Distrital      1
PODER EXECUTIVO MUNICIPAL               Salvador Lopes Gonsalves                        Prefeito             Luiz Péricles...
ÍNDICE         q   Apresentação ...................................................................................... 5  ...
4
APRESENTAÇÃO     “Algumas poucas pessoas, em alguns poucos         Foi assim que Construir a Agenda 21 em cada            ...
simplicidade e cooperação, sempre que pode, eforam muitas vezes, participou efetivo a afetivamentecomo cidadão.Outro agrad...
O MUNICÍPIO DE                                  CURAÇÁ/BA                                                                 ...
Antônio de Carvalho Matos edifica uma igreja,          sua violência, como as “volantes”, pela sua maldadepróxima da qual ...
Vias de Ligação                                         ClimaMunicipais                                                   ...
Os TumbalaláO         s Tumbalalá ocupam uma antiga área de         missões indígenas e colonização         portuguesa ao ...
Prefeitura Municipal de Curaçá/BA    e a Mobilização Social                                                         ·    D...
Conselho Municipal de Defesa                              Conselho Municipal de Saúdedo Meio Ambiente                     ...
Em 2004, a Secretaria de Educação, apresenta osseguintes resultados:         à         V…ihhà         Sˆ…hyà      U‚‡hyà ...
14
AGENDA 21                E A CARTA DA TERRA                  - Indissociáveis -      Lado a lado com a Agenda 21 e baseada...
16
A AGENDA 21 LOCAL                                                        “...O Futuro da Terra e da Humanidade não está   ...
·   Aglutinação de unidades escolares;             que foram realizadas mesmo fragmentadas,    ·   Oferta permanente de tr...
a Equipe de Assessoria identificou, no site do                                                       Ministério do Meio Am...
Perspectivade Continuidade         “Não devemos nos preocupar com o         futuro que tememos, mas sim com o         futu...
METODOLOGIA               E DESENVOLVIMENTO                 DOS TRABALHOS     A Agenda 21 de Curaçá partiu da     premissa...
Bloco 2                            Agricultura Sustentável      *UXSRV                                   6XE7HPDVAGRICULTU...
Bloco 4                    Superação das Desigualdades Sociais     *UXSRV                                    6XE7HPDVALIME...
Com o objetivo de facilitar, agilizar, dinamizar e                                  trabalhados nos Encontros Preparatório...
De muitas cantigas locais e de muitas músicas daatualidade saíram inspirações para realizar algumasatividades. Dentre elas...
26
27
28
, 8WLOL]DomR H *HVWmR 6XVWHQWiYHO   GRV 5HFXUVRV 1DWXUDLV1. OS MINERAIS1.1. PEDRAS                                        ...
Já foram feitas algumas Pesquisas pelo           Propostas       DNPM/MME e várias pessoas trabalham com           Fazer o...
Bacia Hidrográfica de 640.000 (seiscentos Criar critérios para exploração das áreas,                        e quarenta mil...
Há também o descaso, mais do que                               ü Existe também uma crença de que a     consciente, no lanç...
tragam substâncias poluentes e tóxicas até o         2.2. ÁGUAS SUPERFICIAIS PARADAS       rio São Francisco, deixando a á...
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Agenda 21 de Curaçá-Bahia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Agenda 21 de Curaçá-Bahia

9.738 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.738
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Agenda 21 de Curaçá-Bahia

  1. 1. Distrital 1
  2. 2. PODER EXECUTIVO MUNICIPAL Salvador Lopes Gonsalves Prefeito Luiz Péricles Bahia de Aquino Vice – Prefeito Paulo Ruber Franco Secretário de Administração Juscelita Rosa Soares Ferreira Araújo Secretária de Educação Roque José Ferreira Soares Secretário de Saúde Carlos Alberto de Araújo Possídio Secretário de Desenvolvimento Econômico Marinalva Paixão de Oliveira Assessora Especial de Governo Esmeraldo Nunes dos Santos Diretor de Gabinete EQUIPE TÉCNICA DA AGENDA 21 CURAÇÁ/BA Márcia Maria Pereira Muniz Coordenação Geral Maurício Lins Aroucha Coordenação Técnica Edvalda Pereira Torres Lins Aroucha Coordenação Política Pedagógica Aldo Carvalho da Silva Gilton Carlos Anísio de Albuquerque Apoio Técnico PUBLICAÇÃO Edvalda Pereira Torres Lins Aroucha Maurício Lins Aroucha Organização e Edição Final Adriana Ribeiro dos Santos Costa André Luiz Oliveira Pereira de Souza Bruna Graziela Cordeiro dos Santos Fabiana Cristine Lisboa Colaboração João Crisóstomo Edvalda P T. Lins Aroucha . Logomarca Alda Patrícia de O. Trindade Diagramação Editora Fonte Viva Av. Apolônio Sales, 1.059 48601-200 - Paulo Afonso-BA Fone: (75) 281-4816 - Fax: (75) 281-4544 Impressão - 2004 -2
  3. 3. ÍNDICE q Apresentação ...................................................................................... 5 q O Município de Curaçá/BA ................................................................. 7 q A Agenda 21 e a Carta da Terra ....................................................... 15 q A Agenda 21 Local ........................................................................... 17 q Metodologia e Desenvolvimento dos Trabalhos .................................. 21 q Agenda 21 Local - Sede Curaçá ........................................................ 27 q Agenda 21 Local - Barro Vermelho .................................................... 67 q Agenda 21 Local - Patamuté e Mundo Novo ...................................... 97 q Agenda 21 Local - Povoado e Projeto Pedra Branca ......................... 141 q Agenda 21 Local - Poço de Fora e Brandão ..................................... 175 q Agenda 21 Local - Riacho Seco ....................................................... 205 q Comissão da Agenda 21 ................................................................ 235 q Considerações Finais ...................................................................... 237 q Lista de Participantes ....................................................................... 239 q Referências Bibliográficas ................................................................ 245ÍNDICE 3
  4. 4. 4
  5. 5. APRESENTAÇÃO “Algumas poucas pessoas, em alguns poucos Foi assim que Construir a Agenda 21 em cada localidade, possibilitou maior e melhor participação lugares, fazendo algumas poucas coisas, das pessoas que muitas vezes por causa da idade – podem mudar o mundo.”. idosa ou adolescente – tinham mais dificuldades para se deslocarem para a sede, além de, dessa Guattari forma, os cenários ficarem mais próximos aos olhos e bem melhor de serem observados, para com mais precisão e afeto propor o que de melhor poderia ser pensado nesses contextos e momento histórico. Foram dois anos de trabalho, de muitas alegrias, E sta é a Agenda 21 de Curaçá/BA. festejos, ânimo, garra e cooperação – nas Pioneira no Estado da Bahia. Construída discussões, nas horas do almoço, nas chegadas e com muita persistência, com a despedidas dos encontros preparatórios, das participação de quem acredita com firmeza oficinas e dos seminários municipais – mas também no que está escrito acima e especialmente de muitos problemas operacionais, climáticos, nos “Caminhos de Curaçá”. políticos, todos superados pela persistência e pela vontade teimosa de melhorar cada vez mais o lugar Ser uma Agenda 21 Local, construída em em que se vive. reuniões apenas na sede do município, mesmo com a participação de representantes Ao todo foram 1.037 (mil e trinta e sete) mulheres e do meio urbano e rural dos diversos distritos, homens - jovens, adultos e idosos - que participaram não atendia aos anseios das comunidades, de algumas, muitas ou todas as atividades temáticas do poder executivo e muito menos da equipe locais - oito encontros preparatórios e oito oficinas técnica. Era como se estivesse construindo a - e municipais - três seminários e o evento de Agenda 21 Nacional sem as Agendas 21 lançamento, totalizando cem eventos de construção Estaduais, sem considerar detalhadamente as coletiva. respectivas diversidades e adversidades locais. Por isso, cada localidade: a Sede, os Mas, não há como apresentar este precioso trabalho outros quatro Distritos e o Povoado e o Projeto sem reconhecer publicamente a iniciativa e o Pedra Branca, construíram as suas próprias empenho do Prefeito Salvador Lopes Gonsalves, que Agendas locais, que estão reunidas nesta em nenhum momento, mesmo durante a grande publicação com um todo que interage, tragédia das enchentes em Curaçá, deixou de dar complementa, enriquece, dinamiza, o necessário apoio à construção da Agenda 21. empodera, clarifica, enobrece, alegra... e Ademais, nunca fez nenhuma recomendação a irradia felicidade, que produz vidas em todas Equipe Técnica no sentido de ponderar, ou deixar as dimensões, socioambientalmente de registrar, qualquer demanda, reclamação ou sustentáveis. crítica à sua gestão. Com ética, atenção, incentivo,APRESENTAÇÃO 5
