SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
1
GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO JI-PARANÁ
GUIA ORIENTADOR PARA AS EQUIPES GESTORAS DAS ESCOLAS NA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS
PEDAGÓGICOS À LUZ DA BNCC (BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR) E DO RC/RO (REFERENCIAL CURRICULAR
DE RONDÔNIA) 2020
JI-PARANÁ - POLO V
Julho/2020
2
Equipe de Coordenação e Orientação para (Re)construção do Projeto Pedagógico/2020 com base na BNCC e no
RC/RO
Professora Silvânia Gregório Carlos
Gerente de Formação e Capacitação Técnica SEDUC/RO
Professora Rosângela Aparecida Marum Cândido
Coordenadora Regional da CRE/SEDUC/JI-PARANÁ
Professora Rosângela Aparecida Silva Falqueto
Gerente Pedagógica CRE/SEDUC/JI-PARANÁ
Professora Maria do Socorro de Freitas Lustosa
Gestora/Coordenadora/articuladora/elaboradora da Implementação BNCC/RCRO Polo V CRE/SEDUC/JI-PARANÁ
Professora Neila Kleusia Camusia
Formadora/articuladora da Implementação BNCC/RCRO Polo V CRE/SEDUC/JI-PARANÁ
Professora Dayane de C. A. F. Cândido
Colaboradora/articuladora da Implementação BNCC/RCRO Polo V CRE/SEDUC/JI-PARANÁ
3
ENCONTRAM-SE NESSE GUIA OS SEGUINTES ITENS ORIENTADORES:
1. ORIENTAÇÕES PARA (RE)CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO ESCOLAR DE ACORDO COM A BNCC E O RC/RO
1.1. Veja o que a BNCC traz de novo às escolas brasileiras
2. ETAPAS A SEREM SEGUIDAS PELA EQUIPE ESCOLAR
2.1. Organograma de execução de (re)construção do PP
2.2. Embasamentos procedimentais das etapas
REFERÊNCIAS ANEXOS
Anexo I: Esquema estrutural do Projeto Pedagógico CRE Vilhena (elaboração-CRE Vilhena).
Anexo II: Checklist passo a passo com foco e eficiência na execução de reconstrução do PP.
Anexo III: Modelo de Planejamento (elaboração CRE Ji-Paraná).
Anexo IV: Sugestão de elaboração cronograma de (re)construção do Projeto Pedagógico da escola
Anexo V: Visão do encaminhamento do cronograma
Anexo VI: Instituição de Comissão Interna de Execução e Avaliação de etapas da reconstrução do Projeto Pedagógico da Escola (sugestão de
documento)
4
ORIENTAÇÕES GERAIS PARA (RE)CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO ESCOLAR DE ACORDO COM A BNCC E O RC/RO
Conforme o artigo, 206 da Constituição Federal de 1988, LDB n° 9394l1996, artigo 14, estabelecem os princípios da Gestão Democrática
na Educação pública e a participação de seus profissionais e da comunidade na elaboração do Projeto Pedagógico, precisa concretizar as metas e
estratégias do Plano de Educação do município, do estado e do pais, as Diretrizes Curriculares Nacionais a Base Nacional Comum Curricular
esses documentos tem a intenção de inspirar a instituição na elaboração de PP, bem como, garantir o acesso, a permanência e o sucesso dos
estudantes. As escolas deverão adequar seu PP com a BNCC, trazendo o desafio de reduzir as desigualdades e elevar a qualidade da educação
para todos.
Considerando as condições atípicas surgidas no decorrer do ano de 2020, nesse período de isolamento social, exigências frente a
pandemia do COVID-19, as adequações e adaptações aos métodos de trabalho são eminentes em todos os aspectos e áreas sociais. Portanto,
nesse cenário atual, exige-se reinvenção para o redesenho das ações condizentes também para a reconstrução do PP, bem como outras ações
escolares em andamento. Diante do exposto, sugere-se que as atividades sejam realizadas dentro das normativas exigidas e de modo a atender as
condições sanitárias de prevenção com os elementos facilitadores comuns das tecnologias de comunicação disponíveis.
De posse dos documentos norteadores da BNCC, O documento Orientações para revisão dos projetos pedagógicos (PPS), disponível:
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/orientacoes_projeto_p edagogico.pdf, • traz detalhamentos no que condiz ao
processo de revisão dos PP:
 A equipe gestora da escola deve liderar a revisão do PP (com engajamento do Conselho Escolar, a depender das dinâmicas locais).
5
 Porém, para gerar engajamento de toda a comunidade escolar na implementação dos novos currículos, o PP deve ser construído de
maneira democrática e participativa. É importante que se dê voz a todos os atores: professores, demais funcionários da escola,
alunos, famílias, grupos e representações de alunos, pais e professores e comunidade do entorno em geral.
 A participação dos professores da escola é fundamental, tendo em vista que a revisão do PP permite o aprofundamento dos novos
currículos e o engajamento com o projeto da escola. No entanto, sugere-se que os professores participem das etapas 5, 6 e 7
apenas. (que não fique demasiadamente longo e cansativo). É importante que as atividades extraclasse dos professores sejam
prioritariamente voltadas para a sua formação continuada.
 A revisão do PP também não precisa partir de uma folha em branco. Elementos como a contextualização, caracterização, missão,
visão e valores dos PPs anteriores podem ser aproveitados e apenas atualizados e reforçados com a comunidade. O processo mais
intensivo e profundo da revisão dos PPs em 2020 deverá ser o Plano de Ação com foco na implementação para os novos
currículos. (MEC, 2019, p. 2)
1.1. Veja o que a BNCC traz de novo às escolas brasileiras
• Pede a revisão e adequação de currículos, projetos pedagógicos, planos de aula e demais documentos normativos das redes e
instituições de ensino;
• Exige a atualização de recursos e materiais didáticos pelas instituições, redes e Sistemas de ensino;
• Altera o formato das avaliações internas e externas;
• Exige grande esforço e investimento tanto na formação inicial quanto na formação continuada dos professores;
• Empodera os professores de forma que, além de participar da construção dos documentos norteadores, eles também estejam
capacitados para definir as melhores formas de desenvolver a prática pedagógica;
6
• Coloca a tecnologia na posição de aliada da educação, destacando a importância do seu uso para modernizar práticas de ensino e
aprendizagem gerando empatia com os alunos das novas gerações;
• Eleva o estudante à posição de protagonista no processo de aprendizagem;
• Destaca o conceito da educação integral, em que todo aprendizado deve ser significativo e não um conteúdo fechado em si;
• Valoriza o trabalho interdisciplinar e prioriza a aplicabilidade do conhecimento na vida cotidiana, dialogando com a realidade dos
estudantes.
A BNCC não deve ser vista como um currículo, mas como um conjunto de orientações que norteará as equipes pedagógicas na elaboração
dos currículos e do PP determinando as competências (gerais e específicas), as habilidades e as
aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver durante cada etapa da Educação, independentemente de onde moram ou
estudam.
O Regimento Escolar é um documento importante na reformulação do PP servindo como subsidio através de registros, procedimentos,
funções, apoiando os planos de ação do Projeto Pedagógico.
7
2. ETAPAS A SEREM SEGUIDAS PELA EQUIPE ESCOLAR
ETAPAS PROPOSTAS DE AÇÕES RESULTADOS ESPERADOS
1ª ETAPA
Mobilização da comunidade
escolar para: elaboração,
revisão e reestruturação.
- elaborar um cronograma de reuniões: atividades,
responsáveis e data;
- formar grupos de apoio (comissões internas) para
coordenar as discussões, fazer os registros e a redação final
do documento;
- criar espaços e tempos para que os momentos coletivos
aconteçam
Engajamento de todos da equipe
gestora escolar, com designação de
atividades específicas por comissões.
2ª ETAPA
Identificação e Diagnóstico da
escola (equipes designadas para
fazer levantamentos de dados)
Identificar a escola a partir dos seguintes dados:
- contextualização;
- histórico da escola;
- caracterização (clientela, professores, Direção, corpo
técnico e pessoal de apoio administrativo, dimensões
administrativa, pedagógica, financeira e jurídica)
- avaliação do funcionamento geral da escola, através de
análise dos dados.
COMO É A NOSSA ESCOLA?
3ª ETAPA
Definição das concepções (equipe
designada para fazer
levantamento de dados e redigir
texto dentro das diretrizes da
BNCC
- a escola que queremos
- missão
- priorização de necessidades
Que identidade a nossa escola quer
construir
8
4ª ETAPA (plano de ação,
enquadramento das novas
concepções ao PP) (Sugere-se
que haja equipes designadas e
distribuídas para essa atividade
de modo a atender as
especificidades que será
envolvida a
participação dos
professores)
- Elaborar plano estratégico da escola (objetivos, metas,
estratégias)
Planejamento das atividades da
escola.
Articulação do PP com as diretrizes
da BNCC/Referencial Curricular de
RO (RCRO), o PDE, Programa
Excelência e outros.
5ª ETAPA (participação da
comunidade escolar)
- Mobilização da comunidade
escolar externa (pais, familiares, grupos sociais
relacionados) para discussão e coleta de contribuições;
Garantir a reflexão sobre o currículo e
seu desenvolvimento, dentro e fora da
em sala de aula, por parte de toda a
comunidade escolar.
6ª ETAPA (socialização dos
elementos coletados e
contextualizados –
validação da comunidade
interna)
- Fazer análise dos dados e definição da estrutura e
prioridades do PP pela equipe da escola.
Proporcionar apropriação da equipe
escolar do percurso concluído dos
levantamentos realizados)
7ª ETAPA (socialização e
validação do documento para
comunidade escolar externa)
- Realizar socialização dos dados e da estrutura do
documento para discussão e
validação da comunidade escolar externa
Documento validado pela
comunidade com conhecimento dos
aspectos norteadores do PP da escola
8ª ETAPA (Redação final do
PP)
Formar comissão representativa para o registro (equipe
redatora)
Redação final do PP
9ª ETAPA (divulgação da
versão final e encaminhamento
a CRE)
- Disponibilização do documento em versão finalizada,
revisada e aprovada pela comissão
- Divulgação e disponibilização do PP
para comunidade interna e externa.
Encaminhado a CRE
Fonte: Guia de Orientações para Elaboração, Revisão, Reestruturação e Análise do Projeto Político Pedagógico - adaptado (SEDUC, 2019).
9
2.1. Fluxograma de execução de (re)construção do PP
Fonte: TROVÓ, Anandréia (2020)
2.2. Embasamentos procedimentais das etapas
Tendo em vista a 1ª, 2ª, 3ª e 5ª etapas, considerar as referências, documentos, legislações e instrumentos listados a seguir:
1. Textos sobre os aspectos sociais, econômicos, culturais e geográficos da localidade onde se insere a instituição.
10
2. Histórico da Escola. Panorama atual. Perspectivas e necessidade observadas na atualidade e que terão necessidade de realinhamento.
Resultados de dados internos e externos.
3. Legislações vigente das Escolas de Ensino Fundamental e Médio Decreto de Criação e Nomeação, Portaria nº 4563/2015/GAB/SEDUC,
Resolução nº 101/00- CEE/RO, Resolução nº 102/CEE/RO Autorização de Funcionamento ou Reconhecimento do estabelecimento de ensino,
DCNS, BNCC, observar todas as legislações vigentes.
4. Questionário de Expectativas dos Estudantes (2019); interessante também levantar as expectativas dos docentes e demais servidores
(avaliação institucional).
5. Questionário de Expectativas do Pais/Responsáveis (2019);
6. Quadros de Matrícula (evolução desde 2018);
7. Quadros de lotação de servidores (2019);
8. Levantamento das condições físicas e materiais (espaços, ambientes de aprendizagem, patrimônio escolar).
Obs: Com esses dados terá uma ressonância da escola, que explicitará e facilitará os encaminhamentos.
9. A etapa 4 está centrada, especificamente, no plano de ação pedagógico que dará parâmetros norteadores aos aspectos do cotidiano escolar
frente às expectativas de aprendizagem a serem desenvolvidas nos estudantes. Que deve considerar os elementos fundamentais norteadores
designados pela BNCC, com ênfase nas competências gerais e sociomocionais, bem como o direcionamento dado as áreas de conhecimento
(competências específicas da área) e componentes curriculares (competência específica do componente – Unidade Temática, Objetos de
Conhecimento e Habilidades). Conforme figuras abaixo:
11
12
Ainda com ênfase da condição e adequação dos PP à BNCC no que condiz às considerações das competências tão abordadas na Base,
temos a elucidar, diante da formação em 23/06/20, da Professora Luciana Dermani (2020), salienta como estão organizadas as competências na
BNCC:
13
Considerando que as competências gerais se apresentam da seguinte forma:
Diante disso, a Professora Luciana Dermani (2020) enfatiza em sua explanação que o direcionamento e o planejamento deverão seguir um
escopo conciso que compreende a seguinte condição.
É essencial ler com atenção e comparar o que dizem os enunciados das competências gerais com o das competências específicas das áreas
de conhecimento e dos componentes curriculares. Ao fazer isso, é possível perceber conexões diretas, que facilitam o planejamento. (Nova
Escola, 2018).
14
Prosseguindo na condição de facilitar os conhecimentos para orientar o planejamento do currículo, a BNCC traz conjuntos de habilidades
fundamentais para cada objeto de conhecimento inserido nas unidades temáticas que, por sua vez, compõem as competências esperadas de cada
área que completam as expectativas das competências gerais. Portanto,
As habilidades foram pensadas para que evoluam em complexidade ao longo da vida escolar do aluno. Assim, o aluno deverá desenvolver
primeiro habilidades mais simples que são essenciais para o trabalho adequado de outras mais complexas (DERMANI, 2020).
A autora salienta ainda que a evolução das habilidades segue parâmetros organizacionais que podem ser distintos por classes, sendo, de
observação, transformação e compreensão. Ambas são amplamente explicáveis pela teoria da Taxionomia de Bloom. “Taxonomia (do grego
taxis, que é ordenação, e nomos, que é sistema, norma) é todo sistema de classificação que possui três características: cumulatividade, hierarquia
e eixo comum. (Benjamin Bloom)”. Melhor exposta na figura abaixo agregando os elementos da BNCC:
15
10. Informações Recursos Financeiros repassados a instituição (PEALE, PNAE, PROAFI, EXCELÊNCIA);
11. Referencial Teórico Curricular: Diretrizes Curriculares Nacionais (texto orientador).
Estes instrumentos servirão de base para a escrita de textos que serão inseridos no PP. Para tanto, o trabalho de levantamento de dados,
consolidação, leitura, seleção de trechos para citações, análise e escrita de textos finais será realizado nos grupos de trabalho formados na 1ª
Etapa. Sendo que as produções escritas deverão ser compartilhadas para toda a Equipe Escolar em momentos previamente definidos no
planejamento (AVALIAÇÃO – 1ª Etapa), onde serão apreciados e realizados os ajustes que se fizerem necessários.
Como resultado da 2ª, 3ª e 4ª Etapas de trabalho a partir dos grupos de consolidação teremos constituídas todas as seções do PP.
Checklist para orientar o passo a passo com foco e eficiência na execução de reconstrução do PP:
Dia/período Etapa Atividade
1ª etapa Envolvimento e sensibilização da equipe da escola para promover
