CORPO, MÍDIA E REPRESENTAÇÃO: ESTUDOS CONTEMPORÂNEOS.

3.199 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.199
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CORPO, MÍDIA E REPRESENTAÇÃO: ESTUDOS CONTEMPORÂNEOS.

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO – UNIEURO Gislene Baptista Nathália Haar Regienia Rodrigues Safia Naser GARCIA, Wilton. Corpo e culturaContemporânea. IN: GARCIA, Wilton. CORPO,MÍDIA E REPRESENTAÇÃO: ESTUDOSCONTEMPORÂNEOS. 1ª edição, São Paulo,Pioneira T. L., 2005 BRASÍLIA – DF NOVEMBRO -2012
  2. 2. GARCIA, Wilton. Corpo e cultura Contemporânea. IN: GARCIA, Wilton.CORPO, MÍDIA E REPRESENTAÇÃO: ESTUDOS CONTEMPORÂNEOS. 1ªedição, São Paulo, Pioneira T. L., 2005, 50 p 1 GISLENE BAPTISTA 2 NATHÁLIA HAAR 3 REGIENIA RODRIGUES 4 SAFIA NASER A indução e o conflito de estar dentro dos padrões de belezaestabelecidos pelos meios midiáticos para se sentir socializado leva asociedade a perda de valores e à banalização da vida, onde as pessoasdeixam de ter as suas características humanas e passam a ser produtos daestética. A leitura da obra retrata o “ideal de beleza” contemporâneo que éinfluenciado pelos meios de comunicações, ditando padrões impostos nacultura moderna. Foca-se em diversos pontos que dão ao leitor uma formareflexiva sobre o materialismo do corpo e suas consequencias nas relaçõessociais. O assunto é abrangente e destina-se a todos os públicos, uma vez queo livro aponta uma temática polêmica nas atuais conjunturas socias. Wilton Garcia Sobrinho tem experiência na área de arte, comunicação e design sobre estudos contemporâneos. Possui graduação em Letraspela pela PUC/SP; Mestrado e Doutorado em Comunicação pela ECA/USP; e1 Formação em Ciências Farmacêuticas, pós graduada em Farmacologia Clínica,pós graduanda emAnálises Clínicas2 Formação em Ciências Farmacêuticas, pós graduanda em Análises Clínicas3 Formação em Ciências Farmacêuticas, pós graduanda em Análises Clínicas4 Formação em Ciências Farmacêuticas, pós graduanda em Análises Clínicas
  3. 3. Pós-Doutorado em Multimeios pelo IA/UNICAMP. Trabalha com fotografia,internet, performance e vídeo. Atualmente, é professor deComunicação/Publicidade e Propaganda na Fatec Itaquaquecetuba-SP e doMestrado em Comunicação e Cultura da UNISO. O autor da obra Corpo, Mídia e Representações expõe a problemáticado culto ao corpo na mídia e suas consequências na sociedade. Debate-se ainquietude do ser humano na busca do padrão de beleza estabelecido pelacultura contemporânea, e os meios para se chegar a esse parâmetro de corpoideal que é diretamente influenciado pela mídia, e consequentemente nasrelações pessoais para a socialização. Corpo, Mídia e Representações é uma obra de cunho antropológico cujadivisão se faz em 8 capítulos, composta de 160 páginas. São refleções epesquisas inaugurais, mas embasadas em autores fundantes como Bhabba,McLuhan, Canclini, Hall, Maturana, Hutcheon etc. O capítulo segundo do livro de Garcia intitulado Corpo e CulturaContemporânea destaca os conflito e conceitos que são passados e as regrasque a midia quer estabeler, induzindo ao consumo sem limites (de produtosestéticos, alimentícios, medicamentosos, vestimentas, etc.). O conflito central passa a ser o corpo não como objeto orgânico e simcomo linguagem, modificando conceitos que enunciam e agregam valoressocioculturais. A imagem corporal perfeita é justificada pelo autor como ummeio de adiar o envelhecimento e por consequencia a morte. Em tempos em que o corpo é introduzido nas relações de poder e que abeleza se torna cada vez mais um atribuído na inserção de pessoas noscírculos sociais e profissionais, nada mais razoável para o autor do queanalisar como a mídia forja o imaginário das pessoas no que concerne aocorpo. Segundo Castro (2007), todas as classes sociais e faixas etárias sãoafetadas diretamente com a questão da busca da perfeição da estética
  4. 4. corporal. De acordo com ele gera-se um esquema de frustações pessoaisquando não se alcança tais metas inatingíveis, apresentando um sentimento deprepotência no individuo. Dantas (2011) expõe a cultuação do corpo como um instrumento para sealcançar a felicidade, e esse corpo torna-se um molde que será moldado deacordo com o que é ditado na era globalizada. Segundo ele, a mídia têm vozativa no que tange á procura do corpo esteticamente perfeito. Assim o corponão é uma simples prisão da alma e do espírito como diziam os medievais, eleserá sempre “eterno” e “perfeito” passível de perfeição a despeito do avanço daidade. O embelezamento consegue fluir e se adaptar aos diversos meios osquais ele penetra, baseando-se nos modelos de legitimação vigentes de umdeterminado local e tempo. Assim sendo os sucessos criados pelo discurso damídia difundiram-se na oferta e procura por bens e serviços de alimentosdietéticos, cirurgias plásticas e de academias, todo o arsenal prontamentepreparado para que ajudem o individuo a alcançar suas metas. A imagem que a mídia passa para a sociedade causa efeitos negativos,uma vez que a comparação que homens e mulheres fazem através dosmodelos dos anúncios, gera na maioria das vezes, baixa auto-estima e auto-percepção negativa (MARTIN e GENTRY, 1997) É visível que se inverteram as prioridades, pois não há nenhumproblema em procurarmos estar de bem com a vida e com nosso corpo emboraseja vital que se faça de forma correta e sem exageros. Não devemos perdernossa identidade por conta de demasiado narcisismo,devemos contrapor essesdois pontos de forma a sermos medianos nas nossas decisões sem sermosinfluenciados com o fenômeno do culto ao corpo e os seus lados negativos. O livro aborda um tema que embora polêmico, é contemporâneo e realde nossa sociedade. A linguagem atinge os mais diferentes tipos de público,tanto os leigos como acadêmicos no assunto. Embora muitas vezes generalista
  5. 5. em suas opiniões, nos faz refletir a respeito dos verdadeiros conceitos quedevemos manter, porque somos muito mais que um corpo, somos corpo, almae espírito, seres individuais, com características próprias, não podendo nossubmeter a regras ou padrões estabelecidos por qualquer que sejam os meiose por esse motivo o grupo indicaria este livro a todos os tipos de público.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  6. 6. CASTRO, A. L. Culto ao corpo e sociedade: mídia, estilos de vida e culturade consumo 2ª edição, São Paulo, Annablume, Fapesp, 150 p, 2007.DANTAS J. B. Um ensaio sobre o culto ao corpo na contemporaneidade.Est. Pesqui. Psicol, Rio de Janeiro, v.11, n.3, p.898-912, 2011.MARTIN, M. C. GENTRY, J. W. Stuck in the model trap: The effects ofbeautiful models in ads on female pre-adolescents and adolescents.Journal of Advertising, v.26, p 19-33, 1997.PLATAFORMA LATTES. Disponível em<http://lattes.cnpq.br/3458459542807532> Acesso em 10/11/2012.

×