INFLUÊNCIA DA CLASSIFICAÇÃO FINAL DA     DISCIPLINA (CFD) DE EDUCAÇÃO FÍSICA,NA MÉDIA DE CURSO DO ENSINO SECUNDÁRIO (E.S.)...
CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO EM ESTUDOAlunos que concluíram o Curso Secundário                                 Nº de Alunos...
CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO EM ESTUDOAlunos que concluíram o Curso Secundário   Dos 139 Alunos que concluíram o Curso do ...
CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA                             POR GÉNERO                                SEXO                      ...
CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA                             POR GÉNERO   Dos 102 Alunos que estão em condições de    se candida...
CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA               POR CURSO (EM Nº ALUNOS)                                                  DISTRIBU...
CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA                             POR CURSO   Dos 102 Alunos que estão em condições de se    candidat...
CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA                       POR MÉDIA DE CURSO E.S.                                                   ...
METODOLOGIA   Os dados foram recolhidos do PROGRAMA    ENES2008 – CÁLCULO DE MÉDIAS e introduzidos    numa folha de cálcu...
METODOLOGIA                                                                                                               ...
METODOLOGIA                                              Folha de Cálculo73    CJ   44                         1      134 ...
INFLUÊNCIA DA CFD - ED. FÍSICA –                    NA MÉDIA DE CURSO E.S.               PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR  ...
TIPO DE INFLUÊNCIA            DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA                    ACESSO AO ENSINO SUPERIOR  ...
TIPO DE INFLUÊNCIA                             POR GÉNERO      DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA              ...
TIPO DE INFLUÊNCIA POR GÉNERO    DA CFD-EF NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO                 AO ENSINO SUPERIOR    No Gé...
TIPO DE INFLUÊNCIA POR CURSO  DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO                  ENSINO SUPERIOR Em todos o...
TIPO DE INFLUÊNCIA EM                CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO              ...
TIPO DE INFLUÊNCIA EM            CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS    DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO             ...
TIPO DE INFLUÊNCIA EM           CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS    DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO            ...
TIPO DE INFLUÊNCIA EM                             ARTES VISUAIS DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO          ...
TIPO DE INFLUÊNCIA POR                               MÉDIA DE CURSO          DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA...
TIPO DE INFLUÊNCIA POR                             MÉDIA DE CURSO          DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA  ...
TIPO DE INFLUÊNCIA POR                                 MÉDIA DE CURSO           DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. P...
TIPO DE INFLUÊNCIA POR                                 MÉDIA DE CURSO           DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. P...
INFLUÊNCIA DA CFD - ED. FÍSICA - NA MÉDIA DE CURSO PARA                    ACESSO AO ENSINO SUPERIOR                      ...
INFLUÊNCIA DA CFD - ED. FÍSICA - NA MÉDIA DE CURSO PARA                    ACESSO AO ENSINO SUPERIOR                      ...