  6. 6. simplicidade e cooperação, sempre que pode, eforam muitas vezes, participou efetivo a afetivamentecomo cidadão.Outro agradecimento especial é ao Fundo Nacionalde Meio Ambiente, pela confiança no Projeto e suaexecução, possibilitando as condições necessáriase o apoio para o desenvolvimento desse projeto.A Agenda 21 de Curaçá está estruturada com partes,uma que trás um pequeno histórico de Curaçá e daAgenda 21 Local, assim como as perspectivas decontinuidade e a metodologia; e outra parte queapresenta as Agendas 21 Distritais (da Sede, doBarro Vermelho, de Patamuté e Mundo Novo, doPovoado e Projeto Pedra Branca, do Poço de Fora eBrandão e do Riacho Seco) apresentando oscenários ((diagnósticos) e as propostas, orientadaspelos quatro blocos temáticos – Utilização e GestãoSustentável dos Recursos Naturais, AgriculturaSustentável, Sustentabilidade Urbana e Infra-Estrutura, e Superação das Desigualdades Sociais.É com grande satisfação que se coloca, para apopulação curaçaense, para o Brasil e para omundo, o resultado deste enorme esforço coletivo:A Agenda 21 de Curaçá!Que os Organismos Públicos, as Organizações daSociedade Civil, as escolas e todas as pessoas, detodos os recantos, que fazem todos “os Caminhosde Curaçᔠpossam com este trabalho, ter umreferencial de que é possível, juntos construirmosum lugar merecido e crescentemente melhor, comoparte deste mundo e da nossa cidadania planetária.Leiam, ajustem, melhorem, ampliem, coloquem emprática, esta Agenda 21, que é uma proposta paraas políticas públicas, tornarem-se ainda maisparticipativas, justas, inclusivas e multidimen-sionalmente ética. 6 APRESENTAÇÃO
  7. 7. O MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA Fundação: 1832 Altitude: 330 m Área Total: 6.476,0 km² Densidade Demográfica: 3,93 hab/km² CEP: 48.930-000 História A s terras de Curaçá eram Habitadas pelos O distrito de Curaçá foi criado em 1714, e o índios Urucuius da nação Tapuia. A município, com sede na povoação de Pambu e denominação da palavra “Curaçá”, no território desmembrado de Juazeiro, foi criado dialeto tupi significa “paus trançados” ou “Cruz”. em 06 de julho de 1832, por força de Decreto Imperial. O atual Município de Curaçá teve sua origem com o aparecimento de uma imagem de Santo Antônio Em 06 de julho de 1853, por força de Lei de Pambu à margem do Rio São Francisco. Estadual, n 0 48; a sede do município foi Encantados com a amenidade do sítio, de transferida para a povoação de Capim Grosso, risonhos campos e floridos vergéis, imediatamente atual Curaçá. ali construíram uma igreja, surgindo então o aldeamento de Pambu. Outros registros datam Embora a vila de Curaçá seja sede do município de 1562 quando o Jesuíta Luiz de Gemi tentou desde a data acima, somente em 30 de março realizar trabalho de aldeamento aos índios da de 1983 é que adquiriu o status de cidade, por região, tendo sido impedido pela peste da bexiga força do Decreto Estadual n0 10.724, Dando que se propagou em 1563. E a partir de 1593 os execução ao Decreto Lei Nacional n0 311, que bandeirantes penetram em suas terras em seu artigo V, estabelece que “as sedes de em busca de pedras preciosas. todos os municípios brasileiros tenham a categoria de cidade”. De acordo com o mesmo A bibliografia constata que em 1671 chegaram Decreto; a categoria de “vila” deve ser atribuída na aldeia de Pambu dois padres franceses, à sede de cada distrito. Com o cumprimento capuchinhos, tendo um deles Frei Martinho deste Decreto muitas vilas sede de municípios Nantes escrito um livro sobre os acontecimentos passaram a categoria de cidade, no Estado da daquela época e cujos escritos permanecem Bahia. editados até hoje. Muitos conflitos foram registrados entre os índios A povoação de Capim Grosso teve origem em e os exploradores sesmeiros que criavam gado 1809 quando o capitão-mor João Francisco dos em grandes extensões do sertão. Vencidos em Santos doa a seu filho Florêncio Francisco dos suas perseguições, os índios foram confinados Santos o sítio denominado Bom Jesus da Boa em aldeias e reduzidos em missões. A missão Morte ou Porto de Capim Grosso, pertencente de Santo Antônio de Pambu era uma delas. a Pambu. Nesta mesma data o padre JoséO MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA 7
  8. 8. Antônio de Carvalho Matos edifica uma igreja, sua violência, como as “volantes”, pela sua maldadepróxima da qual vai se constituindo o povoado de e perversidade.Bom Jesus da Boa Morte. Estas novas casas foram construídas e depois muitasA expansão da pecuária fez surgir novos focos de foram abandonadas, com o retorno das famíliasaglomeração humana ao redor das casas e para a zona rural, após a morte de Virgulino Ferreirafazendas de gado dando origem mais tarde, a da Silva. Muitas famílias mantinham uma casa naarruados que são hoje povoados rurais do sede da cidade e as utilizam nos dias de feira e nasmunicípio. datas comemorativas de festas, enquanto que moravam e exerciam suas atividades nas fazendas e nos sítios da área rural. Outras casas eram mantidas por uma pessoa da família responsávelO Processo de pelas crianças que permaneciam na cidade para estudar, enquanto que os pais moravam no interior.urbanização Hoje Curaçá tem 28.841 habitantes, estando 18.066 no meio rural e 10.755 no meio urbano,de Curaçá numa repartição de gênero em 14.757 homens e 14.084 mulheres. Ainda segundo o IBGE em 2004 toda população residente seria de 30.886 pessoas. “A Vila de Curaçá, sede do município acha-se situada à margem direita do Rio São Francisco, em terreno pedregoso e alto...”. Localidade e LimitesN o início do século XX, Curaçá tinha 200 casas bem constituídas e alinhadas, O formando 3 praças e 4 ruas com mil município de Curaçá está localizado nahabitantes. uma Igreja Matriz, Paço Municipal, Região do Sub-Médio São Francisco, áreacadeia açougue, cemitério, um teatro, mercado, inserida no polígono das secas, a umaduas escolas estaduais de instrução primaria, dois distância de 592 km de Salvador, capital do Estadocartórios, dois tabeliães, um escrivão, do grande e da Bahia, e a 90 km de Juazeiro, sede da Regiãopequeno juri, duas coletorias estadual e federal, Administrativa mais próxima.agência de correios, estação telegráfica, iluminaçãoa querosene, etc.Recordam-se os mais velhos queno início da década de 1930,inúmeras casas foram construídasnos limites da cidade pelosprodutores rurais. Estesabandonaram suas roças dointerior do município porsentirem-se vulneráveis diante doconflito existente na regiãoprovocado por Virgulino Ferreirada Silva, conhecido comoLampião, o rei do Cangaço.Lampião chegou a liderar 200cangaceiros e a milícia destacadapelo Governo para matá-los eraconhecida como “volantes”. Apopulação rural amedrontadatemia tanto os cangaceiros, pela 8 O MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA
  9. 9. Vias de Ligação ClimaMunicipais O clima está classificado como árido e semi- árido com chuvas no verão e estiagemO durante a maior parte do ano. Distrito de Riacho Seco e o Projeto Pedra Branca, que estão localizados no curso da O período chuvoso é de janeiro a março. Segundo BA-210, são servidos por via asfaltada, a CEI, a pluviosidade média anual do município étodavia as demais vilas e povoados rurais tem acesso de 452 mm, registrando máxima de 1.040 mm epor estradas de terra e portanto sujeitas as mínimas de 167 mm, encontrando-se inserido 100%intempéries climáticas e também as condições de no polígono das secas com temperatura média demanutenibilidade. 26ºC. 2UGHP 1RPH GR LVWULWR LVWkQFLD HP NP 01 BarroVermelho 54 02 Patamuté 84 03 Poço de Fora 76 04 Riacho Seco 43 05 Pedra Branca (Limite final das Agrovilas) 80Vegetação,Geologia eGeomorfologiaE m Curaçá predomina a vegetação xerófila e caducifólia de pequeno e médio porte, Pela sua localização geográfica Curaçá pertence ao denominada Caatinga arbórea aberta. denominado “Polígono das Secas” região central da Zona Semi-Árida brasileira. O meio ambienteSeu solo é predominante raso, porém propício para ecológico do Município descansa sobre o binômioa agricultura e principalmente para a pecuária. Rio São Francisco e sua margem e os ecossistemasPossui uma diversidade de ervas e arbustos nativos, naturais e os agroecossistemas de Caatinga, mas omuito apreciados como forrageiras pelos criatórios fato de ser ribeirinho do São Francisco lhe conferee suas floradas de ciclo muito curto é muito propícia características diferenciadas dos que não o são,à apicultura. embora os afluentes desse rio, nos 120 km de margem que possui Curaçá, sejam secos na maior parte do ano.No subsolo do município existe uma variedade deminerais passíveis de exploração – ametista, Esse ambiente tem sido modificado por duasamianto, calcário, calcita, cobre, cristal de rocha, interferências complementares: uma de carátercromo, granada, mármore, salitre (IBGE, 1980). regional, materializada na construção da Barragem de Itaparica, para fins energéticos e outra, local,O relevo é caracterizado como pediplano sertanejo, materializada na ocupação desse meio ambienteapresentando várzeas e terraços aluviais. por assentamentos urbanos e rurais.O MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA 9
