Análise de Conteúdo

721 visualizações

Publicada em

Bastante utilizada na pesquisa qualitativa, a análise de conteúdo consiste numa técnica de análise de dados em situações em que a análise estatística se mostra limitada. Faz-se aqui uma descrição sucinta sobre a análise de conteúdo: síntese histórica, características, estrutura, vantagens e limitações.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
721
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
331
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise de Conteúdo

  1. 1. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias An´alise de conte´udo Lucas G. Barros lucas.gbarros100@gmail.com 23 de Janeiro de 2015 Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  2. 2. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias Menu 1 S´ıntese hist´orica 2 Defini¸c˜ao 3 Estrutura 4 Vantagens e limita¸c˜oes 5 Referˆencias Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  3. 3. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias S´ıntese hist´orica Su´ecia (1640): An´alise dos efeitos dos hinos do hin´ario luterano, al´em da comple- xidade estil´ıstica. Desenvolvimento nos Estados Unidos, com a escola de jornalismo de Col´umbia. Lanswell (1915 - 1927): An´alise da imprensa e da propaganda nos EUA. Anos 20-30: AC torna-se um m´etodo de estudo devido `a crise da ciˆencia cl´assica. Estudos emp´ıricos no p´os-guerra (25%). Largas aplica¸c˜oes na ciˆencia pol´ıtica. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  4. 4. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias S´ıntese hist´orica Berelson (1940-50): Elabora¸c˜ao de regras e maior rigor na AC. D´ecadas de 1950/60: acirram-se os debates entre an´alise quantitativa e qualitativa. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  5. 5. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias S´ıntese hist´orica Para Bardin (1977), “na an´alise quantitativa, o que serve de informa¸c˜ao ´e a frequˆencia com que surgem certas caracter´ısticas do conte´udo. Na an´alise qua- litativa ´e a presen¸ca ou a ausˆencia de uma dada caracter´ıstica de conte´udo ou de um conjunto de caracter´ısticas num determinado fragmento de mensagem que ´e tomado em considera¸c˜ao”. Anos 60: o computador surge como recurso que oferece novas possibilidades para a AC. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  6. 6. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 2. Defini¸c˜ao De acordo com Berelson (1954, apud BARDIN, 1977, p. 19), a An´alise de Conte´udo ´e “uma t´ecnica de investiga¸c˜ao que tem por finalidade a descri¸c˜ao objetiva, sis- tem´atica e quantitativa do conte´udo manifesto na comunica¸c˜ao”. Os objetivos da AC s˜ao os seguintes: Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  7. 7. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 2. Defini¸c˜ao De acordo com Berelson (1954, apud BARDIN, 1977, p. 19), a An´alise de Conte´udo ´e “uma t´ecnica de investiga¸c˜ao que tem por finalidade a descri¸c˜ao objetiva, sis- tem´atica e quantitativa do conte´udo manifesto na comunica¸c˜ao”. Os objetivos da AC s˜ao os seguintes: 1) Diminui¸c˜ao de incertezas (A leitura ´e v´alida e generaliz´avel?) Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  8. 8. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 2. Defini¸c˜ao De acordo com Berelson (1954, apud BARDIN, 1977, p. 19), a An´alise de Conte´udo ´e “uma t´ecnica de investiga¸c˜ao que tem por finalidade a descri¸c˜ao objetiva, sis- tem´atica e quantitativa do conte´udo manifesto na comunica¸c˜ao”. Os objetivos da AC s˜ao os seguintes: 1) Diminui¸c˜ao de incertezas (A leitura ´e v´alida e generaliz´avel?) 2) Enriquecimento da leitura: Descobertas de conte´udos e estruturas que confirmam ou anulam o que se quer demonstrar. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  9. 9. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 2. Defini¸c˜ao OLIVEIRA et. al., 2003, p. 3-4 Na AC, busca-se, empregando um conjunto de t´ecnicas, “explicar e sistematizar o conte´udo da mensagem e o significado desse conte´udo, por meio de dedu¸c˜oes l´ogicas e justificadas, tendo como referˆencia sua origem e o contexto da mensagem ou os efeitos dessa mensagem”. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  10. 10. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 2. Defini¸c˜ao Desta forma, em uma an´alise, um texto ´e considerado em sua totalidade, e faz-se uma classifica¸c˜ao de itens (frequˆencias e ausˆencias). Ou seja, categoriza-se para introduzir uma ordem, de acordo com certos parˆametros. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  11. 11. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3. Estrutura Figura : Etapas da An´alise de Conte´udo. Fonte: XAVIER, DORNELAS, 2006, p. 19. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  12. 12. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.1 - Organiza¸c˜ao da an´alise 3.1.1 - Pr´e-an´alise A pr´e-an´alise envolve a escolha dos documentos que ser˜ao submetidos `a an´alise. Al´em disso, as hip´oteses, os objetivos e os indicadores para a interpreta¸c˜ao final, ser˜ao formulados nessa fase. 3.1.2 - Explora¸c˜ao do material Consiste na maior parte do trabalho de an´alise. ´E nessa fase que ser˜ao feitas as opera¸c˜oes de codifica¸c˜ao em fun¸c˜ao das regras delimitadas na fase anterior. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  13. 13. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.2 - Codifica¸c˜ao A codifica¸c˜ao ´e uma transforma¸c˜ao dos dados que est˜ao “em bruto” no texto, transforma¸c˜ao esta que, por recorte, agrega¸c˜ao e enumera¸c˜ao, permite atingir uma representa¸c˜ao do conte´udo, ou da sua express˜ao; suscet´ıvel de esclarecer o analista acerca das caracter´ısticas do texto, que podem servir de ´ındices. Esta etapa divide-se em: Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  14. 14. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.2 - Codifica¸c˜ao 3.2.1 - Escolha das unidades Faz-se o recorte das unidades de registro e unidades de contexto. Uma unidade de registro ´e uma unidade de significa¸c˜ao a ser codificada. Os recortes s˜ao feitos no n´ıvel semˆantico e lingu´ıstico. As unidades de registro comumente utilizadas na an´alise s˜ao: Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  15. 15. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.2 - Codifica¸c˜ao 3.2.1 - Escolha das unidades Faz-se o recorte das unidades de registro e unidades de contexto. Uma unidade de registro ´e uma unidade de significa¸c˜ao a ser codificada. Os recortes s˜ao feitos no n´ıvel semˆantico e lingu´ıstico. As unidades de registro comumente utilizadas na an´alise s˜ao: 1 Tema; 2 Temas-eixo; 3 Personagem; 4 Acontecimento; 5 Documento. J´a uma unidade de contexto consiste em um segmento de mensagens cujas dimens˜oes habilitam a compreens˜ao exata da unidade de registro. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  16. 16. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.2 - Codifica¸c˜ao 3.2.2 - Regras de enumera¸c˜ao Esta parte consiste numa an´alise quantitativa dos elementos utilizados para a codifica¸c˜ao. Tal an´alise se d´a pela presen¸ca (ou ausˆencia), frequˆencia, frequˆencia ponderada, intensidade, dire¸c˜ao, ordem, co-ocorrˆencia, associa¸c˜ao, equivalˆencia e oposi¸c˜ao. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  17. 17. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.3 - Categoriza¸c˜ao Defini¸c˜ao ´E um processo de classifica¸c˜ao de elementos constitutivos de um conjunto por diferen- cia¸c˜ao e, seguidamente, por reagrupamento segundo o gˆenero (analogia), com os crit´erios previamente definidos. O crit´erio de categoriza¸c˜ao pode ser semˆantico, sint´atico, l´exico e expressivo. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  18. 18. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.3 - Categoriza¸c˜ao Defini¸c˜ao Classificar elementos em categorias imp˜oe a investiga¸c˜ao do que cada um deles tem em comum com os outros. O que vai permitir o seu agrupamento ´e a parte comum existente entre eles. o processo de categoriza¸c˜ao envolve duas etapas: 1 Invent´ario - isolamento dos elementos. 2 Classifica¸c˜ao - reparti¸c˜ao dos elementos, impondo certa organiza¸c˜ao `as mensagens. . Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  19. 19. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.4 - Inferˆencias Defini¸c˜ao A inferˆencia tem como objetivo a “indu¸c˜ao, a partir dos fatos. ´E relativamente simples inferir-se do conte´udo as predisposi¸c˜oes casuais do locutor - atitudes, valores, etc - mas ´e dif´ıcil prever-se as comunica¸c˜oes engendradas, a partir do seu conhecimento” (NAMENWIRTH, apud BARDIN, 2009, p. 166). Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  20. 20. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.4 - Inferˆencias Defini¸c˜ao Ao levantar inferˆencias sobre determinadas categorias, leva-se em conta as seguintes estruturas: Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  21. 21. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.4 - Inferˆencias Defini¸c˜ao Ao levantar inferˆencias sobre determinadas categorias, leva-se em conta as seguintes estruturas: 1 Emissor - a mensagem exprime e representa o sujeito; 2 Receptor - indiv´ıduo que receber´a a mensagem. A mensagem transmitida tem a finalidade de agir ou de se adaptar a ele. A partir daqui, determina-se caracter´ısticas do p´ublico receptor; 3 A mensagem - Aqui, dois n´ıveis de an´alise est˜ao presentes, e podemos tomar qualquer um deles: Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  22. 22. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 3.4 - Inferˆencias 3.4.1 - C´odigo Indicador que pode revelar qualidades subjacentes. 3.4.2 - Significa¸c˜ao Diz respeito aos temas presentes nos discursos, assuntos abordados, conte´udos, dis- posi¸c˜ao dos temas na sequˆencia do relato, sistemas de valores, realidades inconscientes, etc. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  23. 23. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 4.1 - Vantagens Pode fornecer insights hist´oricos e culturais valiosos ao longo do tempo, por meio da an´alise de textos. Permite uma proximidade com o texto, al´em de analisar estatisticamente a forma codificada do texto. Permite opera¸c˜oes quantitativas e qualitativas. ´E tamb´em um meio discreto de analisar as intera¸c˜oes e fornece insights sobre modelos complexos do pensamento humano e uso da linguagem. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  24. 24. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 4.2 - Limita¸c˜oes Em muitos casos as etapas de an´alise consomem bastante tempo. H´a uma probabilidade de erro quando se aumenta o n´ıvel de interpreta¸c˜ao. Especialmente quando se trata de analisar textos complexos, corre-se o risco de obter uma an´alise reduzida. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  25. 25. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 5. Referˆencias BARDIN, L. An´alise de Conte´udo. Lisboa: Edi¸c˜oes 70, 1977. BARDIN, L. An´alise de Conte´udo. Lisboa: Edi¸c˜oes 70, 1979. BARDIN, L. An´alise de Conte´udo. Lisboa: Edi¸c˜oes 70, 2009. OLIVEIRA, E.; ENS, R.T.; ANDRADE, D.B.S.F. MUSSIS, C.R. An´alise de conte´udo e pesquisa na ´area de educa¸c˜ao. Revista Di´alogo Educacional, v. 4, n.9, mai/ago, 2003, p. 11-27. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo
  26. 26. S´ıntese hist´orica Defini¸c˜ao Estrutura Vantagens e limita¸c˜oes Referˆencias 5. Referˆencias XAVIER, R.O; DORNELAS, J.S. O papel do gerente num contexto de mudan¸ca baseada no uso da tecnologia CRM Revista de Administra¸c˜ao Contemporˆanea, v.10, n.1, jan/mar. 2006, p. 9-30. http://writing.colostate.edu/guides/page.cfm?pageid=1318&guideid=61, acesso em: 21 jan. 2015. http://writing.colostate.edu/guides/page.cfm?pageid=1319&guideid=61, acesso em: 21 jan. 2015. Lucas G. Barros An´alise de conte´udo

×