SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
As lutas de libertação nacional naAs lutas de libertação nacional na
África e na ÁsiaÁfrica e na Ásia
Entre o fim do século XIX e o inicio do século XX, os paísesEntre o fim do século XIX e o inicio do século XX, os países
industrializados transformaram o continente africano e parte daindustrializados transformaram o continente africano e parte da
Ásia em colônias. Após a Segunda Guerra o domínio dasÁsia em colônias. Após a Segunda Guerra o domínio das
nações europeias nesses territórios deu lugar ao surgimentonações europeias nesses territórios deu lugar ao surgimento
de nações independentes. Apesar da liberdade, os traumas dede nações independentes. Apesar da liberdade, os traumas de
décadas de espoliação deixaram marcas no continente, comodécadas de espoliação deixaram marcas no continente, como
a miséria e os conflitos étnicosa miséria e os conflitos étnicos..
►►Alguns fatores motivaram a descolonização dessesAlguns fatores motivaram a descolonização desses
continentescontinentes::
•• O declínio da Europa após a Segunda GuerraO declínio da Europa após a Segunda Guerra →→ A SegundaA Segunda
Guerra acentuou o declínio da Europa. A consequência disso foi aGuerra acentuou o declínio da Europa. A consequência disso foi a
desintegração dos impérios coloniais europeus na África e na Ásia.desintegração dos impérios coloniais europeus na África e na Ásia.
•• O nacionalismoO nacionalismo →→ a base desses movimentos, em geral, era oa base desses movimentos, em geral, era o
sentimento nacionalista, insuflado pelo desejo das populações locais de sesentimento nacionalista, insuflado pelo desejo das populações locais de se
libertar do jugo estrangeiro.libertar do jugo estrangeiro.
•• Direito à autodeterminação dos povosDireito à autodeterminação dos povos →→ o princípio deo princípio de
autodeterminação dos povos, expresso na Declaração das Naçõesautodeterminação dos povos, expresso na Declaração das Nações
Unidas também legitimou as lutas emancipacionistas.Unidas também legitimou as lutas emancipacionistas.
•• Apoio dos EUA e da URSSApoio dos EUA e da URSS →→ a Guerra Fria também estimulou aa Guerra Fria também estimulou a
descolonização. EUA e URSS se opunham ao colonialismo, pois para asdescolonização. EUA e URSS se opunham ao colonialismo, pois para as
duas potências era interessante ampliar suas áreas de influência, por issoduas potências era interessante ampliar suas áreas de influência, por isso
elas incentivavam muitos movimentos de emancipação.elas incentivavam muitos movimentos de emancipação.
Os dois caminhos para a independência:Os dois caminhos para a independência:
• Concessão pacífica →→ concessão de autonomia pela metrópole paraconcessão de autonomia pela metrópole para
manter privilégios econômicos e eliminar gastos militares e administrativos.manter privilégios econômicos e eliminar gastos militares e administrativos.
Os europeus foram complacentes nos casos em que puderam controlar oOs europeus foram complacentes nos casos em que puderam controlar o
processo de emancipação e manter os países independentes sob suaprocesso de emancipação e manter os países independentes sob sua
influência. Assim, foi possível preservar suas fontes de riquezasinfluência. Assim, foi possível preservar suas fontes de riquezas..
•• Guerras anticoloniais →Guerras anticoloniais → alguns países europeus resistiram ao processoalguns países europeus resistiram ao processo
de independência, resultando em guerras anticolonialistas e culminando nade independência, resultando em guerras anticolonialistas e culminando na
implantação de sociedades socialistas nas áreas coloniais.implantação de sociedades socialistas nas áreas coloniais.
Independência da ÍndiaIndependência da Índia
Após a Segunda Guerra, teve início a desagregação do império colonial inglêsApós a Segunda Guerra, teve início a desagregação do império colonial inglês
na África e na Ásia. Na Índia britânica, o movimento de independência erana África e na Ásia. Na Índia britânica, o movimento de independência era
forte desde o final do século XIX.forte desde o final do século XIX.
Na Índia britânica havia dois grupos que lutavam peloNa Índia britânica havia dois grupos que lutavam pelo
fim do domínio inglês:fim do domínio inglês:
•• A Liga MuçulmanaA Liga Muçulmana →→ foifoi formada para atender os interesses dosformada para atender os interesses dos
muçulmanos da Índia Britânica. Eramuçulmanos da Índia Britânica. Era liderada por Mohamed Ali Jinnah,queliderada por Mohamed Ali Jinnah,que
defendia a separação da Índia em dois países: a Índia, de maioria hindu, e odefendia a separação da Índia em dois países: a Índia, de maioria hindu, e o
Paquistão, destinado aos muçulmanos.Paquistão, destinado aos muçulmanos.
•• Partido do CongressoPartido do Congresso →→ reunia as camadas médias da Índia, formadareunia as camadas médias da Índia, formada
por professores, advogados, jornalistas, a maioria de religião hindu, a maiorpor professores, advogados, jornalistas, a maioria de religião hindu, a maior
do país. Eles estruturaram suas posições políticas com base no pensamentodo país. Eles estruturaram suas posições políticas com base no pensamento
