Nbr 9050 exemplificada acessibilidade-1

25.852 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
8 comentários
41 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.852
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
8
Gostaram
41
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nbr 9050 exemplificada acessibilidade-1

  1. 1. O que é acessibilidade? Significa não apenas permitir que pessoas portadoras de necessidades especiaisparticipem de atividades que incluem o uso de produtos, serviços e informação, mas ainclusão e extensão do uso destes por todas as parcelas presentes em uma determinada população.
  2. 2. O que é acessibilidade? Possibilidade e condição de alcance para utilização com segurança eautonomia de edificações, espaços, mobiliários e elementos . (ABNT NBR 9050)
  3. 3. Acessibilidade propõem a inclusão de todas as pessoas
  4. 4. População Beneficiada14,5% da população brasileira14,é constituída de pessoasportadoras de necessidadesespeciais Fonte : IBGE –– Revisão 2004
  5. 5. População Beneficiada IBGE –– Revisão 2004
  6. 6. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos A Norma ABNT NBR 9050 estabelece critérios eparâmetros técnicos a serem observados quando do projeto da construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade.
  7. 7. Objetivos e Considerações da Norma► Diversas condições de mobilidade ;► De percepção do ambiente;► Com ou sem aparelhos específicos ( próteses, aparelhos de apoio, cadeiras de rodas, bengalas de rastreamento, sistemas assistivos de audição, outros).► Utilização autônoma e segura do ambiente,edificações, mobiliário, equipamentos urbanos e elementos.
  8. 8. Aplicação da Norma► Novos espaços, edificações, mobiliário e equipamentos urbanos que vierem a ser projetados, construídos, montados ou implantados;► Reformas e ampliações de edificações e equipamentos urbanos;► Nas áreas comuns de edificações residenciais multifamiliares, condomínios e conjuntos habitacionais;► Facultativa em edificações unifamiliares;► Não exigível em: entradas e áreas de serviço ou de acesso restrito, tais como casas de máquinas, barriletes, passagem de uso técnico etc.
  9. 9. ABNT NBR 9050 Definições Acessibilidade: Acessibilidade: Possibilidade e condição de alcance,percepção e entendimento para a utilização comsegurança e autonomia de edificações, espaço,mobiliário, equipamento urbano e elementos. acessível: acessível: Espaço, edificação, mobiliário,equipamento urbano ou elemento que possa seralcançado, acionado, utilizado e vivenciado porqualquer pessoa, inclusive aquelas com mobilidadereduzida. O termo acessível implica tantoacessibilidade física como de comunicação.
  10. 10. Definições Adaptável: Adaptável: Espaço, edificação, mobiliário,equipamento urbano ou elemento cujas característicaspossam ser alteradas para que se torne acessível; Adaptado: Adaptado: Espaço, edificação, mobiliário,equipamento urbano ou elemento cujas característicasoriginais foram alteradas posteriormente para seremacessíveis; Adequado: Adequado: Espaço, edificação, mobiliário,equipamento urbano ou elemento cujas característicasforam originalmente planejadas para serem acessíveis.
  11. 11. Parâmetros antropométricos M.R. – Módulo de referência; P.C.R. – Pessoa em cadeira de rodas; P.M.R. – Pessoa com mobilidade reduzida - Aquelaque, temporária ou permanentemente, tem limitadasua capacidade de relacionar-se com o meio e deutilizá-lo. Ex. portador de necessidades especiais,idoso, obeso, gestante , acidentados,etc; P.O. – Pessoa obesa;
  12. 12. Parâmetros antropométricosDimensões referenciais - medidas entre 5% a 95% da populaçãobrasileira - extremos correspondentes a mulheres de baixaestatura e homens de estatura elevada.
  13. 13. Parâmetros antropométricos M.R. – Módulo de referênciaConsidera-se o módulo de referência a projeção de 0,80 m por1,20 m no piso, ocupada por uma pessoa utilizando cadeira derodas.
  14. 14. Parâmetros antropométricos M.R. – Módulo de referência
  15. 15. Parâmetros antropométricos Área de manobra sem deslocamentoa) para rotação de 90° = 1,20 m x 1,20 m;b) para rotação de 180° = 1,50 m x 1,20 m;c) para rotação de 360° = diâmetro de 1,50 m.
  16. 16. Área de manobra sem deslocamento
  17. 17. Área de manobra sem deslocamento
  18. 18. Parâmetros antropométricosÁrea de manobra com deslocamento
