Ciências Naturais Lenora Ferreira, Nº 20, 7º A Disjunções Prismáticas na chaminé vulcânica do Penedo do Lexim Escola Secun...
Penedo Do Lexim O Penedo do Lexim está localizado a cerca de 30 km de Lisboa . Este local, com  origem no complexo vulcâni...
Olivina A olivina é um dos minerais mais comuns da Terra , tendo sido encontrada em  rochas lunares, em meteoritos  e incl...
Piroxena O nome piroxena é derivado do grego  pyros , fogo, e de  xenos , estranho . A escolha do nome deriva de ser comum...
Ulvospinela Ulvospinela  é um mineral de óxido de ferro de titânio. Baptizado com o nome da localidade e do grupo de miner...
Plagioclase Plagioclase  é uma importante série de tectossilicatos da família dos feldspatos. Esta designação não se refer...
Calcite A Calcite , junto com a aragonita e a vaterita, é um mineral de composição química, com  clivagem romboédrica perf...
Apatite A  apatite  é um  mineral do grupo dos fosfatos . À  apatite impura  foi dado o nome de  Fosforita . A mesma é um ...
Feldspato Alcalino Feldspato é o nome de uma importante família de minerais ,  constituintes de   rochas que formam cerca ...
Fabrico  de  cerâmicas ;
Material de incorporação em tintas, plásticos e borrachas;
Produtos vidrados, como louça sanitária, louça de cozinha;
Entre outros. </li></ul>Os feldspatos possuem  numerosas aplicações na indústria,  devido ao  seu teor em alcalis e alumina.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Disjunções prismáticas na chaminé do Penedo do Lexim

1.482 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.482
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
66
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Disjunções prismáticas na chaminé do Penedo do Lexim

