POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
PALESTRA - ENG. MEIO AMBIENTE - UFC 2016
Apresentação
• LUIS HENRIQUE NUNES QUEZADO
• ENG. QUÍMICO (2010)
• ESP. ENG. AMBIENTAL (2013)
• ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO...
Conceito de
Poluição Ambiental
• Qualquer tipo de degradação ao ambiente;
• Alteram as atividades/saúde dos seres vivos;
•...
Conceito de
Poluição Ambiental
• Tipos de poluição:
- Física;
- Química;
- Físico Química;
- Biológica/Bioquímica;
- Radia...
HISTÓRICO
Formas de Poluição
• 1º Forma de Poluição - Defecar - Biológico (Pré-
história)
• Domínio do fogo - Físico-Quími...
HISTÓRICO
Formas de Controle
• O ato de enterrar os dejetos - ???
• Cloaca Máxima - Roma, Século 6 a.C.
• Utilização de Po...
HISTÓRICO
Causas
• Demanda de Alimentos
• Demanda por transporte e comunicação
• Demanda energética
• Demanda por produção
HISTÓRICO
Consequências
• Desmatamento / Desertificação
• Mudanças Climáticas
• Poluição de rios, lagos, mares
• Poluição d...
POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
Importância do Ar
• Consumo médio
humano adulto:
• Tempo máximo de
Abstinência:
- 1,5kg Alimento - Alimento: 5+ Semanas
- ...
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Características Físicas:
• Divisão em Camadas
- Decaimento constante de ...
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Características Químicas:
• Composição
- 78% Nitrogênio (N2) - 780.000 M...
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Características Químicas:
• Composição/Tempo de Residência:
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Características Químicas:
• Transformações:
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Ciclos:
• Carbono (C)
• Nitrogênio (N)
• Enxofre (S)
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Ciclos:
• Carbono (C)
• Nitrogênio (N)
• Enxofre (S)
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Ciclos:
• Carbono (C)
• Nitrogênio (N)
• Enxofre (S)
Características Físicas e
Químicas da Atmosfera
• Ciclos:
• Carbono (C)
• Nitrogênio (N)
• Enxofre (S)
Tipos de Emissões
Atmosféricas
• Fumaça Negra
• Cheiro/Odor
• Vapores/Gases
• Materiais Particulados (MP)
Tipos de Emissões
Atmosféricas
• Vapores / Gases:
- Vapores: Forma gasosa de substância
normalmente sólidas ou líquidas; G...
Tipos de Emissões
Atmosféricas
- Poeiras: Partículas sólidas por manipulação; Sílica, Algodão
- Fumos: Partículas sólidas ...
Principais Fontes e
Poluentes do Ar
• Fontes Naturais
• Fontes Antrópicas
Principais Fontes e
Poluentes do Ar
• Fontes Naturais:
-Solo: N2O, NH3, CH4, NO, H2S.
-Vegetação: Polinização (Compostos O...
Principais Fontes e
Poluentes do Ar
• Fontes Antrópicas
-Fontes Estacionárias
‣Combustão: MP, SO2, SO3, CO, HxCy, NOx
‣Pro...
Principais Fontes e
Poluentes do Ar
Estimativa de emissão de fontes de poluição do ar na RMSP em 1996
Efeitos da Poluição do Ar
• Maus Odores
• Alteração de propriedades da Atmosfera
• Danos econômicos e materiais
• Danos so...
Efeitos da Poluição do Ar
• Alteração de propriedades da Atmosfera
- Destruição da camada de ozônio;
- Aumento da concentr...
Efeitos da Poluição do Ar
• Danos econômicos e materiais
- Ataque químico direto e indireto;
- Abrasão;
- Corrosão eletroq...
Efeitos da Poluição do Ar
• Danos sobre a Vegetação:
- Alteração de coloração
- Alteração de crescimento
- Colapso do teci...
Efeitos da Poluição do Ar
• Danos sobre a animais e demais seres vivos:
- Irritantes / Alergizantes
- Asfixiantes
- Narcóti...
Exemplos
Casos Históricos
• Vale do Meuse, 1930 (Bélgica)
• Duração: 5 dias
• Sintomas: População com dores no peito, toss...
Exemplos
Casos Históricos
• Donora, 1948 (Pensilvania, E.U.A)
• Duração: 5 dias
• Sintomas: 43% da população doente com ir...
Exemplos
Casos Históricos
• Londres, 1952 (Inglaterra)
• Duração: 5 Dias
• Sintomas: Número crescente e alarmante de
adoec...
Exemplos
Casos Históricos
• Bauru, 1952 (São Paulo Brasil)
• Duração: 1 semana
• Sintomas: 150 casos de doença respiratóri...
Exemplos
Casos Históricos
• Poza Rica, 1955 (México)
• Duração: 25 minutos
• Sintomas: 320 pessoas hospitalizadas com dano...
Exemplos
Casos Históricos
• Sevezo, 1976 (Itália)
• Resultado: 500 moradores com problemas de pele
(cloracne) e abordo de ...
Exemplos
Casos Históricos
• Lago da Paz, 1986 (República dos Camarões)
• Resultado: 1700 mortos - Asfixia ou Queimaduras
in...
Parâmetros a Serem
Avaliados
• Parâmetros Padronizados no Brasil (CONAMA 03/90):
- Partículas totais em suspensão (PTS);
-...
Níveis de Concentração e
Padrões de Qualidade
Município
Estado
PaísQuem Define?
Exterior
Níveis de Concentração e
Padrões de Qualidade
• País - Brasil
- Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA)
- Instituto Br...
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
• Analisar e prever o grau de instabilidade da atmosfera
• Condições de Instabilidade:...
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
• Plumas tipo Coning:
- Condições atmosféricas semelhantes a serpenteante , entretanto...
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
• Plumas tipo Fanning:
- Grande estabilidade atmosférica;
- Ausência de efeitos mecâni...
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
• Plumas tipo Fumigation:
- Ocorre quando a pluma fica aprisionada em uma capa de inver...
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
• Plumas tipo Looping:
- Atmosfera instável;
- Ventos fracos;
- Pode ter altas concent...
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
• Plumas tipo Lofting:
- A pluma possui energia suficiente para atravessar a capa de in...
Conceitos de
Modelagem de Dispersão
• Plumas tipo Trapping:
- Condição neutra ou levemente estável abaixo da
inversão.



