SlideShare uma empresa Scribd logo

Vencedores, vencidos e uma nova guerra - Uma análise da conjuntura

Vencedores, vencidos e uma nova guerra - Uma análise da conjuntura

1 de 9
Baixar para ler offline
#TAG REPORT
Helena Chagas
Lydia Medeiros
Vencedores, vencidos e uma nova guerra
Uma análise da conjuntura
Seja nos próximos dias ou em agosto, com resultado mais ou menos
distante do R$ 1 trilhão desejado, haverá reforma da Previdência — e,
com ela, vencedores, vencidos e um novo cenário político. Um desenho
que se completará com as tinturas carregadas do episódio Vaza-Jato e seus
desdobramentos, e, obviamente, com a sempre imprevisível influência do
traço voluntarista do estilo de governar do presidente da República. A
pergunta que se faz hoje é se, sob esse novo cenário, será possível,
finalmente, enfrentar os três grandes desafios que temos hoje:
1
1) Como relançar a atividade econômica;
2) Como criar um ambiente de segurança jurídica;
3) Como dar previsibilidade política ao país.
Tudo indica que será muito difícil. O dia seguinte da Previdência,
que poderá ser apenas em outubro, a depender da velocidade de votação no
Senado, promete acirrado conflito político entre as forças que se juntaram
para aprová-la. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sai como inegável
vitorioso, ao lado de seus aliados do DEM e do Centrão, fortalecendo o
campo da centro-direita, que fará, a partir de agora, contraponto cada vez
maior a Jair Bolsonaro e sua direita mais radical. Todos mirando 2022.
Maia e Bolsonaro, vêm marcando território, num prenúncio do que
virá. O deputado, machucado pela estratégia de Bolsonaro e das redes
governistas de tentar colocar a opinião pública contra o Congresso, vem
subindo o tom das declarações. Maia sabe que, com a Previdência, dará
uma demonstração de sua capacidade de forjar alianças e de força junto ao
establishment político. O presidente, com a popularidade se desgastando,
responde colocando o carro da reeleição à frente dos bois da realidade
política, talvez numa tentativa de manter agregada sua base ideológica e
vencer o isolamento político que ele mesmo plantou.
Bolsonaro recebe, para isso, a providencial ajuda de seu
superministro da Justiça, Sergio Moro, abalado pelas revelações dos
diálogos do The Intercept, legitimados agora por grandes veículos da mídia
como Folha de S.Paulo e Veja. Ao ganhar apoio do chefe numa hora tão
difícil, o cada vez mais político Moro — nome sempre lembrado para uma
candidatura presidencial — se abraçou a Bolsonaro. Seus destinos se
uniram de tal forma que o ex-juiz, no final da semana passada, já deu
declaração apoiando a reeleição de Bolsonaro. Seu nome começa a
aparecer como um possível candidato a vice, mas, sob a espada da Vaza-
Jato, nem Moro sabe o dia de amanhã.
2
Outros personagens se movimentam rumo ao novo cenário para
antecipar 2022. O governador de São Paulo, João Doria, é hoje objeto de
grande preocupação e irritação de Bolsonaro e representa uma ameaça real
de divisão das forças de direita. Acima de tudo, ele está levando para sua
órbita boa parte do establishment econômico que apoiou a eleição de
Bolsonaro e se decepcionou com o despreparo de seu governo. O
apresentador Luciano Huck está também em constante atividade junto aos
políticos. Para temor de Bolsonaro, há grande chance de esses
personagens, junto com Rodrigo Maia — nome citado aqui e ali como
possível vice — se juntarem numa chapa contra ele.
Faltam ainda mais de três anos para a eleição, e certamente esses
candidatos vão disputar espaço com um ou mais representantes da centro-
esquerda. Hoje, porém, direita e esquerda têm uma percepção em comum:
feito o dever de casa da Previdência, o que virá é guerra.
3
SENADO TOCAAGENDA DE COMPETITIVIDADE
Senadores estão extremamente preocupados com o ritmo da
economia. O tucano Tasso Jereissati, provável relator da reforma da
Previdência na Casa, vai pedir ao presidente Davi Alcolumbre
prioridade total para a votação de medidas voltadas à elevar a
competitividade e a produtividade da economia. Os projetos — alguns
já votados, como o cadastro positivo e a Lei das Agências Reguladoras
— estão reunidos em trabalho realizado sob seu comando pela
Comissão de Assuntos Econômicos na legislatura passada. A lista
completa está em http://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento/
download/9d547dbe-9755-4f5b-83d0-877543ba588b
BOLSONARO É O MAOR FATOR DE RISCO
Quando parecia ter perdido o controle das forças do Centrão na
