Encontro regional de agroecologia amazônico
Ufma/ccaa – chapadinha/MA
Cartilha de textos pré-era
2
Agroecologia como Resposta aos Desafios do
Campesinato
Construtores do ERA Amazônico
Chapadinha/MA
2014
3
―Ordem e progresso‖
Zé Pinto
Esse é o nosso país
Essa é a nossa bandeira
É por amor a essa pátria Brasil
Que a gente seg...
4
Apresentação...............................................................................................................
5
APRESENTAÇÃO
O Encontro Regional de Agroecologia (ERA) é um ambiente de inserção no debate sobre
agroecologia, pensado i...
6
ele é explorado e exterminado pelo agronegócio, que aniquila toda a perspectiva de produção e
reprodução de sua vida. Al...
7
Biologia, colocando em debate os principais problemas que encontramos nesta sociedade, no
meio ambiente e também em noss...
8
A ENEBIO representa os estudantes de biologia do Brasil que se identificam com a luta pela
transformação da sociedade, p...
9
1) no meio estudantil secundarista e universitário;
2) nas periferias dos centros urbanos e:
3) nos setores camponeses.
...
10
próximo período e avaliado o período anterior. Estas definições são sintetizadas nas palavras de
ordem de cada Congress...
11
INFORMAÇÕES COMPANHEIR@S
INFORNAÇÕES PARA AS DELEGAÇÕES
-Tirar um chefe da delegação que
será o responsável por fazer o...
12
Grade do I Encontro Regional de Agroecologia Amazônico
Universidade Federal do Maranhão | Campus Universitário de Chapa...
13
DIA A DIA NO ERA
Manha e tarde: Chegada e credenciamento
Nesse espaço é importante que o chefe de delegação recolha os ...
14
Bumba-Meu-Maranhão
Com a intenção de homenagear e propagandear o nosso grande e enigmático
Bumba-Meu-Boi, que é um movi...
15
Manhã: Será dividida em dois momentos – o Painel II e o GD II
Painel II – O papel da Agroecologia na soberania nutricio...
16
1. Meliponicultura;
2. Defensivos Naturais;
3. Compostagem;
4. Biofertilizantes;
5. Plantas medicinais;
6. Horta suspen...
17
Tarde: Ato Público
Nessa tarde sairemos pelas ruas de Chapadinha para
dialogar com a população e mostrar para a socieda...
18
Encerramento
Aqui faremos o encerramento oficial do nosso ERA. Além de fazer os
agradecimentos, passar as impressões da...
19
PRÉ-ERA‘s
Para garantirmos uma melhor participação dos/as encontristas, é importante que
as organizações pensem com bas...
20
5. Ambiente favorável: lugar com claridade, agradável, sem gente passando, sem barulho,
que concentre.
6. Postura confo...
21
o aprendizado.
 Realização de um plenário onde as pessoas possam expressar e debater suas
opiniões.
 Identificar o te...
22
principal.
 Coordenar não é passar a palavra. É preparar, acolher, animar, sintetizar, garantir o
rumo, facilitar a pa...
23
e o trabalhador não desconfia que isso só facilita o aumento da produção e riqueza dos
patrões.
O uso de recursos pedag...
24
como fazer uma reunião ajuda a ver os acertos, vícios e papéis que acontecem na
realidade e o comportamento de diversos...
25
Desenho, cartaz, filme...
Quando usados como recurso pedagógico, servem para motivar o estudo sobre um
tema ou ilustrar...
26
TEXTOS PARA OS PRÉ- ERA’s
TEXTO 01 – A necessidade da ressignificação da relação sociedade/natureza e a proposta
da agr...
27
do lucro. Em vista disso, um conjunto de práticas (cultivo intensivo do solo, monocultura,
irrigação, aplicação de fert...
28
seres humanos sejam entidades desligadas do meio em que vivem. O segundo é o mito
da natureza infinita, que prevê que o...
29
Edgar Morin, ao participar de um colóquio, em 1979, apresentou de maneira clara
e direta essa ―crise‖ da ciência clássi...
30
Nesse sentido, a abordagem sistêmica, apresenta-se como um ―novo‖ método para
a compreensão e o estudo de fenômenos com...
31
intenção. Por exemplo, tratar as pessoas como se fossem semelhantes, não significa
necessariamente, um tratamento justo...
32
outro, mais ―generalista‖, quase tudo justifica em seu nome. Se o diálogo tivesse
ocorrido, talvez a ―caixa-preta‖ tive...
33
A FEAB possui uma importante contribuição nesse debate. Os estágios
interdisciplinares de vivência (EIVs) tem sido uma ...
34
intensivo de capital, sendo o trabalho essencialmente mecânico e separado do processo
de gestão.
Em síntese, a agricult...
35
político, econômico e ideológico dos setores do agronegócio que sustentam a
permanência e a expansão do modelo da agric...
36
milhões de jovens rurais, 2,3 milhões vivem em situação de miséria, com renda mensal
de 70 reais ou menos.
Sem um lote ...
37
Quais soluções?
A não permanência da juventude no campo preocupa os agricultores mais velhos
com relação ao destino da ...
38
porque, primeiro,
me movo como gente (...) ―
Paulo Freire
A frase acima, citada pelo educador e filósofo brasileiro Pau...
39
realidade camponesa, e não urbana. Através disso, a Educação do Campo deixa de ser
para o povo e torna-se do povo, apon...
40
a 2009), e da Pesquisa de Avaliação da Qualidade dos Assentamentos da Reforma Agrária
INCRA, 2010).
TEXTO 04 – Moviment...
41
Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas: por Terra, Território e
Dignidade realizado em agosto, a fun...
42
Comissão urgente para que a política não se reduza a apenas uma carta de intenções",
analisa. Caberá à Comissão Naciona...
43
dinheiro para comprá-las, não têm acesso às mesmas. Aumentado as diferenças entre
ricos e trabalhadores. Por você acha ...
44
TEXTO 06 - Agroecologia versus Tecnologia: verdade ou mito?
Lívio Diego
FEAB e LPJ
Desde a revolução verde e com o adve...
45
parte do seu poder para fazer lobby (comprar os políticos) para aprovarem leis que
facilitem a comercialização de seus ...
46
banco e tenha problemas para pagar. Além das dificuldades para a mulher ou o jovem
acessar esses créditos, devido a bur...
47
como ciência dedicada ao estudo das relações produtivas entre homem-natureza,
visando sempre a sustentabilidade ecológi...
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA

119 visualizações

Publicada em

Publicada em: Alimentos
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
119
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cartilha PRÉ- TEXTOS I ERA AMAZÔNICO - CORRIGIDA

  1. 1. Encontro regional de agroecologia amazônico Ufma/ccaa – chapadinha/MA Cartilha de textos pré-era
  2. 2. 2 Agroecologia como Resposta aos Desafios do Campesinato Construtores do ERA Amazônico Chapadinha/MA 2014
  3. 3. 3 ―Ordem e progresso‖ Zé Pinto Esse é o nosso país Essa é a nossa bandeira É por amor a essa pátria Brasil Que a gente segue em fileira Queremos mais felicidades No céu deste olhar cor de anil No verde esperança sem fogo Bandeira que o povo assumiu No verde esperança sem fogo Bandeira que o povo assumiu Amarelos são os campos floridos As faces agora rosadas Se o branco da paz se irradia Vitória das mãos calejadas Se o branco da paz se irradia Vitória das mãos calejadas Esse é o nosso país Essa é a nossa bandeira É por amor a essa pátria Brasil Que a gente segue em fileira Queremos que abrace essa terra Por ela quem sente paixão Quem põe com carinho a semente Pra alimentar a nação Quem põe com carinho a semente Pra alimentar a nação A ordem é ninguém passar fome Progresso é o povo feliz A Reforma Agrária é a volta Do agricultor à raiz A Reforma Agrária é a volta Do agricultor à raiz Esse é o nosso país Essa é a nossa bandeira É por amor a essa pátria Brasil Que a gente segue em fileira
  4. 4. 4 Apresentação.............................................................................................................05 Construtores do ERA ................................................................................................06 ABEEF ........................................................................................................................06 ENEBio........................................................................................................................06 FEAB ..........................................................................................................................08 LPJ ..............................................................................................................................08 MST.............................................................................................................................09 Informações importantes .........................................................................................11 Grade do I ERA Amazônico – Chapadinha/ Ma .....................................................12 Dia a dia no ERA .......................................................................................................13 Pré – ERA’s .................................................................................................................19 Textos para os pré-ERA’s ..........................................................................................26 A necessidade da ressignificação da relação sociedade/natureza e a proposta e a agroecologia.............................................................................................................26 Falta de estrutura e possibilidade faz com que jovens abandonem o campo .......35 Uma visão sobre Educação do Campo no contexto da realidade brasileira..........37 Movimentos sociais consideram Política Nacional de Agroecologia insuficiente.40 Por que a tecnologia não chega no campo?.............................................................42 Agroecologia versus tecnologia: verdade ou mito?.................................................44 Orgânico X Agroecológico, você sabe a diferença?.................................................45 Um inferno siderúrgico na Amazônia .....................................................................48 Lutadoras do campo..................................................................................................50 Sugestões complementares para o aprofundamento do estudo............................52 O que é ser maranhense? .........................................................................................54 Contatos da comissão organizadora ........................................................................55
  5. 5. 5 APRESENTAÇÃO O Encontro Regional de Agroecologia (ERA) é um ambiente de inserção no debate sobre agroecologia, pensado inicialmente para os estudantes dos cursos das agrárias, mas que no decorrer de sua história vem se reinventando e atraindo novos sujeitos para essa construção. Para o nosso I ERA Amazônico além da participação da FEAB, ENEBio e ABEEF teremos também uma atuação mais próxima dos movimentos camponeses pertencentes a Via Campesina – como o MST e o MAB – e dos(as) Quilombolas maranhenses e das Comunidades Tradicionais. Tendo como horizonte uma maior interação entre os atores da construção da agroecologia no Brasil e um fortalecimento dessas organizações, através da aproximação de novas pessoas interessas em construir esse grande movimento em defesa de nossa natureza e pela soberania alimentar. Nesse encontro traremos como temática a ―Agroecologia como Resposta aos Desafios do Campesinato‖ entendendo que o papel da agroecologia deve ser a ferramenta de enfrentamento ao agronegócio e a todas as problemáticas que os povos do campo enfrentam em suas comunidades. E nós, enquanto juventude, temos um papel importante, onde devemos assumir o posto de protagonistas dessa revolução agroecológica por ser ela quem construirá hoje o que viveremos no amanhã. Sendo ainda @s jovens personagens importantes na existência de inúmeras experiências agroecológicas que deram e continuam dando cada vez mais certo na agricultura hoje. Dessa forma o encontro trará debates sobre a agroecologia em nosso país e sobre o seu papel na construção dela, além de como se dá a inserção do povo no campo brasileiro e de como
  6. 6. 6 ele é explorado e exterminado pelo agronegócio, que aniquila toda a perspectiva de produção e reprodução de sua vida. Além de tratar sobre o êxodo desse povo, as relações de gênero, acesso a educação e outros serviços. Entendendo que a agroecologia é além de uma forma de produção, que junta ciência e técnica, é também política, dessa maneira trazemos as oficinas e vivências com o intuito de preparar os encontristas para serem capazes de reproduzir e utilizar em seus locais de inserção as técnicas agroecológicas. Assim convidamos todos e todas as virem para a nossa querida Chapadinha, a princesa do Baixo Parnaíba, construir o ERA mais lindo de todos! Construtores do ERA Associação Brasileira dos Estudantes de Engenharia Florestal A Associação Brasileira dos Estudantes de Engenharia Florestal – ABEEF é uma entidade sem fins lucrativos que organiza e articula @s estudantes de Engenharia Florestal a nível nacional, regional e local, preocupada com uma melhor formação técnica, política e ética dos estudantes, para que estes possam compreender e atuar sobre a realidade social de nosso país, uma vez que a Universidade nos moldes atuais, cada vez menos cumpre papel de construção de sujeitos críticos à realidade na qual estão inseridos. Assim, ao longo de sua história a Associação atuou em torno do objetivo de construir uma sociedade justa, igualitária, sem exploradores e explorados e que utilize os recursos naturais de forma equilibrada, harmônica e sustentável. E esses objetivos se mantém firmes, e definem o horizonte de trabalho de nossa organização bem como a nossa forma de atuação. Para isso, a ABEEF tem a universidade como principal área de atuação, entendendo que todos devem ter direito a uma educação pública, gratuita, autônoma e de qualidade. Mas, e claro, não enxerga a universidade como uma bolha isolada dentro da sociedade e por isso expande seus horizontes para além de seus muros. Nesse sentido, a ABEEF vem estreitando laços com os movimentos sociais populares ligados ao campo, principalmente os que estão inseridos na VIA campesina (como MST, MAB, etc.), à floresta e à cidade, além de estreitar ainda mais os laços com outras entidades do Movimento Estudantil. Executiva Nacional dos Estudantes de Biologia A ENEBio - Entidade Nacional dos Estudantes de Biologia, reorganizada em 2007, é composta por diversas escolas do Brasil e vem durante estes 5 anos construindo o Movimento Estudantil da
  7. 7. 7 Biologia, colocando em debate os principais problemas que encontramos nesta sociedade, no meio ambiente e também em nossa formação e educação. Ela reconhece em sua carta de princípios o desacordo com a exploração do homem pelo homem e da natureza pelo homem, e bem como qualquer forma de mercantilização de recursos naturais, pessoas e valores, como acontece no sistema capitalista. Defende a construção da agroecologia como instrumento de luta, com o intuito de despertar uma nova ética ecológica nos seres humanos, que priorize valores socialmente justos, ambientalmente seguros e economicamente viáveis. Reconhece também a luta contra as opressões, seja ela de classe, origem nacional, gênero, etnia, religião, orientação sexual e política. Luta por uma educação para tod@s, gratuita, laica, socialmente referenciada e de qualidade, com caráter emancipatório e transformador e acredita na organização coletiva como forma de superação das contradições sociais. A Entidade então se propõe a promover a luta pela superação desse modelo social, articulando discussões pertinentes à formação do sujeito biólogo, dentro dessa perspectiva, para que cada vez mais estudantes possam ser protagonistas da transformação que queremos para nossa sociedade, com visão e posicionamentos políticos críticos a respeito dos fatos do Brasil e do mundo. Com o objetivo de fortalecer cada vez mais a troca de experiências e massificar nossas discussões (proporcionando a construção de novos valores e as relações de companheirismo), a ENEBio realiza todos os anos Encontros Nacionais e Encontros Regionais de Biologia, ENEB e EREB respectivamente, onde deliberamos sobre as ações da nossa entidade, como também os Conselhos Nacionais e Regionais, CONEBio e COREBio respectivamente, onde organizamos e planejamos nossas atividades ao longo do ano. Além disso, para instrumentalizar nossa militância, proporcionando uma formação crítica mais aprofundada sobre temas importantes para transformação social e alteração do modelo vigente, a ENEBio realiza Cursos de Formação Política da Biologia (CFPBio) e em Agroecologia (CFA), organiza os Estágios Interdisciplinares de Vivência (EIV) em diversos estados. Necessário ressaltar a importância das parcerias da ENEBio, resultado de uma construção diária e concreta de lutas e articulações com alguns Movimentos Sociais Populares, em especial com componentes da Via Campesina, e com outras executivas de curso, como a FEAB (Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil) e a ABEEF (Associação Brasileira dos Estudantes de Engenharia Florestal). Essa aproximação mostra uma identificação cada vez maior de nossa Entidade com as causas populares e o Povo Brasileiro, colocando o papel protagonista que a juventude tem a cumprir dentro e fora da universidade.