Exemplos de Plumas
Exemplos de Plumas
Plumas tipo Lofting

Plumas tipo Coning

Exemplos de Plumas
Plumas tipo Lofting

Exemplos de Plumas
Exemplos de Plumas
Plumas tipo Trapping

Plumas tipo Looping

Exemplos de Plumas
Plumas tipo Trapping

Plumas tipo Looping

?
Tipos de Ventos
• Jet Stream (Correntes do Jato)
• Ventos Alísios
• Ciclone
• Anti-Ciclone
• Brisa
• Monção
Tipos de Ventos
• Jet Stream (Correntes do Jato)
• Ventos Alísios
• Ciclone
• Anti-Ciclone
• Brisa
• Monção
Tipos de Ventos
• Jet Stream (Correntes do Jato)
• Ventos Alísios
• Ciclone
• Anti-Ciclone
• Brisa
• Monção
Tipos de Ventos
• Jet Stream (Correntes do Jato)
• Ventos Alísios
• Ciclone
• Anti-Ciclone
• Brisa
• Monção
Tipos de Ventos
• Jet Stream (Correntes do Jato)
• Ventos Alísios
• Ciclone
• Anti-Ciclone
• Brisa
• Monção
Tipos de Ventos
• Jet Stream (Correntes do Jato)
• Ventos Alísios
• Ciclone
• Anti-Ciclone
• Brisa
• Monção
Tipos de Ventos
Dispersão de Poluentes
na Atmosfera
Dispersão de Poluentes
na Atmosfera
Monitoramento de
Emissões e Sua Importância
• Analisar a qualidade da emissão;
• Atendimento às normas ambientais;
• Condi...
Monitoramento de
Emissões e Sua Importância
• Comumente avalia-se:
- Material Particulado/Inalável em ambientes abertos;
-...
Diferentes de
Pontos de Amostragem
• Caldeira / Forno:
• Caldeira: Vaso de pressão, produz vapor com alta
temperatura e pr...
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Caldeira
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Forno
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Forno
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Caldeira
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Caldeira
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Forno
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Trocador de Calor
Diferentes de
Pontos de Amostragem
Gerador
Exemplo de
percepção de melhorias
Exemplos de Amostradores
•Gases de Combustão
Exemplos de Amostradores
•Material Particulado
Exemplos de Amostradores
•Material Particulado Inalável
Métodos de
Controle e Prevenção
• Umectação de Vias / Aspersão
• Lavador de Gases
• Separadores inerciais / Ciclones
• Fil...
Métodos de
Controle e Prevenção
Métodos de
Controle e Prevenção
Bibliografia
• Boubel, Richard W; Fox, Donald L.; Turner, Bruce D.; Stern, Arthur C.
Fundamentals of Air Pollution. Terceir...
Obrigado!
Luis Henrique Nunes Quezado
HQ Engenharia
contato@hqengenharia.com.br / luis.quezado@hqengenharia.com.br
luishnq...
Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016

