SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Baixar para ler offline
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
@luizhenpimentel
+55 31 98108 5069
ÉTICA
É certo que toda sociedade e todo sistema, cria, realiza uma
moral baseada em valores correspondentes à conduta ilibada
(pura, intocável), ao bem e ao mal, ao certo e ao errado, ao que
é permitido e proibido, abrangendo todos os membros.
Também que essa moral varia de acordo com a cultura e a
sociogênese dessa sociedade.
Desde os primórdios, o homem vem buscando padronizar
comportamentos de forma empírica, baseado nos costumes e
usos.
2
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
3
ÉTICA E MORAL
Somente a partir de Sócrates se estabeleceu uma sistematização
da filosofia ética ou moral, elaborada com base em princípios de
reflexão intelectual e não somente nos usos e costumes.
Vale ressaltar que toda essa teorização encontra respaldo tão
somente a partir da identificação e construção dos "valores".
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
4
ÉTICA E MORAL
Os conceitos de ética e moral, muitas vezes se confundem,
embora sejam diferentes.
Ambos os termos são provenientes da cultura ocidental, mas
seus significados são extraídos de culturas diferentes.
“Não se aprende filosofia, mas a filosofar".
Kant
A filosofia nos desafia a ir de encontro às dúvidas,
interrogações e questionamentos; a um saber potencializado,
mas não revelado; a uma sabedoria disponibilizada, mas não
sistematizada.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
5
ÉTICA E MORAL
Em qualquer sentido, a autonomia humana significa poder de
criação individual e coletiva.
À luz na qual cada sociedade e cada indivíduo deverão ser
considerados em sua singularidade.
Vivemos num mundo em que a visão das pessoas está
marcada pela busca dos resultados imediatos do
conhecimento.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
6
ÉTICA E MORAL
Seguindo essa linha de pensamento, a filosofia seria
realmente "inútil": não serve para nenhuma alteração
imediata de ordem pragmática. Nesse ponto ela é semelhante
à arte.
Onde está a necessidade da filosofia? Está no fato de, por
meio da reflexão, permitir ao homem ter mais de uma
dimensão, além da que é dada pelo agir imediato, no qual o
"homem prático" se encontra mergulhado.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
7
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
É a filosofia que dá o distanciamento para a avaliação dos
fundamentos dos atos humanos e dos fins a que eles se
destinam.
Reúne o pensamento fragmentado da ciência e o reconstrói na
sua unidade.
Retoma a ação pulverizada no tempo e procura compreendê-la.
É a possibilidade da transcendência humana, ou seja, a
capacidade que só o homem tem de superar a situação dada e
não escolhida.
8
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Pela transcendência, o homem surge como ser do projeto,
capaz de libertar e de construir o seu destino.
A filosofia trata de desvendar os labirintos que constroem ou
sacrificam a emancipação humana.
Emancipar o ser humano não garante sua desvinculação do
sistema, mas torna-o livre para si. Assim há necessidade de se
ajustar essa relação do indivíduo com o seu próximo.
9
ÉTICA E MORAL
Desde as civilizações primitivas, até os dias de hoje, os
homens vêm em busca de definir regras, leis, estatutos, etc.,
Que normatizem as relações, através de princípios e práxis,
ética e moral.
Visando uma estruturação do pensamento, a filosofia trata a
ética como uma disciplina que norteia os princípios relativos
ao relacionamento do indivíduo consigo mesmo, com o outro e
com a sociedade.
“A vida que não passamos em revista, não vale a pena viver”.
(Sócrates)
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
10
ÉTICA E MORAL
Os três pontos que a filosofia considera:
A razão
A verdade
A ética
A Razão: a filosofia realiza como conhecimento racional
da realidade natural e cultural, das coisas e dos seres
humanos. Dizemos que ela confia na razão e que, hoje, ela
também desconfia da razão.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
11
ÉTICA E MORAL
Assim, usamos a "razão" para nos referirmos a "motivos" de
alguém. E também para nos referirmos a "causas" de alguma
coisa, de modo que, tanto nós quanto as coisas, parecemos
dotados de "razão", mas em sentido diferente.
Esses poucos exemplos já nos mostram quantos sentidos
diferentes a palavra razão possui: certeza, motivo, causa.
E todos esses sentidos encontram-se presentes na filosofia.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
12
ÉTICA E MORAL
Na cultura da chamada sociedade ocidental, a palavra razão
origina-se de duas fontes: Do latim ratio e do grego logos.
Estas duas palavras são substantivos derivados de dois verbos,
que têm um sentido muito parecido em latim e em grego.
Logos vem do verbo legein, que quer dizer: contar, reunir,
juntar, calcular.
Ratio vem do verbo reor, que quer dizer: contar, reunir, medir,
juntar, separar, calcular
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
13
ÉTICA E MORAL
Quando medimos, juntamos, separamos, contamos ou
calculamos, pensamos de modo ordenado.
Ratio, logos ou razão significam  pensar e falar
ordenadamente, com medida e proporção, com clareza e de
modo compreensível para outros.
Assim, na origem, razão é a capacidade intelectual para pensar
e se exprimir correta e claramente; para pensar e dizer as
coisas tais como são.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
14
ÉTICA E MORAL
A razão é uma maneira de organizar a realidade pela qual esta
se torna compreensível.
É também, a confiança de que podemos ordenar, organizar as
coisas que são organizáveis e ordenáveis, compreensíveis
nelas mesmas e por elas mesmas, isto é, as próprias coisas
racionais.
A Verdade:
O que é a verdade?
Uma das premissas da filosofia é a busca da verdade.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
15
ÉTICA E MORAL
Verdade e razão estão intrinsecamente relacionadas, porque
ambas buscam elucidar, clarear, confirmar e definir uma
práxis lúcida na trajetória do ser humano.
Tarefa também árdua essa de definir a verdade.
Em nossa sociedade, é muito difícil despertar nas pessoas o
desejo de buscar a verdade.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
16
ÉTICA E MORAL
Pode parecer paradoxal que assim seja, pois parecemos viver
numa sociedade que acredita nas ciências e que luta por
escolas; que recebe, durante 24 horas, informações através de
livrarias, bibliotecas, museus, salas de cinema e de teatro,
vídeos, televisão, fotografias e computadores.
A grande variedade e quantidade de veículos
E formas de informação acabam tornando difícil a busca da
verdade. Pois todo mundo acredita que está recebendo, de
modos variados e diferentes, informações científicas,
filosóficas, políticas e artísticas.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
17
ÉTICA E MORAL
E que tais informações são verdadeiras, sobretudo porque tal
quantidade informativa ultrapassa a experiência vivida pelas
pessoas que, por isso, não têm meios para avaliar o que
recebem.
Outra dificuldade para fazer surgir o desejo da busca da
verdade, em nossa sociedade, vem da propaganda.
A propaganda trata todas as pessoas, crianças, jovens,
adultos, idosos, como crianças extremamente ingênuas e
incrédulas.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
18
ÉTICA E MORAL
O mundo é sempre um mundo de "faz de conta”.
A propaganda nunca vende um produto dizendo o que ele é e
para que serve.
Ela vende o produto rodeando-o de magias, belezas, dando-
lhe qualidades que são de outras coisas (a criança saudável,
o jovem bonito, o adulto inteligente, o idoso feliz, a casa
agradável, etc), produzindo um eterno “faz de conta”.
Outra dificuldade, para o desejo da busca da verdade, vem da
atitude dos políticos.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
19
ÉTICA E MORAL
As pessoas confiam, ouvindo seus programas, suas
propostas, seus projetos, enfim, dando-lhes seu voto ou o
vendendo. Depois, sentem-se ludibriadas, não só porque não
são cumpridas as promessas, mas também porque há
corrupção, mau uso do dinheiro público, crescimento das
desigualdades e das injustiças, da miséria e da violência.
A busca da verdade surge do desejo e da necessidade, não só
da dúvida e da incerteza. Nasce também da ação deliberada
contra os preconceitos; contra as idéias e opiniões
estabelecidas; contra crenças que paralisam a capacidade de
pensar e de agir livremente.
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
20
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Podemos, dessa maneira, distinguir dois tipos de busca da
verdade:
O primeiro nasce da decepção, da incerteza e da insegurança
e, por si mesmo, exige que saiamos de tal situação
readquirindo certezas.
