SlideShare uma empresa Scribd logo

Programa de saúde da criança no brasil

Programa de saúde da criança Por: Leandro Silva, Elenilton, Eliane, Priscila.

1 de 27
Baixar para ler offline
Programa de saúde da criança no brasil
A nível federal, tratou-se a respeito
da saúde da criança quando foi
criado Departamento Nacional da
Criança, na década de 1940.
O primeiro programa de proteção à
maternidade, à infância e à adolescência de
que se
tem notícia foi instituído durante o Estado
Novo (1937/1945).
LEGENDA
DNRC: Departamento Nacional da Criança
CPMI: Coordenação de Proteção Materno-Infantil
DINSAMI: Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil
PAISMC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e
da Criança
PAISM: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher
PAISC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Criança
CORSAMI: Coordenação de Saúde Materno-Infantil
ATSCAM: Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento
O Departamento tinha como foco:
Programa Alimentar, Programa
Educativo, Programa de Formação de
Pessoal e Programa de Imunização.
Assim, o DNCr coordenou a assistência
materno-infantil no Brasil até o ano
de 1969.
Com a extinção do DNCr, em
1969, foi criada,
em 1970, a Coordenação de
Proteção Materno Infantil
(CPMI)
Em 1975, foi criado o Programa
Nacional de Saúde Materno-
Infantil, cujo propósito era
contribuir para a redução da
morbidade e da mortalidade da
mulher e da criança. Que em 1976,
passou a chamar-se Divisão
Nacional de
Saúde Materno-Infantil (DINSAMI).

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familiakarensuelen
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Luis Dantas
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Aline Bandeira
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãosProqualis
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaRuth Milhomem
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeJesiele Spindler
 
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsÉtica profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsJamessonjr Leite Junior
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIAAna Carolina Costa
 
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúdeIntrodução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúdeElizabeth- Ceut Monteiro
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saudedavinci ras
 

Mais procurados (20)

Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Aula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumidoAula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumido
 
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsÉtica profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúdeIntrodução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 

Destaque

atenção à saúde da criança
 atenção à saúde da criança atenção à saúde da criança
atenção à saúde da criançacharlesalannet
 
Política de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaPolítica de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaJosy Tosta
 
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...Leonardo Savassi
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do susRicardo Alexandre
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescenteyolandasergia
 
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...Luciana Monteiro
 
Aprender e empreender
Aprender e empreenderAprender e empreender
Aprender e empreenderLeandro Silva
 
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacaoSaude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacaoAna Luz Francés
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminárioLiene Campos
 
Vida historia do direito
Vida   historia do direitoVida   historia do direito
Vida historia do direitoDireito2012sl08
 
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2CARVALHO DA SILVA
 
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paertePelo Siro
 
Aprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o SebraeAprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o SebraeÓscar Curros
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaCamila Ferreira
 
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criançaFactores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criançaInês Mendes
 

Destaque (20)

Paisc
PaiscPaisc
Paisc
 
atenção à saúde da criança
 atenção à saúde da criança atenção à saúde da criança
atenção à saúde da criança
 
Política de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaPolítica de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criança
 
Trabalho Creche.
Trabalho Creche.Trabalho Creche.
Trabalho Creche.
 
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
Aula Fundamentos em Saúde da Criança UFMG para turmas Fisioterapia/ Fonoaudio...
 
Saúde da Criança - UFMG
Saúde da Criança - UFMGSaúde da Criança - UFMG
Saúde da Criança - UFMG
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Curso sebrae
Curso sebraeCurso sebrae
Curso sebrae
 
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
Tags como fonte de coleta de candidatos a termos para elaboração de vocabulár...
 