  10. 10. Os TumbalaláO s Tumbalalá ocupam uma antiga área de missões indígenas e colonização portuguesa ao norte do estado da Bahia,entre os municípios de Curaçá e Abaré, na divisacom Pernambuco e às margens do Rio SãoFrancisco.A estimativa do número de famíliasque hoje compõem o grupoTumbalalá é bastante imprecisa,haja vista que o processo de auto-identificação está em curso e oscritérios de pertença estão sendointernamente formulados. Duranteo processo de identificação étnicarealizado em 2001 foramconfirmadas cerca de 180 famílias,mas, baseado em dados propostospor lideranças, o limite máximopotencial da população Tumbalaláchega perto de 400 famílias, sódevendo haver maior clarezaquanto esse número após o términodo processo de regularizaçãofundiária do território.Em dezembro de 2001 a FUNAIincluiu os Tumbalalás no quadro das comunidadesindígenas reconhecidas e assistidas pelo Estadobrasileiro.Uma das formas de saber mais sobre a língua,localização e histórico da ocupação, população,aspectos ecológicos e econômicos, formação dacomunidade, organização social e política, ritual ecosmologia, a cultura e as articulações nomovimento indígena, é consultando o sitewww.socioambiental.org, onde encontra-se umtrabalho de Ugo Maia Andrade, Doutor emAntropologia Social – PPGAS/USP e pesquisador doNHII/USP e do PINEB/UFBA, sobre os Tumbalalás.Sobre o Município e as suas gentes como um todo –das caatingas, da beira do velho Chico, do ProjetoPedra Branca e das Aldeias Indígenas - EsmeraldoLopes escreveu “Caminhos de Curaçᔠe é quaseimpossível conhecer os “Cenários” desta terra, semler esta preciosa obra. Como afirmou a professoraJuscelita “...Sigamos “Caminhos de Curaçá,descobrindo dentro de nós, a estrada que nos fezchegar até aqui, sendo o que somos.” 10 O MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA
  11. 11. Prefeitura Municipal de Curaçá/BA e a Mobilização Social · DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO À SAÚDE Divisão de Saúde Comunitária Divisão de Vigilância Sanitária · DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR Divisão de Administração Hospitalar · DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS SOCIAIS Divisão de Benefícios Sociais · DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO FINANCEIRO Divisão de Administração e Finanças Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo Divisão de Cultura Divisão de Esporte e Turismo Secretaria de Educação A Prefeitura de Curaçá atualmente funciona com Divisão de Administração as seguintes Secretarias e Departamentos: Divisão de Educação Secretaria de Obras Secretaria de Administração e Finanças e Desenvolvimento Econômico DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Obras Divisão de Recursos Humanos Divisão de Recursos Hídricos Divisão de Administração Divisão de Agropecuária Divisão de Controle Orçamentário Divisão de Agricultura Divisão de Gabinete Divisão de Comunicação Da Gestão Municipal 2000-2004 é muito Divisão de Controle Interno importante destacar o empenho em gerar as devidas condições e espaços para a participação DEPARTAMENTO FINANCEIRO política das pessoas – individual, coletiva e Divisão de Execução Orçamentária institucional – através de entre outras iniciativas, Divisão de Fazendária a Criação dos Conselhos Municipais e apoio a implementação de vários Fóruns e Comitês, que Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente são ou deveriam ser, “instâncias públicas de Divisão de Serviços Públicos formação de opinião, de vocalização das Divisão de Equipamentos Públicos demandas, de expressão de vontades políticas, que não governam, mas estabelecem os Secretaria de Saúde e Assistência Social parâmetros para uma nova forma de governar Divisão de Ações Comunitárias - num estado governança - e nesta perspectiva, Divisão de Saúde que ainda tem muito a avançar no que se refere · DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO ao preparo para uma atuação mais dinâmica e FINANCEIRO eficiente, os seguintes Conselhos e Fóruns: Divisão Administrativa Financeira · DEPARTAMENTO DE ORGANIZAÇÃO Conselho de Alimentação Escolar SOCIAL do Município de Curaçá Divisão de Organização Social Lei nº 266/1997, de 24 de abril de 1997;O MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA 11
  12. 12. Conselho Municipal de Defesa Conselho Municipal de Saúdedo Meio Ambiente Lei nº 223, de 23/12/1993Lei nº 277/1997, de 18 de setembro de 1997; Conselho Municipal de HabitaçãoConselho Municipal de Direitos da Criança Lei nº 375/01, DE 17/12/2001e do Adolescente do Município de CuraçáLei nº 284/1997, de 20 de novembro de 1997; Conselho Tutelar Lei 392/2002, de 31/10/2002Conselho Municipal de Assistência SocialLei nº 287/97, de 15 de dezembro de 1997; Fórum de DLIS Desenvolvimento Local, Integrado e Sustentável.Conselho Municipal do Trabalhodo Município de Curaçá Fórum da Caprinocultura.Lei nº 292/97, de 15 de dezembro de 1997; Fórum da Fruticultura.Conselho Municipal de Acompanhamentoe Controle Social do Fundo de Manutenção Farol de Desenvolvimentoe Desenvolvimento do Ensino Fundamentale de Valorização do Magistério Pólo de DesenvolvimentoLei Nº. 167 293/97, de 15 de dezembro de 1997; Comitê Municipal de Segurança Alimentar Fome ZeroConselho Municipal de EducaçãoLei nº 297/97, de 22 de dezembro de 1997; Comitê Tripartite de Geração de Emprego e RendaConselho Municipal de DesenvolvimentoRural Sustentável Movimento Água para todos e todos pela ÁguaLei nº 360/2001; MAPTA (funciona como um comitê municipal para gestão da água, sobretudo na construção deConselho Municipal de Cadastro cisternas).e Acompanhamento de Pacientes EspeciaisLei nº. 378/2002, 01 de abril de 2002;A Educação “Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda” Paulo FreireMesmo que nos últimos anos, o apoio e o incentivo do Governo Estadual ao Município tenha sido insuficiente,em especial nas Políticas de Educação, houve muitos avanços que contaram com a parceria de muitasOrganizações Não Governamentais, tanto ao nível local como nacional.Segundo o IBGE, este é o cenário estatístico da educação em Curaçá no ano de 2003. Q…pÃ@†p‚yh…à Hˆvptƒv‚à Q…v‰hqhà U‚‡hyà Escolas 53 02 55 Docentes 73 06 79 Matrículas 1.169 61 1.230 à @†v‚à Hˆvpvƒhyà @†‡hqˆhyà Q…v‰hq‚à à Aˆqh€r‡hyà Escolas 67 09 02 78 Docentes 346 64 10 420 Matriculas 7.312 1.895 95 9.302Censo IBGE - 2003 12 O MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA
  13. 13. Em 2004, a Secretaria de Educação, apresenta osseguintes resultados: à V…ihhà Sˆ…hyà U‚‡hyà D†‡kpvhà 8…rpurà @†p‚yhà 8…rpurà @†p‚yhà Municipal 2 6 1 68 77 Estadual - 4 - 3 7 Particular - 2 - - 2 U‚‡hyà !à !à à à #ÃSME – Curaçá/BA Estudantes com Matrículas em 2004 ,QVWkQFLD =RQD =RQD 7RWDO 8UEDQD 5XUDO Municipal 1.925 6.808 8.733Mais formações sobre o atendimento escolar nomunicípio pode ser obtido no Censo Escolar 2004 Estadual 2.503 814 3.317(MEC), mas não é possível concluir este pequeno Particular 203 - -destaque sobre a Educação, sem dar o merecida 7RWDO atenção a Proposta Político-Pedagógica do Município SME – Curaçá/BAde Curaçá – Educação com o Pé no Chão doSertão”, que se tornou uma referência para outrosmunicípios. A metodologia é fundamentada na pedagogia deEsta proposta contou com a colaboração da UNEB, projetos, desenvolvendo temas voltados para odo UNICEF, da Fundação Abrinq e do IRPAA e tem cotidiano do aluno, a sua cultura, o seu meio. Tendocomo objetivos1: como eixo temático, o Meio Ambiente e Cultura, buscando fortalecer os vínculos da escola com aw Orientar a concretização curricular em nível Convivência com o Semi-Árido. A prática educativa local, adequando os elementos do currículo às é estruturada levando em conta 05 aspectos questões regionais e locais; fundamentais na formação de pessoas cidadãs dow Ser principal instrumento na orientação da mundo: Natureza, História da Humanidade, política educacional geral do município, Trabalho, Subjetividades Humanas, Conhecimento. particularmente no que diz respeito à formação As disciplinas são trabalhadas de forma inter- inicial e continuada dos/as professores/a, à relacionadas com os contextos mais próximos e mais aquisição de material didático e à organização sutis, que condicionam a vida de cada aluno. Os das equipes de apoio e acompanhamento ao temas transversais também são trabalhados a partir trabalho pedagógico das escolas. da realidade do semi-árido, pelo modo de ser, dew contribuir com a definição dos padrões de ver e fazer do dia-a-dia a arte de viver, no jeito qualidade que devem orientar tanto o peculiar de fazer a arte da vida. funcionamento do Sistema Municipal de A finalidade deste trabalho é Constituir um Educação, bem como a avaliação do seu Referencial Educacional para as escolas do Semi- desempenho; Árido, tendo como base a experiência nos trêsw Subsidiar a elaboração coletiva dos projetos municípios (Canudos, Uauá e Curaçá), onde se educativos das escolas, que também devem aponta a necessidade de aprender e se ensinar na estar subsidiados pelos Parâmetros Curriculares escola, o conhecimento e valorização da diversidade Nacionais; dos elementos ambientais, sociais e culturais,w Subsidiar a organização do trabalho partindo do contexto local, do semi-árido, numa pedagógico dos/as professores/as, o visão crítica e transformadora da realidade na planejamento final das aulas e dos seus PLANOS perspectiva de uma sociedade inclusiva, justa, DIDÁTICOS e das demais atividades escolares. democrática e sustentável.1 Extraído da Ficha de Inscrição do IRPAA Pro-CUC para o Encontro Nacional de Agroeconomia. Título da Experiência: Educação paraa convivência com o semi-árido.O MUNICÍPIO DE CURAÇÁ/BA 13
  14. 14. 14
  15. 15. AGENDA 21 E A CARTA DA TERRA - Indissociáveis - Lado a lado com a Agenda 21 e baseada em 8- Conservação: Para garantir a existência da princípios e valores fundamentais, que deverão vida e da Terra e a preservação do patrimônio nortear pessoas e Estados (e Municípios) no que natural, cultural e histórico. se refere ao desenvolvimento sustentável, a Carta 9- Precauções: Com a obrigação de prever e da Terra, servirá como um Código Ético tomar decisões com base no curso de ações Planetário.” que cause menos danos e menor impacto. Moacir Gadotti 10- Amor: Como fundamento para uma relação harmoniosa e afetiva que fomente o compromisso e a responsabilidade com a ação. Os signatários da Carta da Terra Latino- A Carta da Terra está gerando novas atitudes e Americana, comprometem-se a guiar suas vidas comportamentos com resultado de movimento pelos seguintes princípios: que ultrapassa a educação formal e que, aos poucos, vai constituindo essa necessária cultura 1- Respeito: A terra, a vida, a espiritualidade e a da sustentabilidade. diversidade cultural. Outros valores e compromissos vão se constituindo, 2- Solidariedade: Traduzida em prática de apoio, no processo, por um planeta e uma vida mais cooperação, comunicação e diálogo. sustentável, levando a frente pelo movimento 3- Igualdade: Para a eliminação das desigual- ecológico, tais como (KRANZ, 1995, p.35-9): dades por meio da democratização de oportunidades, a satisfação das necessidades 1- Prevenção: É mais barato prevenir a humanas gerações presentes e futuras e a degradação do que concertar o estrago. superação de todo tipo de discriminação. 2- Precaução: Avaliar as conseqüências, o 4- Justiça: Para afirmar os direitos e deveres da impacto ambiental de uma ação. humanidade e de toda sua diversidade. 3- Cooperação: De todos no planejamento e 5- Participação: Para fortalecer a democracia, na implementação de ações ambientais garantir a governabilidade, facilitando a (participação). autodeterminação ao tomar decisões. 4- Compromisso: Com a melhoria contínua, 6- Paz e segurança: Não unicamente com a dentro do ecossistema. ausência de violência, se não com o equilíbrio 5- Responsabilidade: Os governos locais são das relações humanas e também com a responsáveis perante as comunidades que natureza. servem. 7- Honestidade: Como base para afiançar a 6- Transparência e democracia: A comunidade transparência e confiança. deve ter controle.AGENDA 21 E A CARTA DA TERRA 15
  16. 16. 16
  17. 17. A AGENDA 21 LOCAL “...O Futuro da Terra e da Humanidade não está mais garantido pelas forças diretivas da evolução. Ele depende de uma decisão ética e política dos seres humanos.” Leonardo Boff Histórico C om a criação da Comissão Estadual Agenda 21 – Bahia, criada pelo Decreto Nº. 6.545 de 18 de julho de 1997, com a finalidade de apoiar a construção de Agendas 21 Municipais, a Administração Municipal de Curaçá, em 19 de julho de 1998 decretou sob a lei Nº. 041/98, a Criação da Comissão Municipal Pró-Agenda 21 Local e realizou em parceria com a Comissão Estadual para a Agenda 21, no período de 17 a 19 de Julho deste mesmo ano, o Seminário Agenda 21 No dia 22 de agosto de 1998, ocorreu o primeiro Bahia, com os seguintes objetivos: e único Seminário “Rumos da Educação no · Promover um Fórum de debates sobre Município”, como parte das atividades de as questões ambientais do Município de implementação da Agenda 21 Local, no setor Curaçá/BA; da Educação, com o objetivo de “ retirar · Elaborar um Plano de Ação que se elementos para a construção coletiva da Proposta constitua num roteiro de ações Pedagógica para as escolas localizadas no concretas, com metas, recursos e município” e teve como meta “elaborar e propor responsabilidades definidas, para um em 2 (dois) anos, uma Política de Educação Programa Estratégico e Global, com Municipal voltada para o conhecimento da vistas ao Desenvolvimento Local realidade e da problemática social, para a Sustentável; formação de uma cultura de valorização da · Criar o Comitê da Agenda 21 Local. Educação em Curaçá (que supere os limites da escola), bem como buscar meios de O Seminário de acordo com seus objetivos implementação desta política”. iniciou a construção de um Plano de Ação, definindo quatro Temas/Capítulos prioritários: Significativa parte das ações necessárias para a Educação; Lixo e Cidadania; Combate a Pobreza efetivação desta meta, mais especificamente as e Desertificação e fez a indicação de pessoas/ que dependiam apenas e exclusivamente dos instituições, garantindo a formação paritária esforços das pessoas/profissionais e dos recursos para a composição oficial da Comissão materiais da Prefeitura, foram desenvolvidas, a Municipal Agenda 21 Curaçá, nomeados pelo saber: Decreto nº. 042/98, também no dia 19 de julho · Melhoria da infra-estrutura de algumas de 1998. escolas;A AGENDA 21 LOCAL 17
  18. 18. · Aglutinação de unidades escolares; que foram realizadas mesmo fragmentadas, · Oferta permanente de transporte escolar; algumas sem conclusão e continuidade e com o · Melhoria e intensificação do passar do tempo, sem associar ou relacionar ao acompanhamento dos trabalhos; Projeto da Agenda 21. Mesmo assim, tanto as · Melhoria na formação das turmas – por parcerias quanto às ações resultantes, foram idade e por turma; importantes e em alguns casos até determinante · Estímulo e Apoio à Criação da Associação para a população: de Pais da Casa Familiar Rural e à primeira CFR a funcionar no Estado da Bahia. · MMA (Projeto Ararinha Azul e Projeto sobre Resíduos Sólidos); · ACAFAR – Associação das Casas FamiliaresTambém outras iniciativas que contaram com Rurais e Fundação Apolônio SalesParcerias Institucionais foram efetivas ou estão em (Capacitação Técnica de Adolescentes edesenvolvimento, ou seja: Jovens de Famílias Agricultoras). · INCRA/MDA e FAO (CINDESF – Conselho · Projeto “Ver de Perto para Contar de Certo”, Intermunicipal de Desenvolvimento com apoio da Fundação ABRINQ e IRPAA, Sustentável do Sub-médio São Francisco e para a viabilização da proposta Política- AGROMESF – Agência Regional de Pedagógica; Comercialização do Sub -médio São · Projeto “Educar com o Pé na Realidade”, Francisco); com apoio do UNICEF, para a capacitação · UNICEF (Projeto Criança no Lixo Nunca continuada do professorado; Mais); · Projeto “Capacitação de Recursos Humanos · CPT, IRPAA