O segundo é o que nasce da deliberação ou decisão de não
aceitar as certezas e crenças estabelecidas. De ir além delas e
de encontrar explicações, interpretações e significados para a
realidade que nos cerca.
Esse segundo tipo é a busca da verdade na atitude filosófica.
21
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
No entanto, essas dificuldades podem ter o efeito oposto, isto
é, suscitar em muitas pessoas, dúvidas, incertezas,
desconfianças e desilusões que as façam não aceitar o que
lhes é dito.
Muitos começam a não acreditar no que lhes é mostrado.
E como Sócrates, em Atenas, começam a fazer perguntas, a
indagar sobre fatos e pessoas, coisas e situações; a exigir
explicações, liberdade de pensamento e de conhecimento.
22
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Para essas pessoas, surge o desejo e a necessidade da
busca da verdade.
Essa busca nasce não só da dúvida e da incerteza. Nasce
também da ação deliberada contra os preconceitos, contra
as idéias e opiniões estabelecidas, contra as crenças que
paralisam a capacidade de pensar e de agir
livremente.
A verdade não está com os homens, mas entre os homens.
(Sócrates)
23
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Podemos oferecer dois tipos de exemplos célebres dessa busca
filosófica.
Já falamos do primeiro: Sócrates, andando pelas ruas e praças
de Atenas indagando aos atenienses o que eram as coisas e
as ideias em que acreditavam.
O segundo exemplo é o do filósofo Descartes.
Descartes começa sua obra filosófica fazendo um balanço de
tudo o que sabia; o que lhe fora ensinado pelos preceptores e
professores, pelos livros, pelas viagens e pelo convívio com
outras pessoas.
24
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Ele os submete à análise, à dedução, à indução, ao raciocínio e
conclui que, até o momento, há uma única verdade indubitável
que poderá ser aceita e que deverá ser o ponto de partida para a
reconstrução do edifício do saber.
Essa única verdade é: "Penso, logo existo“
Pois, se eu duvidar de que estou pensando, ainda estou
pensando, visto que duvidar é uma maneira de pensar. A
consciência do pensamento aparece, assim, como a primeira
verdade indubitável, que será o alicerce para todos os
conhecimentos futuros.
25
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
AS EXIGÊNCIAS FUNDAMENTAIS DA VERDADE
Se examinarmos as diferentes concepções da verdade, notaremos que
algumas exigências fundamentais são conservadas em todas elas e
constituem o campo da busca do verdadeiro:
1. Compreender as causas da diferença entre o parecer e o ser das
coisas ou dos erros;
2. Compreender as causas e as formas da existência do seres;
3. Compreender os princípios necessários e universais do conhecimento
racional;
4. Compreender as causas e os princípios da transformação dos próprios
conhecimentos;
26
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
5. Separar preconceitos e hábitos do senso comum e a atitude crítica do
conhecimento;
6. Explicar com todos os detalhes os procedimentos empregados para o
conhecimento e os critérios de sua realização;
7. Liberdade de pensamento para investigar o sentido ou a significação
da realidade que nos circunda e da qual fazemos parte;
8. Comunicabilidade, isto é, os critérios, os princípios, os
procedimentos, os percursos realizados, os resultados obtidos, devem
poder ser conhecidos e compreendidos por todos os seres racionais.
Como escreve o filósofo Espinosa, o bem verdadeiro é capaz de
comunicar-se a todos e ser compartilhado por todos;
27
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
9. Transmissibilidade, isto é, os critérios, os princípios,
procedimentos, percursos e resultados do conhecimento
devem poder ser ensinados e discutidos em público. Como
diz Kant, temos o direito ao uso público da razão;
10. Veracidade, isto é, o conhecimento não pode ser
ideologia, ou em outras palavras, não pode ser máscara e
véu para dissimular e ocultar a realidade, servindo aos
interesses da exploração e da dominação entre os homens.
Assim como a verdade exige a liberdade de pensamento para
o conhecimento, também exige que seus frutos propiciem a
liberdade de todos e a emancipação de todos;
28
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
11. A verdade deve ser objetiva, isto é, deve ser compreendida
e aceita universal e necessariamente, sem que isso signifique
que ela seja "neutra" ou “imparcial”. Pois o sujeito do
conhecimento está vitalmente envolvido na atividade do
conhecimento e o conhecimento adquirido pode resultar em
mudanças que afetem a realidade natural, social e cultural.
Como disseram os filósofos Sartre e Merleau-Ponty, somos
"seres em situação" e a verdade está sempre situada nas
condições objetivas em que foi alcançada. E está sempre
voltada para compreender e interpretar a situação na qual
nasceu e à qual volta para trazer transformações.
29
ÉTICA E MORAL
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Não escolhemos o país, a data, a família e a classe social em
que nascemos - isso é a nossa situação - mas podemos
escolher o que fazer com isso, conhecendo nossa situação e
indagando se ela merece ou não ser mantida.
A verdade é, ao mesmo tempo, frágil e poderosa.
 Frágil porque os poderes estabelecidos podem destruí-la,
assim como mudanças teóricas podem substituí-la por outra.
 Poderosa, porque a exigência do verdadeiro é o que dá
sentido à existência humana.
30
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
A psicanálise diz que somos produto de nossa história de vida,
marcada pela sexualidade insatisfeita que visa satisfações
imaginárias, sem, no entanto, poder satisfazê-las plenamente.
Na verdade, ao invés de sermos autores e senhores da nossa história,
somos produto dela.
Como já sabemos, nossa psique é um campo de batalha velada,
inconsciente entre desejo e censura.
O id ama o proibido, o superego quer ser amado por reprimir o id.
As neuroses e psicoses são causadas tanto por um id extremamente
fraco e um superego forte, quanto o inverso.
31
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Do ponto de vista do inconsciente, mentir, matar, seduzir,
destruir e ambicionar, são simplesmente ações amorais. O
inconsciente desconhece valores morais.
No campo da ética, a psicanálise mostrou que uma das fontes
dos sofrimentos psíquicos, que resultam em patologias
mentais e também físicas, é o rigor do superego, que impõe
uma moralidade rígida.
32
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
O que vemos e concluímos é que, quando uma sociedade
reprime os desejos inconscientes, a ponto de não conseguir
meios de expressão, cria duas alternativas distantes da ética:
ou acontece a transgressão violenta de seus valores pelos
sujeitos oprimidos ou a aceitação passiva de uma sociedade
neurótica, que confunde neurose e moralidade.
Vamos mostrar então, de um lado, uma sociedade violenta
que dita normas e exige do sujeito padrão de conduta
impossível; e, de outro, um sujeito violento contra uma
sociedade, buscando o direito de viver transgredindo os
valores estabelecidos.
33
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
A existência ética, se por um lado uniformiza os relacionamentos, por
outro os reprime.
Diante dessa encruzilhada é que nasce o sujeito passivo ou ativo.
PASSIVO  é aquele que se deixa governar e arrastar por seus
impulsos, inclinações e paixões, pela opinião alheia, pelo medo dos
outros, pela vontade dos outros, não exercendo sua própria
consciência, vontade, liberdade e responsabilidade - HETERÔNOMO.
ATIVO  é aquele que comanda interiormente seus impulsos, seus
desejos, paixões, dialoga consigo e com os outros os sentidos dos
valores e dos seus fins. Consulta sua vontade e razão antes de agir.
Recusa a violência contra si e contra os outros - AUTÔNOMO.
A explicação de Freud: O sentimento de culpa seria somente o
efeito de um constrangimento social.
Este sentimento nasce na alma da criança quando seus pais
ralham com ela e não é nada mais que um sentimento de angústia
por perder o amor de seus pais que se tornam, de repente, hostis.
Ninguém pode mais contestar a realidade deste mecanismo, nem
a importância da descoberta de Freud que confirma, aliás, o que a
Bíblia já nos dizia: o quanto o ser humano tem necessidade de se
sentir amado.
34
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
VERDADEIRA OU FALSA CULPA
35
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Esta explicação permanece válida aos nossos olhos no que
concerne à culpa das crianças, ou daqueles que
permanecem infantis por toda a vida.
É o tipo de culpa, fruto do treinamento que nós encontramos
também nos animais. Os cães demonstram sinais evidentes
de culpa, quando desobedecem, antes mesmo que se ralhe
com eles.
Sentimento de “culpa funcional”