  8. 8. 8 A ENEBIO representa os estudantes de biologia do Brasil que se identificam com a luta pela transformação da sociedade, para que vivamos num mundo mais justo e sustentável, com maior equidade social e onde reconheçamos o ser humano como integrante da natureza e agente transformador da mesma, e convida a todos e todas as estudantes de biologia de nosso país, a lutar! Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil A FEAB – Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil – nossa quarentona, tem muita coisa para contar de sua jornada. Altos e baixos, muita luta travada. Viemos nesses 40 anos organizando a estudantada, fazendo formação e realizando lutas. Levantando e balançando as nossas bandeiras que são: Educação; Gênero e sexualidade; Agroecologia; Juventude, cultura, valores, raça e etnia; Relações internacionais; Movimentos sociais populares; Ciência e tecnologia; História e comunicação. Uma caminhada de mãos dadas com o povo. Rumando a construção de projeto de vida para o campo brasileiro, construindo a Agroecologia, que traz consigo novas formas de relação da camponesa e do camponês entre si e com a natureza. Lutando pela soberania alimentar e social de nossa nação. Ser militante da FEAB é ser lutador e lutadora do povo. Defendendo diariamente os interesses da classe trabalhadora e do campesinato. Se transformando em novos homens e novas mulheres. Ajudando na edificação de uma sociedade sem preconceitos, sem opressões e sem exploração. Levante Popular da Juventude O Levante Popular da Juventude é um movimento social de jovens militantes voltados para a luta de massas em busca da transformação social. SOMOS A JUVENTUDE DO PROJETO POPULAR, e nos propomos a ser o fermento na massa jovem brasileira. Somos um grupo de jovens que não baixam a cabeça para as injustiças e desigualdades. A nossa proposta é organizar a juventude onde quer que ela esteja. Deste modo, nos organizamos a partir de três campos de atuação:
  9. 9. 9 1) no meio estudantil secundarista e universitário; 2) nas periferias dos centros urbanos e: 3) nos setores camponeses. Nosso principal objetivo é multiplicar grupos de jovens em diferentes territórios e setores sociais, fazendo experiências de organização, agitação e mobilização. O Levante organiza a juventude para fazer denúncias à sociedade por meio de ações de Agitação e Propaganda (agitprop), ou seja, várias técnicas de comunicação e expressão da juventude com o povo, como músicas, grafismo (graffite), dança, teatro, fanzines, faixas, adesivos, murais, gritos de luta, etc. O diferencial do Levante é que não elegemos bandeiras prioritárias, mas nos colocamos ao lado das mobilizações que reivindicam melhores condições de vida para a juventude brasileira. Num contexto onde falta quase tudo na vida cotidiana do jovem, nosso método é mostrar que sem a organização coletiva e luta nenhuma conquista verdadeira é possível. A perspectiva que o Levante oferece é a possibilidade de estar organizado/a coletivamente para viver e para lutar. Fora da organização as ações isoladas de um indivíduo, por mais justas que sejam, não tem sucesso. Portanto, o que o Levante possibilita às pessoas é o reconhecimento da sua condição de sujeitos e a construção de possibilidades para que estes recuperem a sua capacidade de intervenção política. Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Serra O Movimento Sem Terra está organizado em 24 estados nas cinco regiões do país. No total, são cerca de 350 mil famílias que conquistaram a terra por meio da luta e da organização dos trabalhadores rurais. Mesmo depois de assentadas, estas famílias permanecem organizadas no MST, pois a conquista da terra é apenas o primeiro passo para a realização da Reforma Agrária. Os latifúndios desapropriados para assentamentos normalmente possuem poucas benfeitorias e infraestrutura, como saneamento, energia elétrica, acesso à cultura e lazer. Por isso, as famílias assentadas seguem organizadas e realizam novas lutas para conquistarem estes direitos básicos. Com esta dimensão nacional, as famílias assentadas e acampadas organizam-se numa estrutura participativa e democrática para tomar as decisões no MST. Nos assentamentos e acampamentos, as famílias organizam-se em núcleos que discutem a produção, a escola, as necessidades de cada área. Destes núcleos, saem os coordenadores e coordenadoras do assentamento ou do acampamento. A mesma estrutura se repete em nível regional, estadual e nacional. Um aspecto importante é que as instâncias de decisão são orientadas para garantir a participação das mulheres, sempre com dois coordenadores, um homem e uma mulher. E nas assembleias de acampamentos e assentamentos, todos têm direito a voto: adultos, jovens, homens e mulheres. Da mesma forma nas instâncias nacionais, o maior espaço de decisões do MST é o Congresso que ocorre a cada 5 anos. No mais recente, o VI Congresso, participaram mais de 14 mil pessoas. É no Congresso que são definidas as linhas políticas do Movimento para o
  10. 10. 10 próximo período e avaliado o período anterior. Estas definições são sintetizadas nas palavras de ordem de cada Congresso e que se estendem para o período seguinte. O VI Congresso Nacional definiu como linha para este próximo período: ―Lutar, Construir Reforma Agrária Popular!‖. Além do Congresso, a cada dois anos, o MST realiza seu encontro nacional, onde são avaliadas e atualizadas as definições deliberadas no Congresso. Além dos Congressos, Encontros e Coordenações, as famílias também se organizam por setores para encaminharem tarefas específicas. Setores como Produção, Saúde, Gênero, Comunicação, Educação, Juventude, Finanças, Direitos Humanos, Relações Internacionais, entre outros, são organizados desde o nível local até nacionalmente, de acordo com a necessidade e a demanda de cada assentamento, acampamento ou estado.
  11. 11. 11 INFORMAÇÕES COMPANHEIR@S INFORNAÇÕES PARA AS DELEGAÇÕES -Tirar um chefe da delegação que será o responsável por fazer o credenciamento, e será o contato da brigada com A C.O. (comissão organizadora); -Avisar à C.O. o quanto antes a confirmação da vinda ao ERA; - Enviar duas pessoas por escola para o curso de coordenadores data, 25/05 a 27/05. -Solicitar 200 km a mais no ônibus para o deslocamento até a vivência; -proibido o uso de drogas ilícitas no local do evento. O que trazer? -Kit militante (copo, talher e prato / lençol e colchonete); -Kit higiene pessoal; -Barraca, pois teremos camping (mas para quem não tiver teremos alojamento em tendas); -Remédios de uso pessoal; -Sementes, livros, filmes, temperos, etc. Para Feira Agroecológica de Saberes e Sabores e para o Bumba-Meu-Maranhão; -Pandeiro, violão, zabumba, latas e muitos mais instrumentos para fazer a nossa alegria;
  12. 12. 12 Grade do I Encontro Regional de Agroecologia Amazônico Universidade Federal do Maranhão | Campus Universitário de Chapadinha De 28 de maio a 01 de junho de 2014 Grade Dia 28/05 Quarta Dia 29/05 Quinta Dia 30/05 Sexta Dia 31/05 Sábado Dia 01/06 Domingo Manhã Chegada / Credenciamento Painel I Painel II/ GD II Oficina do Ato Vivências Tarde Chegada / Credenciamento GD I Painéis Paralelos / Oficinas Ato Público Plenária final / Encerramento e Avaliação Noite Abertura Reunião das Organizações Feira Agroecológica de Saberes e Sabores Socialização do Ato Bumba-Meu- Maranhão Fim de Noite Bumba-Meu- Maranhão Bumba-Meu- Maranhão Bumba-Meu- Maranhão Bumba-Meu- Maranhão Pega o beco!