comissão especial da reforma da Previdência, Rodrigo Maia, conseguiu
virar o jogo. Com o apoio dos governadores, dividiu o PSL e derrotou a
proposta do presidente da República de dar privilégios à aposentadoria dos
policiais. A polêmica ameaçava adiar a votação da reforma para o segundo
semestre. Maia também se entendeu com a bancada ruralista para excluir o
artigo do relatório que onerava as exportações agrícolas. Cumpriu o
calendário. Até aqui.
A semana que começa, porém, representa seu maior desafio. Todos os
precedentes de votações na Câmara contrariam o compromisso assumido
por Maia de aprovar uma emenda constitucional tão complexa, em dois
turnos, em apenas dez dias — tempo que resta até o início do recesso
parlamentar. Maia jogou todo o seu prestígio nesse calendário, pautando o
mercado financeiro e outras forças interessadas na reforma. Pode fazer o
milagre, mas se fracassar, corre o risco da desmoralização.
Para evitar esse cenário, líderes aliados do presidente da Câmara
articulam uma alternativa mais realista — votar ainda antes do recesso
apenas o texto-base da reforma. Esperam que seja suficiente para aplacar
as inquietações dos agentes econômicos e manter a confiança na liderança
de Maia. O debate em torno das mudanças no texto, que é o que realmente
conta, ficaria para agosto. Aprovado, chegaria ao Senado em setembro. E a
batalha recomeça.
O principal adversário dessa estratégia é o presidente da República.
Na última semana, foi motivo de piada ou incredulidade o fato de
Bolsonaro, diante do impacto da reforma para o país, ter se ocupado
apenas da situação dos policiais, inclusive com telefonemas a deputados.
4
Ele já deu sinais de que se manterá em campanha tanto na votação no
plenário da Câmara quanto no Senado. E é aí que mora o perigo.
EDUCAÇÃO EM CHOQUE: DESMONTE NAS UNIVERSIDADES
Guardado a sete chaves, mas já concluído pelo MEC e pela equipe
econômica, um projeto que prevê profunda reforma nas universidades
públicas deve ser anunciado nos próximos dias. Para reduzir de forma
permanente e profunda o orçamento federal para essas instituições, a
intenção do governo é flexibilizar o modelo atual de gestão e permitir que
elas atuem como empresas. Significa poder demitir e captar recursos
prestando serviços e firmando contratos com empresas privadas que hoje
podem ser proibidos.
Técnicos que já analisaram as linhas gerais afirmam que a etapa
seguinte seria congelar os orçamentos em patamares baixos e deixar de
financiar qualquer projeto que ultrapasse esses limites, inclusive pesquisas
e contratações. A cobrança de mensalidades pelas instituições que hoje
oferecem serviços gratuitos também seria permitida, como forma de
financiamento.
Na equipe econômica, alguns defendem que o anúncio seja
postergado para depois da promulgação da reforma da Previdência, já que
deverá provocar enorme polêmica, provocando novamente os estudantes a
irem às ruas.
FUNDEB ESTÁ SALVO
Depois de lutar contra a inclusão do Fundeb de forma permanente na
Constituição, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, capitulou.
Na quinta-feira, ele enviou à relatora do projeto (PEC 15/15), deputada
Professora Dorinha (DEM-TO), proposta para aumentar em 50% a
5
participação federal no fundo, hoje de 10% — em torno de R$ 14 bilhões.
Ainda está longe dos 40% de participação da União reivindicados pelos
governadores, mas a relatora viu motivos para comemorar. “Diante do
cenário inicial de desvinculação total, considero um avanço. Estamos
fechando um ciclo de 14 anos sem ter ultrapassado os 10%”, afirmou.
O aumento proposto pelo governo — de 10% do Fundo para 15% —
será gradual. A partir de 2021, subirá um ponto percentual a cada ano até
2025. A relatora pretende aprovar a proposta antes do recesso na comissão
especial. Ela adotou proposta do movimento Todos pela Educação que
altera os critérios de distribuição dos recursos federais. Em vez de levar
em conta apenas o número de matrículas de cada rede municipal, será
considerada a renda, de forma a reduzir desigualdades. Ou seja, os mais
pobres terão prioridade, independentemente do estado. Estudos do Todos
pela Educação mostram que a só essa mudança já é capaz de elevar o gasto
médio por aluno a patamares mínimos com impacto na qualidade do
aprendizado. O investimento per capita brasileiro por aluno é um dos mais
baixos do mundo:
Fonte: Todos pela Educação
6
0
6000
12000
18000
24000
LuxemburgoEUA Noruega França OCDE Chile Brasil ColômbiaMéxico
Gasto anual por estudante (US$)

