PROPOSIÇÃO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO NO CAMPO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: APRENDIZAGENS CONJUNTAS

2.093 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.093
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
671
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROPOSIÇÃO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO NO CAMPO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: APRENDIZAGENS CONJUNTAS

  1. 1. PROPOSIÇÃO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO NO CAMPO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: APRENDIZAGENS CONJUNTAS Raiane Loss Cardoso1; Waldirene D’Ávila Bernabé2; Camila Helena Rodrigues3; Ana Paula Andrade4, Valdete Côco5Linha temática: 2: Extensão universitária e cidadaniaRESUMO Considerando o tripé ensino, pesquisa e extensão na configuração do ProgramaPET, o presente estudo focaliza as aprendizagens vivenciadas pelas estudantes quecompõem o grupo Pet Conexões – Projeto Educação no processo de articulação deprojeto de extensão no campo da Educação Infantil - EI, com vistas a inserir-se nocotidiano de um Centro Municipal de EI, mobilizando esforços para aproximação aosuniversos infantis, através da proposição e aplicação de instrumento de anamnese.Partindo dos referenciais ligados a Bakhtin e Certeau, destacamos aprendizagensemergentes do movimento de articulação junto à comunidade educativa, com vistas aoinício do trabalho. Para destacar os saberes e aprendizados derivados desse encontro,numa perspectiva exploratória, recorremos a registros de diário de campo, paraevidenciar as demandas presentes no processo de articulação junto as instânciaspúblicas do campo da EI e as primeiras apropriações desse cenário na comunidadeenvolvida. Os dados apontam a receptividade do campo à parceria, abrindopossibilidades de interlocuções que, dialogando com os propósitos da extensãouniversitária, geram aprendizagens compartilhadas.Palavras–chave: Extensão, Educação Infantil, FormaçãoInstituição de Fomento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal deNível Superior - CAPES1 vínculo institucional, acadêmico, bolsista, orientador, endereço de e-mail.2 vínculo institucional, acadêmico, bolsista, orientador, endereço de e-mail.3 vínculo institucional, acadêmico, bolsista, orientador, endereço de e-mail.4 vínculo institucional, acadêmico, bolsista, orientador, endereço de e-mail.5 Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense – PPGE/FE/UFF. Professora do Centro deeducação, da Universidade Federal do Espírito – DLCE/PPGE/CE/UFES. Tutora do Grupo PETConexões: Projeto Educação. <valdetecoco@hotmail.com>.
  2. 2. INTRODUÇÃO: O CONTEXTO DA ARTICULAÇÃO A síntese da proposta informa que o projeto focaliza a temática das açõeseducativas, mirando a EI articulada com a docência e os processos formativos,articulado ao desenvolvimento do Programa de Educação Tutorial (PET) Conexões deSaberes, especificamente do projeto Educação: periferias urbanas – UFES/2011, queintegra doze (11) graduandos dos cursos de Pedagogia, Artes e Educação Física. Naarticulação da extensão com o ensino e pesquisa, desenvolve atividades de formação emparceira com o Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Primeiro Passo –SEDU/Serra com vistas à troca de saberes sobre a docência, numa lógica decontribuição na formação dos graduandos e, simultaneamente, de configurar uma açãode apoio ao trabalho do CMEI, a saber, o delineamento conjunto e a aplicação doinstrumento de anamnese das crianças. Pautado na lógica da troca de saberes, estáestruturado a partir de três movimentos extensionista: a articulação para a realização dotrabalho junto ao cenário educativo, a construção conjunta de instrumento para a ação ea execução do trabalho, com a inserção na instituição. Assim, nesse trabalhofocalizamos as aprendizagens do grupo derivadas do processo de articulação junto aocampo da EI.MATERIAL E MÉTODOS: REFERENCIAS QUE PAUTAM A ARTICULAÇÃO Implicados com o conjunto do projeto, ancoramos nossa observação doprocesso de articulação na premissa de que dar sentido ao vivido é um processo sempreaberto e vinculado às interações estabelecidas (BAKHTIN, 1992, 1993 e 1997;CERTEAU, 1993). Assim nossas aprendizagens do campo da EI dialogam com osatores do CMEI, com a equipe de EI da Secretaria que orienta o trabalho, com aspolíticas públicas pautadas pelo município e por todo o contexto social que atua naprodução de sentidos e significações no trabalho com as crianças pequenas. Nessaperspectiva, a idéia de parceria se constitui desde o delineamento do projeto,desenvolvendo um processo de articulação com a dinâmica institucional da EI pública,até a sua execução, com a imersão no cotidiano do CMEI. No movimento de articulação para a realização do trabalho o grupomobilizou esforços em direção ao “auditório” desejado, com vistas a mobilizar umdiálogo com o outro no sentido de convite à ação conjunta. Para tanto realizou contatos