  13. 13. 13 DIA A DIA NO ERA Manha e tarde: Chegada e credenciamento Nesse espaço é importante que o chefe de delegação recolha os RG's de toda a delegação e se encaminhe a Secretaria do ERA para credenciar e receber os kit's dos encontristas ou então para poder inscrever, credenciar e aí receber os kit's dos encontristas. A C.O. encaminhará cada delegação para os alojamentos e para as áreas de camping. Além de esclarecer quaisquer dúvidas que possam vir a aparecer. Noite: Abertura, Apresentação das Escolas, divisão das Tribos e Bumba-Meu-Maranhão  Abertura É o momento que daremos boas vindas oficialmente a todas as delegações. Será também o momento que sentiremos na pele o poder da mística, pois ela é fundamental para que possamos estar entrando no ritmo do ERA.  Apresentação das Escolas Espaço reservado para que as escolas se apresentem a todas as outras que estarão presentes no ERA. É uma chance de se interagir com a galera. Tribos As tribos são grupos menores e servem para que @s encontristas possam se reunir durante os espaços do encontro, como o Painel I, para poderem debater e aprofundar mais sobre a temática de cada espaço, além da realização de algumas tarefas inerentes ao funcionamento do encontro, como alvorada e disciplina. As tribos serão suas famílias durante o ERA e é com eles que vocês passaram uma parte do tempo. As tribos são muito importantes para os processos de interação e aprendizagem, pois nelas @s encontristas estarão em contato com pessoas das mais variadas regiões e saberes. A CO divulgará no ato do credenciamento como serão divididas as tribos. Quarta-feira | 28/05
  14. 14. 14 Bumba-Meu-Maranhão Com a intenção de homenagear e propagandear o nosso grande e enigmático Bumba-Meu-Boi, que é um movimento cultural e secular dos povos negros e indígenas maranhenses, estamos lançando no ERA o Bumba-Meu-Maranhão, que é o momento de confraternização ao fim das atividades de cada dia. Este é o espaço de trocas de experiências culturais, onde nós estaremos apresentando um pouco da cultura regional (Meio-Norte) e maranhense, além de trocar sementes, livros, filmes, entre outras coisas. Esse é também o espaço onde provaremos a culinária maranhense e dançaremos do reggae ao cacuriá. Manhã: Painel I – Agroecologia na Amazônia e o Avanço das Fronteiras Agrícolas Nesse painel será debatido sobre o avanço que o agronegócio vem dando na região amazônica e o papel que a agroecologia tem em como um sistema viável de produção de alimentos saudáveis, que respeita o meio ambiente e que é fonte de renda às famílias camponesas. Além de trazer a conjuntura evidenciando onde está e o que tem feito hoje a juventude do campo e da cidade. Tarde: GD I A tarde será dividida em duas. Durante a primeira parte da tarde haverá um espaço onde as tribos debaterão os questionamentos e posicionamentos do Painel I. Já na segunda parte da tarde todas as tribos se juntarão em plenária para socializarmos com a companheirada todo o debate que foi feito em suas respectivas tribos. Noite: Reunião das organizações A reunião das organizações é um momento em que pessoas da mesma organização, porém de variados Estados e escolas podem se sentar e debater sobre a situação das organizações e da construção da Agroecologia em seus locais de origem. Além de tirarem encaminhamentos que possam vir a ajudar na construção das organizações. QUINTA-FEIRA | 29/05
  15. 15. 15 Manhã: Será dividida em dois momentos – o Painel II e o GD II Painel II – O papel da Agroecologia na soberania nutricional e segurança alimentar. Essa mesa vem mostrar a agroecologia como uma alternativa, como o povo se coloca na luta pela agroecologia, colocando que ela produz alimentos 100% saudáveis e que é possível alimentarmos todas as famílias brasileiras por meio da Agroecologia. Mostrar ainda que alimentos têm que ser produzidos de maneira limpa, sustentável e que forneça renda às famílias do campo. GD II É o momento de se debater sobre os questionamentos acerca do tema abordado nas suas tribos. Tarde: Painéis Paralelos / Oficinas Painéis Paralelos Nesse momento acontecem vários painéis ao mesmo tempo com as mais diversas temáticas. Os painéis que teremos no nosso ERA serão: 1. O papel da mulher na agroecologia; 2. Diversidade Sexual ; 3. Educação do campo e a pedagogia da alternância; 4. Transgênicos e agrotóxicos; 5. Movimentos sociais e comunidades tradicionais; 6. Conservação do Bioma amazônico; 7. Agroecologia , agricultura familiar e extensão rural; 8. Conflitos agrários no campo; Oficinas As oficinas vêm para ajudar no aprendizado prático das técnicas agroecológicas, para que estejamos preparados para atuar no campo, além de nos preparar para mostrar na prática as pessoas de nossas universidades, assentamentos, escolas e comunidades, que não acreditam no potencial da Agroecologia. No nosso ERA teremos as seguintes oficinas: SEXTA-FEIRA | 30/05
  16. 16. 16 1. Meliponicultura; 2. Defensivos Naturais; 3. Compostagem; 4. Biofertilizantes; 5. Plantas medicinais; 6. Horta suspensa; 7. Energias renováveis; 8. Manejo Ecológico do Solo; 9. Resíduos Sólidos; 10.Sementes crioulas; 11.Horta Mandala. Noite: Feira Agroecológica de Saberes e Sabores Nesse momento traremos as comunidades tradicionais e produtivas do Baixo Parnaíba maranhense, para que possam trocar suas experiências e para comercializar um pouco do que produzem. Faremos também, rodas de conversa com os agricultores e agricultoras para que possamos trocar uma ideia. Teremos também artesanato, rodas de violão, tambor de crioula, venda de livros e muito mais... Estaremos no Maranhão e temos uma fama de uma culinária impecável! Não será diferente no ERA: prepararemos uma área onde ofertaremos comidas típicas do Maranhão. Manhã: Oficina do ATO Público Nessa manhã nos reuniremos primeiramente na plenária para explicar como e onde vai ser o nosso ato. Depois explicaremos como e onde funcionarão as oficinas para o ato. Cada encontrista escolhe de qual oficina irá participar de acordo com a demanda de cada uma. Pedimos que as escolas que puderem, trazer materiais para ajudar nas oficinas do nosso ato. O ATO público é uma das partes mais importantes de nosso encontro. É o momento em que saímos as ruas para dialogar com a sociedade e mostrar o nosso projeto, que é a Agroecologia. Aqui usaremos tudo que aprendemos durante o ERA e toda a bagagem que já tínhamos para poder conversar com as pessoas. As oficinas são: Clowns Lambe Comunicação Batucada Cartazes Registro Segurança Palavras de ordem e musicas Saúde SÁBADO | 31/05
  17. 17. 17 Tarde: Ato Público Nessa tarde sairemos pelas ruas de Chapadinha para dialogar com a população e mostrar para a sociedade o que viemos aprendendo durantes os dias do encontro. É o momento de mostrarmos que existe sim outra alternativa para o campo brasileiro e de que ela é viável. As pautas e a metodologia do ato serão informadas no dia pela CO. Noite: Socialização do Ato Agora iremos fazer a socialização que preparamos com muito carinho no dia anterior para que todos e todas as encontristas possam ficar sabendo o que nossa tribo debateu e aprendeu durante todos esses dias. Aqui apresentaremos também a identidade de nossa tribo. Manhã: Vivências No domingo estaremos saindo de dentro do local onde acontecerá o nosso ERA para desbravar as terras maranhenses. Conhecer a região do Baixo Parnaíba e Munin, reunião rica de cultura, fauna e flora, de gente simples e de bom coração... Em breve disponibilizaremos os locais de vivência no site do ERA Amazônico. Tarde: Plenária final / Avaliação / Encerramento Plenária final Nessa plenária faremos os encaminhamentos finais do nosso ERA, como cartas de apoio. Avaliação Logo após esses dois espaços anteriores, voltaremos a nos reunir com nossas tribos para fazermos a avaliação do ERA. Que depois será sistematizada em um documento só para encaminhar para as organizações e para a futura CO. DOMINGO | 01/05
  18. 18. 18 Encerramento Aqui faremos o encerramento oficial do nosso ERA. Além de fazer os agradecimentos, passar as impressões da CO e se despedir desse povo lindo que vai vir ao nosso encontro. Noite: Pega o beco povo! Nesse momento as delegações começam a retornar para os seus locais de origens.
  19. 19. 19 PRÉ-ERA‘s Para garantirmos uma melhor participação dos/as encontristas, é importante que as organizações pensem com bastante carinho na preparação dos grupos que virão ao ERA, cuidando para que todos os/as participantes se apropriem tanto do conteúdo, quanto da metodologia, e assim possibilitando que todos e todas da delegação façam intervenções e possam aproveitar ao máximo de nosso encontro. Há alguns anos, os grupos que participam dos ERA‘s realizam os Pré-ERA‘s, que são espaços nos quais organizamos nossa delegação para a vinda ao encontro, apresentando como este funciona e também realizando debates sobre a Agroecologia e as principais linhas temáticas do evento. A realização desses espaços preparatórios para o ERA já ajudaram e ainda vão continuar ajudando na formação e consolidação de grupos organizados em torno das executivas e movimentos sociais, além das outras formas de organização, como CA's, DA's, Grêmios Estudantis e Grupos de Agroecologia. Cada grupo tem total liberdade de organização deste espaço, porém gostaríamos de dar algumas dicas - que representam o acúmulo de diversas organizações - de como organizar a reunião (e o momento de estudo) e também sobre algumas metodologias participativas. I. DICAS PARA ESTUDO INDIVIDUAL OU COLETIVO Retirado da cartilha ―Trabalho de base. Teoria e prática. Coletânea de Textos.‖ CEPIS, Maio de 2005. 1. Rotina de Estudo: marcar um horário e um dia facilita a escolha dos espaços reservado para os estudos. 2. Tempo de estudo: recomenda-se que por vez, se use no estudo, no mínimo 45 e no máximo, 60 minutos. 3. Garantir o material: cada pessoa deve ter e zelar por sua cópia individual do texto, livro, desenho. 4. O dia bom: as pesquisas mostram que não se programa estudo em dias de cansaço; no sábado, por exemplo.
