Princípios Fundamentais da ContabilidadeConceitoSão os preceitos resultantes do desenvolvimento da aplicação prática dospr...
Sendo adotada a filosofia da continuidade da empresa, devemos ater-se aocusto histórico para avaliação do empreendimento.I...
curso normal das operações da Entidade. Os passivos são mantidos pelo valorpresente, descontado do fluxo futuro de saída l...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pesquisa princípios fundamentais da contabilidade

1.674 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.674
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa princípios fundamentais da contabilidade

  1. 1. Princípios Fundamentais da ContabilidadeConceitoSão os preceitos resultantes do desenvolvimento da aplicação prática dosprincípios técnicos emanados da Contabilidade, de uso predominante no meioem que se aplicam, proporcionando interpretação uniforme das demonstraçõesfinanceiras.ObjetivoOs princípios contábeis permitem aos usuários fixar padrões de comparação ede credibilidade em função do reconhecimento dos critérios adotados para aelaboração das demonstrações financeiras, aumentam a utilidade dos dadosfornecidos e facilitam a adequada interpretação entre empresas do mesmosetor.ComposiçãoO Conselho Federal de Contabilidade, através da Resolução nº 750/93,determinou os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: Princípio da entidade; Princípio da continuidade; Princípio da oportunidade; Princípio do registro pelo valor original; Princípio da competência; Princípio da prudência. 1. Princípio da entidadeReconhece o patrimônio como objeto da Contabilidade e afirma a autonomiapatrimonial, a necessidade da diferenciação de um patrimônio particular nouniverso dos patrimônios existentes, independentemente de pertencer a umapessoa, um conjunto de pessoas, uma sociedade ou instituição de qualquernatureza ou finalidade, com ou sem fins lucrativos. Nessa acepção, opatrimônio da empresa não se confunde com o dos seus sócios ouproprietários. 2. Princípio da continuidade Pressupõe que a entidade continuará em operação no futuro e, portanto, amensuração e a apresentação dos componentes do patrimônio levam em contaesta circunstância.
  2. 2. Sendo adotada a filosofia da continuidade da empresa, devemos ater-se aocusto histórico para avaliação do empreendimento.Influencia a aplicação do princípio da Competência, e ainda constituiferramenta para aferir a capacidade futura de geração de resultados. 3. Princípio da oportunidadeRefere-se simultaneamente à tempestividade e à integridade do registro dopatrimônio e suasmutações.Se tecnicamente estimável, o registro das variações patrimoniais deve ser feitomesmo na hipótese de somente existir razoável certeza de sua ocorrência.É a base indispensável à fidedignidade das informações sobre o Patrimônio daEntidade, relativas a um determinado período. 4. Princípio do registro pelo valor originalO Princípio do Registro pelo Valor Original determina que os componentes dopatrimônio devem ser inicialmente registrados pelos valores originais dastransações.Com exceção dos elementos do ativo sujeito à amortização, depreciação eexaustão, uma vez registrado seus valores não são alterados.O uso da moeda nacional é obrigatório para que aja homogeneizaçãoquantitativa dos mesmos.Uma vez integrado ao patrimônio, os componentes patrimoniais, ativos epassivos, podem sofrer variações decorrentes dos seguintes fatores:a) Custo corrente. Os ativos são reconhecidos pelos valores em caixa ouequivalentes de caixa, os quais teriam de ser pagos se esses ativos ou ativosequivalentes fossem adquiridos na data ou no período das demonstraçõescontábeis. Os passivos são reconhecidos pelos valores em caixa ouequivalentes de caixa, não descontados, que seriam necessários para liquidara obrigação na data ou no período das demonstrações contábeis;b) Valor realizável. Os ativos são mantidos pelos valores em caixa ouequivalentes de caixa, os quais poderiam ser obtidos pela venda em uma formaordenada. Os passivos são mantidos pelos valores em caixa e equivalentes decaixa, não descontados, que se espera seriam pagos para liquidar ascorrespondentes obrigações no curso normal das operações da Entidade;c) Valor presente. Os ativos são mantidos pelo valor presente, descontado dofluxo futuro de entrada líquida de caixa que se espera seja gerado pelo item no
  3. 3. curso normal das operações da Entidade. Os passivos são mantidos pelo valorpresente, descontado do fluxo futuro de saída líquida de caixa que se esperaseja necessário para liquidar o passivo no curso normal das operações daEntidade;d) Valor justo. É o valor pelo qual um ativo pode ser trocado, ou um passivoliquidado, entre partes conhecedoras, dispostas a isso, em uma transação semfavorecimentos; e) Atualização monetária. Os efeitos da alteração do poder aquisitivo damoeda nacional devem ser reconhecidos nos registros contábeis mediante oajustamento da expressão formal dos valores dos componentes patrimoniais. 5. Princípio da competênciaAs receitas e as despesas devem ser registradas dentro do período em queocorreu o fato gerador.Nas transações com terceiros, uma receita é considerada realizada, nãoimportando a data do seu recebimento.Considera-se incorrida uma despesa no momento do seu consumo,independentemente do seu pagamento. 6. Princípio da prudênciaSempre que existir alternativas válidas de distribuição de valores, o contadordeverá optar pelo mais baixo para o ativo e o mais alto para o passivo.Conteúdo principal na RESOLUÇÃO CFC Nº 750/93 no artigo 10.Art. 10. O Princípio da PRUDÊNCIA determina a adoção do menor valor paraos componentes do ATIVO e do maior para os do PASSIVO, sempre que seapresentem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutaçõespatrimoniais que alterem o patrimônio líquido.

×