É o que resulta da sugestão social, do medo dos tabus, do
medo da perda do amor de outrem.
36
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Sentimento de “culpa-valor”
Resulta de valores próprios e da consciência clara de ter violado um
padrão original, e é um autojulgamento feito com liberdade.
Haveria então, uma oposição completa entre estes dois mecanismos
geradores de culpa: um, agindo por sugestão social, outro, por
convicção moral.
Odier preparou cuidadosamente tabelas que guiassem o diagnóstico
diferencial entre estas duas ordens de fenômeno.
A psicoterapia reconhece a existência de uma culpa “autêntica”, ao
lado da culpa “neurótica” e “irreal” (Grundlos).
37
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
A culpa autêntica:
Carrega sempre uma violação de uma relação humana, e
constitui uma ferida do relacionamento eu/tu. É então uma
culpa em direção do outro.
Freudianos mostram a frequência da culpa-inferioridade; os
Jungianos, a recusa da aceitação integral de si mesmo.
À luz da Bíblia, a verdadeira culpa nos parece como uma culpa
em relação a Deus, uma ruptura da ordem de dependência do
homem em relação a Deus.
Assim a verdadeira culpa dos homens surge em relação às
coisas que Deus lhes reprova no secreto dos seus corações.
38
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Só eles mesmos podem saber quais são estas coisas.
Geralmente são coisas totalmente diferentes daquelas
que os homens reprovam.
Mesmo nas crianças pode-se observar, ao lado das
culpas infantis “funcionais”, descritas por Freud, culpas
bem distintas, que são culpas verdadeiras, autênticas.
A criança manifesta uma culpa violenta e pede para ser
punida.
39
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Quanto mais a criança cresce, mais se desenvolverá nela o
senso autônomo da verdadeira culpa. E é na medida em que
ela ordenar a sua vida, e a sua conduta, que se livrará das
falsas culpas provocadas pelos parâmetros da sociedade e
pelas reprovações de seus pais.
Encontramos na Bíblia muitas histórias que escandalizam os
moralistas. Exemplos de condutas consideradas como
culpadas pela sociedade , pela lei e, mesmo aparentemente,
pela lei de Deus; e que são apresentadas como não culpáveis
e, às vezes, até mesmo como obediência heróica a uma
ordem pessoal de Deus.
40
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Assim, a lei de Deus proclama: “não matarás” (Ex. 20:13),
mas vemos, na Bíblia, muitos homens que mataram sob a
ordem de Deus.
Exemplo: o caso de um doente cíclico que passa
alternativamente por fases de excitação e de depressão.
PERÍODO DE EXCITAÇÃO:
Ele comete, sem ter o mínimo remorso, toda sorte de faltas
morais das quais vai se penitenciar de maneira excessiva no
período de depressão.
41
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Mas não podemos, por outro lado, negar a autenticidade
dos remorsos que ele “curte” na depressão.
Em todo caso, dizer-lhe que é uma “falsa culpa” doentia
não trará nenhum conforto.
Inversamente, se ele passa bruscamente da depressão a uma
nova fase de excitação:
Ele experimenta uma melhora tão maravilhosa que descreve
como uma verdadeira experiência espiritual.
42
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Com um tom de sinceridade, impressionante, ele diz que
enfim compreendeu a graça divina e que não duvidará dela
nunca mais.
Mas não podemos, por outro lado, sustentar que toda
experiência do perdão de deus seja patológica!
Com o exercício da medicina, tornamo-nos muito prudentes
diante deste grande mistério do sentimento de culpa.
Devemos estar atentos a todo o trabalho do psicoterapeuta
para descobrir como é importante que o homem se liberte da
sociedade, e de suas pressões
43
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Assim, por exemplo, muitas pessoas sentem prazer especial
em usar um palavrão ou uma gíria.
É um protesto contra a dominação opressiva dos bons
costumes, um grito sadio de independência em relação à
pressão social.
Todas as pessoas que estão ao nosso redor chamam-nos a
fazer o papel de justiceiros;
Chamam-nos para servirmos de testemunhas.
44
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Um casal em conflito inevitavelmente se dirigirá a nós para sermos um
árbitro.
Um se queixa de seu irmão, um filho de seu pai, um operário do seu
mestre de obras ou de seu patrão, um patrão de seu concorrente.
São pedidos apaixonados ou indignados que acumulam detalhes
peremptórios. Se nos recusamos a julgar, consideramo-nos covardes,
pactuando com o mal, surdos ao grito da consciência. Em todos esses
inumeráveis conflitos, em todas essas reprimendas e acusações que os
homens lançam uns aos outros, há uma verdadeira intenção de culpar
os outros, de convencer de culpa aquele que eles julgam, de fazê-los
reconhecer seus erros.
45
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Se recusarmos a nos associar a este empreendimento de
culpabilização, eles nos acusarão de sermos culpados, de
trairmos a justiça, a moral, a verdade, permanecendo mudos
enquanto eles são odiosamente violentados.
Não existe vida sem conflito; não existe conflito sem culpa.
Tentamos constantemente nos tranquilizar.
Evocamos a sabedoria popular:
“Não se faz omelete sem quebrar os ovos”.
46
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Evocamos a psicologia, que se esforça por considerar
friamente a agressividade como uma simples força da
natureza, isenta de toda carga moral, a qual causa mais dano
quando reprimida do que quando expressada.
Evocamos, também, doutrinas clínicas e existencialistas.
Todas estas tentativas aparecem como a própria prova da
culpa secreta de que todos os homens sofrem, por causa dos
conflitos que opõem constantemente uma pessoa a outra, e
contra a qual todos procuram se defender. Mas é o próprio
jesus cristo que diz estas palavras: “Não julgueis...” (Mt 7:1).
47
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Quando alguém apela ao nosso julgamento, ele tem medo. Quando
alguém sente que é mal compreendido, isto significa que ele se sente
julgado, que não vemos as coisas como ele, que o julgamos culpado
quando ele se sente inocente.
Porque as acusações e as reprimendas enchem o mundo, todos se
sentem constantemente criticados ou, pelo menos, ameaçados de
julgamento.
“Em 1880”, escreve jean guitton, “poder-se-ia resumir os resultados
da análise moral por esta fórmula: mesmo os culpados são inocentes.
Em 1945, seria necessário inverter os termos: mesmo os inocentes
são culpados... Nós estamos na época dos juízes”.
48
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Vejam a filosofia e a literatura atuais todas carregadas de
consciência pesada.
Os romances, as novelas, as peças de teatro, os filmes:
todos giram em torno do problema da culpa: culpa formal e a
impossibilidade de determinar quem é verdadeiramente
culpado, e a culpa profunda, difusa, acerba, a culpa de
existir, e as revoltas que ela suscita.
49
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
Há mais de 2.500 anos os gregos afirmavam que a repetição
de bons hábitos era capaz de tornar um homem virtuoso.
A educação grega, a paidéia, era um longo processo
educativo que visava formar um cidadão que fizesse da vida
pública um exercício das virtudes humanas e conduzisse a
cidade rumo ao bem.
Então, resta-nos perguntar:
O que a psicanálise nos propõe?
50
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
O que a psicanálise propõe é uma nova moral sexual que harmonize,
tanto quanto for possível, o desejo inconsciente, as formas de
satisfazê-los e a vida social.
Essa moral, evidentemente, só pode ser realizada pela consciência e
pela vontade livre, de sorte que a psicanálise procura fortalecê-la
como instância moderadora do id e superego.
Somos eticamente livres e responsáveis.
Não porque possamos fazer tudo quanto queiramos, nem porque
queiramos tudo quanto possamos fazer, mas porque aprendemos a
discriminar as fronteiras entre o permitido e o proibido, tendo como
critério ideal, a ausência da violência interna e externa.
51
ÉTICA E PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
FORMAÇÃO
EM
PSICANÁLISE
THANKS
THANKS
THANKS
THANKS
THANKS
Quais são suas questões?
luiztutoread@gmail.com
+55 31 98108 5069
@luizhenpimentel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Os quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis BaconOs quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis BaconSarah Mendes
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofiasuperego
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Prof. Noe Assunção
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesLeandro Nazareth Souto
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)João Marcelo
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 