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer Aquiles Lins
 
Tribuna classista 25
Tribuna classista 25Tribuna classista 25
Tribuna classista 25Anasor Searom
 
Agenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuro
Agenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuroAgenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuro
Agenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuroTGI Consultoria em Gestão
 
Temer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASIL
Temer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASILTemer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASIL
Temer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASILELIAS OMEGA
 
Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3
Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3
Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3Luciana Moherdaui
 
Brasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lulaBrasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lulaCIRINEU COSTA
 
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1Jamildo Melo
 
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55Liderança da Oposição
 
Dilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciais
Dilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciaisDilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciais
Dilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciaisFernando Alcoforado
 
Boletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...
Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...
Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...Professor Belinaso
 
Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)
Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)
Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)PaulodeTarsodosReisL
 
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaRendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaGRAZIA TANTA
 

Mais procurados (20)

Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
 
Tc 24
Tc 24Tc 24
Tc 24
 
Tribuna classista 25
Tribuna classista 25Tribuna classista 25
Tribuna classista 25
 
Jornal digital 16-03-17
Jornal digital 16-03-17Jornal digital 16-03-17
Jornal digital 16-03-17
 
Agenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuro
Agenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuroAgenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuro
Agenda TGI 2019: As pessoas, a cidade e o futuro
 
Temer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASIL
Temer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASILTemer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASIL
Temer-Temer tira a grande imprensa do vermelho EM 16 DE OUTUBRO DE 2016 BRASIL
 
Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3
Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3
Obituário do Ruy Mesquita no Estadão: Página A3
 
Brasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lulaBrasil – o resultado da marolinha do lula
Brasil – o resultado da marolinha do lula
 
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
 
Folha de S.Paulo - Poder
Folha de S.Paulo - Poder Folha de S.Paulo - Poder
Folha de S.Paulo - Poder
 
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
 
Dilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciais
Dilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciaisDilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciais
Dilma roussef x aécio neves no 2º turno das eleições presidenciais
 
Boletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 30 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Análise Governo Tarso Genro
Análise Governo Tarso GenroAnálise Governo Tarso Genro
Análise Governo Tarso Genro
 
Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...
Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...
Os 30 Anos da Constituição e os desafios para o Brasil sair da crise - Ana Pa...
 
Jornal digital 28-12-17
Jornal digital 28-12-17Jornal digital 28-12-17
Jornal digital 28-12-17
 
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
 
Jornal digital 18 01-18
Jornal digital 18 01-18Jornal digital 18 01-18
Jornal digital 18 01-18
 
Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)
Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)
Bussola covid19 report_diario_07_19 (1)
 
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaRendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
 

Semelhante a Vencedores, vencidos e uma nova guerra - Uma análise da conjuntura

Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018Burson-Marsteller Brasil
 
Sinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasil
Sinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasilSinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasil
Sinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasilFernando Alcoforado
 
Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827
Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827
Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827Portal NE10
 
Jornais e blogs 31.1.14
Jornais e blogs 31.1.14Jornais e blogs 31.1.14
Jornais e blogs 31.1.14contraocrack
 
Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes
Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes
Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes Paulo Souza
 
Entrevista completa de Rui Falcão para Brasil Econômico
Entrevista completa de Rui  Falcão para Brasil Econômico Entrevista completa de Rui  Falcão para Brasil Econômico
Entrevista completa de Rui Falcão para Brasil Econômico ruifalcao13156
 
Discurso de-despedida-do-bid-1
Discurso de-despedida-do-bid-1Discurso de-despedida-do-bid-1
Discurso de-despedida-do-bid-1Carlos Eduardo
 
Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018Burson-Marsteller Brasil
 
Jornal digital 26 de janeiro de 2017
Jornal digital 26 de janeiro de 2017Jornal digital 26 de janeiro de 2017
Jornal digital 26 de janeiro de 2017Jornal Correio do Sul
 

