SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Baixar para ler offline
Patologias Virais III  Prof.Luciana Oliveira PUC-SP
Sarampo
Vou ver se tô com febre!
O sarampo é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus chamado Morbillivirus. A enfermidade é uma das principais responsáveis pela mortalidade infantil em países do Terceiro Mundo. No Brasil, graças às sucessivas campanhas de vacinação e programas de vigilância epidemiológica, a mortalidade não chega a 0,5%.
Transmissão
A transmissão é diretamente de pessoa a pessoa, por meio das secreções do nariz e da boca expelidas pelo doente ao tossir, respirar ou falar.
Sintomas
O período de incubação dura entre oito e 13 dias. Depois começam a aparecer os principais sintomas, com o aparecimento de pequenas erupções na pele (exantemas) de cor avermelhada, febre alta, dor de cabeça, mal-estar e inflamação das vias respiratórias, com presença de catarro.
Tratamento
Não existe tratamento específico para o sarampo, apenas para os sintomas.
Prevenção
Vacinar é o meio mais eficaz de prevenção contra o sarampo. A vacina tetraviral é indicada para prevenção do sarampo e está disponível nos postos de saúde para crianças a partir de 12 meses de idade. Outra opção é a vacina tríplice vira
Me arrumou pra passear  Mas era vacina!
Rubéola
Rubéola, também conhecida como sarampo alemão, é uma infecção contagiosa causada por vírus Rubella vírus e caracterizada por erupções vermelhas na pele.
Transmissão
Transmitida de pessoa para pessoa, por meio do espirro ou tosse, sendo altamente contagiosa. Uma pessoa com rubéola pode transmitir a doença a outras pessoas desde uma semana antes do início da erupção até uma a duas semanas depois de seu desaparecimento. Ou seja, uma pessoa pode transmitir a doença antes mesmo de saber que tem rubéola.
 A doença também pode ser congênita, podendo ser transmitida de mãe para filho ainda durante a gravidez.
Sintomas
Os sintomas da rubéola costumam ser leves e difíceis de serem notados, especialmente em crianças. Quando surgem, os sinais da doença demoram geralmente de duas a três semanas após a exposição com o vírus para se manifestar e duram, em média, de dois a três dias. O principal deles é o surgimento de erupções vermelhas pela pele, que aparecem primeiramente no rosto e depois vão se espalhando pelo tronco, braços e pernas
Febre leve  Dor de cabeça  Congestão nasal  Inflamação nos olhos (avermelhados)  Surgimento de nódulos na região da nuca e atrás das orelhas  Desconforto geral e sensação de mal-estar constante  Dor muscular e nas articulações
Tratamento
Não há tratamento disponível para interromper a infecção por rubéola, mas os sintomas são tão leves que o tratamento não costuma ser necessário. No entanto, para evitar a transmissão do vírus para outras pessoas que eventualmente não foram vacinadas ou estão precisando tomar o reforço da vacina, os pacientes devem permanecer em casa durante o período de altas chances de contágio.
Em caso de gestação,  o médico deverá orientar a melhor forma de combater a infecção e impedir que o bebê seja infectado também. As medidas tomadas contra o vírus podem reduzir os sintomas, mas não elimina a possibilidade de a criança nascer com rubéola congênita.
As consequências da rubéola congênita para um recém-nascido,  podem ser graves. Entre elas estão:
 