  20. 20. 20 5. Ambiente favorável: lugar com claridade, agradável, sem gente passando, sem barulho, que concentre. 6. Postura confortável: apoiar o material sentar-se em vez de deitar-se, posição relaxada, pés apoiados. 7. Uma lição de cada vez: porque isso ajuda a entender, gravar e fazer uma aplicação prática do conteúdo. 8. Folhear o texto: para se ter uma visão do conjunto – olhar o autor, os títulos, palavras, desenhos. 9. Fazer anotações: marcando as passagens importantes, os destaques, as novidades, o que se gosta, as dúvidas. 10. Voltar ao texto: várias vezes para apreender a mensagem, as ideias, fatos, informações e exemplos. 11. Fazer resumo: significa repetir com as próprias palavras as principais ideias, colocando as opiniões pessoais. 12. Discutir no coletivo: as dúvidas, interpretações e divergências surgidas no estudo devem ser esclarecidas. 13. Recordar lição anterior: é necessário repetir o já estudado, antes de continuar ou se começar uma leitura. Observação: O plano individual, para ter mais resultado, deve articular-se com o plano coletivo de estudo. Passos para o estudo em grupo Em muitos casos, a organização popular precisa preparar militantes para atuarem como monitores que ajudem os iniciantes na compreensão do conteúdo e no esclarecimento das dúvidas. Nesse caso, esses multiplicadores devem ter uma preparação que os ajude no repasse criativo e dinâmico do conteúdo. Para o estudo grupal, sugerimos os seguintes passos:  É indispensável ter uma coordenação que estimule e facilite a participação de todas as pessoas.  Leitura integral do texto para ter uma visão de conjunto do conteúdo. Pode ser um bloco, de um capítulo ou do todo. Em voz alta, com uma ou várias pessoas lendo.  Reler em pequenos grupos, por proximidade para fixar o assunto e permitir o debate e
  21. 21. 21 o aprendizado.  Realização de um plenário onde as pessoas possam expressar e debater suas opiniões.  Identificar o tema central a coordenação recolhe e ordena a compreensão que as pessoas tiveram da leitura.  Destacar ideias principais até chegar à ideia central da leitura, vendo argumentos e exemplos ligados a essa ideia.  Anotar dúvidas, impressões, passagens, questões despertadas pela leitura e sua discussão.  Resumir no grupo e no plenário, em palavras-chave, frases curtas ou até desenhos as ideias mais importantes.  Interpretar juntos tentando comparar/associar as ideias do texto com as do grupo e com outras leituras.  Aprender a criticar no sentido de formar opiniões próprias e de fazer apreciações sobre o texto.  Tirar conclusões e aprendizados que poderão ser usados na prática das pessoas e do grupo.  Encaminhar a próxima etapa do plano de estudos. Estudo em grupo Um estudo eficaz, sem ser chato, exige: a) Uma preparação aprimorada  A convocação das pessoas é parte determinante em qualquer atividade popular. Funciona quando é feita pelo contato e o convencimento direto. Avisos gerais ou escritos servem apenas para recordar a convocação pessoal.  O local da reunião deve ser um espaço aconchegante, que acomode bem as pessoas e um ambiente que expresse o tema a ser debatido: cartazes, símbolos, músicas, poemas...  Preparação das pessoas encarregadas de animar o debate – elas devem estudar bem o assunto, preparar material de apoio e sugerir dinâmicas participativas.  Disciplina consciente – Por respeito às pessoas que comparecem, o estudo deve começar e terminar na hora marcada. b) Uma coordenação firme  O processo da reunião é de responsabilidade coletiva. Mas, é comandada pela coordenação. Por isso, para a coordenação, chegar na hora, significa chegar antes da hora marcada.  Participar e não assistir é a finalidade do estudo. A coordenação anima a socialização do debate, questiona as afirmações, resume e complementa sem sair do tema
  22. 22. 22 principal.  Coordenar não é passar a palavra. É preparar, acolher, animar, sintetizar, garantir o rumo, facilitar a participação, possibilitar a tomada de decisão. c) Uma realização eficiente  Começar na hora marcada, com entusiasmo, de forma que eleve o astral do grupo.  Não exceder hora e meia – para não perder o poder de concentração. Se continuar, pausa, com amenidades.  Abordar os temas (análise, opinião, sugestões, encaminhamentos) de forma clara e direta.  Evitar o monólogo. Frear, com jeito, o ímpeto de quem adora ouvir o eco da própria voz.  Evitar a discussão entre duas ou entre algumas pessoas, possibilitar que todas as pessoas falem estimular as caladas e as tímidas e conter falas que se desviam do assunto.  Só seguir adiante se o assunto foi bem discutido e concluído.  Encerrar a reunião de forma agradável, na hora combinada. d) Encaminhamentos das decisões  Deixar claro as conclusões do estudo, as tarefas a serem encaminhadas, as responsabilidades e os prazos.  Encarregar gente para acompanhar e cobrar as providências.  Combinar as próximas atividades Observação: Você pode modificar ou acrescentar dicas tiradas da sua própria experiência. II. TÉCNICAS PARTICIPATIVAS Retirado da cartilha ―Concepção de Educação Popular do CEPIS‖ do Centro de Educação Popular do Instituto Sedes Sapientiae, Junho 2008. Técnicas são recursos pedagógicos usados no processo educativo, para facilitar o aprendizado. São procedimentos didáticos, dinâmicas e instrumentos técnicos para o uso desses recursos. Como já foi dito, Educação Popular não se confunde com o uso de procedimentos – dinâmicas de grupo, recursos audiovisuais – que facilitam a integração e geram entusiasmo nas pessoas. Os instrumentos ajudam no processo de tradução, reconstrução e criação coletiva do conhecimento da realidade. A ―euforia do participativo‖ é enganosa, porque, por si, não prepara ninguém para ser protagonista, para entender a realidade social ou para comprometer-se com a transformação social. Às vezes, contribui para que as pessoas sejam manipuladas. Chefes bonzinhos consultam, ouvem a opinião,
  23. 23. 23 e o trabalhador não desconfia que isso só facilita o aumento da produção e riqueza dos patrões. O uso de recursos pedagógicos não é neutro – a maneira de fazer uma atividade pode afirmar ou negar seus objetivos. Quando a Educação Popular insiste no uso dos recursos pedagógicos, tem clareza de que os instrumentos servem para ajudar na incorporação de conteúdos, de forma participativa e crítica. Os desenhos, vídeos, dramatizações, poemas... São caminhos para alcançar um objetivo. Da mesma forma, as dinâmicas não devem ser vistas como um recurso tático e atrativo para animar pessoas e grupos; são recursos para estimular a participação e a cooperação mútua. Entre as técnicas pedagógicas estão: 1. Dinâmicas de Grupo São as várias formas de movimentar as pessoas presentes, em uma atividade e fazê-las participantes, presentes de corpo, mente e coração. Facilitam o entrosamento, o conhecimento mútuo, a construção de confiança e o intercâmbio de ideias e de experiências. Algumas dinâmicas da Educação Popular. A Mística A mística de um Movimento é o conjunto de motivações e princípios que alimentam a sua existência. Enquanto dinâmica, ajuda a recordar os valores, princípios e exemplos, baseados em convicções que unem a classe oprimida. Pode ser feita a qualquer hora, sempre ligada ao assunto do dia. Deve ser curta, simples, bonita e, sobretudo, participada. Em forma de canto, poema, gesto, mensagem, silêncio, testemunho. Não pode virar um show para ser assistido ou para engrandecer quem a preparou. A Apresentação Usa-se dinâmicas de apresentação para quebrar o gelo, facilitar o conhecimento das pessoas presentes, ouvir as expectativas, revelar identidades, saber o que as pessoas fazem, pensam e sentem. Para evitar a formalidade ou a exibição, onde as pessoas se escondem atrás de cargos e títulos. Existem diferentes e criativas formas de apresentação e os educadores devem ir criando outras de acordo com o grupo e o objetivo da reunião. A Dramatização Serve para iniciar ou verificar se um assunto foi assimilado. Num encontro sobre relações sociais de gênero, os grupos podem encenar como vive uma família. Ao analisar a apresentação, o grupo pode refletir como se dão as relações sociais de poder. Encenar
  24. 24. 24 como fazer uma reunião ajuda a ver os acertos, vícios e papéis que acontecem na realidade e o comportamento de diversos atores. Alongamentos e Brincadeiras São feitas para descontrair, divertir, promover o entrosamento. Servem como exercícios para o corpo – alongamentos, danças, capoeira...; ajuda na movimentação do plenário, além de uma oportunidade de revelar habilidades e talentos das pessoas presentes. A formação de grupos É uma dinâmica para envolver todas as pessoas, para mastigar o assunto discutido, verificar seu entendimento, aprofundar um tema, comparar o estudado com a vida e tirar conclusões para a prática. Para levantar questões, o cochicho em plenário, ajuda. Se a tarefa do grupo é a leitura de um texto, é melhor que se faça fora do plenário, em divisão por crachá, cor, número, mútua escolha, vizinhança... Sempre com grupos pequenos e pergunta clara, para que cada pessoa possa dar sua opinião. O resultado pode vir num cartaz a ser explicado em plenário. 2. O uso da poesia e da música A forma poética e musical emociona, envolve, desarma e aproxima, porque pega as pessoas por dentro. Para participar as pessoas precisam conhecer ou ter uma cópia em mãos. Devem ser recitadas ou cantadas, no momento e ambientes adequados. A experiência da primeira leitura pública bem feita e solene, seguida de leitura coletiva, tem sido proveitosa. Pode ser no começo, meio ou fim da atividade sempre ligada ao assunto tratado. Cada região ou grupo pode e deve ter sua própria seleção. O uso de recursos áudios-visuais Quando se fala que o ―o povo tem que entender o que eu digo, tem que ver o que eu digo‖, reforça-se a ideia de que ―a comparação é a cesta aonde o povo leva a mensagem para casa‖, ou que ―um só olhar vale mais do que mil palavras‖. Este recurso vale por ser mais atrativo, provocar várias interpretações, revelar a experiência das pessoas; porque, mesmo sem escolaridade, se pode captar a mensagem. No processo de aprendizagem, 60% são recebidos pela visão; 20% pela audição; 10% pelo tato; 5% pelo olfato; 5% pelo paladar. Por isso, o poder da mídia. Entre os diversos recursos áudios-visuais, lembramos:
  25. 25. 25 Desenho, cartaz, filme... Quando usados como recurso pedagógico, servem para motivar o estudo sobre um tema ou ilustrar um assunto debatido, serve para iniciar ou ilustrar um debate sobre o tema. O desenho e/ou cartaz pode ser feito na hora ou pode vir preparado. As pessoas devem ter cópia e/ou boa visão do recurso que está sendo utilizado. A leitura individual, em grupos e em plenário, ajuda a desmontar a imagem ou a história. Após a exibição do filme é importante um debate sobre ele. O uso de imagens é um bom exercício para aprender e ensinar, pelos modos diferentes de ver, pelo debate, por reunir pontos de concordância e discordância, por sugerir lições para a prática concreta. É necessário verificar se a mensagem foi captada e se foi refletida a relação do recurso audiovisual com o assunto tratado. O uso de mensagens, provérbios e parábolas São recursos usados para reflexão, ou como provocação, conforme o tema. Exemplo: ―Quando o rico mata o pobre, o defunto é que vai em cana‖; ―Se o boi soubesse a força que tem, ninguém dominava ele‖. Após sua leitura pública, solene, individual e coletiva, a pessoa sublinha o aspecto que achou importante, comunica ao vizinho, ao grupo e ao plenário. Quem coordena o debate deve estar atento para recolher e sistematizar as contribuições, em diálogo com o grupo e sempre questionando as afirmações. O uso de textos É importante para um estudo mais aprofundado sobre um tema, além de um exercício de leitura e sistematização do que foi lido. A leitura pode ser em grupo ou individual e possibilita a criação do hábito de leitura e da continuidade da formação sem a presença do educador. Enfim, as técnicas participativas, os meios, os métodos e até os instrumentos pedagógicos estão intimamente vinculados ao fim do qual eles são o caminho. Por isso, é indispensável que os participantes da ação educativa se apropriem do conteúdo, da metodologia e, inclusive, do funcionamento dos instrumentos. 22
  26. 26. 26 TEXTOS PARA OS PRÉ- ERA’s TEXTO 01 – A necessidade da ressignificação da relação sociedade/natureza e a proposta da agroecologia Contribuição da escola de Castanhal-PA, NTP de Agroecologia 2011-2012, Hueliton Pereira Azevedo; Amanda Rayana da Silva Santos; Renan da Silva Cunha. O mundo contemporâneo atravessa uma crise sem precedentes. Não se trata de um fenômeno conjuntural, mas do esgotamento de um projeto civilizacional que tem o seu fundamento no ato de acumular riquezas nas mãos de minorias, sem considerar os limites naturais e humanos necessários a sua própria reprodução. Em face da abrangência, profundidade e complexidade dessa crise, já se tornou lugar comum à afirmação de que nos encontramos diante de uma encruzilhada histórica. De fato, a combinação de uma população mundial crescente e cada vez mais urbanizada com a degradação acelerada dos recursos naturais e as mudanças climáticas globais molda um cenário perturbador que nos confronta com dilemas decisivos. Como alimentar uma população mundial crescente? Como manter os níveis de produtividade alcançados pela agricultura industrial sem dar continuidade ao uso intensivo de combustíveis fósseis e a deterioração da base biofísica que sustenta os processos produtivos da agricultura? Como construir mecanismos de adaptação de sistemas agrícolas às já inevitáveis mudanças climáticas globais? Para dar respostas a essas indagações é necessária uma mudança do modelo convencional de agricultura para estilos de agricultura de base ecológica e mudanças nos padrões de consumo e de uso dos recursos. Enquanto essas mudanças forem sendo materializadas, nosso papel é manter a produtividade da terra agrícola, a longo prazo, da superfície mundial cultivável. Isso requer a produção sustentável de alimentos, que é alcançada segundo Gliesman (2000) através de práticas agrícolas alternativas, orientadas pelo conhecimento em profundidade dos processos ecológicos que ocorrem nas áreas produtivas e nos contextos mais amplos das quais elas fazem parte. Apesar de termos presenciado uma significativa elevação da produtividade e da produção, a fome persiste em todo o globo e não podemos em hipótese alguma confiar nos meios convencionais de aumentar a produtividade, para ajudar a satisfazer a necessidade de alimentos de uma população mundial em expansão. Isso por que esse modelo de agricultura está construído sob dois objetivos: a maximização da produção e
  27. 27. 27 do lucro. Em vista disso, um conjunto de práticas (cultivo intensivo do solo, monocultura, irrigação, aplicação de fertilizantes inorgânicos, controle químico de pragas e manipulação genética de plantas cultivadas) foi desenvolvido sem considerar as consequências não intencionais, de longo prazo, e sem considerar a dinâmica ecológica dos agroecossitemas. Portanto, todas às práticas da agricultura convencional tendem a comprometer a produtividade futura em favor da alta produtividade no presente. Em face disso, além da produtividade qual é o problema que precisamos equacionar para resolver a fome no mundo? A realidade da condição atual da relação entre a sociedade e a natureza. As sociedades humanas em qualquer que seja a sua condição e o seu nível de complexidade não existem em um vazio ecológico, mas sim afetam e são afetadas pelas dinâmicas, ciclos e fluxos da natureza. A natureza definida aqui como aquilo que existe e se reproduz independente da atividade humana pela qual ao mesmo tempo representa uma ordem superior ao da matéria. Isso supõe o reconhecimento de que os seres humanos organizados em sociedade respondem não só a fenômenos e processos de caráter exclusivamente social, mas também são afetados pelos fenômenos da natureza. Nessa perspectiva as sociedades humanas produzem e reproduzem as suas condições materiais de existência a partir de seu metabolismo com a natureza em uma condição que é pré-social, natural e eterna. Este fenômeno implica em um conjunto de processos por meio dos quais os seres humanos organizados em sociedade, independente de sua situação no espaço (formação social) e no tempo (momento histórico), se apropriam, circulam, transformam, consomem e excretam, matérias e energias provenientes do mundo natural. A compreensão desse processo de relação da sociedade com a natureza é fundamental para entender, como se encontra essa relação no atual momento e a necessidade de sua ressignificação. Chegamos pela primeira vez na história da humanidade em um momento que a quantidade de recursos que as sociedades consomem (apropriação) hoje, é maior do à capacidade que a natureza tem de repor e, além disso, a quantidade de produtos eliminados (excreção) pelas sociedades é superior à capacidade que a natureza possui de reciclar e disponibilizar novamente. Assim, precisamos repensar a forma como estabelecemos o contato com a natureza e de como a transformamos. Para isso, precisamos entre outras coisas desmistificar os mitos que envolvem a atual relação das sociedades com a natureza. O primeiro deles é o mito da desconexão do homem com a natureza, que determina que os
  28. 28. 28 seres humanos sejam entidades desligadas do meio em que vivem. O segundo é o mito da natureza infinita, que prevê que os recursos não se esgotam e, portanto, podemos explorar sem limites. O terceiro é o que defende que a floresta preservada é um empecilho para o desenvolvimento, sustentando assim a necessidade de simplificação dos agroecossistemas em uma lógica industrializadora. Esses ―mitos‖ constituem um conjunto de concepções que legitimam a exploração irracional e inconsequente dos recursos naturais em nome de um ―desenvolvimento‖ pautado apenas no crescimento econômico em detrimento da sustentabilidade. Os desafios das ciências agrárias frente ao atual contexto No contexto atual são muitos os desafios postos ao campo das ciências agrárias. Porém, os aspectos que merecem maior atenção são: a interdisciplinaridade, o trabalho e a pesquisa. A interdisciplinaridade Esse contexto de crises interconectadas que vivemos (energética, ecológica, civilizatória e econômica) e a necessidade de mudanças na direção da sustentabilidade, exigem da academia uma revisão de seus pressupostos metodológicos e epistemológicos que guiam as ações de pesquisa e desenvolvimento. Nesse sentido, é de fundamental importância que cada vez mais as ciências agrárias movam-se no sentido de rever a lógica cartesiana de ciência que tem permeado esse campo científico ao longo do tempo. Essa concepção de ciência permitiu à humanidade realizar notáveis avanços no campo científico; as grandes descobertas científicas e o desenvolvimento tecnológico atual são inegavelmente tributários dessa concepção científica. Hegemônica no pensamento científico, ela é fortemente embasada na disciplinaridade, no reducionismo, na especialização, na validação experimental e na priorização dos aspectos quantitativos. No entanto, o avanço da ciência, sobretudo no decorrer do século XX, apontou para as limitações desta concepção científica. A impossibilidade de explicar e compreender comportamentos e fenômenos naturais ditos complexos (como, por exemplo, os eventos climáticos, o funcionamento dos seres vivos, os ecossistemas, etc.) passa a evidenciar as limitações e restrições da abordagem analítica/cartesiana na pesquisa científica.