Mais procurados (20)

As tarefas da filosofia 1º ano do ensino médio
As tarefas da filosofia   1º ano do ensino médioAs tarefas da filosofia   1º ano do ensino médio
As tarefas da filosofia 1º ano do ensino médio
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.Aulas de sociologia ensino médio   para o 2 ano em.
Aulas de sociologia ensino médio para o 2 ano em.
 
Os quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis BaconOs quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis Bacon
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Fundamentos Da Educação HistóRia Da EducaçãO
Fundamentos Da Educação   HistóRia Da EducaçãOFundamentos Da Educação   HistóRia Da EducaçãO
Fundamentos Da Educação HistóRia Da EducaçãO
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Mito e mitologia
Mito e mitologiaMito e mitologia
Mito e mitologia
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
 
éTica na história
éTica na históriaéTica na história
éTica na história
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 

Semelhante a Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf

Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...Diego Góes
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizadoRita Gonçalves
 
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01Alberto Nhatirre
 
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014Aurelia de Almeida
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IHarutchy
 
Apostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdfApostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdfSibele Silva
 
Definicoes de Etica, Moral e Valores.pdf
Definicoes de Etica,  Moral e Valores.pdfDefinicoes de Etica,  Moral e Valores.pdf
Definicoes de Etica, Moral e Valores.pdfInsttLcioEvangelista
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestreAndrea Parlen
 
Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerMary Alvarenga
 
Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Israel serique
 
Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Israel serique
 
Serviço social e educação
Serviço social e educaçãoServiço social e educação
Serviço social e educaçãoprofadnilson
 
apresentação inicial.pptx
apresentação inicial.pptxapresentação inicial.pptx
apresentação inicial.pptxIvandroPissolo4
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFabio Santos
 
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosóficoFilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosóficomro5060
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Laguat
 

Semelhante a Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf (20)

Ética
Ética Ética
Ética
 
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
 
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
 
ética e psicanálise
ética e psicanáliseética e psicanálise
ética e psicanálise
 
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade I
 
Apostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdfApostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdf
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 
Definicoes de Etica, Moral e Valores.pdf
Definicoes de Etica,  Moral e Valores.pdfDefinicoes de Etica,  Moral e Valores.pdf
Definicoes de Etica, Moral e Valores.pdf
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
 
Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecer
 
Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1
 
Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1Psicologia da aprendizagem 1
Psicologia da aprendizagem 1
 
Serviço social e educação
Serviço social e educaçãoServiço social e educação
Serviço social e educação
 
apresentação inicial.pptx
apresentação inicial.pptxapresentação inicial.pptx
apresentação inicial.pptx
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro ano
 
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosóficoFilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
 

Mais de Luiz Henrique Pimentel Novais Silva

PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdfPRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdfLuiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdfLuiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Mais de Luiz Henrique Pimentel Novais Silva (20)

SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdfSURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdf
 
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdfPRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
 
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdfINTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
 
Freud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdfFreud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdf
 
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdfEm Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
 
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdfATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
 
A Psicanálise.pdf
A Psicanálise.pdfA Psicanálise.pdf
A Psicanálise.pdf
 
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdfPSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
 
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdfTOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
 
O PEQUENO HANS.pdf
O PEQUENO HANS.pdfO PEQUENO HANS.pdf
O PEQUENO HANS.pdf
 
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdfA NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdfVIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
 
NEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdfNEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdf
 
Caso Dora.pdf
Caso Dora.pdfCaso Dora.pdf
Caso Dora.pdf
 
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdfTRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
 
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
 
LIBIDO.pdf
LIBIDO.pdfLIBIDO.pdf
LIBIDO.pdf
 

Último

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMayaraStefanydaSilva1
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfqualidadediagnostico
 

Último (6)