INFLUÊNCIA DA CLASSIFICAÇÃO FINAL DA DISCIPLINA    DE EDUCAÇÃO FÍSICA, NA MÉDIA DE CURSO,      PARA O ACESSO AO ENSINO SUP...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Influência da Classificação de EDF na média de acesso ao ensino superior

614 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Influência da Classificação de EDF na média de acesso ao ensino superior

  1. 1. INFLUÊNCIA DA CLASSIFICAÇÃO FINAL DA DISCIPLINA (CFD) DE EDUCAÇÃO FÍSICA,NA MÉDIA DE CURSO DO ENSINO SECUNDÁRIO (E.S.), PARA O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR MARIA GABRIELA CORVO ANO LECTIVO 2007/08 ESCOLA SECUNDÁRIA 3EB DR.JORGE CORREIA - TAVIRA
  2. 2. CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO EM ESTUDOAlunos que concluíram o Curso Secundário Nº de Alunos 29 8 102 C/ ACESSO AO ENS. SUP. ENS. RECORRENTE ENS. TÉCNOLÓGICOGabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  3. 3. CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO EM ESTUDOAlunos que concluíram o Curso Secundário Dos 139 Alunos que concluíram o Curso do Ensino Secundário: – Apenas 73% destes alunos têm acesso ao Ensino Superior (os restantes não efectuaram os Exames Nacionais)Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  4. 4. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA POR GÉNERO SEXO MASCULINO FEMININOGabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  5. 5. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA POR GÉNERO Dos 102 Alunos que estão em condições de se candidatar ao ensino superior: – 41% são do Género Masculino, e – 59% são do Género Feminino.Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  6. 6. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA POR CURSO (EM Nº ALUNOS) DISTRIBUIÇÃO POR CURSOS 15 23 54 10 C. e Tecnologias C. Socioeconómicas C. Sociais e Humanas Artes VisuaisGabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  7. 7. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA POR CURSO Dos 102 Alunos que estão em condições de se candidatar ao ensino superior: – 52% são de Ciências e Tecnologias; – 23% são de Ciências Sociais e Humanas; – 15% são de Artes Visuais, e – 10% são de Ciências Socioeconómicas.Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  8. 8. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA POR MÉDIA DE CURSO E.S.  55,88% dos alunos possuem uma Média de Curso E.S entre 13,5 a 16,5 Valores.  42,16% dos alunos possuem uma Média de Curso E.S. entre 10 a 13,4 Valores.  1,96% dos alunos possuem uma Média de 10,0 a 13,4 Val. de 13,5 a 16,9 Val. de 17,0 a 20,0 Val. de Curso E.S entre 17,0 a 20 Valores.Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  9. 9. METODOLOGIA Os dados foram recolhidos do PROGRAMA ENES2008 – CÁLCULO DE MÉDIAS e introduzidos numa folha de cálculo; Os alunos foram identificados por um código, e classificados por Género e Curso; A Média de Curso do Ensino Secundário foi recalculada sem a CFD-EF; Foram efectuados os cálculos e analisados os resultados.Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  10. 