    As províncias do Atlântico | 107    O Norte | 113    Terr...
Planejamento de roteiros turísticos | 169    Introdução | 169    O planejamento | 170    Fontes de informação | 173    Con...
Falar sobre elaboração de roteiros turísticos não é tarefa fácil. Sim, há      uma teoria que nos embasa no começo e ao fi...
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A.,               mais informações www.iesde.com.br
Planejando um roteiro                                                                                             Alessand...
10       Elaboração de Roteiros e Pacotes      Planejar itinerários exige muito do profissional. O agente de viagens ou co...
Planejando um roteiro   11       Alguns outros itinerários também são organizados de acordo com a época do ano ou em ocasi...
12      Elaboração de Roteiros e Pacotes      ::: Acomodações:         ::: hotéis;         ::: resorts;         ::: cruzei...
Planejando um roteiro   13                                              Para pensar      É possível vermos na televisão, o...
14          Elaboração de Roteiros e Pacotes                                                      Para pensar            A...
Planejando um roteiro   15         galerias, lojas e restaurantes. Por exemplo: não programe uma visita ao Museu do Louvre...
16          Elaboração de Roteiros e Pacotes         ::: Chegada e partida por cidades diferentes – a grande vantagem dess...
Planejando um roteiro   17       Iniciando com Getúlio Vargas com seu Estado novo a Divisão de Imprensa e Propaganda –DIP ...
18          Elaboração de Roteiros e Pacotes     da na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e sua aprovação, ...
Planejando um roteiro   19         No retorno de Cuba com escala no Panamá fomos alvo de imenso constrangimento por parte ...
20      Elaboração de Roteiros e Pacotes2.	   Para sermos bons agentes de viagens/consultores, não basta somente uma pesqu...
Inglaterra e Escócia      Neste capítulo veremos alguns pontos turísticos no continente Europeu, mais precisamente noReino...
22       Elaboração de Roteiros e Pacotes      Londres é uma cidade sem um centro facilmente reconhecível. A cidade cobre ...
Inglaterra e Escócia   23      ::: Palácio de Buckingham. É a residência da monarquia em Londres. O estandarte real fica a...
24       Elaboração de Roteiros e PacotesEdimburgo      É conhecida por seu ar abafado, carregado de fumaça, mas em um dia...
Inglaterra e Escócia   25       Ao sul do país está localizado o Castelo Glamis, residência de infância da Rainha Mãe da I...
26       Elaboração de Roteiros e PacotesGiant’s Causeway (Calçada do Gigante)      Considerado Patrimônio da Humanidade p...
Inglaterra e Escócia           27      ::: as praças Merrion e Fitzwillian;      ::: o Centro Cultural James Joyce, um dos...
28          Elaboração de Roteiros e Pacotes     cerveja densa e escura, somada ao clima caprichoso que, na maior parte do...
Inglaterra e Escócia   29  as. Muito melhor é comprar uma excursão para o castelo Malahide, a 13 quilômetros do centro, qu...
30   Elaboração de Roteiros e Pacotes                           Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL...
Austrália e Nova ZelândiaAustrália      Antes da chegada do capitão inglês James Cook, no século XVIII, o continente era h...
32       Elaboração de Roteiros e Pacotes       O povo australiano vive em meio a uma grande variedade climática. As tempe...
Austrália e Nova Zelândia   33     Para os surfistas, a opção de passeio inesquecível é a praia de Bondi, que tem eventos ...
34      Elaboração de Roteiros e Pacotes      Formando um surpreendente arquipélago com mais de mil ilhas, a Grande Barrei...
Austrália e Nova Zelândia   35                                                                                         3  ...
36       Elaboração de Roteiros e PacotesNapier      É uma cidade recente, não porque não tenha passado, mas por ter sido ...
Austrália e Nova Zelândia            37Queenstown      Está localizada às margens do Lago Wakatipu e é uma linda cidade en...
38          Elaboração de Roteiros e Pacotes          A localização da Nova Zelândia no Pacífico Sul nos tornou independen...
Austrália e Nova Zelândia   392.	   A Grande Barreira de Corais é um atrativo para todos os segmentos de turistas?3.	   Na...
40   Elaboração de Roteiros e Pacotes                           Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL...
Europa Oriental      A divisão entre Europa Ocidental e Oriental justifica-se mais pela disputa de poder do que nossentido...
42          Elaboração de Roteiros e PacotesCheca, Eslováquia, Polônia e Estados Bálticos, e os missionários ortodoxos ens...
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte

26.458 visualizações

Publicada em

elaboracao de roteiros e pacotes

Publicada em: Turismo
1 comentário
21 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.458
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
741
Comentários
1
Gostaram
21
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Turismo elaboracao de roteiros e pacotes databyte

  1. 1. Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-754-1 Elaboração de Roteiros e Pacotes Elabora çã Roteiros o de e Pacote s Elabora ç Roteiros ão de e Pacote s Alessan dro Alm Andréa eida Kogan Rinaldo Zaina Jú nior Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  2. 2. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  3. 3. Elabora ç Roteiros ão de e Pacote s Alessan dr Andréa o Almeida K Rinaldo ogan Zaina J únior 2009Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  4. 4. © 2007– IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dosdireitos autorais. A477 Almeida, Alessandro. / Elaboração de Roteiros e Pacotes. / Alessandro Almeida; Andréa Kogan; Rinaldo Zaina Júnior. — Curitiba : IESDE Brasil S.A. , 2009. 196 p. ISBN: 978-85-7638-754-1 1. Turismo. 2. Roteiros turísticos. 3. Agentes de viagens. 4. Via- gens. 5. Turismo – Administração. I. Título. CDD 338.4791 Todos os direitos reservados. IESDE Brasil S.A. Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482 • Batel 80730-200 • Curitiba • PR www.iesde.com.br Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  5. 5. Sumário Planejando um roteiro | 9 Componentes do itinerário | 11 Desenvolvendo a pesquisa do destino | 12 Fontes de pesquisa sobre os destinos | 13 Informações básicas de um roteiro | 14 Tipos de roteiros | 15 Inglaterra e Escócia | 21 Inglaterra | 21 Londres | 21 Escócia | 23 Edimburgo | 24 Glasgow | 24 País de Gales (Wales) | 25 Irlanda do Norte | 25 A República da Irlanda | 26 Austrália e Nova Zelândia | 31 Austrália | 31 As cidades | 32 Cidades e atrações | 35 Europa Oriental | 41 A região | 41 Os habitantes e sua história | 41 Polônia | 42 Cracóvia | 43 Czestochowa | 43 Os países bálticos: Estônia, Letônia e Lituânia | 43 O coração da Europa: a República Checa e a Hungria | 44 Rússia | 46 Outras atrações | 47 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  6. 6. Portugal, Espanha e França | 53 A região | 53 Os habitantes e sua história | 53 A Península Ibérica | 54 As regiões da França | 62Itália, Grécia, Mônaco e países Bálcãs | 67 Itália | 67 Roma | 67 Norte de Roma | 68 Grécia | 71 Pontos turísticos na Grécia | 71 O Peloponeso | 72 As Ilhas | 72 Mônaco | 73 Malta | 73Bélgica, Holanda e Alemanha | 75 A região | 75 Bélgica | 77 Holanda | 78 Luxemburgo | 79 Alemanha | 79 Munique | 80Suíça, Liechtenstein, Áustria | 85 Suíça | 85 Liechtenstein | 86 Áustria | 87 Europa Nórdica | 88América do Sul | 93 O meio ambiente e seus habitantes | 93 A região | 93 As terras incas | 94 Equador | 95 Peru | 96 Bolívia | 98 Chile | 98 Argentina | 100 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  7. 7. Canadá | 105 A região | 105 O povo e sua história | 106 As províncias do Atlântico | 107 O Norte | 113 Territórios do Noroeste | 114África e Oriente Médio | 117 O meio ambiente e seus habitantes | 117 A região | 118 O Oriente Médio | 125México e América Central | 131 A região | 131 Os povos e sua história | 131 México | 132 Belize | 136 Costa Rica | 137 Panamá | 137 Outros destinos na América Central | 138Brasil | 143 As cidades | 143Estados Unidos | 151 Los Angeles | 151 Las Vegas | 152 Texas | 152 Nova Orleans | 153 Scottsdale | 153 Orlando | 153 Washington | 154 Massachusetts | 155 Nova Iorque | 155Tipos de roteiros turísticos | 159 Introdução | 159 Como montar um roteiro | 160 O roteiro, do ponto de vista da empresa | 163 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  8. 8. Planejamento de roteiros turísticos | 169 Introdução | 169 O planejamento | 170 Fontes de informação | 173 Considerações finais | 174Glossário | 179Gabarito | 183Referências | 191 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  9. 9. Falar sobre elaboração de roteiros turísticos não é tarefa fácil. Sim, há uma teoria que nos embasa no começo e ao final do texto, mas como falar de todos os pontos turísticos do planeta que um viajante/turista pode conhecer? Esta é uma tarefa impossível. Há livros (guias de viagem) impressos em várias línguas sobre cada região explorada (e não) do planeta que re- cebe turistas. Há, em muitas ocasiões, livros com centenas de páginas descrevendo somente uma cidade. Esta não é a nossa proposta. O nosso material está dividido por regiões. A nossa pretensão foi tirar de cada região, cada país, cada estado, cada cidade, os seus principais atrativos. Às vezes falamos de um determinado local, em uma só linha, por outras vezes, páginas inteiras. Fica a seu critério, nosso aluno, inspirar-se nestes locais e buscar outras informações que possam ser relevantes aos seus passageiros! Boa viagem! Alessandro Almeida Silva Andréa Kogan Rinaldo Zaina Jr.Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  10. 10. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  11. 11. Planejando um roteiro Alessandro Almeida* Andréa Kogan** Rinaldo Zaina Jr.*** Um agente de viagens passa grande parte do seu tempo pensando em produtos turísticos já cria-dos por operadoras – um cruzeiro ou um pacote turístico, por exemplo. Mas algumas vezes o interesse do cliente é diferente do que os pacotes prontos oferecem. Umfato possível é que o cliente já conheça o local proposto pelo agente. Ou não gosta de roteiros já esta-belecidos. Como agir em situações assim? Temos que entender que tais clientes desejam uma viagem planejada especialmente para eles.Como descobrir qual é a viagem ideal para cada passageiro ou cliente? Pensando dessa maneira, podemos perceber que profissionais de turismo são acionados todos osdias para planejar roteiros criativos, estimulantes e sob medida para os seus clientes. Para isso, é necessário conhecer uma série de procedimentos, produtos e documentações que se-rão muito importantes na hora de proporcionar ao passageiro a tal sonhada viagem. Precisamos conhe-cer palavras e expressões que fazem parte do dia-a-dia do turismo no mundo inteiro. Por exemplo, vocêsabe o que é um itinerário turístico? É uma sequência lógica de todos os elementos de uma viagem, to-das as partes que juntas farão uma viagem completa – do momento que o passageiro sai da sua casa, aomomento que ele retorna, seja algumas horas depois, ou meses depois: meios de transporte, acomoda-ções, passeios, visitas a atrações turísticas, locais para alimentação, dentre outros detalhes.* Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), professor nos cursos de Turismo/hotelaria e consultor em viagens de lazer/corporativas/incentivo.** Mestre em Turismo pelo Centro Universitário Ibero-Americano. Graduada em Língua e Literatura Inglesa pela Pontifícia Universidade Cató-lica de São Paulo (PUC-SP). Professora e coordenadora dos cursos de Turismo, Eventos e Letras da Universidade Cidade de São Paulo.*** Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi-Morumbi. Especialista em Planejamento e Marketing Turístico pela Faculdade Senacde Turismo e Hotelaria. Bacharel em Administração. Professor nos cursos de Turismo, Eventos e Comunicação Social da Universidade Cidadede São Paulo (UNICID) e Professor da Pós-Graduação em Gestão em Serviços de Hospitalidade da Universidade Anhembi-Morumbi. Consultorde Projetos em Eventos e Hospitalidade. Experiência profissional em empresas do setor de turismo e eventos, parques temáticos e empreen-dimentos hoteleiros internacionais de timeshare. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  12. 12. 10 Elaboração de Roteiros e Pacotes Planejar itinerários exige muito do profissional. O agente de viagens ou consultor deve saber: ::: as necessidades, interesses e gostos dos clientes; ::: pesquisar sobre o destino que o passageiro escolheu dentre os vários propostos pelo agente; ::: planejar os itinerários turísticos com o maior cuidado e seriedade possível. Planejar itinerários pode ser extremamente simples, como pesquisar itinerários (roteiros/pacotes)já bem estruturados no mercado – uma semana em Porto Seguro no estado da Bahia. Mas tambémpode ser mais desafiador como planejar um safári por um país da África. Além disso, é necessário levar em conta o número de passageiros para quem está se planejandouma viagem. Você pode planejar itinerários para viajantes sozinhos, para casais, para famílias inteiras oupara grupos de pessoas que tenham interesses em comum. Você pode planejar itinerários que levem o seu cliente para outras cidades dentro do seu própriopaís de origem ou a remotos e exóticos destinos que o passageiro jamais chegou a pensar. Organizar es-sas viagens com segurança, competência e criatividade pode tornar um simples itinerário turístico umasurpresa muito mais agradável do que ele poderia sonhar. A presente aula oferece uma visão detalhada sobre planejamento e organização de roteiros na-cionais e internacionais. Alguns dos tópicos que abordaremos serão: ::: Como começar a organização desses roteiros. ::: Que fontes utilizar. ::: Quais orientações devem-se seguir. ::: Qual é o papel do agente de viagens ou consultor. Quando clientes procuram por roteiros diferentes dos pacotes turísticos à venda nas agências deviagens, você terá que criar algo novo, inusitado e personalizado, e assim tornar a experiência de umaviagem algo particularmente inesquecível, e, se possível, só de boas recordações. Usando de uma me-táfora, podemos ver a diferença entre comprar um terno pronto em uma loja de departamentos (seriao comprar o pacote pronto) ou mandar fazê-lo sob medida no alfaiate para que ele fique perfeito paravocê (seria montar um roteiro personalizado). Os itinerários citados, criados especialmente para o clien-te, são chamados de Forfait. Como já dito anteriormente, para sermos capazes de customizar com sucesso os roteiros de via-gens precisamos conhecer quais as necessidades, objetivos, interesses e hobbies de nossos clientes.Uma ferramenta que emprestamos do marketing para melhor conhecer nossos clientes a fim de pro-porcionarmos a eles a melhor viagem possível é a Segmentação de Mercado. Com a Segmentação,podemos separar as pessoas em grupos com características homogêneas. Alguns exemplos: famílias,terceira idade, casais em lua-de-mel, viajantes jovens, viajantes maduros, viajantes solteiros, viajantesestudantes, membros de associações (religiosas, por exemplo), amantes de arte e arquitetura, professo-res e advogados, colecionadores de arte, conhecedores de vinhos e comidas, estudante de idiomas. Asegmentação do grupo de pessoas com perfil de interesses e afinidades semelhantes nos ajuda a pla-nejar as atividades, atrativos, meios de hospedagem e transporte nos lugares e destinos que têm maisprobabilidade de satisfazer esses clientes especificamente. Outra maneira de segmentar o mercado de viagens é classificá-lo em tipos específicos de turismocomo: ecoturismo, turismo cultural, turismo de negócios, dentre outros. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  13. 13. Planejando um roteiro 11 Alguns outros itinerários também são organizados de acordo com a época do ano ou em ocasi-ões especiais como Natal e festas religiosas, eventos esportivos (Fórmula 1/Pan-americano), Ano Novo(Reveillon), férias escolares, congressos e convenções. Outras formas possíveis de divisão são: esportes leves como passeios de bicicletas, caminhadas,acampamentos, safáris e esportes radicais como alpinismo, escaladas, mergulho. É necessário colocar que as técnicas de segmentação de mercado são estratégias de marketing e,como tal, estão mais detalhadas nas aulas das disciplinas da área. O passageiro também pode optar pelo tipo de acomodação que preferir, desde castelos até fa-zendas, e também pelo meio de transporte mais desejado, como trens, carros e até iates. No Forfait, to-das as considerações quanto à elaboração do itinerário obedecem a um critério essencial: o sonho oudesejo do passageiro. O agente de viagem deve ter isso em mente ao desenhar o itinerário que seucliente encomendou/solicitou. Vale ressaltar que todos os exemplos acima podem se inter-relacionar. Como por exemplo: um ca-sal em lua-de-mel, viajando na época do Natal de trem para fazer alpinismo e se acomodando em umcastelo! As possibilidades de conjugar temas, destinos, transportes, hospedagens numa viagem são inú-meras, sempre variando de acordo com os interesses particulares dos nossos clientes. O importanteé lembrarmos que cada pessoa é única! Temos que respeitar sempre as características e interesses decada indivíduo!Componentes do itinerário Uma vez identificadas todas as necessidades dos clientes que solicitam um roteiro sob medida, opróximo passo é organizar o itinerário. O itinerário deve incluir elementos básicos, que são: ::: transporte; ::: acomodação; ::: atividades. Um itinerário é constituído de vários elementos ou componentes. Aqueles elementos que serãoincluídos no roteiro do seu passageiro dependem sempre do interesse desse cliente e também das pos-sibilidades dentro do destino a ser visitado. Quais são esses componentes que devem ser analisados e selecionados para cada passageiro ougrupo? ::: Transporte: ::: aéreo; ::: terrestre (carro/ônibus); ::: trem; ::: navio; ::: motorhome. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  14. 14. 12 Elaboração de Roteiros e Pacotes ::: Acomodações: ::: hotéis; ::: resorts; ::: cruzeiros marítimos; ::: pousadas; ::: acomodações especiais (hotéis de selva, acampamento no deserto). ::: Atividades: ::: parques naturais; ::: monumentos históricos; ::: rodovias cênicas; ::: museus; ::: atrações educacionais e culturais; ::: parques temáticos e de diversões; ::: city tours.Desenvolvendo a pesquisa do destino Depois de prospectar e colher o maior número de informações, com riqueza de detalhes, sobre osanseios e expectativas de nossos passageiros quanto à viagem, há que se começar as pesquisas sobreos destinos selecionados. Mas como se desenvolve uma pesquisa sobre os destinos? O profissional de turismo necessita reunir informações de diferentes fontes para poder deter-minar quais destinos e pontos de interesse são os melhores para os seus clientes e que deverão ser in-cluídos no itinerário. Durante essa fase do seu trabalho, recomenda-se que se pesquise a respeito dealgumas questões básicas e essenciais para um bom resultado posterior: ::: O destino é realmente interessante o suficiente e, mais importante: satisfaz o que o cliente busca no momento da viagem? ::: Que tipo de estrutura existe na região (há acomodação, restaurantes ou centros de compras, por exemplo)? A qualidade e preços desses serviços estão à altura da expectativa do seu cliente? ::: Esse destino é muito procurado por clientes com o mesmo perfil do seu? Qual avaliação você recebeu de outros clientes e colegas que foram a esse destino? ::: Existem atrações próximas ou pontos de interesse que poderiam ser combinados com a via- gem para esse local? ::: O destino tem infra-estrutura necessária (estradas bem conservadas, aeroportos, portos – que vão de encontro com as necessidades dos clientes)? Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  15. 15. Planejando um roteiro 13 Para pensar É possível vermos na televisão, ouvirmos por meio de amigos ou conhecermos nós mesmos fa- tos que fazem com que uma viagem possa ficar na memória por algo negativo. Você poderia lem- brar de algo assim?Fontes de pesquisa sobre os destinos Ter visitado um destino é a melhor fonte de pesquisa, mas nem sempre é possível. É muito im-provável que os agentes de viagem tenham viajado para todos os destinos e lugares que vendem, por-tanto, é preciso ter inúmeras fontes de pesquisa; fontes confiáveis que nos permitam vender tal roteiro.Além das fontes tradicionais da área de turismo (guia de hotéis, tabela de vôos, guias de turismo) exis-tem muitas outras ferramentas que sempre ajudam, tais como: ::: seu próprio cliente – pesquise quais os lugares que seus clientes já visitaram e anote os co- mentários sobre as acomodações, os passeios, restaurantes, locais para compras e outras in- formações interessantes; ::: guias de viagem – temos disponíveis em livrarias e bibliotecas (além de versão na internet) guias de viagem sobre os destinos (tanto nacionais quanto internacionais). Algumas das mais utilizadas e mais confiáveis são os guias Lonely Planet, Fodors e Frommer´s; ::: internet – é utilizada enormemente como fonte de pesquisa relacionada à viagem e geogra- fia. Há inúmeros sites contendo informações específicas para viagens, oferecendo mapas e fo- tos de todos os países do mundo; ::: departamentos de turismo – cada vez mais os países colocam seus órgãos governamentais para oferecer informações gerais sobre ele mesmo (país) ou uma região em particular. Você pode descobrir fatos da história, geografia e cultura de um destino, além de informações a res- peito de transportes públicos, acomodações, centros de compra, eventos culturais, museus, feiras, congressos etc. Não esqueça que tais departamentos de turismo podem providenciar material de excelente qualidade tais como: pôsteres, brochuras, folhetos em geral, vídeos e outros materiais promocionais para uma apresentação de vendas; ::: revistas e cadernos de turismo dos jornais – há no Brasil várias revistas específicas sobre viagens e turismo de excelente qualidade, além dos Cadernos de Turismo de diversos jor- nais locais; ::: operadoras – operadores especialistas em determinados destinos, oferecem material especí- fico e informações atualizadas, por meio de seus manuais e tarifários. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  16. 16. 14 Elaboração de Roteiros e Pacotes Para pensar A melhor das fontes de pesquisa é seu próprio conhecimento e a sua constante atualização. Aproveite viagens proporcionadas por operadoras aos agentes de viagens, oficinas para conhecer no- vos roteiros, acomodações, restaurante etc. além de feiras e congressos da área. A sua formação, seu interesse pessoal pelas pesquisas e pelos destinos é fundamental para o sucesso do seu trabalho.Informações básicas de um roteiro Como começar depois que conversamos com o cliente e determinamos o destino e pontos de in-teresse que serão incluídos no itinerário? O que se deve fazer primeiro? Quais as prioridades na organi-zação do roteiro? Como elaborar a programação diária do cliente ou efetuar as reservas dos meios detransporte? Esses tópicos são detalhados a seguir. Antes dos cuidados e preparativos com a programação diária da viagem, certifique-se que osmeios de transportes estão disponíveis e podem ser confirmados sem transtornos. Como por exemplo, imagine planejar todo um itinerário para um determinado local e descobrirque não há vôos para aquela data nem passagens de trem?RIDRE – Planejando o itinerário Depois de ter pesquisado junto ao seu cliente o que ele deseja, pesquisado sobre o destino a servisitado, reservado e confirmado os principais meios de transporte é hora de planejar a viagem comoum todo. Nesse momento você propõe uma rota, determina horas e distâncias da viagem e decidequais atividades vai recomendar. Ao planejar itinerários para qualquer lugar do mundo, existem algu-mas regras básicas a serem seguidas. A fim de facilitar o seu trabalho sugerimos que você memorize asigla RIDRE, que nos indica as seguintes palavras ou regras básicas: ::: Ritmo: a velocidade que tudo deve acontecer dentro de um itinerário. Certifique-se de pro- videnciar um ritmo confortável para viagem, sem permitir que o passageiro tenha percalços dentro da viagem. Por exemplo: não programe que os seus clientes dirijam mais do que 250 a 300 quilômetros por dia, considere as condições da estrada, se todo trajeto tem autopistas, programe paradas nos pontos turísticos ao longo da rota. Outro exemplo é o tempo entre as conexões em aeroportos. Não deixe que seu cliente fique horas esperando, nem que tenha que correr para não perder o próximo vôo (vale lembrar que atrasos de companhias aéreas não são responsabilidades dos agentes de viagem). ::: Interesse: é sempre necessário combinar os interesses do seu cliente com o destino a ser visita- do, com as sugestões de passeios, com as atrações e atividades planejadas. É importante provi- denciar um equilíbrio introduzindo variedade no itinerário, uma mistura de possibilidades, como visita a um museu, almoço em algum restaurante charmoso ou pitoresco e compras. ::: Detalhes: atenção aos detalhes. Tenha certeza de que as atividades planejadas estejam dispo- níveis (abertas e em funcionamento perfeito) nas datas que o seu cliente estiver naquele des- tino. Sempre verifique horários de funcionamento de todas as atividades, tais como: museus, Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  17. 17. Planejando um roteiro 15 galerias, lojas e restaurantes. Por exemplo: não programe uma visita ao Museu do Louvre (na cidade de Paris, na França) em uma terça-feira, uma vez que nesse dia ele estará fechado, nem um passeio ao Museu da Língua Portuguesa na cidade de São Paulo às segundas-feiras (dia que está fechado para visitação). ::: Rota: a rota deve ser interessante, lógica e panorâmica, mas também prática. É necessário cui- dado com idas e vindas desnecessárias. Tenha sempre um mapa em mãos quando estiver tra- çando um roteiro, ou consulte páginas na internet que forneçam mais dados sobre tempo de viagem de um local a outro. Cabe cuidar para indicar o número, os custos e as formas de pa- gamento de pedágios e balsas previstos para rotas rodoviárias. Por exemplo: há auto-estradas cujos pedágios aceitam cartões de crédito enquanto em outras, apenas dinheiro. ::: Energia: o nível de energia de seu cliente deve combinar com o ritmo do itinerário proposto e isso não depende necessariamente de idade. Por exemplo, uma família viajando com crianças pequenas ou um passageiro com limitações físicas podem querer um roteiro mais tranquilo, sem muitas caminhadas, escadas ou altitudes elevadas.Tipos de roteiros Existem basicamente três tipos de roteiros. O tipo ou a combinação de tipos que você vai esco-lher dependerá de diversos fatores: o local a ser visitado, como o cliente viajará (carro/avião/trem) e in-fra-estrutura do país a ser visitado: ::: Itinerário com uma cidade base – esse tipo de roteiro permite que o passageiro eleja uma cidade como base por um período de tempo, enquanto faz pequenos passeios a locais próxi- mos. Tal roteiro é recomendado se a área a ser visitada for rica em atrações, passeios e outras atividades, todas muito próximas umas das outras. Um exemplo é quando o roteiro ocorre na Europa Central, como nas cidades de Amsterdã (Holanda) e Bruxelas (Bélgica), não só essas ci- dades são próximas umas das outras como na região existe uma riqueza de lugares a serem visitados. A questão positiva é a comodidade em organizar tudo numa só base, em uma só acomodação. ::: E as desvantagens podem ser: ::: o passageiro não terá chance de conhecer todo o país, pois ele viaja apenas por pequenas distâncias; ::: ele está baseado e já comprou todos os serviços naquele lugar, logo esse não é um roteiro flexível; ::: esse tipo de itinerário pode ser repetitivo, uma vez que a mesma rota para ir e vir será utili- zada mais de uma vez. ::: Viagem circular – nesse tipo de viagem o ponto de início e fim da viagem são os mesmos. Viagens circulares incluem pernoites em diferentes cidades. O cliente poderá ficar um, dois ou mais dias em cada local, dependendo dos passeios e atividades planejadas. Uma das van- tagens desse tipo de roteiro é que podem ser vistos mais lugares de um mesmo país, pois o cliente viaja de forma contínua e circular e pouco tempo é perdido entre o ir e vir. A desvanta- gem é que quando planejamos uma viagem circular é necessário programar tempo suficiente em cada cidade para que o seu passageiro possa passear e ter tempo de descansar também. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  18. 18. 16 Elaboração de Roteiros e Pacotes ::: Chegada e partida por cidades diferentes – a grande vantagem desse tipo de roteiro é que o cliente não volta a uma cidade que ele acabou de visitar. Maiores distâncias podem ser co- bertas uma vez que o passageiro não vai retornar ao ponto de origem da viagem. Tal roteiro também permite ao passageiro percorrer grandes distâncias, coisa que não é permitida em uma viagem circular. Um bom exemplo desse tipo de roteiro é uma viagem que envolva as ci- dades de Londres na Inglaterra, Paris na França e Roma na Itália: é possível começar a viagem por Londres e finalizar por Roma. As três cidades citadas podem ser incluídas em um itinerário de duas semanas em um ritmo bem confortável ao passageiro.Texto complementar Turismo X submissão: as falas neutras de interesse do capital (FILHO, 2007) Nas sociedades capitalistas liberal-conservadoras do ocidente, o discurso ideológico domina a tal ponto a determinação de todos que muito frequentemente não temos a mais leve suspeita de sermos levados a aceitar, absolutamente sem questionamento, um determinado conjunto de valo- res a que se poderia opor uma perspectiva alternativa muito bem fundamentada, juntamente com as consequências práticas que nele se encontram mais ou menos implícitas. (MÉSZÁROS, István. O Poder da Ideologia, p. 13 e 14) O que acontece quando usamos da visão de senso comum para fazer a leitura da realida- de que nos cerca? Compreendemos a vida segundo o prisma do interesse do capital, estreitando a compreensão histórica e crítica do mundo e entendendo a relação humana como uma simples re- lação mercadológica. A ditadura e a referência apologista dos números são efetivos e implacáveis nesse pensamento, porque produzem pesquisas duvidosas, metodologias que não são explicitadas, cálculos incorretos e falsas hipóteses são aceitas como verdadeiras, um ufanismo aos dados empíri- cos cujo objetivo é demonstrar a todo custo o crescimento no campo do turismo. Esse culto a um pragmatismo vulgar enxerga o fenômeno do turismo como simples merca- doria, cuja intenção é contabilizar a entrada de divisas e desenvolver atividades que venham a au- mentar a permanência do turista no território nacional. Não há nenhum interesse em saber qual foi o impacto que esse turista trouxe à comunidade e à população local, o que se busca é contabilizar a quantificação dos números pela entrada de capital. O entendimento do fenômeno turístico no Brasil resvalou para o caminho da via do conceito salvatério, pois o turismo seria o instrumento de salvação para a crise econômica do Estado. O poder que o sistema econômico capitalista e socialista dá a essa atividade no que se refere a investimentos e preparação da mão-de-obra demonstra bem, que o mesmo é encarado como um processo emu- lador para os outros setores do desenvolvimento econômico. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  19. 