SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
ISERJ
Formação Interdisciplinar de Recursos Humanos para
diferentes metodologias e Inclusão
Professoras: Angela e Olga.
Aluno: Leandro Oliveira de Moraes. Curso: Pedagogia. Período: 5º. Turno:Noite.
Questões da disciplina sobre inclusão. (Angela e Olga)
1- O que compreende como “Paradigma”?
Paradigma é um exemplo a ser seguido. Um modelo, um padrão. É um
conjunto de normas de uma comunidade, onde os indivíduos devem agir
dentro desses limites.
2- Qual a importância das políticas públicas para a inclusão?
São muito importantes. São através delas que os direitos do público alvo da
inclusão. Pois nem todos as pessoas desse público tem como lutar pelo
seus direitos, já que não possuem recursos para tal.
Com as políticas públicas, todas as pessoas que precisam de inclusão são
alcançados.
3-Pesquise as condutas inteligentes do bebê (0-2 anos)
Quarto mês
O bebé já olha com atenção a quem o observa, e pode seguir os seus
movimentos com a vista . É apegado a mãe , e chora quando ela se afasta.
Gosta quando o colocam frente a um espelho. Aparece nesta fase o riso
franco.
Sétimo mês
Chegado ao sétimo mês, o bebé já alcançou uma evolução psicomotora
que lhe permite preparar-se para o engatinhar.
Oitavo mês
O olhar do bebé investiga tudo o que alcança e toca, e agarra com as suas
mãozinhas tudo o que encontra no chão. Explora com sua boca, chupa e
morde.
Nono mês
Também reconhece o seu nome e olha para quem o chama.
Primeiro ano
Ao chegar aos doze meses, o bebé começa a andar sozinho e sem ajuda,
mas se ainda não o fez, depressa o fará.
18 meses
Assim, das brincadeiras de exploração passa o bebé, às de imitação,
copiando as ações que os adultos realizam. Ele quer explorar tudo, subindo
se necessário. Não mede o perigo. Por isso, os adultos devem estar bem
atentos e não o deixar um minuto sozinho. A curiosidade está em pleno
esplendor. Tudo lhe interessa, em tudo quer tocar, escutar.
2-3 anos
Entre os dois e os três anos aparece a vontade de desenhar. Tanto os
meninos como as meninas gostam de brincar imitando os cuidados e a
alimentação.
4-As mudanças do DSMV influenciaram para a inclusão da pessoa com
TEA?
A última edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos
Mentais ,o chamado DSM-V, inclui algumas mudanças significativas para os
critérios diagnósticos para o autismo. Anteriormente, haviam cinco
transtornos do espectro do autismo, hoje há um único diagnóstico de TEA.
A versão anterior do DSM tinha três critérios principais para diagnóstico:
 Desafios de Linguagem
 Déficits sociais
 Comportamentos estereotipados ou repetitivos
O novo DSM terá apenas duas áreas principais: comunicação social e os
déficits e os comportamentos fixos ou repetitivos.
5-Comente a proposta da filosofia do convívio para a atenção primordial:
Na filosofia do convívio, dividimos, compartilhamos, e temos uma vivência
com o outro. Favorecendo o desenvolvimento e aperfeiçoamento dos
aspectos cognitivos, sócio-afetivo e moral do aluno, valorizando seu olhar
sobre o mundo e tornando-o ainda mais enriquecido. Não esquecendo de
estimular seu potencial.
“Educar é Agir para que cada um atinja a própria plenitude.” – Nôvoa.
6- “A inclusão está denunciando o abismo existente entre o velho e o
novo na instituição escolar brasileira” M.T. Mantoan. Comente:
A instituição escolar brasileira ainda vive muito no modo de educação
tradicional. E isso reflete também no modo de olhar a inclusão.
Por mais que sejam incluídas práticas educativas novas, o velho modo
tradicional sempre estará lá “encruado”.
Apesar disso, tivemos muitos avanços nas últimas décadas, em que o
público alvo da educação especial ganhou destaque, sejam através de leis
para sua inclusão, de políticas públicas, ou da sensibilidade dos agentes da
educação.
Mesmo com a escola brasileira ainda ser bastante parecida com o que era
há 100 anos atrás, ela hoje tem tentado se modernizar, especialmente no
modo de tratar os alunos.
A inclusão veio para ficar, porém a luta tem que ser mais intensa, para
chegarmos ao lugar que ela merece.
7- Conte uma experiência de Aprendizagem (estágio, família, etc.) e conte
como agiu ou agiria.
Lembro-me do estágio na escola municipal, no qual eu era mediador
escolar de um aluno de 50 anos, que tinha síndrome de Down.
Ele era bastante “vivo”, e bem comunicativo com todos. Na região dos
arredores da escola é bastante conhecido. Sabe se “virar” sozinho. No
entanto, apresenta uma dificuldade de aprender a fonética das palavras.
É mestre em copiar, porém não consegue entender muito bem o que
escreve.
Vejo que o convívio da escola o ajuda bastante em sua vida, para se
desenvolver. É um rapaz bem inteligente, talvez se tivesse começado mais