 Deficiência intelectual
 Catarata
 Surdez
 Problemas cardíacos congênitos
 Defeitos no funcionamento de alguns órgãos
 Retardo no crescimento
Prevenção
Vacinação é o meio mais seguro e eficaz de se prevenir rubéola. A vacina da rubéola é recomendada para todas as crianças. Normalmente, é aplicada em bebês de 12 a 15 meses, mas algumas vezes é administrada antes e durante epidemias. Uma segunda vacinação (reforço) é aplicada rotineiramente em crianças entre quatro e seis anos. A tríplice viral é uma vacina combinada que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Já a vacina tetra viral protege também contra catapora.
Injeção??  Cadê o zé gotinha!
Parotidite
A parotidite (papeira) é uma infecção viral (provocada pelo virus Paramyxoviridae), contagiosa que provoca uma dilatação dolorosa das glândulas salivares.
Transmissão
A caxumba é causada por um vírus. O vírus se dissemina de uma pessoa para outra através de gotículas respiratórias (por exemplo, ao espirrar) ou por contato direto com itens que foram contaminados pela saliva infectada.
Sintomas
O vírus infecta as glândulas salivares. Os sintomas começam entre o 14.º e o 24.º dias depois da infecção. A criança pode ter calafrios, dor de cabeça, falta de apetite, sensação de mal-estar geral e uma febre baixa ou moderada entre 12 e 24 horas antes que uma ou mais glândulas salivares comecem a inflamar-se. No entanto, 25 % a 30 % das pessoas não têm estes sintomas. O primeiro sintoma de infecção das glândulas salivares é a dor ao mastigar ou ao engolir, sobretudo ao engolir líquidos ácidos, como sumos de laranja ou de limão. As glândulas são dolorosas ao tacto. Nesta fase, a temperatura normalmente sobe até aos 39,4ºC ou 40ÞC. as glândulas salivares estão mais inflamadas até ao segundo dia.
Dor facial  Febre  Dor de cabeça  Dor de garganta  Inchaço das glândulas parótidas (as maiores glândulas salivares, localizadas entre a orelha e a mandíbula)  Inchaço das têmporas ou da mandíbula (zona temporomandibular)
Outros sintomas dessa doença que podem ocorrer em homens:  Nódulo testicular  Dor nos testículos  Inchaço do escroto
As pessoas mais antigas, costumavam dizer então que era preciso deitar com as pernas levantadas para evitar que a papeira desça. Isso NÃO é verdade! O que acontece então é que a infecção pode sim atingir outros órgãos, independente do repouso ou não.     Quando a caxumba atinge os testículos, é chamada então de “orquite pós-caxumba”. A infecção é temporária, porém na maioria das vezes o testículo pode sim, ficar prejudicado, e mais dificilmente até prejudicar a fabricação dos espermatozoides.
Tratamento
Bolsas de calor ou de gelo aplicadas à área do pescoço e paracetamol (Tylenol) ajudam a aliviar a dor.  Também pode-se aliviar os sintomas com:
 Maior ingestão de líquidos
 Alimentos pastosos
 Gargarejos com água morna e sal
Prevenção
A imunização com a vacina tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Ela deve ser administrada a crianças de 12 a 15 meses de idade. A vacina é aplicada novamente entre 4 e 6 anos ou entre 11 e 12 anos, se não foi dada anteriormente. Outra opção é a vacina tetraviral, que também protege contra catapora. Surtos recentes de sarampo reforçaram a importância da vacinação para todas as crianças.
Atividades   1. Defina Sarampo e o mecanismo de transmissão;  2. Explique os sinais e sintoma da rubéola;  3. Quais são as complicações da Rubéola para a gestante;  4. O que é Parotidite ,como é transmitido e quais as complicações;  5. Faça a tabela vacinal das doença estudadas hoje.
Obrigada
Referências   • http://www.minhavida.com.br/saude/temas/sarampo  • http://www.minhavida.com.br/saude/temas/rubeola  • http://diariodebiologia.com/2014/09/  • http://portalsaude.saude.gov.br/
Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite
Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite
Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite
Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite
Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite
Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (17)

Trabalho Caxumba Slaides
Trabalho Caxumba SlaidesTrabalho Caxumba Slaides
Trabalho Caxumba Slaides
 
Gripe e Sarampo
Gripe e SarampoGripe e Sarampo
Gripe e Sarampo
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Biologia - Caxumba
Biologia - CaxumbaBiologia - Caxumba
Biologia - Caxumba
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Varicela na infância
Varicela na infânciaVaricela na infância
Varicela na infância
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Varicela 3
Varicela 3Varicela 3
Varicela 3
 
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE CCÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
 
Info News Gripe A
Info News Gripe AInfo News Gripe A
Info News Gripe A
 
Influenza 2009
Influenza 2009Influenza 2009
Influenza 2009
 
Influenza 2009[1]
Influenza 2009[1]Influenza 2009[1]
Influenza 2009[1]
 
X Gripe A Grp2
X Gripe A Grp2X Gripe A Grp2
X Gripe A Grp2
 
Informativo condomundo maio_2016
Informativo condomundo maio_2016Informativo condomundo maio_2016
Informativo condomundo maio_2016
 