Semelhante a Vencedores, vencidos e uma nova guerra - Uma análise da conjuntura (20)

Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Fevereiro 2018
 
J. S. Gabrielli Conjuntura #114
J. S. Gabrielli Conjuntura #114J. S. Gabrielli Conjuntura #114
J. S. Gabrielli Conjuntura #114
 
J S Gabrielli Conjuntura #116
J S Gabrielli Conjuntura #116J S Gabrielli Conjuntura #116
J S Gabrielli Conjuntura #116
 
Sinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasil
Sinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasilSinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasil
Sinais de tentativa de golpe de estado em marcha no brasil
 
Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827
Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827
Doc relatorio-legislativo-sf199003137252-20190827
 
Boletim de Conjuntura 58 - J S Gabrielli
Boletim de Conjuntura 58 - J S GabrielliBoletim de Conjuntura 58 - J S Gabrielli
Boletim de Conjuntura 58 - J S Gabrielli
 
Jornal digital 21 11-17
Jornal digital 21 11-17Jornal digital 21 11-17
Jornal digital 21 11-17
 
Conjuntura J S Gabrielli #64 08 nov 21
Conjuntura J S Gabrielli #64 08 nov 21Conjuntura J S Gabrielli #64 08 nov 21
Conjuntura J S Gabrielli #64 08 nov 21
 
Conjuntura Semanal #84 por J S Gabrielli.pdf
Conjuntura Semanal #84 por J S Gabrielli.pdfConjuntura Semanal #84 por J S Gabrielli.pdf
Conjuntura Semanal #84 por J S Gabrielli.pdf
 
Jornais e blogs 31.1.14
Jornais e blogs 31.1.14Jornais e blogs 31.1.14
Jornais e blogs 31.1.14
 
J S Grabrielli Conjuntura #105
J S Grabrielli Conjuntura #105J S Grabrielli Conjuntura #105
J S Grabrielli Conjuntura #105
 
Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes
Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes
Carta aberta - Por um PDT que honre suas raízes
 
Entrevista completa de Rui Falcão para Brasil Econômico
Entrevista completa de Rui  Falcão para Brasil Econômico Entrevista completa de Rui  Falcão para Brasil Econômico
Entrevista completa de Rui Falcão para Brasil Econômico
 
Discurso de-despedida-do-bid-1
Discurso de-despedida-do-bid-1Discurso de-despedida-do-bid-1
Discurso de-despedida-do-bid-1
 
Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018
Public Affairs - Boletim Mensal | Março 2018
 
Jornal digital 26 de janeiro de 2017
Jornal digital 26 de janeiro de 2017Jornal digital 26 de janeiro de 2017
Jornal digital 26 de janeiro de 2017
 
Jornal digital 21 02-18
Jornal digital 21 02-18Jornal digital 21 02-18
Jornal digital 21 02-18
 
Conjuntura #68 J S Gabrielli 06 dez 2021
Conjuntura #68 J S Gabrielli 06 dez 2021Conjuntura #68 J S Gabrielli 06 dez 2021
Conjuntura #68 J S Gabrielli 06 dez 2021
 
Jornal digital 4924_ter_24052016
Jornal digital 4924_ter_24052016Jornal digital 4924_ter_24052016
Jornal digital 4924_ter_24052016
 
Conjuntura Semanal #094 J. S. Gabrielli
Conjuntura Semanal #094 J. S. GabrielliConjuntura Semanal #094 J. S. Gabrielli
Conjuntura Semanal #094 J. S. Gabrielli
 

Mais de Editora 247

Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelarConib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelarEditora 247
 
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24Editora 247
 
Depreciação Imediata
Depreciação Imediata Depreciação Imediata
Depreciação Imediata Editora 247
 
Balanço Gestão
Balanço Gestão Balanço Gestão
Balanço Gestão Editora 247
 
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdfNota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdfEditora 247
 
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesMoraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesEditora 247
 
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegraFazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegraEditora 247
 
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdfQUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdfEditora 247
 
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1Editora 247
 
Apesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço FiscalApesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço FiscalEditora 247
 
Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019Editora 247
 
GENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMIGENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMIEditora 247
 
119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDF119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDFEditora 247
 
Minuta de Portaria
Minuta de PortariaMinuta de Portaria
Minuta de PortariaEditora 247
 