cedo os estudos, estaria melhor atualmente.
8- Discuta a importância da prevenção para minimizar os casos de
Deficiência Intelectual
Cerca de 30 a 40% dos casos de Deficiência poderiam ter sido evitados,
com medidas preventivas.
Experiências internacionais tem demonstrado que o modelo centrado no
tratamento e não na prevenção se tornou insustentável em quase todas as
partes do mundo. Um avanço no processo educativo do país, junto da
prevenção, se torna necessário, para assim se conseguir a redução dos
índices da deficiência.]
9= Após a aula e leituras, defina a Educação Holística.
A Educação Holística, tem mais de 10000 anos de existência, e quer
compreender a educação da pessoa olhando para sua totalidade: corpo,
emoção, intelecto e espírito. A palavra Holón já nos diz isso, ela quer dizer
um universo de conjuntos integrados, não reduzido a simples soma das
partes.
Ela é ligada a Ecopedagogia. Ekos como diz a própria palavra em grego,
quer dizer casa. E as nossas casas são o nosso próprio corpo, a casa que
moramos, as pessoas que convivemos, a cidade que moramos, o nosso
país, o mundo, o universo, etc.
A Visão Holística da Educação é um novo modo de relação do ser humano
com o mundo.
Ela monta um perfil de um ser humano com as seguintes características:
1. Ativo e Autodeterminado: autonomia para a “reconstrução do mundo”;
2. Pacífico: sensibilidade e criatividade para a criação de formas de luta;
3. Solidário: Busca a justiça social;
4. Autoconsciente: busca da felicidade, bem-estar e paz, desde que
atendidas as necessidades básicas de sobrevivência;
5. Intuitivo e dotado de visão holística: Intuição que alimenta hipóteses
dentro de uma perspectiva interdisciplinar;
6. Pleno de amor: Coloca amor em todas as suas relações sociais;
7. Sensível ao belo e criativo: observar, sentir, captar, empolgar-se com
detalhes do mundo;
8. Voltado ao espiritual: procura transcender;
A Visão Holística na Educação contribui para:
a) Perceber o aluno como ser integral;
b) Aprender a convivência com o aluno;
c) Vivências em dinâmicas de grupo;
10- Expresse situações de Educação Formal em que o binarismo de
gênero seja (des) construído.
Atualmente a questão do gênero tem sido muito discutida em nossa
cidade. Tem se tentado aprovar cartilhas educacionais para os alunos que
descartam o binarismo de gênero, porém elas encontram forte oposição,
principalmente dentro dos setores das igrejas cristãs. Seria a luta dessas
igrejas contra o que elas chamam de ideologia de gênero.
O binarismo de gênero nas escolas é construído quando são propagados
vídeos como esse:
https://www.youtube.com/watch?v=l4KWILEzLCM&app=desktop.(
Entendendo a Ideologia de Gênero em 2 Minutos, do canal Sanctus Angele
Domini, do youtube)
Vídeos que colocam as dividem apenas como sendo apenas meninos e
meninas. E que eles devem fazer coisas só de menino e só de menina.
Nesse vídeo vemos por exemplo a ideia de que mulheres não podem dirigir
caminhões. No meu modo de ver um absurdo, pois para mim as mulheres
devem ter o mesmo direito que os homens.
Quando meninos só brincam com coisas que são só de “meninos” e as
meninas com coisas que são só de “meninas” também vemos o binarismo
de gênero. Por exemplo uma menina não pode jogar futebol, se for pensar
pelo binarismo de gênero.
Já para descontruir o binarismo de gênero na sala de aula, podem ser
usado exemplos como de famílias que tem “dois pais”(homossexuais), e
não a mãe e o pai como era comum há um tempo atrás.
A desconstrução começa já quando nas séries iniciais há a figura do
professor homem, num caminho que é dominado pelas mulheres.
11- O que você pensa sobre o valor da poesia (e do poético) na
sensibilização do professor e do aluno?
É muito importante a poesia na educação, ainda mais no mundo pós-
moderno, em que as relações humanas perderam sua essência de cuidado,
e onde tudo acontece numa rapidez impressionante.
É preciso que haja uma “quebra” no relacionamento aluno e professor,
para que possam estreitar sua relação, e isso contribuir para o
aprendizado. A poesia pode ajudar muito nesse sentido, pois ela traz a tona
os sentimentos mais intrínsecos do ser humano.
Na aula sobre poesia que tivemos na disciplina de Recursos Humanos,
colocamos para “fora”, o que pensávamos, sentíamos.
Como foi importante para nos conhecermos melhor, para os professores
nos conhecerem. E também para “desafogarmos” um pouco nosso eu
interior, nesse mundo cheio de tribulações. Tornando assim nosso espírito
e a nossa vida mais leve, dando até mais vontade de encarar o dia-a-dia,
com as nossas lutas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógicaAs concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
Marilia Pires
 