e nas ações de Mahatma Gandhi.e nas ações de Mahatma Gandhi.
Mahatma Gandhi e a resistência pacífica:Mahatma Gandhi e a resistência pacífica:
►►Na década de 1920, com o fortalecimento do nacionalismo, o movimento deNa década de 1920, com o fortalecimento do nacionalismo, o movimento de
independência passou a ser liderado por Gandhi.independência passou a ser liderado por Gandhi.
•• A Resistência pacíficaA Resistência pacífica →→ a estratégia se baseava no boicote aosa estratégia se baseava no boicote aos
produtos britânicos e aos impostos. Também não reagiam aos repressores.produtos britânicos e aos impostos. Também não reagiam aos repressores.
Funcionou; em1947 a Índia conquistou sua independência.Funcionou; em1947 a Índia conquistou sua independência.
A Índia após a independênciaA Índia após a independência
►►Após a mobilização popular liderada por Gandhi, a independência foiApós a mobilização popular liderada por Gandhi, a independência foi
oficializada em 1947, mas dois países independentes foram criados :oficializada em 1947, mas dois países independentes foram criados :
•• Índia →Índia → com uma população majoritariamente seguidora do hinduísmo.com uma população majoritariamente seguidora do hinduísmo.
•• PaquistãoPaquistão →→ criado para receber a população muçulmana da Índia. Foicriado para receber a população muçulmana da Índia. Foi
dividido em Paquistão Ocidental e Paquistão Oriental, divididos por milhares.dividido em Paquistão Ocidental e Paquistão Oriental, divididos por milhares.
Em 1971, o Paquistão Oriental se emancipou e constituiu Bangladesh.Em 1971, o Paquistão Oriental se emancipou e constituiu Bangladesh.
A Índia dividida:A Índia dividida:
Os conflitos étnicos e territoriaisOs conflitos étnicos e territoriais
►► Os conflitos étnicos e religiosos na região acontecem até hoje:Os conflitos étnicos e religiosos na região acontecem até hoje:
•• Independência do PunjabIndependência do Punjab →→ os sikhs, grupo étnico que pratica umaos sikhs, grupo étnico que pratica uma
mistura de hinduísmo e islamismo luta pela independência do Punjab, ummistura de hinduísmo e islamismo luta pela independência do Punjab, um
estado da Índia.estado da Índia.
•• Luta pela CaxemiraLuta pela Caxemira →→ existem também disputas territoriais entre oexistem também disputas territoriais entre o
Paquistão e a Índia pela região da Caxemira (situada ao norte da índia), comPaquistão e a Índia pela região da Caxemira (situada ao norte da índia), com
ameaça de conflito nuclear entre os dois países.ameaça de conflito nuclear entre os dois países.
Luta pela Caxemira e ameaça nuclearLuta pela Caxemira e ameaça nuclear
A descolonização da ÁfricaA descolonização da África
•• Organização dos Estados Africanos →Organização dos Estados Africanos → desde o começo dadesde o começo da
descolonização, os africanos procuraram dar um sentido comum adescolonização, os africanos procuraram dar um sentido comum a
independência. Com esse objetivo, realizaram, em 1958, a Primeiraindependência. Com esse objetivo, realizaram, em 1958, a Primeira
Conferencia dos Estados Africanos e lançaram as bases da OrganizaçãoConferencia dos Estados Africanos e lançaram as bases da Organização
dos Estados Africanos, que seria criada em 1963.dos Estados Africanos, que seria criada em 1963.
Algumas características geraisAlgumas características gerais
As bases da Organização dos Estados Africanos:As bases da Organização dos Estados Africanos:
•• o direito a autodeterminação dos povos e combate ao colonialismo;o direito a autodeterminação dos povos e combate ao colonialismo;
•• a necessidade de cooperação entre as nações africanas;a necessidade de cooperação entre as nações africanas;
•• e manifestava o desejo de colocar as riquezas do continente a serviço de suae manifestava o desejo de colocar as riquezas do continente a serviço de sua
populaçãopopulação
A descolonização da África do SulA descolonização da África do Sul
►►A África do Sul era governada pela minoria descendente dos colonizadoresA África do Sul era governada pela minoria descendente dos colonizadores
holandeses e ingleses. Desde a Independência, em 1910, essa elite impôsholandeses e ingleses. Desde a Independência, em 1910, essa elite impôs
várias leis que garantiam seu domínio sobre a população negra.várias leis que garantiam seu domínio sobre a população negra.
•• O ApartheidO Apartheid →→ em 1948, passou a vigorar no país a regime deem 1948, passou a vigorar no país a regime de
segregação racial, chamadosegregação racial, chamado apartheidapartheid ( "separação").( "separação").
•• As leis de segregação:As leis de segregação: -- os negros não tinham direito à propriedade da terra;os negros não tinham direito à propriedade da terra;
- negação dos- negação dos Direitos Civis e PolíticosDireitos Civis e Políticos aos negros;aos negros;
- a criação de- a criação de bandustõesbandustões para os negros.para os negros.
Os bandustõesOs bandustões
•• O Congresso Nacional AfricanoO Congresso Nacional Africano →→ na década de 1950, o CNA,na década de 1950, o CNA,
entidade fundada em 1912, radicalizou a luta contra oentidade fundada em 1912, radicalizou a luta contra o apartheidapartheid. A partir de. A partir de