o engajamento e a visão de conjunto do trabalho a ser realizado.
2ª etapa Planejamento coletivo para organizar o processo e definir as
atribuições de cada participante; pode conter informações sobre ações, etapas,
duração e responsáveis.
3ª etapa Levantamento para coletar dados e fazer um diagnóstico sobre a escola.
4ª etapa Mobilização da equipe escolar envolvendo os professores na execução do
currículo.
16
5ª etapa Mobilização da comunidade escolar externa (pais e familiares, responsáveis,
vizinhos) para participar.
6ª etapa Socialização e validação dos dados construídos com a
comunidade interna da escola.
7ª etapa Socialização, e validação dos dados e definição de prioridades
para estabelecer metas com a comunidade escolar.
8ª etapa Redação final e validação do texto do documento pelas comissões.
9ª etapa Divulgação da versão final.
Sugere-se que, em cada etapa, seja feito seu checklist de modo a orientar a equipe de trabalho.
10ª etapa (permanente de avaliação e retomada) – Usar o documento como referência para nortear a tomada de decisões no cotidiano
escolar. Elencamos alguns cuidados importantes que é preciso ter durante o processo de elaboração do PP:
a) assegurar que os dados e informações apresentados sejam claros, precisos e compreensíveis, a fim de evitar que sejam mal-entendidos e
questionados pelos participantes;
b) explicar a todos os participantes as etapas do processo e a metodologia utilizada;
c) assegurar que todos os participantes compreendam o processo, inclusive os não educadores;
d) definir com precisão as atribuições e papéis de cada participante;
17
e) estabelecer metas e prioridades para cada etapa e para o documento;
f ) ajustar o planejamento considerando as demandas surgidas ao longo do processo;
g) garantir a participação genuína de todos, com espaço para escuta e troca de experiências;
h) exercer liderança de modo a assegurar a motivação, o interesse e o compromisso de todos os participantes durante todo o processo.
REFERÊNCIAS
CRE JI-PARANÁ. Modelo de Planejamento. 2020.
DERMANI, Luciana. Formação para gestores Polo XI/RO 23/06/2020.
MEC. Base Nacional Comum Curricular, implementação (site oficial).
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/implementacao. Acesso em 26 de jun 2020.
MEC. BNCC documento em PDF. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/ Acesso em 26 de jun 2020.
MEC. Guia para Gestores Escolares. Orientações para formação continuada e revisão do Projeto Pedagógico à luz dos novos currículos.
Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/Guia_para_Gestores_
Escolares_PP_e_Formao_Continuada_na_Escola.pdf. Acesso em 26 de jun 2020.
MEC. Orientações para revisão dos Projetos Pedagógicos (PPs), à luz dos novos currículos. Disponível em
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/orientacoes_projeto_p edagogico.pdf. Acesso em 26 de jun 2020.
SEDUC. Guia de Orientações para Elaboração, Revisão, Reestruturação e Análise do Projeto Político Pedagógico de Implantação Escola do
Novo Tempo. 2019.
TROVO. Anandréia. Fluxograma etapas de (re) construção do PP de acordo com a BNCC/RCRO. 2020.
18
ANEXOS
19
Anexo I: Esquema estrutural do Projeto Pedagógico (CRE Vilhena):
GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA REGIONAL DE
EDUCAÇÃO - VILHENA
ESTRUTURA DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ALINHADO À BNCC E AO RC/RO
SUMÁRIO
1. IDENTIFICAÇÃO E DIAGÓSTICO DA ESCOLA
1.1. Contextualização Histórico da Comunidade
1.1.1. Aspectos sociais, econômicos, culturais e geográficos
1.1.2. Histórico da Escola
1.2 Caracterização da comunidade Escolar
1.2.1. Estudantes
1.2.2. Famílias
20
1.2.3. Equipe Escolar
1.3 Condições Físicas e materiais
2. CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO E PRÁTICAS ESCOLARES
2.1. Concepção de escola e de perfil de formação dos estudantes
2.1.1. Educação
2.1.2. Papel da Escola
2.1.3. Definição de Aprendizagem
2.1.4. Perfil de formação dos estudantes
3. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL
3.1. Indicadores de acesso 3.1.1.Indicadores de fluxo 3.1..2.Indicadores de Aprendizagem
4. ESTRUTURA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO
4.1. Aspectos organizacionais
4.2. Aspectos administrativos
4.3. Aspectos financeiros
5. PLANO DE AÇÃO PROPOSTA CURRICULAR ALINHADA À BNCC
5.1.Fundamentos epistemológicos,filosóficos,psicológicos,sociológicos pedagógicos e culturais
5.2. Organização curricular
6. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFISSIONAIS DA ESCOLA
7. FORMAS DE AVALIAÇÃO DO PP
21
DETALHAMENTO DA ESTRUTURA DO PP
1. IDENTIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DA ESCOLA
1.1. Contextualização
1.1.1. Aspectos sociais, econômicos, culturais e geográficos.
Na contextualização, é fundamental descrever: a população e seus costumes; a situação das residências e do saneamento; os grupos e as
lideranças comunitárias; as associações e os clubes; as igrejas e as pastorais; os hábitos de lazer; os grupos culturais e os meios de comunicação
locais; os tipos de comércio a situação educacional, econômicas; os serviços de saúde; os meios de transporte. Registrar os níveis de renda e as
condições de trabalho, bem como o acesso aos bens de consumo. Para facilitar essa etapa, pode-se consultar o Censo, que fornecerá informações
valiosas sobre a população do município (http://ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/default_censo_2019.shtm e https://www.ibge.gov.br/)
1.1.2. Histórico da Escola
A identidade da escola se revela em seu histórico: ano de fundação, denominação, características da escola (organização da gestão,
recursos físicos, materiais e financeiros); informações sobre os profissionais e estudantes da escola (quantitativo, perfil).
Informações Recursos Financeiros repassados a instituição (PEALE, PNAE, PROAFI, Programa Excelência e outros);
22
1.2. Caracterização da Comunidade Escolar
É preciso descrever: o quantitativo de docentes e discentes, das áreas administrativa e de apoio, assim como identificar os parceiros da
Gestão Democrática: Conselho Escolar, Grêmio Estudantil, Conselho de Classe, Conselho de Professores que apoiam as tomadas de decisão na
escola.
A organização da unidade e do ensino, a constituição das turmas e os segmentos atendidos, os períodos, os turnos, a distribuição do tempo
escolar e a existência de classes específicas para atendimentos especializados.
1.2.1. Estudantes (respostas dos questionários de expectativas)
1.2.2. Famílias (respostas dos questionários de expectativas)
1.2.3. Equipe Escolar (questionário de expectativas)
O levantamento pode ser feito por meio de um questionário que inclua perguntas sobre o vínculo funcional, a escolaridade, se atuam de
acordo com sua formação, suas expectativas em relação a seu trabalho na unidade, se trabalham em outras instituições e onde residem, para
identificar se pertencem ou não ao bairro onde a escola está localizada. (Sugestão: realizar este levantamento usando o forms google, pois
facilitará a coleta e sistematização de dados.
Os dados referentes aos questionários dos diretores, professores e alunos que participaram da última Prova Brasil
(<http://www.qedu.org.br>) fornecem elementos preciosos sobre as expectativas, condições e visões de tais profissionais em relação à unidade
escolar e podem ser utilizados nessa caracterização.
23
1.3 Condições Físicas e materiais
Descrever sobre as condições físicas, o estado em que se encontra a unidade escolar, suas dimensões, os tipos de dependência, as
condições de uso e modo de utilização dos espaços. Os recursos humanos e materiais.
2. CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO E PRÁTICAS ESCOLARES
• Refletir com a comunidade escolar:
• Qual o entendimento que se tem sobre a educação?
• Qual o papel da escola?
• Como deve ser a relação entre professores e estudantes?
• Qual o conceito preponderante sobre a aprendizagem?
• Qual a metodologia que utilizamos? Para responder a estas e outras perguntas necessitaremos recorrer a referenciais teóricos que
tratam sobre as concepções que embasam o trabalho pedagógico nas escolas que servirão de subsídios para pautar esta seção do PP das EEEFM.
(Nota: No texto buscar alinhar a concepção teórica aos princípios educação. Constituição Federal
• LDB
• DCN/BNCC
• Regimento Escolar
2.1. Concepção de escola e de perfil de formação dos estudantes
2.1.1. Educação
24
2.1.2. Papel da escola
2.1.3. Definição de Aprendizagem
2.1.4. Perfil de formação dos estudantes
3. PLANO DE AÇÃO
O Plano de Ação (envolve o plano de intervenção pedagógico) deve ser elaborado à luz do diagnóstico dos indicadores educacionais da
escola e da sua visão missão e princípios (conforme etapa 4). É importante que o plano de ação estabeleça prioridades, (contemplando a reflexão
e análise os dados evidenciados anteriormente) para que de fato aconteça no período de tempo proposto. É fundamental que esta parte
contemple de forma explícita a maneira como a escola se adaptará para a implementação dos novos currículos alinhados à BNCC e ao RCRO em
todas as suas esferas: objetivos de aprendizagem, metas, materiais didáticos, formação docente e avaliação. O planejamento deve ser claro de
forma que oriente a atuação de toda a comunidade escolar, bem como o monitoramento e possíveis correções durante o ano.
4. ESTRUTURA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO
4.1. Aspectos organizacionais: Refere-se a (Dimensão Pedagógica)
Evidenciar a macroestrutura de funcionamento do modelo de gestão, Rotinas do Diretor na Gestão Educacional, agenda de atendimento,
reuniões, formações, gestão do tempo etc
4.2. Aspectos administrativos Dimensão Administrativa
Rotina da equipe escolar junto aos estudantes, famílias e comunidade
4.3. Aspectos financeiros Dimensão Financeira
Apresentar informações sobre os recursos financeiros recebidos pela escola e a forma de gestão dos mesmos, como é realizada a
divulgação desses recursos a comunidade escolar.
25
5. PROPOSTA CURRICULAR (descrição/redação dos levantamentos das etapas e construções coletivas) Para elaboração da
Proposta Curricular será necessário recorrer às Diretrizes Curriculares Nacionais e estaduais do Ensino, BNCC (conforme etapa 4) e demais
documentos referentes aos seguintes itens: Calendário Escolar;
Matriz curricular; Ementa de conteúdos; Metodologia de ensino;
Carga horária de cada curso (componente curricular);
Planos de curso constando os espaços e materiais a serem utilizados para implementação da proposta.
5.1. Fundamentos epistemológicos, filosóficos, psicológicos, sociológicos, pedagógicos e culturais
5.2. Organização Curricular
Refere-se a (da escola, das séries ou ciclos, planos de ensino da disciplina): Objetivos, conteúdos, desenvolvimento metodológico,
avaliação da aprendizagem
6. PROPOSTA DO PLANO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTES DA ESCOLA
Este item deve contemplar o plano de ação de formação continuada. Como será desenvolvida a formação continuada dos profissionais da
instituição, deste modo, faz-se necessário descrever as ações de formação desenvolvidas pela escola, tal formação deve permear o decorrer do
ano letivo. Contendo além dos descritos balizadores do projeto, intencionalidades, fatores exequíveis como prazos, metas, cronograma, carga-
horária, métodos avaliativos e reavaliação do processo etc. E ampla divulgação das intenções para essa ação, bem como o envolvimento de todos
no processo de modo que sejam protagonistas. (Contemplar nessa proposta o estudo dos cadernos de orientações pedagógicas, recebido pela
SEDUC).
Sugere-se que a proposta contemple como condição necessária as competências socioemocionais como ponto de partida para a reflexão e
autoconhecimento de si para posterior atendimento aos educandos. Aspectos importantes: Regular as emoções; Tomar decisões melhores;
26
Entender o entorno no contexto; Enfrentar os desafios; Exemplo para o outro (alunos, familiares, liderados); Conhecer-se, refletir e olhar a si
mesmo no dia a dia para ver como trabalha as competências socioemocionais.
Ressalta-se que os educadores que trabalham com competências socioemocionais precisam desenvolver suas próprias competências
socioemocionais, por meio de atividades provocadoras, que os levem à reflexão e resultem em expansão de consciência. Precisam, sobretudo, ser
ouvidos. Perceber a si mesmos e a seus alunos de forma mais humana que também auxilia muito neste processo. (Global Education Leaders’
Program).
McKay, Wood, & Brantley (2007) sugerem que as competências socioemocionais podem ser entendidas como um conjunto de estratégias
ou ações que potenciam não só o autoconhecimento, mas também a comunicação efetiva e o relacionamento interpessoal.
7. PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO INTEGRADO (plano que integra todos as propostas de atuação dos setores no processo
de ensino aprendizagem) Esses planos visam expor a proposta de ação dos profissionais e qual contribuição os setores terão para com o processo
ensino aprendizagem ofertado pela instituição contendo descritos básicosconforme elencado no item 7. Composto de
intencionalidades, prazos, metas, cronograma, métodos avaliativos e autoavaliação do processo. Inclui-se neste:
 Plano de ação gestores escolares
 Plano de ação supervisores escolares
 Plano de ação orientadores escolares
 Plano de ação do(s) profissionais da biblioteca escolar
 Plano de ação do(s) profissionais do laboratório de informática
 Plano de ação do(s) profissionais da brinquedoteca escolar.
 Plano de ação da secretaria escolar,
 Plano de ação da sala de recursos
27
Entre outros planos que compõe as ações integradas de aporte pedagógico de profissionais que atuam na escola que tem a missão de
contribuir para o processo de aprendizagem dos estudantes da instituição. Sabedores que a instituição de ensino envolve todos os atores, cabendo
então todos os profissionais que atuam no âmbito pedagógico ter foco de atendimento e responsabilidades educativas no processo.
8. FORMAS DE AVALIAÇÃO DO PP
Descrever como será realizada a avaliação do PP, se essa avaliação será no decorrer do ano em curso quais instrumentais a equipe
utilizará para realizar avaliação observando as normativas da Secretaria Estadual da Educação. (SEDUC)
Os instrumentais de avaliação serão definidos e elaborados pela escola, registrados no Projeto Pedagógico, com registro em Ata de
Reunião, de acordo com a PORTARIA nº 0522/ -GAB/SEDUC e outras leis pertinentes.
REFERÊNCIAS
BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, nº
248, p.27833-7841, 23 set. 1996. Seção 1.
Lei nº. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos
Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o
Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à
Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-
2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em:20/04/2018.
Plano Nacional de Educação. Lei nº 10.172. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2001. Disponível