A educação infantil na história e na atualidade
A educação infantil na história e na atualidadeA educação infantil na história e na atualidade
A educação infantil na história e na atualidade
Gizelda Rodrigues de Araújo
 
2 pontos02 39983_6_8
2 pontos02 39983_6_82 pontos02 39983_6_8
2 pontos02 39983_6_8
jsoeiro
 
10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual
celikennedy
 
Seminario a historia da educação infantil
Seminario a historia da educação infantilSeminario a historia da educação infantil
Seminario a historia da educação infantil
romamassa
 
As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...
Marilia Pires
 
Abramovai juventudes e sexualidade
Abramovai juventudes e sexualidadeAbramovai juventudes e sexualidade
Abramovai juventudes e sexualidade
Cíntia Garcia
 

Mais procurados (20)

ApresentaçOa Da Infancia
ApresentaçOa Da InfanciaApresentaçOa Da Infancia
ApresentaçOa Da Infancia
 
2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb
 
2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb
 
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógicaAs concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
As concepções de criança e infância como norteadores de uma prática pedagógica
 
Gênero e Diversidade Sexual na Escola
Gênero e Diversidade Sexual na EscolaGênero e Diversidade Sexual na Escola
Gênero e Diversidade Sexual na Escola
 
A educação infantil na história e na atualidade
A educação infantil na história e na atualidadeA educação infantil na história e na atualidade
A educação infantil na história e na atualidade
 
2 pontos02 39983_6_8
2 pontos02 39983_6_82 pontos02 39983_6_8
2 pontos02 39983_6_8
 
Histórico Ed Infantil
Histórico Ed InfantilHistórico Ed Infantil
Histórico Ed Infantil
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual10.2 orientação sexual
10.2 orientação sexual
 
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
 
Neidi monica
Neidi monicaNeidi monica
Neidi monica
 
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
 
Seminario a historia da educação infantil
Seminario a historia da educação infantilSeminario a historia da educação infantil
Seminario a historia da educação infantil
 
As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...
 
Abramovai juventudes e sexualidade
Abramovai juventudes e sexualidadeAbramovai juventudes e sexualidade
Abramovai juventudes e sexualidade
 
Sexualidade: Tema de escola?
Sexualidade: Tema de escola?Sexualidade: Tema de escola?
Sexualidade: Tema de escola?
 
Educacao
EducacaoEducacao
Educacao
 
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
Diferentes fontes de informação sobre sexualidade.
 

