A

Apresentação

No transcorrer dessa jornada, descobrimos diferentes lugares, cada um com
suas características próprias. ...
para a sua carreira e seus alunos. Pois como eles estarão preparados para entrar
no mercado de trabalho, se o seu mestre n...
H

at tude
PREPARANDO-SE PARA O SUCESSO
ços, tornando seu perfil diversificado para conseguir compor
a tão sonhada aula-espetáculo. E...
Todos estes grandes profissionais de comunicação possuem
características importantíssimas que o ajudarão, e muito, a
se to...
Porém, tenha a consciência de que o sucesso dessas ações não
acontecem do dia para a noite e exigem que você, educador,
ab...
H
H Práticas
Além de despertar seu poder de inovação, você também tem
a responsabilidade de não deixar que esse sentimento...
Essas afirmações podem parecer conflitantes, mas não são. A
motivação é algo que depende da vontade de cada um. É um
proce...
sadas e expectativas futuras. E, mesmo que você tenha dois
estudantes com exatamente o mesmo grau de concentração, a
razão...
Lição de casa
Bom, você não pode evitar. Eles também não. Então,
o melhor é chegar a um acordo sobre provas, pesquisas e
e...
engraçadas, as quais podem ser usadas em outras matérias. Quer coisa melhor para fixar as conversões de pesos
e medidas do...
Ao vê-lo “em cena”, percebemos o quanto suas atitudes e
seu discurso são persuasivos, chamam a atenção do público e
cativa...
H Quando a turma estiver muito alvoroçada, com conversas

paralelas, use a técnica do silêncio. Fique na frente da
turma d...
A professora Maria José Zoppi Campane é outra defensora da
utilização das vivências do cotidiano local. Ela também alerta
...
cipar das atividades. Porém, desenvolver essa característica
leva tempo e não é tão simples quanto parece, principalmente
...
Para desenvolver esses líderes completos, vale tudo. Por
exemplo, o professor Robert Lengel, da Universidade do
Texas (Est...
Professor Nota 10

Escrever um diário com suas opiniões a respeito de seu
trabalho e de suas qualidades e defeitos é muito...
H

H

H preparação

pessoal
Imagine a seguinte situação: começo do ano, volta às aulas, os
professores são convidados a participarem da famosa semana
...
motivação, persuasão, planejamento e liderança) e, juntamente com elas, cultivar alguns gestos que fazem toda a diferença,...
Tempo é só o começo: os grandes professores sabem que
administrar o tempo é só o começo da estrada. É necessário planejar ...
5

Comece pelo começo – Em qualquer atividade, nada
é mais importante que a primeira impressão. Certo,
você já causou uma ...
8.

Faça seu emprego – Ao contrário do que parece, a
maioria das funções se adapta ao redor das pessoas
que as ocupam, e n...
Cuide também de sua aparência. Não é preciso vestir terninho
ou gravata todos os dias, mas suas roupas devem estar limpas
...
Tão importante quanto ser autêntico com relação ao produto,
é o ser em relação a si mesmo. Um vendedor nunca pretende
ser ...
primeiras coisas que perguntam é o nome do cliente. Para
os professores isso é um pouco mais difícil, uma vez que
em cada ...
Assim como o vendedor, o professor não deve fazer campanhas “terroristas” contra este ou aquele educador ou instituição de...
Simplifique

Professor Nota 10

Existe uma história famosa de vendas, ocorrida em uma empresa norte-americana de telefones...
Orientados por essa predisposição mental, nossa atuação
ajusta-se a esse julgamento e, no final, é esse mesmo
resultado qu...
Precisamos nos dar conta de que nossas expectativas e
orientações estão contribuindo fortemente para a cristalização de qu...
Existem mecanismos básicos empregados para uma boa qualidade vocal. Precisamos nos ater ao tipo de voz que estamos
usando,...
Durante o período entre as aulas, recomenda-se o consumo de maçã ou a ingestão de sucos cítricos, pois possuem
propriedade...
H Álcool: essa substância é responsável pela anestesia das

pregas vocais. O professor que usar essa droga e logo
depois f...
[ Ficar em silêncio total por 5 minutos para que ocorra o

repouso.

[ Exercício de vibração de ponta de língua em escala
...
Assim, para que sua voz seja agradável é preciso que você
tenha sempre em mente o bom senso – uma articulação, intensidade...
Exercícios de relaxamento

Articulação das consoantes

Existem diversas práticas que contribuem para o desenvolvimento da ...
1. Conte, lentamente, de um a cem fazendo movimentos
exagerados com a boca, com bicos e sorrisos forçados
durante a sonori...
EXPRESSÃO CORPORAL
COMUNICANDO COM O CORPO

Professor Nota 10

Todo o nosso corpo fala. A posição dos pés e das pernas, o
...
u Balançar os pés ou ficar freneticamente batendo-os no

chão. Além de fazer barulho, você estará distraindo os
alunos e c...
palmas voltadas para cima, mostra que você está solicitando a colaboração dos alunos.
u Se você ficar girando uma mão sobr...
Espaço, a fronteira inicial. Para alguns professores, a sala de
aula limita-se a 2 metros à frente do quadro-negro. A part...
pouco abaixo da altura de seu peito, para o pessoal das
três primeiras carteiras.

Professor Nota 10

Erros a serem evitad...
Trabalhe para que nenhum desses inconvenientes atrapalhem
seu objetivo de ser um professor nota 10. Existem exercícios
sim...
7° passo: faça o mesmo com os ombros.
8° passo: flexione e estenda sucessivamente os cotovelos.
Repita essa prática cerca ...
7° passo: em pé e com os joelhos semiflexionados, entrelace os seus dedos e “empurre-os” para frente (na altura
dos ombros...
H

H

H preparação

didática
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Professor nota 10
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Professor nota 10

1.357 visualizações

Publicada em

Educação Professor

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.357
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Professor nota 10

