SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
TRANSTORNO
DELIRANTE
@luizhenpimentel
@luizhenpimentel
O transtorno delirante é um transtorno
psiquiátrico onde os sintomas proeminentes
são os delírios. Foi chamado, anteriormente, de
“paranoia”, ou “transtorno paranóide”, porém os
delírios não são necessariamente sempre de
natureza persecutória, tornando tais termos
inadequados. Os delírios no transtorno
delirante podem ser de grandeza, eróticos, de
ciúmes, somáticos ou mistos, além de
persecutórios.
@luizhenpimentel
A diferenciação com a esquizofrenia se
faz pela ausência de outros sintomas
vistos nesta última, como alucinações
proeminentes, embotamento afetivo,
transtornos do pensamento, catatonia,
além da natureza de seus delírios não ser
tão bizarra quanto nos esquizofrênicos.
Em geral, são coisas até plausíveis, ainda
que improváveis.
@luizhenpimentel
@luizhenpimentel
Também o
comprometimento
funcional é mais
leve, quando
comparado à
esquizofrenia.
Já a diferenciação com os transtornos do
humor se faz pelo fato de que os
pacientes com transtorno delirante não
apresentam toda a gama de sintomas
afetivos vistos nos transtornos do humor,
embora tenham um humor consistente
com o conteúdo de seus delírios.
@luizhenpimentel
Os delírios podem ser de
vários tipos, classificados
em erotomaníacos (uma
outra pessoa, geralmente de
posição mais elevada,
estaria apaixonada pelo
indivíduo).
@luizhenpimentel
Grandiosos (delírios de valor, poder,
conhecimento, identidade ou de relação
especial com uma pessoa famosa ou
divindade), ciumento (delírios de que o
parceiro sexual é infiel).
@luizhenpimentel
Persecutório (o indivíduo ou alguém
próximo a ele está sendo, de algum modo,
maldosamente tratado), somático (algum
defeito físico ou condição médica geral
específica), ou misto (mais de um dos tipos
acima, sem predomínio de um deles).
@luizhenpimentel
@luizhenpimentel
luiztutoread@gmail.com
+55 31 98108 5069
pead.yolasite.com
ESQUIZOFRENIA
SEGUNDAPARTE
TIPOSDE
ESQUIZOFRENIA
@luizhenpimentel
ESQUIZOFRENIA PARANOIDE
É o tipo mais comum, em que
predominam os delírios e
alucinações, principalmente o
ouvir vozes, sendo também
comum alterações do
comportamento, como agitação,
inquietação.
@luizhenpimentel
@luizhenpimentel
ESQUIZOFRENIA CATATÔNICA
É caracterizada pela presença do catatonismo,
em que a pessoa não reage de forma correta ao
ambiente, havendo movimentos lentos ou
paralisia do corpo, em que se pode permanecer
na mesma posição por horas a dias, fala
lentificada ou não falar, repetição de palavras ou
frases que alguém acabou de dizer, como
também a repetição de movimentos bizarros,
realização de caretas ou olhar fixo.
É um tipo menos comum de
esquizofrenia, e de tratamento
mais difícil, havendo risco de
complicações como desnutrição
ou autoagressão, por exemplo.
@luizhenpimentel
ESQUIZOFRENIA HERBEFRÊNICA
OU DESORGANIZADA
Predomina o pensamento
desorganizado, com falas sem sentido e
fora do contexto, além de ser comum a
presença de sintomas negativos, como
desinteresse, isolamento social e perda
da capacidade de realizar atividades do
dia-a-dia.
@luizhenpimentel
ESQUIZOFRENIA
INDIFERENCIADA
Surge quando há
sintomas de
esquizofrenia, entretanto,
a pessoa não se encaixa
nos tipos citados.
@luizhenpimentel
ESQUIZOFRENIA RESIDUAL
É uma forma crônica da doença. Acontece
quando os critérios para esquizofrenia ocorreram
no passado, mas não estão ativos atualmente,
entretanto, ainda persistem sintomas negativos
como lentificação, isolamento social, falta de
iniciativa ou afeição, expressão facial diminuída
ou falta de autocuidado, por exemplo.
@luizhenpimentel
ESQUIZOFRENIA INFANTIL
A esquizofrenia infantil é chamada de
esquizofrenia precoce, já que não é
comum surgir em crianças, ela se
apresenta com os mesmos sintomas e
mesmos tipos que a esquizofrenia no
adulto, entretanto, costuma ter um início
mais gradual, muitas vezes difícil de
delimitar quando surgiu.
@luizhenpimentel
É mais comum haver alterações do
pensamento, com ideias desorganizadas,
delírios, alucinações e difícil contato social.
