Planejamento estratégico

286 visualizações

Publicada em

Resumo de itens para aula do Livro: KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. - edição revista - São Paulo: Summus, 2003. (Novas buscas em comunicação; v. 17) Bibliografia ISBN 978-85-323-0263-2

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
286
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejamento estratégico

  1. 1. FAM – Comunicação Social Relações Públicas - Tópicos Integradores Profª Mª Luciana P. Santos
  2. 2.  O planejamento estratégico surgiu em meados de 1950 e início da década de 60 em resposta do enfrentamento dos novos desafios ambientais e as mudanças recorrentes no macrombiente social.  Igor Ansoff (apud Kunch, 2003) descreve 05 estágios de turbulência ambiental que impulsionaram essas mudanças e como as estratégias de uma organização deveriam ser planejadas: ESTÁVEL / REATIVO / PROATIVO / EXPLORATÓRIO e CRIATIVO.
  3. 3.  ESTÁVEL - 1900 – 1930 : Nível de turbulência estável - as mudanças eram lentas – mudanças previsíveis;  REATIVO - 1930 – 1950: Nível de turbulência reativo – as mudanças poderiam ser consideradas rápidas – não tinha como prever nada baseado no passado;  PROATIVO - 1950 – 1960: Antecipatório ou proativo – as organizações planejavam mudanças e se antecipavam a essas – uma gestão de previsão;  EXPLORATÓRIO - 1970 – 1980: Nível de turbulência exploratório – múltiplos planejamentos e gestão estratégica – respostas rápidas e flexíveis;  CRIATIVO - 1990 – Atual: Nível criativo – as mudanças são súbitas e urgentes exigindo soluções rápidas e criativas – administração de surpresas.
  4. 4.  Para o autor Mauro Calixta Tavares (apud Kunsh, 2003) a primeira fase do Planejamento estratégico se dá devido a fatores financeiros que ocorreram em 1950 – planejava-se a disponibilidade financeira da organização – não havia preocupação com o público interno e meio ambiente;  A segunda fase se dá a partir de 1960, quando ocorre o planejamento a longo prazo – projetar o futuro e verificar tendências - com base no passado e no presente;  A partir de 1970 existe um direcionamento para o futuro com base nas mudanças do ambiente e nos fatos que estão ocorrendo no mercado, tem-se início o planejamento estratégico – tem início a análise SWOT;  Em 1980 - Atual – Constante revisão do processo de elaboração e implantação do planejamento estratégico – conexão entre administração estratégica, pensamento estratégico, meio ambiente, incorporação das tecnologias, monitoramento constante e absorção dos conceitos de missão, visão e valores organizacionais.
  5. 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Estabelece um posicionamento em relação ao ambiente; Acresce capacitação estratégica; Lida com fatos, ideias e probabilidades; Incorpora aspirações em gente, com mudanças rápidas da organização; Termina com um plano estratégico; Termina com um novo comportamento; Sistema de Planejamento. Sistema de Ação.
  6. 6.  Um pensamento intuitivo e criativo que orienta para uma visão mais dinâmica do processo de planejamento estratégico e a flexibilidade e adaptações inovadoras para sua implementação.  Não se prende a rigidez dos quadros ou diagramas e busca novas e varias alternativas;  Não se prende a dar uma única resposta ou a resposta certa;  Levanta questões e equaciona o estabelecido formalmente;  Pensamento estratégico e administração estratégica devem ser analisados e utilizados em conjunto.
  7. 7.  Visão abrangente;  Valorização da diversidade de pessoas;  Constante busca de questões estratégicas;  Monitoramento do ambiente social;  Criatividade e ousadia;  Conhecimento da real situação da organização/instituição;  Absorção completa dos conceitos de Missão / Visão e Valores da organização/instituição.
  8. 8. Para Paulo Vasconcellos Filho: o definição de negócio; o definição de missão; o análise do ambiente; o elaboração do plano continental; o filosofia de atuação - das políticas, dos objetivos e das metas; o formulação das estratégias; o checagem da consistência do plano, e o implementação.
  9. 9.  1 - Diagnóstico estratégico (identificação da visão / análise externa / análise interna / análise dos concorrentes);  2 - Missão da empresa (estabelecer missão da empresa / estabelecer propósitos atuais e potenciais / estruturação e debate de cenários / estabelecimento da postura estratégica);  3 – Instrumentos prescritivos e quantitativos: (prescritivos: estabelecimento de objetivos desafios e metas / estratégia e políticas funcionais / projetos e planos de ação ) - (quantitativos: projeções econômico-financeiras do planejamento orçamentário);  4 – Controle e avaliação: processos e controles de desempenho real.
  10. 10.  01 - Análise dos aspectos internos;  02 - Análise do ambiente;  03 - Comparação da missão ou vocação com o campo de atuação; e  04 - Estabelecimento da estratégia vigente.  Pode-se então notar que existem vários passos ate se chegar a estabelecer uma proposta definitiva de Planejamento Estratégico.
  11. 11.  1º - A organização deve ter consciência da importância de fazer o planejamento estratégico;  2º - A área de Comunicação Social – e o Relações Públicas deve ocupar um local estratégico na organização;  3º - A capacitação do executivo principal responsável pela comunicação;  4º - Valorização de uma cultura organizacional corporativa.  PLANO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL - Tem como objetivo estabelecer as grandes diretrizes, orientações e estratégias para a prática da Comunicação integrada.  E A RELAÇÕES PÚBLICAS - Tem como alvo todos os públicos vinculados com a organização.
  12. 12.  A – IDENTIFICAÇÃO DA MISSÃO –VISÃO E DOS VALORES: • Missão – expressa a razão de ser de uma organização e o papel que ela exerce na sociedade e no mundo dos negócios. • Visão: é como a organização deseja ser vista, considerada pelos seus públicos estratégicos, clientes, acionistas, etc. Relaciona ao futuro. • Valores: São as convicções e os princípios morais que estão por trás da cultura da empresa – regras e normas de comportamento.  B – DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO – Identificar e descrever o negócio em si, compreendendo o produto ou serviço e sua relação com o mercado.
  13. 13.  C – ANÁLISE DO AMBIENTE EXTERNO, SETORIAL E INTERNO.  Ambiente externo ou macroambiente: é constituído por um conjunto de variáveis ou fatores externos que influenciam direta ou indiretamente a vida das organizações – internacional, nacional e regional – São pertencentes ao ambiente externo as seguintes variáveis: econômicas / políticas / sociais / Legais / tecnológicas / culturais / demográficas / ecológicas.  Ambiente Setorial (relevante ou Operacional): o ambiente mais próximo da organização – relacionamento com os públicos estratégicos básicos ara sobrevivência da organização – muita atenção aos inputs e outputs – são os chamados stakeholders.  Ambiente Interno: Elementos que constituem a organização em si, as condições de infraestrutura física e gestão de pessoas.  D – DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DA COMUNICAÇÃO – abrange a análise das comunicações administrativa formal e informal / Interna / Institucional e Mercadológica – Estratégia usada Benchmarking [processo de comparação de produtos, serviços e práticas empresariais].
  14. 14. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL  A definição da missão visão valores;  Estabelecimento de filosofias e políticas;  Determinação de objetivos e metas;  Esboço das estratégias gerais;  Montagem do orçamento geral.  Divulgação do plano;  Implementação;  Controle de ações;  Avaliação dos resultados.

×