  1. 1. A Apresentação No transcorrer dessa jornada, descobrimos diferentes lugares, cada um com suas características próprias. Alguns apresentaram-se como verdadeiros desafios à sobrevivência do homem, seja pelo calor quase insuportável de seus desertos, seja pela inclemência do frio que ofereciam. A todos sobrepujamos. Se pudéssemos classificar as qualidades humanas que nos permitiram vencer a guerra pela sobrevivência, em primeiro lugar estaria, logicamente, a capacidade de pensar, refletir. Ela nos permitiu desenvolver uma característica única entre as espécies vivas: a adaptabilidade. Professor Nota 10 Ao adotarmos a postura bípede e abandonarmos a segurança das florestas, demos início a mais espetacular aventura terrestre: a ocupação deste planeta pela espécie humana. Chegamos até aqui porque soubemos nos adaptar aos mais diferentes hábitats. Como Darwin afirmou: “Apenas os mais ágeis e aptos sobrevivem e vencem, não necessariamente os mais fortes.” E é essa maravilhosa chance de se adaptar que você, professor, deve agarrar com toda a sua força. Pare e analise sua carreira, pense há quanto tempo você não faz um curso de aprimoramento ou apenas adota uma nova forma de repassar o conteúdo. Ficar parado no tempo, sem “evoluir”, traz grandes riscos
  2. 2. para a sua carreira e seus alunos. Pois como eles estarão preparados para entrar no mercado de trabalho, se o seu mestre não está antenado às novidades e não pode instruí-los a como se comportar nesse mundo tão globalizado? Professor Nota 10 Ao enfrentar o desafio de se tornar o mais ágil e apto de sua espécie, você deixará para trás velhos padrões e, conseqüentemente, se destacará em seu meio. Enfim, conseguirá se sobressair não apenas como educador, mas, sim, como um verdadeiro mestre nota 10.
  3. 3. H at tude
  4. 4. PREPARANDO-SE PARA O SUCESSO ços, tornando seu perfil diversificado para conseguir compor a tão sonhada aula-espetáculo. E este material vem ajudá-lo nessa tarefa. A seguir, identificamos as qualidades necessárias para seu sucesso e damos diversas orientações de como cultivá-las. A diferença entre as duas pode ser justamente a diferença. Aquele algo a mais em suas aulas. Às vezes, é um jeito, uma postura, algo que não se aprende na faculdade. ATITUDE É TUDO! É uma aula diferente. É um pequeno espetáculo que se dá para os alunos, tornando a disciplina ainda mais interessante. Isso aumenta a participação em sala de aula e, no final das contas, eleva – e muito – as suas oportunidades de trabalho. No final das aulas, quem não gostaria de escutar os alunos comentando uns com os outros: “Nossa! Essa aula foi nota 10, você não acha?” Conseguir essa reação envolve uma série de fatores e muito planejamento de sua apresentação. Ao entrar em sala sua postura tem de ser persuasiva, criativa, motivadora e de liderança, características, essas, essenciais e que devem ser trabalhadas para se alcançar o sucesso profissional e de suas aulas. Portanto, assim como um prédio precisa ter alicerces sólidos para sustentar a construção, você deve desenvolver esses tra- Que elementos sua aula precisa ter para ser considerada um verdadeiro espetáculo por seus alunos? E o mais importante, como você, professor, deve conduzir suas explicações para alcançar esse feito? Além de reunir novos elementos em suas aulas, você deve incorporar novas atitudes a sua profissão. O sucesso de suas ações dentro da sala de aula está diretamente ligado à maneira como você encara a profissão e seus alunos. Sem algumas atitudes específicas, a meta de tornar-se um professor inesquecível, com aulas memoráveis, fica distante. A maioria dessas qualidades podem ser encontradas em grandes comunicadores. Não seria fantástico levar toda a criatividade que Serginho Groisman implantou em seu programa para sua classe? Ou fazer um superplanejamento de aula, assim como Marília Gabriela faz, antecipadamente, com suas entrevistas? Professor Nota 10 Duas vizinhas, amigas de infância, mesma idade. Freqüentaram a mesma escola, tiveram os primeiros namoradinhos mais ou menos na mesma época, vestibular no mesmo ano, formaram-se professoras juntas. Após alguns anos, uma é a preferida dos alunos, ganha bem. A outra... é apenas mais uma.
  5. 5. Todos estes grandes profissionais de comunicação possuem características importantíssimas que o ajudarão, e muito, a se tornar um professor nota 10. Quem mais indicado para você se espelhar do que estes excelentes apresentadores? Faça como eles e transforme a sala de aula em seu palco – e brilhe! Entretanto, acompanhe alguns detalhes que você deve aprimorar antes de se tornar um superprofessor. CRIATIVIDADE Professor Nota 10 CRIANDO É QUE SE APRENDE A criatividade, de acordo com o consultor em Desenvolvimento Humano e palestrante Rubens Queiroz de Almeida, diz respeito a criar coisas novas ou descobrir maneiras diferentes de fazer tarefas antigas. Reinventar. E é essa a grande questão! O professor, assim como a borboleta, precisa deixar seu casulo e se reinventar. Dar mais cor e movimento a suas aulas. Pode ser uma forma diferente de se vestir, um elemento novo na sala de aula ou, ainda, uma maneira diversificada de interagir com os alunos. Veja o exemplo do apresentador Serginho Groisman. Quando trabalhava para a TV Cultura, no programa Matéria Prima, ele inventou um novo formato em que a platéia participava ativamente das discussões. A inovação agradou tanto que ele logo foi convidado a integrar a equipe de profissionais do SBT e em 1999 foi chamado pela Globo. Você pode estar se perguntando: “O que eu tenho a ver com ele?” É simples. Assim como Groisman, o educador deve ter criatividade e bolar algo novo, que desperte a atenção de seu público (alunos), aumentando sua audiência. E esse jogo em busca de pontos no IBOPE não se limita apenas a televisão. Se não existir elementos que atraiam a atenção dos estudantes para sua aula, eles simplesmente “trocarão de canal”. Cabe a você não deixar que isso aconteça. É seu dever evitar que eles dispersem e mudem o foco de interesse. As novelas têm uma lição a ensinar sobre isso. Caso os índices de retorno apresentem baixa resposta ocorre, de imediato, uma mudança na “casa”. Os responsáveis pela programação correm contra o tempo e tentam diminuir o prejuízo mudando o diretor da novela. Afinal, que outro tipo de atitude eles teriam? Mudar a audiência está fora de questão, então, a resposta é reinventar e mudar algumas peças do tabuleiro! Portanto, encare isso como um alerta. Se a turma começar a demonstrar um baixo desempenho, de quem você acha que o diretor irá cobrar uma posição? Do professor ou da classe? Já que sua “audiência” detém todo esse poder e está sedenta por novidades, adapte-se. Leve ousadia para a sala. Ousadia
  6. 6. Porém, tenha a consciência de que o sucesso dessas ações não acontecem do dia para a noite e exigem que você, educador, abandone a zona de conforto. Imagine se Groisman tivesse mantido o formato de programa que os telespectadores estavam acostumados. Será que ele estaria gozando de todo o prestígio que possui hoje? O mesmo acontece com suas aulas. Sem criatividade, elas obedecerão ao velho protocolo escolar, ficarão na surdina, sem nenhum destaque ou algo especial que chame a atenção dos seus pupilos. Faça como o grande comunicador, não se conforme, mude esse quadro. Veja algumas dicas dos seus colegas de profissão que, de uma forma diferente, envolvem seus alunos com ótimas performances. Cantam, interpretam, recitam poesias e até usam adereços coloridos para chamar a atenção. Cada um, a seu estilo, está dando o máximo de si para se transformar no educador nota 10. Claro que não existe uma forma única do professor ser criativo. Acima de tudo, é preciso preservar e respeitar o estilo e o perfil de cada um. Força da juventude O fato de a criatividade ser cada vez mais exigida no mercado já é um motivo mais do que suficiente para você desenvolver a sua, mas o professor tem uma razão a mais: alunos são o maior depósito de energia criativa que se conhece. Gilda Lück, professora do Colégio Dom Bosco de Curitiba, e mestre em Educação pelo Lesley College de Boston (EUA), conta que, certa vez, um aluno levou uma borboleta para uma aula de Matemática. A turma ficou entusiasmada com o inseto e logo todos depositaram sua atenção nele. A professora foi ríspida e falou para o aluno que deixasse a borboleta de lado, pois a aula era de Matemática e não de Biologia. Segundo a pedagoga, esse é um exemplo de professora que não utilizou a empolgação da turma a seu favor. Com um pouco de criatividade, ela poderia ter usado a borboleta como um instrumento pedagógico e, assim, despertado o interesse da classe. Outro exemplo: os professores do Colégio Maxi, de Londrina (PR), mostraram que, para eles, criatividade não é problema e, sim, uma grande solução. Tiveram a brilhante idéia de usar latinhas de refrigerante para decorar o ginásio no qual aconteceu a II Bienal Cultural, um evento promovido pela escola com a participação de seus alunos. O resultado foi duplamente satisfatório, pois, além de conseguir um efeito fascinante, as latinhas foram doadas para uma instituição de caridade que as trocou por três novos computadores. Professor Nota 10 ao experimentar uma linguagem diferenciada de ensino, ousadia ao buscar mais interação de seus estudantes durante as explicações, ousadia ao levantar assuntos polêmicos, estimulando a discussão e a criação de novas idéias.
  7. 7. H H Práticas Além de despertar seu poder de inovação, você também tem a responsabilidade de não deixar que esse sentimento diminua em seus alunos. Gilda Lück afirma que no dia-a-dia da sala de aula o mais eficaz é propiciar um ambiente criativo. Algumas dicas: Adivinhação. Reserve cinco minutos da sua aula para um jogo de adivinhação. Além de resolver problemas de indisciplina, aquece a mente do aluno para a observação e criação. de cada estudante, os diferentes modos de observação e de captação da mensagem. MOTIVAÇÃO NÃO DEIXE A VIDA TE LEVAR Quando falamos de ensino, um dos fatores mais importantes é a motivação de seus alunos. Ou seja, além de ensinar criativamente, é preciso que eles queiram aprender. Professor Nota 10 Atividades artísticas. Enriqueça sua aula com música, esculturas, dobraduras, formação de figuras de papel e de novas palavras através da composição de formas geométricas. 10 Conseguir isso é uma tarefa que qualquer professor almeja. Hoje você se espanta com o fato de seus alunos decorarem o nome de mais de 150 personagens de video games japoneses. Mas faça um teste: procure um colega mais experiente e pergunte sobre a escalação do Santos de 1962. Ele, provavelmente, vai tê-la na ponta da língua. Agora, faça uma pergunta escolar que não tenha a ver com a matéria dele, por exemplo, se ele leciona Química, pergunte sobre Geografia. Mudam os personagens, mudam as modas entre os alunos, porém, dificilmente o interesse pelo estudo sai do final da fila das prioridades dos estudantes. Jogo de log. Essa é uma técnica mais conhecida nos Estados Unidos e Europa. Funciona assim: um pouco antes de terminar sua aula, peça para um aluno escrever tudo o que assimilou. Com isso, é possível observar as peculiaridades Dificilmente, então, pode-se jogar toda a responsabilidade de estudantes desmotivados na força atual da mídia. Tampouco adianta transferir a culpa para o governo, a sociedade ou aos pais. Relaxamento. Mentalizar por alguns minutos situações tranqüilas, como andar em um bosque, escutar o barulho do mar ou banhar-se em uma cachoeira, preparam o intelecto das pessoas para a criação.
  8. 8. Essas afirmações podem parecer conflitantes, mas não são. A motivação é algo que depende da vontade de cada um. É um processo íntimo e individual. O que você pode fazer é criar o ambiente ideal para que seus pupilos se motivem. Se lembrarmos dos grandes comunicadores que teriam essa característica, com certeza, citaríamos como exemplo José Abelardo Barbosa de Medeiros, o Chacrinha. O Velho Guerreiro, com todo seu bom humor e alegria, conquistou um público fiel, e até hoje é lembrado por seu carisma. Claro que, além do profissionalismo, era inegável que o apresentador desempenhava sua função com prazer. Sua motivação em fazer o trabalho contagiava todos à sua volta, inclusive os espectadores. E é exatamente isso que você, professor, deve fazer se quiser motivar sua turma. Quem não gostaria de, assim como Chacrinha, ser lembrado por muitos e muitos anos? Essa postura diferenciada se transforma em um ingrediente a mais. Aproxime e encante seus alunos que são nada mais, nada menos, que seu público. Um público que está sentado ali a sua frente, esperando ser surpreendido e aprender o conteúdo de uma maneira não convencional. Todos gostam de uma boa surpresa, de uma aula animada, com um professor motivado e que incentiva seus estudantes. Vale tudo nessa hora! Chacrinha começou uma brincadeira de jogar bacalhau nas pessoas. Sua intenção: divertir e chamar a atenção da audiência. Claro que você não irá jogar comida nos estudantes, mas a idéia é brincar, inovar e deixar seus alunos curiosos, com vontade de ir para as aulas e descobrir a surpresa que você preparou. Segundo a professora e escritora norte-americana Barbara McCombs, “os alunos sentem e reagem a todos os aspectos de um professor: quem são, como falam, o quão confortáveis eles se sentem em sala de aula”. Ou seja, quanto mais estímulos positivos os estudantes encontrarem, melhor se identificarão com você e com a matéria. Você quer mais motivos para começar a adaptar sua postura e sua forma de se comunicar com a classe? E lembre-se de uma grande dica que o Velho Guerreiro nos deixou: “Quem não se comunica, se trumbica!” Professor Nota 10 Quando se fala em motivação de alunos, existem duas certezas básicas: você não motiva ninguém e grande parte de suas ações em sala de aula influenciam a motivação de seus alunos (para melhor ou pior). O que motiva seu aluno? A motivação de um aluno passa naturalmente pelo desejo dele em aprender o que está sendo mostrado. E aí está a chave para a solução do problema. Por trás do desejo – ou da falta dele – de aprender algo estão vários motivos, experiências pas- 11
