O processo de independência da américa portuguesa

1.471 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.471
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O processo de independência da américa portuguesa

  1. 1. Prof. ª. Esp. Luciana Soares da Cruz
  2. 2.  1. Como ocorreu o processo de separação entre o Brasil e a Coroa Portuguesa nas primeiras décadas do século XIX?  2. Quais interesses estavam envolvidos nesse processo e quem foram os responsáveis pelo mesmo?  3. Como os grupos populares vivenciaram esse processo?
  3. 3.  A IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DA COLÔNIA PARA METRÓPOLE.  A INSEGURANÇA REINANTE NA EUROPA:  As pretensões imperialistas de Napoleão Bonaparte;  O Bloqueio Continental (1808).
  4. 4.  Abertura dos portos (1808);  Tratado de Navegação e Comércio (1810);  Elevação do Brasil à categoria de Reino Unido de Portugal e Algarve (1815);  Reestruturação administrativa e urbana do Centro-Sul do Brasil;  Articulação econômica entre as regiões brasileiras;  Constituição de uma elite dirigente: portugueses e brasileiros (comerciantes, proprietários rurais, traficantes de escravos e funcionários da Coroa).
  5. 5.  Norte e Nordeste Brasileiro:  Desprovidos dos cargos administrativos da Coroa;  Manutenção do monopólio português na região;  Cobrança abusiva de impostos;  Crise internacional do comércio do algodão e açúcar.
  6. 6.  Insurreição Pernambucana (1817): PE, RN, CE e PI;  Queda do preço do açúcar e do algodão;  Rivalidades entre os produtores locais e os comerciantes lusitanos;  Pensamento liberal e republicano;  Proclamação da República e criação de um governo provisório e Lei Orgânica;  FRACASSO:  Repressão violenta das autoridades portuguesa;  Retirada do apoio dos grandes proprietários por discordarem das propostas “radicais”.
  7. 7.  Retirada das tropas napoleônicas em 1811;  Conselho de Governo do Reino era presidido por um marechal inglês:  Preponderância inglesa nos negócios do império.  Retorno imediato do Rei (D. João VI – 1816);  Fim da Monarquia Absolutista e criação de uma Monarquia Constitucional;  Recolonização do Brasil.
  8. 8.  Não havia unidade de interesses:  Grupos dominantes:  1. Manutenção de privilégios conquistados a partir de 1808;  Afastamento do risco de radicalizações populares;  Liberdade econômica para continuar negociando com outras nações.  As divergências eram muitas: a elite do sul propunha uma monarquia dual; a baiana o retorno da sede a Salvador e o controle de Lisboa.
  9. 9.  Resistir as tentativas de diminuição do poder absolutista;  Manutenção da economia brasileira, bem mais rentável que a da Coroa;  Manifestações no Brasil: vulnerabilidade às ideias revolucionárias; necessidade de retorno imediato a Portugal;  Aproximação de D. Pedro I às elites coloniais:  1. Resistência as ideias liberais.  2. Preservação da ordem estabelecida: escravidão e hegemonia política do sul.  3. Optar pelo reformismo à revolução.
  10. 10.  Partido Português: Composto por comerciantes lusitanos, interessados na manutenção dos privilégios concedidos pela estrutura colonial. Defendiam o retorno do príncipe e a recolonização.  Partido Brasileiro: burocratas, comerciantes, grandes proprietários, advogados. Defendiam medidas reformistas.  Liberal Radical: Defendia a ruptura definitiva, a República e o fim da escravidão.
  11. 11.  “Ao proclamar sua independência de Portugal em 1822, o Brasil herdou uma tradição cívica pouco encorajadora. Em três séculos de colonização (1500-1822), os portugueses tinham construído um enorme país dotado de unidade territorial, lingüística, cultural e religiosa. Mas tinham também deixado uma população analfabeta, uma sociedade escravocrata, uma economia monocultora e latifundiária, um Estado absolutista. À época da independência, não havia cidadãos brasileiros, nem pátria brasileira.”  (José Murilo de Carvalho, Cidadania no Brasil, 2002).

×