Ações para defender seu bolso

339 visualizações

Publicada em

Reportagem Mostra como se defender do sobe e desce das bolsas de valores, com ações de defesa.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
339
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ações para defender seu bolso

  1. 1. AÇÕES PARA DEFENDER SEU BOLSO. Papéis que pagam bons dividendos e não passam por sobe e desce de preços garantem lucro em épocas de crise financeira. *** POR BÁRBARA LADEIA Mudam as palavras dos economistas e especialistas em finanças, mas a verdadeé que ninguém sabe o que vai acontecer com a economia mundial. No ano passado,países com Grécia e Itália afundaram em uma longa crise financeira que ainda não dásinais de alívio. O rebaixamento da nota que avalia a capacidade de os Estados Unidospagarem sua divida, feita pela agência de classificação de risco Standard & Poor´s, deuuma verdadeira rasteira no Ibovespa, índice brasileiro que reúne as ações maisnegociadas da bolsa de Valores. O Ibovespa chegou ao final do ano com queda de 18%e desabou 8% em um único dia. Quem investe em ações e perdeu dinheiro deve esperara melhora do mercado para recuperar a grana. Mas quem tem sangue frio e quer entrarno mercado pode aproveitar o preço baixo das ações. Para não ter surpresas com o sobe e desce da bolsa, uma alternativa é investir emações defensivas, verdadeiras guardiãs de sua carteira de investimentos. Esses papéissão aqueles que pagam dividendos e pertencem a setores em que o crescimento é certo.“São ativos com um desempenho único, funcionam como um ponto no meio docaminho entre a renda fixa e a renda variável”, diz Leandro Ruschel, sócio da Leandro& Stormer, escola de investimentos, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Quem adotouessa estratégia em 2011 se deu muito bem. No ano, as carteiras de ações que pagamdividendos das principais corretoras nacionais subiram 15% a 20%, enquanto oIbovespa caiu 18%. Quem entrou de cabeça nessa estratégia e levantou a guarda seprotegeu das perdas e ganhou dinheiro. A pouca oscilação das ações e a maior segurança de retorno tornam asdefensivas uma opção quase obrigatória em qualquer carteira. Marco Aurélio, analistada corretora Coinvalores, de São Paulo, sugere que todo investidor monte um pequenoexército para sua proteção. “Qualquer estratégia de investimentos em bolsa deve terpelo menos 20% do dinheiro aplicado em ações defensivas”, diz Marco. Pelo mesmomotivo, são ações que caem como luva no bolso de quem dá os primeiros passos nomercado de renda variável. À medida que ganhar mais experiência, o investidor podetomar mais risco, conseguindo maiores ganhos no dia a dia dos negócios. Por outrolado, ainda que sirva como escudo, uma carteira de dividendos é inadequada para quempretende usar a grana no curto prazo. “Não é uma opção para as pessoas que queremficar menos de um ano no mercado”, diz Pedro Galdi, analista da SLW Corretora, deSão Paulo.
  2. 2. Energia elétrica. Empresas com receitas previsíveis têm caixas mais estáveis e pagam melhoresdividendos ao investidor. Entram nesse grupo as companhias geradoras de energiaelétrica, que recebem do consumidor, mensalmente, o pagamento da conta de luz; asconcessionárias rodoviárias, que têm receita de pedágio; e as companhias detelecomunicações, que recebem o pagamento da conta de telefone. Assim, a receita daorganização estará garantida e, consequentemente, a distribuição de dividendos também. A dica para escolher uma ação desses setores é avaliar a necessidade deinvestimento da companhia. Quanto menos dinheiro for necessário para seucrescimento, maior será a capacidade de distribuir lucros. Outra forma de determinarqual papel comprar é pedir para sua corretora um dado com nome complicado, mas demuita importância: dividend yield. É um índice que mede a capacidade da empresa dedistribuir lucro com relação à cotação de suas ações. “A Eletropaulo paga os maioresdividendos do mercado”, diz Osmar Camilo, economista-chefe da corretora Socopa, emSão Paulo. Se os dividendos enchem os olhos, fique atento à periodicidade para que elesencham também seu bolso. Há organizações que pagam proventos mensais e anuais,mas a maioria distribui ou lucros trimestral ou semestralmente. As ações do setor elétrico são campeãs quando o objetivo é segurança dosinvestimentos e devem continuar assim nos próximos anos. “A demanda por energiacresce no mesmo ritmo do Produto Interno Bruto”, diz William Alves, analista da XPInvestimentos, do Rio de Janeiro. No entanto, Adriano Moreno, estrategista daFuturainvest, de Salvador, Bahia, destaca que é fundamental observar o negócio daempresa, já que 2012 será um ano diferente para geradoras. “A Agência Nacional deEnergia Elétrica (Aneel) limitou o ganho sobre investimentos das transmissoras, o queterá reflexo nos valores que serão pagos aos acionistas”. Teles, consumo e bancos. Outro setor conhecido por ter ações defensivas é o de telecomunicações. Oavanço na infraestrutura e a demanda crescente por conectividade garantem boasexpectativas de lucro para o preço desses papéis. A telefônica é apontada pela maioriados analistas como a companhia com maior potencial de crescimento. As ações deempresas ligadas ao consumo interno, como a fabricante de bebidas Ambev e aprodutora de cigarro Souza Cruz, também oferecem segurança ao investidor. “Se ocenário lá fora piorar, o governo pode intervir para estabilizar o consumo interno parafavorecer o desempenho dessas empresas”, diz Ari Santos, analista da HencorpCommcor Corretora, de São Paulo. No meio do caminho estão as ações dos bancos,porque o tamanho da crise internacional pode amarelar o desempenho desses papéis,segundo Fernando Góes, analista da octo Investimentos, do Rio de Janeiro. Do mesmojeito, as operadoras de cartões de crédito, como Cielo e Redecard, são vantajosas porqueo risco de inadimplência é reduzido.
  3. 3. Fonte: Revista Você S/AData: 25 de Fevereiro de 2012.

×