1960, a governo sul-africano desencadeou violenta repressão contra o CNA.1960, a governo sul-africano desencadeou violenta repressão contra o CNA.
Nelson Mandela, o principal líder, foi preso e condenado a prisão perpetua.Nelson Mandela, o principal líder, foi preso e condenado a prisão perpetua.
O fim do ApartheidO fim do Apartheid →→ a luta dos negros ganhou força, com o apoio dea luta dos negros ganhou força, com o apoio de
muitos países e da opinião pública mundial, o que provocou o isolamentomuitos países e da opinião pública mundial, o que provocou o isolamento
diplomático da África do Sul. Pressionado, o governo, a partir da década dediplomático da África do Sul. Pressionado, o governo, a partir da década de
1980, começou a desmontar a apartheid. Em 1990, Mandela foi libertado e1980, começou a desmontar a apartheid. Em 1990, Mandela foi libertado e
em 1994, foi eleito presidente.em 1994, foi eleito presidente.
África portuguesa: independência pelas armasÁfrica portuguesa: independência pelas armas
•• A Revolução dos CravosA Revolução dos Cravos (1974(1974)→)→ movimento militar que derrubou omovimento militar que derrubou o
governo de Marcelo Caetano, substituto de Salazar, e estabeleceu agoverno de Marcelo Caetano, substituto de Salazar, e estabeleceu a
democracia em Portugal. A luta dos povos coloniais foi fundamental para suademocracia em Portugal. A luta dos povos coloniais foi fundamental para sua
emancipação, mas a queda da ditadura, facilitou a independência.emancipação, mas a queda da ditadura, facilitou a independência.
A independência de MoçambiqueA independência de Moçambique
►►Em Moçambique a independência foi conquistada em 1975 pela Frente deEm Moçambique a independência foi conquistada em 1975 pela Frente de
Libertação de MoçambiqueLibertação de Moçambique (Frelimo)(Frelimo), mas esse grupo enfrentou a oposição, mas esse grupo enfrentou a oposição
da Resistência Nacional de Moçambiqueda Resistência Nacional de Moçambique (Renamo).(Renamo).
•• FRELIMOFRELIMO → a Frente de Libertação Moçambicana era liderada por→ a Frente de Libertação Moçambicana era liderada por
Eduardo Mondlane e por Samora Machel de ideais socialistas.Eduardo Mondlane e por Samora Machel de ideais socialistas.
•• RENAMORENAMO →→ a Resistência Nacional de Moçambique fazia oposição aoa Resistência Nacional de Moçambique fazia oposição ao
Frelimo e era apoiado pela África do Sul.Frelimo e era apoiado pela África do Sul.
Algumas propostas da FRELIMO.Algumas propostas da FRELIMO.
““Nosso objetivo não é içar uma bandeira diferente da portuguesa, celebrarNosso objetivo não é içar uma bandeira diferente da portuguesa, celebrar
eleições honestas, nas quais os negros e não os brancos sejam eleitos.eleições honestas, nas quais os negros e não os brancos sejam eleitos.
Nosso objetivo é conquistar a independência completa, instalar um poderNosso objetivo é conquistar a independência completa, instalar um poder
popular, construir uma sociedade nova em benefício de todos aqueles que sepopular, construir uma sociedade nova em benefício de todos aqueles que se
sintam moçambicanos”.sintam moçambicanos”.
►►Analisando o documento exposto é possível afirmar que a FRELIMO:Analisando o documento exposto é possível afirmar que a FRELIMO:
•• Não se baseava em posições racistas;Não se baseava em posições racistas;
•• Buscava independência plena com a ruptura de todos os laços coloniais;Buscava independência plena com a ruptura de todos os laços coloniais;
•• Queria constituir um governo independente e de base popular;Queria constituir um governo independente e de base popular;
•• Permitiu a permanência do todos que se sentissem moçambicanos, inclusive os antigosPermitiu a permanência do todos que se sentissem moçambicanos, inclusive os antigos
colonos portugueses – o que denota ausência de racismo.colonos portugueses – o que denota ausência de racismo.
O bloco dos não alinhadosO bloco dos não alinhados
►►A descolonização afro-asiática deu origem a várias nações. EUA e a URSSA descolonização afro-asiática deu origem a várias nações. EUA e a URSS
esperavam que esses países se alinhassem a seus blocos. Mas, a Índia, oesperavam que esses países se alinhassem a seus blocos. Mas, a Índia, o
Egito e a Indonésia, por exemplo, não se alinharam às superpotências.Egito e a Indonésia, por exemplo, não se alinharam às superpotências.
•• Conferência da BandungConferência da Bandung →→ alguns países recém-emancipadas ficaram à margem dosalguns países recém-emancipadas ficaram à margem dos
dois blocos. Em 1955, se reuniram em Bandung (Indonésia) e lançaram o Movimento dosdois blocos. Em 1955, se reuniram em Bandung (Indonésia) e lançaram o Movimento dos
Não Alinhados.Não Alinhados.
O encontro reuniu 29 países da África e da Ásia e definiu alguns princípios:O encontro reuniu 29 países da África e da Ásia e definiu alguns princípios:
•• direito a autodeterminação dos povos;direito a autodeterminação dos povos;
•• condenação do colonialismo e da segregação racial;condenação do colonialismo e da segregação racial;
•• rejeição a divisão do mundo em dois blocos antagônicos, etc.rejeição a divisão do mundo em dois blocos antagônicos, etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUKéliton Ferreira
 
