Cálculos i e ii

1.526 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.526
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cálculos i e ii

  1. 1. CÁLCULOS I e II Prof.ª Ana Laura Sanches Martin
  2. 2. Porcentagem  - Peso por volume (p/v): É o número de gramas de um constituinte sólido em 100 ml de uma preparação líquida. Exemplo: 10 % p/v = 10 g a cada 100 ml. - Peso por peso (p/p): É o número de gramas de um constituinte sólido em 100 g de uma preparação. Exemplo: 10% p/p = 10 g (de um certo constituinte) a cada 100 g (de outro constituinte sólido da mistura).
  3. 3. Porcentagem - Volume por volume (v/v): É o número de mililitros que existe de um constituinte líquido, misturado em 100 ml de outro (normalmente o solvente) em uma preparação. Exemplo: 10% v/v = 10 ml em 100 ml.
  4. 4.  Fármaco X: 0,15 % = 0,15 g por cada 100 g. Então quantas gramas (x) teriam em 60 g da preparação. 0,15 g - 100 g x - 60 g Precisará separar 0,09 g do Fármaco X para preparar 60 g dessa formulação.
  5. 5.  Estearato de Magnésio: 0,25 g - 100g x - 60 g Precisará de 0,15 g de Estearato de Magnésio. Aerosil: 0,6 g de Aerosil serão usadas. Talco farmacêutico: 18 g. Lauril sulfato de sódio: 1,2 g.
  6. 6.  3) Calcule a quantidade de matéria prima para o preparo da seguinte formulação: - T 3 - diluição 1:100 - 0,02 mg - Excipiente q.s.p. - 100,0 mg Preparar 60 cápsulas. Solução de T3: 1:100 quer dizer: Que a cada 100 partes dessa mistura, uma dessas partes é T 3 (hormônio tireoidiano) e 99 são de solvente (excipiente). Então em 100 mg dessa mistura 1 mg é T3. Como se irá precisar somente de 0,02: 100 mg = 1 mg
  7. 7.  X mg = 0,02 mg Será utilizado então 2 mg da mistura de T3 para conseguir a quantidade da substância ativa que se precisa, que é 0,02 mg. Essa quantidade de 2 mg é para preparar uma cápsula. Para preparar 60 precisará de 120 mg da solução de T3 diluída dessa forma (1 por 100).
  8. 8.  * Excipiente: Para preparar uma cápsula com 100 mg, utilizando 2 mg da solução do hormônio, a quantidade de excipiente necessária para completar a cápsula com 100 mg será de 98 mg, isso uma cápsula. Para 60 cápsulas será necessário 5880 mg de excipiente. Pois: Em 1 cápsula tem 98 mg de excipiente. Em 60 cápsulas se terá quanto X? 1 = 98 60 = X Sendo assim para preparar 60 cápsulas dessa formulação é necessário separar 0,12 g de T3 e 5,88 g de excipiente.
  9. 9. Equivalências de doses Equivalências de doses (medidas caseiras) ( sistema métrico ) 1 L = 1000 ml 1 L = 4 copos  1 ml = 1 cc = 1 cm3 1 copo = 250 ml  1 ml = 20 gotas 1 xícara de chá = 180 ml  1 gota = 3 microgotas 1 colher de sobremesa ( rasa ) = 5 ml  1 g = 1000 mg 1 colher de sopa ( funda ) = 15 ml  1 mg = 1000 mcg  100 UI = 1 ml
  10. 10. CÁLCULOS NA FARMÁCIA  No balcão da farmácia frequentemente chegam receitas médicas para as quais devemos realizar cálculos a fim de determinar as quantidades a serem administradas. Acontece que a maioria de nós tem uma aversão natural à matemática. E agora? Chutamos um número? Pedimos ajuda aos colegas? Assumimos que não sabemos? Não. Decididamente, nenhum desses caminhos é o melhor. temos de saber fazer o cálculo. Veremos a seguir alguns cálculos que podem ser necessários:
  11. 11. 1) Calcular a quantidade de matéria prima para preparar 100 g de uma solução com: - Ureia 2,5 g  Óleo de amêndoas 8,0 ml –  Creme base q.s.p. 50,0 g  * Ureia: Em 50 g da solução tem 2,5 g de ureia.  Em 100 g terão quantos? (x)  50 - 2,5  100 - x  Precisará de 5 g de ureia. Sabemos então que 5 % dessa formulação é composta por ureia.
  12. 12. Cálculos * Óleo de amêndoas:  Em 50 g tem - 8 ml  Então 100g vai ter - x  50 - 8  100 - x  Precisará de 16 ml de óleo de amêndoas para o preparo dessa solução.
  13. 13. Cálculos * Creme base:  16 + 5 = já se tem 21 g da solução, precisa-se então adicionar mais 79 g do creme base para formar as 100g da formulação como desejado.
  14. 14. CÁLCULO DE DOSAGEM A SER ADMINISTRADA, PARTINDO DA RELAÇÃO DOSE/PESO DO PACIENTE  Algumas vezes deparamo-nos com receitas cuja prescrição não é clara. Outras vezes, o que não está claro é quanto o paciente vai tomar, ou seja, quantos ml o paciente tomará. Vejamos: 1 - A dose prescrita pelo médico é de 50mg/kg/dia e o paciente pesa 10kg; qual a dose diária do medicamento? Todas as vezes em que nos deparamos com valores e unidades de medida entre barras como 50mg/kg, podemos substituí-las pela palavra por. Ficaria assim: 50mg por kg por dia.
  15. 15. Dose/ Peso Paciente  Para sabermos a dose diária (24 horas), então, é só multiplicar a dosagem pelo peso, ou seja: dose diária = dose x peso = 50x10 = 500mg por dia Portanto o paciente deverá tomar 500mg por dia.
  16. 16. 2 - Considerando os dados anteriores, quanto se administraria ao paciente por horário, sabendo que o paciente iria tomar o medicamento de 6/6 horas? Se o medicamento está prescrito de 6/6 horas, então o paciente irá tomar 4 vezes por dia. Para resolvermos o problema é só dividir a dose diária por 4.  dose por horário =  dose diária = 125mg por horário -----------4
  17. 17. Cálculos  Se o medicamento fosse dado de 8/8 horas, dividiríamos a dose diária por 3.  Se o medicamento fosse dado de 12/12 horas, dividiríamos a dose diária por 2.
  18. 18. Cálculos 2 - A prescrição médica é de 150mg e o frasco que dispomos é de 250mg/5ml o cálculo fica assim:  250mg--------------------5ml  150mg--------------------Xml  X = 150x5 = 3ml ------- 250 Podemos concluir que a cada 3ml, temos 150mg.
  19. 19. Prescrição: Ceftriaxona = Rocefin 670mg EV de 12/12horasDEF: Reconstituição em 10ml de Água Destilada Diluição de 1g em 50 a 100ml de SF0,9% ou SG 5% Infundir em 30 min Apresentação: frascos de 1g Equipo: retém 10 ml
  20. 20. Ótimo final de semana a todos!!!!

×