SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Células-tronco derivadas de 
tecido adiposo: isolamento, 
cultivo in vitro e perspectiva de 
utilização em dermatologia. 
Maiquele Santana 
Rebeca Quintela
Células-tronco 
As células-tronco, células-mães ou células 
estaminais, são células indiferenciadas podem 
ser classificadas em células-tronco embrionárias 
e células-tronco adultas. 
As células embrionárias 
têm a capacidade de se 
diferenciarem em qualquer 
tipo de célula, formando 
qualquer tipo de tecido. 
As células-tronco adultas são 
retiradas do organismo já 
formado, como da medula 
óssea, fígado, sangue, 
cordão umbilical e placenta.
Definição e Classificação 
Propriedades fundamentais: 
 Diferenciação 
Renovação 
Classificação: 
Totipotente 
Todos os tecidos do corpo; 
Anexo embrionário (placenta). 
Pluripontente 
Todos os tecidos do corpo; 
Não geram anexo embrionário . 
Multipotente 
Células do mesmo tecido que foram originadas.
+ = 
Até o estagio de 16 
células, essas células 
são todas totipotentes. 
durante o desenvolvimento 
vai formar os anexos 
embrionários, formado 
também pela massa interna . 
Essas células da massa celular 
interna, podem ser extraídas do 
embrião e mantidas numa cultura 
in vitro, se mantidas em condições 
ideais podem formar uma linhagem 
celular que vão proliferar em 
cultura indefinidamente. 
Células pluripotentes
Multipotentes 
Polpa dentária 
Cordão umbilical 
Sangue menstrual 
Liquido amniótico 
Tecido adiposo
IPS
Células tronco Hematopoiética 
e mesenquimais 
são responsáveis pela formação 
das células sanguíneas eritrócitos, 
leucócitos e plaquetas. 
além de fornecer suporte às células 
sanguíneas, são capazes de se 
diferenciar em adipócitos, 
osteócitos, condrócitos, 
hepatócitos, neurônios, células 
musculares e células epiteliais.
A partir do recente conhecimento da presença de células-tronco 
em outros tecidos humanos além da medula, os 
pesquisadores Radovan Borojevic e Maria Isabel D. Rossi 
passaram a desenvolver metodologias para obtenção e 
aproveitamento dessas células. Sua escolha recaiu sobre o 
tecido adiposo. 
O tecido adiposo representa a fonte ideal de célula 
tronco autólogas, uma vez que sua obtenção é 
fácil e vem com capacidade proliferativa maior do 
que a células da medula óssea, resultando na 
maior densidade de células tronco na população 
inicial.
As Células Trocos são derivadas do estroma do tecido 
adiposo, têm a capacidade de se diferenciar em diversos 
tecidos. Por conta desta plasticidade, essas células têm sido 
utilizadas para reparar ou regenerar tecidos danificados 
como ósseo, cartilaginoso, hepático, cardíaco e neural. Além 
disso, essas células apresentam uma poderosa atividade 
imunosupressora, o que abre a possibilidade de sua 
aplicação clínica em doenças imuno-mediadas, como as 
auto-imunes e também nas rejeições aos transplantes.
Células-tronco do tecido adiposo 
melhoria da qualidade de 
vida de portadores da 
doença de Crohn 
restauração de lesões de 
cartilagem, problemas 
ósseos e terapia celular 
para várias doenças de 
cunho autoimune, como a 
diabetes. Além disso, é 
benéfica também para a 
própria reconstrução do 
tecido adiposo. 
Atividade reguladora similar 
as CT da medula óssea; 
Coleta menos perigosa; 
os pesquisadores observaram 
que ambas linhagens foram 
capazes de inibir a proliferação 
de linfócitos T; 
Sem desconforto e menos 
evasivo;
Técnica de coleta, isolamento e cultivo 
Coleta 
Utilizar gordura descartada lipoescultura; 
Estudar cuidadosamente o local a ser manipulado; 
Realizar fotodocumentação e marcação das áreas doadoras; 
Assepsia e antissepsia; 
Anestesia tumesceste; 
Incisão com lamina 11; 
Introdução da cânula de 3 milímetros , com 3 orifícios acopladas 
a seringas de 10ml 
Aproximadamente 30ml de gordura é aspirada através da 
técnica manual sob baixa pressão, atraumática; 
As seringas contendo o material coletado são lavadas com soro 
fisiológico estéril duas ou três vezes seladas e colocados no 
decantador por 30min; 
Posteriormente procede descarte do sobrenadante e á obtenção 
do precipitado; 
As seringas remanescentes são seladas e enviadas ao 
laboratório para processamento do tecido adiposo.
Digestão 
Metodologia de ZUK
Perspectivas Dermatológicas 
Investigações científicas descobriram que uma amostra de sangue periférico 
contém cerca de 10.000 células-tronco, a medula óssea contém cerca de 
50.000 células-tronco adultas, tecido adiposo produz entre 10-60 milhões de 
células-tronco por amostra e 95% deles são células- tronco mesenquimais,
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Jacarés
JacarésJacarés
Jacarés
 