Descolonização áfrica e ásia
Descolonização áfrica e ásiaDescolonização áfrica e ásia
Descolonização áfrica e ásiaIsabel Aguiar
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américaZé Knust
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraDouglas Barraqui
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e RedemocratizaçãoDaniel Alves Bronstrup
 
Independência da américa espanhola
Independência da américa espanholaIndependência da américa espanhola
Independência da américa espanholaMurilo Benevides
 
A descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da ÁfricaA descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da ÁfricaIsaquel Silva
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Lara Lídia
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america edna2
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizaçõesDaniel Alves Bronstrup
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitáriosIsaquel Silva
 
íNdios do brasil aula 1º ano
íNdios do brasil   aula 1º anoíNdios do brasil   aula 1º ano
íNdios do brasil aula 1º anoseixasmarianas
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoRodrigo Luiz
 

Mais procurados (20)

Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
Descolonização áfrica e ásia
Descolonização áfrica e ásiaDescolonização áfrica e ásia
Descolonização áfrica e ásia
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
O apartheid
O apartheidO apartheid
O apartheid
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Independência da américa espanhola
Independência da américa espanholaIndependência da américa espanhola
Independência da américa espanhola
 
A descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da ÁfricaA descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da África
 
Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.Complexo açucareiro brasileiro.
Complexo açucareiro brasileiro.
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
 
Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
íNdios do brasil aula 1º ano
íNdios do brasil   aula 1º anoíNdios do brasil   aula 1º ano
íNdios do brasil aula 1º ano
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 

Destaque

O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literaturaadrianaleira
 
A Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era VargasA Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era VargasJoão Oliveira
 
Principais manifestações populares no Brasil - séc. XX
Principais manifestações populares no Brasil - séc. XXPrincipais manifestações populares no Brasil - séc. XX
Principais manifestações populares no Brasil - séc. XXElton Zanoni
 
Historia trabalho do estado novo inês
Historia   trabalho do estado novo inêsHistoria   trabalho do estado novo inês
Historia trabalho do estado novo inêsAna Cristina F
 
Descolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair AguilarDescolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novobandeirolas
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoBiblioteca Escolar Ourique
 

Destaque (14)

Descolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e AsiaDescolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e Asia
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
 
A Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era VargasA Guerra Fria e a Era Vargas
A Guerra Fria e a Era Vargas
 
Principais manifestações populares no Brasil - séc. XX
Principais manifestações populares no Brasil - séc. XXPrincipais manifestações populares no Brasil - séc. XX
Principais manifestações populares no Brasil - séc. XX
 
Apostila do 3º ano 2011
Apostila do 3º ano 2011Apostila do 3º ano 2011
Apostila do 3º ano 2011
 
Descolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiáticaDescolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiática
 
Historia trabalho do estado novo inês
Historia   trabalho do estado novo inêsHistoria   trabalho do estado novo inês
Historia trabalho do estado novo inês
 
Movimentos populacionais
Movimentos populacionaisMovimentos populacionais
Movimentos populacionais
 
Descolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair AguilarDescolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
Descolonização da Ásia - Prof. Altair Aguilar
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 

Semelhante a As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2

Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelmaJOSYNEL
 
Independencia Afroasiática
Independencia AfroasiáticaIndependencia Afroasiática
Independencia Afroasiáticaeiprofessor
 
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africanaHistória e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africanaMario Filho
 
1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivo1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivoAndrey Castro
 
Contexto internacional das décadas de 50 e 60
Contexto internacional das décadas de 50 e 60Contexto internacional das décadas de 50 e 60
Contexto internacional das décadas de 50 e 60alinemaiahistoria
 