Aprender e empreender
Aprender e empreenderAprender e empreender
Aprender e empreender
 
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacaoSaude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
Saude crianca nutricao_aleitamento_alimentacao
 
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da CriançaSeminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
Seminário: A Saúde na Política Municipal São Paulo Carinhosa - Saúde da Criança
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
 
Vida historia do direito
Vida   historia do direitoVida   historia do direito
Vida historia do direito
 
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
Apostila empreendedorismo modulo_i_novo_2
 
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
 
Aprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o SebraeAprendendo a empreender com o Sebrae
Aprendendo a empreender com o Sebrae
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
 
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criançaFactores que afectam o desenvolvimento da criança
Factores que afectam o desenvolvimento da criança
 

Semelhante a Programa de saúde da criança no brasil

Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxMárcio Cristiano de Melo
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmamebibliotecasaude
 
Projeto puericultura
Projeto  puericulturaProjeto  puericultura
Projeto puericulturaIngrid Faria
 
programas de saude.pptx
programas de saude.pptxprogramas de saude.pptx
programas de saude.pptxAlice Costa
 
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. IIbibliotecasaude
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralLaped Ufrn
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. IIIbibliotecasaude
 
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha  -conversando_com_a_gestante_-_msCartilha  -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_msAlinebrauna Brauna
 
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaCamila Ferreira
 
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da SaúdeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Waded Schabib Hany
 
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...bibliotecasaude
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Programa de saúde da criança no brasil (20)

Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
 
Projeto puericultura
Projeto  puericulturaProjeto  puericultura
Projeto puericultura
 
Ciclo ii 02
Ciclo ii 02Ciclo ii 02
Ciclo ii 02
 
programas de saude.pptx
programas de saude.pptxprogramas de saude.pptx
programas de saude.pptx
 
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
 
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
2626-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. II
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra Geral
 
INTRODUCAO.docx
INTRODUCAO.docxINTRODUCAO.docx
INTRODUCAO.docx
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
 
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha  -conversando_com_a_gestante_-_msCartilha  -conversando_com_a_gestante_-_ms
Cartilha -conversando_com_a_gestante_-_ms
 
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Boletim DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
 
Iniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criançaIniciativa hospital amigo da criança
Iniciativa hospital amigo da criança
 
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
10 passos para uma Alimentação Saudável para Crianças - Ministério da Saúde
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
 
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
2267-L - Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em e...
 
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da CriançaReunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
Reunião sobre Primeira Infância: Pastoral da Criança
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
 
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODSWABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
 
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
Linha de Cuidado em Aleitamento Materno - Caçapava / RS
 

Último

1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 

Último (20)