Semelhante a Trabalho da disciplina de inclusão

Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
marcaocampos
 
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdfJÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
AparecidadeArajoSilv
 
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescenciaBicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
temastransversais
 
Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez
lenirvaccari
 

Semelhante a Trabalho da disciplina de inclusão (20)

Revista inclusão 7
Revista inclusão 7Revista inclusão 7
Revista inclusão 7
 
ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdfARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
 
ARTIGO 1 .pdf
ARTIGO 1 .pdfARTIGO 1 .pdf
ARTIGO 1 .pdf
 
PRÉ-ESCOLA TERAPÊUTICA LUGAR DE VIDA.pptx
PRÉ-ESCOLA TERAPÊUTICA LUGAR DE VIDA.pptxPRÉ-ESCOLA TERAPÊUTICA LUGAR DE VIDA.pptx
PRÉ-ESCOLA TERAPÊUTICA LUGAR DE VIDA.pptx
 
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
 
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdfJÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
 
Educacao
EducacaoEducacao
Educacao
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
 
Educação e Regras de Ética
Educação e Regras de ÉticaEducação e Regras de Ética
Educação e Regras de Ética
 
Jennifer alyne maria
Jennifer alyne mariaJennifer alyne maria
Jennifer alyne maria
 
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantilTrabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
Trabalho de organizacao e metodologia da educacao infantil
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
 
Palestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | CursosPalestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | Cursos
 
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescenciaBicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
 
Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez
 
Matemática p! v! equipe veteranos
Matemática p! v! equipe veteranosMatemática p! v! equipe veteranos
Matemática p! v! equipe veteranos
 
Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
 

Mais de Leandro Oliveira

Mais de Leandro Oliveira (7)

Letras Leandro de Moraes
Letras Leandro de Moraes Letras Leandro de Moraes
Letras Leandro de Moraes
 
Superexposição na internet e cyber-bullyng
Superexposição na internet e cyber-bullyngSuperexposição na internet e cyber-bullyng
Superexposição na internet e cyber-bullyng
 
O Pedagogo na empresa
O Pedagogo na empresaO Pedagogo na empresa
O Pedagogo na empresa
 
Processo histórico e cultural da LIBRAS
Processo histórico e cultural da LIBRASProcesso histórico e cultural da LIBRAS
Processo histórico e cultural da LIBRAS
 
Pedagogo na área empresarial
Pedagogo na área empresarialPedagogo na área empresarial
Pedagogo na área empresarial
 
O adulto de meia idade e de Terceira Idade no Ensino Superior
O adulto de meia idade e de Terceira Idade no Ensino SuperiorO adulto de meia idade e de Terceira Idade no Ensino Superior
O adulto de meia idade e de Terceira Idade no Ensino Superior
 
Reflexão da educação em face das novas mídias
Reflexão da educação em face das novas mídiasReflexão da educação em face das novas mídias
Reflexão da educação em face das novas mídias
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

