Autobiografia de Luís de Camões

1.298 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autobiografia de Luís de Camões

  1. 1. Por: Letícia Oliveira
  2. 2.   Luís Vaz de Camões nasceu entre 1517 e 1525, provavelmente em Lisboa.  Supostamente, pertencia á pequena nobreza e devido aos seus vastos conhecimentos e cultura, suspeita-se que terá estudado na Universidade de Coimbra, apesar de não haver provas.  Em 1549 para Ceuta, onde permaneceu até 1551 e onde perdeu o seu olho. Biografia
  3. 3.  Em 1572 publicou os Lusíadas  Em 1552 foi preso, na Cadeia do Tronco, em Lisboa, por ter ferido um homem. Passados alguns meses, em 1553, foi liberto, e embarcou para a Índia ao serviço do Rei.  Em 1556 exerceu serviço militar e alguns cargos administrativos na Índia, e esteve preso na prisão de Goa.  Nos anos seguintes, foi soldado e funcionário no Oriente, e pensa-se que exerceu na China o cargo de Provedor dos Defuntos Ausentes.
  4. 4.   Em 1556 partiu para Macau onde viveu numa gruta, onde terá escrito grande parte de “Os Lusíadas”
  5. 5.
  6. 6.   O barco onde ia, com direção á Índia, naufragou na foz do rio Mekong, mas conseguiu salvar a sua obra.  Em 1560 regressou a Goa e em 1562 acabou por ser aprisionado devido ás suas dívidas, mas foi liberto pelo Vice-Rei D. Francisco Coutinho.  Em 1570 regressou a Lisboa e em 1571 obteve licença para publicar “Os Lusíadas”, mas meses antes da sua publicação, lera-o a D. Sebastião.  Em 1572 D. Sebastião recompensou o poeta pelos serviços prestados.
  7. 7.   Morreu em 1580 no dia 10 de Junho, e foi enterrado numa campa, numa igreja perto do local onde falecera.  Na sepultura de Camões fora escrito, por um amigo dele: “Aqui jaz Luís Vaz de Camões, príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente. e assim morreu”  Com o terramoto de 1755 o túmulo foi perdido.
  8. 8.
  9. 9.  “No entanto, sobre a vida de Camões, é difícil saber distinguir o que é realidade, daquilo que é mito e lenda romântica.
  10. 10.  1572-Os Lusíadas  1595 - Amor é fogo que arde sem se ver  1595 - Eu cantarei o amor tão docemente  1595 - Verdes são os campos  1595 - Que me quereis, perpétuas saudades?  1595 - Sobolos rios que vão  1595 - Transforma-se o amador na cousa amada  1595 - Sete anos de pastor Jacob servia  1595 - Alma minha gentil, que te partiste  1595 - Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades  1595 - Quem diz que Amor é falso ou enganoso  1587 - El-Rei Seleuco.  1587 - Auto de Filodemo.  1587 - Anfitriões OBRAS
  11. 11.  Os Lusíadas
  12. 12.  Divide-se em 10 cantos, com um numero variável de estrofes em cada canto. (o canto mais longo é o X, com 156 estrofes)  Cada estância tem 8 versos (oitava)  Cada verso tem 10 silabas métricas.  Tem o mesmo esquema rimático em todas as estrofes: rima cruzada nos 6 primeiros versos, e rima emparelhada nos 2 últimos (“As armas e os barões assinalados ---a Que, da Ocidental praia Lusitana, ---b Por mares nunca dantes navegados --a Passaram ainda além da Taprobana, --b Em perigos e guerras esforçados --a Mais do que prometia a força humana, -b E entre gente remota edificaram --c Novo reino, que tanto sublimaram; ) --c Estrutura Externa Rima cruzada Rima Emparelhada
  13. 13.   Os Lusíadas estão divididos em 4 partes:  Proposição (canto I, est. 3) /o poeta expõe o que se propõe a cantar/ ;  Invocação (Canto I, est. 4-5) /Invoca as ninfas do Tejo pedindo-lhes inspiração/ ;  Dedicatória (Canto I, est. 6-18) /dedica o poema a D. Sebastião/  Narração (Canto I est. 19-até ao fim) /Narra a viagem de Vasco da Gama á India e a História de Portugal, começando a narração in media res/  E em 4 planos:  Plano da Viagem de Vasco da Gama á India (ação central)  Plano da História de Portugal  Plano do Maravilhoso  Plano do Poeta Estrutura Interna
  14. 14.  “Os Lusíadas” é um texto narrativo em prosa, mais especificamente uma epopeia, escrito na época Renascentista.  Através do uso da epopeia, e da mitologia romana, percebemos que na sua obra, Camões inspirou-se na literatura Greco- Romana, como a epopeia de Homero (a Odisseia) e de Virgílio (Eneida) . Na sua obra, o poeta pretende narrar e glorificar os feitos do povo português, sendo este o “herói” da obra (um herói colectivo). Fontes Literárias
  15. 15.  Luís de Camões inspirou-se em crónicas de Fernão Lopes e de Rui de Pina para “Os Lusíadas” que, apesar de ser uma obra literária e não uma obra de História, tem factos historicamente fundamentados, revelando a imaginação do poeta ao sobrevalorizar as capacidades humanas dos portugueses. Fontes Históricas
  16. 16.   http://www.slideshare.net/HMECOUT/camoes- vidaeobra  http://oslusiadas.no.sapo.pt/est_interna.html  http://oslusiadas.no.sapo.pt/est_externa.html  http://www.slideshare.net/rsn/os-lusadas-a- estrutura Bibliografia

×