Descolonização Afro-Asiática
Descolonização Afro-AsiáticaDescolonização Afro-Asiática
Descolonização Afro-Asiáticadmflores21
 
DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf
DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdfDOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf
DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdfFaga1939
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoCarlos Vieira
 
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerrasÁfrica, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerrasMunis Pedro
 
Descolonização da África e da Ásia
Descolonização da África e da ÁsiaDescolonização da África e da Ásia
Descolonização da África e da ÁsiaDuda Peron
 
O terceiro mundo
O terceiro mundo O terceiro mundo
O terceiro mundo Diogo Lopes
 
Cee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisão
Cee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisãoCee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisão
Cee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisãoColégio Sagrada Família
 
Independencias africa
Independencias africaIndependencias africa
Independencias africaKarla Fonseca
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3DiedNuenf
 
His ano9 uni6_resp-pdf16
His ano9 uni6_resp-pdf16His ano9 uni6_resp-pdf16
His ano9 uni6_resp-pdf16julio2012souto
 

Semelhante a As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2 (20)

Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 
Hist doc 9.3
Hist doc 9.3Hist doc 9.3
Hist doc 9.3
 
Independencia Afroasiática
Independencia AfroasiáticaIndependencia Afroasiática
Independencia Afroasiática
 
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africanaHistória e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
 
1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivo1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivo
 
Contexto internacional das décadas de 50 e 60
Contexto internacional das décadas de 50 e 60Contexto internacional das décadas de 50 e 60
Contexto internacional das décadas de 50 e 60
 
Descolonização Afro-Asiática
Descolonização Afro-AsiáticaDescolonização Afro-Asiática
Descolonização Afro-Asiática
 
A guerra fria – parte ii
A guerra fria – parte iiA guerra fria – parte ii
A guerra fria – parte ii
 
DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf
DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdfDOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf
DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
 
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerrasÁfrica, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
 
Descolonização da África e da Ásia
Descolonização da África e da ÁsiaDescolonização da África e da Ásia
Descolonização da África e da Ásia
 
O terceiro mundo
O terceiro mundo O terceiro mundo
O terceiro mundo
 
Cee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisão
Cee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisãoCee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisão
Cee 2º ano descoolonização da ásia e áfrica e revisão
 
Independencias africa
Independencias africaIndependencias africa
Independencias africa
 
Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3Celso blog oitavo ano atv 3
Celso blog oitavo ano atv 3
 
Descolonização afro asiática
Descolonização afro asiáticaDescolonização afro asiática
Descolonização afro asiática
 
His ano9 uni6_resp-pdf16
His ano9 uni6_resp-pdf16His ano9 uni6_resp-pdf16
His ano9 uni6_resp-pdf16
 
Descoloni..
Descoloni..Descoloni..
Descoloni..
 

Mais de Rodrigo Luiz

Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaRodrigo Luiz
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xixRodrigo Luiz
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução ChinesaRodrigo Luiz
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegaçõesRodrigo Luiz
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasRodrigo Luiz
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombianaRodrigo Luiz
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialRodrigo Luiz
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaRodrigo Luiz
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXRodrigo Luiz
 
Resolução de questões
Resolução de questõesResolução de questões
Resolução de questõesRodrigo Luiz
 

Mais de Rodrigo Luiz (20)

Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na grécia
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xix
 
A contracultura
A contraculturaA contracultura
A contracultura
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era Vargas
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombiana
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Resolução de questões
Resolução de questõesResolução de questões
Resolução de questões
 

Último

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 

Último (20)