  3. 3. com a Secretaria Municipal de Educação buscando autorização para aproximação àequipe de EI. Com a autorização, realizou reunião conjunta com a equipe apresentandoo projeto PET com o propósito da extensão, com vistas a buscar a indicação de umCMEI. Com a indicação do CMEI, realizou contatos e visitas com vistas à configurarsolidariamente ação conjunta. Todo esse processo se sustenta na observação dospropósitos formativos do PET Conexões e no estudo da proposta curricular domunicípio e do Projeto Político Pedagógico - PPP do CMEI. Para explorar os saberes eaprendizados derivados desse encontro, numa perspectiva exploratória, recorremos aregistros de diário de campo, para evidenciar as demandas presentes no processo dearticulação junto as instâncias públicas do campo da EI e as primeiras apropriaçõesdesse cenário na comunidade envolvida.RESULTADOS E DISCUSSÕES: APRENDIZAGENS DO ENCONTRO COM O CAMPO DA EI Para chegarmos até aqui já passamos por um processo de realização de diversasatividades, entre elas estudos e pesquisas na área da EI, configurando uma proposição inicialpara articulação entre a comunidade. Sabíamos que precisávamos ter o que dizer/oferecer, umaproposição articuladora do grupo, mas que também precisaríamos estar abertos à proposições docontexto. Esse processo se deu de forma processual no interior do grupo À medida que ela [a tutora] falava sobre esse trabalho [a extensão], fui imaginando e criando muitas expectativas [...]. Percebi também que todos os presentes na reunião gostaram muito das propostas. (L.C.S 14 de Marcio de 2011.) A medida da sedimentação da proposta no grupo, a etapa de busca dos interlocutoresexternos gera ansiedade e receio. A idéia de parceria implica o encontro com o outro, um espaçoem aberto que revela tanto potência como responsabilidade, uma vez que a forma deencaminhar o processo tem implicações no resultado de adesão ou recusa. O primeiro contatocom a Equipe de EI do município foi agendado como uma reunião, integrando a tutora, asintegrantes do PET Conexões Educação e a equipe, obviamente. Tudo foi planejado comantecedência, com bastante entusiasmo e dedicação do grupo. Hoje, posso dizer que estou um tanto apreensiva, pois temos que organizar a reunião com a equipe da Serra, o que requer bastante responsabilidade e calmaria. Estou torcendo para que tudo caminhe bem. (R. N. 30 de Março de 2011)
  4. 4. Com a reunião, o temor se desfez e primeiro aprendizado se destacou, emergiuuma observação de como o campo estava aberto à parceria, de como a troca parecia seanunciar: Para minha surpresa elas [as representantes da equipe de Educação Infantil do município da Serra] disseram que ficaram muito felizes em abrir esse espaço [o Centro municipal de educação infantil] para a elaboração das nossas pesquisas. Achei também muito correto o fato da nossa tutora ter dito que nenhuma escola deve se sentir obrigada a nos receber e que não estamos desenvolvendo essa extensão para “consertar a escola”, mas sim para contribuir. (L. C. S 04 de Abril de 2011.)Estabelecidos os primeiros elos, partimos para o estudo do material orientador dotrabalho do CMEI, que foi nos indicado. Tínhamos duas tarefas a fazer: conhecer omaterial do CMEI e buscá-lo para o convite à parceria. Aqui a indicação era apenas aporta de entrada obedecendo as hierarquias institucionais. Assim, realizamos a análisedo estudo documental do material que sustenta o trabalho da instituição (Diretrizescurriculares do Município e Projeto Político Pedagógico da Instituição deEducação Infantil). Esse trabalho mobilizou no grupo a compreensão do seu carátermultidisciplinar, áreas afins que podem dialogar tendo como eixo o trabalho no campoda EI: Hoje houve discussão das diretrizes, levantamos algumas situações e opiniões sobre cada área de estudo, visando uma maior aproximação do grupo. Foi bem interessante, podemos evidenciar a base curricular dos cursos envolvidos com a educação infantil e retratar