Trabalho em altura 2015

378 visualizações

Publicada em

NR 35

Publicada em: Serviços
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
378
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho em altura 2015

  1. 1. TreinamentoTreinamento Trabalho em AlturaTrabalho em Altura NR - 35NR - 35 Julho/2015
  2. 2. Acidente de TrabalhoAcidente de Trabalho Conceito LegalConceito Legal  Acidente do Trabalho é aquele que ocorrer peloAcidente do Trabalho é aquele que ocorrer pelo exercício do trabalho a serviço da empresa,exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbaçãoprovocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, ou perda, oufuncional que cause a morte, ou perda, ou redução permanente ou temporária daredução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho.capacidade para o trabalho.
  3. 3. Conceito PrevencionistaConceito Prevencionista  Acidente de trabalho é uma ocorrência nãoAcidente de trabalho é uma ocorrência não programada, inesperada ou não, queprogramada, inesperada ou não, que interrompe ou interfere no processo normal deinterrompe ou interfere no processo normal de uma atividade, ocasionando perda de tempouma atividade, ocasionando perda de tempo útil e/ou lesões nos trabalhadores e/ou danosútil e/ou lesões nos trabalhadores e/ou danos materiais.materiais.
  4. 4. Quedas em NúmerosQuedas em Números  No trabalho em altura, a maioria dos AcidentesNo trabalho em altura, a maioria dos Acidentes de Trabalho (AT) envolvem quedas. Veja o quede Trabalho (AT) envolvem quedas. Veja o que elas representam no universo de ATelas representam no universo de AT comunicados pelas empresas.comunicados pelas empresas. CATs enviadas pelo INSS ao MTE = 1.783.993CATs enviadas pelo INSS ao MTE = 1.783.993 CATs que se referem a quedas = 314.240CATs que se referem a quedas = 314.240 CATs que se referem à queda de nível =CATs que se referem à queda de nível = 205.832205.832 Principal conseqüência dos AT com quedas:Principal conseqüência dos AT com quedas: AT GRAVE OU MORTEAT GRAVE OU MORTE
  5. 5. Ato InseguroAto Inseguro  Acidentes do trabalho que residem exclusivamente noAcidentes do trabalho que residem exclusivamente no fator humano, isto é, aqueles que decorrem dafator humano, isto é, aqueles que decorrem da execução de tarefas de forma contrária às normas deexecução de tarefas de forma contrária às normas de segurança.segurança. Condição InseguraCondição Insegura  São condições presentes no ambiente de trabalho,São condições presentes no ambiente de trabalho, colocam em risco a integridade física e/ou mental docolocam em risco a integridade física e/ou mental do trabalhador, devido à possibilidade do mesmo acidentar-trabalhador, devido à possibilidade do mesmo acidentar- se; principalmente pelas deficiências técnicas.se; principalmente pelas deficiências técnicas.
  6. 6. Normas e ProcedimentosNormas e Procedimentos  É obrigatório o uso do cinto de segurança tipo pára-quedista ou a utilização de plataformas adequadas, em todos os trabalhos em altura acima de 2,0 m;  Em serviços com eletricidade realizados em postes ou com necessidades de limitação de movimentos, poderá ser utilizado o cinto do tipo abdominal.  O cinto de segurança deve estar amarrado em um ponto firme e resistente.  Se não existir ponto de amarração para o cinto de segurança deverá ser instalado um cabo guia ou de segurança ou um olhal que servirá de suporte o cinto de segurança.
  7. 7.  Trabalhos em telhado e de pintura, tratamento e limpeza de fachadas, entre outros, somente poderão ser executados com o uso de cinto de segurança tipo “pára-quedista” afixado em cabo guia com trava-quedas ou outro sistema adequado de proteção contra quedas com comprovada eficiência.  Não é permitido o trabalho em telhado e fachada, entre outros, utilizando andaime, balancim, plataforma suspensa em condições atmosféricas adversas (chuva, ventos fortes, relâmpagos);  A equipe e o material e equipamento necessários para a execução de trabalhos em telhado deve ser distribuído sobre o mesmo de acordo com sua estrutura e capacidade de suporte de carga.  A área abaixo de onde se executa o trabalho em altura ou se iça e movimenta material deverá ser sinalizada e isolada.
