NETWEAVING 2009

2.742 visualizações

Publicada em

Por que falamos tanto de redes sociais
e temos tanta dificuldade de articulá-las. Augusto de Franco - 2009. http://escoladeredes.ning.com/

Publicada em: Tecnologia
1 comentário
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • UMA NOVA VISÃO SOBRE AS REDES SOCIAIS - EXPLORAÇÕES DO ESPAÇO-TEMPO DOS FLUXOS - 75º Fórum do Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz - UNESCO / Palas Athena - Em complemento a apresentação acima, aí vai o endereço para download do arquivo de áudio com a palestra completa do Augusto de Franco. Realizada no Auditório do MASP, em 15 de setembro de 2009. http://bit.ly/tchQO (duração: 2h27; tamanho do arquivo: 33,7 Mb)
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.742
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.449
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
121
Comentários
1
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

NETWEAVING 2009

  1. 1. Netweaving AUGUSTO DE FRANCO Inverno de 2009 Trabalho entregue ao Domínio Público
  2. 2. Netweaving Por que falamos tanto de redes sociais e temos tanta dificuldade de articulá-las Rembrandt Tecelões de Amsterdam
  3. 3. Por que? Por que falamos tanto de redes sociais e temos tanta dificuldade de articulá-las
  4. 4. Três respostas possíveis Porque não sabemos o que são redes. Porque, mesmo quando compreendemos o que são redes sociais, não conseguimos vivenciá- las. Porque não fazemos netweaving.
  5. 5. Sobre a palavra netweaving Não sabemos sua origem Evoca a “arte de tecer redes” Significa articulação e animação de redes É melhor que networking Networking não é netloving. Netweaving pode ser.
  6. 6. Rede = Fluição Fluxos “luminosos” e intermitentes...
  7. 7. Redes: Nodos e Conexões Grafo: representação estática
  8. 8. Redes: o grafo não é a rede Espalhamento de partículas
  9. 9. Exemplos de redes: Neural Rede neural
  10. 10. Exemplos de redes: Urbana Rede urbana
  11. 11. Exemplos de redes: Social Rede social
  12. 12. O que são redes sociais Redes sociais são pessoas interagindo segundo um padrão de organização de rede distribuída.
  13. 13. Topologias de rede Diagramas de Paul Baran (1964)
  14. 14. Três “sociedades” diferentes? Os nodos são os mesmos, mas os entes são diferentes...
  15. 15. Rede e Hierarquia Mundo de 2 elementos Rede = Hierarquia
  16. 16. Rede e Hierarquia Mundo de 3 elementos Hierarquia = caminho único Rede = Múltiplos caminhos
  17. 17. Rede e Hierarquia Hierarquia = caminho único Rede = Múltiplos caminhos Mundo de 5 elementos
  18. 18. O que são redes distribuidas Redes distribuídas são redes mais distribuídas do que centralizadas. Redes mais centralizadas do que distribuídas são hierarquias. É uma convenção (razoável).
  19. 19. Índice de Distribuição de Rede I = (C – D).C/E C = Número de conexões D = Número de nodos desconectados com a eliminação do nodo mais conectado E = Número de conexões eliminadas com a eliminação do nodo mais conectado
  20. 20. Imin Imax I = Imin = 0 => rede totalmente centralizada (100% de centralização = 0% de distribuição) I = Imax => rede totalmente distribuída (100% de distribuição = 0% de centralização) Imax Cmax (número máximo de conexões)
  21. 21. Número máximo de conexões Cmax = (N – 1). N/2 N = número de nodos
  22. 22. Rede centralizada I=0 (rede totalmente centralizada, correspondendo a 0% de distribuição)
  23. 23. Rede descentralizada - I=3 (rede com 25% de distribuição) Mais centralizada do que distribuída
  24. 24. Rede descentralizada - I=4 (rede com 33% de distribuição) Mais centralizada do que distribuída
  25. 25. Rede descentralizada + I=8 (rede com 67% de distribuição) Mais distribuída do que centralizada
  26. 26. Rede descentralizada + I = 8,3 (rede com 69% de distribuição) Mais distribuída do que centralizada