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 

As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2

  • 1. As lutas de libertação nacional naAs lutas de libertação nacional na África e na ÁsiaÁfrica e na Ásia Entre o fim do século XIX e o inicio do século XX, os paísesEntre o fim do século XIX e o inicio do século XX, os países industrializados transformaram o continente africano e parte daindustrializados transformaram o continente africano e parte da Ásia em colônias. Após a Segunda Guerra o domínio dasÁsia em colônias. Após a Segunda Guerra o domínio das nações europeias nesses territórios deu lugar ao surgimentonações europeias nesses territórios deu lugar ao surgimento de nações independentes. Apesar da liberdade, os traumas dede nações independentes. Apesar da liberdade, os traumas de décadas de espoliação deixaram marcas no continente, comodécadas de espoliação deixaram marcas no continente, como a miséria e os conflitos étnicosa miséria e os conflitos étnicos..
  • 2.
  • 3. ►►Alguns fatores motivaram a descolonização dessesAlguns fatores motivaram a descolonização desses continentescontinentes:: •• O declínio da Europa após a Segunda GuerraO declínio da Europa após a Segunda Guerra →→ A SegundaA Segunda Guerra acentuou o declínio da Europa. A consequência disso foi aGuerra acentuou o declínio da Europa. A consequência disso foi a desintegração dos impérios coloniais europeus na África e na Ásia.desintegração dos impérios coloniais europeus na África e na Ásia. •• O nacionalismoO nacionalismo →→ a base desses movimentos, em geral, era oa base desses movimentos, em geral, era o sentimento nacionalista, insuflado pelo desejo das populações locais de sesentimento nacionalista, insuflado pelo desejo das populações locais de se libertar do jugo estrangeiro.libertar do jugo estrangeiro.
  • 4. •• Direito à autodeterminação dos povosDireito à autodeterminação dos povos →→ o princípio deo princípio de autodeterminação dos povos, expresso na Declaração das Naçõesautodeterminação dos povos, expresso na Declaração das Nações Unidas também legitimou as lutas emancipacionistas.Unidas também legitimou as lutas emancipacionistas. •• Apoio dos EUA e da URSSApoio dos EUA e da URSS →→ a Guerra Fria também estimulou aa Guerra Fria também estimulou a descolonização. EUA e URSS se opunham ao colonialismo, pois para asdescolonização. EUA e URSS se opunham ao colonialismo, pois para as duas potências era interessante ampliar suas áreas de influência, por issoduas potências era interessante ampliar suas áreas de influência, por isso elas incentivavam muitos movimentos de emancipação.elas incentivavam muitos movimentos de emancipação.
  • 5. Os dois caminhos para a independência:Os dois caminhos para a independência: • Concessão pacífica →→ concessão de autonomia pela metrópole paraconcessão de autonomia pela metrópole para manter privilégios econômicos e eliminar gastos militares e administrativos.manter privilégios econômicos e eliminar gastos militares e administrativos. Os europeus foram complacentes nos casos em que puderam controlar oOs europeus foram complacentes nos casos em que puderam controlar o processo de emancipação e manter os países independentes sob suaprocesso de emancipação e manter os países independentes sob sua influência. Assim, foi possível preservar suas fontes de riquezasinfluência. Assim, foi possível preservar suas fontes de riquezas.. •• Guerras anticoloniais →Guerras anticoloniais → alguns países europeus resistiram ao processoalguns países europeus resistiram ao processo de independência, resultando em guerras anticolonialistas e culminando nade independência, resultando em guerras anticolonialistas e culminando na implantação de sociedades socialistas nas áreas coloniais.implantação de sociedades socialistas nas áreas coloniais.
  • 6. Independência da ÍndiaIndependência da Índia Após a Segunda Guerra, teve início a desagregação do império colonial inglêsApós a Segunda Guerra, teve início a desagregação do império colonial inglês na África e na Ásia. Na Índia britânica, o movimento de independência erana África e na Ásia. Na Índia britânica, o movimento de independência era forte desde o final do século XIX.forte desde o final do século XIX.
  • 7. Na Índia britânica havia dois grupos que lutavam peloNa Índia britânica havia dois grupos que lutavam pelo fim do domínio inglês:fim do domínio inglês: •• A Liga MuçulmanaA Liga Muçulmana →→ foifoi formada para atender os interesses dosformada para atender os interesses dos muçulmanos da Índia Britânica. Eramuçulmanos da Índia Britânica. Era liderada por Mohamed Ali Jinnah,queliderada por Mohamed Ali Jinnah,que defendia a separação da Índia em dois países: a Índia, de maioria hindu, e odefendia a separação da Índia em dois países: a Índia, de maioria hindu, e o Paquistão, destinado aos muçulmanos.Paquistão, destinado aos muçulmanos. •• Partido do CongressoPartido do Congresso →→ reunia as camadas médias da Índia, formadareunia as camadas médias da Índia, formada por professores, advogados, jornalistas, a maioria de religião hindu, a maiorpor professores, advogados, jornalistas, a maioria de religião hindu, a maior do país. Eles estruturaram suas posições políticas com base no pensamentodo país. Eles estruturaram suas posições políticas com base no pensamento e nas ações de Mahatma Gandhi.e nas ações de Mahatma Gandhi.