19. Planejando um roteiro 17 Iniciando com Getúlio Vargas com seu Estado novo a Divisão de Imprensa e Propaganda –DIP – se encarrega de fazer a divulgação das belezas do Brasil para o mundo, idolatrando a imagemde um ditador preocupado com a classe trabalhadora. O referido órgão possuía uma estrutura quecontemplava os setores de divulgação, radiodifusão, teatro, cinema, turismo e imprensa. Seu obje-tivo era coordenar, orientar e centralizar a propaganda interna e externa desenvolvendo uma rígidacensura no que se refere à imagem permitida para divulgar o Brasil no exterior. Com JK, o panorama do turismo como atividade visualizou-se na lógica do desenvolvimen-to, foi usada para a divulgação da mais nova capital criada no mundo, criando uma estrutura res-ponsável para o desenvolvimento do turismo no interior do governo federal com apoio da revistaManchete de Adolfo Bloch. Com a ditadura militar o Estado cria a Embratur em 1966, com o objetivo de organizar o tu-rismo no Brasil e combater a propaganda negativa que havia no exterior sobre o governo militar*.Sendo que seu primeiro presidente, Joaquim Xavier da Silveira, não media esforços e discursos paraexaltar os nobres interesses do golpe militar para com o turismo: Ficou, assim, assentada a idéia de que ao turismo deveria ser dado um tratamento preferen-cial, um status de indústria de interesse nacional. A primeira tarefa seria a criação de instrumento ca-paz de iniciar uma política em âmbito nacional. [...] Sem dúvida, um ato de governo da maior importância, pois trazia em seu contexto definiçõese proposições ainda inéditas com criação da primeira empresa pública no País. O turismo passava aser considerado indústria básica constituindo atividade de interesse nacional. Nesse período, o turismo receptivo foi elemento principal da política nacional de turismo epermitiu o nascimento de um nacionalismo xenofóbico ao pensamento crítico de esquerda em-balado pela guerra fria. A exaltação ao turismo se faz por meio da vergonhosa campanha que foipor três décadas carro-chefe da Embratur expondo eroticamente a imagem da mulher brasileira,como propaganda para atrair dólares e carimbar na mídia internacional o Brasil como rota do tu-rismo sexual. Hoje, parece incrível, no governo Lula a prática de entender o turismo pelo viés economicistaé hegemônico, está refletido em seu Plano Nacional de Turismo de 2003 a 2007, principalmente pelaação que cabe à Embratur. Na verdade há uma ênfase total no turismo receptivo para estrangeiros euma quase negação para a formatação de políticas públicas voltadas ao turismo interno. O pior é que temos que ouvir pronunciamentos duvidosos, em que se defende a não necessi-dade do visto aos turistas estrangeiros, pois isso aumentaria em um bilhão de dólares o ingresso dedivisas para o Estado brasileiro, como foi defendido pelas autoridades que foram ao congresso na-cional, segundo imprensa. Pergunta-se onde estão essas pesquisas? Quem as elaborou? Qual é suametodologia? Onde estão publicadas? Os presidentes da Federação Brasileira de Convention & Visitors Bureau, João Luiz dos SantosMoreira, e da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, ABIH, Eraldo Alves da Cruz, se reuniramontem com o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Aldo Rebelo para pedir seu apoio natramitação do Projeto de Lei 2430/03, do deputado Carlos Eduardo Cadoca (PMDB-PE), que acabacom a exigência de visto para cidadãos norte-americanos que visitam o Brasil. A proposta está para- Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  20. 20. 18 Elaboração de Roteiros e Pacotes da na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e sua aprovação, um pleito de toda a indús- tria turística nacional, que eles representaram, se aprovada, significa a entrada de mais de 1 milhão de novos turistas no Brasil. Em primeiro lugar, a questão da não necessidade do visto de entrada em um Estado, no caso o Brasil, não pode ser analisada à luz do interesse puramente econômico, como se essa medida não fosse ligada a um conjunto de questões de política internacional e de segurança nacional e da pró- pria geopolítica internacional. Portanto, esse assunto deve ser estudado pelo conjunto do Estado. E não por interesses meramente empresariais de entender a hospitalidade como sinônimo de 100% de ocupação hoteleira e nem acreditar na mentira que a inexistência do passaporte aumentaria o fluxo de turistas para o Brasil. Mas pensar que essa discussão não pode se esgotar em argumentos do pensamento irracionalista da mercadoria e do capital. Fazer campanha contra a não necessidade de passaporte para os estrangeiros que nos vi- sitam e planificar um discurso contra a reciprocidade é desconhecer as questões que envolvem a base da hospitalidade do fenômeno turístico. Colocando as questões de segurança nacional e de relações diplomáticas internacionais do Estado brasileiro como coisas secundárias e subordinadas ao interesses mercadológicos da globalização na lógica do enfraquecimento dos Estados nacionais latino-americanos. Desculpem-nos os guardiões do capital despatriado e defensores dos interesses transnacio- nais, a lógica da liberação do passaporte defendida por vocês não é para aumentar a entrada do nú- mero de turistas, mas sim, facilitar a circulação da mercadoria o $ turista $. O que parece ser mais grave é querer descarregar no estrangeiro uma sociabilidade de uma hospitalidade interessada so- mente nos seus dólares e praticar a eutanásia para um Plano Nacional de Turismo que se encontra atualmente na UTI. Podemos garantir a vocês que essa discussão não é ideológica, apesar de entender que toda relação humana é teologicamente produzida dentro de uma ideologia, assim, não nos acusem de comunistas, esquerdistas e xiitas ou por pertencer a esse ou aquele partido político. Esse discurso está velho, enfraquecido e pertenceu à fala da ditadura militar e, portanto, é desprovido de bases racionais. Acreditamos que milhares de brasileiros que se aventuraram a enfrentar a batalha para con- seguir o visto diplomático nas chancelarias dos Estados Unidos sofreram algum tipo de constrangi- mento. O pior é que o controle dos vistos por parte dos norte-americanos não está restrito somente ao seu país, mas a todos os outros países que os americanos mantêm domínio político, econômico e cultural ou àqueles que os ianques têm como inimigo. Em 1988, a Universidade Estadual de Maringá organizou uma visita à Universidade de Havana, para a assinatura de um amplo convênio de cooperação técnica e científica. Com a presença do rei- tor e vinte e quatro professores de todos os campos do conhecimento trabalhado pela UEM, estive- mos em Cuba durante quinze dias em visita oficial. Partimos da cidade de Maringá para o aeroporto de Cumbica em São Paulo com destino a Cuba com escala no Panamá e passamos duas semanas visitando centros de educação e de medi- cina cubanos e formatando junto às autoridades da Universidade de Havana um convênio de coo- peração. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  21. 21. Planejando um roteiro 19 No retorno de Cuba com escala no Panamá fomos alvo de imenso constrangimento por parte dos fiscais e policiais daquele aeroporto, que nos separaram dos outros passageiros, tomando nos- sos passaportes para xerocopiá-los, nos colocando em uma sala (cárcere privado) durante duas ho- ras e fotografando todos os professores. Depois de protestarmos e ameaçar contatar a chancelaria brasileira no Panamá e discutirmos por longo tempo que isso era obra da CIA americana, na qual os policiais reafirmaram nossas suspei- tas. Nos sentimos impotentes, humilhados e percebemos nossa fragilidade diante dos nossos pró- prios destinos e a dominação do Estados Unidos no mundo. Por isso, leitor, não podemos deixar que essa proposta de eliminação dos vistos para os es- trangeiros ganhe corpo e seja aprovada, pois assim estaríamos enfraquecendo o Estado brasileiro, abrindo a retaguarda de nossa soberania e internacionalizando nossa cidadania.Atividades1. Por que às vezes um itinerário para um cliente pode ser simples de ser montado? Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  22. 22. 20 Elaboração de Roteiros e Pacotes2. Para sermos bons agentes de viagens/consultores, não basta somente uma pesquisa superficial sobre determinado itinerário. Como é possível estudar para melhor conhecermos determinados locais que iremos vender?3. Por que o seu próprio cliente pode ser uma fonte de pesquisa? Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  23. 23. Inglaterra e Escócia Neste capítulo veremos alguns pontos turísticos no continente Europeu, mais precisamente noReino Unido e nas nações que o compõem. O Reino Unido é um arquipélago, ao norte da Europa, no Oceano Atlântico, banhado pelo Mar doNorte, Mar da Irlanda, Mar das Hébridas, Mar Celta e separado do continente pelo Canal da Mancha. Écomposto por quatro nações: Escócia, Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte além de territórios quenão pertencem às nações citadas. Vale ressaltar que o nome completo do Reino Unido (conhecido também pela sigla em inglês U.K.– United Kingdom) é Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.Inglaterra A Inglaterra é a maior das quatro divisões que compõem o Reino Unido. É uma nação repleta damais rica variedade de construções históricas e pequenos tesouros arquitetônicos são encontrados portodo país.Londres Como a maior cidade da Europa, Londres se espalha ao longo do sul da Inglaterra. A cidade foi marcada pela Segunda Guerra Mundial. Bombardeios alemães destruíram parte deLondres e esse fato histórico importante deve ser considerado na apreciação das estruturas clássicasdos edifícios que remanesceram. Essa particularidade aumentou de maneira bastante significativa o in-teresse pela cidade. Londres é uma “metrópole” com parques, museus, teatros, óperas, concertos, balés, centros decompra, clubes noturnos, cassinos e palácios. A cidade nasceu às margens do rio Tâmisa, assim comoOxford. O rio, que é fundo o suficiente para navegação, corta a cidade e já foi um dos mais poluídos domundo, considerado morto e submetido a um longo processo de revitalização, atualmente compõe ocenário urbano como uma paisagem turística. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  24. 24. 