O tratamento é feito com o psiquiatra infantil,
com uso de medicamentos antipsicóticos, como
Haloperidol, Risperidona ou Olanzapina,
Quetiapina, Clozapina, por exemplo, que
ajudam a controlar principalmente os sintomas
positivos, como alucinações, delírios ou
alterações do comportamento.
A causa exata do que provoca a esquizofrenia
ainda é desconhecida, no entanto, sabe-se que
o seu desenvolvimento é influenciado tanto pela
genética, já que há maior risco dentro de uma
mesma família, como por fatores ambientais,
que podem incluir uso de drogas como a
maconha, infecções virais, pais com idade
avançada no momento da gravidez, desnutrição
durante a gravidez, complicações no parto,
experiências psicológicas negativas ou sofrer
abuso físico ou sexual.
@luizhenpimentel
Além disso, é necessária a realização
de psicoterapia e terapia ocupacional,
como forma de contribuir para uma
melhor reabilitação e reintegração do
paciente ao convívio social. A
orientação à família e o
acompanhamento por equipes de
apoio social e comunitárias também
são medidas importantes para
melhorar a eficácia do tratamento.
Obrigado! Até a próxima postagem!
@luizhenpimentel
@luizhenpimentel
Laplanche define NEUROSE como
uma afecção, em que os sintomas
são a expressão simbólica de um
conflito psíquico, que tem as suas
raízes na história infantil do
indivíduo e constitui compromissos
entre o desejo e a defesa.
Os sintomas neuróticos são
perturbações dos comportamentos
sentimentos ou ideias que
manifestam uma defesa contra a
angústia e constituem relativamente
a este conflito interno um
compromisso no qual o indivíduo
tira benefícios.
@luizhenpimentel
A PSICOSE seria uma
perturbação primária da
relação libidinal com a
realidade, onde a maioria dos
sintomas manifestos seriam
tentativas secundárias de
restauração do laço objetal.
@luizhenpimentel
Na NEUROSE o ego, obedecendo
as exigências da realidade e do
superego, recalca as reivindicações
pulsionais. Já na PSICOSE começa
por se produzir entre o ego e a
realidade uma ruptura que deixa o
ego sob o domínio do id.
@luizhenpimentel
Num segundo momento,
o do delírio, o ego
reconstituiria uma nova
realidade de acordo com
os desejos do id.
@luizhenpimentel
AHEREDITARIEDADENA
ESQUIZOFRENIA
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Estudos recentes mostram que os parentes
de primeiro grau de esquizofrênicos têm um
risco dez vezes maior do que pessoas da
população geral de serem diagnosticados de
esquizofrenia. Esse risco, entretanto, não é
uma medida direta do componente genético
da esquizofrenia, já que os genes são um
enlace dos diversos fatores transmitidos e que
se traduzem em agregação familiar do caráter.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Também têm sido realizados estudos em
gêmeos. Embora os resultados não mostrem
consenso entre as diferentes pesquisas, todas
elas sugerem uma substancial contribuição da
genética na causa da esquizofrenia. A
concordância observada em gêmeos
monozigóticos, comparadas com as de
gêmeos dizigóticos esquizofrênicos (bem
menor) indica uma etiologia genética
complexa.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Os gêmeos monozigóticos originam-se de
um único ovo, portanto, apresentam genoma
idêntico, enquanto os dizigóticos originam-se
a partir de diferentes ovos, portanto, do
ponto de vista genético, seriam como irmãos
normais não gêmeos e, como tal,
apresentam, em média, apenas 50% do
genoma em comum.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Os estudos de adoção de gêmeos também
buscam avaliar a participação dos componentes
genéticos e ambientais na causa da
esquizofrenia. Esses estudos englobam
indivíduos geneticamente relacionados por serem
gêmeos, porém, expostos a um meio ambiente
diferente por terem sido adotados por famílias
diferentes. De modo complementar, há estudos
de indivíduos geneticamente não relacionados,
expostos ao ambiente semelhante.
Curtiu?
Compartilhe com
um
Amigo ou Amiga!
PORTAL E@D
@luizhenpimentel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia
amamikoi
 