e Associações Comunitárias e aquisição de material específico para a (Programa de Captação de Águas de Educação Especial”. Chuva); · IRPAA (Projeto de Convivência com a SecaAs demais ações planejadas para a educação, bem – Agricultura Orgânica e Caprinocultura/como para os outros temas como lixo, seca, Ovinocultura);desertificação, foram realizadas levando em · IRPAA e UNICEF (ProCUC – Programaconsideração os recursos da própria Administração Curaçá, Uauá e Canudos);Municipal, que por sua vez, são bem limitados e · Fundação ABRINQ e IRPAA (Projeto Ver detambém teve que dar conta do desenvolvimento de Perto para Contar de Certo);várias outras Políticas Públicas. · UNICEF (Projeto Educar com o Pé na Realidade);Mesmo assim é indispensável destacar as parcerias · UNEB (Programa para Formação depara as ações relacionadas a algumas questões Professores de Ensino Fundamental);ambientais e de Desenvolvimento Local Sustentável, · UNEB e UNICEF (Projeto para Elaboração e Desenvolvimento de uma Proposta Pedagógica, cujo eixo central é o Semi- árido); · Ministério da Saúde (Programa de Saúde da Família; Ampliação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde; Programa de Vigilância Epidemiológica; Programa de Vigilância Sanitária e Programa de Melhoria e Construção Habitacional e de Combate à Doença de Chagas); · SEBRAE Xingó (Programa de Caprinocultura e Programa de Jovens Protagonistas); · SAS -Secretaria de Assistência Social/ Ministério da Previdência Social (Projeto “Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano”). 18 A AGENDA 21 LOCAL
  19. 19. a Equipe de Assessoria identificou, no site do Ministério do Meio Ambiente o Edital nº 13/2001 – Construção de Agendas 21 Locais, esta possibilidade e passou a elaborar este Projeto denominado “Construção da Agenda 21 Local do Município de Curaçá/BA”. Desenvolvimento da Agenda 21 O Projeto foi coletivamente elaborado, apresentado e aprovado pelo FNMA e a Agenda 21 de Curaçá, passa a ser desenvolvida com a participação da comunidade e com cuidado de não tornar aApós um certo tempo de atuação, a Comissão participação “assembleística e quantitativa”, masMunicipal da Agenda 21, viveu um grande período sim, gerar e proporcionar condições didáticas ede latência pela desarticulação e desestímulo, metodológicas para a plena contribuição àinclusive decorrente da mudança de algumas produção coletiva-cooperativa e o total acesso àpessoas e da liderança que iniciou todo esse apropriação de conhecimentos, vivências,processo, para outras localidades. experiências e habilidades, além de estimular continuadamente o desenvolvimento de atitudesEm reuniões com a comunidade e face ao debate verdadeiramente voltadas para a participaçãosobre Desenvolvimento Sustentável, a Prefeitura comprometida e crítica, individual e coletiva, pessoal(Gestão 2000-2004) retomou o processo de analisar e institucional.a continuidade da Comissão Municipal da Agenda21 e de acordo com as potencialidades constatadas, Trabalhando com foco nos objetivos e dentre elesarticulou uma reunião com as pessoas que ainda que a “Agenda 21 Local, seja o marco referencialvivem/atuam no Município, no dia 08 de janeiro de para todas as Ações dos Organismos, Projetos e2002. Dentre os assuntos tratados, discutiu-se sobre Programas Públicos Municipais, Estaduais ea pertinência de se elaborar uma proposta de Federais e de Organizações e Movimentos dacaptação de recursos financeiros necessários para Sociedade Civil”, a Equipe Técnica em todas asa retomada do processo de elaboração da Agenda etapas de desenvolvimento foi a cada Distrito e21 Local, tendo como perspectiva a ampliação da Projeto curaçaense ao encontro das pessoas queparticipação dos diversos setores da população, não mediam esforços para participarem, vindo dosinclusive com a descentralização das atividades de sítios ou dos povoados, a pé, de bicicleta,construção considerando os cinco Distritos (Sede, montadas em “lombo” de animais, de carro, paraRiacho Seco, Barro Vermelho, Patamuté e Poço de contar, anotar, desenhar seus cenários/suasFora) e o Projeto de Irrigação de Pedra Branca histórias (diagnóstico – realidade atual) e depois(Reassentamento com aproximadamente 900 propor, defender e contribuir para a composiçãoFamílias) criado pelo Empreendimento Itaparica/ de propostas de políticas públicas, as quais queremCHESF/Ministério das Minas e Energia. e merecem que sejam aplicadas para a melhoria da qualidade de suas vidas e do ambiente em queCom o intuito de recrudescer o entusiasmo das vivem.pessoas e respectivas Instituições ainda naComissão Municipal da Agenda 21 e, sobretudo, Por representar as reais aspirações coletivas dapela perspectiva do Desenvolvimento Local sociedade curaçaense e por sua legitimidadeSustentável, o Prefeito constituiu uma Equipe representativa, alcançada através da amplaTécnica com o objetivo de assessorar a Comissão participação sócio-política, processo que a elapara a materialização da decisão da reunião de confere total credibilidade para tornar-se referênciase buscar as fontes de recursos necessárias para para o desenvolvimento de Políticas Públicas, éviabilizar as propostas. Enquanto iniciava os fundamental ser o documento de consulta eprocessos de discussões e reflexões, bem como de consideração para todas as iniciativas destepesquisa de fontes para apoio e suporte financeiro, município.A AGENDA 21 LOCAL 19
  20. 20. Perspectivade Continuidade “Não devemos nos preocupar com o futuro que tememos, mas sim com o futuro que queremos.” Adoção da Agenda 21 LocalA Agenda 21 Local tem como premissa odesenvolvimento sustentável e sustentado, que porsua vez necessita de vontade e ação política comofator decisivo para sua aplicabilidade, num estado Saneamento, Programa GEF Caatinga, Programade governança, onde as pessoas e a sociedade civil Nacional de Diversidade Biológica, Programaorganizada tenham de acordo com as suas Nacional de Florestas, PRONAF (Agroecologia,respectivas responsabilidades e potencialidades, a Capacitação, Florestal), Saúde, Secretaria damesma importância e participação. Agricultura Familiar, Secretaria de Reordenamento Agrário, Secretaria Especial da Aqüicultura e da Pesca, Secretaria Especial de Economia PopularDesse modo, o apoio do Governo Local é Solidária, Trabalho e do Emprego e Turismo.imprescindível ao sucesso ou não desta Agenda epara isso, deve entre outras iniciativas promover a Para potencializar ainda mais as ações da Agendaconscientização e a capacitação dos funcionários 21 local é também importante que se tenhamunicipais, identificando e implementando as capacidade de reagir em tempo hábil às mudançasmudanças necessárias dentro do próprio governo. políticas, econômicas, sociais, ambientais, culturais em todos os níveis.Esta Agenda é um conjunto de intenções capaz degerar compromissos e ações políticas e para se faz Convém lembrar que a Agenda 21 não é umnecessário e urgente que o Fórum Municipal da documento estático, sem co-evolução e ademais,Agenda 21 seja atuante e integre gigantesco esforço não se encerra em si mesmo e que naturalmentede parceria com todas as instâncias do Governo.. algumas propostas no decorrer do tempo podem ser ajustadas, melhoradas e ampliadas paraImportantes iniciativas para o Governo Local e o corresponder o tempo e a necessidade atual.Fórum da Agenda 21 são as buscas de apoios/suporte, junto à Organismos Públicos das esferas O que sinceramente se espera e para isso deve haverFederal e Estadual, para implementar as propostas todo empenho é que a Agenda 21 de Curaçá/BA,apresentadas para Utilização e Gestão Sustentável seja apenas o primeiro passo de uma permanentedos Recursos Naturais; Agricultura Sustentável; mobilização, que consiga continuar reunindo osSustentabilidade Urbana e Infra-Estrutura e mais diversos segmentos sociais e políticos –Superação das Desigualdades Sociais, dentre outros, governamentais e não governamentais –, eos seguintes Ministérios e seus respectivos certamente servirá como exemplo e motivação paraProgramas: Cidades, CODEVASF, Comunicações, as atuais gerações e as próximas que virão.Cultura, Desenvolvimento Agrário, DNOCS, DNPM,Educação, Especial de Defesa dos DireitosHumanos, IBAMA , Integração Nacional – aCODEVASF e o DNOCS, Meio Ambiente, Minas eEnergia (CHESF, a PETROBRAS e o DNPM), Planode Ação Nacional de Combate à Desertificação,Programa 1 Milhão de Cisternas, Programa ÁguaDoce (utilização de poços salinos), Programa deRevitalização do Rio São Francisco, Programa de 20 A AGENDA 21 LOCAL
