SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Disciplina: Direitos Humanos
Professor: Eduardo Cabral Moraes Monteiro
Aula 03: Os Direitos Fundamentais e sua evolução – As liberdades públicas – O modelo: a
Declaração de 1789
PLANO DE AULA
1) A Declaração de 1789
- A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 26 de agosto de 1789, é a mais
famosa das declarações;
- Por força do preâmbulo da Constituição de 1958, como ocorria em 1946, está ela em
vigor na França;
- Integra o chamado bloc de constitutionnalité, ou bloco de constitucionalidade, em
face do qual opera o controle de constitucionalidade efetuado pelo Conselho
Constitucional;
- Sua importância decorre de outra causa, qual seja, a de ter sido por um século e meio o
modelo por excelência das declarações, e ainda hoje merecer o respeito e a reverência dos
que se preocupam com a liberdade e os direitos do Homem;
- Sua primazia vem exatamente do fato de haver sido considerada como modelo a
ser seguido pelo constitucionalismo liberal. Daí sua influência sobre as declarações que,
seguindo essa orientação, se editaram pelo mundo afora até a Primeira Guerra Mundial.
2) As Declarações anteriores
- A Declaração de 1789 não foi a primeira das declarações, historicamente falando;
- De fato, a primeira foi a Declaração dos Direitos editada pela Virgínia em 12 de junho de
1776, antes mesmo da independência das treze colônias inglesas da América do Norte. Tal
independência somente foi estabelecida pela Declaração de 4 de julho de 1776;
- Em seguida, o exemplo da Virgínia foi observado pelos novéis Estados
independentes, antes mesmo de adotarem suas constituições políticas, da instituição da
Confederação, cujos artigos foram adotados em 15 de novembro de 1777, mas entraram
em vigor depois da ratificação necessária por todos os Estados, em 1º de março de 1781; e
da Constituição americana, promulgada em 17 de setembro de 1787, contudo em vigor a
partir de 29 de maio de 1790, quando alcançou as ratificações indispensáveis;
- As declarações americanas influenciaram, sem dúvida, o curso dos acontecimentos
franceses (assim como o iluminismo francês traçou o caminho inverso);
- Na verdade, as declarações americanas aproximam-se do modelo inglês,
preocupando-se menos com o Homem e seus direitos do que com os direitos tradicionais
do cidadão inglês (exs: julgamento pelo júri, participação política na assembleia,
consentimento na tributação). Nisso, têm o mérito de armar o indivíduo com instrumentos
de garantia de seus direitos, o que não ocorre na declaração francesa;
- A Declaração francesa, contudo, teve por si o esplendor das fórmulas e da língua,
a generosidade de seu universalismo. Por isso, preferida e copiada, ainda que
frequentemente seus direitos ficassem letra morta.
3) Origem e elaboração da Declaração Francesa
- Atribui-se a La Fayette haver dado ênfase, desde 1783, à ideia de estabelecer uma
declaração francesa dos direitos fundamentais;
- Às vésperas da revolução era generalizada na França a reivindicação de que fossem
solenemente reconhecidos esses direitos;
- Nos cahiers de doléances (caderno de queixas do povo eleitor aos deputados
eleitos) preparados para a Assembleia dos Estados Gerais (clero, nobreza e povo ou
burguesia) convocada para 1789, que se transformaria na Assembleia Nacional
Revolucionária, registra-se com frequência essa postulação;
- Se essa reivindicação era mais comum nos cahiers da burguesia, não faltava nos
da nobreza e, também, conquanto raramente, nos do clero. Vários projetos foram
preparados por figuras ilustres como Sieyés e Condorcet. O próprio rei, em 23 de junho, se
disse pronto a outorgar uma carta das liberdades;
- Foi um Deputado do terceiro estado, Target, quem propôs, a 19 de junho, a elaboração da
declaração de direitos, mas foi La Fayette quem dinamizou os trabalhos, apresentando,
mesmo, um texto a esse respeito. Outros também o fizeram, como Sieyés, mas foram os
colaboradores pessoais de Mirabeau que deram a mão final ao trabalho;
- Globalmente aprovado em 19 de agosto, com 505 votos a favor do projeto de
Mirabeau contra 245 do projeto de Sieyés e 45 do projeto de La Fayette, seus artigos foram
então votados um a um, os últimos a 26 de agosto, data que se dá à Declaração. A 05 de
outubro, não querendo “aceitar” a declaração, Luís XVI “acedeu” nela, numa vã sutileza.
4) Finalidade e o objetivo da Declaração
- Do ângulo doutrinário, a Declaração é a renovação do pacto social;
- O seu preâmbulo aponta como finalidade última a de proteger os direitos do Homem
contra os atos do Governo, sendo expressa a menção ao Poder Legislativo e ao Poder
Executivo;
- O objetivo imediato é de caráter pedagógico: instruir os indivíduos de seus direitos
fundamentais, “recordando-os” deles.
5) Natureza da Declaração
- Trata-se de uma declaração. Os direitos enunciados não são aí instituídos, criados, mas,
ao contrário, são “declarados”, para serem “recordados”;
- São direitos do Homem, enquanto direitos naturais ao mesmo. Não são propriamente
direitos do cidadão, porque o termo “cidadão” pressupõe ordenação política e esta não
existe previamente ao pacto social. Contudo, para os redatores da Declaração, os direitos