  19. 19. Área de aproximaçãoDeve ser garantido o posicionamento frontal ou lateral da área definidapelo M.R. em relação ao objeto, avançando sob este entre 0,25 m e 0,55 m,em função da atividade a ser desenvolvida. Área de aproximação para P.M.R. Área de aproximação para P.C.R. Boxe com porta sanfonada Boxe com porta abrindo para o interior
  20. 20. Área de aproximaçãoAs mesas ou superfícies devem possuir altura livre inferior de nomínimo 0,73 m do piso.Deve ser garantido um M.R. posicionado para a aproximação frontal,possibilitando avançar sob as mesas ou superfícies até no máximo 0,50 m.
  21. 21. Área de aproximaçãoAproximação de porta frontal Aproximação de porta lateral
  22. 22. Área de transferência transferênciaEspaço necessário para que Deve ter no mínimouma pessoa utilizando cadeira as dimensões do M.R;de rodas possa se posicionarpróximo ao mobiliário para oqual necessita transferir-se. Devem ser garantidas as condições de deslocamento e manobra para o posicionamento do M.R. junto ao local de transferência;
  23. 23. Área de transferência para a bacia sanitária transferência Deve ter no mínimo as dimensões do M.R; Devem ser garantidas as condições de deslocamento e manobra para o posicionamento do M.R. junto ao local de transferência;
  24. 24. Transferência para a bacia sanitária A altura do assento do local para o qual for feita a transferência deve ser semelhante à do assento da cadeira de rodas ; Para a realização da transferência, deve ser garantido um ângulo de alcance que permita a execução adequada das forças de tração e compressão.
  25. 25. Transferência para a bacia sanitária
  26. 26. Transferência para a bacia sanitáriaBoxe para bacia sanitária - Transferência lateral
  27. 27. Transferência para a bacia sanitáriaBoxe para bacia sanitária — Reformas — Área de manobra externa
  28. 28. Transferência para a bacia sanitáriaNos locais de transferência, devem ser instaladas barras de apoio, nassituações previstas nesta Norma ; barra de apoio lateral com fixação na parede de fundo Barra de apoio lateral com fixação na parede de lateral
  29. 29. Área com acesso direto paraÁrea de resgate uma saída, destinada a manter em segurança pessoas portadoras de necessidades ou mobilidade reduzida, enquanto aguardam socorro em situação de sinistro.
  30. 30. Alcance manual frontal► Pessoa em pé;► Sentada;► P.C.R.
  31. 31. ► Pessoa em pé; Alcance manual lateral► Sentada;► P.C.R.► P.M.R. Superfície de trabalho
  32. 32. Ângulos para execução de forças de tração e compressão► Plano horizontal ► Plano lateral► Empunhadura
  33. 33. Parâmetros visuais - Ângulos de alcance ► Plano vertical ► Plano horizontal
  34. 34. Cones visuais - Ângulos de alcanceEm pé Sentada
  35. 35. Cones visuais - Ângulos de alcanceP.C.R.
  36. 36. Calçadas e estacionamentos
  37. 37. Planejamento e Construção de Calçadas
  38. 38. Planejamento e Construção de Calçadas CALÇADA TÁTIL Deficiência sensorial visual Textura e cor para facilitar identificação do percurso CALÇADA ECOLÓGICA faixas ajardinadas pavimentação mínima de 1,50m vias com baixa circulação de pedestres
  39. 39. Calçada tátil
  40. 40. Calçada ecológica
  41. 41. Calçada ecológica
  42. 42. Calçada tátilCalçadas devem ter piso comsuperfície firme, regular, estávele antiderrapante e 1,20m, nomínimo, para circulação depedestres(NBR 9050:2004, ABNT)
  43. 43. Calçada tátil Planejamento e Construção de Calçadas
  44. 44. Planejamento e Construção de Calçadas Calçada tátil
  45. 45. Alteração da legislação municipal sobre calçadas Calçada tátil
  46. 46. Planejamento e Construção de Calçadas Calçada tátil
  47. 47. Planejamento e Construção de Calçadas Calçada tátil
  48. 48. Anexo III – Código de Obras e Edificações de Goiânia – Lei 177 – 09/01/ 2008 Calçada rebaixada http://www.goiania.go.gov.br/index1.htm
  49. 49. Calçada rebaixada
  50. 50. Calçada rebaixada
  51. 51. Anexo IV – Código de Obras e Edificações de Goiânia – Lei 177 – 09/01/ 2008 http://www.goiania.go.gov.br/index1.htm
  52. 52. Calçada rebaixadaAnexo IV – Código de Obras e Edificações de Goiânia – Lei 177 – 09/01/ 2008http://www.goiania.go.gov.br/index1.htm
  53. 53. Calçada rebaixada Anexo V – Código de Obras e Edificações de Goiânia – Lei 177 – 09/01/ 2008 http://www.goiania.go.gov.br/index1.htm
  54. 54. Anexo V – Código de Obras e Edificações de Goiânia – Lei 177 – 09/01/ 2008 http://www.goiania.go.gov.br/index1.htm
  55. 55. Anexo VI – Código de Obras e Edificações de Goiânia – Lei 177 – 09/01/ 2008http://www.goiania.go.gov.br/index1.htm
  56. 56. Anexo XI – Código de Obras e Edificações de Goiânia – Lei 177 – 09/01/ 2008http://www.goiania.go.gov.br/index1.htm

×