  21. 21. METODOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DOS TRABALHOS A Agenda 21 de Curaçá partiu da premissa de “pensar globalmente para agir localmente” e neste sentido teve estreita relação com os grandes temas da Agenda 21 Nacional. Bloco 1 Utilização e Gestão Sustentável dos Recursos Naturais B…ˆƒ‚†Ã TˆiUr€h†Ã MINERAIS Qrq…h† 6…rvhà 7h……‚ ÁGUA Tˆƒr…svpvhv†Ãp‚……r‡r† Tˆƒr…svpvhv†Ãƒh…hqh† Tˆi‡r……krh† A VEGETAÇÃO Qyh‡h†Ã8ˆy‡v‰hqh†ÃrÃTvy‰r†‡…r† E A FLORA OS ANIMAIS E 6v€hv†Ã8…vhq‚†Ã A FAUNA 6v€hv†ÃTvy‰r†‡…r† OUTROS 7v‚qv‰r…†vqhqrÃà ASPECTOS Vvqhqr†ÃqrÃ8‚†r…‰hom‚Ãà @p‚‡ˆ…v†€‚.METODOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DO S TRABALHOS 21
  22. 22. Bloco 2 Agricultura Sustentável *UXSRV 6XE7HPDVAGRICULTURA 6RORV $JUtFRODVDE SEQUEIRO XOWLYRV GH 6HTXHLURAGRICULTURA 6RORV $JUtFRODVIRRIGADA XOWLYRV ,UULJDGRVPECUÁRIA 5HEDQKRV 2XWURV FULDWyULRVOUTROS $JURHFRORJLDASPECTOS DJURTXtPLFD H 7UDQVJrQLFRV Bloco 3 Sustentabilidade Urbana e Infra-Estrutura B…ˆƒ‚†Ã TˆiUr€h†ÃDISCIPLINAMENTO a‚rh€r‡‚ÃrÃP…qrh€r‡‚ÃDO USO DO SOLOURBANOURBANIZAÇÃO Thrh€r‡‚Ãà 6ih†‡rpv€r‡‚ÃqrÃÈtˆhÃà 6…i‚…v“hom‚ÃrÃQhv†htv†€‚à Br†‡m‚ÃqrÃSr†tqˆ‚†ÃTyyvq‚†VIAS PÚBLICAS E Wvh†ÃQ~iyvph†ÃTRANSPORTE U…h†ƒ‚…‡r†HABITAÇÃO Srtˆyh…v“hom‚ÃD€‚ivyvi…vhà H‚…hqvh†ÃQ‚ƒˆyh…r†Ã Q…r†r…‰hom‚ÃqhÃ6…„ˆv‡r‡ˆ…hÃCv†‡y…vphCOMÉRCIO E Srtˆyh…v“hom‚ÃqrÃD€y‰rv†Ã8‚€r…pvhv†ÃABASTECIMENTO Arv…h†ÃGv‰…r†Ã Hr…phq‚†ÃrÃ6o‚ˆtˆr†ÃQ~iyvp‚†Ã Hh‡hq‚ˆ…‚†Ã Av†phyv“hom‚ÃThv‡i…vhà 8yqvt‚ÃqrÃQ‚†‡ˆ…h 22 METODOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DO S TRABALHOS
  23. 23. Bloco 4 Superação das Desigualdades Sociais *UXSRV 6XE7HPDVALIMENTAÇÃO 6HJXUDQoD H *DUDQWLDE ÁGUA PARAO CONSUMOHUMANOEMPREGO E 2SRUWXQLGDGHV GH (PSUHJRRENDA *HUDomR GH 5HQGDEDUCAÇÃO (GXFDomR ,QIDQWLO (QVLQR )XQGDPHQWDO (QVLQR 0pGLR (QVLQR 6XSHULRU (QVLQR 3URILVVLRQDOL]DQWH (GXFDomR GH -RYHQV H $GXOWRV (VSRUWHV XOWXUD ,QLFLDWLYDV SDUD SHVVRDV FRP QHFHVVLGDGHV HVSHFLDLVSAÚDE DPSDQKDV ,QIRUPDWLYDV H 3UHYHQWLYDV HVHQYROYLPHQWR H $WHQGLPHQWR )DUPiFLDV 9LYDV H 5HPpGLRV DVHLURV $WHQGLPHQWR 2GRQWROyJLFR )DUPiFLDV 3RSXODUHV 9LJLOkQFLD 6DQLWiULDOUTROS *rQHURASPECTOS *HUDomR 3HVVRDV FRP QHFHVVLGDGHV HVSHFLDLV $VVLVWrQFLD 6RFLDOMETODOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DO S TRABALHOS 23
  24. 24. Com o objetivo de facilitar, agilizar, dinamizar e trabalhados nos Encontros Preparatórios, assimtornar prazerosa, as respostas a estes roteiros, tanto como receber as referidas informações por escrito.de cenários quanto de propostas, cada Bloco Na oportunidade, também eram esclarecidas eTemático recebeu um tratamento explicativo, com socializadas informações técnicas, administrativaslinguagem clara e acessível, que era enviado com e operacionais sobre alguns itens que estivessemantecedência para as lideranças dos Distritos e em discussão, assim apresentadas experiências (queProjetos para que fossem trabalhados nos Encontros deram ou não deram certo) e boas práticas, quePreparatórios, que não tinham o acompanhamento podiam servir de referência para aquela localidade.direto da Equipe Técnica. Como descrito no Projeto da Agenda 21 de Curaçá/Neste contexto, havia primeiro os “Encontros BA, as abordagens, conteúdos e métodos, foramPreparatórios” que eram realizados em cada trabalhados de forma educativa 1 , didática 2 elocalidade e coordenados pelas próprias pessoas pedagógica3, respeitando a forma de ver, ser e agirda localidade (lideranças sindicais, de grupos de de cada local. Por isso, no decorrer da leitura dosmulheres, jovens, educadoras e educadores). Dessa cenários e propostas, é possível encontrar nomes,forma, tanto os cenários quanto às propostas foram apelidos, frases, palavras de coisas que se referemconstruídas com muita autonomia e liberdade de à jeito de ser das pessoas, aos animais, plantas,expressão, sem nenhum tipo de análise lugares, de forma bem particular, especial e“politicamente ponderada”. endêmica.No segundo momento, a Equipe Técnica se O quadro abaixo apresenta o processo dedeslocava até cada Distrito e Projeto para realizar realização destas atividades que somaram para aas Oficinas da Agenda 21, que tinham como construção desta Agenda:finalidade à apresentação dos resultados FASE I Construção de Cenários para o Desenvolvimento Sustentável Hr‡hà ñÃPˆ‡ˆi…‚ÃqrÃ!!à • Recomposição da Comissão Municipal da Agenda 21 Local Hr‡hÃ!ÃÃÃI‚‰r€i…‚ÃqrÃ!!à • Formação das Comissões Distritais e do Projeto Pedra Branca • Planejamento das Ações para a Construção de Cenários Hr‡hÃñÃ9r“r€i…‚ÃqrÃ!!ÃhÃHhv‚ÃqrÃ!à • Construção dos Cenários nas localidades FASE II Construção das propostas para a Agenda 21 de Curaçá/BA Hr‡hÃ#ñÃEˆu‚ÃqrÃ!à • Planejamento das Ações para a Construção das propostas da Agenda 21 Hr‡hÃ$ñÃEˆyu‚ÃqrÃ!ÃhÃPˆ‡ˆi…‚ÃqrÃ!#à • Construção das Propostas da Agenda 21 nas Localidades Hr‡hÃ%ñÃPˆ‡ˆi…‚ÃhÃ9r“r€i…‚ÃqrÃ!#à • Documento Final da Agenda 21 Local1 Criando as condições favoráveis para que as pessoas se apropriassem dos melhores saberes que existem sobre as temáticas abordadas;2 Estruturando o conhecimento para que fosse apropriado por outras pessoas, adaptando a realidade local e ao potencial das pessoas que estavam no processo;3 Construindo relações e interações de satisfação entre as ações e as pessoas. 24 METODOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DO S TRABALHOS
  25. 25. De muitas cantigas locais e de muitas músicas daatualidade saíram inspirações para realizar algumasatividades. Dentre elas, “Comida” dos Titãs “...Agente não quer só comida, a gente quer comida,diversão e arte. ...A gente não quer só comer, a gentequer prazer para aliviar a dor...” E para animar amobilização social que muitas vezes sofriainfluências dos acontecimentos locais, como apolítica e as intempéries climáticas – estiagens, secase até enchentes como a do início do ano de 2004,que causaram muitos prejuízos, em particular àsfamílias agricultoras em seus cultivos e criatórios (omunicípio é predominantemente rural), destruírammuitas estradas, deixaram muitas famíliasdesabrigadas e até sem terras, refletindo tambémno Orçamento do Município que teve que assumirem caráter de emergência o atendimento àpopulação – muitas outras atividades eramdesenvolvidas, entre elas:· Os Seminários na Sede de Curaçá, que reuniam pelo menos 30 pessoas de cada Distrito e Projeto, para socializarem os avanços e desafios, para animarem uns aos outros;· As noites culturais, com apresentações de paródias, músicas, danças e festejos tradicionais;· As rezas, os contos, causos e prosas, assim como as “resenhas” sobre algumas pessoas históricas da cidade e até mesmo de pessoas que estavam participando de todo o processo;· E como não poderia deixar de ser, eventos que se encerravam com o forró, pé de serra.E assim a Agenda 21 de Curaçá foi desenvolvida,com muita riqueza, boa vontade persistência,carinho, animação e consideração às pessoas e seusambientes e transcende a qualquer conceito maispontual de metodologia, que foram ajustadas asmudanças e demandas sempre que necessário.Como todo processo individual ou coletivo realizadopor seres humanos, esteve susceptível a erros ouequívocos, mas também muitos acertos quepossibilitaram no decorrer dos trabalhos muitascoisas boas, desejadas, propostas e esperadas pelacomunidade acontecerem antes mesmo daconclusão da construção da Agenda 21 Local.Houve uma interface com a Agenda 21 Nacional eEstadual, sem perder de vista o foco local eplagiando Thiago de Mello “...não houve umcaminho novo, houve apenas um novo jeito decaminhar”.4 Devido as fortes chuvas que causaram muitos danos a estrutura viária e a economia do Município de Curaçá/BA, nada se pode fazer com as Agendas21 Local, no período de Janeiro a Maio de 2004.METODOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DO S TRABALHOS 25
  26. 26. 26
  27. 27. 27
  28. 28. 28