do cidadão são corolários dos direitos do homem (ou naturais), que os subsumem, e, por
isso, restou o nome: Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
6) Caracteres dos direitos declarados
- Declaração presume preexistência. Esses direitos declarados são os que derivam da
natureza humana, são naturais, portanto;
- Vinculados à natureza, necessariamente são abstratos, pois são do Homem, e não apenas
de franceses, de ingleses e etc.;
- São imprescritíveis, pois não se perdem com o passar do tempo, se prendendo à natureza
imutável do ser humano;
- São inalienáveis, pois ninguém pode abrir mão da sua própria natureza;
- São individuais, porque cada ser humano é um ente perfeito e completo, mesmo se
considerado isoladamente, independentemente da comunidade (não é um ser social que só
se completa na vida em sociedade), (o ser humano é o único fim em si mesmo);
- Por essas razões, são eles universais, pois pertencem a todos os homens, estendendo-se
por todo o campo aberto ao ser humano, potencialmente ao universo.
7) As preocupações concretas subjacentes
- Condenar práticas arbitrárias por conta do governante, declarando limites à ação dos
mesmos, bem como direitos dos indivíduos perante o Estado;
- Segundo Rivero, “cada um dos direitos proclamados aparece como a condenação
de uma prática arbitrária a que importa por termo”.
8) As duas grandes categorias de direitos
- As liberdades
- A primeira é a dos direitos do Homem, as liberdades. Ou seja, poderes de agir,
não agir, independentemente da ingerência do Estado;
- Aqui se incluem: a liberdade em geral (arts. 1º, 2º e 4º), a segurança (art. 2º), a
liberdade de locomoção (art. 7º), a liberdade de opinião (art. 10), a liberdade de expressão
(art. 11) e a propriedade, que é a liberdade de usar e dispor dos bens (arts. 2º e 17). E seus
corolários: a presunção de inocência (art. 9º), a legalidade criminal (art. 8º), a legalidade
processual, a liberdade de resistir à opressão (art. 2º), e esta última já se aproxima dos
direitos do cidadão;
- A liberdade econômica, que à época da declaração importaria a extinção
das corporações de ofício que impediam a livre concorrência, só veio a ser
determinada por uma lei, de junho de 1791 (Le Chapelier);
- A liberdade do comércio, indústria e profissão, também não inscrita na
declaração de 1789, foi estabelecida por uma lei de março de 1791, posteriormente
adotada, em nível constitucional, pela Declaração de 1793 (art. 17) e pela
Constituição do ano III (art. 335).
- Os poderes
- Os direitos do cidadão são poderes, a expressão moderna da “liberdade dos
antigos”, e constituem meios de participação no exercício do Poder Político;
- Incluem-se: direitos de participar da “vontade geral” (art. 6º), ou de
escolher representantes que o façam (art. 6º), de consentir no tributo (art. 14), de controlar
o dispêndio do dinheiro público (art. 14), de pedir contas da atuação do agente público (art.
15).
9) Os princípios de organização política
- Igualdade (art. 1º);
- A finalidade do Estado, enquanto associação política, para conservação dos direitos
naturais e imprescritíveis do Homem, que são a liberdade, a propriedade, a segurança e a
resistência à opressão (art. 2º);
- A soberania investida na Nação (art. 3º);
- A destinação da força pública para a garantia dos direitos do Homem e do Cidadão (art.
12);
- A caracterização da verdadeira Constituição, enquanto aquela que limita externamente o
exercício do poder ao assegurar a garantia dos direitos, e internamente ao estabelecer a
separação dos poderes (art. 16).
10) A lei e seu papel
- O exercício dos direitos fundamentais por todos e por cada um dos homens exige uma
coordenação, uma regulamentação que impeça colisões. Assim, o estado social demanda
um mínimo de disciplina no gozo desses direitos;
- Art. 4º da Declaração;
- Esta regulamentação, para ser legítima, não pode ser arbitrária, deve ser justa. Por
isso, apenas a lei pode estabelecê-la, somente a lei pode limitar o exercício da liberdade;
- Isto se dá por duas razões (art. 6º): 1) Ser a lei necessariamente a
expressão da justiça, com os corolários de que é geral e abstrata, com aplicação uniforme e
igual para todos os casos e todos os indivíduos; 2) Pensamento de Rousseau: ser a lei
expressão da vontade geral, pois que ela há de ter a participação de todos (diretamente ou
por meio de representantes), que devem na sua definição levar em consideração o interesse
geral, para legitimar a criação da lei (diferença entre vontade de todos e vontade geral).
11) A isonomia
- É elemento essencial da Declaração a igualdade perante a lei, a isonomia;
- Arts. 1º e 6º;
- Com isso, a Declaração ratifica a abolição dos privilégios e estabelece a uniformidade do
Direito aplicável a todos os homens.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito Constitucional II - Aula 01 - Teoria geral dos direitos fundamentais
Direito Constitucional II - Aula 01  - Teoria geral dos direitos fundamentaisDireito Constitucional II - Aula 01  - Teoria geral dos direitos fundamentais
Direito Constitucional II - Aula 01 - Teoria geral dos direitos fundamentaisCarlos José Teixeira Toledo
 