  9. 9. sadas e expectativas futuras. E, mesmo que você tenha dois estudantes com exatamente o mesmo grau de concentração, a razão para eles prestarem atenção varia. Professor Nota 10 Alguns são internamente motivados. Gostam de estudar porque sabem que é para seu bem e gostam da sensação que as descobertas produzem. Para outros, a recompensa é externa. Eles estudam para obter alguma coisa, uma recompensa, ou para evitar algo de ruim. 12 Essa motivação vem de várias fontes. A criança vai construindo-a durante toda sua vida, observando e escutando outras pessoas (especialmente pais e professores). Os pais da criança devem saber lidar com a curiosidade natural dos filhos, respondendo as perguntas (mesmo as mais embaraçosas, engraçadas ou impróprias), encorajando as explorações e, de um modo geral, tentando mostrar-lhes mais do mundo. Uma criança criada dessa forma receberá a mensagem de que aprender é divertido – e dificilmente trará problemas para você. Outras podem crescer em um ambiente que favorece a autonomia, competência e o respeito próprio, aceitando melhor os desafios inerentes da escola. O que você pode fazer? Se você não pode fazer nada quanto à bagagem que seus alunos trazem, você pode fazer muito a partir do momento em que eles entram na sua sala pela primeira vez. Sua atitude, seus procedimentos e suas metas são o que mais conta. Mesmo assim, você não vai conseguir motivá-los. Ninguém pode motivar outra pessoa. O máximo que alguém pode fazer é criar um ambiente propício para que os alunos automotivem-se. Eles aprenderão o que você espera que eles aprendam. E você pode mostrar o que espera deles de várias maneiras. H H Práticas 1 Sala de aula Os alunos devem ver a sala de aula como um ambiente agradável, acolhedor, parecido o mais próximo possível da sua própria casa. Como se consegue isso? Uma mão de tinta faz milagres. Sério! Móveis adequados e sem sujeira, ambiente claro e bem iluminado, essas são condições mínimas de trabalho. Algumas escolas podem não lhe oferecer isso, mas ainda assim você pode fazer algo: H Mantenha o chão da sala sempre limpo. H Procure ter duas lixeiras, uma em cada canto da sala. Ra- zão: a lei do menor esforço. Seus alunos terão uma escolha do menor caminho para apontar lápis, jogar papéis fora, etc. E não o farão embaixo das carteiras. H Procure certificar-se de que o quadro-negro (ou verde) esteja limpo quando os alunos entrarem na sala. H Trate todos com respeito. Eles devolverão o tratamento.
  10. 10. Lição de casa Bom, você não pode evitar. Eles também não. Então, o melhor é chegar a um acordo sobre provas, pesquisas e exercícios de casa: H Logo no começo do ano, coloque as regras na mesa. Diga como você vai trabalhar e respeite o que você disse. Procure manter um padrão. Um professor que passa um ou dois exercícios para casa todo dia tende a ser mais respeitado do que um que, às vezes, passa cinco, às vezes, não passa nada. Os seres humanos, em geral, só gostam de suspense no cinema. H Além disso, seus alunos também têm outros compromis- sos. Se eles souberem que todo dia devem esperar um pequeno volume de tarefas de você, se souberem que a cada dois meses terão de entregar um trabalho, eles poderão ajustar suas agendas fazendo o que se espera deles, e estudar de maneira mais sistematizada. Assim, você demonstra um grande respeito por seus estudantes. H Varie o nível de dificuldade. Há sempre aqueles que demoram um pouco mais para entender o assunto. Um exercício ou pergunta mais fácil não prejudica os mais adiantados e permite que os outros cheguem ao mesmo nível. H Contextualize. Sempre que possível, ligue o que você está ensinando a algo que eles vêem todo dia na rua ou que possam usar. H Resultado imediato. Procure fazer pequenos testes que valham um ponto para a prova do mês. Corrija-os rapidamente e dê os resultados. Assim, seus alunos vêem, na hora, o quanto o esforço deles significou e o que precisa ser mudado para a prova principal. 3 Papo-cabeça Por que seus alunos devem estudar? Lá pela 6ª, 7ª série, uma resposta já começa a se formar na cabeça de alguns: “Para passar no vestibular.” Essa idéia é até estimulada por algumas escolas, que anunciam – com orgulho – que um de seus alunos da 8ª série passou no vestibular da PUC de São João do Fim do Mundo. Só que essa é uma meta muito distante, e que apavora mais do que estimula (“Será que eu vou passar?”). E, se não for o vestibular, será a próxima série. Procure mudar o foco deles: Professor Nota 10 2 H Faça com que se concentrem no que estão fazendo. No aprendizado. O medo de reprovar desvia a atenção, paralisa seus alunos. H Faça com que eles voltem a se interessar pelo que é aprendido. E uma forma segura de fazer isso é através do humor. A História, por exemplo, está cheia de passagens 13
  11. 11. engraçadas, as quais podem ser usadas em outras matérias. Quer coisa melhor para fixar as conversões de pesos e medidas do que contar a história do surgimento da escala Fahrenheit? H Ensiná-los a estudar. Técnicas de memorização, horários Professor Nota 10 rígidos, alimentação, como destacar os pontos importantes, prestar atenção na aula. Tudo isso faz uma diferença enorme à medida que eles vejam que falharam em um teste não por incompetência, mas porque não estavam fazendo a coisa certa. H Fazer com que entendam que tudo é um investimento. Ficar pensando em passar de ano, em fazer o vestibular, é perda de tempo. Eles devem pensar no que são bons, no que gostam, e se esforçar para tirar da escola o máximo possível. Só assim poderão realizar todas as suas possibilidades. 4 14 Controle Deixe que eles assumam o controle da própria aprendizagem. Ou seja, abuse das perguntas e consultas à sua turma, deixando que eles escolham e opinem sobre assuntos como datas de prova, visitas, formação de equipes de trabalho, entre outras. Quanto mais sentirem que a voz deles, e a opinião, é ouvida, mais eles se interessarão pelo estudo. PERSUASÃO O PODER DO CONVECIMENTO O que você entende por persuasão? Segundo o dicionário Aurélio, o ato de persuadir compreende “levar a crer ou aceitar”. É um processo sutil, no qual vários fatores como aspectos culturais, credibilidade do interlocutor, gestos e linguagem empregada, influenciam a outra parte. Dominando suas regras e sabendo empregá-las de maneira eficiente, a persuasão se transforma em uma característica imprescindível para que você transforme sua aula em algo fantástico e sua sala em um palco iluminado. E falando em brilho, nada mais justo do que pegarmos como referência para essa qualidade o versátil Arnaldo Jabor. Ele esteve ligado a esse mundo do show, do espetáculo, antes de entrar para o jornalismo. Foi técnico de som, crítico de teatro, escreveu roteiros e dirigiu filmes. Em 1991, deixou os palcos para investir em sua carreira de comunicador. Essa vivência que o ambiente teatral e cinematográfico proporcionou a Jabor contribuiu diretamente para a formação de uma de suas características marcantes, tanto na TV quanto em seus artigos: ele não se limita apenas a passar o recado, ele incorpora o texto, coloca emoção em suas palavras e faz dos
  12. 12. Ao vê-lo “em cena”, percebemos o quanto suas atitudes e seu discurso são persuasivos, chamam a atenção do público e cativam os telespectadores e leitores a buscarem mais informações sobre o assunto tratado. Jabor também consegue unir durante suas explicações argumentos convincentes, uma dose de entusiasmo e conhecimento de causa. Com todos esses recursos, fica quase impossível não ser persuasivo. E você, professor, não gostaria de incorporar essa característica? Persuadir seus estudantes a participarem mais das aulas ou ainda absorverem o conteúdo necessário para sua formação pedagógica? Para isso, você deve ter paciência e persistência, pois sem isso fica difícil construir um discurso que desperte confiança e guie seus estudantes. Afinal, não foi do dia para a noite que o jornalista acumulou conhecimento e conseguiu desenvolver um jeito todo especial e único de se comunicar. Foram necessários muitos estudos, pesquisa e análise para chegar aos padrões que presenciamos hoje. Outro fator que contribui para o sucesso de seu discurso é que o jornalista sabe muito bem para quem está falando. Ele adapta a linguagem, traduz termos complicados e deixa a explicação clara e objetiva. E esse é um dos grandes segredos da persuasão. Descobrir as características, necessidades e o perfil do público, que no seu caso são os estudantes. Então, como você vai persuadi-los sem entender o que lhes chama a atenção ou o que consideram importante para suas vidas? Sem esse feedback é complicado adaptar sua mensagem e também sua postura para obter bons resultados. H H Práticas H Abra seus ouvidos. Escute o que seus estudantes têm a di- zer, descubra suas expectativas em relação ao seu trabalho e o que eles gostariam de ver em suas aulas. H Faça das metáforas e exemplos práticos grandes aliados no momento de ensinar termos difíceis. Por exemplo, para explicar sobre o tabagismo para aquela turma de adolescentes que acha que fumar é o máximo, use uma experiência prática para demonstrar os efeitos negativos que essa droga causa ao corpo humano. Será muito mais impactante do que você ficar de pé, parado, divagando sobre consequências. Professor Nota 10 assuntos geralmente complicados, temas interessantes e claros num piscar de olhos. H Induza seus alunos a participarem mais das aulas, fazen- do-os complementar suas idéias durante a exposição do assunto. H Para persuadi-los a obedecerem suas ordens, nada melhor do que uma boa conversa em um tom baixo de comando e olho no olho. 15
  13. 13. H Quando a turma estiver muito alvoroçada, com conversas paralelas, use a técnica do silêncio. Fique na frente da turma de cara amarrada sem falar nada, ou desenvolva um grito de guerra peculiar. Por exemplo: “Paz e amor, silêncio por favor.” H Se você quiser convencer os estudantes a fazer um trabalho Professor Nota 10 específico e eles responderem que não sabem o que fazer, responda: “Vocês não sabem ainda, mas vão aprender” ou desafie-os dizendo algo como “Mostre-me que vocês são capazes de fazer essa tarefa”. 16 PLANEJAMENTO PENSE PRIMEIRO, AJA DEPOIS Para dar aquela tão sonhada aula-show o professor nota 10 tem de assumir diversos papéis. Além de ser um bom apresentador, comunicador e persuasivo, é preciso – muitas vezes – assumir a posição de um jornalista. Isso mesmo! Uma das características desses profissionais, como Marília Gabriela, é levantar o máximo de dados possíveis antes de suas entrevistas. Esse processo de pesquisar, organizar e planejar o andamento da aula também deve fazer parte de sua rotina. Assim como a jornalista vasculha a vida de seus entrevistados e usa todas essas informações para planejar e conduzir bem uma entrevista, você deve passar por todas essas etapas quando estiver preparando suas argumentações para saber quando usar os recursos disponíveis. Lembre-se de que não adianta nada chegar na frente de seus alunos e promover um verdadeiro “fuzuê”, colocar música, passar filmes, se você não traçou um plano de aula que definisse um fim para essas atividades. Pense como seria um desastre se Marília Gabriela não “estudasse” seu interlocutor e ficasse fazendo perguntas superficiais, usando dos efeitos especiais que a televisão oferece só para encher lingüiça? Você concorda que, além de perder a audiência, ela perderia credibilidade. Por isso a importância de planejar, pensar o que será feito e exposto durante aquele momento. Para o professor funciona exatamente igual. Todos desejam uma aula-show, perfeita, mas não basta sonhar com ela. É preciso planejá-la para que ela vire uma realidade aproveitável para os estudantes. O professor Jorge Luiz Malkomes Muniz divide a preocupação com o planejamento sem conhecimento da turma em dois níveis. Primeiro, afirma que deve ser feito um planejamento geral: analisar todo o material empregado em suas aulas, fatos próximos à realidade do aluno e reconhecimento da comunidade na qual a escola se insere. A partir desse diagnóstico, segue o próximo passo, no qual monta-se o conteúdo que se deseja aplicar, sempre muito prático e voltado à realidade que
  14. 14. A professora Maria José Zoppi Campane é outra defensora da utilização das vivências do cotidiano local. Ela também alerta que é preciso dar especial atenção à administração do tempo, pois o educador lida com diferentes tipos de estudantes. “É preciso planejar uma atividade para diagnosticar qual conteúdo deve ser trabalhado com os possíveis alunos que vierem de outra instituição”, destaca, “e acrescentar atividades prazerosas, buscando o equilíbrio e o envolvimento do meu aluno com a minha disciplina”. Enfim, planejar é essencial para o sucesso de suas aulas. Ao pular esse passo, você estará correndo grandes riscos de jogar por água abaixo sua credibilidade e confiança, conquistadas com tanto custo. H H Práticas H Antes de tudo, separe o conteúdo e o material que você vai precisar na aula imaginada. Como você terá tempo, pode pesquisar materiais mais baratos e simples sem prejudicar o resultado final. Só é proibido descuidar do conteúdo. H Faça uma simulação de sua aula. Controle o tempo neces- sário para expor o assunto ou para explicar uma atividade nova. Você pode dar parte da aula para seu cônjuge e pedir a opinião dele. Na maioria das vezes, esse treinamento vai ser interrompido por brincadeiras e gargalhadas, mas tentem de novo – vocês acabam acertando. H Ao final, você não terá um espetáculo complemente fe- chado, pronto. Uma aula está sempre aberta a melhorias e ajustes, até porque cada classe é única. Anote a experiência que impressionou mais os seus alunos, que foi um sucesso em participação, para usá-la como inspiração no futuro. Assinale também os pontos que não funcionaram muito bem para poder reestruturá-los nas próximas práticas. Seja flexível. LIDERANÇA EM BUSCA DE TALENTOS Professor Nota 10 cerca o estudante. “Muitas novidades, atualidades, para que o aluno sinta-se constantemente interessado em comparecer às aulas”, completa. Onde estão os líderes? Aquelas pessoas que fazem a diferença em suas escolas e comunidades, que vão além do que se espera deles, que unem duas qualidades importantíssimas: competência (suas habilidades e experiências) e autenticidade (sua identidade, atitude e características)? Muito se fala sobre liderança. São dezenas de livros, dicas e orientações que prometem transformá-lo, de repente, em uma pessoa supercarismática, capaz de liderar um espetáculo de aula que prenda a atenção dos alunos e os incentive a parti- 17
