2 abril

449 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
127
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2 abril

  1. 1. Mediação de conflitos em contexto escolar: Propostas de prevenção Formadora: Mafalda Branco Março | 2012
  2. 2. “O gesto é como que a linguagem do corpo.” Cícero
  3. 3. AS REGRAS NA SALA DE AULA
  4. 4. AS REGRAS NA ESCOLA
  5. 5. AS REGRAS NA SALA DE AULA
  6. 6. A NOSSA SALA É UM LUGAR ONDE…PARA SEREM EFICAZES,AS REGRAS DEVEM SER: Definidas com os alunos; Curtas e simples; Positivas; Fáceis de compreender; Específicas; Aplicáveis; Aplicadas de forma consistente; Revistas periodicamente e atualizadas quando necessário.
  7. 7. A NOSSA SALA É UM LUGAR ONDE…Como gostariam que fosse a nossa sala de aula?Que pode cada um de nós fazer para que a sala de aula seja como desejamos? As regras devem ser assinadas por todos… Pode mesmo fazer-se um “contrato” no início do ano.Quais vão ser as consequências em caso de infração das regras?
  8. 8. AS RELAÇÕES ESCOLA - FAMÍLIA
  9. 9. AS RELAÇÕES FAMILIARES
  10. 10. AS RELAÇÕES ESCOLA - ALUNOS
  11. 11. AS RELAÇÕES ESCOLA - DOCENTES
  12. 12. A ESCOLA
  13. 13. - É contra a etiqueta bocejar à frente de um rei – disse-lhe o monarca. – Proíbo-te quebocejes!- Não consigo – respondeu o principezinho, muito atrapalhado. – Fiz uma grande viagem eainda não dormi…- Então – disse-lhe o rei – ordeno-te que bocejes. Há anos que não vejo ninguém bocejar. Paramim, os bocejos são autênticas raridades. Anda! Boceja! Olha que isto é uma ordem!- Assim fico intimidado… já não consigo… - disse, corando, o principezinho.- Então, ordeno-te que bocejes, ora…Começara a gaguejar. Parecia vexado.Porque o que importava sobretudo ao rei era que a sua autoridade fosse respeitada. Nãotolerava desobediência. Era um monarca absoluto. Mas como era muito bom, só dava ordenssensatas. Costumava dizer: “Se eu ordenasse a um dos meus generais que se transformasse em gaivota e se ele não obedecesse, a culpa não era do meu general. A culpa era minha.” Antoine de Saint-Exupéry, “O Principezinho”
  14. 14. O QUE É AUTORIDADE?
  15. 15. A AUTORIDADE…A investigação revela que os alunos esperam que os professores atuem comautoridade e poder dentro da aula.A autoridade surge, na perspetiva dos alunos, como uma condição necessária paraa criação de um clima de trabalho e de aprendizagem.A questão está na gestão desequilibrada dos poderes e na queda em extremos: AUTORITARISMO vs PERMISSIVISMO Amado e Freire, 2002
  16. 16. A AUTORIDADE…AUTORITARISMO PERMISSIVISMO INDIFERENÇA ASSERTIVIDADE•Ser rígido, agressivo, •Parece ser ainda •Desmotivação •Sabe fazer-serepressivo, pior… total… respeitar – começaprepotente; •Situações de perfeito •Rotina diária, desejo por respeitar os•Distanciamento descontrolo; de não ser alunos;afetivo; •Propicia incomodado e de não •Atribui-lhes•Ameaça comportamentos de incomodar; responsabilidades;(dominação); todos os níveis; •Pouco ou nada de •Censura e admoesta•Raramente existe •Os alunos estão interessante acontece recordando as regras;elogio; completamente à na aula; pouco se •Tem em conta os•Inicialmente os vontade; aprende. comportamentos ealunos têm medo, •O foco é mais o não as pessoas;mas rapidamente bem-estar do que a •Impõe limites;passam a ter desvios aprendizagem. •Pode-se conversarde comportamento. sobre os problemas. Amado e Freire, 2002
  17. 17. PARA LEMBRAR… NÃO HÁ AGENTES EDUCATIVOS PERFEITOS!
  18. 18. “Falar é uma necessidade, escutar é uma arte.” Goethe
  19. 19. CONFLITOS NA AULA - ESTRATÉGIAS Distribuição e ocupação de espaços Distribuição e uso do tempo Discurso do professor e interação verbal Interação não verbal Reação (imediata) face à disrupção Estilo motivacional Preparação e gestão das atividades e tarefas de aprendizagem Utilização do elogio e do reforço positivo Distribuição do poder e exercício da autoridade dentro da aula
  20. 20. A COMUNICAÇÃO
  21. 21. “Há palavras que nos beijam Como se tivessem boca” Alexandre O´Neill
  22. 22. A COMUNICAÇÃO NÃO VERBALAs palavras 7%O tom de voz 38%A linguagem corporal 55% Albert Mehrabian Cerca de 90% - COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL
  23. 23. NOVAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO
  24. 24. NOVAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO
  25. 25. NOVAS FORMAS DE COMUNICAÇÃO
  26. 26. SISTEMAS DE REPRESENTAÇÃOOs sistemas de representação referem-se àforma como codificamos mentalmente ainformação em um ou vários sistemassensoriais: • Visual • Auditivo • Cinestésico • Gustativo • Olfativo
  27. 27. SISTEMAS DE REPRESENTAÇÃOV (Visual) • Vejo que; do meu ponto de vista; parece-me • Está com brilho; tem luz; é claro; é escuro • Vejo a sua excitação à flor da pele • As pessoas não me veem como eu me vejoA (Auditivo) • Gosto da voz; adoro a música • Neste silêncio ouve-se cair um alfinete • Soa-me bem
  28. 28. SISTEMAS DE REPRESENTAÇÃOC (Cinestésico) • Este ambiente é pesado • Não gostei daquela pessoa (sensação…) • As pessoas não sentem o que eu sintoO (Olfativo) • Cheira bem • Isto não me cheira nada bemG (Gustativo) • A vida é amarga • É uma pessoa doce
  29. 29. A COMUNICAÇÃO…
  30. 30. SABIAS QUE?...
  31. 31. A PERSPETIVA
  32. 32. A PERSPETIVA “O MAPA NÃO É TERRITÓRIO”
  33. 33. A PERSPETIVA “Não vemos as coisas como são… Vemos as coisas como nós somos.” Antonio Blay Fontcuberta
  34. 34. O LOBO… MAU?...

×