Apostila de Anatomia Veterinária I
Apostila de Anatomia Veterinária I Apostila de Anatomia Veterinária I
Apostila de Anatomia Veterinária I
 
RéPteis
RéPteisRéPteis
RéPteis
 
Aula filo platyhelminthes
Aula filo platyhelminthesAula filo platyhelminthes
Aula filo platyhelminthes
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Zoologia dos vertebrados - Aves
Zoologia dos vertebrados - AvesZoologia dos vertebrados - Aves
Zoologia dos vertebrados - Aves
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula 8 Trematódios
Aula 8 TrematódiosAula 8 Trematódios
Aula 8 Trematódios
 
Aves
AvesAves
Aves
 
TECIDO EPITELIAL.ppt
TECIDO EPITELIAL.pptTECIDO EPITELIAL.ppt
TECIDO EPITELIAL.ppt
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Posicionamento e anatomia
Posicionamento e anatomiaPosicionamento e anatomia
Posicionamento e anatomia
 
Considerações na preparação cirúrgica de rufiões bovinos
Considerações na preparação cirúrgica de rufiões bovinosConsiderações na preparação cirúrgica de rufiões bovinos
Considerações na preparação cirúrgica de rufiões bovinos
 
Nematelmintos ruminantes 2021
Nematelmintos ruminantes 2021Nematelmintos ruminantes 2021
Nematelmintos ruminantes 2021
 
SISTEMA URINÁRIO.pdf
SISTEMA URINÁRIO.pdfSISTEMA URINÁRIO.pdf
SISTEMA URINÁRIO.pdf
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Peixes ósseos
Peixes ósseosPeixes ósseos
Peixes ósseos
 
Aula 2 Anatomia - Planos e Eixos
Aula 2 Anatomia -  Planos e EixosAula 2 Anatomia -  Planos e Eixos
Aula 2 Anatomia - Planos e Eixos
 
Atlas de anatomia do rato
Atlas de anatomia do ratoAtlas de anatomia do rato
Atlas de anatomia do rato
 

Destaque

7b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf138
7b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf1387b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf138
7b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf138Wendrews Miguel
 
Apresentação citometria
Apresentação citometriaApresentação citometria
Apresentação citometriaIvo Kerppers
 
Seminário de biologia celular
Seminário de biologia celularSeminário de biologia celular
Seminário de biologia celularIsabela Da Silva
 
Tecido adiposo atual
Tecido adiposo  atualTecido adiposo  atual
Tecido adiposo atualSolange Leite
 
C I T O M E T R I A D E F L U X O
C I T O M E T R I A  D E  F L U X OC I T O M E T R I A  D E  F L U X O
C I T O M E T R I A D E F L U X OLABIMUNO UFBA
 

Destaque (9)

Causas da Obesidade - Endocrinologia
Causas da Obesidade - EndocrinologiaCausas da Obesidade - Endocrinologia
Causas da Obesidade - Endocrinologia
 
7b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf138
7b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf1387b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf138
7b572b87df58d6e1675fd0e9ee1bf138
 
Apresentação citometria
Apresentação citometriaApresentação citometria
Apresentação citometria
 