  29. 29. 29 Edgar Morin, ao participar de um colóquio, em 1979, apresentou de maneira clara e direta essa ―crise‖ da ciência clássica cartesiana no decorrer da segunda metade do século XX: Este método (cartesiano) efetivamente conduziu a ciência a descobertas extraordinárias. Falso em seu princípio, ele se mostrou fecundo em um primeiro momento. É aí que reside um dos paradoxos da história. A obsessão atomista, ou seja, a ideia obsessiva de que é preciso encontrar a menor unidade que será o ―tijolo‖ a partir do qual se poderia reconstruir o universo, essa obsessão conduziu, assim mesmo, à descoberta da molécula, do átomo, da partícula e, atualmente, ela nos conduz, não mais à busca da unidade elementar, mas à busca dos paradoxos fundamentais, ou seja, à complexidade da base. A passagem do elementar ao fundamental é ao mesmo tempo a passagem da simplicidade à complexidade. O mesmo ocorreu na biologia. A obsessão pela unidade de base nos fez passar do organismo à célula e, em seguida, da célula à biologia molecular, e a biologia molecular acreditou encontrar finalmente o elementar nas interações entre moléculas, na interação química. Em uma reviravolta absolutamente inacreditável, é essa mesma biologia molecular que, no fundo, nos apresentou os problemas fundamentais da organização autônoma da vida. (...) Assim, princípios insuficientes impulsionaram a descoberta e, ao mesmo tempo, eles mesmos provocaram seu próprio desmantelamento. Esses princípios ultrapassados sobrevivem, enquanto o novo princípio, o princípio da complexidade, ainda não emergiu completamente! O princípio ―morto‖ ainda não está ―morto‖,e o princípio ―vivo‖ ainda não vive (p. 98-9) Morin (1977), ao afirmar que ―o todo é superior ao todo, o todo é inferior ao todo‖, sintetiza de maneira exemplar um importante preceito que orienta a abordagem sistêmica. Assim, em decorrência de fluxos e interações internas, a abordagem sistêmica considera que o comportamento de um objeto pode ser diferente da soma dos comportamentos dos elementos que compõem esse objeto.
  30. 30. 30 Nesse sentido, a abordagem sistêmica, apresenta-se como um ―novo‖ método para a compreensão e o estudo de fenômenos complexos. Sem se contrapor à abordagem analítica/ cartesiana, e sem negá-la, a abordagem sistêmica propõe-se a ser uma metodologia ―que permita reunir e organizar os conhecimentos com vistas a uma maior eficácia da ação‖ (ROSNAY, 1975). Esse caminho rumo a uma abordagem interdisciplinar que diminua o ―estranhamento‖ entre as disciplinas, que possibilite reflexões sistêmicas e não unilineares, que não fragmente a visão dos profissionais, que alimente a necessidade de uma ciência cada vez mais envolvida com a realidade concreta e com a emancipação das pessoas, necessita ser cada vez mais presente na formação dos profissionais da área das ciências agrárias. Pesquisa A pesquisa científica tem representado um instrumento legitimador do modelo de produção agrícola convencional. Isso tem ocorrido, entre outros fatores, através do desenvolvimento de pressupostos epistemológicos e metodológicos que impossibilitam a construção de uma visão mais humana e complexa da realidade. Nesse sentido, Gomes (2012) defende que é necessário promover essa revisão dos pressupostos da ciência que guiam as ações de pesquisa e desenvolvimento, para isso, elenca alguns elementos necessários a essa tarefa, sendo eles: uma ruptura epistemológica, rigor no uso de conceitos e o uso do método. A agroecologia é considerada uma disciplina científica que transcende os limites da própria ciência, ao pretender incorporar questões não tratadas pela ciência clássica (relações sociais de produção, equidade, segurança alimentar, autoconsumo, qualidade de vida, sustentabilidade, etc.) e esta, por sua vez, se restringiu á aplicação de pressupostos metodológicos. Aceitar que os conhecimentos produzidos em outros contextos, além daqueles considerados científicos, também são válidos, significa colocar em discussão os referenciais mais caros à ciência clássica (e aos próprios pesquisadores). Se a ciência não representa a única fonte de conhecimento válido, se os conhecimentos tradicionais e os saberes cotidianos também devem ser considerados na produção do conhecimento agroecológico, então é necessário promover uma articulação entre o conhecimento científico e os outros saberes empíricos. Isto não é uma coisa fácil, se considerarmos a formação dos pesquisadores, a cultura e a estrutura das instituições. Falar sobre as mesmas coisas não significa, necessariamente, ter a mesma visão de mundo ou a mesma 25
  31. 31. 31 intenção. Por exemplo, tratar as pessoas como se fossem semelhantes, não significa necessariamente, um tratamento justo. Esta consideração é importante para que na pesquisa agroecológica não se incorra no mesmo equívoco da pesquisa clássica, que pretendia uma tecnologia de caráter universal, sem considerar as especificidades de cada grupo de agricultores. A agroecologia incorpora a diversidade e a diferença, por isso é muito mais complexa. Outra consideração relevante é o uso indiscriminado do termo sustentabilidade, que está sendo transformado ou usado, com o propósito de ―crescimento econômico sustentável‖ através dos mecanismos de mercado, sem preocupar-se com a internalização das condições da sustentabilidade econômica nem de incorporar os diversos processos que estão implicados na própria sustentabilidade como o ambiente, o tempo ecológico de produtividade e regeneração da natureza, os valores culturais e humanos, a qualidade de vida, entre outros. Neste sentido, a consideração única dos valores e medições de mercado como indicadores de sustentabilidade, acabou seguindo caminho contrário a sustentabilidade quando consideradas as dimensões sócio- ambientais. Ou seja, a noção de sustentabilidade se divulgou e vulgarizou até formar parte do discurso oficial e do sentido comum. Este mimetismo discursivo, gerado pelo uso retórico do conceito, escamoteou o sentido epistemológico da sustentabilidade (Leff, 2000). O método científico tem sido mais usado, no seu sentido convencional, que é visualizar um fato (ou fenômeno) que deve ser repetido várias vezes, buscando obter o maior número possível de detalhes sendo, realizada, portanto, com a maior precisão possível. Deve-se tomar o cuidado com os ―vícios‖ para ocorra uma observação correta do fato; em muitos casos, a pessoa ver o que deseja ver, e não o que está ocorrendo de fato. Por outro lado, o uso do ―método‖ numa perspectiva não-convencional, adotou uma postura relativista, quase ao estilo da epistemologia anarquista de Feyerabend (1992), o ―vale tudo‖, que agiu corretamente ao abominar as heranças do empirismo, do racionalismo, do positivismo e do mecanicismo, mas não chegou a contribuir para a flexibilização no uso do método convencional. Ao não fazê-lo, também ficou na ―aparência‘‘, pois a falta de ―rigor‘‘, ou de organização do trabalho (como deve ser a atividade de pesquisa), também impede de identificar as ―causas‖. Para citar um exemplo prático, é que um grupo de investigadores, ―mais cartesiano‖, não conhece ou não estudou a teoria da trofobiose (Chaboussou, 1987). O 26
  32. 32. 32 outro, mais ―generalista‖, quase tudo justifica em seu nome. Se o diálogo tivesse ocorrido, talvez a ―caixa-preta‖ tivesse sido aberta, contribuindo para elucidar muitos problemas que ainda hoje continuam sem solução. Ainda sobre o ―método‖, é claro que sua aplicação foi responsável por muitos êxitos científicos. Entretanto, se for concebido em seu sentido estreito, identificado exclusivamente com o método experimental, seu alcance fica radical e automaticamente limitado. Ademais, o método não substitui o talento, mas o complementa: o investigador de talento cria novos métodos, o inverso não ocorre. Para o caso da pesquisa em agroecologia, não se trata nem de abolir o método convencional nem de trabalhar de forma anárquica, mas de construir ―um método‖ flexível o suficiente para incorporar a complexidade em questão. Trabalho No intercâmbio com a natureza, o ser humano produz os bens de que necessita para viver, aperfeiçoa a si mesmo, gera conhecimentos, padrões culturais, relaciona-se com os demais e constitui a vida social. Na relação dos seres humanos para produzirem os meios de vida pelo trabalho, não significa apenas que, ao transformar a natureza, transformamos a nós mesmos, mas também que a atividade prática é o ponto de partida do conhecimento, da cultura e da conscientização (Frigotto, 1985). Na perspectiva dos interesses da classe trabalhadora, o estudo e o debate para aqueles que se dedicam ao trabalho educativo e de qualificação deve se pautar em dois aspectos: a impossibilidade de desenvolver as dimensões educativas do trabalho dentro do sistema capitalista e a compreensão do trabalho como princípio educativo. O modelo difusionista inovador de extensão rural, por exemplo, tem provocado a expropriação dos camponeses do processo de produção do conhecimento que gera as tecnologias que eles passam a utilizar e tem expropriado esses mesmos trabalhadores da autonomia em gerenciar essas inovações a partir do potencial endógeno de seus agroecossistemas, pelo fato de se tratarem de pacotes pré-desenvolvidos sob os quais os agricultores tem que acessar acriticamente. Frente a isso, na construção do conhecimento agroecológico entende-se que a natureza é transformada pelos seres humanos a partir dos processos de trabalho. Assim, o processo de produção de tecnologias deve ser adaptado às condições endógenas do sistema social produtivo dos agricultores, de forma que possibilite a adequação dessas inovações e possibilite a inserção dessas populações no processo de construção do conhecimento e produção das tecnologias e inovações.