Trabalho da disciplina de inclusão

  • 1. ISERJ Formação Interdisciplinar de Recursos Humanos para diferentes metodologias e Inclusão Professoras: Angela e Olga. Aluno: Leandro Oliveira de Moraes. Curso: Pedagogia. Período: 5º. Turno:Noite.
  • 2. Questões da disciplina sobre inclusão. (Angela e Olga) 1- O que compreende como “Paradigma”? Paradigma é um exemplo a ser seguido. Um modelo, um padrão. É um conjunto de normas de uma comunidade, onde os indivíduos devem agir dentro desses limites. 2- Qual a importância das políticas públicas para a inclusão? São muito importantes. São através delas que os direitos do público alvo da inclusão. Pois nem todos as pessoas desse público tem como lutar pelo seus direitos, já que não possuem recursos para tal. Com as políticas públicas, todas as pessoas que precisam de inclusão são alcançados. 3-Pesquise as condutas inteligentes do bebê (0-2 anos) Quarto mês O bebé já olha com atenção a quem o observa, e pode seguir os seus movimentos com a vista . É apegado a mãe , e chora quando ela se afasta. Gosta quando o colocam frente a um espelho. Aparece nesta fase o riso franco. Sétimo mês Chegado ao sétimo mês, o bebé já alcançou uma evolução psicomotora que lhe permite preparar-se para o engatinhar. Oitavo mês
  • 3. O olhar do bebé investiga tudo o que alcança e toca, e agarra com as suas mãozinhas tudo o que encontra no chão. Explora com sua boca, chupa e morde. Nono mês Também reconhece o seu nome e olha para quem o chama. Primeiro ano Ao chegar aos doze meses, o bebé começa a andar sozinho e sem ajuda, mas se ainda não o fez, depressa o fará. 18 meses Assim, das brincadeiras de exploração passa o bebé, às de imitação, copiando as ações que os adultos realizam. Ele quer explorar tudo, subindo se necessário. Não mede o perigo. Por isso, os adultos devem estar bem atentos e não o deixar um minuto sozinho. A curiosidade está em pleno esplendor. Tudo lhe interessa, em tudo quer tocar, escutar. 2-3 anos Entre os dois e os três anos aparece a vontade de desenhar. Tanto os meninos como as meninas gostam de brincar imitando os cuidados e a alimentação. 4-As mudanças do DSMV influenciaram para a inclusão da pessoa com TEA? A última edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais ,o chamado DSM-V, inclui algumas mudanças significativas para os
  • 4. critérios diagnósticos para o autismo. Anteriormente, haviam cinco transtornos do espectro do autismo, hoje há um único diagnóstico de TEA. A versão anterior do DSM tinha três critérios principais para diagnóstico:  Desafios de Linguagem  Déficits sociais  Comportamentos estereotipados ou repetitivos O novo DSM terá apenas duas áreas principais: comunicação social e os déficits e os comportamentos fixos ou repetitivos. 5-Comente a proposta da filosofia do convívio para a atenção primordial: Na filosofia do convívio, dividimos, compartilhamos, e temos uma vivência com o outro. Favorecendo o desenvolvimento e aperfeiçoamento dos aspectos cognitivos, sócio-afetivo e moral do aluno, valorizando seu olhar sobre o mundo e tornando-o ainda mais enriquecido. Não esquecendo de estimular seu potencial. “Educar é Agir para que cada um atinja a própria plenitude.” – Nôvoa. 6- “A inclusão está denunciando o abismo existente entre o velho e o novo na instituição escolar brasileira” M.T. Mantoan. Comente: A instituição escolar brasileira ainda vive muito no modo de educação tradicional. E isso reflete também no modo de olhar a inclusão. Por mais que sejam incluídas práticas educativas novas, o velho modo tradicional sempre estará lá “encruado”. Apesar disso, tivemos muitos avanços nas últimas décadas, em que o público alvo da educação especial ganhou destaque, sejam através de leis para sua inclusão, de políticas públicas, ou da sensibilidade dos agentes da educação. Mesmo com a escola brasileira ainda ser bastante parecida com o que era há 100 anos atrás, ela hoje tem tentado se modernizar, especialmente no modo de tratar os alunos. A inclusão veio para ficar, porém a luta tem que ser mais intensa, para chegarmos ao lugar que ela merece.