10. METODOLOGIA Folha de Cálculo FORMAÇÃO GERAL ESPECÍFICA MÉDIA DE CURSO P/A CANDIDATURA 062 - Ciências Sociais e Humanas DIFERÊNÇA (em décimas de Val.) 061 - Ciências Socioeconómicas 060 - Ciências e Tecnologias TEC. INF COMUNICAÇÃO INFLUÊNCIA NEGATIVA INFLUÊNCIA POSITIVA ÁREA PROJECTO 064 - Artes Visuais CFD ED FÍSICA MÉD. S/ ED FÍS PORTUGUÊS D. TRIANAL FILOSOFIA D. BIANAL D. DIANAL L. E. I/II/III OPÇÃONº AL. ALUNO SEXO 1 A 1 1 165 14 16,9 17 17 18 14 17 15 15 19 20 1 4 4 2 B 2 1 134 12 13,6 13 16 13 10 14 13 13 16 14 2 2 2 3 C 3 1 151 14 15,2 15 15 15 14 14 16 14 18 16 3 1 1 4 D 4 1 154 15 15,4 14 13 15 16 16 14 16 17 18 1 0 5 E 5 1 130 13 13,0 12 16 11 12 10 10 15 15 16 2 0 6 F 6 1 133 16 13,0 13 11 12 13 11 10 11 17 19 1 -3 -3 7 G 7 1 152 13 15,4 14 16 15 14 15 13 16 18 18 4 2 2 8 H 1 1 124 15 12,1 10 10 11 14 11 12 12 11 18 2 -3 -3 9 I 2 1 147 17 14,4 15 14 15 14 13 13 13 15 18 3 -3 -3 10 J 3 1 143 14 14,3 13 17 14 14 12 13 15 15 16 3 0 11 K 8 1 121 12 12,1 12 10 13 14 12 10 11 12 15 4 0 12 L 4 1 132 17 12,8 12 12 11 13 14 12 12 14 15 4 -4 -4 13 M 5 1 144 17 14,1 11 12 13 15 20 11 15 13 17 5 -3 -3 14 N 9 1 150 14 15,1 16 17 16 16 10 13 16 15 17 5 1 1 15 O 10 1 150 16 14,9 12 15 14 16 15 14 15 15 18 6 -1 -1 16 P 11 1 143 16 14,1 12 12 12 15 12 14 16 16 18 7 -2 -2 17 Q 12 1 167 17 16,7 16 16 19 15 17 15 15 18 19 5 0 18 R 13 1 143 16 14,1 12 12 14 14 12 16 13 16 18 8 -2 -2 19 S 14 1 137 12 13,9 13 14 12 11 14 12 15 18 16 6 2 2 20 T 15 1 157 13 16,0 15 15 16 17 14 14 16 18 19 7 3 3 21 U 16 1 132 13 13,2 13 14 12 12 12 13 14 16 13 6 0 22 V 6 1 141 13 14,2 14 12 13 14 14 13 14 17 17 8 1 1 23 W 17 1 144 16 14,2 12 14 12 18 13 14 15 14 16 9 -2 -2 24 y 7 1 129 14 12,8 11 13 10 15 12 13 17 10 14 10 -1 -1 25 Z 18 1 127 13 12,7 10 11 11 12 14 10 13 15 18 7 0 26 AA 19 1 119 14 11,7 11 11 10 12 11 10 11 14 15 11 -2 -2 Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  11. 11. METODOLOGIA Folha de Cálculo73 CJ 44 1 134 13 13,4 10 12 12 12 14 15 14 15 17 17 074 CK 45 1 143 14 14,3 13 16 16 16 10 13 14 14 17 18 075 CL 31 1 120 14 11,8 11 14 10 12 11 11 12 11 14 39 -2 -276 CM 46 1 136 18 13,1 10 10 13 12 13 14 14 15 17 40 -5 -577 CN 32 1 123 15 12,0 10 13 10 13 12 10 13 15 12 41 -3 -378 CO 33 1 179 18 17,9 17 19 19 15 18 18 17 19 19 19 079 CP 34 1 145 14 14,6 15 13 17 13 12 14 14 15 18 19 1 180 CQ 47 1 125 13 12,4 12 10 13 12 11 11 11 15 17 42 -1 -181 CR 48 1 131 15 12,9 13 11 15 12 11 10 11 16 17 43 -2 -282 CS 35 1 122 13 12,1 10 18 10 14 12 10 11 10 14 44 -1 -183 CT 36 1 116 15 11,2 10 13 10 11 10 10 11 12 14 45 -4 -484 CU 37 1 143 16 14,1 15 17 17 14 10 10 12 14 18 46 -2 -285 CV 38 1 127 13 12,7 11 12 11 10 12 11 15 17 15 20 086 CW 39 1 148 16 14,7 13 14 13 16 13 15 14 16 18 47 -1 -187 CY 49 1 142 14 14,2 12 11 15 14 13 14 15 16 18 21 088 CZ 50 1 157 15 15,8 15 12 17 17 14 12 18 18 19 20 1 189 DA 40 1 116 15 11,3 10 14 12 10 11 12 10 11 48 -4 -490 DB 51 1 160 16 16,0 16 15 19 18 14 11 14 18 19 22 091 DC 52 1 157 14 15,9 14 18 15 18 13 12 15 19 19 21 2 292 DD 53 1 169 17 16,9 15 16 17 18 16 14 17 20 19 23 093 DE 54 1 134 13 13,4 10 19 12 14 12 10 13 15 16 24 094 DF 55 1 153 15 15,3 17 17 15 15 12 13 14 17 18 25 095 DG 56 1 136 14 13,6 14 15 13 15 11 10 12 15 17 26 096 DH 57 1 156 17 15,4 14 14 16 17 12 16 16 17 17 49 -2 -297 DI 58 1 132 13 13,2 11 11 12 16 13 14 13 15 14 27 098 DJ 59 1 123 14 12,1 10 11 10 11 10 11 14 16 16 50 -2 -299 DK 41 1 155 17 15,3 14 17 16 15 15 14 13 16 18 51 -2 -2100 DL 42 1 138 17 13,4 11 13 13 12 14 11 13 17 17 52 -4 -4101 DM 60 1 128 17 12,4 12 10 12 12 10 12 15 16 53 -4 -4102 DN 61 1 137 13 13,8 13 15 14 14 12 12 13 14 17 22 1 1 % 41 54 10 23 15 139,275 13,8 -100 38 -138 % 59,8 52,94 9,804 22,55 14,71 = 21,6 % (1,73) -0,98 1,73 -2,60 = 26,5 % 0 = 52 % (-2,60) 102Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  12. 