Constituição mexicana de 1917
Constituição mexicana de 1917Constituição mexicana de 1917
Constituição mexicana de 1917Camila Andrade
 
Aula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas
Aula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicasAula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas
Aula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicasLeandro Santos da Silva
 
Censura x liberdade de imprensa
Censura x liberdade de imprensaCensura x liberdade de imprensa
Censura x liberdade de imprensaisisnogueira
 
Direito internacional público luis fernando kuyven - 1º semestre 2013
Direito internacional público   luis fernando kuyven - 1º semestre 2013Direito internacional público   luis fernando kuyven - 1º semestre 2013
Direito internacional público luis fernando kuyven - 1º semestre 2013Fábio Peres
 
Direitos humanos encontro 02
Direitos humanos encontro 02Direitos humanos encontro 02
Direitos humanos encontro 02Erika Sales
 
Direito Internacional Privado - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)
Direito Internacional Privado  - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)Direito Internacional Privado  - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)
Direito Internacional Privado - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)Fábio Peres
 
Resumão da constituição federal 4.0
Resumão da constituição federal 4.0Resumão da constituição federal 4.0
Resumão da constituição federal 4.0Fernanda Lopes
 
03. Direitos e Garantias Fundamentais
03. Direitos e Garantias Fundamentais03. Direitos e Garantias Fundamentais
03. Direitos e Garantias FundamentaisCláudio Colnago
 
Aulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileirasAulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileirasGilbert Patsayev
 
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentaçãoTeoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentaçãoOlimpio Oliveira
 
Constituição de 1988 - Prof. Altair Aguilar
Constituição de 1988 - Prof. Altair AguilarConstituição de 1988 - Prof. Altair Aguilar
Constituição de 1988 - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
As Constituições brasileiras
As Constituições brasileirasAs Constituições brasileiras
As Constituições brasileirasEdenilson Morais
 
Constituição de 1946
Constituição de 1946Constituição de 1946
Constituição de 1946hillary2011
 
A evolução dos direitos fundamentais
A evolução dos direitos fundamentaisA evolução dos direitos fundamentais
A evolução dos direitos fundamentaisarmando guedes
 

Mais procurados (20)

Direito Constitucional II - Aula 01 - Teoria geral dos direitos fundamentais
Direito Constitucional II - Aula 01  - Teoria geral dos direitos fundamentaisDireito Constitucional II - Aula 01  - Teoria geral dos direitos fundamentais
Direito Constitucional II - Aula 01 - Teoria geral dos direitos fundamentais
 
Constituição mexicana de 1917
Constituição mexicana de 1917Constituição mexicana de 1917
Constituição mexicana de 1917
 
Aula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas
Aula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicasAula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas
Aula 04 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas
 
Censura x liberdade de imprensa
Censura x liberdade de imprensaCensura x liberdade de imprensa
Censura x liberdade de imprensa
 
Direito internacional público luis fernando kuyven - 1º semestre 2013
Direito internacional público   luis fernando kuyven - 1º semestre 2013Direito internacional público   luis fernando kuyven - 1º semestre 2013
Direito internacional público luis fernando kuyven - 1º semestre 2013
 
Direitos humanos encontro 02
Direitos humanos encontro 02Direitos humanos encontro 02
Direitos humanos encontro 02
 
Amarante e a república
Amarante e a repúblicaAmarante e a república
Amarante e a república
 
