L. trovadorismo

3.146 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.146
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

L. trovadorismo

  1. 1. LITERATURA BRASIL-PORTUGAL  L O G O S Colégio e Curso
  2. 2. LITERATURA BRASIL-PORTUGAL  Colégio e Curso
  3. 3. TROVADORISMO HUMANISMO CLASSICISMO QUINHENTISMO BARROCO ARCADISMO ROMANTISMO REALISMO NATURALISMO PARNASIANISMO SIMBOLISMO PRÉ-MODERNISMO MODERNISMO PORTUGALl BRASIL CAMÕES BANDEIRA F. PESSOA M. DE ASSIS L O G O S
  4. 4. APRESENTAÇÃO ESTES SLIDES TÊM POR FUNÇÃO APRESENTAR AOS ALUNOS DO COLÉGIO E CURSO L O G O S TÓPICOS DA MATÉRIA DE LITERATURA BRASILEIRA E PORTUGUESA. SÃO USADOS EM SALA E PODERÃO SER FORNECIDOS AOS ALUNOS COMO PARTE DO MATERIAL DIDÁTICO. Paulo R.E. Angelini Professor L O G O S
  5. 5. TROVADORISMO ERA MEDIEVAL
  6. 6. 1189 1434 Cantiga da Ribeirinha Paio Soares Taveirós Cronologia Humanismo
  7. 7. Trovadorismo vem de Troubar . A origem é provençal, língua falada na Provença, sul da França. O termo significa encontrar . O trovador era aquele que encontrava a melhor maneira de cantar a mulher amada. ETIMOLOGIA
  8. 8. En gran coita , senhor que peior que mort’é, vivo, per bôa fé, e polo vosso amor esta coita sofr’eu por vós, senhor, que eu vi pelo meu gran mal Cantiga de amor
  9. 9. CANTIGA DE AMOR Origem provençal Arte do amor cortês D. Dinis – Rei Trovador Ambiente palaciano Mulher – ser inatingível Coita – sofrimento amoroso
  10. 10. Ondas do mar de Vigo, Se vistes meu amigo? E ai Deus, se verrá cedo! Ondas do mar levado, Se vistes meu amado? E ai Deus, se verrá cedo! Cantiga de amigo
  11. 11. Se vistes meu amigo, o por que eu sospiro? E ai Deus, se verrá cedo! Se vistes meu amado, Por que ei gran coidado? E ai Deus, se verrá cedo! Cantiga de amigo
  12. 12. CANTIGA DE AMIGO Autoria masculina Eu-lírico feminino Origem popular Ambiente rural Dor pelo amado ausente Refrão Paralelismo
  13. 13. CANTIGA DE ESCÁRNIO Clero Adultério Nobre decadentes Crítica indireta Ambigüidades
  14. 14. Don Foão Que eu sei que á preço de livão Vedes que fez en guerra Daquesto soo certão: Sol que viu os genetes, Come boi que fer tavão, Sacudiu-se e resolveu-se,al çourab’e foi sa via a Portugal Cantiga de escárnio
  15. 15. CANTIGA DE MALDIZER Erotismo Sátira direta Palavras obscenas
  16. 16. Quem a sa filha quiser dar Mester, com que sábia guarir A Maria Doming ’á-d ir, Que a saberá bem mostrar; E direi-vos que lhi fará: Ante dun mês lh’ amostrará Como sábia mui bem ambrar Cantiga de maldizer
  17. 17. OS ARTISTAS Soldadeira - jograleza Trovador - Nobre Menestrel – Segrel – Jogral Vassalos
  18. 18. Cancioneiro da Ajuda Página 188 CANCIONEIROS Livros manuscritos de cantigas Da vaticana - Vaticano Da Ajuda – Mais antigo Da Biblioteca Nacional Mais completo
  19. 19. DECADÊNCIA - CAUSAS Decadência do mecenatismo real Aburguesamento de Portugal Final da Idade Média Conflitos entre Portugal e Espanha Separação entre Galego e Português
  20. 20. PROSA MEDIEVAL Ciclo Clássico Ilíada Odisséia
  21. 21. PROSA MEDIEVAL Ciclo Bretão A demanda do Santo Graal Amadis de Gaula Portugal
  22. 22. PROSA MEDIEVAL Ciclo Bretão A demanda do Santo Graal Amadis de Gaula Portugal
  23. 23. O metro das cantigas Medida velha Versos de 7 sílabas Versos de 5 sílabas
  24. 24. En/quan/to /Deus/ me/ der/ vi/da Vi/ve/rei /tris/te e /coi/ta/da Por/que /se/ foi/ meu/ a/mi/go E/ dis/so/ fui/ a/ cul/pa/da Man/da/d’ei/ co/mi/go Ca/ vem /men/ a/mi/go: E i/rei/ ma/dr’, a/ Vi/go

×