Semelhante a Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite

Semelhante a Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite (20)

Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
saude_da_criana_9184.pptx
saude_da_criana_9184.pptxsaude_da_criana_9184.pptx
saude_da_criana_9184.pptx
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Varicela trabalho de bruno e david
Varicela trabalho de bruno e davidVaricela trabalho de bruno e david
Varicela trabalho de bruno e david
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Daniela
DanielaDaniela
Daniela
 
Patologias Virais II
Patologias Virais IIPatologias Virais II
Patologias Virais II
 

Mais de Luciana Oliveira (7)

Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
Programa de Saúde da
Programa de Saúde daPrograma de Saúde da
Programa de Saúde da
 
Módulo V
Módulo VMódulo V
Módulo V
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Untitled Presentation
Untitled PresentationUntitled Presentation
Untitled Presentation
 
Patologias Virais
Patologias ViraisPatologias Virais
Patologias Virais
 

Virais Patologias III: Sarampo, Rubéola e Parotidite

  • 1. Patologias Virais III Prof.Luciana Oliveira PUC-SP
  • 3. Vou ver se tô com febre!
  • 4. O sarampo é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus chamado Morbillivirus. A enfermidade é uma das principais responsáveis pela mortalidade infantil em países do Terceiro Mundo. No Brasil, graças às sucessivas campanhas de vacinação e programas de vigilância epidemiológica, a mortalidade não chega a 0,5%.
  • 6. A transmissão é diretamente de pessoa a pessoa, por meio das secreções do nariz e da boca expelidas pelo doente ao tossir, respirar ou falar.
  • 8. O período de incubação dura entre oito e 13 dias. Depois começam a aparecer os principais sintomas, com o aparecimento de pequenas erupções na pele (exantemas) de cor avermelhada, febre alta, dor de cabeça, mal-estar e inflamação das vias respiratórias, com presença de catarro.
  • 10. Não existe tratamento específico para o sarampo, apenas para os sintomas.
  • 12. Vacinar é o meio mais eficaz de prevenção contra o sarampo. A vacina tetraviral é indicada para prevenção do sarampo e está disponível nos postos de saúde para crianças a partir de 12 meses de idade. Outra opção é a vacina tríplice vira
  • 13. Me arrumou pra passear Mas era vacina!
  • 15. Rubéola, também conhecida como sarampo alemão, é uma infecção contagiosa causada por vírus Rubella vírus e caracterizada por erupções vermelhas na pele.
  • 17. Transmitida de pessoa para pessoa, por meio do espirro ou tosse, sendo altamente contagiosa. Uma pessoa com rubéola pode transmitir a doença a outras pessoas desde uma semana antes do início da erupção até uma a duas semanas depois de seu desaparecimento. Ou seja, uma pessoa pode transmitir a doença antes mesmo de saber que tem rubéola. A doença também pode ser congênita, podendo ser transmitida de mãe para filho ainda durante a gravidez.
  • 19. Os sintomas da rubéola costumam ser leves e difíceis de serem notados, especialmente em crianças. Quando surgem, os sinais da doença demoram geralmente de duas a três semanas após a exposição com o vírus para se manifestar e duram, em média, de dois a três dias. O principal deles é o surgimento de erupções vermelhas pela pele, que aparecem primeiramente no rosto e depois vão se espalhando pelo tronco, braços e pernas
  • 20. Febre leve Dor de cabeça Congestão nasal Inflamação nos olhos (avermelhados) Surgimento de nódulos na região da nuca e atrás das orelhas Desconforto geral e sensação de mal-estar constante Dor muscular e nas articulações
  • 22. Não há tratamento disponível para interromper a infecção por rubéola, mas os sintomas são tão leves que o tratamento não costuma ser necessário. No entanto, para evitar a transmissão do vírus para outras pessoas que eventualmente não foram vacinadas ou estão precisando tomar o reforço da vacina, os pacientes devem permanecer em casa durante o período de altas chances de contágio.