  33. 33. 33 A FEAB possui uma importante contribuição nesse debate. Os estágios interdisciplinares de vivência (EIVs) tem sido uma ferramenta importante na construção de um processo de formação pautado na realidade concreta, desfragmentada e reflexiva. Principalmente por se tratar de um momento que possibilita aos estudantes vivenciar o trabalho dos camponeses que, de forma maestral, trabalham tanto nos processos produtivos quanto na gestão da unidade de produção. Essa experiência possibilita também aos estudantes entender a dimensão ontológica (inerente ao ser) do trabalho, percebendo que este, de modo necessário, transcende o objetivo meramente profissional, tratando-se, portanto da própria essência do homem. A alternativa agroecológica Contrapondo-se ao padrão convencional de desenvolvimento agrícola fundamentado no paradigma da Revolução Verde, no final do século XX ganhou corpo em defesa de formas mais sustentáveis de produção agricola um processo inicialmente identificado como ―agricultura alternativa‖. A partir da década de 1990, na América Latina, essa denominação foi substituída pela de ―Agroecologia‖. A Agroecologia enfatiza o desenvolvimento e a manutenção de processos ecológicos complexos capazes de subsidiar a fertilidade do solo, bem como a produtividade e a sanidade dos cultivos e criações. O nível de ruptura com os sistemas convencionais pode variar bastante entre as iniciativas de promoção da Agroecologia, podendo ir desde simples medidas de redução ou substituição do uso de insumos agroquímicos até a completa reestruturação da lógica de organização técnica e econômica dos agroecossistemas, estabelecendo forte analogia estrutural e funcional com os ecossistemas naturais nos quais estão inseridos. O alto grau de especificidade local implica que o desenvolvimento dos agroecossistemas pela perspectiva agroecológica se faz com a forte contribuição de dinâmicas locais de inovação e não por meio da difusão de soluções técnicas universais, tal como designado no paradigma da Revolução Verde. A busca da eficiência agroecológica depende da manutenção de agroecossistemas complexos, com alta diversificação de culturas e criações, o que se consegue por meio de associações, rotações e sucessões de espécies. Esse tipo de sistema impõe limites ao tamanho das unidades produtivas e às possibilidades de mecanização das operações de manejo. Por essa razão, cobra a execução de trabalhos qualificados, flexíveis e atentos aos detalhes de manejo, o que significa que o trabalho é realizado de forma inseparável à gestão do sistema. Ao contrário dos sistemas convencionais que são dependentes do emprego 27
  34. 34. 34 intensivo de capital, sendo o trabalho essencialmente mecânico e separado do processo de gestão. Em síntese, a agricultura familiar camponesa é, por excelência, a base sociocultural para a generalização da alternativa agroecológica, pois conseguem integrar trabalho e gestão em um processo indivisível, que é condição básica para o manejo da complexidade inerente à prática agroecológica. Muito embora, princípios da Agroecologia possam ser empregados por grandes produtores empresariais, o nível de eficiência econômica e ecológica nessas unidades de produção tende a ser muito menor do que quando aplicados em pequenas unidades de gestão familiar. Segundo levantamento realizado na Universidade de Sussex, Inglaterra, mais de 1,4 milhões de agricultores em todo o mundo adotam princípios da Agroecologia. O estudo identificou aumentos médios de 100% na produtividade em centenas de projetos após a adoção desses princípios, com registros de 400% de aumento em situações mais avançadas na transição agroecológica. Além da boa produtividade, os sistemas manejados segundo o enfoque agroecológico, são sistemas com balanço energético positivo e altamente poupador de energia de origem fóssil; recuperam e conservam a fertilidade dos solos sem uso de insumos externos, além de serem resistentes aos processos erosivos; funcionam como sumidouro de carbono e não emitem ou emitem poucos gases de efeito estufa; integram-se funcionalmente à vegetação natural, dando maior estabilidade aos microclimas onde estão inseridos; são livres de contaminação química causada por agrotóxicos e fertilizantes solúveis e da poluição genética causada pelos organismos geneticamente modificados. Segundo a Avaliação Internacional sobre Ciência e Tecnologia Agrícola para o Desenvolvimento (IASSTD, 2009) o conjunto desses efeitos positivos indica que a generalização da Agroecologia é uma estratégia consistente para que a crise do modelo convencional seja enfrentada estruturalmente, a começar pelo desafio de alimentar uma população mundial crescente em condições adequadas e sustentáveis. De forma ainda mais explícita, o relator das Nações Unidas para o Direito Humano à Alimentação divulgou, em 2010, um relatório em que afirma que a Agroecologia pode a um só tempo aumentar a produtividade agrícola e a segurança alimentar, melhorar a renda de agricultores familiares e conter a tendência de erosão genética gerada pela agricultura industrial (DE SCHUTTER, 2010). O principal desafio à generalização da perspectiva agroecológica é de natureza política e não técnica. Ele se apresenta diante da necessidade de superação do poderio
  35. 35. 35 político, econômico e ideológico dos setores do agronegócio que sustentam a permanência e a expansão do modelo da agricultura industrial. Entre outros efeitos negativos, a dinâmica expansionista da lógica do agronegócio tem sido a principal responsável pela desaparição da agricultura familiar camponesa em todo o mundo. Isso não significa apenas a diminuição do número de unidades produtivas familiares que poderiam ingressar em trajetórias de transição agroecológica, mas implica também a perda da cultura camponesa e de povos e comunidades tradicionais, elemento essencial para a construção de conhecimentos agroecológicos ajustados às mais variadas peculiaridades socioambientais. TEXTO 02 – Falta de estrutura e possibilidade faz com que jovens abandonem o campo 31 de agosto de 2012 Por José Coutinho Júnior Da Página do MST Os jovens rurais brasileiros continuam a abandonar a agricultura e o meio rural para tentar a sorte nas cidades. Esse êxodo não é fruto apenas de uma lógica que dita que a cidade é o mundo das possibilidades, enquanto o campo é uma área atrasada, mas principalmente de questões materiais e estruturais de um modelo agrícola predominante junto com práticas políticas que excluem o jovem da produção rural e minam suas possibilidades de ter uma vida digna no campo. Segundo o militante da Pastoral da Juventude Rural (PJR) e do coletivo de jovens da Via Campesina, Paulo Mansan, ―os fatores que levam a essa saída são principalmente estruturantes. Em primeiro lugar, o jovem não tem acesso à terra: a maior parcela de jovens que está saindo do campo são sem terras‖. Os problemas encontrados na falta de políticas e incentivo para a Reforma Agrária afetam diretamente a juventude. Segundo Mansan, o jovem é um dos maiores prejudicados pela paralisação da Reforma Agrária. ―O caminho que ele encontra no final é acabar trabalhando como empregado e ganhar um salário mínimo na cidade do que tentar continuar na luta pela terra‖. Para que o jovem possa ficar no campo, é necessário que a Reforma Agrária vá além da distribuição de terras, afirma a pesquisadora Natacha Eugênia Janata. ―Precisamos de uma Reforma Agrária que tenha estratégias para dar um retorno e segurança financeiros. Além disso, deve existir uma estrutura de saúde, educação e cultura voltadas aos jovens e à realidade no campo. A permanência do jovem no campo é uma consequência do cumprimento desses fatores‖. Enquanto essas políticas não são postas em prática, a realidade do jovem no campo se agrava: dados do programa Brasil sem Miséria apontam que de um total de 8,2
  36. 36. 36 milhões de jovens rurais, 2,3 milhões vivem em situação de miséria, com renda mensal de 70 reais ou menos. Sem um lote próprio e condições estruturais dignas, o jovem não consegue obter uma renda fixa no campo e vai para a cidade. Segundo Natacha, ―É uma questão de sobrevivência. O jovem tem a necessidade de uma renda mensal, e a cidade oferece a ele um vínculo empregatício e um salário, mesmo que seja baixo. A agricultura não dá a ele as relações materiais que a cidade dá‖. Inclusão É difícil para o jovem obter um lote de terra hoje pela Reforma Agrária, pois o cadastro do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) privilegia agricultores que aguardam a terra por mais tempo e que tem uma família constituída, fatores que excluem os mais novos de obter um pedaço de terra. Apesar de concordar com a priorização feita pelo Incra, Mansan admite que é necessário pensar em formas de acabar com a exclusão da juventude advinda dele. ―É preciso pensar em uma forma de assentar o jovem, como por exemplo, assentar vários jovens em um único espaço‖. Segundo Willian Clementino, secretário de políticas agrícolas da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG), as organizações sociais e o Incra estão discutindo formas de inclusão da juventude no cadastro. ―Nos últimos dois anos incidimos bastante na norma de seleção do Incra. Hoje há um grupo de trabalho na entidade que discute as normas de seleção e como potencializar o acesso da juventude à terra‖. A exclusão do jovem não se dá apenas no acesso à terra, mas na falta de voz em relação à tomada de decisões e participação nos lotes da família. Segundo Mansan, essa lógica ―é uma coisa que os movimentos têm que desconstruir, porque é muito predominante. As relações patriarcais dificultam a permanência do jovem, pois quando não há um processo bem discutido de cooperativismo, quem controla os recursos da família e até mesmo os frutos do trabalho do jovem no lote é quem coordena a família. Dessa forma, o jovem acaba tendo dificuldade de ter renda própria. Esse fator contribui para sua saída, pois longe dos pais, o que ele ganhar é dele, podendo até mandar dinheiro para ajudar a família. A sensação de sair do lote contribui na busca da independência desse patriarcalismo. Para quebrar isso, nós temos que construir novas práticas de cooperativismo‖. Para Natacha, ―a juventude é parte da classe trabalhadora, mas se encontra na transição entre adulto e criança. Entrar no mercado de trabalho é difícil: o jovem acaba fazendo o trabalho braçal nos lotes familiares, mas não tem acesso direto aos frutos dos seus trabalhos. Eles querem trabalhar no campo, mas a sua vontade acaba sendo podada pelos adultos. O jovem participa, mas sua opinião não é decisiva; ele quer estar incluído no campo, mas para isso acontecer de fato, as suas decisões precisam ser levadas em conta‖.