  15. 15. cipar das atividades. Porém, desenvolver essa característica leva tempo e não é tão simples quanto parece, principalmente em sala de aula. Professor Nota 10 Diversas experiências acumuladas durante nossas vidas contribuem para a construção de um grande líder. Jô Soares é um belo exemplo. O apresentador já fez de tudo um pouco. Durante os anos 60, esteve envolvido com artistas plásticos de um movimento classificado Underground e atualmente se divide entre vários “papéis”: escritor, humorista e apresentador. 18 Enfim, podemos considerar Jô uma pessoa eclética, que lidou com várias situações durante sua vida profissional. Toda essa experiência e vivência fazem a diferença na hora de comandar seu programa e sua equipe. Ele sabe que em seu meio, está lidando com outros profissionais, os quais possuem personalidades distintas e que devem ser tratados de maneira única. Encontramos esse mesmo dilema dentro da sala de aula. O educador precisa liderar uma equipe que é formada por cidadãos diferentes e que possuem pontos de vista singulares. Assim como o Jô não pode chegar nos estúdios e exigir um desempenho perfeito e padronizado de seus colaboradores, você, professor, também deve estar preparado para lidar com os altos e baixos de seus alunos. É por isso que exercer esse papel de liderança vai além de discursos, como: “Se você se esforçar mais, vai conseguir passar.” Geralmente, você está lidando com estudantes que estão, no mínimo, muito nervosos, com toda a energia típica de sua idade e ainda, estão acostumados a toda interatividade que a tecnologia oferece. Alunos que não poderão se esforçar mais a não ser que você se dedique a entendê-los melhor e, em certos casos, mudar seus “hábitos de pensamento”. Liderar, então, não é e nunca foi trabalhar apenas com números. Tampouco se resume em entrar em uma sala cheia de gente e gritar “vamos lá, pessoal!” entre outras frases motivadoras. Liderar é ser capaz de extrair o melhor de cada aluno. Fazer com que cada um, com sua habilidade específica, contribua com a aula. É despertar os interesses e guiar os estudantes a descobrir seus talentos. No meio desse processo, com certeza, crises e tensões surgirão. Contudo, como todo bom líder, você não deve se abater, mas, sim, encarar a situação como um desafio a ser vencido. O que vemos, de segunda a sexta à noite, no programa do Jô, ilustra bem o conceito anterior. O apresentador diverte, informa e entretém o público, porém, isso só acontece porque ele sabe como orientar e estimular os profissionais que estão à sua volta a participarem do show. Ele consegue que cada um, com todo seu talento, contribua para o espetáculo. Portanto, professor nota 10, faça dos 40 minutos de aula um momento de descontração e aprendizagem. Exerça seu poder de liderança para despertar o potencial de cada estudante, fazendo deles os coadjuvantes de sua aula-show.
  16. 16. Para desenvolver esses líderes completos, vale tudo. Por exemplo, o professor Robert Lengel, da Universidade do Texas (Estados Unidos), criou – e está tendo muito sucesso – o curso Jornada para a Liderança. Ao entrar na sala de aula, você pode encontrar alunos discutindo livros. Livros de ficção mesmo, romances, policiais, e não de Administração de Empresas ou Pedagogia, como era de se esperar. Talvez até tendo uma lição básica de Aikidô, a arte marcial que ensina a usar a força do seu oponente contra ele. Ou ainda encontrar os estudantes ouvindo uma palestra de um pianista clássico. Segundo o professor Lengel, todas essas aulas não convencionais mudam a maneira pela qual os estudantes vêem o mundo. Os grandes líderes trabalham em quatro áreas diferentes: visão, realidade, ética e coragem. Sem uma delas, qualquer plano de trabalho ou técnica de modificação vai por água abaixo. Uma não funciona sem a outra. Veja: Visão – É a arte de pensar grande, criar coisas novas, de antecipar o que vai acontecer. E, mais importante, um líder visionário sabe reconhecer o potencial criativo de sua equipe. Realidade – Conseguir ver o mundo como ele é e não como nós gostaríamos que ele fosse. Lida com parâmetros do dia-a-dia, fatos e números. Ela não tem ilusões, vê H Práticas limites e tem pouca paciência para especulações. Ética – Como você lida com os valores humanos básicos O inesperado, por si só, é um fator fundamental para dede amor, integridade e sentido. Essa dimensão da lideransenvolver a liderança: “As organizações vencedoras serão ça é única no sentido de que não pode ser manejada com aquelas cujos líderes consigam reagir facilmente a qualquer técnicas de motivação (prazer ou medo). É tudo uma ques- situação à sua volta”, afirma. tão de princípios individuais, os quais devem ser usados em benefício do grupo. Porém, você pode desenvolver a sua liderança em sala de aula Coragem – É a vontade de colocar a máquina para rodar, e com seus colegas. Acompanhe: de fazer acontecer. H O desafio de liderança é fazer com que todas essas características coexistam em você ao mesmo tempo. E o mais importante, fazer dessas qualidades, grandes aliadas para transformar suas aulas em momentos mágicos e de um aprendizado divertido e eficaz. 1.Reflita – Reflexão é a arte de escutar a sua voz interior para sacadas sobre uma determinada questão e acessar uma inteligência que vai além da lógica, dos conhecimentos pessoais e experiências. Professor Nota 10 Trabalhe para ser líder 19
  17. 17. Professor Nota 10 Escrever um diário com suas opiniões a respeito de seu trabalho e de suas qualidades e defeitos é muito útil no desenvolvimento de sua liderança, pois um líder que sabe refletir faz com que seus alunos realmente escutem o que estão dizendo. Frases simples, como “Desenvolva sua idéia”, “Pode explicar melhor esse aspecto de seu pensamento?” e outras expressões similares, também fazem com que seus alunos acabem aprendendo por si próprios. Um bom líder sabe escutar, mais do que falar. 20 2. Explore – Ajude os outros a se aventurarem pelo desconhecido. Você já faz isso todos os dias com seus alunos. Defina uma meta com a qual os seus estudantes possam trabalhar. Muitas vezes, vocês estarão pisando em terreno totalmente inexplorado. E isso pode ser feito, por exemplo, com uma maneira nova de ensinar através de passeios e visitas. Nessas horas, é papel do líder ser uma bússola para os outros integrantes do time, que são seus alunos. Ele deve apontar a direção correta quando o pessoal começar a se desviar do trajeto (e sempre vão haver desvios nessas condições). O líder também deve ter a consciência e a coragem de dizer “não sei” quando não tiver a resposta. Isso ensinará a seus pupilos a desenvolverem por si só suas idéias. 3. Entenda – Estabeleça contatos mais humanos entre seus estudantes. Porém, isso é algo difícil de ser conseguido, a princípio. Por exemplo, dependendo do aluno, seus trabalhos e redações sempre são olhados com suspeita. De vez em quando, olhe a questão através do ponto de vista de seus estudantes e procure entender suas razões. Eles irão se sentir mais respeitados e valorizados por você. Um dos principais atributos da liderança é a capacidade de lidar com diferentes opiniões e visões que, a princípio, parecem excludentes: “Como posso me dedicar integralmente a meu trabalho e a minha família?”, “Eu sou uma diretora ou uma amiga?”. Converse, estabeleça valores, discuta o que é mais importante a cada momento de seu dia.
  18. 18. H H H preparação pessoal
  19. 19. Imagine a seguinte situação: começo do ano, volta às aulas, os professores são convidados a participarem da famosa semana pedagógica. Ao se deparar com todos os educadores novamente reunidos, o gestor decidi abrir o encontro com um questionamento. — Quem aqui gostaria de ser um professor nota 10? A maioria, como é de se esperar, levanta a mão. Então, o administrador continua: — Interessante. Mas o que vocês consideram um professor nota 10? O mestre em Matemática, sentado lá no canto da sala, responde: — Para ser nota 10, o educador precisa ter carisma. Nisso, a orientadora educacional emenda: — Preparo também é importante. – E um grupinho do meio opina: — Sem persuasão e criatividade o negócio não funciona. Após uma série de argumentações, o gestor interrompe novamente e finaliza: — Muito bem, todos estão certos. Na verdade, esse professor nota 10 é a reunião dessa série de qualidades. Mas para alcançar esse objetivo, é importante dar o primeiro passo. Ou seja, reconhecer a necessidade de desenvolver as características citadas. Essa historinha ilustra bem o que acontece dentro de muitas instituições no começo do ano, durante as semanas de treinamento com os professores. A vontade de se aprimorar profissionalmente existe, porém, em certos casos, esse plano vai sendo preterido quando começa a correria do dia-a-dia. Tanto professores como gestores alegam que as variadas atividades que exercem na escola tomam tanto tempo que acaba não sobrando um espaço na agenda para fazer o tal aprimoramento. O problema é que esse discurso, muitas vezes, esconde o receio que educadores e administradores têm em assumir uma nova postura. Uma posição mais ousada, que exija deles o abandono da zona de conforto que vinham trabalhando até então. Se realmente essa vontade de se tornar um mestre exemplar existir, os professores deverão trabalhar com mais afinco as qualidades e atitudes vistas no capítulo anterior (criatividade, Professor Nota 10 QUEM QUER, CORRE ATRÁS 23
  20. 20. motivação, persuasão, planejamento e liderança) e, juntamente com elas, cultivar alguns gestos que fazem toda a diferença, como: k Possuir uma atitude naturalmente positiva e animada. k Saber pensar e decidir. k Saber ouvir, e não apenas falar. k Aceitar críticas. Professor Nota 10 k Estar sempre aprendendo e se atualizando. k Possuir boa aparência profissional. O conjunto dessas ações, aliadas a paixão por ensinar, com certeza resultará em um desempenho acima da média. Ao demonstrar o afinco e apreço por sua profissão, você automaticamente contagia todos a sua volta e estimula os estudantes a participarem e se envolverem com o assunto ensinado. EM BUSCA DO SUCESSO 24 Como vimos até aqui, entrar para o hall de professores que ficam eternizados na memória dos alunos exige muito esforço e dedicação. O tão almejado sucesso profissional vem atrelado a uma mudança de postura que, muitas vezes, provoca questionamentos internos e demanda um planejamento a longo prazo de realizações profissionais e pessoais. Ao se conhecer melhor, saber realmente quais são seus objetivos, fica mais fácil para o professor estabelecer o caminho que deve seguir para a realização dessas metas, e ainda identificar quais pontos precisam ser ajustados ou aperfeiçoados. Fique atento às dicas que reunimos para você ascender profissionalmente. Arrumando a casa Antes de querer mudar tudo em sua carreira, é necessário mudar por dentro. Altere sua maneira de ver o mundo, colégio, alunos. Desenvolva: 1 Liderança – Antes de liderar os outros, um professor de sucesso deve concentrar-se em liderar a si mesmo. Tomar consciência de que ele não trabalha para uma empresa ou outra pessoa. Trabalha para si mesmo, sua própria satisfação pessoal e profissional. E desenvolver uma liderança pessoal requer: Auto-análise: concentre-se no que você é bom, nas áreas em que você pode se destacar. Uma pós-graduação, mestrado, qualquer um pode ter. Mas existem determinadas habilidades e, principalmente, a maneira como você transforma essas habilidades em ação que são únicas. Descubra o horário do dia no qual você rende mais, a sua maneira preferida de trabalhar.
  21. 21. Tempo é só o começo: os grandes professores sabem que administrar o tempo é só o começo da estrada. É necessário planejar sua carreira. Pense no que você gostaria que constasse em seu currículo, o que é importante para a empresa nos próximos seis meses. 2 Curiosidade – Alguém curioso está sempre atrás das respostas. Está sempre disposto a aprender e a se aprimorar. O professor de sucesso sabe que a carreira pertence a ele. Então, não espere que cursos sejam oferecidos. Busque livros, palestras, aperfeiçoamento. E falta de dinheiro não é desculpa. Muitas dessas ações não requerem que você invista um tostão. Você pode, por exemplo, conversar com pessoas de outras empresas e setores da economia, todos têm algo a ensinar. Bibliotecas e sites também fornecem muito conteúdo. É só procurar. 3 Criatividade – Correndo o risco de decepcionar algumas pessoas, criatividade não é a panacéia para todos os males da vida profissional. Tampouco é a peçachave que impulsiona carreiras para frente. É, sim, mais uma ferramenta que você deve desenvolver. Leia muito, aprenda outra Língua, vá até a padaria por um caminho diferente. Tudo isso ajuda. 4 Abaixo a Síndrome de Garfield – Muitos profissionais imitam, semana após semana, o gato laranja dos quadrinhos: toca o despertador e a primeira coisa que falam é “odeio segundas-feiras”. Se esta é sua atitude, cuidado. Alguma coisa definitivamente está errada em seu trabalho. Um professor de sucesso, antes de tudo, tem um orgulho saudável de seu trabalho. A instituição de ensino Nove entre dez escolas se definem como “uma grande família”. A analogia não poderia ser mais correta. Em ambos os casos, você é obrigado a conviver com a pessoa fofoqueira, com aquele sujeito que só aparece duas vezes por ano e, mesmo assim, para pedir dinheiro, com aquele neto do patriarca que parece poder tudo, entre outras pessoas. Em ambos os casos também existem pessoas que se destacam. Que são um sucesso em suas relações profissionais e familiares. Acompanhe: Professor Nota 10 Objetivos claros: todo mundo quer chegar lá. Mas você já parou para analisar, friamente, onde é esse “lá”? Saiba o que você quer, e o que é necessário para alcançar esse objetivo. É como ter um mapa e uma bússola. Sem eles, sua carreira fica à deriva. 25