22 Elaboração de Roteiros e Pacotes Londres é uma cidade sem um centro facilmente reconhecível. A cidade cobre uma área em am-bos os lados das margens norte e sul do Tâmisa e se divide em três seções: (1) a Cidade, a parte maisvelha de Londres e seu centro financeiro; (2) o West End, o centro do governo, compras, vida noturna ealgumas áreas residenciais exclusivas e (3) o South Bank, um local de grandes escritórios e complexosculturais. A Cidade e o West End estão ao norte do Tâmisa. O South Bank está à frente do rio. No West End, a praça Trafalgar (em língua inglesa – Trafalgar Square) é dedicada ao AdmirávelLorde Nelson (um lutador das Guerras Napoleônicas que ganhou uma das mais importantes batalhas –a Batalha de Trafalgar, por isso o nome da praça), e é uma boa escolha para iniciar passeios e City Tour. ACidade está a leste; as lojas estão a oeste; o distrito de entretenimento está localizado ao norte ao lon-go do rio. Ao longo da cidade de Londres, placas azuis de porcelana indicam os prédios onde pessoas famo-sas viveram ou locais onde eventos importantes aconteceram. Essa peculiaridade é sempre um atrativoa mais aos turistas que visitam a cidade. Alguns pontos turísticos que podem ser visitados nas seções de Londres são: ::: Catedral de St. Paul, na cidade. A catedral foi desenhada por Christopher Wren e construída entre 1675 e 1710 como a primeira catedral dedicada à fé protestante. Ela foi o local para o Jubileu da Rainha Vitória em 1896 (celebrando o mais longo reinado da história da Inglaterra); para o funeral de Winston Churchill (político britânico) em 1961 e, também, o local do famoso casamento do príncipe Charles com a princesa Diana em 1981. Próximo à catedral estão loca- lizados teatros, galerias de arte, cinema e vários restaurantes. ::: A Torre de Londres. Localizada à margem do rio Tâmisa, foi construída por William, o Conquistador, iniciada em 1078 e foi usada como palácio, fortaleza e prisão. Na Torre, estão expostas atual- mente as Jóias da Coroa e o local está aberto para visitação pública. ::: Covent Garden. É um antigo mercado de flores convertido em um centro de compras e diver- são. É também um local com entretenimento e convivialidade no período da noite. Os turistas podem visitar um pub (típicos bares britânicos) do século XVII conhecido como The Bucket of Blood (O balde de sangue). ::: Whitehall é uma larga avenida que vai da Praça Trafalgar até as Houses of Parliament (Casas do Parlamento). Por ela, chega-se a Rua Downing n.º 10, a residência do primeiro ministro, e tam- bém até Westminster Abbey, a famosa Abadia de Westminster onde a realeza é coroada e onde há muitas pessoas reconhecidas enterradas. Como exemplo, lá estão enterradas as Rainhas Elizabeth I e Maria I. ::: As Casas do Parlamento e o Big Ben, próximo à abadia. O Big Ben é o sino no relógio da torre das Casas do Parlamento. Ele tem o nome de Sir Benjamin Hall, um dos engenheiros responsáveis pelos trabalhos na época de sua instalação. ::: Picadilly Circus é uma intersecção de seis ruas bastante movimentadas da cidade. Muitas lojas elegantes de Londres estão localizadas ao norte e a oeste da Picadilly, pelas ruas Bond, Oxford e Regent. Picadilly é a área central de entretenimento de Londres e se estende até a Strand, uma rua que liga a seção Cidade à seção West End. Próximo da Picadilly Circus está Soho, um distrito revitalizado da cidade onde se encontram bons restaurantes, pubs e clubes noturnos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  25. 25. Inglaterra e Escócia 23 ::: Palácio de Buckingham. É a residência da monarquia em Londres. O estandarte real fica afixa- do se a rainha está na residência. A troca da guarda em frente ao palácio é uma grande atra- ção turística (normalmente ocorre às 11h30 diariamente e em dias alternados no inverno). O palácio abre 18 cômodos à visitação durante dois meses do verão, quando os monarcas estão de férias. ::: Russel Square concentra a atividade intelectual da cidade e é um local com muitos hotéis ele- gantes. ::: Royal Albert Hall é uma famosa casa de espetáculos inaugurada em 1871 e acomoda até 8000 pessoas. ::: Os parques que formavam parte dos bens da realeza ainda são de propriedade da monarquia, mas estão liberados para uso público. Os parques Centrais de Londres incluem St. James Park, o parque das paradas reais; Hyde Park, famoso pela Speaker’s Corner e próximo ao Marble Arch; Kensington Gardens cujo castelo dentro do parque foi residência da Princesa Diana e o Regent’s Park onde está localizado o zoológico de Londres. ::: The Docklands é o maior projeto de renovação urbana da Europa (construções para uso comer- cial e residencial). Alguns lugares importantes fora do circuito da cidade de Londres incluem: ::: The West Country, com seus pântanos românticos, minas de cobre, praias rochosas e ainda Bristol, Bath, Tintagel Castle e Plymouth; ::: Hardy Country, para visitar a Catedral de Salisbury e Stonehenge (o famoso monumento de pe- dras pré-histórico); ::: Brighton, Canterbury e a rota das invasões históricas; ::: A Inglaterra Central, lar das universidades de Cambridge e Oxford; ::: O Lake District, uma área de beleza rural com as montanhas mais altas da Inglaterra. Finalmente, vale dizer que todos os locais citados têm uma infra-estrutura bastante organizadapara o turismo. Como os que veremos a seguir.Escócia Continuando o roteiro pelo Reino Unido, agora é a vez da pitoresca Escócia. Faz-se necessáriouma pequena introdução sobre a geografia da região. O Rio Tweed, as Cheviot Hills e o Solway Firth formam a fronteira da Inglaterra com a Escócia. Osrios Clyde, Forth e Tay cruzam os vales das Terras Baixas Centrais. As terras altas formam uma das maio-res áreas selvagens do país. Há duas grandes cadeias de montanhas, a Northwest Highlands e a Grampian Mountains na região.Há um vale profundo chamado de Glen Mor ou Great Glen, que separa as cadeias. A maioria dos escoceses vive nas Terras Baixas Centrais, onde o solo é mais plano e mais fértil.Glasgow é a maior cidade do país e Edimburgo é a sua capital. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  26. 26. 24 Elaboração de Roteiros e PacotesEdimburgo É conhecida por seu ar abafado, carregado de fumaça, mas em um dia típico nublado o granitocinza dos prédios da cidade lembra os visitantes da vida do passado. Hoje em dia, a paisagem urbana é caracterizada pelo castelo do século XII, o Edinburgh Castle, ocartão postal mais conhecido da cidade. Partindo do castelo citado, a Royal Mile leva o viajante do Oldtown (Centro Velho) para o Palace of Holyroodhouse, a residência oficial da monarquia na Escócia. Mary,a Rainha dos Escoceses, uma das figuras mais controversas da história européia que viveu no século XVI,morou no local por seis anos. Os turistas podem observar a Bath House onde a rainha Mary costumavabanhar-se com vinho. As atrações de Edimburgo variam de museus a pubs (bares) e discotecas. A National Gallery OfScotland (Galeria Nacional da Escócia) é considerada um dos melhores museus do país. Os compradores que procuram artesanatos, objetos antigos, tecidos e arte encontram lojas espe-cializadas no centro velho da cidade. Além das atrações citadas ocorre em todos os verões o “Festival Internacional de Artes de Edim-burgo”. Esse é o maior festival de arte dramática e música do mundo. Durante três semanas (em todos osverões), do final de agosto ao início de setembro, companhias de teatro, grupos de dança, companhiasde ópera, orquestras, marionetes e artistas visuais do mundo inteiro reúnem-se nos teatros e igrejas deEdimburgo para uma grande celebração. Saindo da cidade de Edimburgo, começam as atrações na cidade de Glasgow.Glasgow Glasgow está localizada a sudoeste de Edimburgo. É considerada também a cidade mais agitadae movimentada da Escócia. Com o declínio da produção industrial, a cidade passou por uma má fase,mas em 1990 a Comunidade Européia a nomeou como sendo a Cidade da Cultura e do Renascimento.A cidade é a casa da Ópera da Escócia, Balé da Escócia, Orquestra Nacional da Escócia e muitas compa-nhias de teatro. As atrações próximas a Glasgow incluem Alloway, o local de nascimento do poeta escocês RobertBurns que viveu no século XVIII e é uma figura central na literatura escocesa. The Burns Heritage Trail levaa casas e hotéis associados aos trinta e sete anos de vida do autor. Depois das duas cidades citadas, faz-se necessárias algumas observações gerais em relação a ou-tros pontos de interesse e outras curiosidades do local. A Escócia é considerada o local de nascimento do golfe. O país tem mais de 400 campos e é sededa maioria dos campeonatos abertos britânicos. O Royal and Ancient golf Club of St. Andrews, ao norte dacosta de Edimburgo, é considerado o local de nascimento do golfe. Os praticantes do esporte que de-sejam jogar o Old Course em St. Andrews devem entrar em contato com o clube com pelo menos oitosemanas de antecedência! A área a oeste da cidade do Mar do Norte, Aberdeen, tem a maior concentração de castelos de to-dos os etilos e épocas; do Castelo de Braemar, fortaleza dos nobres, ao vitoriano e medieval Balmoral, aresidência da família real. A casa e os terrenos de Balmoral estão abertos ao público de maio até julho.Somente quando há algum evento real, o local é fechado. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  27. 27. Inglaterra e Escócia 25 Ao sul do país está localizado o Castelo Glamis, residência de infância da Rainha Mãe da Inglaterrae local de nascimento da princesa Margareth. Essa casa é conhecida como a mais mal-assombrada dasmansões na Grã-Bretanha!País de Gales (Wales) Welcome to Wales ou Croeso I Gymru (Bem-vindo a Gales), diz a placa nos idiomas inglês e galês,como manda o regulamento do país desde 1973. Essa é a primeira evidência visível de que o visitanteestá em um local diferente. Vale lembrar que o Príncipe Charles tem o título de Príncipe de Gales. O País de Gales tem dois idiomas oficiais: o galês e o inglês. O nome galês de Gales é Gymru. Aprimeira lição do visitante é tentar decifrar as placas de trânsito em um dos idiomas mais antigos daEuropa. O principado de Gales, a terra montanhosa que aponta no Mar Irlandês, é um pouco maior que227 quilômetros de um ponto a outro, com 56 quilômetros de largura. É uma terra irregular com riosque correm rapidamente cheios de trutas e salmões. Gales é uma terra de música e poesia. Há a tradição de músicas de corais desenvolvidas desde1700. O festival de Eisteddfod é uma tradição popular gaulesa de música e poesia com competição en-tre os participantes. Há histórico sobre o festival desde o século XII. Há festivais anuais que acontecempor toda a ilha. O maior é o Royal National Eisteddfod celebrado em várias cidades e bairros alternada-mente entre o norte e o sul de Gales. Continuando o roteiro, chega a vez da Irlanda do Norte.Irlanda do Norte Um pouco maior do que o estado norte-americano de Connecticut (isto é, um local de peque-nas proporções), a Irlanda do Norte é formada por seis condados – Antrim, Down, Armagh, Fermanagh,Tyrone e Londonderry – na costa nordeste da Irlanda. Juntos os condados são comumente chamados deUlster. É um local com muitas possibilidades aos turistas e entre suas atrações estão excepcionais cam-pos de golfes e cenários espetaculares.Belfast Belfast é a capital da Irlanda do Norte. A cidade cresceu no século XIX devido à construção de na-vios, fabricação de cordas, tabaco e as indústrias de linho. A cidade é a casa de um terço da populaçãoda Irlanda do Norte. Um dos pontos mais interessantes da cidade é o museu de Ulster, que expõe 9 000 anos de histó-ria Irlandesa. O museu está localizado no Jardim Botânico da cidade e até 2009 ficará fechado para umagrande reforma. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  28. 28. 