Direito Internacional Privado - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)
Direito Internacional Privado  - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)Direito Internacional Privado  - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)
Direito Internacional Privado - 4º semestre - Ruber Kreile (in memorian)
 
Unidade iii
Unidade iiiUnidade iii
Unidade iii
 
Resumão da constituição federal 4.0
Resumão da constituição federal 4.0Resumão da constituição federal 4.0
Resumão da constituição federal 4.0
 
03. Direitos e Garantias Fundamentais
03. Direitos e Garantias Fundamentais03. Direitos e Garantias Fundamentais
03. Direitos e Garantias Fundamentais
 
Aulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileirasAulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileiras
 
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentaçãoTeoria geral de Direitos Humanos - apresentação
Teoria geral de Direitos Humanos - apresentação
 
Constituição de 1988 - Prof. Altair Aguilar
Constituição de 1988 - Prof. Altair AguilarConstituição de 1988 - Prof. Altair Aguilar
Constituição de 1988 - Prof. Altair Aguilar
 
As Constituições brasileiras
As Constituições brasileirasAs Constituições brasileiras
As Constituições brasileiras
 
As Constituições do Brasil
As Constituições do BrasilAs Constituições do Brasil
As Constituições do Brasil
 
Constituição de 1946
Constituição de 1946Constituição de 1946
Constituição de 1946
 
53497909 oab-apostila-direito-internacional
53497909 oab-apostila-direito-internacional53497909 oab-apostila-direito-internacional
53497909 oab-apostila-direito-internacional
 
A evolução dos direitos fundamentais
A evolução dos direitos fundamentaisA evolução dos direitos fundamentais
A evolução dos direitos fundamentais
 
Pop fmu
Pop fmuPop fmu
Pop fmu
 

Destaque

Perda de Mandato + Direitos Políticos
Perda de Mandato + Direitos PolíticosPerda de Mandato + Direitos Políticos
Perda de Mandato + Direitos PolíticosGabriel Azevedo
 
Direitos políticos
 Direitos políticos Direitos políticos
Direitos políticosMaira Conde
 
Quadro de analise filosofando
Quadro de analise filosofandoQuadro de analise filosofando
Quadro de analise filosofandoErica Frau
 

Destaque (6)

Perda de Mandato + Direitos Políticos
Perda de Mandato + Direitos PolíticosPerda de Mandato + Direitos Políticos
Perda de Mandato + Direitos Políticos
 
Soal evaluasi pkn
Soal evaluasi pknSoal evaluasi pkn
Soal evaluasi pkn
 
Cidadania moderna. direitos politicos
Cidadania moderna. direitos politicosCidadania moderna. direitos politicos
Cidadania moderna. direitos politicos
 
Direitos políticos
 Direitos políticos Direitos políticos
Direitos políticos
 
Direitos políticos
Direitos políticosDireitos políticos
Direitos políticos
 
Quadro de analise filosofando
Quadro de analise filosofandoQuadro de analise filosofando
Quadro de analise filosofando
 

Semelhante a Aula 03 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas_-_o_modelo,_a_declaraçao_de_178 9

Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...
Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...
Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...Leandro Santos da Silva
 
Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...
Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...
Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...Leandro Santos da Silva
 
Introdução ao direito constitucional módulo I
Introdução ao direito constitucional   módulo IIntrodução ao direito constitucional   módulo I
Introdução ao direito constitucional módulo IRosane Domingues
 
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo I
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo IIntrodução ao Direito Constitucional - Módulo I
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo IRosane Domingues
 
Introdução ao direito constitucional módulo i
Introdução ao direito constitucional   módulo iIntrodução ao direito constitucional   módulo i
Introdução ao direito constitucional módulo iLuis Kuklisnhi
 
História Contemporânea I
História Contemporânea IHistória Contemporânea I
História Contemporânea IManu Moraes
 
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barrosoA americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barrosoizalfd
 
Teoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituinte
Teoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituinteTeoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituinte
Teoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituintegoverno do estado de minas gerais
 
Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
ConstitucionalismoDebora Rocha
 
Direito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias FundamentaisDireito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias FundamentaisAlex Mendes
 
Direito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias FundamentaisDireito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias FundamentaisAlex Mendes
 
Declaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanosDeclaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanosDireito Nabuco
 
Direitos, cidadania e movimentos sociais
Direitos, cidadania e movimentos sociaisDireitos, cidadania e movimentos sociais
Direitos, cidadania e movimentos sociaisAriella Araujo
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoDeclaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoMaira Conde
 

Semelhante a Aula 03 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas_-_o_modelo,_a_declaraçao_de_178 9 (20)

I seminário de direitos humanos
I seminário de direitos humanosI seminário de direitos humanos
I seminário de direitos humanos
 
Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...
Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...
Aula 01 -_introdução_-_o_estado_constitucional_de_dire ito_e_a_segurança_dos_...
 
Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...
Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...
Aula 02 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_fo ntes_e_antecedentes_do...
 
RESUMO GabY.pdf
RESUMO GabY.pdfRESUMO GabY.pdf
RESUMO GabY.pdf
 
Introdução ao direito constitucional módulo I
Introdução ao direito constitucional   módulo IIntrodução ao direito constitucional   módulo I
Introdução ao direito constitucional módulo I
 
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo I
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo IIntrodução ao Direito Constitucional - Módulo I
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo I
 
Introdução ao direito constitucional módulo i
Introdução ao direito constitucional   módulo iIntrodução ao direito constitucional   módulo i
Introdução ao direito constitucional módulo i
 
Material professor miguel
Material professor miguelMaterial professor miguel
Material professor miguel
 
História Contemporânea I
História Contemporânea IHistória Contemporânea I
História Contemporânea I
 
Direito internacional
Direito internacionalDireito internacional
Direito internacional
 
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barrosoA americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barroso
 
Teoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituinte
Teoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituinteTeoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituinte
Teoria da constituição, primazia, preâmbulo e poder constituinte
 
Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
Constitucionalismo
 
Direito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias FundamentaisDireito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias Fundamentais
 
Direito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias FundamentaisDireito e Garantias Fundamentais
Direito e Garantias Fundamentais
 
Declaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanosDeclaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanos
 
Direito+Civil+1.pptx
Direito+Civil+1.pptxDireito+Civil+1.pptx
Direito+Civil+1.pptx
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
 
Direitos, cidadania e movimentos sociais
Direitos, cidadania e movimentos sociaisDireitos, cidadania e movimentos sociais
Direitos, cidadania e movimentos sociais
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoDeclaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
 

Mais de Leandro Santos da Silva

Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...
Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...
Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...Leandro Santos da Silva
 
Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...
Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...
Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...Leandro Santos da Silva
 
Requerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-ba
Requerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-baRequerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-ba
Requerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-baLeandro Santos da Silva
 
Reposta dos canalhas_burocrata_da_oab-ba
Reposta dos canalhas_burocrata_da_oab-baReposta dos canalhas_burocrata_da_oab-ba
Reposta dos canalhas_burocrata_da_oab-baLeandro Santos da Silva
 
Pedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-ba
Pedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-baPedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-ba
Pedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-baLeandro Santos da Silva
 
Representação ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federais
Representação  ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federaisRepresentação  ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federais
Representação ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federaisLeandro Santos da Silva
 
Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...
Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...
Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...Leandro Santos da Silva
 
Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais e caso vai parar n...
Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais  e caso vai parar n...Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais  e caso vai parar n...
Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais e caso vai parar n...Leandro Santos da Silva
 
Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...
Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...
Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...Leandro Santos da Silva
 
Preciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicial
Preciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicialPreciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicial
Preciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicialLeandro Santos da Silva
 
Ação cível com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos fu...
Ação cível  com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos  fu...Ação cível  com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos  fu...
Ação cível com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos fu...Leandro Santos da Silva
 
Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300
Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300
Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300Leandro Santos da Silva
 
RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA
RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA
RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA Leandro Santos da Silva
 
Procura se (6) seis advogados para atuarem em ações envolvendo violações pra...
Procura se (6) seis advogados para atuarem  em ações envolvendo violações pra...Procura se (6) seis advogados para atuarem  em ações envolvendo violações pra...
Procura se (6) seis advogados para atuarem em ações envolvendo violações pra...Leandro Santos da Silva
 
Oab ba 'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...
Oab   ba  'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...Oab   ba  'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...
Oab ba 'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...Leandro Santos da Silva
 
Petição inicial com pedido de liminar contra a união federal cnj, mj e cnmp
Petição inicial com pedido de liminar contra a união federal  cnj, mj e cnmpPetição inicial com pedido de liminar contra a união federal  cnj, mj e cnmp
Petição inicial com pedido de liminar contra a união federal cnj, mj e cnmpLeandro Santos da Silva
 
Pedido de providência ao cnj contra juiz federal que não gosta de pobre no e...
Pedido de providência ao cnj contra  juiz federal que não gosta de pobre no e...Pedido de providência ao cnj contra  juiz federal que não gosta de pobre no e...
Pedido de providência ao cnj contra juiz federal que não gosta de pobre no e...Leandro Santos da Silva
 
Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...
Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...
Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...Leandro Santos da Silva
 
Pec nº 7 da eleição avulsa sim liberdade já de escolha para o povo brasileiro
Pec nº 7 da eleição avulsa sim   liberdade já de escolha  para o povo brasileiroPec nº 7 da eleição avulsa sim   liberdade já de escolha  para o povo brasileiro
Pec nº 7 da eleição avulsa sim liberdade já de escolha para o povo brasileiroLeandro Santos da Silva
 

Mais de Leandro Santos da Silva (20)

Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...
Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...
Hc nº 354.238-stj-omite-pedido-de-assistência-juridica-a-cidadão-pobre-em-dec...
 
Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...
Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...
Petição inicial ação_contra defensoria pública_da união_de salvador_ba por_da...
 
Requerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-ba
Requerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-baRequerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-ba
Requerimento denunciando esculhamabção_do_ministério_público_de_valença-ba
 
Reposta dos canalhas_burocrata_da_oab-ba
Reposta dos canalhas_burocrata_da_oab-baReposta dos canalhas_burocrata_da_oab-ba
Reposta dos canalhas_burocrata_da_oab-ba
 
Cnj pedido de_consulta_tj-bahia
Cnj pedido de_consulta_tj-bahiaCnj pedido de_consulta_tj-bahia
Cnj pedido de_consulta_tj-bahia
 
Pedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-ba
Pedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-baPedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-ba
Pedido de informações_juiza_da_ssj_de_ilhéus-ba
 
Representação ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federais
Representação  ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federaisRepresentação  ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federais
Representação ssj de ilhéus -ba - assédio moral de juízes federais
 
Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...
Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...
Juiz da 15ª vara da cidade de salvador ba nega humanização da justiça a cidad...
 
Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais e caso vai parar n...
Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais  e caso vai parar n...Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais  e caso vai parar n...
Presidente trf da 1ª região é processado por danos morais e caso vai parar n...
 
Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...
Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...
Resposta cnj falta_de_informações_sobre_convênios_com_a_justiça_federal_de_1ª...
 
Preciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicial
Preciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicialPreciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicial
Preciso de um_advogado_para_assinar_uma_petição_de_execução_judicial
 
Ação cível com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos fu...
Ação cível  com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos  fu...Ação cível  com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos  fu...
Ação cível com pedido de intervenção da cidh e da onu tendo como motivos fu...
 
Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300
Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300
Setença processo nº 0003018 50.2014.4.01.3300
 
RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA
RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA
RECURSO INOMINADO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CIVEL DA CIDADE DE SALVADOR-BA
 
Procura se (6) seis advogados para atuarem em ações envolvendo violações pra...
Procura se (6) seis advogados para atuarem  em ações envolvendo violações pra...Procura se (6) seis advogados para atuarem  em ações envolvendo violações pra...
Procura se (6) seis advogados para atuarem em ações envolvendo violações pra...
 
Oab ba 'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...
Oab   ba  'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...Oab   ba  'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...
Oab ba 'nao' responde requerimento de cidadão de baixa renda faz 5 meses e...
 
Petição inicial com pedido de liminar contra a união federal cnj, mj e cnmp
Petição inicial com pedido de liminar contra a união federal  cnj, mj e cnmpPetição inicial com pedido de liminar contra a união federal  cnj, mj e cnmp
Petição inicial com pedido de liminar contra a união federal cnj, mj e cnmp
 
Pedido de providência ao cnj contra juiz federal que não gosta de pobre no e...
Pedido de providência ao cnj contra  juiz federal que não gosta de pobre no e...Pedido de providência ao cnj contra  juiz federal que não gosta de pobre no e...
Pedido de providência ao cnj contra juiz federal que não gosta de pobre no e...
 
Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...
Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...
Dpu de salavador.ba nega atendimento a cidadão de baixa renda é cnj diz que a...
 
Pec nº 7 da eleição avulsa sim liberdade já de escolha para o povo brasileiro
Pec nº 7 da eleição avulsa sim   liberdade já de escolha  para o povo brasileiroPec nº 7 da eleição avulsa sim   liberdade já de escolha  para o povo brasileiro
Pec nº 7 da eleição avulsa sim liberdade já de escolha para o povo brasileiro
 

Aula 03 -_os_direitos_fundamentais_e_sua_evolução_-_as _liberdades_públicas_-_o_modelo,_a_declaraçao_de_178 9