  22. 22. 5 Comece pelo começo – Em qualquer atividade, nada é mais importante que a primeira impressão. Certo, você já causou uma primeira impressão em seus colegas e chefes, e não tem uma segunda chance. Mas cada tarefa que você desenvolve também causa uma primeira impressão. Portanto, mostre iniciativa, dê o primeiro passo. Ouse fazer, assumir as tarefas espinhosas da sua instituição. Algumas dicas: h Só assuma uma tarefa nova se estiver desempenhando suas Professor Nota 10 funções atuais bem. Isso aumenta a confiança da diretoria e dos colegas em você. h Nada pelo social. Organizar a pelada do fim de semana, as vaquinhas dos aniversários ou o chá de bebê da sua chefe podem ser atividades divertidas, mas não trazem nenhuma recompensa para sua carreira. Ao contrário, ocupam tempo e espaço de sua mente que poderiam ser dedicados a desenvolver algo que faça sua empresa ganhar dinheiro. h O que importa para a escola. Vale tanto para grandes 26 instituições como para pequenas: elas, freqüentemente, esquecem o motivo pelo qual abrem as portas todas as manhãs. A burocracia interna e o “status-quo” tornam-se mais importantes do que atender bem os alunos, desenvolver um serviço de qualidade. Aprenda a distinguir o que é importante e o que leva a empresa para frente. 6 Network – A grande maioria das oportunidades de ensino e parcerias não aparece nos jornais e na televisão. Acontecem dentro de uma rede de conhecidos. Pessoas que se conhecem e se ajudam mutuamente. Se você ainda não desenvolveu sua rede de contatos, comece agora: h Mostre-se. Ofereça-se para dar palestras, freqüente clubes e reuniões diversas com o objetivo de firmar seu nome como o de um especialista em determinada área. h Descubra quais áreas você não domina e precisa conhecer. Então, procure um especialista. Relacione-se com essa pessoa. h Lembre-se de que uma rede é uma eterna troca: se você quer que as pessoas ofereçam algo para você, ofereça algo de valor antes. 7 Amplie sua visão – Os professores sem futuro sofrem da visão de túnel. Vêem o mundo apenas por seu ponto de vista, uma vez que a opinião de todas as outras pessoas está, por definição, errada. Um educador de sucesso vê a situação com diversos olhos. Ele imagina o que colegas, alunos e pais acham e esperam de uma ação. Assim, ele enxerga muito mais do que uma
  23. 23. 8. Faça seu emprego – Ao contrário do que parece, a maioria das funções se adapta ao redor das pessoas que as ocupam, e não o contrário. Por mais estudado que seja um organograma, ninguém vai ocupar o seu quadradinho da mesma maneira que seu antecessor e sucessor. Sem entrar no mérito de melhor ou pior, cada professor é diferente do outro. Se você sabe quais são suas qualidades principais (já ouviu isso em algum lugar, não?) e sabe do que a escola precisa, faça uma proposta de novas atribuições e tarefas ao diretorgeral e seus colegas. Essa é a maneira mais fácil (e prazerosa) de ser bem-sucedido. 9. Racional e emocional – Chegue cedo, trabalhe duro e você vai ser promovido/receber um aumento. Isso só aconteceria em um mundo totalmente cartesiano, onde máquinas tomassem decisões. Basta aplicar uma fórmula e prova-se matematicamente que o professor Darmo deve ser promovido a coordenador e a Dona Suzana merece um aumento de 13,57%. Na verdade, somos seres emocionais. Aquele que toma as decisões na escola usa números, impressões, palpites e, de noite, pergunta para a esposa: — Acho que o Darmo pode ser nosso novo coordenador, o que você acha? — Bom, nas duas vezes que falei com ele por telefone ele me pareceu... Então, use bem cada momento que você passa com a diretoria. Pergunte o que eles acham de sua performance, o que você pode fazer para melhorar. Construa um relacionamento baseado na responsabilidade. Mostre que você pode aprender e mudar com a experiência e novos desafios. PROFESSOR-VENDEDOR Ao escolher trilhar o caminho de um professor nota 10, você perceberá quantas técnicas e orientações estão disponíveis para a realização de seu objetivo. Uma delas é espelhar-se na rotina e hábitos de outros profissionais e extrair dicas para serem adaptadas para sua sala de aula. Comece a prestar atenção nas pessoas que você convive. Por exemplo, você já parou para pensar como é o dia-a-dia de um vendedor? Antes de comercializar seu produto ou serviço, ele Professor Nota 10 solução. Treine essa habilidade ouvindo os outros atentamente. Descubra como pensam, o que é importante para cada pessoa com a qual você lida. 27
  24. 24. Cuide também de sua aparência. Não é preciso vestir terninho ou gravata todos os dias, mas suas roupas devem estar limpas e em ordem. Nada pior do que entrar em sala com um guardapó com botão faltando ou desfiando. A partir daí, o bom vendedor lança mão de diversas técnicas para ajudar o comprador a decidir pela melhor opção e fechar o negócio rapidamente. E ainda deixar a pessoa satisfeita o suficiente para poder voltar outra hora e vender de novo. Professor Nota 10 precisa ganhar a confiança do cliente. Precisa que o cliente acredite em tudo o que vai ser dito dali para frente, que o veja como alguém que está ali para resolver seus problemas. Tudo isso em apenas alguns segundos. Pode parecer que não, mas os alunos reparam nesses detalhes. Imagine-se entrando em um banco cuja gerente usa um sapato estragado e roupa amassada. Você não confiaria seu dinheiro a esse pessoal, certo? Então, por que seus alunos iriam confiar o futuro e a carreira deles a um professor em semelhante situação? Olhando bem, isso não é diferente de seu trabalho, professor. Você também tem poucos segundos para conseguir a empatia dos alunos, tem algo a “vender” (a importância de sua disciplina/do estudo em geral), e deve deixar a turma motivada o suficiente para que esperem a próxima aula com alegria. Veja o que você pode aprender com eles. Venda sua imagem Vendedores, assim como professores, têm poucos segundos para se apresentar a seus clientes ou alunos. E, para complicar, isso é feito sem palavras. É a maneira como se chega na sala, como se olha nos olhos da pessoa, o sorriso, a postura relaxada e confiante. 28 Procure ser natural e prestar atenção em seus alunos. Nesse momento, você aprenderá mais sobre sua aula do que se fizesse uma enquete entre os estudantes. A imagem do professor deve refletir o que os alunos receberão no ano, a importância da matéria para eles. Se o educador não se preocupar com a maneira pela qual se apresenta em sala de aula, os estudantes não se preocuparão em participar da aula. Seja autêntico Todos os bons vendedores sabem que improvisar ou mentir a respeito de um produto/serviço é uma receita para o desastre. Ele pode até imaginar que fechou a venda aquele dia e o assunto está encerrado. Só que, no dia seguinte, o cliente vai para o Procon, liga para a empresa reclamando e pedindo o dinheiro de volta e, pior, vai relatar o fato para todos os seus conhecidos.
  25. 25. Tão importante quanto ser autêntico com relação ao produto, é o ser em relação a si mesmo. Um vendedor nunca pretende ser o que não é. Ele utiliza as características pessoais que domina a cada situação, enquanto desenvolve as outras habilidades necessárias. Até porque não existe outra alternativa. Um cliente, assim como um aluno, percebe quando o professor não está sendo totalmente honesto. Imagine-se na frente de um vendedor que hesita, gagueja, solta um número qualquer que não se sabe ao certo se é real ou inventado, se contradiz. Certamente, é alguém que não vai vender ou que vai ser passado para trás nas negociações. Compare isso com o vendedor que diz algo como: “Olha, apesar de eu estar há apenas um mês na empresa, posso esclarecer qualquer dúvida que a senhora possa ter em relação ao nosso produto e, se for preciso, podemos trabalhar juntos, a senhora, meu supervisor e eu, para encontrarmos a melhor solução para suas necessidades.” Esse segundo vendedor colocou logo as cartas na mesa, disse o que a cliente pode esperar dele e como irão trabalhar dali para frente. Da mesma forma, você deve lecionar com as armas que domina, enquanto desenvolve as outras (existe sempre um ponto em que precisamos melhorar, algo a mais que pode ser aprendido). Seja autêntico em sala de aula, seus alunos agradecerão. Conheça as pessoas Se há uma coisa que todos os bons vendedores sabem, é que cada ser humano ferve a uma diferente temperatura. Em outras palavras, não há duas pessoas iguais no mundo. Lógico, algumas características são comuns, permitindo que eles separem os clientes em tipos, em grupos com características similares. Mais ou menos da mesma forma que você sabe que pode esperar determinados comportamentos da turma do fundão e certas atitudes da garota que senta na primeira carteira. Professor Nota 10 Assim, o vendedor perde a venda, perde o cliente e ganha dezenas e dezenas de pessoas que não vão querer nem saber o que ele vende. Uma das grandes lições dos vendedores: a melhor propaganda é a boca a boca. A pior, também. Caso um aluno tenha alguma reclamação legítima contra você ou sua escola, pode ter certeza de que a informação vai circular por seus parentes e amigos. São famílias inteiras que podem começar a reclamar de você e de sua instituição de ensino. Contudo, esses grupos estão longe de serem homogêneos em todas as suas características. Existem diferenças que o vendedor sabe identificar e usar a seu favor. Alguns exemplos: v Use o nome da pessoa com freqüência. Alguém já disse que o próprio nome é o som mais bonito de qualquer Língua. Os bons vendedores sabem disso, tanto que uma das 29
  26. 26. primeiras coisas que perguntam é o nome do cliente. Para os professores isso é um pouco mais difícil, uma vez que em cada sala há por volta de 30 nomes a serem memorizados. Alguns educadores fazem seus alunos improvisarem espécies de crachás nas primeiras semanas de aula até que ele decore o nome de todos. É uma estratégia válida. Professor Nota 10 v Primeiro, faça as perguntas. Um sapato não é só um sapato. 30 É preciso saber em que oportunidade o cliente pretende usá-lo, se é para uma ocasião especial, se é para o dia-adia, com o que ele pretende usar, se vai ficar mais sentado ou em pé, ou se vai caminhar muito com aquele calçado. Também é necessário saber que cor, estilo, marca o cliente prefere. Só então o bom vendedor mostra o sapato, com segurança. Com as informações do cliente, ele sabe que vai mostrar o sapato certo e a venda está praticamente garantida. Da mesma forma, seus alunos. O que eles preferem fazer em classe? O que cada um pretende fazer com a informação que você está passando? Quais os valores que trazem de casa? Saber esses dados de cada um de seus alunos é garantia de uma boa aula. Você não precisa perguntar a todos, de uma só vez. Dilua a coleta de informações, gaste semanas se for preciso; pergunte durante bate-papos descompromissados entre seus alunos. Vai ser mais fácil conseguir respostas elaboradas e que reflitam melhor a realidade. v Utilize a própria informação que o cliente lhe dá a seu favor. Isso significa repetir para ele, com todas as palavras, as vantagens de realizar o negócio naquele momento. O professor também deve repetir para seus alunos as razões que eles deram para querer aprender a matéria e os interesses de cada um. Utilizar os motivos de cada aluno para reforçar um ou outro ponto da aula faz com que o interesse pela matéria dispare. Nada de segredos Frente a um grupo de possíveis compradores, o vendedor está preparado para responder a qualquer pergunta. Além da imagem de profissionalismo, ele precisa passar para seus clientes a idéia de que ele não tem nada a esconder, que não há nenhum segredo ou “pegadinha” naquele produto. Se ele precisar falar sobre outros assuntos para ajudar na venda de um produto, ele fala, sem problemas. E, sempre que for possível, vai citar uma estatística ou número. Nesse momento, a informação deixa de ser apenas a opinião dele, vendedor, e passa a ser algo científico, com grande credibilidade. Nessa proibição de segredos está embutida a preocupação com a ética. O bom vendedor nunca fala mal de seu concorrente. A razão é a mesma daquele conto de Nelson Rodrigues, em que o sujeito não passa um dia sem alertar a noiva sobre um conhecido de ambos, segundo ele, o mais perfeito canalha. E assim a futura esposa vai ouvindo as mais tenebrosas histórias... até que um dia termina o noivado e manda um bi-