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 

Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf

  • 2. É certo que toda sociedade e todo sistema, cria, realiza uma moral baseada em valores correspondentes à conduta ilibada (pura, intocável), ao bem e ao mal, ao certo e ao errado, ao que é permitido e proibido, abrangendo todos os membros. Também que essa moral varia de acordo com a cultura e a sociogênese dessa sociedade. Desde os primórdios, o homem vem buscando padronizar comportamentos de forma empírica, baseado nos costumes e usos. 2 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 3. 3 ÉTICA E MORAL Somente a partir de Sócrates se estabeleceu uma sistematização da filosofia ética ou moral, elaborada com base em princípios de reflexão intelectual e não somente nos usos e costumes. Vale ressaltar que toda essa teorização encontra respaldo tão somente a partir da identificação e construção dos "valores". FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 4. 4 ÉTICA E MORAL Os conceitos de ética e moral, muitas vezes se confundem, embora sejam diferentes. Ambos os termos são provenientes da cultura ocidental, mas seus significados são extraídos de culturas diferentes. “Não se aprende filosofia, mas a filosofar". Kant A filosofia nos desafia a ir de encontro às dúvidas, interrogações e questionamentos; a um saber potencializado, mas não revelado; a uma sabedoria disponibilizada, mas não sistematizada. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 5. 5 ÉTICA E MORAL Em qualquer sentido, a autonomia humana significa poder de criação individual e coletiva. À luz na qual cada sociedade e cada indivíduo deverão ser considerados em sua singularidade. Vivemos num mundo em que a visão das pessoas está marcada pela busca dos resultados imediatos do conhecimento. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 6. 6 ÉTICA E MORAL Seguindo essa linha de pensamento, a filosofia seria realmente "inútil": não serve para nenhuma alteração imediata de ordem pragmática. Nesse ponto ela é semelhante à arte. Onde está a necessidade da filosofia? Está no fato de, por meio da reflexão, permitir ao homem ter mais de uma dimensão, além da que é dada pelo agir imediato, no qual o "homem prático" se encontra mergulhado. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 7. 7 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE É a filosofia que dá o distanciamento para a avaliação dos fundamentos dos atos humanos e dos fins a que eles se destinam. Reúne o pensamento fragmentado da ciência e o reconstrói na sua unidade. Retoma a ação pulverizada no tempo e procura compreendê-la. É a possibilidade da transcendência humana, ou seja, a capacidade que só o homem tem de superar a situação dada e não escolhida.
  • 8. 8 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Pela transcendência, o homem surge como ser do projeto, capaz de libertar e de construir o seu destino. A filosofia trata de desvendar os labirintos que constroem ou sacrificam a emancipação humana. Emancipar o ser humano não garante sua desvinculação do sistema, mas torna-o livre para si. Assim há necessidade de se ajustar essa relação do indivíduo com o seu próximo.
  • 9. 9 ÉTICA E MORAL Desde as civilizações primitivas, até os dias de hoje, os homens vêm em busca de definir regras, leis, estatutos, etc., Que normatizem as relações, através de princípios e práxis, ética e moral. Visando uma estruturação do pensamento, a filosofia trata a ética como uma disciplina que norteia os princípios relativos ao relacionamento do indivíduo consigo mesmo, com o outro e com a sociedade. “A vida que não passamos em revista, não vale a pena viver”. (Sócrates) FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 10. 10 ÉTICA E MORAL Os três pontos que a filosofia considera: A razão A verdade A ética A Razão: a filosofia realiza como conhecimento racional da realidade natural e cultural, das coisas e dos seres humanos. Dizemos que ela confia na razão e que, hoje, ela também desconfia da razão. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 11. 11 ÉTICA E MORAL Assim, usamos a "razão" para nos referirmos a "motivos" de alguém. E também para nos referirmos a "causas" de alguma coisa, de modo que, tanto nós quanto as coisas, parecemos dotados de "razão", mas em sentido diferente. Esses poucos exemplos já nos mostram quantos sentidos diferentes a palavra razão possui: certeza, motivo, causa. E todos esses sentidos encontram-se presentes na filosofia. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 12. 12 ÉTICA E MORAL Na cultura da chamada sociedade ocidental, a palavra razão origina-se de duas fontes: Do latim ratio e do grego logos. Estas duas palavras são substantivos derivados de dois verbos, que têm um sentido muito parecido em latim e em grego. Logos vem do verbo legein, que quer dizer: contar, reunir, juntar, calcular. Ratio vem do verbo reor, que quer dizer: contar, reunir, medir, juntar, separar, calcular FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 13. 13 ÉTICA E MORAL Quando medimos, juntamos, separamos, contamos ou calculamos, pensamos de modo ordenado. Ratio, logos ou razão significam  pensar e falar ordenadamente, com medida e proporção, com clareza e de modo compreensível para outros. Assim, na origem, razão é a capacidade intelectual para pensar e se exprimir correta e claramente; para pensar e dizer as coisas tais como são. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 14. 14 ÉTICA E MORAL A razão é uma maneira de organizar a realidade pela qual esta se torna compreensível. É também, a confiança de que podemos ordenar, organizar as coisas que são organizáveis e ordenáveis, compreensíveis nelas mesmas e por elas mesmas, isto é, as próprias coisas racionais. A Verdade: O que é a verdade? Uma das premissas da filosofia é a busca da verdade. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 15. 15 ÉTICA E MORAL Verdade e razão estão intrinsecamente relacionadas, porque ambas buscam elucidar, clarear, confirmar e definir uma práxis lúcida na trajetória do ser humano. Tarefa também árdua essa de definir a verdade. Em nossa sociedade, é muito difícil despertar nas pessoas o desejo de buscar a verdade. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 16. 16 ÉTICA E MORAL Pode parecer paradoxal que assim seja, pois parecemos viver numa sociedade que acredita nas ciências e que luta por escolas; que recebe, durante 24 horas, informações através de livrarias, bibliotecas, museus, salas de cinema e de teatro, vídeos, televisão, fotografias e computadores. A grande variedade e quantidade de veículos E formas de informação acabam tornando difícil a busca da verdade. Pois todo mundo acredita que está recebendo, de modos variados e diferentes, informações científicas, filosóficas, políticas e artísticas. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 17. 17 ÉTICA E MORAL E que tais informações são verdadeiras, sobretudo porque tal quantidade informativa ultrapassa a experiência vivida pelas pessoas que, por isso, não têm meios para avaliar o que recebem. Outra dificuldade para fazer surgir o desejo da busca da verdade, em nossa sociedade, vem da propaganda. A propaganda trata todas as pessoas, crianças, jovens, adultos, idosos, como crianças extremamente ingênuas e incrédulas. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 18. 18 ÉTICA E MORAL O mundo é sempre um mundo de "faz de conta”. A propaganda nunca vende um produto dizendo o que ele é e para que serve. Ela vende o produto rodeando-o de magias, belezas, dando- lhe qualidades que são de outras coisas (a criança saudável, o jovem bonito, o adulto inteligente, o idoso feliz, a casa agradável, etc), produzindo um eterno “faz de conta”. Outra dificuldade, para o desejo da busca da verdade, vem da atitude dos políticos. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 19. 19 ÉTICA E MORAL As pessoas confiam, ouvindo seus programas, suas propostas, seus projetos, enfim, dando-lhes seu voto ou o vendendo. Depois, sentem-se ludibriadas, não só porque não são cumpridas as promessas, mas também porque há corrupção, mau uso do dinheiro público, crescimento das desigualdades e das injustiças, da miséria e da violência. A busca da verdade surge do desejo e da necessidade, não só da dúvida e da incerteza. Nasce também da ação deliberada contra os preconceitos; contra as idéias e opiniões estabelecidas; contra crenças que paralisam a capacidade de pensar e de agir livremente. FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE
  • 20. 20 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Podemos, dessa maneira, distinguir dois tipos de busca da verdade: O primeiro nasce da decepção, da incerteza e da insegurança e, por si mesmo, exige que saiamos de tal situação readquirindo certezas. O segundo é o que nasce da deliberação ou decisão de não aceitar as certezas e crenças estabelecidas. De ir além delas e de encontrar explicações, interpretações e significados para a realidade que nos cerca. Esse segundo tipo é a busca da verdade na atitude filosófica.
  • 21. 21 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE No entanto, essas dificuldades podem ter o efeito oposto, isto é, suscitar em muitas pessoas, dúvidas, incertezas, desconfianças e desilusões que as façam não aceitar o que lhes é dito. Muitos começam a não acreditar no que lhes é mostrado. E como Sócrates, em Atenas, começam a fazer perguntas, a indagar sobre fatos e pessoas, coisas e situações; a exigir explicações, liberdade de pensamento e de conhecimento.
  • 22. 22 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Para essas pessoas, surge o desejo e a necessidade da busca da verdade. Essa busca nasce não só da dúvida e da incerteza. Nasce também da ação deliberada contra os preconceitos, contra as idéias e opiniões estabelecidas, contra as crenças que paralisam a capacidade de pensar e de agir livremente. A verdade não está com os homens, mas entre os homens. (Sócrates)
  • 23. 23 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Podemos oferecer dois tipos de exemplos célebres dessa busca filosófica. Já falamos do primeiro: Sócrates, andando pelas ruas e praças de Atenas indagando aos atenienses o que eram as coisas e as ideias em que acreditavam. O segundo exemplo é o do filósofo Descartes. Descartes começa sua obra filosófica fazendo um balanço de tudo o que sabia; o que lhe fora ensinado pelos preceptores e professores, pelos livros, pelas viagens e pelo convívio com outras pessoas.
  • 24. 24 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Ele os submete à análise, à dedução, à indução, ao raciocínio e conclui que, até o momento, há uma única verdade indubitável que poderá ser aceita e que deverá ser o ponto de partida para a reconstrução do edifício do saber. Essa única verdade é: "Penso, logo existo“ Pois, se eu duvidar de que estou pensando, ainda estou pensando, visto que duvidar é uma maneira de pensar. A consciência do pensamento aparece, assim, como a primeira verdade indubitável, que será o alicerce para todos os conhecimentos futuros.
  • 25. 25 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE AS EXIGÊNCIAS FUNDAMENTAIS DA VERDADE Se examinarmos as diferentes concepções da verdade, notaremos que algumas exigências fundamentais são conservadas em todas elas e constituem o campo da busca do verdadeiro: 1. Compreender as causas da diferença entre o parecer e o ser das coisas ou dos erros; 2. Compreender as causas e as formas da existência do seres; 3. Compreender os princípios necessários e universais do conhecimento racional; 4. Compreender as causas e os princípios da transformação dos próprios conhecimentos;
  • 26. 26 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE 5. Separar preconceitos e hábitos do senso comum e a atitude crítica do conhecimento; 6. Explicar com todos os detalhes os procedimentos empregados para o conhecimento e os critérios de sua realização; 7. Liberdade de pensamento para investigar o sentido ou a significação da realidade que nos circunda e da qual fazemos parte; 8. Comunicabilidade, isto é, os critérios, os princípios, os procedimentos, os percursos realizados, os resultados obtidos, devem poder ser conhecidos e compreendidos por todos os seres racionais. Como escreve o filósofo Espinosa, o bem verdadeiro é capaz de comunicar-se a todos e ser compartilhado por todos;
  • 27. 27 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE 9. Transmissibilidade, isto é, os critérios, os princípios, procedimentos, percursos e resultados do conhecimento devem poder ser ensinados e discutidos em público. Como diz Kant, temos o direito ao uso público da razão; 10. Veracidade, isto é, o conhecimento não pode ser ideologia, ou em outras palavras, não pode ser máscara e véu para dissimular e ocultar a realidade, servindo aos interesses da exploração e da dominação entre os homens. Assim como a verdade exige a liberdade de pensamento para o conhecimento, também exige que seus frutos propiciem a liberdade de todos e a emancipação de todos;
  • 28. 28 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE 11. A verdade deve ser objetiva, isto é, deve ser compreendida e aceita universal e necessariamente, sem que isso signifique que ela seja "neutra" ou “imparcial”. Pois o sujeito do conhecimento está vitalmente envolvido na atividade do conhecimento e o conhecimento adquirido pode resultar em mudanças que afetem a realidade natural, social e cultural. Como disseram os filósofos Sartre e Merleau-Ponty, somos "seres em situação" e a verdade está sempre situada nas condições objetivas em que foi alcançada. E está sempre voltada para compreender e interpretar a situação na qual nasceu e à qual volta para trazer transformações.
  • 29. 29 ÉTICA E MORAL FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Não escolhemos o país, a data, a família e a classe social em que nascemos - isso é a nossa situação - mas podemos escolher o que fazer com isso, conhecendo nossa situação e indagando se ela merece ou não ser mantida. A verdade é, ao mesmo tempo, frágil e poderosa.  Frágil porque os poderes estabelecidos podem destruí-la, assim como mudanças teóricas podem substituí-la por outra.  Poderosa, porque a exigência do verdadeiro é o que dá sentido à existência humana.
  • 30. 30 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE A psicanálise diz que somos produto de nossa história de vida, marcada pela sexualidade insatisfeita que visa satisfações imaginárias, sem, no entanto, poder satisfazê-las plenamente. Na verdade, ao invés de sermos autores e senhores da nossa história, somos produto dela. Como já sabemos, nossa psique é um campo de batalha velada, inconsciente entre desejo e censura. O id ama o proibido, o superego quer ser amado por reprimir o id. As neuroses e psicoses são causadas tanto por um id extremamente fraco e um superego forte, quanto o inverso.
  • 31. 31 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Do ponto de vista do inconsciente, mentir, matar, seduzir, destruir e ambicionar, são simplesmente ações amorais. O inconsciente desconhece valores morais. No campo da ética, a psicanálise mostrou que uma das fontes dos sofrimentos psíquicos, que resultam em patologias mentais e também físicas, é o rigor do superego, que impõe uma moralidade rígida.
  • 32. 32 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE O que vemos e concluímos é que, quando uma sociedade reprime os desejos inconscientes, a ponto de não conseguir meios de expressão, cria duas alternativas distantes da ética: ou acontece a transgressão violenta de seus valores pelos sujeitos oprimidos ou a aceitação passiva de uma sociedade neurótica, que confunde neurose e moralidade. Vamos mostrar então, de um lado, uma sociedade violenta que dita normas e exige do sujeito padrão de conduta impossível; e, de outro, um sujeito violento contra uma sociedade, buscando o direito de viver transgredindo os valores estabelecidos.
  • 33. 33 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE A existência ética, se por um lado uniformiza os relacionamentos, por outro os reprime. Diante dessa encruzilhada é que nasce o sujeito passivo ou ativo. PASSIVO  é aquele que se deixa governar e arrastar por seus impulsos, inclinações e paixões, pela opinião alheia, pelo medo dos outros, pela vontade dos outros, não exercendo sua própria consciência, vontade, liberdade e responsabilidade - HETERÔNOMO. ATIVO  é aquele que comanda interiormente seus impulsos, seus desejos, paixões, dialoga consigo e com os outros os sentidos dos valores e dos seus fins. Consulta sua vontade e razão antes de agir. Recusa a violência contra si e contra os outros - AUTÔNOMO.
  • 34. A explicação de Freud: O sentimento de culpa seria somente o efeito de um constrangimento social. Este sentimento nasce na alma da criança quando seus pais ralham com ela e não é nada mais que um sentimento de angústia por perder o amor de seus pais que se tornam, de repente, hostis. Ninguém pode mais contestar a realidade deste mecanismo, nem a importância da descoberta de Freud que confirma, aliás, o que a Bíblia já nos dizia: o quanto o ser humano tem necessidade de se sentir amado. 34 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE VERDADEIRA OU FALSA CULPA