172 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada em 18/04/2016, na disciplina de Engenharia do Meio Ambiente, para a turma de Engenharia Química da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
172
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra: Poluição Atmosférica - UFC - Abril - 2016

  1. 1. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA PALESTRA - ENG. MEIO AMBIENTE - UFC 2016
  2. 2. Apresentação • LUIS HENRIQUE NUNES QUEZADO • ENG. QUÍMICO (2010) • ESP. ENG. AMBIENTAL (2013) • ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO (2016) • EXPERIÊNCIA EM MONITORAMENTO DE CONDICIONANTES AMBIENTAIS • ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ADEQUAÇÃO • REALIZAÇÃO DE PALESTRAS, CURSOS E TREINAMENTOS • PARTICIPAÇÃO DE PERÍCIAS E BANCAS
  3. 3. Conceito de Poluição Ambiental • Qualquer tipo de degradação ao ambiente; • Alteram as atividades/saúde dos seres vivos; • Água, Solo, Ar, Ambiente
  4. 4. Conceito de Poluição Ambiental • Tipos de poluição: - Física; - Química; - Físico Química; - Biológica/Bioquímica; - Radiativa;
  5. 5. HISTÓRICO Formas de Poluição • 1º Forma de Poluição - Defecar - Biológico (Pré- história) • Domínio do fogo - Físico-Química (Meio Milhão de anos atrás) - 1º forma de poluição atmosférica. • Irrigação em terras planas: Salinização do solo - Química (3500 - 1800 A.C.)
  6. 6. HISTÓRICO Formas de Controle • O ato de enterrar os dejetos - ??? • Cloaca Máxima - Roma, Século 6 a.C. • Utilização de Porcos - Idade Média
  7. 7. HISTÓRICO Causas • Demanda de Alimentos • Demanda por transporte e comunicação • Demanda energética • Demanda por produção
  8. 8. HISTÓRICO Consequências • Desmatamento / Desertificação • Mudanças Climáticas • Poluição de rios, lagos, mares • Poluição de Solo e águas subterrâneas • Poluição do Ar / SMOG
  9. 9. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
  10. 10. Importância do Ar • Consumo médio humano adulto: • Tempo máximo de Abstinência: - 1,5kg Alimento - Alimento: 5+ Semanas - 2kg Água - 15kg Ar (relativamete puro) - Água: 5 Dias - Ar: 5 Minutos
  11. 11. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Características Físicas: • Divisão em Camadas - Decaimento constante de densidade - Variação não uniforme de temperatura
  12. 12. Características Físicas e Químicas da Atmosfera
  13. 13. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Características Químicas: • Composição - 78% Nitrogênio (N2) - 780.000 Moléculas - 21% Oxigênio (O2)- 210.000 Moléculas - 1% Outros ‣ Ar, Ne, Xe e outros Gases Nobres - 9.300 Moléculas ‣ Gás Carbônico (CO2) - 300 Moléculas ‣ Outros elementos (SO2, NO2, O3…) - 400 Moléculas
  14. 14. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Características Químicas: • Composição/Tempo de Residência:
  15. 15. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Características Químicas: • Transformações:
  16. 16. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Ciclos: • Carbono (C) • Nitrogênio (N) • Enxofre (S)
  17. 17. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Ciclos: • Carbono (C) • Nitrogênio (N) • Enxofre (S)
  18. 18. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Ciclos: • Carbono (C) • Nitrogênio (N) • Enxofre (S)
  19. 19. Características Físicas e Químicas da Atmosfera • Ciclos: • Carbono (C) • Nitrogênio (N) • Enxofre (S)
  20. 20. Tipos de Emissões Atmosféricas • Fumaça Negra • Cheiro/Odor • Vapores/Gases • Materiais Particulados (MP)
  21. 21. Tipos de Emissões Atmosféricas • Vapores / Gases: - Vapores: Forma gasosa de substância normalmente sólidas ou líquidas; Gasolina, Água, Mercúrio, Benzeno, Alcool Etílico, Naftalina, etc. - Gases: Substâncias naturalmente gasosas; Monóxido de Carbono, Cloro, Ozônio, etc.
  22. 22. Tipos de Emissões Atmosféricas - Poeiras: Partículas sólidas por manipulação; Sílica, Algodão - Fumos: Partículas sólidas de condensação ou sublimação; Chumbo, Alumínio, Zinco, etc. - Névoas: Gotículas líquidas em suspensão; Ácido Sulfúrico, Tintas, etc. - Aerossóis: Partículas em suspensão que podem produzir espelhamento de luz. - Catalizadores: Partículas em suspensão que impactam indiretamente. • Material Particulado:
  23. 23. Principais Fontes e Poluentes do Ar • Fontes Naturais • Fontes Antrópicas
  24. 24. Principais Fontes e Poluentes do Ar • Fontes Naturais: -Solo: N2O, NH3, CH4, NO, H2S. -Vegetação: Polinização (Compostos Orgânicos) -Vulcões: MP (1um, 20-30km, 2-12 anos na estratosfera) + NOx, Sox, H2Sm HCl, HF, SCO, etc. -Oceanos: CO, CO2, CH4, N2), CS2, SCO, ClCH3, etc.
  25. 25. Principais Fontes e Poluentes do Ar • Fontes Antrópicas -Fontes Estacionárias ‣Combustão: MP, SO2, SO3, CO, HxCy, NOx ‣Processos Industriais: MP, SO2, SO3, Hal, HxCy, NOx - Fontes Móveis ‣Veículos: MP, CO, NOx, HxCy, Aldeídos e Ac. Orgânicos
  26. 26. Principais Fontes e Poluentes do Ar Estimativa de emissão de fontes de poluição do ar na RMSP em 1996
  27. 27. Efeitos da Poluição do Ar • Maus Odores • Alteração de propriedades da Atmosfera • Danos econômicos e materiais • Danos sobre vegetação • Dano sobre animais e demais seres vivos
  28. 28. Efeitos da Poluição do Ar • Alteração de propriedades da Atmosfera - Destruição da camada de ozônio; - Aumento da concentração de poluentes na atmosfera; - Alteração meteorológica a nivel de micro-clima;
  29. 29. Efeitos da Poluição do Ar • Danos econômicos e materiais - Ataque químico direto e indireto; - Abrasão; - Corrosão eletroquímica;
  30. 30. Efeitos da Poluição do Ar • Danos sobre a Vegetação: - Alteração de coloração - Alteração de crescimento - Colapso do tecido foliar
  31. 31. Efeitos da Poluição do Ar • Danos sobre a animais e demais seres vivos: - Irritantes / Alergizantes - Asfixiantes - Narcóticos - Intoxicantes
  32. 32. Exemplos Casos Históricos • Vale do Meuse, 1930 (Bélgica) • Duração: 5 dias • Sintomas: População com dores no peito, tosse, dificuldade em respirar e irritação nasal e nos olhos. • Resultado: 60 mortos, principalmente idosos; Morte de gado • Causa: Acentuada inversão térmica, presença de Ácido sulfúrico em suspensão e Concentração elevada de Dióxido de Enxofre no ar
  33. 33. Exemplos Casos Históricos • Donora, 1948 (Pensilvania, E.U.A) • Duração: 5 dias • Sintomas: 43% da população doente com irritação nasal e nos olhos. • Resultado: 20 mortos. • Causa: Inversão térmica, presença de Dióxido de Enxofre e Material particulado em suspensão no ar
  34. 34. Exemplos Casos Históricos • Londres, 1952 (Inglaterra) • Duração: 5 Dias • Sintomas: Número crescente e alarmante de adoecimento na população. • Resultado: 3.500 a 4.000 mortos. Principalmente idosos ou portadores de bronquite e doenças no coração • Causa: Presença de poeira em suspensão (4,46 mg/m³) e Dióxido de enxofre (3,75 mg/m³) na atmosfera.
  35. 35. Exemplos Casos Históricos • Bauru, 1952 (São Paulo Brasil) • Duração: 1 semana • Sintomas: 150 casos de doença respiratória aguda. Principalmente bronquite e alergias. • Resultado: 9 mortos. • Causa: Emissão de pó de mamona.
  36. 36. Exemplos Casos Históricos • Poza Rica, 1955 (México) • Duração: 25 minutos • Sintomas: 320 pessoas hospitalizadas com danos no trato respiratório. • Resultado: 22 mortos. • Causa: Presença de gás sulfídrico na atmosfera.
  37. 37. Exemplos Casos Históricos • Sevezo, 1976 (Itália) • Resultado: 500 moradores com problemas de pele (cloracne) e abordo de 113 mulheres por bebês defeituosos. • Causa: Lançamento de 2kg de dioxinas na atmosfera em uma cidade vizinha (Meda). A dioxina em dose de 0,2 ppb já altera cromossomos humanos.
  38. 38. Exemplos Casos Históricos • Lago da Paz, 1986 (República dos Camarões) • Resultado: 1700 mortos - Asfixia ou Queimaduras internas de primeiro e segundo grau. • Causa: Nuvem de gases expelidas por um lago vulcânico composta de, principalmente, Gás Sulfídrico, Dióxido de Carbono, Monóxido de Carbono e Ácido Sulfúrico.
  39. 39. Parâmetros a Serem Avaliados • Parâmetros Padronizados no Brasil (CONAMA 03/90): - Partículas totais em suspensão (PTS); - Fumaça; - Dióxido de enxofre (SO2); - Partículas inaláveis (MP10); - Monóxido de Carbono (CO); - Ozônio (O2); - Dióxido de Nitrogênio (NO2). 