  27. 27. Assim como o vendedor, o professor não deve fazer campanhas “terroristas” contra este ou aquele educador ou instituição de ensino. Destaque a sua qualidade, as suas aulas, o que a sua escola faz de melhor que ninguém mais faz. E esteja pronto para sair do plano de aula sempre que os alunos o desejarem. Cada vez mais seus alunos recebem inúmeros dados, para os quais precisam de explicação. Dependendo da idade, não está muito claro o que é realidade e o que é ficção. Assim, o desenho japonês da moda pode ser considerado tão importante quanto a crise na segurança das grandes cidades; fatos como guerras e flutuação de preços precisam ser embasados em coisas palpáveis, do universo do aluno, para que ele possa medir e quantificar a informação. Dê espaço para seu cliente Já falamos que os bons vendedores primeiro escutam para depois falar. Só que eles continuam escutando e escutando durante todo o processo. É necessário deixar espaço para os clientes expressarem suas opiniões, pegarem no produto, revi- rá-lo de lá para cá, fazer testes. Só, então, comprar. O vendedor de qualidade sabe que pode controlar o ritmo da negociação até mesmo com o silêncio. Ele deixa o possível cliente se expressar, dizer o que está sentindo e como vê aquela compra. Algumas dicas: v Faça perguntas que exijam uma resposta complexa. Por exemplo “como você percebe esse momento da história” ou “onde você acha que essa equação pode ser aplicada”. Evite perguntar “você entende” ou “você pode imaginar”, pois são perguntas que podem ser respondidas com sim ou não. Deixe que seus estudantes se expressem e, de quebra, ensinem uns aos outros. v Não responda logo de cara. Após o aluno formular uma questão ou uma resposta, permaneça alguns segundos em silêncio. Isso dará a ele a oportunidade de concluir seu raciocínio, se assim o desejar. A seguir, repita a afirmação dele para que toda a sala possa ouvir e você e seu aluno tenham a certeza de falar a mesma Língua. Professor Nota 10 lhete ao ex-noivo: você falou tanto naquele sujeito que eu me apaixonei por ele. O vendedor não fala mal da concorrência. Geralmente, se o cliente traz o nome do competidor à baila, a resposta vem nos termos: “Sim, realmente, os produtos deles são muito bons, mas nós somos superiores nos seguintes pontos...” v Use uma escala. Em vez de perguntar se os alunos enten- deram a matéria, pergunte o quanto eles entenderam do assunto em uma escala de zero a dez. Se eles responderem qualquer nota menor que dez, emende: “Ótimo. O que falta para chegarmos a dez?” 31
  28. 28. Simplifique Professor Nota 10 Existe uma história famosa de vendas, ocorrida em uma empresa norte-americana de telefones que pretendia que as pessoas instalassem mais extensões em seus quartos (isso foi bem antes dos celulares e telefones sem fio). Os gerentes então contrataram dezenas de vendedores e passaram uma semana treinando-os. Eles foram expostos aos princípios da telefonia, de transmissão de dados, os milagres do impulso eletrônico, como funciona uma extensão, a ergonomia dos modelos disponíveis e mais uma tonelada de aspectos técnicos. 32 Aí, os vendedores foram à rua vender. No final do primeiro dia, percebeu-se que um deles havia vendido muito mais do que os outros. Disparado na frente, com uma baita comissão garantida. O gerente correu felicitá-lo, e perguntou como conseguira isso. Ele estava mencionando a qualidade da reprodução de voz, os impulsos eletrônicos, a ergonomia da... “Nada disso” – disse o vendedor – “eu só lembro ao pessoal que o inverno está chegando e como é ruim levantar no meio da noite para atender ao telefone na sala. Aí, eles compram a extensão rapidinho.” É isso, professor. Concentre-se no que os alunos consideram mais conveniente, no que tem valor para eles. Existem vários fatores dentro de sua profissão dos quais você se orgulha, e com razão, mas deixe-os de lado um pouco durante a aula. O que importa é o que seus alunos desejam, e só. AJUDE SEUS ALUNOS A ALCANÇAREM O SUCESSO Por Heloísa Lück Você já ouviu falar ou leu algum trabalho dizendo que a maneira como pensamos sobre a realidade é fator determinante sobre o que nela acontece? Pois, falando-se especificamente em educação, Benjamin Bloom, em seu livro Características humanas e aprendizagem escolar, identificou que a ótica do professor é um dos principais determinantes do sucesso do aluno na escola. Todos sabem que bons resultados não acontecem por milagre ou por acaso, mas por força de uma ação orientada por uma crença de que ela produzirá bons resultados. É bom lembrar que essa crença não corresponde a um desejo ou a uma vontade de que as coisas aconteçam sem o nosso esforço. Ela representa, sim, uma atitude mental que tem por base o entendimento de que somos capazes de modificar as situações que nos rodeiam e nos afetam e de que podemos fazer alguma coisa para alcançar nossos ideais. Trazendo novamente a questão para a nossa ação profissional como professores, responda: o que acontece quando julgamos natural que alguns alunos aprendam mais do que os outros? Que muitos não gostam de estudar? Que
  29. 29. Orientados por essa predisposição mental, nossa atuação ajusta-se a esse julgamento e, no final, é esse mesmo resultado que obtemos, corroborando o nosso pensamento: “Eu não disse? Esse aluno não tinha condições de aprender.” É essa atitude, aliás, que constitui um fenômeno muito comum na escola, denominado de “profecia auto-realizadora”, isto é, a predição do futuro que traz em si mesma as condições de se realizar e que condiciona a sua realização. E, muitas vezes, não é isso que fazemos na escola? Quando vamos ler trabalhos dos nossos alunos, afirmamos que vamos “corrigi-los”, uma afirmação que indica uma busca de erros. Partimos de 10 e vamos tirando pontos. Não é à toa que os alunos, em geral, e afinal, acabem aprendendo tão pouco ou apenas o suficiente para passar. Os professores que refletem sobre sua prática se dão conta de que, depois de ler um trabalho e dar-lhe uma nota, ao verificar o nome do aluno, procuram ajustar essa nota à sua expectativa de rendimento do aluno, procurando erros ou acertos para justificar um aumento ou rebaixamento da nota. Dessa forma, o professor conduz uns para o sucesso e outros para o fracasso. É difícil admitir isso, mas é uma realidade, e admiti-lo é o ponto de partida para o desenvolvimento de nosso sucesso profissional como professores. Fazer um esforço por mudar o nosso enfoque, a nossa perspectiva é, portanto, a condição básica para que usemos a avaliação da aprendizagem dos nossos alunos de modo que esses tenham sucesso na escola, que aprendam o máximo o que a escola tem a lhes ensinar, para que realizemos o que Benjamin Bloom (1981, p. XI e XII) identificou: “Todos os alunos tornam-se bastante semelhantes em relação à capacidade de aprender, ritmo de aprendizagem e motivação posterior, quando lhe são propiciadas condições favoráveis de aprendizagem.” Professor Nota 10 uns alunos são tão desinteressados que não têm condições de aprender? “Todos os alunos aprendem com sucesso o que a escola lhes deve ensinar, quando os professores acreditam que podem fazê-lo e criam as estimulações e orientações adequadas para isso.” “Quando o professor altera positivamente suas expectativas em relação ao desempenho de seus alunos, passa a agir de forma mais favorável à estimulação de sua aprendizagem e o aluno passa a aprender mais e melhor.” 33
  30. 30. Precisamos nos dar conta de que nossas expectativas e orientações estão contribuindo fortemente para a cristalização de que basta estudar o suficiente para passar, o importante é tirar nota. Em vez de criarmos uma cultura em que o importante é aprender, aprender é a maior riqueza da vida, aprendemos para conhecer o mundo e a nós mesmos no mundo. Professor Nota 10 Heloísa Lück - Doutora em Educação, consultora e promotora de programas e cursos de capacitação profissional em Educação. Diretora do CEDHAP – Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado (fone: 3336 4242). 34 Referências Bibliográficas BLOOM, Benjamin S. Características humanas e aprendizagem escolar: uma concepção revolucionária para o ensino. Porto Alegre: Globo, 1981 VOZ DO PROFESSOR Por Eny Regina B. Neves Pereira A voz desempenha um papel fundamental durante o processo de comunicação. Para que o som produzido no aparelho fonador seja de boa qualidade e emitido sem dificuldade ou desconforto para o falante, é necessário que todas as estruturas envolvidas em sua produção funcionem de forma harmoniosa. A fonação ou voz é produzida pelo fluxo de ar passando entre as pregas vocais, fazendo com que elas vibrem e seja amplificado pelas cavidades de ressonância. Quando estamos em silêncio, as pregas vocais estão abertas para que possamos respirar e, ao falarmos, elas se fecham, vibram e a voz é emitida. Vejam as figuras:
  31. 31. Existem mecanismos básicos empregados para uma boa qualidade vocal. Precisamos nos ater ao tipo de voz que estamos usando, pois ela identifica-se com a nossa personalidade, é o nosso “cartão de visita”. Uma voz com intensidade elevada (falar alto), demonstra franqueza, energia, autoritarismo; o falante com intensidade reduzida (falar baixo), parece ter pouca experiência nas relações pessoais, timidez ou medo. Por isso, há necessidade de um certo equilíbrio na intensidade vocal a fim de trazer a sensação de convicção do que se quer passar para o aluno e domínio da voz. Uma voz com articulação precisa, sem exagero, transmite, clareza de idéias e pensamentos, favorecendo o processo de comunicação na classe. O ritmo ou velocidade de fala lenta sugere monotonia, cansaço e faz com que não haja interesse no que está sendo exposto. Com velocidade acelerada, demonstra ansiedade ou nervosismo, o que trará aos alunos uma conseqüência desfavorável. A voz grave (grossa) pode trazer um aspecto de professor enérgico e autoritário. Já o educador que possui uma voz aguda (fina) transmite ser uma pessoa submissa, dependente, infantil ou frágil. Se você tem algum desses aspectos vocais procure: [ Emitir frases curtas, com mais inflexões, isto é, mais melodia. [ Use de uma articulação bem definida, sem exageros. [ Dê ênfase em determinadas palavras sem aumentar a intensidade ou volume. [ Abuse da ressonância, usando os sons nasais e orais demonstrando clareza na emissão. [ Esteja, o máximo que conseguir, relaxado, sem tensão principalmente na região cervical. [ Faça uso da respiração diafragmática e não do ar de reserva que prejudica as pregas vocais. Professor Nota 10 Muitos são os profissionais que usam a voz como instrumento de trabalho. O professor é um deles, que precisa da voz para exercer sua profissão. O mau uso da voz se refere a falar excessivamente, alto e rápido, gritar, usá-la muito aguda ou muito grave sem ter preparação adequada. O aparecimento de rouquidão, cansaço vocal, ardume e/ou dor na garganta, pigarro e falta de ar são sinais de patologias que acometem a laringe e podem estar relacionadas ao uso abusivo da voz em condições desfavoráveis. O professor deve se lembrar da importância de fazer a higiene vocal, tendo alguns cuidados especiais do tipo: H Alimentação: deve ser composta de alimentos leves, ver- duras e frutas, uma vez que esses ajudam na boa digestão, evitando refluxo gastroesofágico ou má digestão. Evite o uso de chocolates e leites no momento que antecede o uso profissional da voz porque aumentam a secreção. 35
  32. 32. Durante o período entre as aulas, recomenda-se o consumo de maçã ou a ingestão de sucos cítricos, pois possuem propriedades adstringentes, o que auxilia na limpeza da boca e faringe, no excesso da secreção, obtendo, assim, uma melhor qualidade vocal. Alimentar-se de refeições pesadas acaba atrapalhando a boa performance do professor, uma vez que isto impede a movimentação livre do diafragma, dificultando a fonação. Professor Nota 10 H Bebidas gaseificadas e geladas: o gás interfere na diges- 36 tão e prejudica o apoio diafragmático, ou seja, evite usar antes das aulas, pois ele favorece a flatulência (gástrica ou intestinal), prejudicando o controle da voz. E o consumo de líquido gelado pode causar danos vocais devido à mudança de temperatura ao deglutir. H Ambientes refrigerados: algumas pessoas são muito sensíveis ao ar-condicionado, isso porque o resfriamento do ar realizado através da retirada da umidade do meio ambiente resseca também a mucosa do trato vocal. A movimentação da mucosa durante o ciclo vibratório depende diretamente de uma boa lubrificação, comprometida devido ao uso do ar-condicionado. H Competição sonora ou grito: a competição sonora, o “barulho dos alunos”, é uma situação bastante comum. Quando se está em um local barulhento, há uma tendência natural dos educadores elevarem a voz para se fazerem ouvir. Esse fator rende ao professor um desgaste vocal muito maior. H Gripes e alergias: durante gripes fortes e crises alérgicas, é freqüente o aparecimento de quadros de rouquidão. Isso ocorre porque há um inchaço das mucosas que revestem o trato respiratório. Vocalizar excessivamente sobre o tecido inchado pode ser extremamente prejudicial, causando danos irreversíveis à mucosa que reveste as pregas vocais. Atividades em grupo, provas de aproveitamento ou atividades individuais que não exijam tanto do professor o uso da voz tornam-se necessárias nessas situações. Os indivíduos alérgicos e que usam a voz profissionalmente devem seguir as orientações médicas. Evitar contato com substâncias alergênicas também é recomendado a fim de reduzir ou espaçar o aparecimento das crises. H Pigarrear: o ato de pigarrear constitui outra forma de abuso vocal. A prática constante desse procedimento produz um choque mecânico entre as pregas vocais causando um aumento na produção de muco como mecanismo de defesa, o que se torna um ciclo e um hábito. H Cigarro: a fumaça age nas pregas vocais, essa reação é manifestada por uma descarga intensa de muco, gerando parada na movimentação ciliar do tecido que envolve as pregas, fazendo surgir um depósito de secreção e provocando o pigarro. A toxina deposita-se diretamente nas