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Laura Marcht
 
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da AtençãoPsicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Alexandre Simoes
 
Alzheimer atualizado
Alzheimer atualizadoAlzheimer atualizado
Alzheimer atualizado
Misterios10
 

Mais procurados (20)

Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia Transtornos de personalidade - neuropsicologia
Transtornos de personalidade - neuropsicologia
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
 
Apresentação alzheimer
Apresentação alzheimerApresentação alzheimer
Apresentação alzheimer
 
Afeto e suas alterações
Afeto e suas alteraçõesAfeto e suas alterações
Afeto e suas alterações
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Alterações psiquicas - Psicopatologia
Alterações psiquicas - PsicopatologiaAlterações psiquicas - Psicopatologia
Alterações psiquicas - Psicopatologia
 
Esquizofrênia - Leonardo Nunes
Esquizofrênia - Leonardo NunesEsquizofrênia - Leonardo Nunes
Esquizofrênia - Leonardo Nunes
 
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
 
Psicopatia a origem do mal material janaína lobo
Psicopatia    a origem do mal material janaína loboPsicopatia    a origem do mal material janaína lobo
Psicopatia a origem do mal material janaína lobo
 
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo CompulsivoTOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Citologia - Depressao
Citologia - DepressaoCitologia - Depressao
Citologia - Depressao
 
Trastorno por ansiedad generalizada
Trastorno por ansiedad generalizadaTrastorno por ansiedad generalizada
Trastorno por ansiedad generalizada
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
 
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da AtençãoPsicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
Psicopatologia I- Aula 5: Alterações da Atenção
 
Alzheimer atualizado
Alzheimer atualizadoAlzheimer atualizado
Alzheimer atualizado
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
 
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
 

Semelhante a TRANSTORNO DELIRANTE.pdf

Semelhante a TRANSTORNO DELIRANTE.pdf (20)

A esquizofrenia
A esquizofreniaA esquizofrenia
A esquizofrenia
 
ESQUIZOFRENIA seus sintomas e classificações
ESQUIZOFRENIA seus sintomas e classificaçõesESQUIZOFRENIA seus sintomas e classificações
ESQUIZOFRENIA seus sintomas e classificações
 
ESQUIZOFRENIA, seus sintomas e caracteristica
ESQUIZOFRENIA, seus sintomas e caracteristicaESQUIZOFRENIA, seus sintomas e caracteristica
ESQUIZOFRENIA, seus sintomas e caracteristica
 
Esquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridadeEsquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridade
 
artigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptxartigo esquizofrenia.pptx
artigo esquizofrenia.pptx
 
Esquizo
EsquizoEsquizo
Esquizo
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Transtorno Bipolar
Transtorno BipolarTranstorno Bipolar
Transtorno Bipolar
 
Esquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1aEsquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1a
 
Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos
Esquizofrenia e outros transtornos psicóticosEsquizofrenia e outros transtornos psicóticos
Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos
 
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
Apresentação de  Esquizofrenia.pptxApresentação de  Esquizofrenia.pptx
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
 
Psicoses
PsicosesPsicoses
Psicoses
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdfESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
 
Esquizofrenia
Esquizofrenia  Esquizofrenia
Esquizofrenia
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Viii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo ViiiCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Viii
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Viii
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 

Mais de Luiz Henrique Pimentel Novais Silva

Mais de Luiz Henrique Pimentel Novais Silva (20)

SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdfSURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdf
 
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdfPRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
 
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdfINTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
 
Freud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdfFreud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdf
 
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdfEm Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
 
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdfATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
 
A Psicanálise.pdf
A Psicanálise.pdfA Psicanálise.pdf
A Psicanálise.pdf
 
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdfPSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
 
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdfTOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
 
O PEQUENO HANS.pdf
O PEQUENO HANS.pdfO PEQUENO HANS.pdf
O PEQUENO HANS.pdf
 
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdfA NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdfVIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
 
NEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdfNEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdf
 
Caso Dora.pdf
Caso Dora.pdfCaso Dora.pdf
Caso Dora.pdf
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
 