1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 

Programa de saúde da criança no brasil

  • 2. A nível federal, tratou-se a respeito da saúde da criança quando foi criado Departamento Nacional da Criança, na década de 1940. O primeiro programa de proteção à maternidade, à infância e à adolescência de que se tem notícia foi instituído durante o Estado Novo (1937/1945).
  • 3. LEGENDA DNRC: Departamento Nacional da Criança CPMI: Coordenação de Proteção Materno-Infantil DINSAMI: Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil PAISMC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e da Criança PAISM: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher PAISC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Criança CORSAMI: Coordenação de Saúde Materno-Infantil ATSCAM: Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento
  • 4. O Departamento tinha como foco: Programa Alimentar, Programa Educativo, Programa de Formação de Pessoal e Programa de Imunização. Assim, o DNCr coordenou a assistência materno-infantil no Brasil até o ano de 1969.
  • 5. Com a extinção do DNCr, em 1969, foi criada, em 1970, a Coordenação de Proteção Materno Infantil (CPMI)
  • 6. Em 1975, foi criado o Programa Nacional de Saúde Materno- Infantil, cujo propósito era contribuir para a redução da morbidade e da mortalidade da mulher e da criança. Que em 1976, passou a chamar-se Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil (DINSAMI).
  • 7. Em 1983, o Ministério da Saúde, por meio da DINSAMI, elaborou o Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e da Criança (PAISMC).
  • 8. Em 1998, as coordenações foram substituídas pelas atuais Áreas Técnicas de Saúde da Mulher, Saúde da Criança e Saúde do Adolescente e do Jovem.
  • 9. Nos últimos 75 anos, importantes leis e portarias foram publicadas no país, a fim de assegurar o direito da criança brasileira de 0 a 9 anos à saúde. Hoje, a legislação brasileira trata de uma série de temas, como imunização, aleitamento materno, atenção à saúde do recém-nascido, nutrição, prevenção de acidentes e violências e muitos outros.
  • 10. Princípios norteadores do cuidado na saúde da criança Deve ser entendido como o direito de toda criança receber assistência de saúde e a responsabilidade da unidade de saúde em receber todos os que procuram a unidade, propiciando uma escuta de suas demandas ou problemas de saúde e avaliação qualificada de cada situação.
  • 11. O atendimento á criança engloba a sequencia de ações ou medidas preventivas direcionadas desde antes do nascimento, até 5 anos de idade, com o objetivo de evitar que ela adoeça.
  • 12. A equipe assume o paciente e estabelece compromisso e responsabilidade sobre todas as suas necessidades de saúde. A consulta médica não deve ser a única proposta de abordagem da criança e toda a equipe deve participar da assistência e resolução do problema do usuário, potencializando-se a capacidade de resposta e intervenção.
  • 13. . É a ciência médica que se dedica ao estudo dos cuidados com o ser humano em desenvolvimento, mais especificamente com o acompanhamento do infantil. A puericultura, como subespecialidade da pediatria, preocupa-se com o acompanhamento integral do processo de desenvolvimento da criança. É de fundamental importância, uma vez que é por meio dela que o pediatra tem condições de detectar precocemente os mais diferentes distúrbios das áreas do crescimento estrutural, da nutrição e do desenvolvimento neuropsicomotor.( É o aspecto psicológico que desenvolve a coordenação motora). Puericultura
  • 14. Vacinação Pode-se dizer, hoje, que a imensa maioria das crianças brasileiras recebe regularmente vacinas contra quase todas as doenças graves. As vacinas foram criadas para ensinar o sistema imunológico a reconhecer agentes agressores que podem provocar doenças, assim como para ensiná-lo a reagir produzindo anticorpos capazes de combatê-los. Na preparação das vacinas, pode ser utilizado um componente do agente agressor, ou seja, o próprio agente agressor numa forma atenuada, ou morto, ou outro agente que seja semelhante ao causador da doença.
  • 15. Consulta pediátrica A assistência global à criança deve ser feita de maneira evolutiva, para acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do paciente. Assim, em cada consulta, a entrevista deve incluir dados de desenvolvimento, possíveis queixas ou dificuldades, e o exame físico deve comprovar os progressos do desenvolvimento e registrar os parâmetros de crescimento. A prescrição deve incluir alimentação, vacinação e orientação. Toda consulta pediátrica, independente da queixa, deve incluir a Puericultura.