  33. 33. H Álcool: essa substância é responsável pela anestesia das pregas vocais. O professor que usar essa droga e logo depois for dar uma aula vai estar causando uma grande lesão no aparelho fonador. O mesmo acontece com o uso indiscriminado de sprays, pastilhas, balas, etc. Se for utilizá-los, deve-se fazer quando for dormir para não causar danos às pregas vocais. H Hidratação: é indicada para a prevenção e tratamento dos distúrbios da voz por permitir que a vibração das pregas vocais ocorra de modo livre e com o atrito reduzido. Orientações: Quando estiver no final de sua jornada de trabalho, prefira falar baixo, não sussurrando, e devagar. Fique em silêncio, se possível, por um tempo. Durma bem e descanse o seu corpo. Aquecimento vocal As pregas vocais são músculos, por isso há necessidade de aquecê-las. Esse detalhe evita sobrecarga, o uso inadequado da voz ou um caso de fadiga. Todas as manhãs ou no período que antecede o uso profissional da voz, deve-se fazer os seguintes exercícios: Exercícios de respiração profunda (alternando nariz e boca). Alongamento da coluna. Alongamento de pescoço e ombros. Alongamento dos músculos da face. Exercício de vibração de ponta de língua e lábios. É bem simples e consiste apenas em imitar o barulho do telefone (“trrrrrrrrriiimmmm”). Exercício de ressonância – mastigando o som do “m”. Imagine que você está mastigando algo e ao mesmo tempo emita um som de “Hummmmmm”. Desaquecimento vocal Professor Nota 10 pregas vocais, as quais funcionam como verdadeiros aparadores de impurezas, favorecendo as diversas lesões, como edemas, pólipos, nódulos e câncer. O desaquecimento vocal favorece o retorno ao ajuste fonoarticulatório da voz coloquial. Você deve estar se perguntando o que significa isso. É o seguinte, quando o professor está dando aula, ele imposta mais sua voz para ser ouvido pelos seus alunos. O desaquecimento ajuda a acalmar sua voz e fazer com que ela volte a seu estado “normal”. 37 Após o uso profissional da voz, recomenda-se fazer os seguintes exercícios:
  34. 34. [ Ficar em silêncio total por 5 minutos para que ocorra o repouso. [ Exercício de vibração de ponta de língua em escala descendente (procurando sempre a região grave) – imite o barulho do telefone, mas dessa vez com a voz mais grossa. Professor Nota 10 [ Massagem na laringe: 38 Movimentos de deslocação lateral. Com o dedo indicador e o dedão massageie, delicadamente, os anéis do pescoço, de um lado para o outro. Movimentos circulares. Esse exercício é muito parecido com o anterior. Só que em vez de fazer movimentos de uma lado para o outro nos anéis do pescoço, você deve massageá-los com movimentos circulares. Movimentos descendentes. Desça em linha reta massageando os anéis do pescoço. EM BUSCA DE UMA VOZ PERFEITA A voz revela muito sobre seu estado de espírito. A entonação, o volume e a intensidade do discurso não transmitem apenas o conteúdo, mas também suas emoções. Assim como os olhos são a janela da alma, a voz é o espelho da sua personalidade. Para se alcançar uma boa voz, certos pontos precisam ser trabalhados. A respiração é um deles. É ela quem ajuda a equilibrar a ressonância produzida durante o processo de formação das palavras. A altura da voz também precisa ser controlada. O volume da fala, se não for adequado, agride a garganta (no caso do professor falar muito alto ou irritar seus alunos se ele explicar a matéria quase sussurrando). Aproveite todas essas dicas e orientações para cuidar melhor de um de seu bens mais preciosos, sua voz. Se você estiver apresentando quadros de rouquidão com freqüência e há mais de 10 dias, sem causa evidente, procure um médico otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo para uma avaliação vocal. A intensidade da voz é outro detalhe importante. Ela não pode ser nem muito grave e nem muito fina. Se o educador abusar da fala grave pode parecer autoritário e fechado a novas idéias e opiniões. Uma vocalização mais fina transmite a sensação de pessoa infantil, insegura e que não está certa de sua ações ou palavras. *Professora Ms. Eny Regina Bóia Neves Pereira – Fonoaudióloga, mestre na área de Pediatria pela Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu/ SP doutoranda na área de Bases da Cirurgia, em Voz Profis, sional, pela Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu/ SP e docente da Universidade do Sagrado Coração – Bauru/SP . Além desses fatores, temos ainda a articulação das palavras. Ela consiste na maneira como se mexe a boca durante a fala. Se feita de maneira correta, resulta em um discurso claro e sem ruídos. Pessoas que não abrem muito a boca para pro-
  35. 35. Assim, para que sua voz seja agradável é preciso que você tenha sempre em mente o bom senso – uma articulação, intensidade e volume de voz equilibrados. Tipos de voz A voz é como um impressão digital. Cada pessoa vocaliza as palavras de maneira única e não existe outro indivíduo capaz de imitá-la fielmente. Segundo pesquisas, existem mais de 120 tipos de vozes. Elas podem ser aveludadas, melodiosas ou oscilantes. Acompanhe mais alguns exemplos e a sensação que elas provocam em seus ouvintes: • Voz rouca – Pode transmitir cansaço, esgotamento, estresse, fadiga ou seriedade. • Voz trêmula – Significa medo, fragilidade e indecisão. • Voz monótona – Indica pessoa cansativa, desinteressante e repetitiva. • Voz infantilizada – Demonstra uma pessoa ingênua, sem maturidade e insegura. Além de sua voz, que por si só transmite diversas emoções, a combinação de intensidade e volume diferenciados revela outros detalhes de sua personalidade. Leia e faça uma autoanálise, assim você poderá ajustar certos detalhes de sua fala e potencializar sua qualidades. • Voz fina e fraca – Revela uma pessoa submissa e dependente. • Voz forte e grave – Mostra um indivíduo enérgico e autoritário. • Voz arrastada e fraca – Demonstra que a pessoa está triste, melancólica. • Voz aguda e forte – Transmite alegria, ânimo e desinibição. • Voz alta e grave – Indica uma pessoa franca, cheia de energia e que fala o que pensa. • Voz baixa e oscilante – Pode significar uma pessoa tímida e receosa. • Voz alta e rápida – Passa a sensação de indivíduos tensos, atrapalhados, ansiosos e confusos. Identificar e trabalhar para amenizar os pontos fracos de sua voz é uma das tarefas que você, professor, deve executar em busca da aula perfeita. Conhecendo e controlando sua entonação e vocalização será possível adequar seu discurso e usar sua voz da melhor forma possível para dar ênfase aos principais pontos do conteúdo. Professor Nota 10 nunciar as palavras indicam ser tímidas, acanhadas. Já quem articula exageradamente passa a sensação de falsidade e exibicionismo. 39
  36. 36. Exercícios de relaxamento Articulação das consoantes Existem diversas práticas que contribuem para o desenvolvimento da fala e a melhora na impostação da voz. Pratique-os regularmente e você e seus alunos notarão a diferença. Para a sonorização de certos fonemas, alguns órgãos de nosso corpo entram em ação e outros são deixados de lado. Ter a percepção de como esse processo funciona contribui para a sonorização correta das palavras. Conheça algumas articulações e o esquema de pronúncia das consoantes. [ Ao acordar, não pule rápido da cama e sai correndo para sua aula. Levante devagar, se espreguice e boceje 10 vezes. Esses movimentos ajudam a dispersar o muco que foi acumulado na garganta durante o sono. [ Faça um alongamento corporal ao chegar em casa depois Professor Nota 10 de suas aulas. 40 PRONÚNCIA E ARTICULAÇÃO Um discurso claro e inteligível exige que a pronúncia e a articulação das palavras sejam perfeitas. Qualquer distúrbio ou deslize durante a fala de certas sílabas distorce o significado e prejudica o entendimento da mensagem. O professor, como está sendo avaliado 24 horas por seus alunos, colegas de profissão e superiores, precisa mais do que ninguém de uma fala e uma articulação impecáveis. Como você conseguirá ser um professor nota 10 falando empolado ou comendo as palavras? Como seus alunos entenderão a matéria, se não compreendem o que você fala? Observe com atenção a articulação das consoantes e melhore seu discurso. Articulação bilabial – As partes do corpo envolvidas durante a sonorização são os lábios. Preste atenção em como a pronúncia das consoantes P/B/M ocorre entre eles. Articulação linguodental – Exige que os lábios fiquem entreabertos e a língua tocando os dentes. As consoantes pronunciadas dessa forma são o T, D e N. Articulação labiodental – A pronúncia ocorre com os dentes superiores, tocando o lábio inferior. As consoantes que respeitam essa sonorização são F e o V. Exercícios de articulação Articular corretamente as palavras requer o esforço de vários órgãos do corpo, entre eles os lábios, a mandíbula e a língua. Para fortalecer o tonos muscular dessas partes especificamente, segue uma série de exercícios que devem ser praticados regularmente. Se você sentir algum desconforto durante a prática dos movimentos, interrompa imediatamente os exercícios e procure um médico.
  37. 37. 1. Conte, lentamente, de um a cem fazendo movimentos exagerados com a boca, com bicos e sorrisos forçados durante a sonorização dos números. 2. Com a boca fechada e os lábios unidos, movimente-os de um lado para o outro, lentamente, 10 vezes. Língua Articulação das palavras Além dos exercícios que ajudam na articulação das palavras, podemos usar brincadeiras como os trava-línguas para alcançar nosso objetivo. Escolhemos algumas dessas pegadinhas para você ir treinando. Tente falar rápido e procure não errar. Caso isso aconteça, comece de novo o texto. 1. 1. Coloque a língua para fora vagarosamente e em seguida recolha-a rapidamente para dentro da boca. Depois de fazer esse movimento 10 vezes, inverta. Coloque a língua para fora rapidamente e a recolha lentamente. 2. Abra a boca e bote a língua para fora. Faça movimentos circulares cerca de 10 vezes. 2. 3. Repita o exercício anterior, só que com a língua dentro da boca. Palato 1. Boceje diversas vezes com a boca bem aberta e depois repita o mesmo movimento com a boca fechada. 2. Emita durante um minuto o famoso “ahhhhhhhhh” (tão usado na meditação). Não use o ar reserva durante a sonorização. 3. Paga o pato, dorme o gato, Foge o rato, paga o gato, Dorme o rato, foge o pato, Paga o rato, dorme o pato, Foge o gato. É crocogrilo? É cocodrilo? É cocrodilo? É cocodilho? É corcodilho? É crocrodilo? É cocordilo? É jacaré? Será que ninguém acerta O nome do crocodilo mané? Num ninho de mafagafos tinham três mafagafinhos. Quem os desamafagafizar, bom desamafagafizador será. Professor Nota 10 Lábios 41
  38. 38. EXPRESSÃO CORPORAL COMUNICANDO COM O CORPO Professor Nota 10 Todo o nosso corpo fala. A posição dos pés e das pernas, o movimento do tronco, dos braços, das mãos e dos dedos, a postura dos ombros, o balanço da cabeça, cada gesto possui um significado próprio que encerra em si uma mensagem. 42 e só depois pronunciamos as palavras. Por isso, o gesto vem antes da palavra ou junto com ela, e não depois. Recomendamos, sempre, não falar com as mãos nos bolsos, com os braços atrás das costas, cruzados ou apoiados, entre outros. Pesquisas apontam que a linguagem corporal é responsável por cerca de 55% do processo de comunicação interpessoal. Esses recados que você transmite com o corpo, mesmo sem querer, são outros pontos que devem ser pensados e trabalhados de maneira correta. Você também deve adaptar seus gestos de acordo com o número de estudantes que a turma comporta. Classes grandes exigem movimentos mais enfáticos, “exagerados”, para que todos possam vê-lo. Mas tenha bom senso. Já turmas menores não precisam desses movimentos tão amplos. As mensagens sublimares afetam seus alunos tanto quanto as palavras e seus gestos mostram se você está ou não preparado ou com vontade de dar aquela aula. Para esses casos, não há recursos visuais que façam qualquer momento tornar-se agradável. Sem a motivação necessária, você desperdiçará seu tempo, o tempo dos estudantes e fará da aula um teatro, no qual o professor interpreta um personagem sem emoção e sem conteúdo. A posição das pernas: as pernas têm um significado especial para a estética da postura. Você irá se sentir melhor se mantiver uma atitude correta, plantado sobre as duas pernas, dando um bom equilíbrio ao corpo. Procure também deixá-las cerca de 20 centímetros afastadas uma da outra e lembre-se de que ao ficar parado não é recomendável fazer movimentos com as pernas. Esse gesto dará a impressão que você está impaciente e inseguro. Evite também: u Procurar um ponto de apoio para se encostar. Ao fazer isso, naturalmente, você deixará uma das pernas arqueadas para trás. A naturalidade do gesto: a gesticulação obedece a um processo natural. Pensamos na mensagem ao mesmo tempo que informamos ao corpo o movimento a ser executado. Ele reage