Seminário de biologia celular
Seminário de biologia celularSeminário de biologia celular
Seminário de biologia celular
 
Citometria de fluxo
Citometria de fluxoCitometria de fluxo
Citometria de fluxo
 
Tecido adiposo atual
Tecido adiposo  atualTecido adiposo  atual
Tecido adiposo atual
 
C I T O M E T R I A D E F L U X O
C I T O M E T R I A  D E  F L U X OC I T O M E T R I A  D E  F L U X O
C I T O M E T R I A D E F L U X O
 
3.tecido adiposo
3.tecido adiposo3.tecido adiposo
3.tecido adiposo
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 

Semelhante a Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e perspectiva de utilização em dermatologia.

Semelhante a Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e perspectiva de utilização em dermatologia. (20)

Células troncos
Células troncosCélulas troncos
Células troncos
 
Congresso dermato - 21/09/2012
Congresso dermato - 21/09/2012Congresso dermato - 21/09/2012
Congresso dermato - 21/09/2012
 
Aula celulas tronco
Aula celulas troncoAula celulas tronco
Aula celulas tronco
 
Células Tronco
Células TroncoCélulas Tronco
Células Tronco
 
3S_Células tronco ppt
3S_Células tronco  ppt3S_Células tronco  ppt
3S_Células tronco ppt
 
Células tronco para apresentar
Células tronco para apresentarCélulas tronco para apresentar
Células tronco para apresentar
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
histologia Basica.pptx
histologia Basica.pptxhistologia Basica.pptx
histologia Basica.pptx
 
3S- Resumo celulas tronco
3S- Resumo celulas  tronco3S- Resumo celulas  tronco
3S- Resumo celulas tronco
 
7) resumo cels tronco
7) resumo cels tronco7) resumo cels tronco
7) resumo cels tronco
 
Células troncos e trangênicas
Células troncos e trangênicasCélulas troncos e trangênicas
Células troncos e trangênicas
 
Células 01 reinaldo
Células 01 reinaldoCélulas 01 reinaldo
Células 01 reinaldo
 
Células tronco embrionárias
Células tronco embrionáriasCélulas tronco embrionárias
Células tronco embrionárias
 
Células-tronco, o que são e o que serão?
Células-tronco, o que são e o que serão?Células-tronco, o que são e o que serão?
Células-tronco, o que são e o que serão?
 
As células que curam
As células que curamAs células que curam
As células que curam
 
Células Tronco
Células TroncoCélulas Tronco
Células Tronco
 
Resumo histologia 2
Resumo   histologia 2Resumo   histologia 2
Resumo histologia 2
 
Resumo histologia 2
Resumo   histologia 2Resumo   histologia 2
Resumo histologia 2
 

Mais de MAIQUELE SANTANA

Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.MAIQUELE SANTANA
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio MAIQUELE SANTANA
 
Caso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferroprivaCaso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferroprivaMAIQUELE SANTANA
 
Blocos economicos, brasil e o mercosul
Blocos economicos, brasil e o mercosulBlocos economicos, brasil e o mercosul
Blocos economicos, brasil e o mercosulMAIQUELE SANTANA
 

Mais de MAIQUELE SANTANA (6)

Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
 
Caso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferroprivaCaso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferropriva
 
Ciclo cardiaco
Ciclo cardiacoCiclo cardiaco
Ciclo cardiaco
 
Blocos economicos, brasil e o mercosul
Blocos economicos, brasil e o mercosulBlocos economicos, brasil e o mercosul
Blocos economicos, brasil e o mercosul
 
Apostila atualidades 2013
Apostila atualidades 2013Apostila atualidades 2013
Apostila atualidades 2013
 

Último

AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (9)

AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 

Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e perspectiva de utilização em dermatologia.