  • 8. Mahatma Gandhi e a resistência pacífica:Mahatma Gandhi e a resistência pacífica: ►►Na década de 1920, com o fortalecimento do nacionalismo, o movimento deNa década de 1920, com o fortalecimento do nacionalismo, o movimento de independência passou a ser liderado por Gandhi.independência passou a ser liderado por Gandhi.
  • 9. •• A Resistência pacíficaA Resistência pacífica →→ a estratégia se baseava no boicote aosa estratégia se baseava no boicote aos produtos britânicos e aos impostos. Também não reagiam aos repressores.produtos britânicos e aos impostos. Também não reagiam aos repressores. Funcionou; em1947 a Índia conquistou sua independência.Funcionou; em1947 a Índia conquistou sua independência.
  • 10. A Índia após a independênciaA Índia após a independência ►►Após a mobilização popular liderada por Gandhi, a independência foiApós a mobilização popular liderada por Gandhi, a independência foi oficializada em 1947, mas dois países independentes foram criados :oficializada em 1947, mas dois países independentes foram criados : •• Índia →Índia → com uma população majoritariamente seguidora do hinduísmo.com uma população majoritariamente seguidora do hinduísmo. •• PaquistãoPaquistão →→ criado para receber a população muçulmana da Índia. Foicriado para receber a população muçulmana da Índia. Foi dividido em Paquistão Ocidental e Paquistão Oriental, divididos por milhares.dividido em Paquistão Ocidental e Paquistão Oriental, divididos por milhares. Em 1971, o Paquistão Oriental se emancipou e constituiu Bangladesh.Em 1971, o Paquistão Oriental se emancipou e constituiu Bangladesh.
  • 11. A Índia dividida:A Índia dividida:
  • 12. Os conflitos étnicos e territoriaisOs conflitos étnicos e territoriais ►► Os conflitos étnicos e religiosos na região acontecem até hoje:Os conflitos étnicos e religiosos na região acontecem até hoje: •• Independência do PunjabIndependência do Punjab →→ os sikhs, grupo étnico que pratica umaos sikhs, grupo étnico que pratica uma mistura de hinduísmo e islamismo luta pela independência do Punjab, ummistura de hinduísmo e islamismo luta pela independência do Punjab, um estado da Índia.estado da Índia. •• Luta pela CaxemiraLuta pela Caxemira →→ existem também disputas territoriais entre oexistem também disputas territoriais entre o Paquistão e a Índia pela região da Caxemira (situada ao norte da índia), comPaquistão e a Índia pela região da Caxemira (situada ao norte da índia), com ameaça de conflito nuclear entre os dois países.ameaça de conflito nuclear entre os dois países.
  • 13. Luta pela Caxemira e ameaça nuclearLuta pela Caxemira e ameaça nuclear
  • 14. A descolonização da ÁfricaA descolonização da África
  • 15. •• Organização dos Estados Africanos →Organização dos Estados Africanos → desde o começo dadesde o começo da descolonização, os africanos procuraram dar um sentido comum adescolonização, os africanos procuraram dar um sentido comum a independência. Com esse objetivo, realizaram, em 1958, a Primeiraindependência. Com esse objetivo, realizaram, em 1958, a Primeira Conferencia dos Estados Africanos e lançaram as bases da OrganizaçãoConferencia dos Estados Africanos e lançaram as bases da Organização dos Estados Africanos, que seria criada em 1963.dos Estados Africanos, que seria criada em 1963. Algumas características geraisAlgumas características gerais
  • 16. As bases da Organização dos Estados Africanos:As bases da Organização dos Estados Africanos: •• o direito a autodeterminação dos povos e combate ao colonialismo;o direito a autodeterminação dos povos e combate ao colonialismo; •• a necessidade de cooperação entre as nações africanas;a necessidade de cooperação entre as nações africanas; •• e manifestava o desejo de colocar as riquezas do continente a serviço de suae manifestava o desejo de colocar as riquezas do continente a serviço de sua populaçãopopulação
  • 17. A descolonização da África do SulA descolonização da África do Sul ►►A África do Sul era governada pela minoria descendente dos colonizadoresA África do Sul era governada pela minoria descendente dos colonizadores holandeses e ingleses. Desde a Independência, em 1910, essa elite impôsholandeses e ingleses. Desde a Independência, em 1910, essa elite impôs várias leis que garantiam seu domínio sobre a população negra.várias leis que garantiam seu domínio sobre a população negra. •• O ApartheidO Apartheid →→ em 1948, passou a vigorar no país a regime deem 1948, passou a vigorar no país a regime de segregação racial, chamadosegregação racial, chamado apartheidapartheid ( "separação").( "separação"). •• As leis de segregação:As leis de segregação: -- os negros não tinham direito à propriedade da terra;os negros não tinham direito à propriedade da terra; - negação dos- negação dos Direitos Civis e PolíticosDireitos Civis e Políticos aos negros;aos negros; - a criação de- a criação de bandustõesbandustões para os negros.para os negros.
  • 18.
  • 19.
  • 21.