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
 
LIBIDO.pdf
LIBIDO.pdfLIBIDO.pdf
LIBIDO.pdf
 
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdfÉtica e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

TRANSTORNO DELIRANTE.pdf

  • 2. @luizhenpimentel O transtorno delirante é um transtorno psiquiátrico onde os sintomas proeminentes são os delírios. Foi chamado, anteriormente, de “paranoia”, ou “transtorno paranóide”, porém os delírios não são necessariamente sempre de natureza persecutória, tornando tais termos inadequados. Os delírios no transtorno delirante podem ser de grandeza, eróticos, de ciúmes, somáticos ou mistos, além de persecutórios. @luizhenpimentel
  • 3. A diferenciação com a esquizofrenia se faz pela ausência de outros sintomas vistos nesta última, como alucinações proeminentes, embotamento afetivo, transtornos do pensamento, catatonia, além da natureza de seus delírios não ser tão bizarra quanto nos esquizofrênicos. Em geral, são coisas até plausíveis, ainda que improváveis. @luizhenpimentel
  • 4. @luizhenpimentel Também o comprometimento funcional é mais leve, quando comparado à esquizofrenia.
  • 5. Já a diferenciação com os transtornos do humor se faz pelo fato de que os pacientes com transtorno delirante não apresentam toda a gama de sintomas afetivos vistos nos transtornos do humor, embora tenham um humor consistente com o conteúdo de seus delírios. @luizhenpimentel
  • 6. Os delírios podem ser de vários tipos, classificados em erotomaníacos (uma outra pessoa, geralmente de posição mais elevada, estaria apaixonada pelo indivíduo). @luizhenpimentel
  • 7. Grandiosos (delírios de valor, poder, conhecimento, identidade ou de relação especial com uma pessoa famosa ou divindade), ciumento (delírios de que o parceiro sexual é infiel). @luizhenpimentel
  • 8. Persecutório (o indivíduo ou alguém próximo a ele está sendo, de algum modo, maldosamente tratado), somático (algum defeito físico ou condição médica geral específica), ou misto (mais de um dos tipos acima, sem predomínio de um deles). @luizhenpimentel
  • 11. ESQUIZOFRENIA PARANOIDE É o tipo mais comum, em que predominam os delírios e alucinações, principalmente o ouvir vozes, sendo também comum alterações do comportamento, como agitação, inquietação. @luizhenpimentel
  • 12. @luizhenpimentel ESQUIZOFRENIA CATATÔNICA É caracterizada pela presença do catatonismo, em que a pessoa não reage de forma correta ao ambiente, havendo movimentos lentos ou paralisia do corpo, em que se pode permanecer na mesma posição por horas a dias, fala lentificada ou não falar, repetição de palavras ou frases que alguém acabou de dizer, como também a repetição de movimentos bizarros, realização de caretas ou olhar fixo. É um tipo menos comum de esquizofrenia, e de tratamento mais difícil, havendo risco de complicações como desnutrição ou autoagressão, por exemplo.
  • 13. @luizhenpimentel ESQUIZOFRENIA HERBEFRÊNICA OU DESORGANIZADA Predomina o pensamento desorganizado, com falas sem sentido e fora do contexto, além de ser comum a presença de sintomas negativos, como desinteresse, isolamento social e perda da capacidade de realizar atividades do dia-a-dia.
  • 14. @luizhenpimentel ESQUIZOFRENIA INDIFERENCIADA Surge quando há sintomas de esquizofrenia, entretanto, a pessoa não se encaixa nos tipos citados.
  • 15. @luizhenpimentel ESQUIZOFRENIA RESIDUAL É uma forma crônica da doença. Acontece quando os critérios para esquizofrenia ocorreram no passado, mas não estão ativos atualmente, entretanto, ainda persistem sintomas negativos como lentificação, isolamento social, falta de iniciativa ou afeição, expressão facial diminuída ou falta de autocuidado, por exemplo.
  • 16. @luizhenpimentel ESQUIZOFRENIA INFANTIL A esquizofrenia infantil é chamada de esquizofrenia precoce, já que não é comum surgir em crianças, ela se apresenta com os mesmos sintomas e mesmos tipos que a esquizofrenia no adulto, entretanto, costuma ter um início mais gradual, muitas vezes difícil de delimitar quando surgiu.