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdfRepresentação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdfEditora 247
 
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdfIphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdfEditora 247
 

Mais de Editora 247 (20)

Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelarConib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
 
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
 
Depreciação Imediata
Depreciação Imediata Depreciação Imediata
Depreciação Imediata
 
Balanço Gestão
Balanço Gestão Balanço Gestão
Balanço Gestão
 
Protocolo
ProtocoloProtocolo
Protocolo
 
PGR
PGRPGR
PGR
 
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdfNota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdf
 
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesMoraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
 
GENIAL QUAEST
GENIAL QUAESTGENIAL QUAEST
GENIAL QUAEST
 
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegraFazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
 
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdfQUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
 
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
 
Apesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço FiscalApesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço Fiscal
 
Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019
 
GENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMIGENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMI
 
119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDF119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDF
 
Minuta de Portaria
Minuta de PortariaMinuta de Portaria
Minuta de Portaria
 
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdfRepresentação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
 
Davos_full_2023
Davos_full_2023Davos_full_2023
Davos_full_2023
 
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdfIphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
 

Vencedores, vencidos e uma nova guerra - Uma análise da conjuntura

  • 1. #TAG REPORT Helena Chagas Lydia Medeiros Vencedores, vencidos e uma nova guerra Uma análise da conjuntura Seja nos próximos dias ou em agosto, com resultado mais ou menos distante do R$ 1 trilhão desejado, haverá reforma da Previdência — e, com ela, vencedores, vencidos e um novo cenário político. Um desenho que se completará com as tinturas carregadas do episódio Vaza-Jato e seus desdobramentos, e, obviamente, com a sempre imprevisível influência do traço voluntarista do estilo de governar do presidente da República. A pergunta que se faz hoje é se, sob esse novo cenário, será possível, finalmente, enfrentar os três grandes desafios que temos hoje: 1
  • 2. 1) Como relançar a atividade econômica; 2) Como criar um ambiente de segurança jurídica; 3) Como dar previsibilidade política ao país. Tudo indica que será muito difícil. O dia seguinte da Previdência, que poderá ser apenas em outubro, a depender da velocidade de votação no Senado, promete acirrado conflito político entre as forças que se juntaram para aprová-la. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sai como inegável vitorioso, ao lado de seus aliados do DEM e do Centrão, fortalecendo o campo da centro-direita, que fará, a partir de agora, contraponto cada vez maior a Jair Bolsonaro e sua direita mais radical. Todos mirando 2022. Maia e Bolsonaro, vêm marcando território, num prenúncio do que virá. O deputado, machucado pela estratégia de Bolsonaro e das redes governistas de tentar colocar a opinião pública contra o Congresso, vem subindo o tom das declarações. Maia sabe que, com a Previdência, dará uma demonstração de sua capacidade de forjar alianças e de força junto ao establishment político. O presidente, com a popularidade se desgastando, responde colocando o carro da reeleição à frente dos bois da realidade política, talvez numa tentativa de manter agregada sua base ideológica e vencer o isolamento político que ele mesmo plantou. Bolsonaro recebe, para isso, a providencial ajuda de seu superministro da Justiça, Sergio Moro, abalado pelas revelações dos diálogos do The Intercept, legitimados agora por grandes veículos da mídia como Folha de S.Paulo e Veja. Ao ganhar apoio do chefe numa hora tão difícil, o cada vez mais político Moro — nome sempre lembrado para uma candidatura presidencial — se abraçou a Bolsonaro. Seus destinos se uniram de tal forma que o ex-juiz, no final da semana passada, já deu declaração apoiando a reeleição de Bolsonaro. Seu nome começa a aparecer como um possível candidato a vice, mas, sob a espada da Vaza- Jato, nem Moro sabe o dia de amanhã. 2