26 Elaboração de Roteiros e PacotesGiant’s Causeway (Calçada do Gigante) Considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, é um caminho de formação incomum comaproximadamente 40 000 pilares hexagonais de basalto ao longo da costa. Os pilares formam degrausque desaparecem no mar. O principal atrativo turístico da área no entorno do Giant’s Causeway é a região de Ballycastle. Hátambém a Bushmills, casa da destilaria de uísque mais velha do mundo. Há visitas monitoradas à fábricada Old Bushmills, que existe desde 1608.A República da Irlanda A Ilha Esmeralda, como é conhecida a Irlanda, por seus verdes campos, recebe mais visitantes(cinco milhões) anualmente do que o número de moradores locais. A prosperidade está transformandoa ilha e o crescimento de negócios de alta tecnologia aumentou a sofisticação dos viajantes. Se os turis-tas querem comer uma pizza ou talvez um lanche de uma conhecida rede de fast-food, eles podem con-segui-los em quase todas as regiões da Irlanda. Para encontrar a verdadeira Irlanda, o viajante deve se aventurar pelas estradas para descobrirque a hospitalidade é uma das grandes virtudes do local.Limerick Muitos viajantes vêem a Irlanda pela primeira vez no Aeroporto Shannon localizado na costa oes-te próximo a Limerick – uma cidade conhecida pelos seus laços e arquitetura georgiana.Dublin Dublin é a capital da Irlanda e também sua maior cidade. O rio Liffey divide Dublin em norte e sul.A rua Upper O’Connel inclui o General Post Office (a casa dos correios gerais). No local, em 1916, surgiu olevante contra a Inglaterra e eventualmente levou à independência da República. Há também a rua Grafton, que é um local para compras. Outros lugares para serem visitados em Dublin são: ::: o Castelo Dublin, o forte dos Britânicos até 1920; ::: a Catedral de Saint Patrick. Vale ressaltar que Saint Patrick ou São Patrício em Língua Portuguesa é o santo patrono da Irlanda; ::: os Liberties, um dos quarteirões mais velhos de Dublin e o centro de seu comércio de antigui- dades; ::: Trinity College (Faculdade de Trinity), fundada em 1592 é a mais velha da Irlanda; ::: a National Gallery of Ireland, com uma vasta coleção de arte Européia e Irlandesa; Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  29. 29. Inglaterra e Escócia 27 ::: as praças Merrion e Fitzwillian; ::: o Centro Cultural James Joyce, um dos mais importantes escritores de todos os tempos. O Centro é local de palestras e eventos diversos sobre o autor; ::: o Abbey Theatre, o teatro nacional da Irlanda; ::: a Guinness Brewery, a maior cervejaria da Irlanda, fundada em 1759. Esse é um dos locais de vi- sitação mais populares da Irlanda; ::: o Jury’s ou Doyle’s Irish Cabaret, para desfrutar de uma noite tradicional irlandesa com muita música e dança. Além de todos os locais citados, os turistas sempre desejam conhecer típicos pubs irlandeses. Edeles há inúmeras opções na cidade!O sudoeste da Irlanda As fazendas, os pequenos povoados e as antigas ruínas caracterizam a região sudeste do país. Ospasseios turísticos pela região devem incluir as seguintes paradas: ::: Kildare, a 48 quilômetros a sudoeste de Dublin é o coração da indústria de corrida de cavalos da Irlanda; ::: o porto de Waterford, a 84 quilômetros de Dublin é parada obrigatória na fábrica de cristal Waterford.Texto complementar Dublin (REVISTA PRÓXIMA VIAGEM, 2007) O primeiro nome de Dublin é baile atha cliath, em gaélico, o dialeto local, que quer dizer “a cida- de da ponte sobre o rio”. O outro é dubh-linn, que, na mesma língua, significa “poça negra”. Ambos os nomes têm a ver com o rio Liffley, que divide a cidade em duas e desemboca de maneira brutal no mar celta. Não são poucos os que sustentam que das águas negras dessa poça, abençoada no ano 450 por St. Patrick, o padroeiro da Irlanda, se extrai o líquido mágico que produz a cerveja Guinness, a mais apreciada e reverenciada nos pubs do mundo inteiro. De fato, a fábrica da Guinness fica muito próxima da poça lendária, às margens da qual Arthur Guinness encontrou, no século 18, uma trepadeira de lúpulo, cujo pó ele misturou à cevada tostada. Estava criada a base de um produto que, a partir de 1759, se tornaria a bebida preferida dos estiva- dores locais e aos poucos se transformaria no chope mais desejado do planeta. A qualidade dessa Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  30. 30. 28 Elaboração de Roteiros e Pacotes cerveja densa e escura, somada ao clima caprichoso que, na maior parte do tempo, mantém Dublin mergulhada em brumas e névoas, faz dessa cidade de 1,2 milhão de habitantes, fundada por vikings há 1200 anos, um dos melhores lugares do mundo, se não o melhor, para jogar conversa fora den- tro de um pub. Não é à toa que existem mais de 1 000 pubs na capital irlandesa, um para cada estilo de cliente. Há pubs célebres como o Temple Bar, que aparece na abertura desta reportagem, e o Da- vid Byrne, sempre cheio de turistas, que deve a fama ao fato de ter sido citado em Ulisses, de James Joyce. Os chopes que saem dos seus barris, no entanto, não são melhores que os servidos nos mo- destos Broderick ou The Duke, que ficam do outro lado da mesma Duke Street. Saborear uma Guinness autêntica é um ritual que depende – e muito – do ambiente e da atmos- fera que envolve os convivas. O Chatham, por exemplo, está a apenas meio quarteirão das concor- ridas lojas da Grafton St., mas conserva no interior um silêncio que convida à conversação consigo mesmo – nada mais dublinense. Um pouco mais adiante fica o Kehoe’s, com seu balcão antiquíssi- mo, lugar ideal para uma Guinness em horas imprevistas, pela manhã ou noite adentro. Você estará rodeado de simpáticos estranhos e se sentirá em casa ouvindo histórias, às gargalhadas, acompa- nhado de gente que nunca viu. O mesmo vale para o belíssimo Bruxelles que, por volta das 11 da manhã, já dispõe de ambiente privilegiado para receber os primeiros boêmios. Os pubs, sem dúvida, são os mais agradáveis portos seguros para quem vive nesta cidade qua- se sempre cinzenta e chuvosa – mas não os únicos. As bibliotecas e livrarias, por exemplo, também se contam às centenas em Dublin, o que ajuda a explicar a espantosa quantidade de gênios locais da literatura. James Joyce, Oscar Wilde e Bernard Shaw são apenas os primeiros de uma longa lista de grandes escritores que já renderam à cidade três prêmios Nobel de literatura. A maior parte das apresentações ao ar livre ocorrerá em junho, quando o sol costuma dar as caras na cidade. Garantia mesmo de tempo bom não há, pois o clima aqui muda de humor de uma hora para outra: se às 10 da manhã faz um sol espetacular, dez minutos depois pode desabar um di- lúvio bíblico. Não é à toa que os dublinenses correm para os parques na primeira brecha de tempo bom e, para se refugiar da chuva e do frio, inventaram tantos lugares acolhedores. Aos visitantes que reclamam da instabilidade climática, eles lembram: “nunca chove dentro de um pub”. Entre as várias “atrações cobertas” de Dublin, o museu nacional da Irlanda, com um acervo que conta a história do país desde a ocupação viking até a independência do Reino Unido, é um ótimo ponto de partida. Para quem quiser entender melhor as conexões entre a cidade e a literatura, o Ja- mes Joyce Centre e o museu dos escritores de Dublin são escalas obrigatórias. E a Galeria Nacional da Irlanda guarda a mais saborosa surpresa dos museus dublinenses: o quadro A Prisão de Cristo, de Michelangelo Caravaggio, que passou décadas incógnito na parede de um refeitório jesuíta local, até ser notado, em 1991, por um restaurador especializado no pintor italiano. A tela, doada aos pa- dres em 1931, depois de arrematada por uma ninharia num leilão em Edimburgo, hoje está avaliada em 100 milhões de dólares. A sensação de estar diante de tesouros históricos perdidos no tempo também é constante no Trinity College, a universidade mais antiga da Irlanda, fundada em 1592, cuja biblioteca abriga mais de 3 milhões de livros. É programa para uma tarde inteira, de preferência com muita chuva lá fora, escarafunchar essas monumentais estantes. Já o castelo de Dublin, em torno do qual se estabeleceria a cidade, vale apenas para uma passa- gem rápida, até porque da construção original só restaram uma torre e algumas ruínas subterrâne- Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  31. 31. Inglaterra e Escócia 29 as. Muito melhor é comprar uma excursão para o castelo Malahide, a 13 quilômetros do centro, que foi construído no século XII e serviu de residência à família Talbot até 1973. Se der sorte, você poderá até participar de um banquete medieval promovido pelos Talbot. É imperdível ainda um passeio de trem pela orla da baía de Dublin, que vai do cerro de Howth à praia de Bray. Os vagões quase tocam as águas do Mar de Black Rock e depois engatinham morro acima até o desfiladeiro de Killiney. Convém fazer uma escala em Dún LaoGhaire, o porto de onde Jonathan Swift e Gulliver zarparam rumo à ilha de Lilliput. O mesmo trem chega até Sandymount, a orla marítima onde Stephen Dedalus passeia nas pri- meiras páginas de Ulisses. Para visitar o lugar é importante observar duas condições: que a maré esteja baixa e que se caminhe sobre a areia saboreando uma garrafa de vinho branco, que Joyce chamava de “eletricidade”. A maré em Sandymount é capaz de se afastar por centenas de metros, deixando exposto o fundo do mar. “É para ler os signos de todas as coisas que estou aqui”, murmurava o jovem Dedalus enquanto andava por esse lugar extraordinário, onde se caminha tropeçando em conchas, caranguejos, algas, caramujos e, com um pouco de sorte, se defronta com cavalos tamanho do polegar, trazidos pelo mar das longínquas terras de Lilliput.Atividade1. Um grupo de cinco amigos cujas idades variam entre 20 e 30 anos planeja uma viagem com dez dias de duração (no mês de julho) nas cidades de: Londres, Edimburgo, Glasgow e Dublin. Qual seria a sua sugestão de passeios? Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  32. 32. 30 Elaboração de Roteiros e Pacotes Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  33. 