  • 5. 7- Conte uma experiência de Aprendizagem (estágio, família, etc.) e conte como agiu ou agiria. Lembro-me do estágio na escola municipal, no qual eu era mediador escolar de um aluno de 50 anos, que tinha síndrome de Down. Ele era bastante “vivo”, e bem comunicativo com todos. Na região dos arredores da escola é bastante conhecido. Sabe se “virar” sozinho. No entanto, apresenta uma dificuldade de aprender a fonética das palavras. É mestre em copiar, porém não consegue entender muito bem o que escreve. Vejo que o convívio da escola o ajuda bastante em sua vida, para se desenvolver. É um rapaz bem inteligente, talvez se tivesse começado mais cedo os estudos, estaria melhor atualmente. 8- Discuta a importância da prevenção para minimizar os casos de Deficiência Intelectual Cerca de 30 a 40% dos casos de Deficiência poderiam ter sido evitados, com medidas preventivas. Experiências internacionais tem demonstrado que o modelo centrado no tratamento e não na prevenção se tornou insustentável em quase todas as partes do mundo. Um avanço no processo educativo do país, junto da prevenção, se torna necessário, para assim se conseguir a redução dos índices da deficiência.] 9= Após a aula e leituras, defina a Educação Holística. A Educação Holística, tem mais de 10000 anos de existência, e quer compreender a educação da pessoa olhando para sua totalidade: corpo, emoção, intelecto e espírito. A palavra Holón já nos diz isso, ela quer dizer um universo de conjuntos integrados, não reduzido a simples soma das partes. Ela é ligada a Ecopedagogia. Ekos como diz a própria palavra em grego, quer dizer casa. E as nossas casas são o nosso próprio corpo, a casa que
  • 6. moramos, as pessoas que convivemos, a cidade que moramos, o nosso país, o mundo, o universo, etc. A Visão Holística da Educação é um novo modo de relação do ser humano com o mundo. Ela monta um perfil de um ser humano com as seguintes características: 1. Ativo e Autodeterminado: autonomia para a “reconstrução do mundo”; 2. Pacífico: sensibilidade e criatividade para a criação de formas de luta; 3. Solidário: Busca a justiça social; 4. Autoconsciente: busca da felicidade, bem-estar e paz, desde que atendidas as necessidades básicas de sobrevivência; 5. Intuitivo e dotado de visão holística: Intuição que alimenta hipóteses dentro de uma perspectiva interdisciplinar; 6. Pleno de amor: Coloca amor em todas as suas relações sociais; 7. Sensível ao belo e criativo: observar, sentir, captar, empolgar-se com detalhes do mundo; 8. Voltado ao espiritual: procura transcender; A Visão Holística na Educação contribui para: a) Perceber o aluno como ser integral; b) Aprender a convivência com o aluno; c) Vivências em dinâmicas de grupo; 10- Expresse situações de Educação Formal em que o binarismo de gênero seja (des) construído. Atualmente a questão do gênero tem sido muito discutida em nossa cidade. Tem se tentado aprovar cartilhas educacionais para os alunos que descartam o binarismo de gênero, porém elas encontram forte oposição, principalmente dentro dos setores das igrejas cristãs. Seria a luta dessas igrejas contra o que elas chamam de ideologia de gênero. O binarismo de gênero nas escolas é construído quando são propagados vídeos como esse: https://www.youtube.com/watch?v=l4KWILEzLCM&app=desktop.( Entendendo a Ideologia de Gênero em 2 Minutos, do canal Sanctus Angele Domini, do youtube)
  • 7. Vídeos que colocam as dividem apenas como sendo apenas meninos e meninas. E que eles devem fazer coisas só de menino e só de menina. Nesse vídeo vemos por exemplo a ideia de que mulheres não podem dirigir caminhões. No meu modo de ver um absurdo, pois para mim as mulheres devem ter o mesmo direito que os homens. Quando meninos só brincam com coisas que são só de “meninos” e as meninas com coisas que são só de “meninas” também vemos o binarismo de gênero. Por exemplo uma menina não pode jogar futebol, se for pensar pelo binarismo de gênero. Já para descontruir o binarismo de gênero na sala de aula, podem ser usado exemplos como de famílias que tem “dois pais”(homossexuais), e não a mãe e o pai como era comum há um tempo atrás. A desconstrução começa já quando nas séries iniciais há a figura do professor homem, num caminho que é dominado pelas mulheres. 11- O que você pensa sobre o valor da poesia (e do poético) na sensibilização do professor e do aluno? É muito importante a poesia na educação, ainda mais no mundo pós- moderno, em que as relações humanas perderam sua essência de cuidado, e onde tudo acontece numa rapidez impressionante. É preciso que haja uma “quebra” no relacionamento aluno e professor, para que possam estreitar sua relação, e isso contribuir para o aprendizado. A poesia pode ajudar muito nesse sentido, pois ela traz a tona os sentimentos mais intrínsecos do ser humano. Na aula sobre poesia que tivemos na disciplina de Recursos Humanos, colocamos para “fora”, o que pensávamos, sentíamos. Como foi importante para nos conhecermos melhor, para os professores nos conhecerem. E também para “desafogarmos” um pouco nosso eu interior, nesse mundo cheio de tribulações. Tornando assim nosso espírito e a nossa vida mais leve, dando até mais vontade de encarar o dia-a-dia, com as nossas lutas.