em:http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L10172.pdf. Acesso em 15/05/2018.
28
Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia,
licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 18/03/2017.
Resolução nº. 16, de 7 de dezembro de 2017. Conselho Deliberativo do Fundo
Nacional de Desenvolvimento da Educação.Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2017-pdf/78691-resolucao-fnde-16-2017-
final-pdf/file. Acesso em 10/04/2018.
Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Nacionais Gerais de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação
Integral. Brasília: 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013- pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file. Acesso
em 18/03/2017.
Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental de 9 anos. Parecer CNE/CEB nº 11, de 9 de dezembro de 2010. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica- 2013-pdf/file. Acesso em 30/05/2017.
Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Resolução CNE/CEB nº 2, de 31 de janeiro de 2012. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica- 2013-pdf/file. Acesso em 30/05/2017.
NOBRE, Luciana Regina. A atuação do Coordenador Pedagógico nas Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral no Programa Escola do Novo
Tempo. UNIR: 2018.
RONDÔNIA. Projeto Pedagógico do Programa Escola do Novo Tempo. SEDUC: Porto Velho, 2017.
29
Anexo II: Checklist passo a passo com foco e eficiência na execução de reconstrução do PP
Dia/período Etapa Atividade
1ª etapa Envolvimento e sensibilização da equipe da escola para promover o engajamento e a visão de conjunto do
trabalho a ser realizado.
2ª etapa Planejamento coletivo para organizar o processo e definir as atribuições de cada participante; pode conter
informações sobre ações, etapas, duração e responsáveis.
3ª etapa Levantamento para coletar dados e fazer um diagnóstico sobre a escola.
4ª etapa Mobilização da equipe escolar envolvendo os professores na execução do currículo.
5ª etapa Mobilização da comunidade escolar externa (pais e familiares, responsáveis, vizinhos) para participar.
6ª etapa Socialização e validação dos dados construídos com a comunidade interna da escola.
7ª etapa Socialização, e validação dos dados e definição de Prioridades para estabelecer metas com a comunidade
escolar.
30
8ª etapa Redação final e validação do texto do documento pelas comissões.
9ª etapa Divulgação da versão final.
31
Anexo III: Modelo de Planejamento
GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
Coordenadoria Regional de Educação - Vilhena/RO
ESCOLA: _____________________________________________________________
COMPETÊNCIA DA ÁREA DE CONHECIMENTO: "Competência é definida como a mobilização de conhecimentos (conceitos e
procedimentos), atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do
trabalho”. A organização estrutural da BNCC no Ensino Fundamental como um todo se dá por áreas do conhecimento, da mesma forma que
acontece no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Tal organização busca favorecer a comunicação entre os conhecimentos e
aprendizagens das inúmeras disciplinas, agora chamadas de componentes curriculares.
As áreas do conhecimento previstas pela BNCC são: 1) Linguagens, 2) Matemática, 3) Ciências da Natureza e 4) Ciências Humanas,
sendo que cada uma delas têm competências específicas de área – reflexo das dez competências gerais da BNCC – que devem ser promovidas ao
longo de todo o Ensino Fundamental.
32
Portanto, para além das competências, cada uma dessas áreas tem papel fundamental na formação integral dos alunos do Ensino
Fundamental. Isso aparece nos textos de apresentação das áreas na BNCC. Além de mostrar tal papel, o documento dá destaque às
particularidades do segmento, levando em consideração as especificidades e as demandas pedagógicas de cada etapa educacional.
COMPETÊNCIA DO COMPONENTE CURRICULAR: De acordo com a BNCC, “as competências específicas possibilitam a
articulação horizontal entre as áreas, perpassando todos os componentes curriculares, e também a articulação vertical, ou seja, a progressão entre
o Ensino Fundamental – Anos Iniciais e o Ensino Fundamental – Anos Finais e a continuidade das experiências dos alunos, considerando suas
especificidades.” O que antes entendíamos como disciplinas ou matérias, chamamos agora de componentes curriculares. Mas como assim? As
disciplinas não deixaram de existir, o que mudou foi: a BNCC não chama mais Língua Portuguesa, por exemplo, de disciplina ou matéria. A
Base a compreende como um componente curricular da área de conhecimento de Linguagens.
As áreas de cada componente curricular que estão presentes na BNCC Ensino Fundamental – Anos Iniciais e Anos Finais são:
1. Linguagens
Componentes curriculares: Língua Portuguesa, Arte, Educação Física, Língua Inglesa.
2. Matemática
Componente curricular: Matemática.
3. Ciências da Natureza
Componente curricular: Ciências.
4. Ciências Humanas
Componentes curriculares: História e Geografia.
5. Ensino Religioso
Componente curricular: Ensino Religioso.
33
Com o intuito de garantir o desenvolvimento das competências específicas de área, cada componente curricular possui – conforme
indicado no texto da BNCC – um conjunto de habilidades que estão relacionadas aos objetos de conhecimento e que se organizam em unidades
temáticas. Também não deixando também de considerar os fatores socioemocionais.
Bimestre
UNIDADES TEMÁTICAS HABILIDADES OBJETO DO
CONHECIM
ENTO
ORIENTAÇÕ
ES
METODOLÓ
GICAS
RECUR
SOS
DIDÁTI
COS
INSTRUMENTOS
AVALIATIVOS
Executa ou que se organiza de
acordo com um determinado
assunto.
Aprendizagens práticas,
cognitivas e
socioemocionais essenciais
que devem ser asseguradas
aos alunos.
Conteúdos,
conceitos e
processos
Estratégias
utilizadas para
a realização
das atividades
Materiais
utilizado
s para o
desenvol
vimento
das
atividade
s
Os instrumentos
avaliativos devem
verificar se as
habilidades almejadas
34
Anexo IV: Sugestão de elaboração cronograma de (re)construção do Projeto Pedagógico escolar
ORD
DATA OU
PERÍODO
AÇÃO
EQUIPE
RESPONSÁVEL
RESULTADO
ESPERADO
1.
15/07/20
(suposição/exe
mplo)
Reunião com equipe gestora pedagógica para
planejar direcionamentos
Nome(s) Cronograma de execução
realizado e
equipes distribuídas
2.
15/07 a 30/07
(suposição/exe
mplo)
Identificação, diagnóstico, concepções, estrutura e
práticas da escola
Organização do histórico, social e cultural da
escola, atualização de informações e demais dados.
Constando:
- Levantamento de dados de modalidades atendidas,
número de alunos nos últimos anos por série, perfil
educacional e de formação;
- Características da escola, alunos e profissionais;
- Métodos utilizados;
- Programas e projetos que desenvolveu e encontra-
se em execução relevância frente aos resultados
obtidos;
- Quadro de profissionais;
- Quadro de ambientes;
- Quadro de equipamentos e materiais
- Missão da Escola, visão, valores e princípios
- Fundamentação teórica (atualizada)
- Matriz curricular Entre outros...
Nome(s) (sugere-se que essa
EQUIPE DE
DIAGNÓSTICO tenha no
mínimo 3 pessoas, incluindo
alguém da secretaria)
Levantamento de
informações e histórico
realizado, revisado
35
De acordo com o sumário do PP, considerando os
itens 1, 2, 4 e 6. (pág. 15 do guia)
3.
15/07 a 30/07/20
(suposição/exe
mplo)
Levantamento de dados internos e externos da
escola - Resultados e comparativos de nos últimos
dois a três anos de proficiência interna. Propor
meta projetada para alcançar internamente aos
próximos anos, seguindo o método das avaliações
externas. - Ideb – observar os índices alcançados
(fazer análise dos dados de proficiência e fluxo
(site:
https://www.qedu.org.br/estado/122-rondonia)
que compõe o índice e evidenciar as metas
propostas do IDEB para próximos anos.
De acordo com o sumário do PP, considerando os
itens 3.(pág. 15 do guia)
Nome(s)dos componentes
da EQUIPE DE DADOS Levantamento
realizado, análises
comparativas e metas
estabelecidas
4.
31/07 a 15/08
(suposição/exe
mplo)
Plano de ação (direcionamentos pedagógicos)
- Momentos de integração para discussão e
direcionamentos para as construções.
- Planos pedagógicos anuais: Planos de curso por
disciplina construídos pelos professores de acordo
com a BNCC e o RCRO.
- Plano de intervenção pedagógica para atender
as condições peculiares a serem tratadas com
atenção na escola.
- Pano de formação continuada dos profissionais
que atuam no pedagógico da escola.
- Plano de ação integrado dos demais
profissionais que atuam na complementação da
aprendizagem escolar.
Nome(s)dos componentes
da EQUIPE DO PAD
(imprescindível o supervisor
gestor ped nessa equipe)
Participação
efetiva dos professores
nessa construção
Planos de ação
construídos e
homologados pelos
professores e equipe
pedagógica.
equipe designada fazer
análise, aprovação,
socialização para levar
em plenária para
validação da
comunidade
36
De acordo com o sumário do PP, considerando
os itens 4,6,7 e 8. (pág. 16 a 20 do guia)
5.
31/07 a 15/08
(suposição/
exemplo)
Mobilização da comunidade escolar externa (pais e
familiares, responsáveis, vizinhos) para participar.
Estratégias para vislumbrar a participação da
comunidade externa e interna, sugere-se
instrumentos diretos e sucintos que sejam
facilitadores de participação e posterior
condensação de informações:
- Criar questionários escritos e ou virtuais
para a comunidade (pais, alunos, parceiros,etc)
- Criar questionários escritos e ou virtuais
para servidores internos (apoio, administrativoe
- docentes) – finalidade de compor Avaliação
institucional Organizar reunião/webconferência
por turma, etc
Organização dos dados levantados (tabulação e
apresentação das informações levantadas, através
de gráficos, relatos, reflexões diretas e fidedignas
com vistas às questões elencadas nos
instrumentos)
Nome(s)dos componentes
da EQUIPE MOBICOM
imprescindí-vel o orientador
e gestor adm nessa equipe)
Participação efetiva da
comunidade externa e
interna na construção
Entrega dos dados
organizados para a equipe
designada fazer análise,
aprovação, socialização
para levar em plenária
para validação da
comunidade
7.
15/08a 0/08/20
(suposição/exe
mplo)
Socialização dos textos construídos com base nos
achados (levantamento de dados) e construções
textuais efetivadas pelas etapas do processo.
Essa socialização por meio de plenária em reunião
presencial e ou virtual com equipe interna e
externa com objetivo de repassar os resultados
Nome(s)dos componentes
da EQUIPE SOCIA
Plenária de socialização
efetivada com a validação
dos resultados em versão
final.
37
obtidos e adquirir a aprovação dos elementos
construídos. Para a finalização do PP da Escola
8.
30/08 a 15/09
(suposição/exe
mplo)
Conclusão do documento revisado dentro da
estrutura proposta (constar nos anexos os
instrumentos utilizados para levantamento de
dados e documento com assinaturas da validação
das equipes de trabalho.
Nome(s)dos componentes da
EQUIPE RED + EQUIPE
GERENCIAL
Disponibilização da versão
final e entrega a CRE
9
Ano 2021
(suposição/exem
plo)
Avaliação e revisão. Planejamento para adequação
dos planos de ação e demais dados atualizados ao ano
2021
Observação: equipes de campo/pesquisa para realizar as ações propostas no cronograma (sugestivo) convocação dos seguintes
profissionais:
- Diretores (2 pessoas)
- Secretário e assistentes de secretaria (2 a 4 pessoas)
- Supervisores (1 a 3 pessoas)
- Orientadores/psicopedagogos/psicólogo (1 a 5 pessoas)
- Professores AEE (1 a 2 pessoas)
- Professores LIE (1 a 3 pessoas)
- Professores Biblioteca (3 a 6 pessoas)
38
Sugere-se que cada equipe elabore um cronograma específico da ação (considerando o prazo de execução do PP e entrega a CRE,
conforme Calendário anexo), dentro do prazo estabelecido em reunião inicial e disponibilize a equipe gerencial que fará o monitoramento. Todas
as ações são de extrema necessidade e relevância. Assim é necessário envolvimento, comprometimento e responsabilidade de todos. Cujas
atividades deverão constar no plano de trabalho remoto (caso seja feito nesses moldes) que acompanhará a folha ponto do servidor.
Salientamos ainda que o período de isolamento social devido a pandemia do CONVID-19 não poderá intervir na efetivação das ações,
sendo que há condições de realização mediante mecanismos tecnológicos. Conscientes de que todos são capazes, pois estão em efetivo período
de trabalho, além de possuírem acesso e conhecimento de alguma maneira dos recursos tecnológicos de informatização e comunicação (meios
virtuais)
39
Anexo V: Visão do encaminhamento do cronograma
40
GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - VILHENA
Anexo VI: Instituição de Comissão Interna de Execução e Avaliação de etapas da (re)construção do Projeto Pedagógico da Escola
(Uso do referido documento somente a título de sugestão, caso a escola veja a necessidade de intuí-lo de modo formal. Para cada equipe,
alterar as atribuições)
A Coordenadoria Regional de Educação de ______________ juntamente com a Direção da
Escola______________no uso de suas atribuições legais, institui a equipe de trabalho para atender a fase de: diagnóstico do Projeto
Pedagógico/20, cuja equipe tem a responsabilidade de observar e analisar os dados existentes no PP, verificando os dados que poderão ser
agregados e atualizados para que haja a reconstrução dentro das normativas do Referencial Curricular de Rondônia – RC/RO e BNCC.
Dentre as atividades designadas para essa equipe são:
 Identificação, diagnóstico, concepções, estrutura e práticas da escola.
 Organização do histórico, social e cultural da escola, atualização de informações e demais dados.
Constando:
 Levantamento de dados de modalidades atendidas, número de alunos nos últimos anos por série, perfil educacional e de formação;
 Características da escola, alunos e profissionais;
41
 Métodos utilizados;
 Programas e projetos que desenvolveu e encontra-se em execução relevância frente aos resultados obtidos;
 Quadro de profissionais;
 Quadro de ambientes;
 Quadro de equipamentos e materiais
 Missão da Escola, visão, valores e princípios
 Fundamentação teórica (atualizada)
 Matriz curricular
 Entre outros
De acordo com o sumário do PP, considerando os itens 1, 2, 4 e 6. (pág. 15 do guia)
Equipe destinada a fazer o diagnóstico composto pelos profissionais:
________________________(função na equipe):_____________________________________________________________________
________________________(função na equipe):_____________________________________________________________________
________________________(função na equipe):_____________________________________________________________________
__________________________________________________________________
Gestor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)
Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)
Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)Maike Zaniolo
 
Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio edimar f dantas dantas
 
Plano anual atividades
Plano anual atividadesPlano anual atividades
Plano anual atividadesb_ep
 
“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...
“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...
“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...Alerj
 
Plano de Ação - 2016 E. E. 2 de Setembro
Plano de Ação - 2016    E. E. 2 de SetembroPlano de Ação - 2016    E. E. 2 de Setembro
Plano de Ação - 2016 E. E. 2 de Setembropatyste
 
PPP EC10 2018 publicado
PPP EC10 2018  publicadoPPP EC10 2018  publicado
PPP EC10 2018 publicadoQUEDMA SILVA
 
4 tutorial recursos humanos do programa ensino integral
4  tutorial recursos humanos do programa ensino integral4  tutorial recursos humanos do programa ensino integral
4 tutorial recursos humanos do programa ensino integralnigo1791
 
Plano de acao 2015 2 de setembro
Plano de acao  2015    2 de setembroPlano de acao  2015    2 de setembro
Plano de acao 2015 2 de setembropatrycya26
 
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogicaWaleska Ufal Letras
 
Sistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de TrabalhoSistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de TrabalhoClaraluz Gris
 

Mais procurados (20)

1º bim matemática
1º bim   matemática1º bim   matemática
1º bim matemática
 
Apresentação power
Apresentação powerApresentação power
Apresentação power
 
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do AgrupamentoPlano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
 
Relatorio final
Relatorio   finalRelatorio   final
Relatorio final
 
Planejamento 2011
Planejamento 2011Planejamento 2011
Planejamento 2011
 
Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)
Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)
Diario oficial 2016-04-14 (PEIP)
 
Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio Relatório projeto de extenção estágio
Relatório projeto de extenção estágio
 
Tabela B1
Tabela B1Tabela B1
Tabela B1
 
Projeto interventivo
Projeto interventivoProjeto interventivo
Projeto interventivo
 
Plano anual atividades
Plano anual atividadesPlano anual atividades
Plano anual atividades
 
“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...
“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...
“Educação infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1...
 