  8. 8. Trabalhos em Altura Utilizando Andaimes e Plataformas.  Realizar inspeção dos andaimes e plataformas sempre antes de utilizá-los.  O acesso aos andaimes em montagem deve ser limitado à equipe responsável pelo serviço.  Verificar perigo de contato do andaime com rede elétrica ou outros equipamentos energizados.  Todo andaime deve possuir proteção lateral e rodapé.  Sinalizar e isolar a área onde o andaime será montado.  Quando necessário, devem ser instalados dispositivos sinalizadores contra impactos de veículos.
  9. 9.  O andaime deve ser apoiado em base firme e rígida. Não apoiá-lo sobre terreno ou objetos instáveis como tijolos, blocos ou pedaços de madeira.  Avaliar as condições do solo e providenciar base de apoio com pranchões e/ ou chapas de aço, visando evitar o afundamento e/ou a inclinação do andaime.  A fixação ou interligação das peças dos andaimes deve ser feita com dispositivos próprios (braçadeiras, luvas, pinos e contra-pinos) sendo terminantemente proibido improvisações com arame, cordas ou peças que não fazem parte de sua composição. ANDAIMESANDAIMES
  10. 10.  Os andaimes que necessitam de rodízios devem ser providos de travas e somente devem ser utilizados em locais de piso plano e pavimentado e ter altura limitada a 4,0 m;  É proibido o deslocamento da estrutura dos andaimes com os trabalhadores sobre os mesmos;  Quando não for possível a fixação do andaime em uma estrutura ou ponto de ancoragem deve-se estaiar o andaime com cordas ou cabos de aço devidamente fixados ou por tubos rígidos nas quatro direções opostas. ANDAIMESANDAIMES
  11. 11.  A subida e descida das plataformas dos andaimes somente devem ser efetuadas com a utilização das escadas do mesmo.  É proibido a utilização de escadas ou qualquer outro dispositivo sobre a plataforma do andaime de modo a acessar lugar mais alto que possibilitado com a simples utilização do andaime.  A estrutura do andaime deve ser projetada de modo a suportar o peso das pessoas que trabalharão sobre o mesmo e as ferramentas, equipamentos e materiais necessários para a execução do serviço. ANDAIMESANDAIMES
  12. 12. ANDAIMESANDAIMES  Conservar a plataforma do andaime limpa, livre de entulho, mantendo somente o material, máquinas e ferramentas necessárias ao trabalho;  Somente um profissional devidamente treinado e habilitado (eletricista) deverá providenciar iluminação, instalação de máquinas e equipamentos elétricos para serem utilizados em andaimes.  As fiações não poderão conter emendas e os focos de iluminação não deverão ofuscar e/ ou atrapalhar a visão dos usuários;
  13. 13.  Não é permitida a existência de espaços vazios entre os pisos metálicos ou pranchões da plataforma. Caso seja necessária a existência de alguma abertura na plataforma de serviço, esta deverá ser provida de guarda-corpo;  Antes de cada nova jornada de trabalho, devem ser verificadas as condições gerais dos andaimes (amarrações, esteios, pranchões, prumo, nível, entre outros), recuperando danos ou alterações causados por chuvas, ventos, vibração de equipamento, ação predatória, entre outras;  Só é permitida a utilização e construção de vigas de içamento (pau de carga ou mão francesa) para peças ou equipamentos, se o andaime for dimensionado para tal uso; ANDAIMESANDAIMES
  14. 14. ANDAIMESANDAIMES  Os andaimes devem ter suas cargas distribuídas de modo uniforme e sem obstruir a passagem de pessoas;  Ë obrigatória a fixação das extremidades dos pranchões que formam o piso, quando apoiados em duas travessas. Quando apoiados em três travessas, os pranchões devem possuir nas extremidades dispositivos que evitem o escorregamento. Já os pisos metálicos vem com o sistema de travamento que devem ser usados sempre.  Os pranchões não devem ter mais do que 200 mm de balanço;
  15. 15. Trabalhos em Altura Utilizando Escadas Móveis  As escadas de mão devem ter seu uso restrito para acessos provisórios e serviços de pequeno porte.  O comprimento de uma escada móvel simples deve ser limitado a 7,0 m.  A inclinação de uma escada móvel deve ser tal que a distancia da sua extremidade inferior ao plano vertical de apoio não seja maior que 1/4 do comprimento da escada.