  • 35. 35 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Esta explicação permanece válida aos nossos olhos no que concerne à culpa das crianças, ou daqueles que permanecem infantis por toda a vida. É o tipo de culpa, fruto do treinamento que nós encontramos também nos animais. Os cães demonstram sinais evidentes de culpa, quando desobedecem, antes mesmo que se ralhe com eles. Sentimento de “culpa funcional” É o que resulta da sugestão social, do medo dos tabus, do medo da perda do amor de outrem.
  • 36. 36 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Sentimento de “culpa-valor” Resulta de valores próprios e da consciência clara de ter violado um padrão original, e é um autojulgamento feito com liberdade. Haveria então, uma oposição completa entre estes dois mecanismos geradores de culpa: um, agindo por sugestão social, outro, por convicção moral. Odier preparou cuidadosamente tabelas que guiassem o diagnóstico diferencial entre estas duas ordens de fenômeno. A psicoterapia reconhece a existência de uma culpa “autêntica”, ao lado da culpa “neurótica” e “irreal” (Grundlos).
  • 37. 37 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE A culpa autêntica: Carrega sempre uma violação de uma relação humana, e constitui uma ferida do relacionamento eu/tu. É então uma culpa em direção do outro. Freudianos mostram a frequência da culpa-inferioridade; os Jungianos, a recusa da aceitação integral de si mesmo. À luz da Bíblia, a verdadeira culpa nos parece como uma culpa em relação a Deus, uma ruptura da ordem de dependência do homem em relação a Deus. Assim a verdadeira culpa dos homens surge em relação às coisas que Deus lhes reprova no secreto dos seus corações.
  • 38. 38 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Só eles mesmos podem saber quais são estas coisas. Geralmente são coisas totalmente diferentes daquelas que os homens reprovam. Mesmo nas crianças pode-se observar, ao lado das culpas infantis “funcionais”, descritas por Freud, culpas bem distintas, que são culpas verdadeiras, autênticas. A criança manifesta uma culpa violenta e pede para ser punida.
  • 39. 39 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Quanto mais a criança cresce, mais se desenvolverá nela o senso autônomo da verdadeira culpa. E é na medida em que ela ordenar a sua vida, e a sua conduta, que se livrará das falsas culpas provocadas pelos parâmetros da sociedade e pelas reprovações de seus pais. Encontramos na Bíblia muitas histórias que escandalizam os moralistas. Exemplos de condutas consideradas como culpadas pela sociedade , pela lei e, mesmo aparentemente, pela lei de Deus; e que são apresentadas como não culpáveis e, às vezes, até mesmo como obediência heróica a uma ordem pessoal de Deus.
  • 40. 40 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Assim, a lei de Deus proclama: “não matarás” (Ex. 20:13), mas vemos, na Bíblia, muitos homens que mataram sob a ordem de Deus. Exemplo: o caso de um doente cíclico que passa alternativamente por fases de excitação e de depressão. PERÍODO DE EXCITAÇÃO: Ele comete, sem ter o mínimo remorso, toda sorte de faltas morais das quais vai se penitenciar de maneira excessiva no período de depressão.
  • 41. 41 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Mas não podemos, por outro lado, negar a autenticidade dos remorsos que ele “curte” na depressão. Em todo caso, dizer-lhe que é uma “falsa culpa” doentia não trará nenhum conforto. Inversamente, se ele passa bruscamente da depressão a uma nova fase de excitação: Ele experimenta uma melhora tão maravilhosa que descreve como uma verdadeira experiência espiritual.
  • 42. 42 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Com um tom de sinceridade, impressionante, ele diz que enfim compreendeu a graça divina e que não duvidará dela nunca mais. Mas não podemos, por outro lado, sustentar que toda experiência do perdão de deus seja patológica! Com o exercício da medicina, tornamo-nos muito prudentes diante deste grande mistério do sentimento de culpa. Devemos estar atentos a todo o trabalho do psicoterapeuta para descobrir como é importante que o homem se liberte da sociedade, e de suas pressões
  • 43. 43 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Assim, por exemplo, muitas pessoas sentem prazer especial em usar um palavrão ou uma gíria. É um protesto contra a dominação opressiva dos bons costumes, um grito sadio de independência em relação à pressão social. Todas as pessoas que estão ao nosso redor chamam-nos a fazer o papel de justiceiros; Chamam-nos para servirmos de testemunhas.
  • 44. 44 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Um casal em conflito inevitavelmente se dirigirá a nós para sermos um árbitro. Um se queixa de seu irmão, um filho de seu pai, um operário do seu mestre de obras ou de seu patrão, um patrão de seu concorrente. São pedidos apaixonados ou indignados que acumulam detalhes peremptórios. Se nos recusamos a julgar, consideramo-nos covardes, pactuando com o mal, surdos ao grito da consciência. Em todos esses inumeráveis conflitos, em todas essas reprimendas e acusações que os homens lançam uns aos outros, há uma verdadeira intenção de culpar os outros, de convencer de culpa aquele que eles julgam, de fazê-los reconhecer seus erros.
  • 45. 45 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Se recusarmos a nos associar a este empreendimento de culpabilização, eles nos acusarão de sermos culpados, de trairmos a justiça, a moral, a verdade, permanecendo mudos enquanto eles são odiosamente violentados. Não existe vida sem conflito; não existe conflito sem culpa. Tentamos constantemente nos tranquilizar. Evocamos a sabedoria popular: “Não se faz omelete sem quebrar os ovos”.
  • 46. 46 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Evocamos a psicologia, que se esforça por considerar friamente a agressividade como uma simples força da natureza, isenta de toda carga moral, a qual causa mais dano quando reprimida do que quando expressada. Evocamos, também, doutrinas clínicas e existencialistas. Todas estas tentativas aparecem como a própria prova da culpa secreta de que todos os homens sofrem, por causa dos conflitos que opõem constantemente uma pessoa a outra, e contra a qual todos procuram se defender. Mas é o próprio jesus cristo que diz estas palavras: “Não julgueis...” (Mt 7:1).
  • 47. 47 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Quando alguém apela ao nosso julgamento, ele tem medo. Quando alguém sente que é mal compreendido, isto significa que ele se sente julgado, que não vemos as coisas como ele, que o julgamos culpado quando ele se sente inocente. Porque as acusações e as reprimendas enchem o mundo, todos se sentem constantemente criticados ou, pelo menos, ameaçados de julgamento. “Em 1880”, escreve jean guitton, “poder-se-ia resumir os resultados da análise moral por esta fórmula: mesmo os culpados são inocentes. Em 1945, seria necessário inverter os termos: mesmo os inocentes são culpados... Nós estamos na época dos juízes”.
  • 48. 48 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Vejam a filosofia e a literatura atuais todas carregadas de consciência pesada. Os romances, as novelas, as peças de teatro, os filmes: todos giram em torno do problema da culpa: culpa formal e a impossibilidade de determinar quem é verdadeiramente culpado, e a culpa profunda, difusa, acerba, a culpa de existir, e as revoltas que ela suscita.
  • 49. 49 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE Há mais de 2.500 anos os gregos afirmavam que a repetição de bons hábitos era capaz de tornar um homem virtuoso. A educação grega, a paidéia, era um longo processo educativo que visava formar um cidadão que fizesse da vida pública um exercício das virtudes humanas e conduzisse a cidade rumo ao bem. Então, resta-nos perguntar: O que a psicanálise nos propõe?
  • 50. 50 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE O que a psicanálise propõe é uma nova moral sexual que harmonize, tanto quanto for possível, o desejo inconsciente, as formas de satisfazê-los e a vida social. Essa moral, evidentemente, só pode ser realizada pela consciência e pela vontade livre, de sorte que a psicanálise procura fortalecê-la como instância moderadora do id e superego. Somos eticamente livres e responsáveis. Não porque possamos fazer tudo quanto queiramos, nem porque queiramos tudo quanto possamos fazer, mas porque aprendemos a discriminar as fronteiras entre o permitido e o proibido, tendo como critério ideal, a ausência da violência interna e externa.
  • 51. 51 ÉTICA E PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE THANKS THANKS THANKS THANKS THANKS Quais são suas questões? luiztutoread@gmail.com +55 31 98108 5069 @luizhenpimentel