  39. 39. u Balançar os pés ou ficar freneticamente batendo-os no chão. Além de fazer barulho, você estará distraindo os alunos e chamando a atenção para os seus movimentos. A posição dos braços: ao andar no meio da sala, seus braços devem balançar naturalmente. Se você estiver explicando a matéria, levante-os acima da linha da cintura e mantenha suas mãos semi-abertas. Sincronize seus movimentos de acordo com a ênfase que você deseja dar a certos pontos. Evite os seguintes gestos durante suas aulas: u Colocar seus braços para trás. Transmite a impressão de que você está supervisionando seus alunos. Se você adotar essa postura, parecerá mais inspetor do que professor. u Ao deixar as mãos sobre a barriga, suas explicações serão encaradas mais como sermões religiosos. u Mãos na cintura lembram técnicos de futebol ou sargentos. Com certeza, você não quer parecer com nenhuma dessas figuras. u Deixar as mãos dentro dos bolsos remete à displicência, falta de vontade. Você passará a sensação de que não está nem aí para a aula ou para os alunos. u Braços cruzados transmitem a mensagem de uma pessoa na defensiva, que está fechada para comunicação. Esse simples gesto revela se seu interlocutor está disposto a escutar o que você tem a dizer. Imagine se você solicita a opinião de um aluno e, na hora em que ele vai responder, você simplesmente se encosta e cruza os braços. Situação desagradável, não? A posição das mãos: se você for uma pessoa agitada, que gesticula bastante com as mãos durante uma conversa, não tente mudar esse jeito dentro da sala de aula. Seja natural. Caso você use bastante as mãos, procure empregá-las para ressaltar os pontos mais importantes da matéria. Você pode criar um gesto específico que avise seus alunos sobre a abordagem de um tema importante. Outra dica é procurar manter as mãos entre a cintura e os ombros. Gestos com as mãos muito próximas ao rosto são um perigo, pois além de você correr o risco de se bater, esses movimentos distraem os alunos. Como vimos, as mãos podem se tornar mais um recurso para chamar a atenção dos estudantes. Acompanhe algumas orientações de como usá-las durante suas aulas. u Ao deixar sua mão aberta com a palma voltada para cima, você transmite receptividade, doação. u O gesto contrário, deixando as palmas voltadas para baixo, significa repulsa e rejeição. u Se você quiser acalmar sua turma e pedir silêncio e cooperação, mantenha a mão aberta, com a palma voltada para baixo e faça movimentos subindo e descendo. u Ao deixar as mãos abertas, estendidas para frente e com as Professor Nota 10 u Jogar o peso do seu corpo em cima de uma perna só. 43
  40. 40. palmas voltadas para cima, mostra que você está solicitando a colaboração dos alunos. u Se você ficar girando uma mão sobre a outra, na frente do corpo, você estará transmitindo a mensagem de que está enroscado em algum conceito ou tema. Professor Nota 10 A posição da cabeça: ela deve guardar equilíbrio com o restante do corpo. Quando inclinada constantemente para um dos lados, excessivamente alta ou baixa, quebra a elegância da postura. 44 A comunicação do semblante: o semblante talvez seja a parte mais expressiva de todo o corpo. O queixo, a boca, as faces, o nariz, os olhos, a sobrancelha e a testa trabalham isoladamente, ou em conjunto, para demonstrar idéias e sentimentos transmitidos pelas palavras ou mesmo sem a existência delas. tra que você pode estar refletindo sobre um assunto ou tendo alguma idéia. b) Sorria – Um ato simples que pode fazer toda a diferença, se vier acompanhado de um animado “Bom dia” ou “Boa tarde”. Nada mais acolhedor e estimulante para seus estudantes que ter um professor motivado e que entra na sala com um sorriso sincero no rosto. Esse gesto cria um ambiente favorável e agradável para o início de sua aula. c) Olhos – “Os olhos são a janela da alma”, quem nunca ouviu essa frase? Assim como os demais membros de nosso corpo transmitem mensagens subliminares, os olhos também possuem esse incrível dom de revelar os sentimentos da pessoa. Por meio deles, podemos saber se os alunos estão atentos ao conteúdo ou se já dispersaram a atenção. O conhecimento de todo o jogo fisionômico, a certeza de estar demonstrando no semblante exatamente o que deseja, dá a quem fala confiança e convicção ao se apresentar. Confira outros detalhes que fazem toda diferença na comunicação não-verbal: O olhar serve como um termômetro, dando um retorno imediato sobre o que suas palavras causam nos estudantes. Assim, quando você desejar medir esse “nível de interesse”, preste atenção se os alunos estão com os olhos vivos, abertos e iluminados. Caso contrário, comece a pensar em mudar sua estratégia de apresentação. a) Boca – O movimento que fazemos com os lábios também revela nossas emoções. Quando eles empurram levemente o superior, podem expressar mágoa ou frustração. Ao deixar a boca semi-aberta, você pode transmitir a seus alunos ansiedade, expectativa, apreensão. Morder o canto da boca demons- Use algum elemento surpresa para chamar a atenção ao conteúdo. Por isso, é importante que você assuma uma posição na sala que permita a visualização de todos os estudantes, para acompanhar as reações deles.
  41. 41. Espaço, a fronteira inicial. Para alguns professores, a sala de aula limita-se a 2 metros à frente do quadro-negro. A partir daí, é território dos alunos, conforme afirma um Tratado de Tordesilhas imaginário auto-aplicado. Outros, circulam pela sala, encostam-se na parede do fundo e de lá dão suas aulas. Os alunos têm duas opções: ou permanecem voltados para o quadro-negro, só ouvindo o que o educador tem a dizer, ou torcem-se para visualizar o professor. E há ainda aqueles que caminham entre as fileiras de alunos como um militar em revista à tropa. Todos esses são estilos que podem ser melhorados, conforme a situação. Algumas dicas: H Crie âncoras visuais para seus alunos. Desde o primeiro dia de aula, defina determinado canto da sala para assuntos leves e piadas, outro para falar sobre a matéria, um para interação direta com os alunos. Você não precisa dizer nada para eles, apenas se movimentar para aquele ponto da sala de aula toda vez que desejar tomar uma ação específica. Assim, sempre que os alunos o virem caminhando para a posição descontraída já começa- rão a relaxar, e sempre que você for para o local da interação já começarão a imaginar algumas questões. Caso você tenha pouco espaço disponível em sua sala de aula, substitua esses “cantos” por gestos, como abrir os braços de certa maneira seguido de um “Bom. Perguntas?”. Com o passar do tempo, você não precisará falar mais nada, basta o gesto. HDe vez em quando, mude a disposição das carteiras ou dos alunos. O simples fato de sentar em outro lugar já muda toda a perspectiva do aluno em sua aula. Ele passa a prestar atenção a novas coisas, vê a matéria de maneira diferente. Isso também ajuda sua turma a se conhecer melhor, ajudando a acabar com as panelinhas. HCircule pela sala de aula, com movimentos calmos e tranqüilos. Cuidado para não ficar muito tempo parado ao lado de um mesmo aluno. Geralmente, como os intervalos entre as filas de carteiras são apertados, sua proximidade física pode incomodar. Assim, ande entre duas fileiras um dia, entre outras duas em outra ocasião, e assim por diante. Professor Nota 10 Comunicação não-verbal dentro da sala de aula HPense na sala como um todo. Você dá aula tanto para o pessoal da primeira fila como para a turma do fundão. Faça contato visual com alunos que sentam em locais diferentes. Na hora de mostrar algo, faça-o tanto à altura de sua cabeça, para que o pessoal de trás veja, como um 45
  42. 42. pouco abaixo da altura de seu peito, para o pessoal das três primeiras carteiras. Professor Nota 10 Erros a serem evitados 46 Eis aqui algumas posturas que devem ser evitadas durante suas aulas: H Ficar parado em um ponto, apoiando-se de lado. A mensagem oculta que esse professor passa é “estou chateado e preferia estar em outro lugar”. Solução: quando estiver parado, mantenha seu peso uniformemente equilibrado e os quadris nivelados. H Encostado em uma estante ou parede. A mensagem é “estou cansado demais para ficar em pé” ou “não quero nem me incomodar em dar essa aula”. Solução: evite apoiar-se ou o faça por períodos muito curtos. H Sentado à mesa onde estão suas anotações. O que tal educador diz é: “Não preciso fazer nenhum esforço aqui, pois sou mais importante do que vocês.” Solução: a não ser em determinados momentos (como chamada e correção de provas), fique em pé. Saúde também conta Além da postura que o ajuda a ensinar, existe aquela que evita problemas no futuro. Seu corpo pode começar a reclamar mais cedo do que imagina. Má-postura ao sentar ou caminhar pode causar desde dores até invalidez após alguns anos. Então, a primeira regra é não se permitir ficar muito tempo em uma mesma posição. Se estiver mais de uma hora sentado, levante-se. Se estiver há mais de uma hora parado, em pé, ande um pouco. Acompanhe outras dicas. H Quando estiver sentado, procure não ficar com os ombros caídos. O encosto reto da cadeira ajuda a manter a coluna ereta, evitando dores nas costas. H Nunca suba escadas com a coluna inclinada para a frente. Suba com a coluna ereta e o pé completamente apoiado no chão. H Para erguer qualquer objeto do chão, o correto é flexionar os joelhos e manter a coluna ereta (o peso deve ficar o mais próximo possível do tronco). H Não durma de bruços. Prefira dormir de lado ou de barriga para cima. H Não carregue, em nenhuma hipótese, peso na cabeça. O ideal é dividir o peso proporcionalmente para os dois lados do corpo. H Preste bastante atenção às condições do piso antes de carregar qualquer peso para evitar tropeções, escorregões e torções. Para evitar esses e demais problemas que podem afetar seu desempenho, fique atento à sua postura e a seus movimentos diários. Às vezes, pequenas correções fazem uma grande
  43. 43. Trabalhe para que nenhum desses inconvenientes atrapalhem seu objetivo de ser um professor nota 10. Existem exercícios simples que podem corrigir sua postura, aquecer seu corpo para as aulas e ainda ajudá-lo a relaxar depois de um dia cansativo de trabalho. Siga atentamente as orientações abaixo e prepare-se fisicamente para se tornar um show de professor. HORA DO EXERCÍCIO, PESSOAL! Aquecimento para iniciar as aulas É uma forma de começar as aulas com as articulações mais soltas e adequadamente lubrificadas, evitando aqueles estalos desagradáveis. Lembre-se de que uma boa base para qualquer movimento consiste em manter os joelhos semiflexionados e o abdômen contraído. Aquecimento dos membros inferiores: 1° passo: sentado em uma cadeira confortável, realize movimentos circulares com os pés, aquecendo a articulação do tornozelo. Faça esse exercício cerca de 10 vezes, sendo 5 movimentos no sentido horário e 5 no sentido anti-horário. 2° passo: em pé, flexione e estenda (de forma moderada) os joelhos. É como se você estivesse dando pequenos chutes no ar. Isso irá aquecer e lubrificar a articulação do joelho. 3° passo: ainda em pé, coloque as mãos na cintura e realize movimentos circulares. Imagine que você está brincando com um bambolê. Faça esse exercício cerca de 10 vezes sendo 5 vezes no sentido horário e 5 vezes no sentido antihorário. 4° passo: com os joelhos semiflexionados, gire o seu troco transversalmente 6 vezes. Esse movimento consiste em girar seu corpo para esquerda e depois para direita, de modo que você enxergue o que tem por trás de suas costas. Para alinhar a coluna e seus ombros, você pode realizar esse exercício segurando o cabo de uma vassoura. 5° passo: flexione levemente o joelho, estenda um dos braços próximo a cabeça e coloque o outro na cintura. Desça o tronco lateralmente, com o braço esticado 5 vezes para direita e outras 5 para a esquerda. Professor Nota 10 diferença em sua qualidade de vida, o que reflete diretamente em seu desempenho em sala de aula. Aquecimento dos membros superiores: 6° passo: com os braços relaxados, gire-os para frente 5 vezes e para trás outras 5 vezes. 47
  44. 44. 7° passo: faça o mesmo com os ombros. 8° passo: flexione e estenda sucessivamente os cotovelos. Repita essa prática cerca de 10 vezes. 9° passo: realize movimentos circulares com os punhos. 5 vezes no sentido horário e 5 vezes no sentido anti-horário. 1° passo: escolha um lugar bem tranqüilo da sua casa, não muito iluminado e pouco barulhento. 2° passo: sente no chão, cruze as pernas (posição de índio), feche os olhos, mantenha a coluna reta e respire profundamente 3 vezes. Professor Nota 10 10° passo: abra e feche as mãos de forma sucessiva, faça-o 10 vezes. Em seguida “sacuda-as” soltando bem as articulações dos punhos e dedos. 3° passo: flexione uma das pernas e estenda a outra. Desça devagar com o tronco (o quanto puder) até tocar o pé da perna estendida. Fique nessa posição de 20 a 30 segundos. Repita o mesmo com a outra perna. 11° passo: realize movimentos circulares (de forma suave) com o pescoço – 5 vezes no sentido horário e 5 vezes no sentido anti-horário. 4° passo: deite no chão, flexione e abrace suas pernas, deixando a região lombar relaxada e encostada no chão. Segure nesta posição cerca de 30 segundos. Seguindo esses passos, você terá mais disposição para entrar em sala de aula e realizar seus movimentos de forma mais ampla e motivada. 5° passo: ainda deitado e com as pernas flexionadas, gire o tronco lateralmente de forma que os joelhos encostem no chão, e volte sua cabeça para o lado oposto. Permaneça nesta posição cerca de 30 segundos. Repita o movimento trocando o lado. Alongamento para relaxamento após as aulas 48 Para facilitar o trabalho do alongamento, e não esquecer nenhum grupo muscular, é interessante começá-lo dos pés para a cabeça ou vice-versa. 6° passo: fique em pé com os joelhos levemente flexionados, flexione o tronco para frente deixando os braços relaxados e próximo aos pés. Fique nesta posição cerca de 15 segundos. Em seguida, suba seu tronco bem devagar, de modo que sinta a sua coluna “desenrolar”.
  45. 45. 7° passo: em pé e com os joelhos semiflexionados, entrelace os seus dedos e “empurre-os” para frente (na altura dos ombros). Flexione seu pescoço para frente, deixando suas costas bem “arredondadas”. Mantenha essa posição entre 15 e 20 segundos. 8° passo: faça o mesmo movimento, agora com os braços para trás, de modo que seu peitoral fique bem aberto. 10° passo: posicione seu braço esquerdo para trás do tronco. Enquanto isso, a mão direita exerce uma pequena tração na cabeça, de forma que o pescoço flexione lateralmente para a direita. Segure nesta posição aproximadamente 20 segundos. Faça o mesmo com o outro lado e para frente. Professor Nota 10 9° passo: com os dedos ainda entrelaçados, estique os braços para cima da cabeça. Você sentirá o seu tronco sendo alongado. Observações: realize os movimentos dentro do seu limite e de forma lenta! Não abuse da sua musculatura. Às vezes, em um movimento rápido, você pode se machucar. 49
  46. 46. H H H preparação didática

×