  • 1. Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e perspectiva de utilização em dermatologia. Maiquele Santana Rebeca Quintela
  • 2. Células-tronco As células-tronco, células-mães ou células estaminais, são células indiferenciadas podem ser classificadas em células-tronco embrionárias e células-tronco adultas. As células embrionárias têm a capacidade de se diferenciarem em qualquer tipo de célula, formando qualquer tipo de tecido. As células-tronco adultas são retiradas do organismo já formado, como da medula óssea, fígado, sangue, cordão umbilical e placenta.
  • 3. Definição e Classificação Propriedades fundamentais:  Diferenciação Renovação Classificação: Totipotente Todos os tecidos do corpo; Anexo embrionário (placenta). Pluripontente Todos os tecidos do corpo; Não geram anexo embrionário . Multipotente Células do mesmo tecido que foram originadas.
  • 4. + = Até o estagio de 16 células, essas células são todas totipotentes. durante o desenvolvimento vai formar os anexos embrionários, formado também pela massa interna . Essas células da massa celular interna, podem ser extraídas do embrião e mantidas numa cultura in vitro, se mantidas em condições ideais podem formar uma linhagem celular que vão proliferar em cultura indefinidamente. Células pluripotentes
  • 5. Multipotentes Polpa dentária Cordão umbilical Sangue menstrual Liquido amniótico Tecido adiposo
  • 6. IPS
  • 7. Células tronco Hematopoiética e mesenquimais são responsáveis pela formação das células sanguíneas eritrócitos, leucócitos e plaquetas. além de fornecer suporte às células sanguíneas, são capazes de se diferenciar em adipócitos, osteócitos, condrócitos, hepatócitos, neurônios, células musculares e células epiteliais.
  • 8. A partir do recente conhecimento da presença de células-tronco em outros tecidos humanos além da medula, os pesquisadores Radovan Borojevic e Maria Isabel D. Rossi passaram a desenvolver metodologias para obtenção e aproveitamento dessas células. Sua escolha recaiu sobre o tecido adiposo. O tecido adiposo representa a fonte ideal de célula tronco autólogas, uma vez que sua obtenção é fácil e vem com capacidade proliferativa maior do que a células da medula óssea, resultando na maior densidade de células tronco na população inicial.
  • 9. As Células Trocos são derivadas do estroma do tecido adiposo, têm a capacidade de se diferenciar em diversos tecidos. Por conta desta plasticidade, essas células têm sido utilizadas para reparar ou regenerar tecidos danificados como ósseo, cartilaginoso, hepático, cardíaco e neural. Além disso, essas células apresentam uma poderosa atividade imunosupressora, o que abre a possibilidade de sua aplicação clínica em doenças imuno-mediadas, como as auto-imunes e também nas rejeições aos transplantes.
  • 10. Células-tronco do tecido adiposo melhoria da qualidade de vida de portadores da doença de Crohn restauração de lesões de cartilagem, problemas ósseos e terapia celular para várias doenças de cunho autoimune, como a diabetes. Além disso, é benéfica também para a própria reconstrução do tecido adiposo. Atividade reguladora similar as CT da medula óssea; Coleta menos perigosa; os pesquisadores observaram que ambas linhagens foram capazes de inibir a proliferação de linfócitos T; Sem desconforto e menos evasivo;
  • 11. Técnica de coleta, isolamento e cultivo Coleta Utilizar gordura descartada lipoescultura; Estudar cuidadosamente o local a ser manipulado; Realizar fotodocumentação e marcação das áreas doadoras; Assepsia e antissepsia; Anestesia tumesceste; Incisão com lamina 11; Introdução da cânula de 3 milímetros , com 3 orifícios acopladas a seringas de 10ml Aproximadamente 30ml de gordura é aspirada através da técnica manual sob baixa pressão, atraumática; As seringas contendo o material coletado são lavadas com soro fisiológico estéril duas ou três vezes seladas e colocados no decantador por 30min; Posteriormente procede descarte do sobrenadante e á obtenção do precipitado; As seringas remanescentes são seladas e enviadas ao laboratório para processamento do tecido adiposo.
  • 12.
  • 14. Perspectivas Dermatológicas Investigações científicas descobriram que uma amostra de sangue periférico contém cerca de 10.000 células-tronco, a medula óssea contém cerca de 50.000 células-tronco adultas, tecido adiposo produz entre 10-60 milhões de células-tronco por amostra e 95% deles são células- tronco mesenquimais,