  • 3. Outros personagens se movimentam rumo ao novo cenário para antecipar 2022. O governador de São Paulo, João Doria, é hoje objeto de grande preocupação e irritação de Bolsonaro e representa uma ameaça real de divisão das forças de direita. Acima de tudo, ele está levando para sua órbita boa parte do establishment econômico que apoiou a eleição de Bolsonaro e se decepcionou com o despreparo de seu governo. O apresentador Luciano Huck está também em constante atividade junto aos políticos. Para temor de Bolsonaro, há grande chance de esses personagens, junto com Rodrigo Maia — nome citado aqui e ali como possível vice — se juntarem numa chapa contra ele. Faltam ainda mais de três anos para a eleição, e certamente esses candidatos vão disputar espaço com um ou mais representantes da centro- esquerda. Hoje, porém, direita e esquerda têm uma percepção em comum: feito o dever de casa da Previdência, o que virá é guerra. 3 SENADO TOCAAGENDA DE COMPETITIVIDADE Senadores estão extremamente preocupados com o ritmo da economia. O tucano Tasso Jereissati, provável relator da reforma da Previdência na Casa, vai pedir ao presidente Davi Alcolumbre prioridade total para a votação de medidas voltadas à elevar a competitividade e a produtividade da economia. Os projetos — alguns já votados, como o cadastro positivo e a Lei das Agências Reguladoras — estão reunidos em trabalho realizado sob seu comando pela Comissão de Assuntos Econômicos na legislatura passada. A lista completa está em http://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento/ download/9d547dbe-9755-4f5b-83d0-877543ba588b
  • 4. BOLSONARO É O MAOR FATOR DE RISCO Quando parecia ter perdido o controle das forças do Centrão na comissão especial da reforma da Previdência, Rodrigo Maia, conseguiu virar o jogo. Com o apoio dos governadores, dividiu o PSL e derrotou a proposta do presidente da República de dar privilégios à aposentadoria dos policiais. A polêmica ameaçava adiar a votação da reforma para o segundo semestre. Maia também se entendeu com a bancada ruralista para excluir o artigo do relatório que onerava as exportações agrícolas. Cumpriu o calendário. Até aqui. A semana que começa, porém, representa seu maior desafio. Todos os precedentes de votações na Câmara contrariam o compromisso assumido por Maia de aprovar uma emenda constitucional tão complexa, em dois turnos, em apenas dez dias — tempo que resta até o início do recesso parlamentar. Maia jogou todo o seu prestígio nesse calendário, pautando o mercado financeiro e outras forças interessadas na reforma. Pode fazer o milagre, mas se fracassar, corre o risco da desmoralização. Para evitar esse cenário, líderes aliados do presidente da Câmara articulam uma alternativa mais realista — votar ainda antes do recesso apenas o texto-base da reforma. Esperam que seja suficiente para aplacar as inquietações dos agentes econômicos e manter a confiança na liderança de Maia. O debate em torno das mudanças no texto, que é o que realmente conta, ficaria para agosto. Aprovado, chegaria ao Senado em setembro. E a batalha recomeça. O principal adversário dessa estratégia é o presidente da República. Na última semana, foi motivo de piada ou incredulidade o fato de Bolsonaro, diante do impacto da reforma para o país, ter se ocupado apenas da situação dos policiais, inclusive com telefonemas a deputados. 4
  • 5. Ele já deu sinais de que se manterá em campanha tanto na votação no plenário da Câmara quanto no Senado. E é aí que mora o perigo. EDUCAÇÃO EM CHOQUE: DESMONTE NAS UNIVERSIDADES Guardado a sete chaves, mas já concluído pelo MEC e pela equipe econômica, um projeto que prevê profunda reforma nas universidades públicas deve ser anunciado nos próximos dias. Para reduzir de forma permanente e profunda o orçamento federal para essas instituições, a intenção do governo é flexibilizar o modelo atual de gestão e permitir que elas atuem como empresas. Significa poder demitir e captar recursos prestando serviços e firmando contratos com empresas privadas que hoje podem ser proibidos. Técnicos que já analisaram as linhas gerais afirmam que a etapa seguinte seria congelar os orçamentos em patamares baixos e deixar de financiar qualquer projeto que ultrapasse esses limites, inclusive pesquisas e contratações. A cobrança de mensalidades pelas instituições que hoje oferecem serviços gratuitos também seria permitida, como forma de financiamento. Na equipe econômica, alguns defendem que o anúncio seja postergado para depois da promulgação da reforma da Previdência, já que deverá provocar enorme polêmica, provocando novamente os estudantes a irem às ruas. FUNDEB ESTÁ SALVO Depois de lutar contra a inclusão do Fundeb de forma permanente na Constituição, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, capitulou. Na quinta-feira, ele enviou à relatora do projeto (PEC 15/15), deputada Professora Dorinha (DEM-TO), proposta para aumentar em 50% a 5