  • 16. Comida e nutrientes são as matérias-primas que nos permitem formar os dentes, ossos, músculos e tecidos e mantê-los saudáveis. Uma boa dieta alimentar também pode proteger de várias doenças. A dieta de uma criança necessita de um planejamento especial - as necessidades de energia e nutrientes fundamentais são elevadas, mas o apetite é reduzido e os hábitos alimentares inconstantes. A alimentação das crianças deve ser constituída por refeições pequenas e frequentes, desde que ricas em nutrientes. Nutrição
  • 17. Assistências e Benefícios do programa da criança O programa da criança, preocupa-se em abordar aspectos fundamentais para a proteção da saúde da criança, entre eles como preparar o “ninho” para melhor recebê-la, em visitá-la, oferecer suporte a seus pais ou cuidadores, estimular o fortalecimento de vínculos – que serão importantes para toda a sua vida.
  • 18. Desejo que todas as crianças possam ouvir, ver, falar, sorrir, crescer e desenvolver toda a sua potencialidade para conhecer o mundo e viver. Os princípios mais importantes da atenção básica no Brasil são: integralidade (definir o que deve ser atendido), qualidade (usado para garantir na prática a igualdade na assistência a todos os cidadãos) e a participação social (participação da população para definir as prioridades no atendimento e fiscalizar o funcionamento do serviço).
  • 19. Número de crianças acompanhadas pelo UBS Do município de Capim Grosso De 0 a 11 meses De 12 a 23 meses Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 0 a 11 meses 286 321 354 12ª 23 meses 311 331 334
  • 20. Equipes de saúde UBS (Unidade Básica de Saúde) Médico responsável. Técnico de enfermagem e 6 agentes comunitários, dentista e auxiliar. Cada equipe atende de 3000 a 4500 pessoas ou de 1000 família
  • 21. Por meio da definição do número de pessoas a serem atendidas (tecnicamente chamada de adstrição da população), as Equipes Saúde da Família estabelecem ligação (denominada de vínculo) com a população, possibilitando o compromisso e a responsabilidade destes profissionais com os usuários e a comunidade.
  • 22. Até qual idade a amamentação é necessária? O leite materno é um alimento completo. Isso significa que até os seis meses o bebê não precisa de nenhum outro alimento, a partir dos seis meses a alimentação deve ser complementado com outros alimentos. É bom que o bebê continue sendo amamentado até dois anos ou mais. Entrevistada: Luzinete Alves de Almeida Técnica de enfermagem
  • 23. Quais os maiores cuidados com o recém- nascido? O bebê nunca deve dormir de barriga para baixo (de bruços) e recomenda-se que ele durma de barriga para cima. Cuide para que a boca e o nariz não fiquem cobertos e para aquecer é preferível agasalha-lo com mais roupas do que cobrir com muitas cobertas.
  • 24. Qual o benefício da vacinação? A vacina é essencial para manter a criança saudável. Para vacinar procure o centro de saúde ou uma equipe de saúde que cuide da sua família.
  • 25. Qual a importância do dente de leite e o desenvolvimento deles? Os dentes de leite são importantes para guardar o espaço e preparar o caminho dos dentes permanentes. A perda dos dentes de leite antes do tempo certo pode prejudicar a criança que estar aprendendo a falar, além disso, a criança poderá se sentir diferente do restante do grupo de sua faixa etária, podendo causar algum problema emocional/social. Tabela: 5 a 6 meses >> quando começa a aparecer os dentes de leite 10 a 12 meses >> aparecem os dentes de trás 3 a 6 anos >> já se conta total de 20 dentes 6 a 18 anos >> nesse período inicia-se a troca de dentes de leite pelos dentes permanentes. Aos 18 anos tem-se em torno 32 dentes.
  • 26. Como identificar a desidratação? Quais os sintomas? Olhos fundos, muita sede, pouca saliva, choro sem lágrima, pele seca e pouca urina são os sinais de desidratação. Se apresentar vômitos e as fezes estiverem muitos liquidas, deve-se oferecer soro oral após cada evacuação e vômito.
  • 27. BRASIL. Decreto nº 66.623, de 22 de maio de 1970. Disponível em: <http://www6.senado.gov. br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=180519>. Acesso em: 12 jan. 2011. BRASIL. Decreto-Lei nº 2.024, de 17 de fevereiro de 1940. Disponível em: <http://www.ciespi. org.br/base_legis/baselegis_view.php?id=148>. Acesso em: 12 jan. 2011. BRASIL. Ministério da Saúde. Instrumento gerencial da saúde da mulher, da criança e do adolescente. Brasília, DF, 1995. v. 1. BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório anual de avaliação: PPA 2000–2003 – Exercício 2002. Brasília, DF, [2003?]. BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame. Brasília, DF,1986. BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório de avaliação do Projeto de Assistência integral à Saú- de da Mulher e da Criança: primeira parte. Brasília, DF, 1986. BRASIL. Ministério da Saúde. Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil. Relatório de