  1. 1. Ciências Naturais Lenora Ferreira, Nº 20, 7º A Disjunções Prismáticas na chaminé vulcânica do Penedo do Lexim Escola Secundária Augusto Gomes
  2. 2. Penedo Do Lexim O Penedo do Lexim está localizado a cerca de 30 km de Lisboa . Este local, com origem no complexo vulcânico da região de Lisboa foi, em tempos uma pedreira onde se realizava extração de basalto, sendo hoje em dia, considerado pratrimónio geológico. No mesmo, observam-se restos de uma chaminé vulcânica, o magma que a formou arrefeceu lentamente e gerou minerais bem desenvolvidos e arranjados em forma de colunas prismáticas. A rocha possui uma textura porfirítica com fenocristais de olivina, piroxena e ulvospinela. Microcritais de olivina, piroxena, ulvospinela e plagioclase constituem a matriz. A associação de calcite, apatite, feldspato alcalino, plagioclase, analcite, natrolite e interestratificados clorite definem a mesostase.
  3. 3. Olivina A olivina é um dos minerais mais comuns da Terra , tendo sido encontrada em rochas lunares, em meteoritos e inclusive em rochas de Marte. Os membros do grupo das olivinas são constituídos por silicatos de magnésio e ferro. A olivina transparente é por vezes usada com gema em joalharia , sendo geralmente designada como perídoto. Também por vezes chamada crisólito . A mesma apresenta-se geralmente com cor verde-oliva ou amarelo claro, podendo também apresentar-se com uma cor avermelhada devido à oxidação do ferro. Pensa-se que a cor verde seja devida à presença de pequenas quantidades de níquel. 60% de Olivina (cristais esverdiados) 30% de Piroxena (massa de critais escuros) Tem fratura concoidal , sendo bastante friável. A dureza é igual a 6.5 – 7. Os cristais de olivina são de brilho vítreo e sem clivagem.
  4. 4. Piroxena O nome piroxena é derivado do grego pyros , fogo, e de xenos , estranho . A escolha do nome deriva de ser comum encontrar piroxenas em lavas vulcânicas. Têm o nome de estranhos ao fogo por ter se assumido que as piroxenas eram impurezas que resistiam ao fogo . As piroxenas são minerais muito comuns nas rochas vulcânicas , com destaque para os basaltos. Também ocorrem com alguma frequência em rochas plutónicas e, embora com menor frequência, em rochas metamórficas. 60% de Olivina ( cristais esverdiados) 30% de Piroxena ( massa de cristais escuros) O manto superior da Terra é composto principalmente por olivinas e por piroxenas , daí a abundância destes minerais nas rochas ígneas .
  5. 5. Ulvospinela Ulvospinela é um mineral de óxido de ferro de titânio. Baptizado com o nome da localidade e do grupo de minerais espinélio. A mesma tem uma dureza Mohs de 5.5 – 6 , cor preta (castanho na luz refletida)e brilho metálico . É comum em magnetite titaníferas depósitos de minério de ferro. Ocorre também em kimberlitos, em alguns reduzidos de ferro-rolamento basaltos e é comum em lunar basaltos.
  6. 6. Plagioclase Plagioclase é uma importante série de tectossilicatos da família dos feldspatos. Esta designação não se refere a um mineral com uma composição química específica, mas sim a uma série de soluções sólidas, mais conhecida como a série da plagioclase. As plagioclases são importantes minerais constituintes da crosta terrestre sendo, consequentemente, uma importante ferramenta de diagnóstico em petrologia, na identificação da composição, génese e evolução de rochas ígneas . Tem uma dureza Mohs ~ 6.
  7. 7. Calcite A Calcite , junto com a aragonita e a vaterita, é um mineral de composição química, com clivagem romboédrica perfeita . É muito mais estável e menos solúvel em água que a aragonita. Cristaliza em uma grande variedade de formas e também como estalactites. Pode ser fluorescente e fosforescente . É fonte de cálcio e cal , sendo importante também como pedra decorativa e em instrumentos óticos. É o principal constituinte dos calcários e mármores , ocorrendo também em conchas , como cimento, em rochas sedimentares e em carbonatitos. É o 3.º termo da escala de dureza de Mohs.
  8. 8. Apatite A apatite é um mineral do grupo dos fosfatos . À apatite impura foi dado o nome de Fosforita . A mesma é um dos poucos minerais a serem produzidos e utilizados por sistemas biológicos. Está presente em rochas ígneas como carbonatitos, granitos, sienitos, dioritos, em lava , entre outros. Aparece também em rochas metamórficas como o micaxisto ,o calcário cristalino , etc. Também está presente como resíduo em alguns filões metalíferos de alta temperatura. O seu cristal é o 5.º termo da escala de Mohs , com uma dureza semelhante à do vidro .
  9. 9. Feldspato Alcalino Feldspato é o nome de uma importante família de minerais , constituintes de rochas que formam cerca de 60% da crosta terrestre. Os feldspatos ocorrem como minerais compactos, filões, empegmatitas e se desenvolvem em muitos tipos de rochas metamórficas. Também podem ser encontrados em alguns tipos de rochas sedimentares. As aplicações mais importantes são: <ul><li>Fabrico de vidro;
  10. 10. Fabrico de cerâmicas ;
  11. 11. Material de incorporação em tintas, plásticos e borrachas;
  12. 12. Produtos vidrados, como louça sanitária, louça de cozinha;
  13. 13. Entre outros. </li></ul>Os feldspatos possuem numerosas aplicações na indústria, devido ao seu teor em alcalis e alumina.
  14. 14. Analcite Analcite é um mineral translucente de cor esbranquiçada a cinzenta. É um mineral secundário , resultante da transformação da sodalite ou da nefelina, aparecendo em geral, incorporado em rochas sedimentares alcalinas , em especial arenitos , embora também frequente em rochas vulcânicas como o basalto. Não se conhecem utilizações económicas para a analcite, mas os seus melhores cristais, sobretudo os brancos e os rosados, são considerados importantes minerais para coleccionismo. Conhecida desde a antiguidade clássica, foi mencionada como mineral distinto somente no século XVIII pelo geólogo francês Déodat Gratet de Dolomieu. Existem jazidas na Escócia, Irlanda do Norte, Itália e nos Estados Unidos. Tem uma dureza Mohs de 5 – 5.5, brilho vítreo e uma clivagem fraca.
  15. 15. Natrolite Foi nomeado natrolite por Martin Heinrich Klaproth em 1803. Outros nomes são: Agulha de pedra ou agulha de zeólita. O mineral também ocorre frequentemente em agregados compactos fibrosos. O mineral é facilmente fundível , derretendo em uma vela de chama a que dá uma cor amarela devido à presença de sódio. Natrolite normalmente é branco ou incolor , mas também avermelhado ou amarelado . O brilho é vítreo , ou em amostras, finamente fibroso, sedoso. A dureza é de 5.5 . A sua clivagem é prefeita.
  16. 16. Clorite As clorites, do grego chloros , que significa verde constituem um grupo de minerais filossilicatos. A clorite é geralmente encontrada em rochas ígneas . A mesma é também um mineral metamórfico comum. Clinocloro, pennantite, e chamosite são as variedades mais comuns. Várias outras subvariedades têm sido descritas. A sua dureza é de 2 – 2.5. Tem uma clivagem perfeita e brilho vítreo. Existe em vários tons de verde, amarelo ou branco. A clorite é também um mineral metamórfico comum, geralmente indicativo de metamorfismo de baixa intensidade.
  17. 17. Fontes http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/1760/1/jb_vcng_prism.pdf http://geohistorialx.webnode.pt/complexo-vulcanico-lisboa/penedo-do-lexim/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Olivina http://www.infopedia.pt/$olivina http://pt.wikipedia.org/wiki/Piroxena http://en.wikipedia.org/wiki/Ulv%C3%B6spinel http://webmineral.com/data/Ulvospinel.shtml http://pt.wikipedia.org/wiki/Plagioclase http://www.infopedia.pt/$plagioclase http://pt.wikipedia.org/wiki/Calcita http://pt.wikipedia.org/wiki/Apatita http://pt.wikipedia.org/wiki/Feldspato http://pt.wikipedia.org/wiki/Analcite http://en.wikipedia.org/wiki/Natrolite http://pt.wikipedia.org/wiki/Clorite

×