  40. 40. Níveis de Concentração e Padrões de Qualidade Município Estado PaísQuem Define? Exterior
  41. 41. Níveis de Concentração e Padrões de Qualidade • País - Brasil - Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) • Estado - Ceará - Superintendência Estadual do Meio Ambiente - Ceará (SEMACE) - Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) • Município - Fortaleza - Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (SEUMA)
  42. 42. Conceitos de Modelagem de Dispersão
  43. 43. Conceitos de Modelagem de Dispersão • Analisar e prever o grau de instabilidade da atmosfera • Condições de Instabilidade: - Forte intensidade de Radiação Solar - Céu com nebulosidade de tipo cúmulo convectivo - Gradiente superadiabático - Vento entre Fraco e Moderado - Temperatura elevada • Condições de Neutralidade: - Vento forte a moderado - Céu Nublado - Forte mistura mecânica - Não há resfriamento nem aquecimento - A temperatura estabelece perfil adiabático
  44. 44. Conceitos de Modelagem de Dispersão
  45. 45. Conceitos de Modelagem de Dispersão
  46. 46. Conceitos de Modelagem de Dispersão • Plumas tipo Coning: - Condições atmosféricas semelhantes a serpenteante , entretanto, mais moderadas; - Dias ensolarados, entretanto nublados (dias de tempestade de verão, comum na primavera ou outono - presença de nuvens cumulus); - Perfeitamente visíveis ao cair da tarde quando a atmosfera é quase neutra; - Ventos com intensidade média; 

  47. 47. Conceitos de Modelagem de Dispersão • Plumas tipo Fanning: - Grande estabilidade atmosférica; - Ausência de efeitos mecânicos; - Típicos da caída da tarde, noite e amanhecer. 

  48. 48. Conceitos de Modelagem de Dispersão • Plumas tipo Fumigation: - Ocorre quando a pluma fica aprisionada em uma capa de inversão na qual esta capa se rompe pela parte inferior, deixando livre a pluma; - Elevados teores de concentração (perigoso); - Típico das primeiras horas após a saída do sol, que provoca instabilidade junto ao solo (após uma noite com inversão ou grande estabilidade). 
 

  49. 49. Conceitos de Modelagem de Dispersão • Plumas tipo Looping: - Atmosfera instável; - Ventos fracos; - Pode ter altas concentrações de poluentes: 40% maior que uma pluma tipo conning; - Dias típicos de verão (ensolarado) - Turbulência mecânica acurada. 
 

  50. 50. Conceitos de Modelagem de Dispersão • Plumas tipo Lofting: - A pluma possui energia suficiente para atravessar a capa de inversão; - A parte inferior da pluma fica aprisionada na parte superior da inversão e a superior da pluma segue difundindo-se; - Melhor caso de dispersão de plumas (chaminés da ordem de 200 metros); - Típico do entardecer. 
 

  51. 51. Conceitos de Modelagem de Dispersão • Plumas tipo Trapping: - Condição neutra ou levemente estável abaixo da inversão.
 