  • 1. Disciplina: Direitos Humanos Professor: Eduardo Cabral Moraes Monteiro Aula 03: Os Direitos Fundamentais e sua evolução – As liberdades públicas – O modelo: a Declaração de 1789 PLANO DE AULA 1) A Declaração de 1789 - A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 26 de agosto de 1789, é a mais famosa das declarações; - Por força do preâmbulo da Constituição de 1958, como ocorria em 1946, está ela em vigor na França; - Integra o chamado bloc de constitutionnalité, ou bloco de constitucionalidade, em face do qual opera o controle de constitucionalidade efetuado pelo Conselho Constitucional; - Sua importância decorre de outra causa, qual seja, a de ter sido por um século e meio o modelo por excelência das declarações, e ainda hoje merecer o respeito e a reverência dos que se preocupam com a liberdade e os direitos do Homem; - Sua primazia vem exatamente do fato de haver sido considerada como modelo a ser seguido pelo constitucionalismo liberal. Daí sua influência sobre as declarações que, seguindo essa orientação, se editaram pelo mundo afora até a Primeira Guerra Mundial. 2) As Declarações anteriores - A Declaração de 1789 não foi a primeira das declarações, historicamente falando; - De fato, a primeira foi a Declaração dos Direitos editada pela Virgínia em 12 de junho de 1776, antes mesmo da independência das treze colônias inglesas da América do Norte. Tal independência somente foi estabelecida pela Declaração de 4 de julho de 1776; - Em seguida, o exemplo da Virgínia foi observado pelos novéis Estados independentes, antes mesmo de adotarem suas constituições políticas, da instituição da Confederação, cujos artigos foram adotados em 15 de novembro de 1777, mas entraram em vigor depois da ratificação necessária por todos os Estados, em 1º de março de 1781; e
  • 2. da Constituição americana, promulgada em 17 de setembro de 1787, contudo em vigor a partir de 29 de maio de 1790, quando alcançou as ratificações indispensáveis; - As declarações americanas influenciaram, sem dúvida, o curso dos acontecimentos franceses (assim como o iluminismo francês traçou o caminho inverso); - Na verdade, as declarações americanas aproximam-se do modelo inglês, preocupando-se menos com o Homem e seus direitos do que com os direitos tradicionais do cidadão inglês (exs: julgamento pelo júri, participação política na assembleia, consentimento na tributação). Nisso, têm o mérito de armar o indivíduo com instrumentos de garantia de seus direitos, o que não ocorre na declaração francesa; - A Declaração francesa, contudo, teve por si o esplendor das fórmulas e da língua, a generosidade de seu universalismo. Por isso, preferida e copiada, ainda que frequentemente seus direitos ficassem letra morta. 3) Origem e elaboração da Declaração Francesa - Atribui-se a La Fayette haver dado ênfase, desde 1783, à ideia de estabelecer uma declaração francesa dos direitos fundamentais; - Às vésperas da revolução era generalizada na França a reivindicação de que fossem solenemente reconhecidos esses direitos; - Nos cahiers de doléances (caderno de queixas do povo eleitor aos deputados eleitos) preparados para a Assembleia dos Estados Gerais (clero, nobreza e povo ou burguesia) convocada para 1789, que se transformaria na Assembleia Nacional Revolucionária, registra-se com frequência essa postulação; - Se essa reivindicação era mais comum nos cahiers da burguesia, não faltava nos da nobreza e, também, conquanto raramente, nos do clero. Vários projetos foram preparados por figuras ilustres como Sieyés e Condorcet. O próprio rei, em 23 de junho, se disse pronto a outorgar uma carta das liberdades; - Foi um Deputado do terceiro estado, Target, quem propôs, a 19 de junho, a elaboração da declaração de direitos, mas foi La Fayette quem dinamizou os trabalhos, apresentando, mesmo, um texto a esse respeito. Outros também o fizeram, como Sieyés, mas foram os colaboradores pessoais de Mirabeau que deram a mão final ao trabalho;
  • 3. - Globalmente aprovado em 19 de agosto, com 505 votos a favor do projeto de Mirabeau contra 245 do projeto de Sieyés e 45 do projeto de La Fayette, seus artigos foram então votados um a um, os últimos a 26 de agosto, data que se dá à Declaração. A 05 de outubro, não querendo “aceitar” a declaração, Luís XVI “acedeu” nela, numa vã sutileza. 4) Finalidade e o objetivo da Declaração - Do ângulo doutrinário, a Declaração é a renovação do pacto social; - O seu preâmbulo aponta como finalidade última a de proteger os direitos do Homem contra os atos do Governo, sendo expressa a menção ao Poder Legislativo e ao Poder Executivo; - O objetivo imediato é de caráter pedagógico: instruir os indivíduos de seus direitos fundamentais, “recordando-os” deles. 