  27. 27. Rede distribuída I = 12 (rede com 100% de distribuição; ou seja, rede totalmente distribuída)
  28. 28. Redes ≠ Hierarquias Redes sociais são padrões de organização em que há abundância de caminhos. Hierarquias são o oposto: um campo onde se gerou (artificialmente) escassez de caminhos. ≠
  29. 29. Múltiplos caminhos
  30. 30. Interação ≠ Participação Redes sociais são ambientes de interação, não de participação. ≠
  31. 31. Social ≠ Digital ou Virtual Redes sociais não são sites de relacionamento. Como o nome está dizendo, elas são sociais mesmo, não digitais ou virtuais.
  32. 32. Redes sociais ≠ Ferramentas Blogs nada têm a ver com redes. Já a blogosfera, sim, pode ser um bom exemplo de rede distribuída. Mas também não é uma rede social. Redes sociais são pessoas interagindo, não ferramentas de publicação ou de interação.
  33. 33. Blogosfera
  34. 34. Redes ≠ Plataformas interativas Mas plataformas interativas podem ser boas ferramentas de articulação e animação de redes.
  35. 35. Redes = Redes de pessoas Redes sociais são sempre redes de pessoas. Redes de instituições hierárquicas não podem ser redes distribuídas. ≠
  36. 36. Pessoa ≠ Indivíduo Fractal: pessoa já é rede! (Ou, como captou Novalis, em 1789: “Cada ser humano é uma pequena sociedade”)
  37. 37. Controle Hierarquia Uma imagem aterrorizante?
  38. 38. Zigurat Marduk Organizações hierárquicas de seres humanos geram seres não-humanos. Zigurat Marduk
  39. 39. Marduk “Marduk” Marduk “Marduk”
  40. 40. Repressão ao caos Controle Marduk mata Tiamat “Marduk” (Vader) controla tudo
  41. 41. Rede = Fluição A rede – tal como a fonte daquele heraclítico Goethe – só existe enquanto flui.
  42. 42. Fenomenologia das redes Os fenômenos que ocorrem nas redes independem do conteúdo do que flui. Esses fenômenos – como o clustering, o swarming e o crunching – dependem dos graus de distribuição e conectividade da rede em questão.
  43. 43. Clustering A tendência que têm dois conhecidos comuns a um terceiro de conhecer-se entre si
  44. 44. Clusters Clusters centralizados e descentralizados
  45. 45. Aglomeramento Tudo clusteriza: a tendência ao aglomeramento é função da distributividade e da conectividade da rede
  46. 46. Swarming Insetos enxameando
  47. 47. Enxameamento Nuvem de insetos
  48. 48. Cupins enxameando Cupinzeiro africano
  49. 49. Swarming civil ou societário Distintos grupos e tendências, não coordenados explicitamente entre si, vão aumentando o alcance e a virulências de suas ações... Exemplo: 11 a 13 de março de 2004 na Espanha (papel do SMS = celular)
  50. 50. 11-M España en la calle
  51. 51. Crunching Redução do tamanho (social) do mundo
  52. 52. Amassamento A redução do tamanho social do mundo é função da distributividade e da conectividade da rede social
  53. 53. Experimento de Stanley Milgran Milgram-Travers (1967): 5,5 graus de separação: Milgram: 160 pessoas que moravam em Omaha tentaram enviar cartas para um corretor de valores que trabalhava em Boston utilizando apenas intermediários que se conhecessem pelo nome de batismo.
  54. 54. Experimento de Duncan Watts Duncan Watts et all. (2002): 6 graus de separação. Watts: 60 mil usuários de e-mail tentaram se comunicar com uma de dezoito pessoas-alvo em 13 países, encaminhando mensagens a alguém conhecido.
  55. 55. Mundo pequeno Small is powerfull Quanto menor o tamanho do mundo mais empoderante é o campo social
  56. 56. Desconstituição de hierarquia Tal como a democracia é um movimento de desconstituição de autocracia, as redes devem ser vistas como movimentos de desconstituição de hierarquia. Torre de Babel Agora ateniense
  57. 57. Distribuição Democratização A uma “estrutura” distribuída corresponde um “metabolismo” democrático: o grau de distribuição acompanha o grau de democratização.
  58. 58. +Democracia = Pluriarquia Em redes altamente distribuídas e conectadas a democracia passa a ser pluriarquia.