  37. 37. 37 Quais soluções? A não permanência da juventude no campo preocupa os agricultores mais velhos com relação ao destino da propriedade: se não há ninguém da família que tenha vontade de herdá-la, o que vai acontecer com ela? Uma resposta ao problema da sucessão vem sendo cursos técnicos, que capacitam os jovens a se tornarem empreendedores. No entanto, esta lógica individualista transforma o lote em um simples negócio, além de sua eficácia ser questionável. De acordo com Mansan, ―não que o jovem não tenha que saber administrar sua propriedade, mas querer resolver o seu problema sozinho não é possível. A solução está nas práticas onde se desenvolve o cooperativismo, o associativismo, onde o jovem é integrante de um grupo que coletivamente consiga produzir as práticas de um campo diferente, um campo onde tem gente e onde ele viva com qualidade de vida. Essa é a grande luta. Essa história do empreendedorismo, nós podemos perceber que 80, 90% dos casos não dão certo. Sozinho o jovem não consegue resolver tudo‖. Para que o jovem possa não apenas suceder os pais, mas ser capaz de pensar e experimentar novas formas de agricultura, ele precisa ser reconhecido como agente político no campo, tão capaz de produzir quanto os adultos. Se isso for concretizado, os benefícios são grandes. Willian aponta que ―a juventude hoje no campo é protagonista das experiências alternativas no campo. As maiores experiências de agroecologia, de lidar com a terra, produzir alimentos sem veneno, exploração do turismo rural, com potencial sustentável, econômico e financeiro tem sido experiências da juventude‖. Exemplos desse protagonismo, cita Willian, são jovens do Maranhão que fizeram um curso de capacitação na CONTAG, e depois arrendaram um terreno coletivamente, onde começaram uma produção agroecológica; jovens no sul do país que trabalhavam com fumo, mas abandonaram a produção para iniciar o trabalho com agroecologia, e jovens que trabalham com o turismo rural, mostrando às pessoas o que é e como funciona a agricultura familiar. A capacidade da juventude em criar, segundo Mansan, se dá porque ―ela está no momento de buscar novas experiências. O jovem está mais aberto ao sonho e num processo de encantamento maior, e é aí que nós temos que, juntamente com a juventude organizada, provar que o campo é o lugar que deve ser construído coletivamente e que a juventude tem um papel determinante, tanto para inovar quanto pela sucessão‖. TEXTO 03 – Uma visão sobre Educação do Campo no contexto da realidade brasileira Contribuição do Núcleo de Trabalho Permanente em Educação (FEAB Fortaleza) ―Me movo como educador,
  38. 38. 38 porque, primeiro, me movo como gente (...) ― Paulo Freire A frase acima, citada pelo educador e filósofo brasileiro Paulo Freire, evidencia com clareza a importância da existência de uma educação referenciada nas demandas do povo, e nos faz refletir que, a forma de educar da qual ele menciona, não está ligada a um ensino que se restringe as salas de aula, mas sim em uma educação que possibilite a construção de uma sociedade mais justa, e principalmente, que respeite cada pessoa em seu meio social. Essa definição de educação citada por Paulo Freire está intimamente ligada ao conceito de Educação do Campo, mas para entendê-la é necessário um olhar mais amplo sobre o assunto, e para isso, é essencial resgatar algumas perguntas que envolvem desde a compreensão de sua metodologia até a sua interpretação. Diante desse contexto devemos então nos perguntar, o que é ―Educação do campo‖? O que a diferencia de ―Educação Rural‖? De que forma está inserida a educação contextualizada dentro da educação do campo? A educação do campo nasceu como forma de crítica à atual situação da educação no Brasil, e principalmente, para contrapor o modelo de aprendizagem que está colocado em nossa sociedade, onde atualmente, os maiores beneficiados são o agronegócio e os grandes latifundiários. Com isso, é perceptível a importância de uma educação voltada para povo que trabalha e vive no campo, e sente a real importância de haver um método educacional de acordo com a sua realidade. É nesse contexto de educação diferenciada e voltada para os camponeses, que nasce a chamada Educação do Campo. Deste modo, a Educação do Campo se distingue de Educação Rural, não só em metodologia, mas em todo o seu contexto de intencionalidades. A concepção de educação rural surge através de iniciativas de políticas públicas, onde a definição do que é área rural é estabelecida através de sensos de pesquisa e o investimento do governo em estrutura e ensino transforma o espaço restrito a escolas desestruturadas e professores mal remunerados. A Educação Rural afirmada por políticas públicas desconsidera a realidade e cultura das pessoas que vivem no campo, despreza as suas individualidades e insere conceitos urbanos que não contribuem para uma educação voltada aos camponeses. Por outro lado temos a Educação do Campo, protagonizada e construída diretamente pelos movimentos sociais populares e que traz uma visão transformadora, capaz de formar o povo como agente crítico e político. Saindo do papel de apenas ouvinte e passando a estar dentro do processo. Conhecendo e estudando a partir do lugar onde vive, dos problemas enfrentados na região, problematizando situações, abordando a cultura, a religião e os costumes locais no dia-a-dia, aproximando-se da
  39. 39. 39 realidade camponesa, e não urbana. Através disso, a Educação do Campo deixa de ser para o povo e torna-se do povo, apontando para um processo profundo de transformação social. E assim, tornando-a parte essencial em um projeto popular para o Brasil. Apesar de a educação ser um direito de todos, até o ano de 2011, mais de 24 mil escolas do campo foram fechadas. Por outro lado, o analfabetismo representa 9,7% do total da população brasileira. No Nordeste a situação se agrava ainda mais, e a taxa de analfabetismo chega a 18,7% entre pessoas com mais de 15 anos.¹ Isso representa um retrocesso nas políticas públicas para o campo e alerta para a criação de iniciativas que visem mudar essa situação, como a campanha nacional ―FECHAR ESCOLA É CRIME‖, criada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), que tem como objetivo evitar o fechamento das escolas do campo, lutar por melhorias nas escolas já existentes e buscar qualidade na educação pública. É importante entender que a luta por educação no campo está diretamente ligada à luta por melhorias de vidano campo, isto é, desenvolvimento no âmbito educacional significa também benefícios para o campo. Por essa razão, é essencial que o desenvolvimento do qual falamos seja voltado para a agricultura familiar, para agroecologia, para a realidade dos camponeses e trabalhadores. E isso só é possível com pressão social, e através de uma luta onde os personagens principais desse processo são os movimentos sociais, os jovens estudantes do campo e da cidade, as tribos indígenas, os povos quilombolas e todo o povo brasileiro que almeja um novo projeto popular para o nosso país. ―Entre tijolos de areia uma nova escola se ergue, das mãos de homens e mulheres que se misturam ao cimento e enquanto sobem as paredes, avançamos nossa luta forjando novos sujeitos, nessa construção da vida O que construímos? Com suor e com beleza construímos a nós mesmos; Construímos nossos sonhos; Construímos nossa história; Num projeto coletivo, construímos um novo homem, construímos uma nova mulher, construímos um novo campo, construímos uma nova educação, construímos a Educação do Campo!‖ - Paulo Roberto FEAB Fortaleza Núcleo de Trabalho Permanente em Educação Referências 1 (Os dados são da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) 2009, do Censo Escolar do INEP/MEC (2002
  40. 40. 40 a 2009), e da Pesquisa de Avaliação da Qualidade dos Assentamentos da Reforma Agrária INCRA, 2010). TEXTO 04 – Movimentos sociais consideram Política Nacional de Agroecologia insuficiente 12 de setembro de 2012, do site do MST Por Viviane Tavares Da EPSJV/Fiocruz Esperada por diversos movimentos sociais, a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PNAPO) foi instituída pelo decreto 7.794 no dia 21 de agosto. Prevista para sair em junho, durante a Cúpula dos Povos, sua publicação foi adiada por quase três meses e avaliada como tímida. Com o objetivo de integrar, articular e adequar políticas, programas e ações da produção agroecológica e orgânica, a política tem como diretrizes a promoção da soberania e segurança alimentar e nutricional, do uso sustentável dos recursos naturais, a conservação dos ecossistemas naturais e recomposição dos ecossistemas modificados, a valorização da agrobiodiversidade e dos produtos da sociobiodiversidade e estímulo às experiências locais, além das questões da participação da juventude e da redução das desigualdades de gênero. No entanto, questões consideradas fundamentais para a Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), o Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea) e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) foram deixados de lado como, por exemplo, o plano de redução de uso de agrotóxico no Brasil com banimento das substâncias já proibidas em diversos países, a definição de áreas contínuas de produção agroecológica, além de apoio à pesquisa e assistência técnica deste modelo. "Propomos um programa específico para as mulheres, uma vez que elas têm um papel fundamental na transição agroecológica, mas a política trouxe uma abordagem muito sutil. É preciso reconhecer o papel das mulheres que hoje ainda são vistas apenas como apoio nestas atividades", acrescenta a presidente do Consea, Maria Emilia Pacheco. Alguns movimentos sociais também apresentaram seu ponto de vista sobre a PNAPO. Em moção publicada durante o I Encontro Unitário dos Trabalhadores,
  41. 41. 41 Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas: por Terra, Território e Dignidade realizado em agosto, a função social da terra e a promoção do acesso à água como um bem de domínio público são lembradas como reivindicações não contempladas pela política. Segundo o documento, a participação da sociedade também foi restringida. "Tivemos duas grandes decepções em relação à questão da participação da sociedade civil, a primeira delas é que a política define a criação de uma comissão e não a de um conselho, como nós havíamos solicitado. Além disso, na sua composição, ela foi definida como paritária, enquanto apostávamos na composição de 2/3, assim como é constituído o Consea e que temos experiências muito positivas", explica Maria Emilia. Ganhos A Parte 1 do Dossiê da Abrasco - Agrotóxicos, Segurança Alimentar e Saúde lançado em abril no World Nutrition Rio 2012 indicava para a criação de uma política de agroecologia como uma forma de promoção da saúde. "Pelo olhar da saúde coletiva, a gente percebe que o nosso modelo agroecológico pode evitar algumas causas dos problemas de contaminação por agrotóxico, por exemplo, que está associado ao modelo de agricultura quimificado, baseado na revolução verde. A agroecologia é uma proposta de alteração do modelo, então, pela primeira vez, a gente começa a ver aparecer políticas que sinalizam e apontam nesta direção", comentou Fernando Carneiro, da Abrasco. Maria Emilia lembra ainda que as diretrizes da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional também apontavam para a implantação de sistemas sustentáveis de base agroecológica. "A produção da agroecologia inclui também a produção de hábitos alimentares com características mais regionais, portanto, mais saudáveis, permitindo a sustentabilidade dos sistemas alimentares", explicou. Ela ainda ressalta que uma dos destaques positivos desta política é encontrado no artigo 12, no qual propõe alterações sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas - SNSM, aprovado pelo Decreto nº 5.153, em relação à dispensa de inscrição no Registro Nacional de Sementes e Mudas (RENASEM), facilitando assim a multiplicação de sementes ou mudas para distribuição, troca e comercialização em diferentes estados. "É fundamental ter um programa de conservação da biodiversidade, e podemos ver pouco deste reconhecimento nesta parte da política, que reconhece existência da semente crioula e nativa. Antes víamos um restrição do direito dos agricultores, que, agora, está tendo mais flexibilidade, incentivando assim esta produção e comercialização", analisa. Próximos passos De acordo com Fernando Carneiro, da Abrasco, é preciso agora criar a Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (CNAPO) para que os objetivos da política passem a se concretizar. "Sem dúvida esta política é uma conquista dos movimentos que, ao longo de anos, vêm pensando e propondo questões, mas ela precisa da criação de
  42. 42. 42 Comissão urgente para que a política não se reduza a apenas uma carta de intenções", analisa. Caberá à Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (CNAPO), dentre outras competências, a elaboração e o acompanhamento da PNAPO e do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PLANAPO), além de propor diretrizes, objetivos e prioridades do plano ao Poder Executivo Federal. A definição das prioridades também é apontada pela representante do Consea como um dos primeiros passos a serem tomados. "Quando nós fizemos e encaminhamos sugestões à política, estas vinham acompanhadas de medidas prioritárias que não foram acatadas. Agora essas prioridades devem ser definidas o quanto antes para que possamos negociar com o governo e começar a concretizar a elaboração do PLANAPO que o decreto prevê", aponta a representante do Consea. Ela explica ainda que para instituir a Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica é preciso pressionar o governo para a criação de uma portaria que a regulamente. Para tal, a ANA e o CONSEA já estão em articulação e com audiências previstas com o Ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas e com ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República do Brasil, Gilberto de Carvalho para as próximas semanas. TEXTO 05 - Por que a tecnologia não chega no campo? 8 de agosto de 2012 Da Página do MST Computadores, celulares, câmeras fotográficas, projetores de filmes, filmadoras, videogames e televisores de última geração... Os jovens do campo querem ter acesso a essas tecnologias. A televisão, novelas e filmes diariamente fazem propaganda das novas tecnologias. Esse é um dos motivos que leva boa parte da juventude que vive no campo a querer mudar para as cidades. Mas será que os jovens do campo precisam ir até a cidade para ter acesso a tudo isso? Não seria melhor que todas as pessoas que vivem no campo e na cidade tivessem as mesmas condições de acesso à tecnologia? A vida no campo não é melhor nem pior que na cidade. Na cidade, as pessoas trabalham muito, têm pouco tempo livre e o salário é pouco. Você deve conhecer alguém que mudou do campo para a cidade, pergunte se lá não tem problemas? E a tecnologia, você sabe como ela é produzida? A tecnologia não foi criada pelas empresas, é fruto do trabalho humano desenvolvido ao longo da história para melhorar a humanidade. Desde os satélites no espaço sideral ao chip dos celulares, carros, tratores, maquinários agrícolas, etc; o trabalho de homens e mulheres está presente em tudo. Na sociedade capitalista as empresas transformaram a tecnologia em um produto de consumo. Assim, os trabalhadores pobres do campo e da cidade, que não têm
  43. 43. 43 dinheiro para comprá-las, não têm acesso às mesmas. Aumentado as diferenças entre ricos e trabalhadores. Por você acha que isso acontece? Uma família que mora nas periferias urbanas não consegue pagar 100 reais por mês para um pacote de internet. Sem contar que antes precisa comprar um computador, que está ficando mais barato, mas depois de um ano já está velho e travando... É impossível discutir o acesso às novas tecnologias da informação sem a democratização da internet. A universalização da internet banda larga – pública, gratuita e de qualidade – é fundamental para permitir aos assentados essa ferramenta. A proposta do governo federal é implantar um Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). O plano foi criado em 2010 e promete a instalação de telecentros com internet nos assentamentos e acampamentos de Reforma Agrária. Mas até agora quase nada saiu do papel. Por que será que até hoje os governos não instalaram o que prometeram? Precisamos cobrar do governo federal a garantia desse acesso à internet nos assentamentos. Todos queremos celular, computador e internet para nos comunicar com o mundo. Mas por que não montar uma rádio comunitária no assentamento? No assentamento, uma rádio pode ser um instrumento importante para os camponeses comunicarem-se entre si e com quem vive na cidade, fortalecer a cultura camponesa, além de ajudar na organização de quem vive no campo. A Lei de rádios comunitárias está fora da realidade do meio rural hoje no Brasil, pois essas rádios só podem atingir o raio de 1 km e ter um transmissor com potência máxima de 25 watts. Quando instalada nos assentamentos, esse modelo de rádio não consegue atingir as famílias da maioria assentadas, que vivem em lotes, distantes. Da mesma forma que lutamos pela terra e por Reforma Agrária, também é importante criar tecnologias alternativas e outros mecanismos para montar rádios comunitárias e lutar pelo acesso às novas tecnologias da informação, como a internet. Para isso, também precisamos de políticas públicas que democratizem a comunicação no campo e na cidade. Somente com luta e organização essas transformações serão possíveis. Em vez de mudar para a cidade, vamos nos organizar e fazer do campo um lugar bom de viver, com acesso à comunicação, às novas tecnologias da informação, à cultura, lazer, esporte, educação etc. A juventude Sem Terra tem papel fundamental nessa batalha. E você, o que acha? Pronto para a luta?