  • 23. Em caso de gestação, o médico deverá orientar a melhor forma de combater a infecção e impedir que o bebê seja infectado também. As medidas tomadas contra o vírus podem reduzir os sintomas, mas não elimina a possibilidade de a criança nascer com rubéola congênita.
  • 24. As consequências da rubéola congênita para um recém-nascido, podem ser graves. Entre elas estão: Deficiência intelectual Catarata Surdez Problemas cardíacos congênitos Defeitos no funcionamento de alguns órgãos Retardo no crescimento
  • 26. Vacinação é o meio mais seguro e eficaz de se prevenir rubéola. A vacina da rubéola é recomendada para todas as crianças. Normalmente, é aplicada em bebês de 12 a 15 meses, mas algumas vezes é administrada antes e durante epidemias. Uma segunda vacinação (reforço) é aplicada rotineiramente em crianças entre quatro e seis anos. A tríplice viral é uma vacina combinada que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Já a vacina tetra viral protege também contra catapora.
  • 27. Injeção?? Cadê o zé gotinha!
  • 29. A parotidite (papeira) é uma infecção viral (provocada pelo virus Paramyxoviridae), contagiosa que provoca uma dilatação dolorosa das glândulas salivares.
  • 31. A caxumba é causada por um vírus. O vírus se dissemina de uma pessoa para outra através de gotículas respiratórias (por exemplo, ao espirrar) ou por contato direto com itens que foram contaminados pela saliva infectada.
  • 33. O vírus infecta as glândulas salivares. Os sintomas começam entre o 14.º e o 24.º dias depois da infecção. A criança pode ter calafrios, dor de cabeça, falta de apetite, sensação de mal-estar geral e uma febre baixa ou moderada entre 12 e 24 horas antes que uma ou mais glândulas salivares comecem a inflamar-se. No entanto, 25 % a 30 % das pessoas não têm estes sintomas. O primeiro sintoma de infecção das glândulas salivares é a dor ao mastigar ou ao engolir, sobretudo ao engolir líquidos ácidos, como sumos de laranja ou de limão. As glândulas são dolorosas ao tacto. Nesta fase, a temperatura normalmente sobe até aos 39,4ºC ou 40ÞC. as glândulas salivares estão mais inflamadas até ao segundo dia.
  • 34. Dor facial Febre Dor de cabeça Dor de garganta Inchaço das glândulas parótidas (as maiores glândulas salivares, localizadas entre a orelha e a mandíbula) Inchaço das têmporas ou da mandíbula (zona temporomandibular)
  • 35. Outros sintomas dessa doença que podem ocorrer em homens: Nódulo testicular Dor nos testículos Inchaço do escroto
  • 36. As pessoas mais antigas, costumavam dizer então que era preciso deitar com as pernas levantadas para evitar que a papeira desça. Isso NÃO é verdade! O que acontece então é que a infecção pode sim atingir outros órgãos, independente do repouso ou não. Quando a caxumba atinge os testículos, é chamada então de “orquite pós-caxumba”. A infecção é temporária, porém na maioria das vezes o testículo pode sim, ficar prejudicado, e mais dificilmente até prejudicar a fabricação dos espermatozoides.
  • 38. Bolsas de calor ou de gelo aplicadas à área do pescoço e paracetamol (Tylenol) ajudam a aliviar a dor. Também pode-se aliviar os sintomas com: Maior ingestão de líquidos Alimentos pastosos Gargarejos com água morna e sal
  • 40. A imunização com a vacina tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Ela deve ser administrada a crianças de 12 a 15 meses de idade. A vacina é aplicada novamente entre 4 e 6 anos ou entre 11 e 12 anos, se não foi dada anteriormente. Outra opção é a vacina tetraviral, que também protege contra catapora. Surtos recentes de sarampo reforçaram a importância da vacinação para todas as crianças.
  • 41. Atividades 1. Defina Sarampo e o mecanismo de transmissão; 2. Explique os sinais e sintoma da rubéola; 3. Quais são as complicações da Rubéola para a gestante; 4. O que é Parotidite ,como é transmitido e quais as complicações; 5. Faça a tabela vacinal das doença estudadas hoje.
  • 43. Referências • http://www.minhavida.com.br/saude/temas/sarampo • http://www.minhavida.com.br/saude/temas/rubeola • http://diariodebiologia.com/2014/09/ • http://portalsaude.saude.gov.br/