  16. 16.  As escadas devem ser fixadas de modo seguro e possuir sapatas anti-derrapantes.  Ao se utilizar escada próximo a portas, áreas de circulação, aberturas no piso e vãos desprotegidos, deve-se isolar e sinalizar a área informando sobre o risco de acidentes, se for o caso bloquear temporariamente a porta, e proteger/ vedar a abertura no piso e o vão. ESCADAS MÓVEISESCADAS MÓVEIS
  17. 17.  Amarrar a parte superior da escada para evitar deslocamentos laterais.  Ao se utilizar escada de mão para acessar um local de trabalho mais elevado, a extremidade superior da escada deve ultrapassar pelo menos 1,0 m o piso deste local.  Ao utilizar escadas de abrir, as mesmas devem estar totalmente abertas e travadas.  A escada telescópica não deve ser estendida totalmente, devendo permanecer uma sobreposição de pelo menos quatro degraus, devendo ser travada e amarrada.  Não utilizar escadas metálicas para trabalhos em eletricidade. ESCADAS MÓVEISESCADAS MÓVEIS
  18. 18.  Ao utilizar escadas portáteis em trabalhos próximos à instalações elétricas, barramentos, manter distância adequada e segura.  Sinalizar a área próxima ao local de colocação da escada e, se preciso, isolar a área.  Somente usar escadas de comprimento suficiente, sendo proibido adicionar extensões improvisadas. ESCADAS MÓVEISESCADAS MÓVEIS
  19. 19. Trabalho em AlturaTrabalho em Altura DefiniçãoDefinição  Trabalhos realizados em locaisTrabalhos realizados em locais elevados, que apresentam diferençaelevados, que apresentam diferença de nível e risco de queda aosde nível e risco de queda aos trabalhadores.trabalhadores.
  20. 20. Principais áreas com grande risco de queda coberturas - rampas – silos / reservatórios - plataformas móveis - coletivo / individual - torres / chaminés - galerias / tanques - pontes-rolantes / sacadas
  21. 21. Principais áreas com grande risco de queda horizontal + vertical – caminhões / vagões - indústria petroquímica
  22. 22. Exemplos de áreas com grande risco de queda e principais equipamentos e acessórios para proteção do trabalhador Cadeira Manual Cadeira Motorizada Trava-queda para cabo de aço ou corda Trava-queda para trilho inox Trava-queda retrátil para áreas de carga, telhados e andaimes Escadas para telhados Equipamentos manuais para áreas confinadas Equipamentos motorizados para áreas confinadas Sistemas de Segurança para movimentação horizontal Cinturões de segurança e acessórios para ancoragem
  23. 23. Com dois painéis e uma diagonal, Efetuada a primeira montagem, inicia-se a montagem. colocando o terceiro e quarto painel. PROCEDIMENTO PARA MONTAGEM DE ANDAIMES TUBULARES MODULADO:
  24. 24. Nesta ordem continua-se a montagem até a altura desejada Para um procedimento seguro, recomenda-se a colocação de uma diagonal a cada 3,0 m. lembrando que sua colocação deverá ser em sentido oposto ao de baixo, formando um “X” visto de cima, a fim de dar mais rigidez ao conjunto.