  59. 59. Redes Cooperação Redes sociais distribuídas são sempre redes de cooperação: tal como a liberdade, a cooperação é um atributo do modo como os seres humanos se organizam e nada mais.
  60. 60. Verdade nas redes sociais Na democracia vale um conceito político de verdade: verdade é tudo que nos faz mais livres. Analogamente, nas redes, verdade é tudo que nos faz mais cooperativos.
  61. 61. A “rede-mãe” Se existe sociedade, então existe uma “rede-mãe”, independentemente de nossos esforços conectivos. Dependendo do grau de distribuição e conectividade que conseguirem alcançar, redes sociais voluntariamente construídas podem ser interfaces para “conversar” com essa “rede-mãe”.
  62. 62. A “rede-mãe”: uma imagem As redes que articulamos voluntariamente são como interfaces para “conversar” com a “rede-mãe”!
  63. 63. Intermitência Como na concepção hindu do universo, as redes que existem independentemente de nossos esforços conectivos renascem a cada momento.
  64. 64. Dificuldades de entender redes Falamos, falamos, falamos sobre redes, mas – naquilo que julgamos fundamental para nossa sobrevivência e para nossa carreira – ainda nos organizamos hierarquicamente.
  65. 65. Comando-e-controle
  66. 66. Por que não entendemos? Estudar as redes, investigá-las, escrever sobre elas ou tentar usá-las para obter algum resultado adianta muito pouco se continuarmos nos organizando hierarquicamente.
  67. 67. Não é falta de informação Ninguém pode ter um entendimento do que são as redes sociais enquanto não for capaz de experimentá-las. Ninguém pode experimentar redes sociais enquanto se relacionar em organizações hierárquicas ou do tipo “cada um no seu quadrado”. O reizinho no seu quadradinho
  68. 68. Ado, a-ado, cada um no seu...
  69. 69. Desconfiança das redes Desconfie dos que desconfiam das redes. São, quase sempre, hierarcas.
  70. 70. Quem não gosta de redes? Seis tipos de gente que costumam não gostar de redes: colecionadores de diplomas, vendedores de ilusões, aprisionadores de corpos, construtores de pirâmides, fabricantes de guerras e condutores de rebanhos.
  71. 71. O indivíduo perdido?
  72. 72. Novas igrejas? Esoterismo digital, elitismo free software e pedantismo hacker não nos aproximam – antes nos afastam – do entendimento das redes sociais.
  73. 73. Os novos papéis sociais Na sociedade em rede os indicadores de sucesso não serão mais a acumulação de riqueza, de poder e de conhecimento atestado por títulos. Estão emergindo novos papéis sociais: Hubs Inovadores Netweavers
  74. 74. Modelos mentais são sociais
  75. 75. Ah!... O insight fundamental A rede não é um instrumento para fazer a mudança: ela já é a mudança.
  76. 76. Pessoas, sempre pessoas Nas redes, as pessoas são muito mais importantes do que as instituições. 4 bilhões de anos de evolução X 20 ou 30 anos (?) de organização
  77. 77. Semente de rede é rede Não adianta tentar fazer netweaving a partir de organizações hierárquicas. Somente redes podem gerar redes.
  78. 78. TAZ Redes distribuídas funcionam, em relação aos ambientes hierárquicos, como aquelas Zonas Autônomas Temporárias (as famosas TAZ, de que falava Hakim Bey).
  79. 79. Não reunir Nas redes, “não reunir é a derradeira ordenação” (Frank Herbert: 1969).
  80. 80. Não fazer igrejinhas “Fazer redes” (netweaving) é, de certo modo, abrir mão de ter sua própria turma, sua patota, sua igrejinha.
  81. 81. Compartilhar agendas Redes extensas só conseguem permanecer com alto grau de distribuição e conectividade a partir da clusterização em torno de agendas compartilhadas.
  82. 82. A arte da política Netweaving não é uma ciência: é uma arte. Por incrível que pareça, é a arte da política.
  83. 83. Netweaving Por que falamos tanto de redes sociais e temos tanta dificuldade de articulá-las Augusto de Franco (09/2009) Netweaver da Escola-de-Redes http://escoladeredes.ning.com

×