  • 6. participação federal no fundo, hoje de 10% — em torno de R$ 14 bilhões. Ainda está longe dos 40% de participação da União reivindicados pelos governadores, mas a relatora viu motivos para comemorar. “Diante do cenário inicial de desvinculação total, considero um avanço. Estamos fechando um ciclo de 14 anos sem ter ultrapassado os 10%”, afirmou. O aumento proposto pelo governo — de 10% do Fundo para 15% — será gradual. A partir de 2021, subirá um ponto percentual a cada ano até 2025. A relatora pretende aprovar a proposta antes do recesso na comissão especial. Ela adotou proposta do movimento Todos pela Educação que altera os critérios de distribuição dos recursos federais. Em vez de levar em conta apenas o número de matrículas de cada rede municipal, será considerada a renda, de forma a reduzir desigualdades. Ou seja, os mais pobres terão prioridade, independentemente do estado. Estudos do Todos pela Educação mostram que a só essa mudança já é capaz de elevar o gasto médio por aluno a patamares mínimos com impacto na qualidade do aprendizado. O investimento per capita brasileiro por aluno é um dos mais baixos do mundo: Fonte: Todos pela Educação 6 0 6000 12000 18000 24000 LuxemburgoEUA Noruega França OCDE Chile Brasil ColômbiaMéxico Gasto anual por estudante (US$)
  • 7. QUE FIM LEVOU? Noticiada com estardalhaço pelo MEC, a “Lava-Jato da Educação” nunca saiu dos discursos do ex-ministro Ricardo Vélez e do ministro Sérgio Moro. A notícia de uma ampla investigação em contratos do ministério era mesmo um factoide — como, aliás, se desconfiava desde o primeiro momento. INCOMPATIBILIDADE DE GÊNIOS A cada visita do ministro Abraham Weintraub à Comissão de Educação da Câmara cresce a animosidade entre ele e os deputados. Dias atrás, o ministro da Educação irritou os integrantes do colegiado ao apresentar um power point de dois slides, numa audiência sobre o Fundeb, se retirar da sala. Outra crítica dos parlamentares é o fato de o ministro sempre leva as piores notícias à Casa, mas mantém um intrigante ar de satisfação. “Ele é um sádico”, desabafa um deputado. E AÍ? HUSSEIN KALOUT RESPONDE SOBRE ACORDO MERCOSUL-UNIÃO EUROPEIA Cientista político e pesquisador da Universidade de Harvard, o ex- secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência (2017-2028) Hussein Kalout conversou com a TAG REPOT sobre os desafios brasileiros diante do acordo Mercosul-União Europeia. O acordo Mercosul-União Europeia assinado é uma carta de intenções políticas e obriga mudanças de comportamento em questões como meio ambiente. Como acha que o governo Bolsonaro deverá reagir? Vai mudar de orientação? 7
  • 8. — Desde a Eco-1992, no Rio, o Estado brasileiro assumiu diversos compromissos internacionais com agenda do desenvolvimento sustentável. Esses compromissos vem sendo cumpridos, ao longo das últimas décadas, por meio dos mais variados governos. O Acordo Mercosul-União Europeia não substitui as amplas responsabilidades já assumidas. O governo reiterou a sua intenção de permanecer no Acordo de Paris. Os EUA tendem a reagir ou vão continuar assistindo passivamente ao avanço da Europa, China e Russia na América Latina? — Cabe ao Brasil, como a maior nação latino-americana, não deixar vácuo de poder ou permitir que atores extrarregionais atuem em nosso espaço geoestratégico. AAmérica do Sul é uma área intrinsecamente vinculada à segurança nacional do Estado brasileiro. Portanto, nós devemos oferecer uma alternativa de desenvolvimento para a nossa região, independentemente de China, Rússia, EUA e Europa. Falta ao Brasil estratégia de política externa para lidar com esse novo mundo? Se sim, por que? — Toda política externa precisa se atualizar, se aperfeiçoar e funcionar em conformidade com o interesse nacional. Isto significa, por assim dizer, que nossa atuação no mundo precisa ser convertida em benefícios reais para a sociedade — em emprego, renda, investimentos, progresso tecnológico, segurança e bem-estar. Não se pode formular política exterior descompassada da realidade ou baseada em visões singulares do mundo. A nossa importância como uma das dez maiores economias mundiais nos compele a atuar de forma racional e responsável, para não causar danos aos nossos interesses estratégicos. 8