  25. 25. RodapéRodapé Piso de TrabalhoPiso de Trabalho Travamento Diagonal ACESSÓRIOS DE BASE: 01- Sapatas Fixas 02 - Rodízio com Trava PROCEDIMENTO PARA MONTAGEM DE ANDAIMES TUBULARES MODULADO:
  26. 26. Cinto de SegurançaCinto de Segurança CaracterísticaCaracterística UtilizaçãoUtilização ConservaçãoConservação Equipamento que seEquipamento que se destina à proteção dedestina à proteção de funcionários contrafuncionários contra quedas de altura. Équedas de altura. É fabricado com cadarçofabricado com cadarço de náilon, com 50 mm dede náilon, com 50 mm de largura, argolas elargura, argolas e mosquetões de açomosquetões de aço forjado com travas,forjado com travas, ilhoses de materiais não-ilhoses de materiais não- ferrosos e fivela de açoferrosos e fivela de aço forjado ou material deforjado ou material de uma resistência euma resistência e durabilidadedurabilidade equivalentes.equivalentes. Deverá ser utilizado emDeverá ser utilizado em trabalhos desenvolvidostrabalhos desenvolvidos a mais de 2,0 m dea mais de 2,0 m de altura, onde existiremaltura, onde existirem riscos de quedas deriscos de quedas de pessoas. É obrigatóriopessoas. É obrigatório utilização de cintos deutilização de cintos de segurança tipo alpinista,segurança tipo alpinista, com 2 (dois) talabartes.com 2 (dois) talabartes. Eventualmente éEventualmente é utilizado trava-quedasutilizado trava-quedas adicional.adicional. GuardarGuardar adequadamente, evitaradequadamente, evitar dobras e contatos comdobras e contatos com produtos químicosprodutos químicos (ácidos), materiais(ácidos), materiais cortantes ou abrasivos.cortantes ou abrasivos.
  27. 27. Talabarte com absorvedor de impacto.
  28. 28. Os riscos de quedas em obras, seja no mesmo nível ou em níveis diferentes são causadores de grandes lesões incapacitantes e até mesmo a morte e merece nossa atenção especial.
  29. 29. - Andaimes com tábuas com nós, finas e desamarradas - Andaimes apoiados sobre terra, sem sapatas - Andaimes desamarrados - Andaimes forrados irregularmente - Movimentação de andaimes com pessoas em cima - Falta de guarda-corpo no andaime - Plataformas sem corrimão - Caminhar sobre estruturas sem cinto de segurança - Não usar cinto de segurança - Usar escadas com defeito nos varões e degraus - Apoiar escadas erradamente, muito em pé ou muito deitada - Subir a escada sem alguém segurando - Não amarrar a escada ao subir na mesma - Desequilibrar-se sobre a escada - Subir escada usando apenas uma das mão - Abertura em grades de piso -Falta de cabo guia para afixar cinto de segurança - Rompimento de guarda corpo provisório QUEDA DE DIFERENTES NÍVEIS RISCOS
  30. 30. Queda de Diferentes NíveisQueda de Diferentes Níveis PrevençãoPrevenção -- Montar andaimes travados, usando pranchões devidamente amarradosMontar andaimes travados, usando pranchões devidamente amarrados - Apoiar os andaimes sobre sapatas ou tábuas- Apoiar os andaimes sobre sapatas ou tábuas - Amarrar os andaimes a partir de 3, 0 m- Amarrar os andaimes a partir de 3, 0 m - Cobrir toda a superfície do andaime com pranchões- Cobrir toda a superfície do andaime com pranchões - Jamais movimentar andaimes com pessoas em cima- Jamais movimentar andaimes