  29. 29. , 8WLOL]DomR H *HVWmR 6XVWHQWiYHO GRV 5HFXUVRV 1DWXUDLV1. OS MINERAIS1.1. PEDRAS lenha para queimar, atualmente voltou a exploração dessas jazidas, por conta do alto1.1.1. Pedras para Calçamento e Britas preço do cimento. Propostas Cenários Na Sede de Curaçá não existem jazidas de Fazer estudo de impacto ambiental. pedras para calçamento e britas, porém Cadastrar as pessoas que hoje exploram essas existem muitas cascalheiras (o cascalho jazidas para fins econômicos. contém pedras pequenas que são utilizadas Utilizar adequadamente as máquinas para a como brita), a exemplo das encontradas nas produção. fazendas do Meio, Cachoeira, Surubim, Para evitar o uso de lenha, a população pode Saudade, Veneza, Rompedor, Xiquexique e fazer uso de forno com luz solar e queimar o Ferrete. Até agora a exploração foi pouca, cal. Esta experiência existe em Pilão Arcado, o mas a continuidade poderá agravar a preço desse tipo de forno está em torno de situação, em razão da retirada da camada R$500,00. superficial que protege o solo. Na região do Criar Legislação que regularize a exploração. entorno da Sede retirou-se muito cascalho e então os marmeleiros ficaram ralos nessa 1.1.3. Pedras Ornamentais área. CenáriosPropostas Existem jazidas de pedra sabão na Serra do Fazer estudo de impacto ambiental nas áreas Icó e no São Bento. Na da Serra do Icó, por exploradas. conta da exploração, esta aberta uma Fazer cadastramento das pessoas que exploram cratera. economicamente essas jazidas. Não forram identificadas jazidas de outros tipos Regulamentar a retirada através de leis para esse de pedras ornamentais no Distrito da Sede. tipo de exploração. Propostas Que sejam feitos estudos para ver se tem outras1.1.2. Pedras para Cal jazidas desse tipo de pedras, e depois fazer o cadastramento e o registro no Município, para Cenários que nas explorações exista um acom- As principais jazidas são as das fazendas panhamento apropriado. Serrote do Velho Chico, Serra do Icó, Salina, Melancia, São Bento, Serrote do Gato, Barra Grande e Canabrava. 1.1.4. Pedras Semipreciosas Na Serra do Icó foi dizimada mais de 80% da madeira – imburana, angico, aroeira e Cenários catingueira – para queimar caieira. Crateras Existem jazidas de quartzo no Poço da foram abertas no solo. Há algum tempo a Catingueira e no Ferrete e de cristal de rocha exploração foi bastante reduzida, devido a nos Serrotes do Gato e do Velho Chico. substituição pelo cimento e a cal Existem também de cristais, granada e industrializada. Outro fator que contribuiu quartzo verde. Na fazenda Amizade tem um para a redução da exploração foi a falta de local ainda intacto, com quartzo branco.Sede de Curaçá I. Utilização e Gestão Sustentável dos Recursos Naturais 29
  30. 30. Já foram feitas algumas Pesquisas pelo Propostas DNPM/MME e várias pessoas trabalham com Fazer o cadastramento dessas jazidas e das garimpagem, mas não é feita qualquer pessoas que as exploram para que haja o recomposição ambiental e também não se controle do impacto ambiental, através da toma qualquer medida de Segurança do criação de critérios para exploração das áreas. Trabalho. Criar uma legislação que regulamente a Essas jazidas ainda não sofreram fortes exploração de jazidas de areia destinada à impactos ambientais por conta da pouca construção civil. exploração, mas em todos os casos, não são O Conselho Municipal de Meio Ambiente tem tomadas medidas ou cuidados ambientais que passar a controlar essa exploração. na exploração destas jazidas, inclusive porque a maioria, senão todas, além de 1.3. BARRO pequenas e dispersas, são clandestinas, sem regularização no DNPM. 1.3.1. Barro para ConstruçõesPropostas Cenários Fazer cadastramento para identificação das No entorno da cidade tem jazidas nos riachos jazidas e das pessoas que as exploram. Belomonte, da Barra e do Boi, na Maria Comprar equipamentos para lapidação e Preta, Buqueirão, Cachoeira, Massapé, realizar atividades de capacitação para agregar Roçado e Jatobá são outras localidades em valor a essas peças, para que o lucro fique no que se extrai barro para construções. Município. Há muita degradação do meio ambiente, Solicitar da Secretaria de Minas e Energia do com retirada da madeira e do solo. Estado da Bahia, o mapa geológico que identifica esses minerais. Propostas Realizar o cadastramento dessas jazidas e das pessoas que as exploram, para que haja o controle do impacto ambiental.1.2. AREIA Criar critérios para essa atividade, através de uma legislação que regulamente a exploração de jazidas de barro destinado a Cenários construção. Ocorrem jazidas na Ilha da Coroa, e nos O Conselho Municipal de Meio Ambiente tem riachos Seco, Belomonte, do Pascoal, da que passar a controlar essa exploração. Areia, da Amizade, da Iolanda, da Maria, da Melancia, do Novo Acordo, de seu Bina 1.3.2. Barro para Olarias e Cerâmicas e do Velho Chico. No entorno da cidade, nos Riachos do Belomonte e da Barra. Cenários A retirada de areia para a construção civil, Existem jazidas na nascente do Rio tem causado muitos danos ambientais, como Belomonte, na Barra e nos riachos do Boi, no caso do Riacho Seco aonde o excesso Buqueirão, Maria Preta, Cachoeira, Sombra, chegou a ponto de já ter perdido um pedaço Quixaba, Massapé, Roçado e Jatobá, em da pista. Areia lavada para ser usada na todas essas localidades se extrai barro para construção de alicerce, para sentar tijolos em olarias e cerâmicas. paredes e muros, fazer colunas e vigas, puxar Muitas pessoas vivem de fazer tijolos nessas lajes e sentar calçamentos, é tirada em várias localidades, nas quais, para tirar barro demasia. se faz muita devastação e nunca se realiza Na Sede a areia para reboco em construções, recomposição ambiental. Também não se está sendo tirada da Ilha da Coroa. toma qualquer medida de Segurança do Não tem mais areia no leito dos riachos, a Trabalho. falta de areia reduz a água e prejudica a vegetação no leito do riacho. Essas e outras Propostas várias mudanças ocorrem nas características Fazer o cadastramento dessas jazidas e das dos riachos com a retirada da areia, pessoas que as exploram, para que haja o causando a degradação do meio ambiente, controle do impacto ambiental. com retirada de madeira e do solo. 30 Sede de Curaçá I. Utilização e Gestão Sustentável dos Recursos Naturais
  31. 31. Bacia Hidrográfica de 640.000 (seiscentos Criar critérios para exploração das áreas, e quarenta mil) quilômetros quadrados, na através de uma legislação que regulamente a qual estão inseridos 503 (quinhentos e três) exploração de jazidas de barro para olarias e Municípios, beneficiando 16 (dezesseis) cerâmicas. milhões de habitantes. Sua vazão no sub- Desenvolver nas olarias, o melhoramento médio, mediada pela barragem de racional na atividade de produção e de Sobradinho, é de 2.063 (dois mil e sessenta utilização da lenha. e três) metros cúbicos por segundo. O Conselho Municipal de Meio Ambiente tem Além disso, é o rio que possui a água mais que passar a controlar essa exploração. doce e propicia à irrigação das Zonas Semi- áridas do mundo, porém, ao longo dos anos1.4. OUTROS MINERAIS ele vem sofrendo constante degradação com a derrubada de suas matas ciliares, Cenários desbarrancamentos, assoreamento, Existem vários locais com jazidas de minério poluição, etc. de cobre, que vão até a Região do Distrito de Não é comum se fazer análise da água antes Riacho Seco. Estas jazidas já foram de fazer qualquer proposta de implantação pesquisadas pela Mineração Caraíbas Metais, de produção irrigada. que segundo informações não oficiais, detém É muito pouca a participação do nosso o Direito de Lavra das mesmas. Estudos Município no Comitê da Bacia Hidrográfica mostram que aqui na região tem muito cobre. do rio São Francisco. É preciso ter cuidado se for fazer a exploração Especificamente no Distrito da Sede do de cobre, para não acontecer como em Barro Município de Curaçá, em relação ao descaso Vermelho, na fazenda Juá onde, por causa dos na utilização do rio, observaram-se os trabalhos de escavação da Mineração Caraíba seguintes aspectos de sua complexa Metais, mataram mais de 70 umbuzeiros. problemática: Funcionários desta mesma empresa ficaram · Lavagem de carros e animais na beira do dias acampados naquela região praticando rio; caça de aves e outros animais. · Esgotos lançados indiretamente na água; · Vários tipos de lixo são atirados em suasPropostas margens e águas; Buscar mais informação junto às empresas de · O Matadouro Municipal sempre lança os exploração mineral, a exemplo da Caraíba dejetos diretamente no rio; Metais, para melhorar o conhecimento da · Uso indiscriminado de agrotóxicos que população do Município, explicando os projetos contaminam a água do rio; para a sociedade, pois a comunidade precisa · Drenagem da área do cais. ser informada sobre os riscos nas áreas a serem Assoreamento de seu leito, em virtude do afetadas. desmatamento e da degradação da Matas Criar Áreas de Preservação Ambiental. Ciliares, que por meio de suas raízes, seguravam as terras das margens e barrancas do rio e de seus afluentes, como o rio Curaçá, por causa:2. A ÁGUA · Das atividades agropecuárias; · Da retirada de madeira;2.1. ÁGUAS SUPERFICIAIS CORRENTES · Uso inadequado das várzeas. Com tudo isso o solo fica desprotegido e2.1.1. Rios sofre a ação das chuvas e das águas correntes, que causam erosão de milhões de Cenários toneladas desse solo, principalmente por São dois os rios, o São Francisco e o Barra conta da queda das encostas, que numa Grande ou Curaçá. trajetória continua e progressiva, destinam- se ao rio, onde vão progressivamente: O rio São Francisco · Aterrando-o nas partes mais profundas. Nasce no Município de São Roque de Minas, · Reduzindo o seu calado. na Serra da Canastra, no chamado · Aumentando seu espelho d’água e, por Chapadão do Zagaia. Deste estado ele conseqüência, a sua evaporação. recebe 80% das suas águas. Possui umaSede de Curaçá I. Utilização e Gestão Sustentável dos Recursos Naturais 31