5) Natureza da Declaração - Trata-se de uma declaração. Os direitos enunciados não são aí instituídos, criados, mas, ao contrário, são “declarados”, para serem “recordados”; - São direitos do Homem, enquanto direitos naturais ao mesmo. Não são propriamente direitos do cidadão, porque o termo “cidadão” pressupõe ordenação política e esta não existe previamente ao pacto social. Contudo, para os redatores da Declaração, os direitos do cidadão são corolários dos direitos do homem (ou naturais), que os subsumem, e, por isso, restou o nome: Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. 6) Caracteres dos direitos declarados - Declaração presume preexistência. Esses direitos declarados são os que derivam da natureza humana, são naturais, portanto; - Vinculados à natureza, necessariamente são abstratos, pois são do Homem, e não apenas de franceses, de ingleses e etc.; - São imprescritíveis, pois não se perdem com o passar do tempo, se prendendo à natureza imutável do ser humano; - São inalienáveis, pois ninguém pode abrir mão da sua própria natureza; - São individuais, porque cada ser humano é um ente perfeito e completo, mesmo se considerado isoladamente, independentemente da comunidade (não é um ser social que só se completa na vida em sociedade), (o ser humano é o único fim em si mesmo);
  • 4. - Por essas razões, são eles universais, pois pertencem a todos os homens, estendendo-se por todo o campo aberto ao ser humano, potencialmente ao universo. 7) As preocupações concretas subjacentes - Condenar práticas arbitrárias por conta do governante, declarando limites à ação dos mesmos, bem como direitos dos indivíduos perante o Estado; - Segundo Rivero, “cada um dos direitos proclamados aparece como a condenação de uma prática arbitrária a que importa por termo”. 8) As duas grandes categorias de direitos - As liberdades - A primeira é a dos direitos do Homem, as liberdades. Ou seja, poderes de agir, não agir, independentemente da ingerência do Estado; - Aqui se incluem: a liberdade em geral (arts. 1º, 2º e 4º), a segurança (art. 2º), a liberdade de locomoção (art. 7º), a liberdade de opinião (art. 10), a liberdade de expressão (art. 11) e a propriedade, que é a liberdade de usar e dispor dos bens (arts. 2º e 17). E seus corolários: a presunção de inocência (art. 9º), a legalidade criminal (art. 8º), a legalidade processual, a liberdade de resistir à opressão (art. 2º), e esta última já se aproxima dos direitos do cidadão; - A liberdade econômica, que à época da declaração importaria a extinção das corporações de ofício que impediam a livre concorrência, só veio a ser determinada por uma lei, de junho de 1791 (Le Chapelier); - A liberdade do comércio, indústria e profissão, também não inscrita na declaração de 1789, foi estabelecida por uma lei de março de 1791, posteriormente adotada, em nível constitucional, pela Declaração de 1793 (art. 17) e pela Constituição do ano III (art. 335). - Os poderes - Os direitos do cidadão são poderes, a expressão moderna da “liberdade dos antigos”, e constituem meios de participação no exercício do Poder Político; - Incluem-se: direitos de participar da “vontade geral” (art. 6º), ou de escolher representantes que o façam (art. 6º), de consentir no tributo (art. 14), de controlar
  • 5. o dispêndio do dinheiro público (art. 14), de pedir contas da atuação do agente público (art. 15). 9) Os princípios de organização política - Igualdade (art. 1º); - A finalidade do Estado, enquanto associação política, para conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do Homem, que são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão (art. 2º); - A soberania investida na Nação (art. 3º); - A destinação da força pública para a garantia dos direitos do Homem e do Cidadão (art. 12); - A caracterização da verdadeira Constituição, enquanto aquela que limita externamente o exercício do poder ao assegurar a garantia dos direitos, e internamente ao estabelecer a separação dos poderes (art. 16). 10) A lei e seu papel - O exercício dos direitos fundamentais por todos e por cada um dos homens exige uma coordenação, uma regulamentação que impeça colisões. Assim, o estado social demanda um mínimo de disciplina no gozo desses direitos; - Art. 4º da Declaração; - Esta regulamentação, para ser legítima, não pode ser arbitrária, deve ser justa. Por isso, apenas a lei pode estabelecê-la, somente a lei pode limitar o exercício da liberdade; - Isto se dá por duas razões (art. 6º): 1) Ser a lei necessariamente a expressão da justiça, com os corolários de que é geral e abstrata, com aplicação uniforme e igual para todos os casos e todos os indivíduos; 2) Pensamento de Rousseau: ser a lei expressão da vontade geral, pois que ela há de ter a participação de todos (diretamente ou por meio de representantes), que devem na sua definição levar em consideração o interesse geral, para legitimar a criação da lei (diferença entre vontade de todos e vontade geral). 11) A isonomia - É elemento essencial da Declaração a igualdade perante a lei, a isonomia; - Arts. 1º e 6º;
  • 6. - Com isso, a Declaração ratifica a abolição dos privilégios e estabelece a uniformidade do Direito aplicável a todos os homens.