Plano de Ação - 2016 E. E. 2 de Setembro
Plano de Ação - 2016    E. E. 2 de SetembroPlano de Ação - 2016    E. E. 2 de Setembro
Plano de Ação - 2016 E. E. 2 de Setembro
 
PPP EC10 2018 publicado
PPP EC10 2018  publicadoPPP EC10 2018  publicado
PPP EC10 2018 publicado
 
4 tutorial recursos humanos do programa ensino integral
4  tutorial recursos humanos do programa ensino integral4  tutorial recursos humanos do programa ensino integral
4 tutorial recursos humanos do programa ensino integral
 
Investimentos
InvestimentosInvestimentos
Investimentos
 
Profsmatosinhos
ProfsmatosinhosProfsmatosinhos
Profsmatosinhos
 
Plano de acao 2015 2 de setembro
Plano de acao  2015    2 de setembroPlano de acao  2015    2 de setembro
Plano de acao 2015 2 de setembro
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
 
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
 
Sistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de TrabalhoSistematização dos Grupos de Trabalho
Sistematização dos Grupos de Trabalho
 

Semelhante a Guia para reconstruir o PP da escola com base na BNCC

pautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdf
pautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdfpautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdf
pautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdfLINDOLFORAMALHOFARIA
 
Apresenta visita técnica mt
Apresenta   visita técnica  mtApresenta   visita técnica  mt
Apresenta visita técnica mtjcmerij
 
Roteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdf
Roteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdfRoteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdf
Roteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdfKellyGouveia5
 
ROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptx
ROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptxROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptx
ROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptxJUSTINOOLIVEIRA
 
05 pcagp documento orientador
05 pcagp   documento orientador05 pcagp   documento orientador
05 pcagp documento orientadorWilson Barbieri
 
PLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdfvandirpaulinopereira2
 
Sondagem_Alfabetizacao_D11.pdf
Sondagem_Alfabetizacao_D11.pdfSondagem_Alfabetizacao_D11.pdf
Sondagem_Alfabetizacao_D11.pdfDireitoaoBrincar
 
Caderno ilustrado silmara_com tutoriais
Caderno ilustrado silmara_com tutoriaisCaderno ilustrado silmara_com tutoriais
Caderno ilustrado silmara_com tutoriaiscarmezini
 
Caderno 1 2ª etapa pacto
Caderno 1   2ª etapa pactoCaderno 1   2ª etapa pacto
Caderno 1 2ª etapa pactoAdri Ruas
 
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...Salete Perini
 

Semelhante a Guia para reconstruir o PP da escola com base na BNCC (20)

Bncc ppp
Bncc pppBncc ppp
Bncc ppp
 
pautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdf
pautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdfpautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdf
pautas-formativas_ei_interativo_cn1.pdf
 
Apresenta visita técnica mt
Apresenta   visita técnica  mtApresenta   visita técnica  mt
Apresenta visita técnica mt
 
Roteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdf
Roteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdfRoteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdf
Roteiros Pedagógicos do componente Projeto de Vida - vf.pdf
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
 
ROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptx
ROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptxROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptx
ROTEIRO DE APOIO À ANÁLISE DE MATERIAIS DIDÁTICOS (1).pptx
 
05 pcagp documento orientador
05 pcagp   documento orientador05 pcagp   documento orientador
05 pcagp documento orientador
 
A formacao
A formacaoA formacao
A formacao
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
 
Documento orientador planejamento
Documento orientador planejamentoDocumento orientador planejamento
Documento orientador planejamento
 
PLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ENSINO_MEDIO_CIENCIAS_DA_NATUREZA_26.03.pdf
 
curriculo.pdf
curriculo.pdfcurriculo.pdf
curriculo.pdf
 
Sondagem_Alfabetizacao_D11.pdf
Sondagem_Alfabetizacao_D11.pdfSondagem_Alfabetizacao_D11.pdf
Sondagem_Alfabetizacao_D11.pdf
 
CADERNO_GESTOR_FINAL_red.pdf
CADERNO_GESTOR_FINAL_red.pdfCADERNO_GESTOR_FINAL_red.pdf
CADERNO_GESTOR_FINAL_red.pdf
 
Htpc
HtpcHtpc
Htpc
 
Caderno ilustrado silmara_com tutoriais
Caderno ilustrado silmara_com tutoriaisCaderno ilustrado silmara_com tutoriais
Caderno ilustrado silmara_com tutoriais
 
20 pea-2013-2016
20 pea-2013-201620 pea-2013-2016
20 pea-2013-2016
 
Base Nacional Comum Curricular - Alice Andrés Ribeiro
Base Nacional Comum Curricular - Alice Andrés RibeiroBase Nacional Comum Curricular - Alice Andrés Ribeiro
Base Nacional Comum Curricular - Alice Andrés Ribeiro
 
Caderno 1 2ª etapa pacto
Caderno 1   2ª etapa pactoCaderno 1   2ª etapa pacto
Caderno 1 2ª etapa pacto
 
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...
 

Mais de LOCIMAR MASSALAI

Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemiaProjeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemiaLOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais LOCIMAR MASSALAI
 
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...LOCIMAR MASSALAI
 
BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica LOCIMAR MASSALAI
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROLOCIMAR MASSALAI
 
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda LOCIMAR MASSALAI
 
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi LOCIMAR MASSALAI
 
Modelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiênciasModelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiênciasLOCIMAR MASSALAI
 
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...LOCIMAR MASSALAI
 
Projeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarProjeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarLOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais LOCIMAR MASSALAI
 
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Plano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do LabinPlano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do LabinLOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências LOCIMAR MASSALAI
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar LOCIMAR MASSALAI
 

Mais de LOCIMAR MASSALAI (20)

Retrospectiva 2020/2021
Retrospectiva 2020/2021Retrospectiva 2020/2021
Retrospectiva 2020/2021
 
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemiaProjeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
 
Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais
 
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
 
O papel do gestor
O papel do gestor O papel do gestor
O papel do gestor
 
BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
 
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
 
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
 
Modelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiênciasModelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiências
 
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
 
Projeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarProjeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico Escolar
 
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
 
Plano de Ensino de LP
Plano de Ensino de LPPlano de Ensino de LP
Plano de Ensino de LP
 
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
 
Plano de Ensino 4º ano
Plano de Ensino 4º ano Plano de Ensino 4º ano
Plano de Ensino 4º ano
 
Plano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do LabinPlano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do Labin
 
Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
 

Último

Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 

Guia para reconstruir o PP da escola com base na BNCC

  • 1. 1 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO JI-PARANÁ GUIA ORIENTADOR PARA AS EQUIPES GESTORAS DAS ESCOLAS NA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS À LUZ DA BNCC (BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR) E DO RC/RO (REFERENCIAL CURRICULAR DE RONDÔNIA) 2020 JI-PARANÁ - POLO V Julho/2020
  • 2. 2 Equipe de Coordenação e Orientação para (Re)construção do Projeto Pedagógico/2020 com base na BNCC e no RC/RO Professora Silvânia Gregório Carlos Gerente de Formação e Capacitação Técnica SEDUC/RO Professora Rosângela Aparecida Marum Cândido Coordenadora Regional da CRE/SEDUC/JI-PARANÁ Professora Rosângela Aparecida Silva Falqueto Gerente Pedagógica CRE/SEDUC/JI-PARANÁ Professora Maria do Socorro de Freitas Lustosa Gestora/Coordenadora/articuladora/elaboradora da Implementação BNCC/RCRO Polo V CRE/SEDUC/JI-PARANÁ Professora Neila Kleusia Camusia Formadora/articuladora da Implementação BNCC/RCRO Polo V CRE/SEDUC/JI-PARANÁ Professora Dayane de C. A. F. Cândido Colaboradora/articuladora da Implementação BNCC/RCRO Polo V CRE/SEDUC/JI-PARANÁ
  • 3. 3 ENCONTRAM-SE NESSE GUIA OS SEGUINTES ITENS ORIENTADORES: 1. ORIENTAÇÕES PARA (RE)CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO ESCOLAR DE ACORDO COM A BNCC E O RC/RO 1.1. Veja o que a BNCC traz de novo às escolas brasileiras 2. ETAPAS A SEREM SEGUIDAS PELA EQUIPE ESCOLAR 2.1. Organograma de execução de (re)construção do PP 2.2. Embasamentos procedimentais das etapas REFERÊNCIAS ANEXOS Anexo I: Esquema estrutural do Projeto Pedagógico CRE Vilhena (elaboração-CRE Vilhena). Anexo II: Checklist passo a passo com foco e eficiência na execução de reconstrução do PP. Anexo III: Modelo de Planejamento (elaboração CRE Ji-Paraná). Anexo IV: Sugestão de elaboração cronograma de (re)construção do Projeto Pedagógico da escola Anexo V: Visão do encaminhamento do cronograma Anexo VI: Instituição de Comissão Interna de Execução e Avaliação de etapas da reconstrução do Projeto Pedagógico da Escola (sugestão de documento)
  • 4. 4 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA (RE)CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO ESCOLAR DE ACORDO COM A BNCC E O RC/RO Conforme o artigo, 206 da Constituição Federal de 1988, LDB n° 9394l1996, artigo 14, estabelecem os princípios da Gestão Democrática na Educação pública e a participação de seus profissionais e da comunidade na elaboração do Projeto Pedagógico, precisa concretizar as metas e estratégias do Plano de Educação do município, do estado e do pais, as Diretrizes Curriculares Nacionais a Base Nacional Comum Curricular esses documentos tem a intenção de inspirar a instituição na elaboração de PP, bem como, garantir o acesso, a permanência e o sucesso dos estudantes. As escolas deverão adequar seu PP com a BNCC, trazendo o desafio de reduzir as desigualdades e elevar a qualidade da educação para todos. Considerando as condições atípicas surgidas no decorrer do ano de 2020, nesse período de isolamento social, exigências frente a pandemia do COVID-19, as adequações e adaptações aos métodos de trabalho são eminentes em todos os aspectos e áreas sociais. Portanto, nesse cenário atual, exige-se reinvenção para o redesenho das ações condizentes também para a reconstrução do PP, bem como outras ações escolares em andamento. Diante do exposto, sugere-se que as atividades sejam realizadas dentro das normativas exigidas e de modo a atender as condições sanitárias de prevenção com os elementos facilitadores comuns das tecnologias de comunicação disponíveis. De posse dos documentos norteadores da BNCC, O documento Orientações para revisão dos projetos pedagógicos (PPS), disponível: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/orientacoes_projeto_p edagogico.pdf, • traz detalhamentos no que condiz ao processo de revisão dos PP:  A equipe gestora da escola deve liderar a revisão do PP (com engajamento do Conselho Escolar, a depender das dinâmicas locais).
  • 5. 5  Porém, para gerar engajamento de toda a comunidade escolar na implementação dos novos currículos, o PP deve ser construído de maneira democrática e participativa. É importante que se dê voz a todos os atores: professores, demais funcionários da escola, alunos, famílias, grupos e representações de alunos, pais e professores e comunidade do entorno em geral.  A participação dos professores da escola é fundamental, tendo em vista que a revisão do PP permite o aprofundamento dos novos currículos e o engajamento com o projeto da escola. No entanto, sugere-se que os professores participem das etapas 5, 6 e 7 apenas. (que não fique demasiadamente longo e cansativo). É importante que as atividades extraclasse dos professores sejam prioritariamente voltadas para a sua formação continuada.  A revisão do PP também não precisa partir de uma folha em branco. Elementos como a contextualização, caracterização, missão, visão e valores dos PPs anteriores podem ser aproveitados e apenas atualizados e reforçados com a comunidade. O processo mais intensivo e profundo da revisão dos PPs em 2020 deverá ser o Plano de Ação com foco na implementação para os novos currículos. (MEC, 2019, p. 2) 1.1. Veja o que a BNCC traz de novo às escolas brasileiras • Pede a revisão e adequação de currículos, projetos pedagógicos, planos de aula e demais documentos normativos das redes e instituições de ensino; • Exige a atualização de recursos e materiais didáticos pelas instituições, redes e Sistemas de ensino; • Altera o formato das avaliações internas e externas; • Exige grande esforço e investimento tanto na formação inicial quanto na formação continuada dos professores; • Empodera os professores de forma que, além de participar da construção dos documentos norteadores, eles também estejam capacitados para definir as melhores formas de desenvolver a prática pedagógica;
  • 6. 6 • Coloca a tecnologia na posição de aliada da educação, destacando a importância do seu uso para modernizar práticas de ensino e aprendizagem gerando empatia com os alunos das novas gerações; • Eleva o estudante à posição de protagonista no processo de aprendizagem; • Destaca o conceito da educação integral, em que todo aprendizado deve ser significativo e não um conteúdo fechado em si; • Valoriza o trabalho interdisciplinar e prioriza a aplicabilidade do conhecimento na vida cotidiana, dialogando com a realidade dos estudantes. A BNCC não deve ser vista como um currículo, mas como um conjunto de orientações que norteará as equipes pedagógicas na elaboração dos currículos e do PP determinando as competências (gerais e específicas), as habilidades e as aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver durante cada etapa da Educação, independentemente de onde moram ou estudam. O Regimento Escolar é um documento importante na reformulação do PP servindo como subsidio através de registros, procedimentos, funções, apoiando os planos de ação do Projeto Pedagógico.
  • 7. 7 2. ETAPAS A SEREM SEGUIDAS PELA EQUIPE ESCOLAR ETAPAS PROPOSTAS DE AÇÕES RESULTADOS ESPERADOS 1ª ETAPA Mobilização da comunidade escolar para: elaboração, revisão e reestruturação. - elaborar um cronograma de reuniões: atividades, responsáveis e data; - formar grupos de apoio (comissões internas) para coordenar as discussões, fazer os registros e a redação final do documento; - criar espaços e tempos para que os momentos coletivos aconteçam Engajamento de todos da equipe gestora escolar, com designação de atividades específicas por comissões. 2ª ETAPA Identificação e Diagnóstico da escola (equipes designadas para fazer levantamentos de dados) Identificar a escola a partir dos seguintes dados: - contextualização; - histórico da escola; - caracterização (clientela, professores, Direção, corpo técnico e pessoal de apoio administrativo, dimensões administrativa, pedagógica, financeira e jurídica) - avaliação do funcionamento geral da escola, através de análise dos dados. COMO É A NOSSA ESCOLA? 3ª ETAPA Definição das concepções (equipe designada para fazer levantamento de dados e redigir texto dentro das diretrizes da BNCC - a escola que queremos - missão - priorização de necessidades Que identidade a nossa escola quer construir
  • 8. 8 4ª ETAPA (plano de ação, enquadramento das novas concepções ao PP) (Sugere-se que haja equipes designadas e distribuídas para essa atividade de modo a atender as especificidades que será envolvida a participação dos professores) - Elaborar plano estratégico da escola (objetivos, metas, estratégias) Planejamento das atividades da escola. Articulação do PP com as diretrizes da BNCC/Referencial Curricular de RO (RCRO), o PDE, Programa Excelência e outros. 5ª ETAPA (participação da comunidade escolar) - Mobilização da comunidade escolar externa (pais, familiares, grupos sociais relacionados) para discussão e coleta de contribuições; Garantir a reflexão sobre o currículo e seu desenvolvimento, dentro e fora da em sala de aula, por parte de toda a comunidade escolar. 6ª ETAPA (socialização dos elementos coletados e contextualizados – validação da comunidade interna) - Fazer análise dos dados e definição da estrutura e prioridades do PP pela equipe da escola. Proporcionar apropriação da equipe escolar do percurso concluído dos levantamentos realizados) 7ª ETAPA (socialização e validação do documento para comunidade escolar externa) - Realizar socialização dos dados e da estrutura do documento para discussão e validação da comunidade escolar externa Documento validado pela comunidade com conhecimento dos aspectos norteadores do PP da escola 8ª ETAPA (Redação final do PP) Formar comissão representativa para o registro (equipe redatora) Redação final do PP 9ª ETAPA (divulgação da versão final e encaminhamento a CRE) - Disponibilização do documento em versão finalizada, revisada e aprovada pela comissão - Divulgação e disponibilização do PP para comunidade interna e externa. Encaminhado a CRE Fonte: Guia de Orientações para Elaboração, Revisão, Reestruturação e Análise do Projeto Político Pedagógico - adaptado (SEDUC, 2019).
  • 9. 9 2.1. Fluxograma de execução de (re)construção do PP Fonte: TROVÓ, Anandréia (2020) 2.2. Embasamentos procedimentais das etapas Tendo em vista a 1ª, 2ª, 3ª e 5ª etapas, considerar as referências, documentos, legislações e instrumentos listados a seguir: 1. Textos sobre os aspectos sociais, econômicos, culturais e geográficos da localidade onde se insere a instituição.
  • 10. 10 2. Histórico da Escola. Panorama atual. Perspectivas e necessidade observadas na atualidade e que terão necessidade de realinhamento. Resultados de dados internos e externos. 3. Legislações vigente das Escolas de Ensino Fundamental e Médio Decreto de Criação e Nomeação, Portaria nº 4563/2015/GAB/SEDUC, Resolução nº 101/00- CEE/RO, Resolução nº 102/CEE/RO Autorização de Funcionamento ou Reconhecimento do estabelecimento de ensino, DCNS, BNCC, observar todas as legislações vigentes. 4. Questionário de Expectativas dos Estudantes (2019); interessante também levantar as expectativas dos docentes e demais servidores (avaliação institucional). 5. Questionário de Expectativas do Pais/Responsáveis (2019); 6. Quadros de Matrícula (evolução desde 2018); 7. Quadros de lotação de servidores (2019); 8. Levantamento das condições físicas e materiais (espaços, ambientes de aprendizagem, patrimônio escolar). Obs: Com esses dados terá uma ressonância da escola, que explicitará e facilitará os encaminhamentos. 9. A etapa 4 está centrada, especificamente, no plano de ação pedagógico que dará parâmetros norteadores aos aspectos do cotidiano escolar frente às expectativas de aprendizagem a serem desenvolvidas nos estudantes. Que deve considerar os elementos fundamentais norteadores designados pela BNCC, com ênfase nas competências gerais e sociomocionais, bem como o direcionamento dado as áreas de conhecimento (competências específicas da área) e componentes curriculares (competência específica do componente – Unidade Temática, Objetos de Conhecimento e Habilidades). Conforme figuras abaixo:
  • 11. 11
  • 12. 12 Ainda com ênfase da condição e adequação dos PP à BNCC no que condiz às considerações das competências tão abordadas na Base, temos a elucidar, diante da formação em 23/06/20, da Professora Luciana Dermani (2020), salienta como estão organizadas as competências na BNCC:
  • 13. 13 Considerando que as competências gerais se apresentam da seguinte forma: Diante disso, a Professora Luciana Dermani (2020) enfatiza em sua explanação que o direcionamento e o planejamento deverão seguir um escopo conciso que compreende a seguinte condição. É essencial ler com atenção e comparar o que dizem os enunciados das competências gerais com o das competências específicas das áreas de conhecimento e dos componentes curriculares. Ao fazer isso, é possível perceber conexões diretas, que facilitam o planejamento. (Nova Escola, 2018).
  • 14. 14 Prosseguindo na condição de facilitar os conhecimentos para orientar o planejamento do currículo, a BNCC traz conjuntos de habilidades fundamentais para cada objeto de conhecimento inserido nas unidades temáticas que, por sua vez, compõem as competências esperadas de cada área que completam as expectativas das competências gerais. Portanto, As habilidades foram pensadas para que evoluam em complexidade ao longo da vida escolar do aluno. Assim, o aluno deverá desenvolver primeiro habilidades mais simples que são essenciais para o trabalho adequado de outras mais complexas (DERMANI, 2020). A autora salienta ainda que a evolução das habilidades segue parâmetros organizacionais que podem ser distintos por classes, sendo, de observação, transformação e compreensão. Ambas são amplamente explicáveis pela teoria da Taxionomia de Bloom. “Taxonomia (do grego taxis, que é ordenação, e nomos, que é sistema, norma) é todo sistema de classificação que possui três características: cumulatividade, hierarquia e eixo comum. (Benjamin Bloom)”. Melhor exposta na figura abaixo agregando os elementos da BNCC:
  • 15. 15 10. Informações Recursos Financeiros repassados a instituição (PEALE, PNAE, PROAFI, EXCELÊNCIA); 11. Referencial Teórico Curricular: Diretrizes Curriculares Nacionais (texto orientador). Estes instrumentos servirão de base para a escrita de textos que serão inseridos no PP. Para tanto, o trabalho de levantamento de dados, consolidação, leitura, seleção de trechos para citações, análise e escrita de textos finais será realizado nos grupos de trabalho formados na 1ª Etapa. Sendo que as produções escritas deverão ser compartilhadas para toda a Equipe Escolar em momentos previamente definidos no planejamento (AVALIAÇÃO – 1ª Etapa), onde serão apreciados e realizados os ajustes que se fizerem necessários. Como resultado da 2ª, 3ª e 4ª Etapas de trabalho a partir dos grupos de consolidação teremos constituídas todas as seções do PP. Checklist para orientar o passo a passo com foco e eficiência na execução de reconstrução do PP: Dia/período Etapa Atividade 1ª etapa Envolvimento e sensibilização da equipe da escola para promover o engajamento e a visão de conjunto do trabalho a ser realizado. 2ª etapa Planejamento coletivo para organizar o processo e definir as atribuições de cada participante; pode conter informações sobre ações, etapas, duração e responsáveis. 3ª etapa Levantamento para coletar dados e fazer um diagnóstico sobre a escola. 4ª etapa Mobilização da equipe escolar envolvendo os professores na execução do currículo.
  • 16. 16 5ª etapa Mobilização da comunidade escolar externa (pais e familiares, responsáveis, vizinhos) para participar. 6ª etapa Socialização e validação dos dados construídos com a comunidade interna da escola. 7ª etapa Socialização, e validação dos dados e definição de prioridades para estabelecer metas com a comunidade escolar. 8ª etapa Redação final e validação do texto do documento pelas comissões. 9ª etapa Divulgação da versão final. Sugere-se que, em cada etapa, seja feito seu checklist de modo a orientar a equipe de trabalho. 10ª etapa (permanente de avaliação e retomada) – Usar o documento como referência para nortear a tomada de decisões no cotidiano escolar. Elencamos alguns cuidados importantes que é preciso ter durante o processo de elaboração do PP: a) assegurar que os dados e informações apresentados sejam claros, precisos e compreensíveis, a fim de evitar que sejam mal-entendidos e questionados pelos participantes; b) explicar a todos os participantes as etapas do processo e a metodologia utilizada; c) assegurar que todos os participantes compreendam o processo, inclusive os não educadores; d) definir com precisão as atribuições e papéis de cada participante;
  • 17. 17 e) estabelecer metas e prioridades para cada etapa e para o documento; f ) ajustar o planejamento considerando as demandas surgidas ao longo do processo; g) garantir a participação genuína de todos, com espaço para escuta e troca de experiências; h) exercer liderança de modo a assegurar a motivação, o interesse e o compromisso de todos os participantes durante todo o processo. REFERÊNCIAS CRE JI-PARANÁ. Modelo de Planejamento. 2020. DERMANI, Luciana. Formação para gestores Polo XI/RO 23/06/2020. MEC. Base Nacional Comum Curricular, implementação (site oficial). http://basenacionalcomum.mec.gov.br/implementacao. Acesso em 26 de jun 2020. MEC. BNCC documento em PDF. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/ Acesso em 26 de jun 2020. MEC. Guia para Gestores Escolares. Orientações para formação continuada e revisão do Projeto Pedagógico à luz dos novos currículos. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/Guia_para_Gestores_ Escolares_PP_e_Formao_Continuada_na_Escola.pdf. Acesso em 26 de jun 2020. MEC. Orientações para revisão dos Projetos Pedagógicos (PPs), à luz dos novos currículos. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/orientacoes_projeto_p edagogico.pdf. Acesso em 26 de jun 2020. SEDUC. Guia de Orientações para Elaboração, Revisão, Reestruturação e Análise do Projeto Político Pedagógico de Implantação Escola do Novo Tempo. 2019. TROVO. Anandréia. Fluxograma etapas de (re) construção do PP de acordo com a BNCC/RCRO. 2020.
  • 19. 19 Anexo I: Esquema estrutural do Projeto Pedagógico (CRE Vilhena): GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - VILHENA ESTRUTURA DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ALINHADO À BNCC E AO RC/RO SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO E DIAGÓSTICO DA ESCOLA 1.1. Contextualização Histórico da Comunidade 1.1.1. Aspectos sociais, econômicos, culturais e geográficos 1.1.2. Histórico da Escola 1.2 Caracterização da comunidade Escolar 1.2.1. Estudantes 1.2.2. Famílias
  • 20. 20 1.2.3. Equipe Escolar 1.3 Condições Físicas e materiais 2. CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO E PRÁTICAS ESCOLARES 2.1. Concepção de escola e de perfil de formação dos estudantes 2.1.1. Educação 2.1.2. Papel da Escola 2.1.3. Definição de Aprendizagem 2.1.4. Perfil de formação dos estudantes 3. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL 3.1. Indicadores de acesso 3.1.1.Indicadores de fluxo 3.1..2.Indicadores de Aprendizagem 4. ESTRUTURA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO 4.1. Aspectos organizacionais 4.2. Aspectos administrativos 4.3. Aspectos financeiros 5. PLANO DE AÇÃO PROPOSTA CURRICULAR ALINHADA À BNCC 5.1.Fundamentos epistemológicos,filosóficos,psicológicos,sociológicos pedagógicos e culturais 5.2. Organização curricular 6. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFISSIONAIS DA ESCOLA 7. FORMAS DE AVALIAÇÃO DO PP
  • 21. 21 DETALHAMENTO DA ESTRUTURA DO PP 1. IDENTIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DA ESCOLA 1.1. Contextualização 1.1.1. Aspectos sociais, econômicos, culturais e geográficos. Na contextualização, é fundamental descrever: a população e seus costumes; a situação das residências e do saneamento; os grupos e as lideranças comunitárias; as associações e os clubes; as igrejas e as pastorais; os hábitos de lazer; os grupos culturais e os meios de comunicação locais; os tipos de comércio a situação educacional, econômicas; os serviços de saúde; os meios de transporte. Registrar os níveis de renda e as condições de trabalho, bem como o acesso aos bens de consumo. Para facilitar essa etapa, pode-se consultar o Censo, que fornecerá informações valiosas sobre a população do município (http://ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/default_censo_2019.shtm e https://www.ibge.gov.br/) 1.1.2. Histórico da Escola A identidade da escola se revela em seu histórico: ano de fundação, denominação, características da escola (organização da gestão, recursos físicos, materiais e financeiros); informações sobre os profissionais e estudantes da escola (quantitativo, perfil). Informações Recursos Financeiros repassados a instituição (PEALE, PNAE, PROAFI, Programa Excelência e outros);
  • 22. 22 1.2. Caracterização da Comunidade Escolar É preciso descrever: o quantitativo de docentes e discentes, das áreas administrativa e de apoio, assim como identificar os parceiros da Gestão Democrática: Conselho Escolar, Grêmio Estudantil, Conselho de Classe, Conselho de Professores que apoiam as tomadas de decisão na escola. A organização da unidade e do ensino, a constituição das turmas e os segmentos atendidos, os períodos, os turnos, a distribuição do tempo escolar e a existência de classes específicas para atendimentos especializados. 1.2.1. Estudantes (respostas dos questionários de expectativas) 1.2.2. Famílias (respostas dos questionários de expectativas) 1.2.3. Equipe Escolar (questionário de expectativas) O levantamento pode ser feito por meio de um questionário que inclua perguntas sobre o vínculo funcional, a escolaridade, se atuam de acordo com sua formação, suas expectativas em relação a seu trabalho na unidade, se trabalham em outras instituições e onde residem, para identificar se pertencem ou não ao bairro onde a escola está localizada. (Sugestão: realizar este levantamento usando o forms google, pois facilitará a coleta e sistematização de dados. Os dados referentes aos questionários dos diretores, professores e alunos que participaram da última Prova Brasil (<http://www.qedu.org.br>) fornecem elementos preciosos sobre as expectativas, condições e visões de tais profissionais em relação à unidade escolar e podem ser utilizados nessa caracterização.
  • 23. 23 1.3 Condições Físicas e materiais Descrever sobre as condições físicas, o estado em que se encontra a unidade escolar, suas dimensões, os tipos de dependência, as condições de uso e modo de utilização dos espaços. Os recursos humanos e materiais. 2. CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO E PRÁTICAS ESCOLARES • Refletir com a comunidade escolar: • Qual o entendimento que se tem sobre a educação? • Qual o papel da escola? • Como deve ser a relação entre professores e estudantes? • Qual o conceito preponderante sobre a aprendizagem? • Qual a metodologia que utilizamos? Para responder a estas e outras perguntas necessitaremos recorrer a referenciais teóricos que tratam sobre as concepções que embasam o trabalho pedagógico nas escolas que servirão de subsídios para pautar esta seção do PP das EEEFM. (Nota: No texto buscar alinhar a concepção teórica aos princípios educação. Constituição Federal • LDB • DCN/BNCC • Regimento Escolar 2.1. Concepção de escola e de perfil de formação dos estudantes 2.1.1. Educação
  • 24. 24 2.1.2. Papel da escola 2.1.3. Definição de Aprendizagem 2.1.4. Perfil de formação dos estudantes 3. PLANO DE AÇÃO O Plano de Ação (envolve o plano de intervenção pedagógico) deve ser elaborado à luz do diagnóstico dos indicadores educacionais da escola e da sua visão missão e princípios (conforme etapa 4). É importante que o plano de ação estabeleça prioridades, (contemplando a reflexão e análise os dados evidenciados anteriormente) para que de fato aconteça no período de tempo proposto. É fundamental que esta parte contemple de forma explícita a maneira como a escola se adaptará para a implementação dos novos currículos alinhados à BNCC e ao RCRO em todas as suas esferas: objetivos de aprendizagem, metas, materiais didáticos, formação docente e avaliação. O planejamento deve ser claro de forma que oriente a atuação de toda a comunidade escolar, bem como o monitoramento e possíveis correções durante o ano. 4. ESTRUTURA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO 4.1. Aspectos organizacionais: Refere-se a (Dimensão Pedagógica) Evidenciar a macroestrutura de funcionamento do modelo de gestão, Rotinas do Diretor na Gestão Educacional, agenda de atendimento, reuniões, formações, gestão do tempo etc 4.2. Aspectos administrativos Dimensão Administrativa Rotina da equipe escolar junto aos estudantes, famílias e comunidade 4.3. Aspectos financeiros Dimensão Financeira Apresentar informações sobre os recursos financeiros recebidos pela escola e a forma de gestão dos mesmos, como é realizada a divulgação desses recursos a comunidade escolar.
  • 25. 25 5. PROPOSTA CURRICULAR (descrição/redação dos levantamentos das etapas e construções coletivas) Para elaboração da Proposta Curricular será necessário recorrer às Diretrizes Curriculares Nacionais e estaduais do Ensino, BNCC (conforme etapa 4) e demais documentos referentes aos seguintes itens: Calendário Escolar; Matriz curricular; Ementa de conteúdos; Metodologia de ensino; Carga horária de cada curso (componente curricular); Planos de curso constando os espaços e materiais a serem utilizados para implementação da proposta. 5.1. Fundamentos epistemológicos, filosóficos, psicológicos, sociológicos, pedagógicos e culturais 5.2. Organização Curricular Refere-se a (da escola, das séries ou ciclos, planos de ensino da disciplina): Objetivos, conteúdos, desenvolvimento metodológico, avaliação da aprendizagem 6. PROPOSTA DO PLANO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTES DA ESCOLA Este item deve contemplar o plano de ação de formação continuada. Como será desenvolvida a formação continuada dos profissionais da instituição, deste modo, faz-se necessário descrever as ações de formação desenvolvidas pela escola, tal formação deve permear o decorrer do ano letivo. Contendo além dos descritos balizadores do projeto, intencionalidades, fatores exequíveis como prazos, metas, cronograma, carga- horária, métodos avaliativos e reavaliação do processo etc. E ampla divulgação das intenções para essa ação, bem como o envolvimento de todos no processo de modo que sejam protagonistas. (Contemplar nessa proposta o estudo dos cadernos de orientações pedagógicas, recebido pela SEDUC). Sugere-se que a proposta contemple como condição necessária as competências socioemocionais como ponto de partida para a reflexão e autoconhecimento de si para posterior atendimento aos educandos. Aspectos importantes: Regular as emoções; Tomar decisões melhores;
  • 26. 26 Entender o entorno no contexto; Enfrentar os desafios; Exemplo para o outro (alunos, familiares, liderados); Conhecer-se, refletir e olhar a si mesmo no dia a dia para ver como trabalha as competências socioemocionais. Ressalta-se que os educadores que trabalham com competências socioemocionais precisam desenvolver suas próprias competências socioemocionais, por meio de atividades provocadoras, que os levem à reflexão e resultem em expansão de consciência. Precisam, sobretudo, ser ouvidos. Perceber a si mesmos e a seus alunos de forma mais humana que também auxilia muito neste processo. (Global Education Leaders’ Program). McKay, Wood, & Brantley (2007) sugerem que as competências socioemocionais podem ser entendidas como um conjunto de estratégias ou ações que potenciam não só o autoconhecimento, mas também a comunicação efetiva e o relacionamento interpessoal. 7. PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO INTEGRADO (plano que integra todos as propostas de atuação dos setores no processo de ensino aprendizagem) Esses planos visam expor a proposta de ação dos profissionais e qual contribuição os setores terão para com o processo ensino aprendizagem ofertado pela instituição contendo descritos básicosconforme elencado no item 7. Composto de intencionalidades, prazos, metas, cronograma, métodos avaliativos e autoavaliação do processo. Inclui-se neste:  Plano de ação gestores escolares  Plano de ação supervisores escolares  Plano de ação orientadores escolares  Plano de ação do(s) profissionais da biblioteca escolar  Plano de ação do(s) profissionais do laboratório de informática  Plano de ação do(s) profissionais da brinquedoteca escolar.  Plano de ação da secretaria escolar,  Plano de ação da sala de recursos
  • 27. 27 Entre outros planos que compõe as ações integradas de aporte pedagógico de profissionais que atuam na escola que tem a missão de contribuir para o processo de aprendizagem dos estudantes da instituição. Sabedores que a instituição de ensino envolve todos os atores, cabendo então todos os profissionais que atuam no âmbito pedagógico ter foco de atendimento e responsabilidades educativas no processo. 8. FORMAS DE AVALIAÇÃO DO PP Descrever como será realizada a avaliação do PP, se essa avaliação será no decorrer do ano em curso quais instrumentais a equipe utilizará para realizar avaliação observando as normativas da Secretaria Estadual da Educação. (SEDUC) Os instrumentais de avaliação serão definidos e elaborados pela escola, registrados no Projeto Pedagógico, com registro em Ata de Reunião, de acordo com a PORTARIA nº 0522/ -GAB/SEDUC e outras leis pertinentes. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, nº 248, p.27833-7841, 23 set. 1996. Seção 1. Lei nº. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015- 2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em:20/04/2018. Plano Nacional de Educação. Lei nº 10.172. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2001. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L10172.pdf. Acesso em 15/05/2018.