com pessoas em cima - Colocar guarda-corpo no andaime- Colocar guarda-corpo no andaime - Colocar corrimão nas plataformas em montagem- Colocar corrimão nas plataformas em montagem - Não caminhar sobre as estruturas para ter acesso a locais de trabalho-descer- Não caminhar sobre as estruturas para ter acesso a locais de trabalho-descer e subir em outro ponto é o melhor caminhoe subir em outro ponto é o melhor caminho - Usar sempre o cinto de segurança, afixado acima da altura da cabeça e preferencialmente em ponto independente - Inspecionar escadas e usar somente as que estiverem em bom estado - Somente subir na escada com alguém segurando - Amarrar a escada ao trabalhar sobre ela - Procurar usar a escada como meio de acesso e não como plataforma de trabalho - Manter inclinação da escada a uma distância de 1/4 de altura, da parede ao pé da escada - Não esticar o corpo fora do centro da escada
  31. 31. Queda de Diferentes NíveisQueda de Diferentes Níveis PrevençãoPrevenção  Não usar os dois últimos degraus da escadaNão usar os dois últimos degraus da escada  Usar as duas mãos para subir a escadaUsar as duas mãos para subir a escada  Usar o cinto sobre escada em altura superior a 1,50 m,Usar o cinto sobre escada em altura superior a 1,50 m, afixando em estrutura independente e testar o alcanceafixando em estrutura independente e testar o alcance do cintodo cinto  Manter abertura de piso protegidas e com pranchõesManter abertura de piso protegidas e com pranchões travadostravados  Manter abertura de laje e piso devidamente protegido eManter abertura de laje e piso devidamente protegido e sinalizadosinalizado  Providenciar guarda-corpo provisório, com resistênciaProvidenciar guarda-corpo provisório, com resistência em toda plataforma de trabalhoem toda plataforma de trabalho  Confirmar qualidade da soldaConfirmar qualidade da solda  Colocar cabo guia para afixar cinto de segurançaColocar cabo guia para afixar cinto de segurança
  32. 32. USO DO CABO-GUIA, CONFECCIONADO EM CABO DE AÇO. CINTO DE SEGURANÇA ATRACADO NA LINHA DA CINTURA OU ACIMA DA CABEÇA.
  33. 33. FUNCIONÁRIO TRABALHANDO EM ANDAIME QUE TEM GUARDA CORPO DENTRO DAS NORMAS DE SEGURANÇA E UTILIZANDO O CINTO DE SEGURANÇA.
  34. 34. ANDAIME MONTADO DENTRO DAS NORMAS DE SEGURANÇA, COM RODAPÉ, ESCADA DE ACESSO, GUARDA CORPO, PLATAFORMA DE TRABALHO COMPLETA E ETC.
  35. 35. PASSARELA MONTADA COM RODAPÉ, CORRE MÃO, GUARDA-CORPO E TÁBUAS SEM APRESENTAR NÓS, E RACHADURAS, ATENDENDO AS NORMAS DE SEGURANÇA.
  36. 36. ATRACAR O CINTO ABAIXO DA CINTURA.
  37. 37. ESCADA DE ACESSO COM DEGRAUS IRREGULARES E SEM TRAVA- QUEDA. ANDAIMES MONTADOS SEM SAPATAS.
  38. 38. ABERTURAS COM DEFICIÊNCIA DE PROTEÇÃO E SEM SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO, OFERECENDO O RISCO DE QUEDA.
  39. 39. Falta de dispositivo (pau de carga), para icamento de materiais contrariando as normas de segurança.
  40. 40. FALTA DE TELA DE PROTEÇÃO AO REDOR E EXTENSÃO DE TODA A ESCADA DE ACESSO.
  41. 41. PLATAFORMA DE TRABALHO COM AS TÁBUAS SEM TRAVAMENTO E AMARRAÇÃO NÃO CONFORME
  42. 42. PLATAFORMA DE TRABALHO APRESENTANDO MATERIAL SOLTO, TÁBUAS SOLTAS E SOBREPONDO OUTRAS, FALTA DE GUARDA-CORPO E DESORGANIZADA.