  52. 52. Exemplos de Plumas
  53. 53. Exemplos de Plumas Plumas tipo Lofting
 Plumas tipo Coning

  54. 54. Exemplos de Plumas Plumas tipo Lofting

  55. 55. Exemplos de Plumas
  56. 56. Exemplos de Plumas Plumas tipo Trapping
 Plumas tipo Looping

  57. 57. Exemplos de Plumas Plumas tipo Trapping
 Plumas tipo Looping
 ?
  58. 58. Tipos de Ventos • Jet Stream (Correntes do Jato) • Ventos Alísios • Ciclone • Anti-Ciclone • Brisa • Monção
  59. 59. Tipos de Ventos • Jet Stream (Correntes do Jato) • Ventos Alísios • Ciclone • Anti-Ciclone • Brisa • Monção
  60. 60. Tipos de Ventos • Jet Stream (Correntes do Jato) • Ventos Alísios • Ciclone • Anti-Ciclone • Brisa • Monção
  61. 61. Tipos de Ventos • Jet Stream (Correntes do Jato) • Ventos Alísios • Ciclone • Anti-Ciclone • Brisa • Monção
  62. 62. Tipos de Ventos • Jet Stream (Correntes do Jato) • Ventos Alísios • Ciclone • Anti-Ciclone • Brisa • Monção
  63. 63. Tipos de Ventos • Jet Stream (Correntes do Jato) • Ventos Alísios • Ciclone • Anti-Ciclone • Brisa • Monção
  64. 64. Tipos de Ventos
  65. 65. Dispersão de Poluentes na Atmosfera
  66. 66. Dispersão de Poluentes na Atmosfera
  67. 67. Monitoramento de Emissões e Sua Importância • Analisar a qualidade da emissão; • Atendimento às normas ambientais; • Condicionantes de licença; • Realizar correção antes que o dano seja agravado; • Percepção de falhas -> Melhoria de resultados
  68. 68. Monitoramento de Emissões e Sua Importância • Comumente avalia-se: - Material Particulado/Inalável em ambientes abertos; - Qualidade de gás de combustão em Fornos/ Caldeiras/Geradores; - Presença de material biológico (fungos) em ambiente fechado;
  69. 69. Diferentes de Pontos de Amostragem • Caldeira / Forno: • Caldeira: Vaso de pressão, produz vapor com alta temperatura e pressão. Faz parte do setor de Utilidades tem participação indireta na fabricação do produto final; • Forno: Câmara de combustão, realiza a queima direta e produção do produto;
  70. 70. Diferentes de Pontos de Amostragem Caldeira
  71. 71. Diferentes de Pontos de Amostragem Forno
  72. 72. Diferentes de Pontos de Amostragem Forno
  73. 73. Diferentes de Pontos de Amostragem Caldeira
  74. 74. Diferentes de Pontos de Amostragem Caldeira
  75. 75. Diferentes de Pontos de Amostragem Forno
  76. 76. Diferentes de Pontos de Amostragem Trocador de Calor
  77. 77. Diferentes de Pontos de Amostragem Gerador
  78. 78. Exemplo de percepção de melhorias
  79. 79. Exemplos de Amostradores •Gases de Combustão
  80. 80. Exemplos de Amostradores •Material Particulado
  81. 81. Exemplos de Amostradores •Material Particulado Inalável
  82. 82. Métodos de Controle e Prevenção • Umectação de Vias / Aspersão • Lavador de Gases • Separadores inerciais / Ciclones • Filtros • Ventilação Diluidora / Exaustora • Outros
  83. 83. Métodos de Controle e Prevenção
  84. 84. Métodos de Controle e Prevenção
  85. 85. Bibliografia • Boubel, Richard W; Fox, Donald L.; Turner, Bruce D.; Stern, Arthur C. Fundamentals of Air Pollution. Terceira Edição, Ed. Academic Press; • Macintyre, A. J. Ventilação industrial e controle da poluição. Ed. Guanabara, Rio de Janeiro; • Schnelle, Jr., Karl B. Brown, Charles A. Air Pollution Control Technology Handbook. 2002, Editora CRC; • MANAHAN, S. E. Química Ambiental, 9 edição, 2013. • Rocha, Julio Cesar. Rosa, André Henrique. Cardoso, Arnaldo Alves. Introdução à Química Ambiental. Porto Alegre, 2004, Bookman. • Cohn, Pedro Estéfano. Analisadores Industriais. Editora Interciência. 1a edição. Rio de Janeiro, 2006.
  86. 86. Obrigado! Luis Henrique Nunes Quezado HQ Engenharia contato@hqengenharia.com.br / luis.quezado@hqengenharia.com.br luishnq@gmail.com (85) 9 9783-0303

×