  • 28. 28 Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 18/03/2017. Resolução nº. 16, de 7 de dezembro de 2017. Conselho Deliberativo do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2017-pdf/78691-resolucao-fnde-16-2017- final-pdf/file. Acesso em 10/04/2018. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Nacionais Gerais de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013- pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file. Acesso em 18/03/2017. Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental de 9 anos. Parecer CNE/CEB nº 11, de 9 de dezembro de 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica- 2013-pdf/file. Acesso em 30/05/2017. Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Resolução CNE/CEB nº 2, de 31 de janeiro de 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica- 2013-pdf/file. Acesso em 30/05/2017. NOBRE, Luciana Regina. A atuação do Coordenador Pedagógico nas Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral no Programa Escola do Novo Tempo. UNIR: 2018. RONDÔNIA. Projeto Pedagógico do Programa Escola do Novo Tempo. SEDUC: Porto Velho, 2017.
  • 29. 29 Anexo II: Checklist passo a passo com foco e eficiência na execução de reconstrução do PP Dia/período Etapa Atividade 1ª etapa Envolvimento e sensibilização da equipe da escola para promover o engajamento e a visão de conjunto do trabalho a ser realizado. 2ª etapa Planejamento coletivo para organizar o processo e definir as atribuições de cada participante; pode conter informações sobre ações, etapas, duração e responsáveis. 3ª etapa Levantamento para coletar dados e fazer um diagnóstico sobre a escola. 4ª etapa Mobilização da equipe escolar envolvendo os professores na execução do currículo. 5ª etapa Mobilização da comunidade escolar externa (pais e familiares, responsáveis, vizinhos) para participar. 6ª etapa Socialização e validação dos dados construídos com a comunidade interna da escola. 7ª etapa Socialização, e validação dos dados e definição de Prioridades para estabelecer metas com a comunidade escolar.
  • 30. 30 8ª etapa Redação final e validação do texto do documento pelas comissões. 9ª etapa Divulgação da versão final.
  • 31. 31 Anexo III: Modelo de Planejamento GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Coordenadoria Regional de Educação - Vilhena/RO ESCOLA: _____________________________________________________________ COMPETÊNCIA DA ÁREA DE CONHECIMENTO: "Competência é definida como a mobilização de conhecimentos (conceitos e procedimentos), atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho”. A organização estrutural da BNCC no Ensino Fundamental como um todo se dá por áreas do conhecimento, da mesma forma que acontece no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Tal organização busca favorecer a comunicação entre os conhecimentos e aprendizagens das inúmeras disciplinas, agora chamadas de componentes curriculares. As áreas do conhecimento previstas pela BNCC são: 1) Linguagens, 2) Matemática, 3) Ciências da Natureza e 4) Ciências Humanas, sendo que cada uma delas têm competências específicas de área – reflexo das dez competências gerais da BNCC – que devem ser promovidas ao longo de todo o Ensino Fundamental.
  • 32. 32 Portanto, para além das competências, cada uma dessas áreas tem papel fundamental na formação integral dos alunos do Ensino Fundamental. Isso aparece nos textos de apresentação das áreas na BNCC. Além de mostrar tal papel, o documento dá destaque às particularidades do segmento, levando em consideração as especificidades e as demandas pedagógicas de cada etapa educacional. COMPETÊNCIA DO COMPONENTE CURRICULAR: De acordo com a BNCC, “as competências específicas possibilitam a articulação horizontal entre as áreas, perpassando todos os componentes curriculares, e também a articulação vertical, ou seja, a progressão entre o Ensino Fundamental – Anos Iniciais e o Ensino Fundamental – Anos Finais e a continuidade das experiências dos alunos, considerando suas especificidades.” O que antes entendíamos como disciplinas ou matérias, chamamos agora de componentes curriculares. Mas como assim? As disciplinas não deixaram de existir, o que mudou foi: a BNCC não chama mais Língua Portuguesa, por exemplo, de disciplina ou matéria. A Base a compreende como um componente curricular da área de conhecimento de Linguagens. As áreas de cada componente curricular que estão presentes na BNCC Ensino Fundamental – Anos Iniciais e Anos Finais são: 1. Linguagens Componentes curriculares: Língua Portuguesa, Arte, Educação Física, Língua Inglesa. 2. Matemática Componente curricular: Matemática. 3. Ciências da Natureza Componente curricular: Ciências. 4. Ciências Humanas Componentes curriculares: História e Geografia. 5. Ensino Religioso Componente curricular: Ensino Religioso.
  • 33. 33 Com o intuito de garantir o desenvolvimento das competências específicas de área, cada componente curricular possui – conforme indicado no texto da BNCC – um conjunto de habilidades que estão relacionadas aos objetos de conhecimento e que se organizam em unidades temáticas. Também não deixando também de considerar os fatores socioemocionais. Bimestre UNIDADES TEMÁTICAS HABILIDADES OBJETO DO CONHECIM ENTO ORIENTAÇÕ ES METODOLÓ GICAS RECUR SOS DIDÁTI COS INSTRUMENTOS AVALIATIVOS Executa ou que se organiza de acordo com um determinado assunto. Aprendizagens práticas, cognitivas e socioemocionais essenciais que devem ser asseguradas aos alunos. Conteúdos, conceitos e processos Estratégias utilizadas para a realização das atividades Materiais utilizado s para o desenvol vimento das atividade s Os instrumentos avaliativos devem verificar se as habilidades almejadas
  • 34. 34 Anexo IV: Sugestão de elaboração cronograma de (re)construção do Projeto Pedagógico escolar ORD DATA OU PERÍODO AÇÃO EQUIPE RESPONSÁVEL RESULTADO ESPERADO 1. 15/07/20 (suposição/exe mplo) Reunião com equipe gestora pedagógica para planejar direcionamentos Nome(s) Cronograma de execução realizado e equipes distribuídas 2. 15/07 a 30/07 (suposição/exe mplo) Identificação, diagnóstico, concepções, estrutura e práticas da escola Organização do histórico, social e cultural da escola, atualização de informações e demais dados. Constando: - Levantamento de dados de modalidades atendidas, número de alunos nos últimos anos por série, perfil educacional e de formação; - Características da escola, alunos e profissionais; - Métodos utilizados; - Programas e projetos que desenvolveu e encontra- se em execução relevância frente aos resultados obtidos; - Quadro de profissionais; - Quadro de ambientes; - Quadro de equipamentos e materiais - Missão da Escola, visão, valores e princípios - Fundamentação teórica (atualizada) - Matriz curricular Entre outros... Nome(s) (sugere-se que essa EQUIPE DE DIAGNÓSTICO tenha no mínimo 3 pessoas, incluindo alguém da secretaria) Levantamento de informações e histórico realizado, revisado
  • 35. 35 De acordo com o sumário do PP, considerando os itens 1, 2, 4 e 6. (pág. 15 do guia) 3. 15/07 a 30/07/20 (suposição/exe mplo) Levantamento de dados internos e externos da escola - Resultados e comparativos de nos últimos dois a três anos de proficiência interna. Propor meta projetada para alcançar internamente aos próximos anos, seguindo o método das avaliações externas. - Ideb – observar os índices alcançados (fazer análise dos dados de proficiência e fluxo (site: https://www.qedu.org.br/estado/122-rondonia) que compõe o índice e evidenciar as metas propostas do IDEB para próximos anos. De acordo com o sumário do PP, considerando os itens 3.(pág. 15 do guia) Nome(s)dos componentes da EQUIPE DE DADOS Levantamento realizado, análises comparativas e metas estabelecidas 4. 31/07 a 15/08 (suposição/exe mplo) Plano de ação (direcionamentos pedagógicos) - Momentos de integração para discussão e direcionamentos para as construções. - Planos pedagógicos anuais: Planos de curso por disciplina construídos pelos professores de acordo com a BNCC e o RCRO. - Plano de intervenção pedagógica para atender as condições peculiares a serem tratadas com atenção na escola. - Pano de formação continuada dos profissionais que atuam no pedagógico da escola. - Plano de ação integrado dos demais profissionais que atuam na complementação da aprendizagem escolar. Nome(s)dos componentes da EQUIPE DO PAD (imprescindível o supervisor gestor ped nessa equipe) Participação efetiva dos professores nessa construção Planos de ação construídos e homologados pelos professores e equipe pedagógica. equipe designada fazer análise, aprovação, socialização para levar em plenária para validação da comunidade
  • 36. 36 De acordo com o sumário do PP, considerando os itens 4,6,7 e 8. (pág. 16 a 20 do guia) 5. 31/07 a 15/08 (suposição/ exemplo) Mobilização da comunidade escolar externa (pais e familiares, responsáveis, vizinhos) para participar. Estratégias para vislumbrar a participação da comunidade externa e interna, sugere-se instrumentos diretos e sucintos que sejam facilitadores de participação e posterior condensação de informações: - Criar questionários escritos e ou virtuais para a comunidade (pais, alunos, parceiros,etc) - Criar questionários escritos e ou virtuais para servidores internos (apoio, administrativoe - docentes) – finalidade de compor Avaliação institucional Organizar reunião/webconferência por turma, etc Organização dos dados levantados (tabulação e apresentação das informações levantadas, através de gráficos, relatos, reflexões diretas e fidedignas com vistas às questões elencadas nos instrumentos) Nome(s)dos componentes da EQUIPE MOBICOM imprescindí-vel o orientador e gestor adm nessa equipe) Participação efetiva da comunidade externa e interna na construção Entrega dos dados organizados para a equipe designada fazer análise, aprovação, socialização para levar em plenária para validação da comunidade 7. 15/08a 0/08/20 (suposição/exe mplo) Socialização dos textos construídos com base nos achados (levantamento de dados) e construções textuais efetivadas pelas etapas do processo. Essa socialização por meio de plenária em reunião presencial e ou virtual com equipe interna e externa com objetivo de repassar os resultados Nome(s)dos componentes da EQUIPE SOCIA Plenária de socialização efetivada com a validação dos resultados em versão final.
  • 37. 37 obtidos e adquirir a aprovação dos elementos construídos. Para a finalização do PP da Escola 8. 30/08 a 15/09 (suposição/exe mplo) Conclusão do documento revisado dentro da estrutura proposta (constar nos anexos os instrumentos utilizados para levantamento de dados e documento com assinaturas da validação das equipes de trabalho. Nome(s)dos componentes da EQUIPE RED + EQUIPE GERENCIAL Disponibilização da versão final e entrega a CRE 9 Ano 2021 (suposição/exem plo) Avaliação e revisão. Planejamento para adequação dos planos de ação e demais dados atualizados ao ano 2021 Observação: equipes de campo/pesquisa para realizar as ações propostas no cronograma (sugestivo) convocação dos seguintes profissionais: - Diretores (2 pessoas) - Secretário e assistentes de secretaria (2 a 4 pessoas) - Supervisores (1 a 3 pessoas) - Orientadores/psicopedagogos/psicólogo (1 a 5 pessoas) - Professores AEE (1 a 2 pessoas) - Professores LIE (1 a 3 pessoas) - Professores Biblioteca (3 a 6 pessoas)
  • 38. 38 Sugere-se que cada equipe elabore um cronograma específico da ação (considerando o prazo de execução do PP e entrega a CRE, conforme Calendário anexo), dentro do prazo estabelecido em reunião inicial e disponibilize a equipe gerencial que fará o monitoramento. Todas as ações são de extrema necessidade e relevância. Assim é necessário envolvimento, comprometimento e responsabilidade de todos. Cujas atividades deverão constar no plano de trabalho remoto (caso seja feito nesses moldes) que acompanhará a folha ponto do servidor. Salientamos ainda que o período de isolamento social devido a pandemia do CONVID-19 não poderá intervir na efetivação das ações, sendo que há condições de realização mediante mecanismos tecnológicos. Conscientes de que todos são capazes, pois estão em efetivo período de trabalho, além de possuírem acesso e conhecimento de alguma maneira dos recursos tecnológicos de informatização e comunicação (meios virtuais)
  • 39. 39 Anexo V: Visão do encaminhamento do cronograma
  • 40. 40 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - VILHENA Anexo VI: Instituição de Comissão Interna de Execução e Avaliação de etapas da (re)construção do Projeto Pedagógico da Escola (Uso do referido documento somente a título de sugestão, caso a escola veja a necessidade de intuí-lo de modo formal. Para cada equipe, alterar as atribuições) A Coordenadoria Regional de Educação de ______________ juntamente com a Direção da Escola______________no uso de suas atribuições legais, institui a equipe de trabalho para atender a fase de: diagnóstico do Projeto Pedagógico/20, cuja equipe tem a responsabilidade de observar e analisar os dados existentes no PP, verificando os dados que poderão ser agregados e atualizados para que haja a reconstrução dentro das normativas do Referencial Curricular de Rondônia – RC/RO e BNCC. Dentre as atividades designadas para essa equipe são:  Identificação, diagnóstico, concepções, estrutura e práticas da escola.  Organização do histórico, social e cultural da escola, atualização de informações e demais dados. Constando:  Levantamento de dados de modalidades atendidas, número de alunos nos últimos anos por série, perfil educacional e de formação;  Características da escola, alunos e profissionais;
  • 41. 41  Métodos utilizados;  Programas e projetos que desenvolveu e encontra-se em execução relevância frente aos resultados obtidos;  Quadro de profissionais;  Quadro de ambientes;  Quadro de equipamentos e materiais  Missão da Escola, visão, valores e princípios  Fundamentação teórica (atualizada)  Matriz curricular  Entre outros De acordo com o sumário do PP, considerando os itens 1, 2, 4 e 6. (pág. 15 do guia) Equipe destinada a fazer o diagnóstico composto pelos profissionais: ________________________(função na equipe):_____________________________________________________________________ ________________________(função na equipe):_____________________________________________________________________ ________________________(função na equipe):_____________________________________________________________________ __________________________________________________________________ Gestor