  • 22. •• O Congresso Nacional AfricanoO Congresso Nacional Africano →→ na década de 1950, o CNA,na década de 1950, o CNA, entidade fundada em 1912, radicalizou a luta contra oentidade fundada em 1912, radicalizou a luta contra o apartheidapartheid. A partir de. A partir de 1960, a governo sul-africano desencadeou violenta repressão contra o CNA.1960, a governo sul-africano desencadeou violenta repressão contra o CNA. Nelson Mandela, o principal líder, foi preso e condenado a prisão perpetua.Nelson Mandela, o principal líder, foi preso e condenado a prisão perpetua.
  • 23. O fim do ApartheidO fim do Apartheid →→ a luta dos negros ganhou força, com o apoio dea luta dos negros ganhou força, com o apoio de muitos países e da opinião pública mundial, o que provocou o isolamentomuitos países e da opinião pública mundial, o que provocou o isolamento diplomático da África do Sul. Pressionado, o governo, a partir da década dediplomático da África do Sul. Pressionado, o governo, a partir da década de 1980, começou a desmontar a apartheid. Em 1990, Mandela foi libertado e1980, começou a desmontar a apartheid. Em 1990, Mandela foi libertado e em 1994, foi eleito presidente.em 1994, foi eleito presidente.
  • 24. África portuguesa: independência pelas armasÁfrica portuguesa: independência pelas armas •• A Revolução dos CravosA Revolução dos Cravos (1974(1974)→)→ movimento militar que derrubou omovimento militar que derrubou o governo de Marcelo Caetano, substituto de Salazar, e estabeleceu agoverno de Marcelo Caetano, substituto de Salazar, e estabeleceu a democracia em Portugal. A luta dos povos coloniais foi fundamental para suademocracia em Portugal. A luta dos povos coloniais foi fundamental para sua emancipação, mas a queda da ditadura, facilitou a independência.emancipação, mas a queda da ditadura, facilitou a independência.
  • 25. A independência de MoçambiqueA independência de Moçambique
  • 26. ►►Em Moçambique a independência foi conquistada em 1975 pela Frente deEm Moçambique a independência foi conquistada em 1975 pela Frente de Libertação de MoçambiqueLibertação de Moçambique (Frelimo)(Frelimo), mas esse grupo enfrentou a oposição, mas esse grupo enfrentou a oposição da Resistência Nacional de Moçambiqueda Resistência Nacional de Moçambique (Renamo).(Renamo). •• FRELIMOFRELIMO → a Frente de Libertação Moçambicana era liderada por→ a Frente de Libertação Moçambicana era liderada por Eduardo Mondlane e por Samora Machel de ideais socialistas.Eduardo Mondlane e por Samora Machel de ideais socialistas. •• RENAMORENAMO →→ a Resistência Nacional de Moçambique fazia oposição aoa Resistência Nacional de Moçambique fazia oposição ao Frelimo e era apoiado pela África do Sul.Frelimo e era apoiado pela África do Sul.
  • 27. Algumas propostas da FRELIMO.Algumas propostas da FRELIMO. ““Nosso objetivo não é içar uma bandeira diferente da portuguesa, celebrarNosso objetivo não é içar uma bandeira diferente da portuguesa, celebrar eleições honestas, nas quais os negros e não os brancos sejam eleitos.eleições honestas, nas quais os negros e não os brancos sejam eleitos. Nosso objetivo é conquistar a independência completa, instalar um poderNosso objetivo é conquistar a independência completa, instalar um poder popular, construir uma sociedade nova em benefício de todos aqueles que sepopular, construir uma sociedade nova em benefício de todos aqueles que se sintam moçambicanos”.sintam moçambicanos”. ►►Analisando o documento exposto é possível afirmar que a FRELIMO:Analisando o documento exposto é possível afirmar que a FRELIMO: •• Não se baseava em posições racistas;Não se baseava em posições racistas; •• Buscava independência plena com a ruptura de todos os laços coloniais;Buscava independência plena com a ruptura de todos os laços coloniais; •• Queria constituir um governo independente e de base popular;Queria constituir um governo independente e de base popular; •• Permitiu a permanência do todos que se sentissem moçambicanos, inclusive os antigosPermitiu a permanência do todos que se sentissem moçambicanos, inclusive os antigos colonos portugueses – o que denota ausência de racismo.colonos portugueses – o que denota ausência de racismo.
  • 28. O bloco dos não alinhadosO bloco dos não alinhados ►►A descolonização afro-asiática deu origem a várias nações. EUA e a URSSA descolonização afro-asiática deu origem a várias nações. EUA e a URSS esperavam que esses países se alinhassem a seus blocos. Mas, a Índia, oesperavam que esses países se alinhassem a seus blocos. Mas, a Índia, o Egito e a Indonésia, por exemplo, não se alinharam às superpotências.Egito e a Indonésia, por exemplo, não se alinharam às superpotências. •• Conferência da BandungConferência da Bandung →→ alguns países recém-emancipadas ficaram à margem dosalguns países recém-emancipadas ficaram à margem dos dois blocos. Em 1955, se reuniram em Bandung (Indonésia) e lançaram o Movimento dosdois blocos. Em 1955, se reuniram em Bandung (Indonésia) e lançaram o Movimento dos Não Alinhados.Não Alinhados. O encontro reuniu 29 países da África e da Ásia e definiu alguns princípios:O encontro reuniu 29 países da África e da Ásia e definiu alguns princípios: •• direito a autodeterminação dos povos;direito a autodeterminação dos povos; •• condenação do colonialismo e da segregação racial;condenação do colonialismo e da segregação racial; •• rejeição a divisão do mundo em dois blocos antagônicos, etc.rejeição a divisão do mundo em dois blocos antagônicos, etc.