  32. 32. Há também o descaso, mais do que ü Existe também uma crença de que a consciente, no lançamento de agroquímicos água sempre existiu em abundância e de outros produtos químicos industriais, e, portanto, todos podem utiliza-la à como sabões em pó e detergentes ditos vontade, mesmo que irracionalmente. biodegradáveis. Estes produtos contribuem As informações aqui registradas mostram para a morte do rio, destruindo sua fauna e que a água existe nas quantidades suficientes flora fluviais. Soma-se aqui o lançamento de ao usufruto da população da Sede Urbana, lixos tóxicos e radiativos (pilhas, baterias, etc). o que falta é uma maior conscientização A Sede Urbana do Município de Curaçá sobre a utilização racional desse recurso, possui aproximadamente 2.400 (dois mil e bem como de atitudes ecológicas para evitar: quatrocentos) domicílios, todos com água · Lavagens de automóveis, caminhões, etc. disponibilizada em rede de distribuição da (até veículos da Instituição Estadual de única empresa de água tratada do Município, Segurança Pública entram neste processo, o SAAE. A empresa beneficia uma população no rio São Francisco), causando poluição com cerca de 8.000 (oito mil) habitantes. por meio de: Contudo ainda existem falhas e/ou ü Óleo; problemas quanto ao uso e destino final da ü Sabão em pó; água, com conseqüências diretas para os ü Outros produtos químicos industriais. beneficiários: Falta de informação adequada, provocada · População em geral; pela pouca existência de seminários ou · Escolas; palestras sobre toda a questão da água no · Órgãos Públicos; seu contexto amplo ou mais específico como · Empresas Privadas; · E até em alguns casos/pontos o próprio no caso do rio São Francisco, ao passo em SAAE. que se reclama aqui a falta de pessoas nos Em virtude disso foram levantados os poucos eventos que tratam dessa questão. seguintes aspectos sobre essa água. Superfluxo das águas pluviais na rede de · Qualidade: esgotamento sanitário, pois as pessoas ü Às vezes a água é disponibilizada adaptam o escoamento das águas pluviais publicamente com níveis mais altos de diretamente dos muros de suas casas à rede turbidez; coletora de esgotos, o que provoca o ü Endemias relacionadas diretamente à superfluxo d’água, ocasionando: água, pois os níveis de dejetos · Vazamentos na rede de esgotos; lançados diretamente no rio São · Sangramento da lagoa de tratamento de Francisco, casualmente provocam efluentes – lagoa de estabilização –, algumas doenças, em quem utiliza a provocando a não decantação dos água sem nenhuma forma de poluentes sólidos, pois não há tempo para tratamento; tal processo físico; ü Falta de padronização no abas- · Excesso de resíduos sólidos ou lixo nas tecimento público da água local, pois redes de esgoto, causando entupimentos há uma falta de modernização do parciais e, muitas vezes total; Sistema de Tratamento e Distribuição, · De vez em quando ocorrem rachaduras o que toma menos eficaz a distribuição de tubulações da Rede Urbana de de água potável, com menores, vazão Distribuição. e velocidade; Quanto ao tratamento dos esgotos urbanos, ü Falta de armazenamento domiciliar predominantemente domésticos, 80% do apropriado, pois em muitos casos a efluente são coletados e lançados, no rio falta de recursos leva a soluções após passar por um sistema anaeróbico de paliativas, pois as falhas no tratamento em lagoa de estabilização, os abastecimento trazem desconfortos 20% restantes são indiretamente lançados no aos usuários dos serviços do SAAE; rio sem qualquer forma ou processo de ü Em muitas casas não existe filtro caseiro tratamento. para clarear a água. · Uso inadequado/descaso com a água O rio Barra Grande ou Curaçá tratada: A água contaminada por dejetos químicos ü As pessoas desperdiçam a água em lançados peia Mineração Caraíbas, no rio lavagens constantes de calçadas, Barra Grande ou Curaçá, provocando que, carros, etc.; nas épocas das chuvas, as enxurradas32 Sede de Curaçá I. Utilização e Gestão Sustentável dos Recursos Naturais
  33. 33. tragam substâncias poluentes e tóxicas até o 2.2. ÁGUAS SUPERFICIAIS PARADAS rio São Francisco, deixando a água em estado inapropriado para o consumo e uso, Cenários principalmente na foz do rio Curaçá. A Sede Rural compreende um espaço territorial amplo dentro desse Distrito, tendo comoPropostas exceção apenas a área da zona urbana, Estabelecer uma faixa de 100 (cem) metros de propriamente dita, da Cidade de Curaçá. proteção da mata ciliar. Implantar um sistema Habita nesse espaço geográfico rural uma paralelo de abastecimento de água, por população de aproximadamente 3.000 (três exemplo: um sistema para fornecer água para mil) pessoas, que têm modo de vida campesino beber e cozinhar e outro sistema para outros e vivem basicamente da pecuária extensiva e serviços domésticos. Para que a Lei seja da agricultura – de sequeiro ou irrigada –, cumprida, deverá ser criada a Polícia Ambiental, observando-se duas realidades distintas, das com seus profissionais passando por populações que vivem, na beira do rio São treinamentos adequados. Desenvolver trabalho Francisco e das que moram e trabalham na específico da reeducação na produção área de sequeiro. Em ambas realidades, agropecuária ribeirinha junto as famílias de observam-se problemas relacionados à rurículas e empresas. Acompanhamento técnico questão da água dentro de suas respectivas nas construções civis para evitar problemas de peculiaridades. Na área de sequeiro pode-se instalação hidráulica inconveniente, para que constatar, nas diversas localidades, prin- não venha a prejudicar no futuro o sistema cipalmente nas mais afastadas das áreas público de abastecimento de água. ribeirinhas, a falta parcial ou completa de disponibilidade de Recursos Hídricos, que acontece por várias questões:2.1.2. Riachos · Poucas fontes de água, na maioria das vezes muito rasas, o que provoca seu Cenários secamento mais rápido, nos períodos das Existem os riachos Belomonte, da Areia, da estiagens; Melancia, do Jaquinicó, do Mocambo, do · Das poucas fontes existentes, várias são Morcego, da Barra Grande, Monte Alegre, cercadas por pessoas que se acham do Boi, do Pau de Colher, do Marruá e da donas dessas águas, limitando a Iolanda. disponibilidade e uso por outras, como A maioria das margens desses riachos está no caso da Barra do Brejo; assoreada e tem extração aleatória e · Na localidade de São Bento falta maior descontrolada de areia e há alguns quantidade de recursos hídricos para desmatamentos em diversos trechos. O do atender as necessidades da população Jaquinicó está conservado e alguns local, entre outras coisas, em virtude da proprietários de terras por onde ele passa, utilização irracional da pouca quantidade cuidam bem. No Belomonte tem olaria perto de água ainda disponível. de uma nascente e das margens. PropostasPropostas Recuperar e preservar a mata ciliar dos riachos Desenvolver uma Política de Financiamento, para a proteção das barracas. para algumas necessidades emergenciais e Redirecionar o modo de produção por meio de específicas, como a recuperação, ampliação e/ mini cercado. ou a construção de barragens, açudes e Manejar sustentavelmente o extrativismo de barreiros. lenha, principalmente nas margens. Estimular e apoiar a utilização racional para Elaborar critérios e realizar controle racional na melhor aproveitamento e adequação do uso da retirada de areia do leito e do barro das água, através de soluções mais simples, contudo barrancas dos riachos. mais racionais para as diversas maneiras de Criar uma legislação que regularmente os utilização da água. diversos usos. Fazer a titulação de Domínio Público das áreas O Conselho Municipal de Meio Ambiente tem para construção de barragens, como também, que passar a controlar esses usos. das existentes do Poder Público, para garantir o uso coletivo.Sede de Curaçá I. Utilização e Gestão Sustentável dos Recursos Naturais 33

×