  44. 44. 44 TEXTO 06 - Agroecologia versus Tecnologia: verdade ou mito? Lívio Diego FEAB e LPJ Desde a revolução verde e com o advento do agronegócio que se criou uma falsa separação entre a agricultura alternativa (hoje agroecologia) e o uso de tecnologias. Como se as pessoas que defendem e constroem no dia a dia a agroecologia fossem contra todo e qualquer avanço tecnológico. Dessa forma algumas perguntas voltam à aparecer com toda força. A quem serve a tecnologia? Para onde vão os financiamentos públicos na pesquisa? Qual o papel dos pacotes tecnológicos? O que empresas privadas fazem dentro de universidades públicas? Os questionamentos são muitos e nem tudo está totalmente esclarecido. Ainda há muita coisa por ser descoberta. No entanto já da para saber a resposta para algumas dessas perguntas. Por exemplo sabemos a serviço de quem a tecnologia está e posso lhes falar que não é a serviço do povo. Quase a totalidade do que é pesquisado pelas universidades públicas e pelos órgãos de pesquisa do Estado brasileiro hoje vai para as corporações capitalistas, principalmente as multinacionais e transnacionais. No agronegócio – representante do capitalismo no campo – temos alguns exemplos, como a Bayer, Syngenta e Monsanto. Lembrando que além dos centros de pesquisas públicas (universidades, EMBRAPA, etc.) as empresas ainda contam com estabelecimentos de pesquisa próprios. O lance é que esses também contam com ajuda do Estado, através das parcerias público privada, da isenção fiscal e dos pareceres técnicos favoráveis de órgão ambientais no sentido de liberar áreas para o uso das empresas mesmo que o estudo sobre os impactos não esteja tão condizente com a realidade por exemplo. Só para se ter ideia do poder político e econômico que essas empresas tem peguemos a Monsanto como exemplo. Elá tem sua sede nos Estados Unidos da América, mas está em também outros 60 países. Atingiu uma cifra de US$ 11,7 bilhões de lucro em 2009 (se contarmos com o que não é declarado o valor é muito maior).¹ Além de usar
  45. 45. 45 parte do seu poder para fazer lobby (comprar os políticos) para aprovarem leis que facilitem a comercialização de seus produtos, mesmo que esses produtos não tenham passados por testes suficientes para comprovarem sua conformidade com os padrões de segurança e saúde.² Fora que sempre os órgãos públicos responsáveis tendem a dar parecer favorável. Salve alguns casos em que diretores da ANVISA por exemplo se colocaram contra a liberação de alguns agrotóxicos, mas estes logo rodaram. E a situação tem piorado dentro das universidades públicas, que historicamente é o local do ―pensamento livre‖, onde o tripé do ensino, pesquisa e extensão devem estar voltados para a solução dos problemas de nossa sociedade, mas como isso pode acontecer se empresas privadas estão cada vez invadindo com mais força as universidades, através de financiamentos enormes nos laboratórios e departamentos. Aí fica a pergunta. Para quem vão servir essas pesquisas? Para os agricultores que lidam diariamente com os problemas do campo ou para a empresa que pagou? Qual o interesse dessas empresas? Resolver os problemas do camponês ou apenas obter lucros? Quanto aos financiamentos públicos nem é preciso especular muito. Mesmo com os avanços obtidos nos últimos anos ainda temos muito pelo o que lutar, inclusive para garantir o que já ganhamos, como no caso do Programa 1 milhão de Cisternas (P1MC) cujo o governo está querendo modificar a metodologia do programa que atualmente implanta cisternas de placa para as cisternas de plástico, acabando assim com a participação das famílias na implantação da mesma. Participação essa que se dá desde a mobilização da comunidade para a construção das cisternas (são as próprias famílias as responsáveis) até a formação técnica e política das famílias envolvidas. Onde nas formações se debate as questões de gênero, divisão sexual do trabalho, lutas sociais e técnicas agrícolas por exemplo. Além disso privatizando essa implantação e tornando-as mais caras (o gasto com as de plástico é de R$ 5 mil enquanto as de placa custam R$ 3 mil), além de que as cisternas de plástico são bem menos duráveis e exigem um custo maior de manutenção. Dinheiro esse que sai do bolso das famílias. Outro grande problema do financiamento público está na disponibilidade de crédito para os agricultores familiares, pois para que estes agricultores acessem essas fonte de crédito eles tem que se adequar a pacotes tecnológicos pré-definidos com as sementes, agrotóxicos, tratores, insumos e implementos, inclusive as vezes sendo indicada até a marca ou distribuidor. Assim o agricultor é forçado a entrar em uma lógica de produção diferente da qual ele está preparado para atuar. O que muitas vezes faz com que ele fique devendo ao
  46. 46. 46 banco e tenha problemas para pagar. Além das dificuldades para a mulher ou o jovem acessar esses créditos, devido a burocracia patriarcal de nosso sistema que torna a mulher e o jovem dependentes do homem (que teoricamente tem o papel de marido e pai, respectivamente), excluindo-se a possibilidade de tipos diferentes de famílias, como também a independência desses sujeitos. Lembrando que a diferença entre a verba destinada ao agronegócio e a agricultura familiar é gigantesca. Levando-se em conta investimentos da administração direta - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e operações de crédito subsidiadas de bancos estatais - Banco do Brasil e BNDES -, o governo já repassou para o agronegócio, desde 2003, R$ 106,1 bilhões. O valor equivale a mais de dez vezes o orçamento de R$ 11,4 bilhões previsto para o programa Bolsa Família em 2009, duas vezes e meia o orçamento de R$ 41,6 bilhões do Ministério da Educação e é 78,3% superior ao orçamento do Ministério da Saúde. O montante representa, também, 133% a mais do que os R$ 45,46 bilhões destinados pelo governo, no mesmo período, para a agricultura familiar e reforma agrária.³ Dessa forma podemos constatar que o problema de acesso e desenvolvimento de tecnologias por parte da agroecologia está diretamente ligado a toda essa problemática anteriormente citada, mas que mesmo com tudo isso a agroecologia se mostra cada vez mais preparada e capaz de substituir por completo o agronegócio. ¹ Dados obtidos no site oficial da Monsanto. ² Dados obtidos no documentário ―O mundo segundo a Monsanto‖. ³ Dados obtidos da ASSINAGRO (Associação Nacional dos Engenheiros Agrônomos do INCRA). TEXTO 07 - Orgânico X Agroecológico, você sabe a diferença? Por: M. Humberto - Estudante de Agronomia UFAL - Universidade Federal do Alagoas, Retirado do site do ERA Amazônico. Por estarem intimamente ligados a questão do natural acabamos por confundir essas nomenclaturas. A mídia trata de colaborar com isso muito bem. Na verdade existe uma grande diferença entre alimento orgânico e alimento Agroecológico. A agroecologia é a junção harmônica de conceitos das ciências naturais com conceitos das ciências sociais. Tal junção permite nosso entendimento acerca da Agroecologia
  47. 47. 47 como ciência dedicada ao estudo das relações produtivas entre homem-natureza, visando sempre a sustentabilidade ecológica, econômica, social, cultural, política e ética. Basicamente, a proposta agroecológica para sistemas de produção agropecuária faz direta contraposição ao agronegócio, por condenar a produção centrada na monocultura, na dependência de insumos químicos e na alta mecanização, além da concentração de terras produtivas, a exploração do trabalhador rural e o consumo não local da respectiva produção. Ou seja, as práticas agroecológicas podem ser vistas como práticas de resistência da agricultura familiar, ao processo de exclusão do meio rural e homogeneização das paisagens de cultivo. As práticas agroecológicas se baseiam na pequena propriedade, na mão de obra familiar, em sistemas produtivos complexos e diversos, adaptados às condições locais e em redes regionais de produção e distribuição de alimentos. Portanto, não se pode pensar em Agroecologia como ―ciência neutra‖, já que há em suas pesquisas e aplicações claro posicionamento político. Ela se coloca como ciência comprometida e a serviço das demandas populares, em busca de um desenvolvimento que traga soluções sustentáveis para os diversos problemas hoje enfrentados na cidade e no campo. Já o orgânico pode ser agroecológico ou não! Os produtos orgânicos não fazem uso de produtos químicos sintéticos ou alimentos geneticamente modificados. A filosofia dos alimentos orgânicos não se limita à produção agrícola, estendendo-se também à pecuária (em que o gado deve ser criado sem remédios ou hormônios), e também ao processamento de todos os seus produtos:alimentos orgânicos industrializados também devem ser produzidos sem produtos químicos artificiais, como os corantes e aromatizantes artificiais. Pode-se quase resumir toda sua essência filosófica num desprezo absoluto por tudo que tenha origem na industria química. Todas as demais industrias: mecânica, energética, logística, são admissíveis desde não muito salientes. Produtos orgânicos costumam ser significativamente mais caros que os tradicionais, tanto por causa do maior custo de produção, quanto pelo seu marketing (que explora uma imagem de "apelo ecológico"). Além disso esses produtos por serem orgânicos, não os livra de serem produzidos nos moldes da agricultura convencional ou da monocultura, eles apenas não usam da química como principal meio de combate pragas e fazendo uso dessa propaganda,"livre de agrotóxicos", juntamente com a mídia do "selo verde" que é uma certificação que impede o pequeno produtor de comercializar seu produto como orgânico, que o mesmo alcança preços absurdos e atingem a um determinado tipo de consumidor, o de alto poder aquisitivo.

×