  43. 43. EPI’s de Segurança em AlturaEPI’s de Segurança em Altura Trava- Quedas Trava-Quedas em Aço Inox
  44. 44. Talabarte Cinto de Segurança para Eletricista
  45. 45. Cadeira Suspensa Cinto de Segurança
  46. 46. EPI’s IndispensáveisEPI’s Indispensáveis  Cinto de Segurança tipo para-quedistaCinto de Segurança tipo para-quedista  TalabarteTalabarte  Trava-quedasTrava-quedas  Cinto de segurança abdominal tipo eletricistaCinto de segurança abdominal tipo eletricista  MosquetãoMosquetão  Absorvedor de energiaAbsorvedor de energia
  47. 47. Uso de trava-quedas fixo em escada tipo marinheiro Uso de talabartes em escada tipo marinheiro Uso de escada de abrir e fechar com cinto FORMAS DE USARFORMAS DE USAR
  48. 48. TRAVA-QUEDA RETRÁTIL FORMAS DE USARFORMAS DE USAR
  49. 49. MOSQUETÃO
  50. 50. A APT é uma ferramenta de segurança, cuja finalidade é o planejamento da tarefa que será executada, tendo como principal foco a identificação de riscos e modo de como reduzi-lo ou eliminá-lo. O RISCO É A COMBINAÇÃO DA PROBABILIDADE E CONSEQÜÊNCIA DE OCORRER UM EVENTO PERIGOSO ESPECIFICADO.
  51. 51. O PERIGO É UMA FONTE OU SITUAÇÃO COM POTENCIAL DE PROVOCAR DANOS EM TERMOS DE FERIMENTOS HUMANOS OU PROBLEMAS DE SAÚDE, DANOS À PROPRIEDADE, AO AMBIENTE, OU UMA COMBINAÇÃO DISTO. DANO - É A GRAVIDADE DA LESÃO, OU PERDA FÍSICA, FUNCIONAL OU ECONÔMICA, QUE PODE RESULTAR SE O CONTROLE SOBRE UM RISCO É PERDIDO.
  52. 52. 1 - Identificar riscos; 2 - Buscar maneiras de controlar, minimizar ou reduzir os riscos para cada etapa; 3 - Habilitar o empregado na metodologia do planejamento e não no método de erro- acerto.
  53. 53. EMPREGADO Elaborar a APT; Revisar a APT toda vez que houver mudança na tarefa. SUPERVISOR/ CHEFE IMEDIATO Participar na elaboração da APT; Orientar os executantes na utilização da APT.
  54. 54. GERENTE DE ÁREA Implementar o uso da APT; Disponibilizar recursos para a execução das tarefas de maneira segura e a solução das condições de riscos. SESMT Auditar APT aleatoriamente; Dar consultoria quando solicitado.
  55. 55. Nas medidas preventivas evite o uso de frases generalizadas do tipo:  “Ser cauteloso”;  “Atentar para o trabalho”;  “Tomar cuidado”;  “Usar EPI”;  Por exemplo: Use luva de raspa ao invés de “Tomar cuidado” com a chapa metálica, devido ela ser cortante.”
  56. 56. Não deixe a informação pela metade:  Coloque nome completo e matrícula;  A data escreva dd/mm/aaaa;  Não deixe de identificar o nome da equipe;  Acrescente EPI´s específicos mais precisamente nas medidas prevencionistas.
  57. 57. 1 - Envolver todos os executantes da tarefa numa pequena reunião de planejamento, antes do início da tarefa.
  58. 58. 2 - Decomposição do trabalho em fases; 3 - Identificação dos riscos de cada fase; 4 - Medidas preventivas e estabelecimento de métodos seguros;
  59. 59. Em caso de dúvida quanto a uma medida preventiva ou risco, solicite apoio ao técnico de segurança.
  60. 60. Também são etapas importantes da tarefa: ISOLAMENTO DE ÁREA COMUNICAÇÃO COM OUTRAS EQUIPES
  61. 61. As imagens a seguir são fortes, mas demonstram que a tênue diferença entre o acidente e o término de um trabalho de modo seguro pode ser justamente a APT. Não fazer a APT antes de iniciar o serviço é candidatar-se a ser mais uma foto nessa galeria.
  62. 62. O TRABALHO SEGURO PREVINE TUDO ISSO !!!! VOCÊ QUER AINDA ARRISCAR ??

×