  • 17. @luizhenpimentel É mais comum haver alterações do pensamento, com ideias desorganizadas, delírios, alucinações e difícil contato social. O tratamento é feito com o psiquiatra infantil, com uso de medicamentos antipsicóticos, como Haloperidol, Risperidona ou Olanzapina, Quetiapina, Clozapina, por exemplo, que ajudam a controlar principalmente os sintomas positivos, como alucinações, delírios ou alterações do comportamento.
  • 18. A causa exata do que provoca a esquizofrenia ainda é desconhecida, no entanto, sabe-se que o seu desenvolvimento é influenciado tanto pela genética, já que há maior risco dentro de uma mesma família, como por fatores ambientais, que podem incluir uso de drogas como a maconha, infecções virais, pais com idade avançada no momento da gravidez, desnutrição durante a gravidez, complicações no parto, experiências psicológicas negativas ou sofrer abuso físico ou sexual. @luizhenpimentel
  • 19. Além disso, é necessária a realização de psicoterapia e terapia ocupacional, como forma de contribuir para uma melhor reabilitação e reintegração do paciente ao convívio social. A orientação à família e o acompanhamento por equipes de apoio social e comunitárias também são medidas importantes para melhorar a eficácia do tratamento. Obrigado! Até a próxima postagem! @luizhenpimentel
  • 20. @luizhenpimentel Laplanche define NEUROSE como uma afecção, em que os sintomas são a expressão simbólica de um conflito psíquico, que tem as suas raízes na história infantil do indivíduo e constitui compromissos entre o desejo e a defesa.
  • 21. Os sintomas neuróticos são perturbações dos comportamentos sentimentos ou ideias que manifestam uma defesa contra a angústia e constituem relativamente a este conflito interno um compromisso no qual o indivíduo tira benefícios. @luizhenpimentel
  • 22. A PSICOSE seria uma perturbação primária da relação libidinal com a realidade, onde a maioria dos sintomas manifestos seriam tentativas secundárias de restauração do laço objetal. @luizhenpimentel
  • 23. Na NEUROSE o ego, obedecendo as exigências da realidade e do superego, recalca as reivindicações pulsionais. Já na PSICOSE começa por se produzir entre o ego e a realidade uma ruptura que deixa o ego sob o domínio do id. @luizhenpimentel
  • 24. Num segundo momento, o do delírio, o ego reconstituiria uma nova realidade de acordo com os desejos do id. @luizhenpimentel
  • 26. PORTAL E@D @luizhenpimentel Estudos recentes mostram que os parentes de primeiro grau de esquizofrênicos têm um risco dez vezes maior do que pessoas da população geral de serem diagnosticados de esquizofrenia. Esse risco, entretanto, não é uma medida direta do componente genético da esquizofrenia, já que os genes são um enlace dos diversos fatores transmitidos e que se traduzem em agregação familiar do caráter.
  • 27. PORTAL E@D @luizhenpimentel Também têm sido realizados estudos em gêmeos. Embora os resultados não mostrem consenso entre as diferentes pesquisas, todas elas sugerem uma substancial contribuição da genética na causa da esquizofrenia. A concordância observada em gêmeos monozigóticos, comparadas com as de gêmeos dizigóticos esquizofrênicos (bem menor) indica uma etiologia genética complexa.
  • 28. PORTAL E@D @luizhenpimentel Os gêmeos monozigóticos originam-se de um único ovo, portanto, apresentam genoma idêntico, enquanto os dizigóticos originam-se a partir de diferentes ovos, portanto, do ponto de vista genético, seriam como irmãos normais não gêmeos e, como tal, apresentam, em média, apenas 50% do genoma em comum.
  • 29. PORTAL E@D @luizhenpimentel Os estudos de adoção de gêmeos também buscam avaliar a participação dos componentes genéticos e ambientais na causa da esquizofrenia. Esses estudos englobam indivíduos geneticamente relacionados por serem gêmeos, porém, expostos a um meio ambiente diferente por terem sido adotados por famílias diferentes. De modo complementar, há estudos de indivíduos geneticamente não relacionados, expostos ao ambiente semelhante.
  • 30. Curtiu? Compartilhe com um Amigo ou Amiga! PORTAL E@D @luizhenpimentel