33. Austrália e Nova ZelândiaAustrália Antes da chegada do capitão inglês James Cook, no século XVIII, o continente era habitado poraborígenes, que já tinham tido contato com comerciantes da Ásia e Oceania. À época, eram cerca de 300 mil aborígines espalhados por diversas regiões. Essa etnia dividia-seem sociedades regionais, cada uma com sua cultura própria, com dialeto, lendas e cerimônias, que re-velavam seus valores, seu estilo de vida e sua relação com o meio e com o divino. Esse quadro alterou-se drasticamente com a chegada dos colonizadores e hoje, o número de aborígines é significativamentemenor, inclusive com impacto na sua distribuição geográfica no território. O objetivo dos colonizadores ingleses para a construção da cidade de Sydney, uma das cidadesmais importantes da Austrália, era uma colônia penal, erguida para substituir as colônias da América doNorte. Já no século XIX, a Austrália se desenvolveu graças à corrida do ouro. Atualmente, a Austrália é reconhecida por ser uma sociedade democrática. A diversidade culturaltornou-se o grande marco de sua identidade nacional. Em 2006, a população australiana ultrapassava20 milhões de habitantes e abrigava pessoas de mais de 200 nacionalidades. As universidades australia-nas são receptivas a intercâmbios culturais e têm programas específicos de hospitalidade para estudan-tes estrangeiros. Em 1945 os interesses comerciais da Austrália migraram da Europa para Ásia e Américae a partir da década de 1960 verificou-se um grande influxo de migrantes de países não-anglo-saxões.Embora o país acolha tantos estrangeiros, o inglês continua como língua oficial da nação. Considerada parte do menor dos continentes, a Oceania; a Austrália é o sexto maior país do mun-do, depois da Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil, e possui um dos menores índices de densi-dade demográfica. Sua população concentra-se principalmente nas cidades litorâneas, devido às áreasférteis e irrigadas próximas às regiões costeiras. Grande parte do interior do país é uma área desérticaplana e árida; praticamente inabitada devido à escassez de chuvas, ocupa mais de 20% do continente.Com exceção de Camberra, a capital federal, todas as grandes cidades são costeiras. A Austrália é banhada pelos oceanos Pacífico e Índico. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  34. 34. 32 Elaboração de Roteiros e Pacotes O povo australiano vive em meio a uma grande variedade climática. As temperaturas quentes daregião central e costa oeste até as temperaturas mais frias no litoral sul e na Tasmânia. Todas as regiõesda Austrália desfrutam de verões quentes e invernos relativamente amenos. Raramente há neve nasgrandes cidades. Desertos rochosos e a planície costeira são alguns dos componentes da paisagem aus-traliana. O extremo norte do país tem clima tropical; sendo o sudeste e sudoeste temperados. Na costaoriental há a cordilheira Great Dividing Range, a Grande Cadeia Divisória, e as áreas mais sujeitas a chu-va do território. O litoral australiano é composto por praias de areia branca e rica vegetação e a grandeBarreira de Corais é considerada umas das maravilhas naturais do mundo. Juntos, os rios Murray e Darling formam o maior sistema hidrográfico da Austrália, originando abacia de Murray-Darling que ocupa mais de um milhão de km2, que equivalem a 14% da área do país. O maior lago salgado da Austrália, o Lake Eyre, localizado no centro do país, possui uma áreade mais de nove mil km2, está 16 metros abaixo do nível do mar e pode permanecer seco por longosperíodos. A Austrália é constituída de seis estados e cinco territórios. Os estados são: Austrália do Sul,Austrália Ocidental, Nova Gales do Sul, Queensland, Tasmânia e Vitória. Os territórios são: Território daCapital da Austrália, Território do Norte, Ilhas Norfolk, Território das Ilhas Christmas e Território das IlhasCocos.As cidadesSydney A cidade, que foi sede dos jogos Olímpicos e Paraolímpicos do ano 2000, tem uma atmosfera con-tagiante. The Rocks, o bairro mais antigo de Sydney, é um ponto histórico obrigatório que mistura lojasde estilo colonial, museus, galerias de arte, restaurantes e cafés à beira-mar. A baía de Sydney é o cenário perfeito para passeios de barco, natação, piqueniques e pesca. O Sydney Opera House, considerado um dos cartões postais mais conhecidos da Austrália, está lo-calizado na parte leste de Circular Quay, ponto de partida das balsas, trens e ônibus que ligam a cidadeàs vilas mais suburbanas. As ruas Castlereagh e Elizabeth são perfeitas para compras no centro da cidade, além da Rua Pitt,também com numerosas lojas e restaurantes abertos em vários horários. O Queen Victoria Building é um dos shopping centers mais sofisticados da cidade e está instaladonum prédio histórico. Sydney também é uma cidade muito especial pela sua arquitetura. Algumas de suas belas casasestão aninhadas em arbustos ou apoiadas em penhascos. É na região portuária de Darling Harbour que se encontram o National Museum, o PowerhouseMuseum e o Aquário de Sydney. O aquário exibe aos turistas uma amostra da Grande Barreira de Coraise da exuberante diversidade da vida marinha local. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  35. 35. Austrália e Nova Zelândia 33 Para os surfistas, a opção de passeio inesquecível é a praia de Bondi, que tem eventos anuais li-gados ao esporte. A vida noturna de Sydney também é vibrante. Bares, discotecas, boates podem ser encontradasem King’s Cross e Oxford Street. Há sempre muitas opções de entretenimento, como também o Star Citycassino, apresentações do Balé Australiano e da Companhia de Dança Aborígene Bangarra. As Blue Mountains (Montanhas Azuis) localizadas a cerca de 104 quilômetros a oeste de Sydneysão a opção para quem gosta de trilhas, caminhadas e esportes de aventura. Localizadas a 526 quilômetros de Sydney, as Snowy Mountains (Montanhas Nevadas) ofereceminúmeras estações de esqui, que funcionam de junho a outubro (meses de tempo frio).Gold coast Essa magnífica costa – situada ao sul de Brisbane – é o destino ideal para os esportistas: nadar,surfar, velejar, jogar vôlei ou praticar windsurf são só algumas das atividades oferecidas no complexo de35 praias, parques temáticos, além dos resorts e hotéis.Brisbane Considerada uma cidade tranquila tem o clima ideal para os amantes de dias ensolarados. No lo-cal conta-se mais de 300 dias de sol por ano. A vida ao ar livre é o grande diferencial no estilo de vida dos habitantes de Brisbane. Lá é possívelcomer em restaurantes ou fazer compras em mercados, tudo ao ar livre. Atividades pacatas e bucólicas,como passeios de fim de semana para caminhar e pedalar ao longo das margens do rio Brisbane são ex-celentes dicas para os apreciadores desse tipo de viagem.Cairns É uma bela cidade que oferece exuberantes praias, recifes e florestas. Há também ótimas opçõespara um cruzeiro ou passeios de hidroavião e helicóptero. Cairns tem uma paisagem composta por praias, pântanos na costa, montanhas, planícies e flo-restas. É um ótimo local para a prática de mergulho, pesca e rafting (descer corredeiras a bordo de umbote).Grande Barreira de Corais A Grande Barreira de Corais, considerada como patrimônio da humanidade pela Unesco, é umaatração turística das mais concorridas. Suas águas oferecem excelente visibilidade para mergulho e ou-tros esportes. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  36. 36. 34 Elaboração de Roteiros e Pacotes Formando um surpreendente arquipélago com mais de mil ilhas, a Grande Barreira pode ser aces-sada partindo de lugares como Port Douglas ou Cairns. Vale lembrar que a Grande Barreira estende-sepor cerca de 2 600 quilômetros. Mergulhar, nadar, pescar, fazer windsurf, todas essas atividades podem ser tão prazerosas quan-to velejar e excursionar em algumas das 74 ilhas da região, localizadas no centro da Grande Barreira deCorais. Porém, somente oito dessas ilhas possuem hotéis com uma vasta infra-estrutura, de áreas selva-gens à sofisticação cinco estrelas, a exemplo de Hamilton Island e Hayman Island.Melbourne A cidade é o centro do agito cultural australiano: moda, ótima gastronomia e esportes para to-dos os gostos. É uma cidade que impressiona pelo seu estilo, arquitetura e pelo número de galerias dearte lá existentes. Melbourne também é considerada uma das cidades com melhor qualidade de vidado planeta. Banhada pelo rio Yarra, Melbourne oferece floridas ciclovias pelos parques que se estendem àsmargens do rio. Uma boa dica é visitar um dos cafés em South Gate e Crown Promenades ou de navegarnas águas do Yarra em um dos barquinhos a remo disponíveis.Tasmânia A Tasmânia é uma grande ilha, no sudeste australiano, com flora e fauna bem particulares e umarica herança colonial. As ilhas que estão em sua costa são opções para se conhecer a beleza e hospitalidade pelas quaissão famosas. Vale lembrar que no passado a Tasmânia abrigou uma colônia penal. O Mar da Tasmânia seinterpõe entre as ilhas da Tasmânia e da Nova Zelândia.Nova Zelândia A Nova Zelândia tem no povo indígena maori a maior relíquia do passado. Os maoris chegaram aolocal aproximadamente no ano 1200 a.C, vindos das Ilhas Polinésias. A língua nativa é o Te reo Maori. A colonização britânica, iniciada com a chegada do capitão James Cook em 1769 gerou um gran-de impacto no país a partir do século XIX. Com a descoberta de ouro na região a partir de 1861, o país atraiu imigrantes de todas as nacio-nalidades, fazendo com que a população maori fosse superada (em número) num período muito curto.A questão dos direitos de propriedade da terra do povo maori ainda não foi totalmente resolvida. Ocupando um território de 270 500 km², o país localiza-se a sudoeste do oceano Pacífico, ao ladoda Austrália. A Nova Zelândia é formada por duas ilhas principais, Ilha do Norte e Ilha do Sul – que sãoseparadas pelo Estreito de Cook. Oitenta e cinco por cento da população do país vive em área urbana. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  37. 37. Austrália e Nova Zelândia 35 3 A paisagem do local é admirada por muitos por sua natureza montanhosa, já que 4 da NovaZelândia estão a 200m acima do nível do mar. Em alguns pontos, a exemplo dos Alpes do Sul, na Ilha doSul, é possível encontrar neve no topo dos picos montanhosos que chegam a 3 754m de altura. A Ilha do Sul é maior e menos povoada e suas geleiras deram origem a uma variedade de paisa-gens fantásticas, formando lagos, rios caudalosos e fiordes ao longo da costa. A Ilha do Norte possui vulcões, gêiseres e fontes termais que rodeiam pastagens férteis, muito uti-lizadas na criação de carneiros, a principal fonte de renda do país. Essa ilha, mais quente e hospitaleira,concentra a maior parte da população.Cidades e atraçõesAuckland Na Ilha do Norte, pode-se ir de Auckland até as lamas quentes de Taupo, no interior do país, loco-movendo-se por cerca de 367 quilômetros. Considerada a cidade mais moderna do país, Auckland oferece muitas opções de acomodações,gastronomia e passeios. De origem vulcânica, foi construída no meio de pequenos morros e montes noinício da grande península ao norte do país, com água por todos os lados. Auckland também é conheci-da como a capital mundial da vela (esporte), depois de repetidos sucessos dos neozelandeses nas prin-cipais regatas do mundo. Uma ótima opção de passeio é circular por Ponsonby, um conhecido bairro familiar da cidade queé bastante movimentado desde o período da manhã, com seus cafés famosos por oferecem o tradicio-nal brunch (mistura de café-da-manhã – breakfast e almoço – lunch) ou pela Rua Queen, famosa pelassuas lojas, vitrines e fachadas com influência da arquitetura britânica. Outro bairro importante em Auckland é Parnell, igualmente famoso por suas galerias de arte, lo-jas de design e cafés. Para se ter uma vista de 360º sobre Auckland, é preciso subir no topo da Sky Tower que fica a328m de altura e a vista do topo alcança até 80 quilômetros de distância. A 200 quilômetros ao Sul de Auckland, com destino a Rotorua, as Waitomo Caves (cavernas) sãouma atração imperdível. Habitadas por vaga-lumes, essas cavernas oferecem um espetáculo de céu es-trelado debaixo da terra. Seguindo para o leste encontra-se o Monte Maunganui, uma vila costeira banhada por águas cris-talinas. É um dos destinos favoritos para passar o final de semana e para quem gosta de trekking (cami-nhada).Rotorua Localizada no centro da Ilha do Norte, a região de Rotorua é marcada por fontes termais, gêiserese vulcões ativos, como o Monte Tarawera, além de piscinas de lama borbulhante e bela arquitetura artedecô, campos com produção de uva e lagos de água brilhante. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  38. 38. 36 Elaboração de Roteiros e PacotesNapier É uma cidade recente, não porque não tenha passado, mas por ter sido atingida por um terremo-to em 1931, que a arrasou quase que por completo. Reerguida à imagem dos anos da sua construção,é hoje um oásis dos anos 1930. Deve-se visitar os famosos antiquários locais e viajar pelo tempo entreroupas e acessórios, mobiliário e peças de decoração, fotografias e discos antigos.Wellington Noventa por cento da população atual é de origem maiori e vive na Ilha do Norte, entre Rotoruae Wellington. O museu Te Papa, em Wellington, é parada obrigatória. Com entrada livre, destaca-se pelaabordagem interativa e tecnológica das suas apresentações. Uma ótima oportunidade para conhecerum pouco mais sobre os rituais desta cultura ancestral. Wellington é a capital administrativa do país, localizada ao sul da Ilha do Norte. É uma cidade mais“compacta” que Auckland, mas é famosa por ter um número impressionante de restaurantes. Os melho-res restaurantes estão localizados entre a Praça Courtenay e a Rua Cuba.Tasman Bay É uma baía localizada dentro do Parque Nacional de Abel Tasman, ao norte da Ilha Sul. Uma boadica ao turista é percorrer esta baía de caiaque ou caminhar à beira-mar e descobrir praias secretas.Kaikoura É aqui que o viajante terá o encontro com as baleias, devendo apenas embarcar em um tour paravê-las de perto, com duração de aproximadamente 2 horas. A estrada até Kaikoura vai ao longo do mar e o turista será surpreendido pela bela paisagem dasfocas apanhando sol, deitadas sobre as rochas.Christchurch É considerada a mais inglesa das cidades fora da Inglaterra e conhecida como a cidade Jardim,pelos seus jardins e parques banhados pelo Rio Avon. Na cidade também está localizado o segundoprincipal aeroporto do país. Além disso, Christchurch também tem vários campos de rugby (um espor-te popular na região). No caminho entre Christchurch e Queenstown encontra-se uma das paisagens mais bonitas daNova Zelândia, com belas vistas da Cordilheira dos Alpes e da sua montanha mais alta, o Monte Cook. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  39. 39. Austrália e Nova Zelândia 37Queenstown Está localizada às margens do Lago Wakatipu e é uma linda cidade encravada nas montanhas.Avistam-se da região as famosas montanhas Remarkable, com seus picos de neve e pistas de esqui noinverno. Queenstown é conhecida como a capital dos esportes radicais e atrai a todos que querem expe-rimentar aventuras como bungee jumping, rafting, trekking, jet boats e outros, além da prática do esquino inverno.Texto complementar Sobre a Nova Zelândia (NOVA ZELÂNDIA, 2007) Estilo de vida Os neozelandeses descrevem seu país como um ótimo lugar para se educar os filhos. Ao mes- mo tempo em que somos líderes mundiais no uso da internet e telefonia móvel, gostamos das coi- sas simples da vida: comida feita na hora, passeios na praia, tempo para relaxar com a família e os amigos. Os maoris são o povo indígena da Nova Zelândia e a cultura e perspectiva Maori tem ajudado a formar a identidade do nosso país. Conceitos maori, tais como whanau (família) e mana (dignidade) são partes do nosso dia-a-dia. Todos os neozelandeses são muito apegados à terra e ao mar. Visitantes de outros países costumam comentar sobre a atitude amigável e aberta dos neoze- landeses. Com nossos quatro milhões de habitantes e espaço de sobra, não medimos esforços para nos conhecermos melhor. A proximidade com a natureza nos dá uma sensação de liberdade e rela- xamento. Os neozelandeses são grandes desportistas. Nosso esporte nacional é o rugby e o haka, apre- sentado pelo nosso time de rugby – os All Blacks – é conhecido no mundo todo. Pessoas de muitos países vieram para a Nova Zelândia influenciados pelo Maori neozelandês e pela cultura britânica. As Ilhas do Pacífico e a Ásia têm contribuído com a maioria dos novos migran- tes, mas nossa sociedade multicultural inclui pessoas de quase todas as partes do globo. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  40. 40. 38 Elaboração de Roteiros e Pacotes A localização da Nova Zelândia no Pacífico Sul nos tornou independentes, aventureiros e an- tenados com o mundo. Nós viajamos e nos comunicamos com o mundo, e damos as boas-vindas a milhões de turistas internacionais todos os anos. Embora muitos jovens neozelandeses vivam em outros países, a maioria retorna pra casa a fim de constituir família. Sabemos que temos muita sorte em poder desfrutar do estilo de vida neozelandês.Atividades1. Um adolescente com 17 anos de idade quer fazer um curso de inglês na Austrália e pergunta para você se essa é uma boa opção. O que você recomenda? Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  41. 41. Austrália e Nova Zelândia 392. A Grande Barreira de Corais é um atrativo para todos os segmentos de turistas?3. Na sua opinião, quais as cinco atrações imperdíveis das regiões vistas neste capítulo? Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  42. 42. 40 Elaboração de Roteiros e Pacotes Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  43. 43. Europa Oriental A divisão entre Europa Ocidental e Oriental justifica-se mais pela disputa de poder do que nossentidos culturais e geográficos. Há várias interpretações para a abrangência do termo, frequentemen-te contraditórias e influenciadas por fatores geopolíticos e ideológicos. Após a Segunda Guerra Mundial, a divisão entre ocidente e oriente teve como base quais eram ospaíses socialistas e quais eram os capitalistas. Em novembro de 1989, um milhão de alemães orientais passaram pelo Muro de Berlim. Em meses,os países dispensaram seus líderes comunistas. Logo o império russo, a União das Repúblicas SocialistasSoviéticas se desintegrou. A Estônia, a Letônia, a Lituânia, a Ucrânia e Bielo-Rússia se tornaram países in-dependentes.A região A Europa Oriental é conhecida mais por suas terras do que pelo seu litoral. Ao sul, o Sistema deMontanhas Alpinas inclui os Bálcãs da Bulgária e os Cárpatos do norte da Eslováquia, sul da Polônia eoeste da Ucrânia e Romênia. As Montanhas do Cáucaso estão ao sul e se estendem do Mar Negro até oMar Cáspio. Ao sul está localizado o Mar Cáspio, que é a maior massa de água no interior do continentedo mundo. Em contraste, o Mar Negro é conectado com o Mediterrâneo pelo estreito de Bósforo.Os habitantes e sua história “Germanos” refere-se aos grupos étnicos oriundos da Idade do Bronze Nórdica (1000 a.C. a500 a.C.), que ocupavam a região chamada Germânia, situada além das fronteiras do Império Romano, en-tre os rios Reno, Danúbio e Vístula, o norte da atual Alemanha, e os mares do Norte e Báltico que abrangemo sul da Escandinávia. Eram considerados “bárbaros” (estrangeiros em grego) pelos romanos e dividiam-se em numerosos grupos étnicos que viviam em pequenas povoações autônomas baseadas numa eco-nomia pecuária. A partir do período histórico do Sacro Império, passaram a se chamar “alemães”. Quando a Reforma Luterana dividiu o Cristianismo em Igreja Ortodoxa Oriental e a Igreja Católica,no século XVI, os missionários de Roma introduziram o alfabeto nas regiões da Hungria, República Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
  44. 44. 42 Elaboração de Roteiros e PacotesCheca, Eslováquia, Polônia e Estados Bálticos, e os missionários ortodoxos ensinaram o alfabeto cirílico1.A Igreja Católica Romana cedia autoridade aos monarcas e as igrejas do oriente ensinavam os CristãosOrtodoxos obedecerem suas regras. Como resultado, a posse das terras pela aristocracia aumentou suasforças, e a estrutura de classe se tornou firmemente enraizada. A Rússia era um império transcontinental entre os séculos XVI e XIX, mas o autoritarismo dos cza-res (imperadores) da Rússia e as rupturas causadas pelas guerras alimentaram as forças revolucioná-rias. Durante a Primeira Guerra Mundial, o Czar Nicholas II (1868-1918) foi forçado a abdicar; mais tardeele foi executado pelos revolucionários. Os Bolcheviques liderados por Lênin (1870-1824) retiraram opaís da Primeira Guerra Mundial e formaram o governo comunista, a União das Repúblicas SocialistasSoviéticas. Após a Segunda Guerra Mundial, os países da Europa Oriental ficaram livres da ocupação daAlemanha, mas cresceu a influência comunista da União Soviética sobre seus governos. Durante essa época, o turismo era rigidamente controlado. O estado possuía as companhias aé-reas, os transportes, os hotéis, os restaurantes e empregava os guias de turismo. As viagens indepen-dentes eram restritas. Por motivos de segurança até os mapas eram difíceis de conseguir. Os palácios eos lugares históricos do passado “decadente” foram abandonados. Tudo isso mudou com a dissoluçãoda União Soviética. A partir desse momento, os países da região serão abordados individualmente.Polônia A Polônia está localizada entre a Alemanha e a Rússia e devido a sua localização, era dita amaldi-çoada, pois os inimigos podiam chegar a ela por qualquer direção. O país faz fronteira com a RepúblicaCheca e a Eslováquia ao sul, com a Ucrânia e Bielo-Rússia ao leste, com a Lituânia ao nordeste e com oMar Báltico ao norte.Varsóvia Varsóvia é a capital e também a maior cidade da Polônia e está próxima da margem do Rio Vístula.No final da Segunda Guerra Mundial a cidade estava em ruínas, porém os arquitetos poloneses recons-truíram-na como era originalmente. As atrações de Varsóvia que o turista poderá visitar são: ::: Palácio Wilanow é um prédio reconstruído do Centro Velho. Exibe uma coleção de pinturas e mobília antigas e o Museu dos Pôsteres. Muitos artistas poloneses ganharam fama nas artes gráficas, especialmente em desenhos de pôsteres. ::: Catedral de São João, do século XIV em estilo gótico.1 Criado por Cirilo no século IX (SAKALL, 2007). Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

×