12. INFLUÊNCIA DA CFD - ED. FÍSICA – NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR A Média das Classificações de Curso do E.S. dos alunos da nossa escola é de 13,9 Valores A Média das Classificações de Curso E.S. sem CFD-Ed. Física é de 13,8 Valores Assim a classificação da disciplina de Educação Física Influencia Positivamente mais de 1 décima, na Média de Curso do E.S., para Acesso ao Ensino Superior. Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  13. 13. TIPO DE INFLUÊNCIA DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR INFLUÊNCIA DA ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO  em 22% dos alunos a influência é Negativa INF. NEGATIVA (-1,7 décimas de Val.)  em 26% dos alunos não tem influênciaINF. POSITIVA  Em 52% dos alunos INF. NEUTRA a influência é Positiva (+2,6 décimas de Val.) Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  14. 14. TIPO DE INFLUÊNCIA POR GÉNERO DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 90 MASCULINO 80 FEMININO 70 60 50 % 40 30 20 10 0 INF.NEGATIVA INF. NEUTRA INF. POSITIVAGabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  15. 15. TIPO DE INFLUÊNCIA POR GÉNERO DA CFD-EF NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR No Género Masculino a influência é francamente positiva : – 80% dos alunos têm um incremento de 2,85 décimas de Valores na Média curso E.S. (7% com -1,33 décimas) No Género Feminino a influência é positiva : – 33% dos alunos com um incremento de 2,20 décimas na Média de curso E.S. (31% com -1,79 décimas)Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  16. 16. TIPO DE INFLUÊNCIA POR CURSO DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Em todos os Cursos a Influência Positiva é superior à Influência Negativa: 60 CIÊN. E TECN. CIÊN. SOCIOEC. 50 CIÊN. SOC. E HUM. A RTE V ISUA IS S 40% 30 20 10 0 INF.NEGATIVA INF. NEUTRA INF. POSITIVAGabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  17. 17. TIPO DE INFLUÊNCIA EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR No Curso de Ciências e Tecnologias, o tipo de Influência é Positiva em 1,31 décimas de Valores : – Em 56% dos alunos, o tipo de Influência é Positiva em +2,93 décimas de valores; – e em apenas 20% dos alunos, o tipo de Influência é Negativa em (-1,55 décimas de Valores).Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  18. 18. TIPO DE INFLUÊNCIA EM CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR No Curso de Ciências Socioeconómicas, o tipo de Influência é Positiva em 1 décima de Valores: – Em 60% dos alunos, o tipo de Influência é Positiva em +1,63 décimas de valores. – Neste curso, a CFD-EF não influenciou negativamente nenhum aluno.Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  19. 19. TIPO DE INFLUÊNCIA EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR No Curso de Ciências Sociais e Humanas, o tipo de Influência é Positiva em 0,26 décimas de Valores : – Em 43% dos alunos, o tipo de Influência é Positiva em +2,00 décimas de valores. – e em 30% dos alunos, o tipo de Influência é Negativa em -2,00 décimas de Valores.Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  20. 20. TIPO DE INFLUÊNCIA EM ARTES VISUAIS DA CFD-E.F NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR No Curso de Artes Visuais, o tipo de Influência é Positiva em 0,87 décimas de Valores : – Em 47% dos alunos, o tipo de Influência é Positiva em +2,65 décimas de valores; – e em 27% dos alunos, o tipo de Influência é Negativa em -1,75 décimas de Valores.Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  21. 21. TIPO DE INFLUÊNCIA POR MÉDIA DE CURSO DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR INF. POSITIVA INF. NEUTRA INF. NEGATIVAde 17,0 a 20,0 Val.de 13,5 a 16,9 Val.de 10,0 a 13,4 Val. 0 10 20 30 40 50 60 %Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  22. 22. TIPO DE INFLUÊNCIA POR MÉDIA DE CURSO DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Na categoria 10 a 13,4 Valores, a Influência é Positiva, sendo a média de +1,51 décimas de Valores. – 62,8% dos alunos com uma Influência Positiva de +2,70 décimas de Valores e 11,6% com uma Influência Negativa de -1,60 décimas de Valores. Na categoria 13,5 a 16,9 Val., a Influência é Positiva, sendo a média de +0,65 décimas de Valores. – 45,6% dos alunos com uma Influência Positiva de +2,50 décimas de Valores e 28,1% com uma Influência Negativa de -1,75 décimas de Valores. Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  23. 23. TIPO DE INFLUÊNCIA POR MÉDIA DE CURSO DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Tanto na categoria de 10,0 a 13,4 Valores, como na de 13,5 a 16,9 Valores de Média de Curso, que representam 98,02% dos alunos, verifica-se que a Influência Positiva é superior à Influência Negativa. Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  24. 24. TIPO DE INFLUÊNCIA POR MÉDIA DE CURSO DA CFD-ED. FÍSICA NA MÉDIA DE CURSO E.S. PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Na categoria de 17,0 a 20,0 Valores, que representa 1,98% dos alunos (2 alunos), a Influência é Negativa num aluno (de -2,00 décimas de Valores) e Neutra no outro Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  25. 25. INFLUÊNCIA DA CFD - ED. FÍSICA - NA MÉDIA DE CURSO PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR CONCLUSÃO A Classificação Final da Disciplina(CFD) de Educação Física Influencia positivamente na Média de Curso para o Acesso ao Ensino Superior, no valor, em média, de 1 décima. Tanto por Sexo como por Curso, a Influência da CFD - Educação Física continua a ser Positiva, sendo mais significativa esta influência no Sexo Masculino, assim como no Curso de Ciências Socioeconómicas, no qual não existe nenhum aluno cuja influência da CFD-EF seja negativa. Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  26. 26. INFLUÊNCIA DA CFD - ED. FÍSICA - NA MÉDIA DE CURSO PARA ACESSO AO ENSINO SUPERIOR CONCLUSÃO (cont.) Quanto à Influência da CFD - Educação Física na Média de Curso para o Acesso ao Ensino Superior, no que se refere ao agrupamento de alunos por Categorias de Médias de Curso do Ensino Secundário, verifica-se que, tanto na categoria de 10,0 a 13,4 Valores como na de 13,5 a 16,9 Valores (que representam 98,02% dos alunos), a Influência é Positiva, de +1,08 décimas de Valores por aluno. Apenas na Categoria de 17,0 a 20,0 Valores, a qual representa apenas 1,98% dos alunos (2 alunos), a Influência é Negativa num aluno e Neutra no outro. Gabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira
  27. 27. INFLUÊNCIA DA CLASSIFICAÇÃO FINAL DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, NA MÉDIA DE CURSO, PARA O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR FIMGabriela Corvo – 2007/2008 Esc. Sec. 3EB Dr. Jorge Correia - Tavira

×