um pouco mais sobre a origem e o foco dos nossos cursos de graduação. (R. N 15 de Abril de 2011) O estudo também foi gerando novas vinculações com o campo da EI permitindoaperceber-se de detalhes, novos conhecimentos, dúvidas... Ao retomar os documentos da escola, em especial o Regimento, destacamos idéias muito legais, que nos provocou diversos temas de discussão. Um ponto foi o Art. 13 desse regimento (que fala do uso remédios na escola caso a criança esteja em tratamento); e o outro Art. 31 desse mesmo documento que trata da matricula de gêmeos, trigêmeos... nas instituições de educação infantil, nesse ultimo tema não encontrei uma respostas que esclarecesse minha dúvida, no entanto provocamos uma discussão bem interessante nesse sentido, usando de exemplos e casos de ilustração e reflexão. (K. K. A 04 de Agosto de 2011)Simultaneamente, ao estudo empreendemos esforços nos contatos com o CMEI.Reiteramos a idéia de receptividade, uma vez que os retornos se efetivaram e semobilizaram para espraiar a proposta no conjunto da instituição. Aqui observamos acomplexidade do trabalho institucional, que gera várias demandas emergenciais aosprofissionais, requerendo uma abertura e flexibilidade para o estabelecimento de
  5. 5. agendas. Assim, efetivamos nosso primeiro de articulação na instituição, e nosarredores: Enquanto aguardávamos a tutora, ficamos do lado de fora, andando pelas ruas, conhecendo um pouco da região, a configuração dos arredores, o espaço físico do CMEI, além de fotografar nossa presença. [...] Quando nos encaminhamos ao interior da instituição, vimos o pátio, passamos em meio às crianças que ainda faziam sua alimentação. [...] Saímos de lá, com uma positividade quanto à aceitação, já que nosso projeto inicial assemelhávasse com o intuito da instituição. (R.N 04 de julho de 2011)Com as premissas estabelecidas nesse contato articulador, sistematizamos a primeiraversão do projeto de extensão (CÔCO et al.), numa perspectiva de parceria e trabalhocompartilhado. Assim, a autoria está se efetivando de forma conjunta. Tambémencaminhamos nossa ambientação no CMEI No primeiro momento ficamos observando o lanche das crianças, logo depois fomos para a sala dos professores, nesse momento compartilhamos idéias sobre os documentos do CMEI e chamamos atenção para as práticas observadas fazendo conexão com os momentos já vividos por nós, tanto como estudantes, tanto como educadoras. (K. K. A 04 de Agosto de 2011) Temos o desafio de construir nossa aceitação junto a comunidade educativa,especialmente, junto às crianças que agora passam a nos conhecer. Da possibilidadedessa parceria poder derivar o desenvolvimento de atividades de formação com vistas àtroca de saberes sobre a docência, numa lógica de contribuição na formação dospetianos conexistas vinculados ao projeto educação e, simultaneamente, de configuraruma ação de contribuição com o trabalho do CMEI, produzindo conjuntamente erealizando a aplicação da anamnese das crianças. Assim, construímos nossas análises apartir de um trabalho em processo, que se encaminha com múltiplas vozes de váriospersonagens que dialogam. Com isso outras análises podem ser efetuadas e destacamos,somos apenas alguns dos autores que se integram nessa rede dialógica desse fazervinculado à extensão (BAKHTIN, 2005, p. 207). Portanto, o trabalho continua com osmovimentos de construção conjunta do instrumento para a ação e a execução dotrabalho. Desejamos que com esse projeto, outras vozes ganhem potência, penetrandonos espaços acadêmicos de reconhecimento e prestígio, dando visibilidade ao trabalhono campo da EI. AGRADECIMENTOS Agradecemos à Secretaria Municipal de Educação do Município de Serra,Espírito Santo, à equipe de Educação Infantil e especialmente, a todos os profissionais e
  6. 6. as crianças do CMEI Primeiro Passo, que tem acolhido nossa proposta de extensão e,com isso, oportunizado nosso aprendizado no campo da Educação Infantil. REFERENCIASCÔCO, V. [et al]. Educação Infantil. O trabalho docente no encontro com as crianças.Projeto de extensão. Vitória, Espírito Santo: UFES, 2011 (circulação restrita).BAKHTIN, M. M. Problemas da Poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: ForenseUniversitária, 2005.BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.BAKHTIN, M. M. Toward a Philosophy of the Act. Austin: University of Texas Press,1993 (tradução para uso didático e acadêmico de Carlos Alberto Faraco e CristóvãoTezza, circulação restrita).

×