Processos de obtenção de energia

41.835 visualizações

Publicada em

4 comentários
13 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
41.835
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
298
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
804
Comentários
4
Gostaram
13
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processos de obtenção de energia

  1. 1. PROCESSOS DE OBTENÇÃO DE ENERGIA
  2. 2. METABOLISMO CELULAR <ul><li>Metabolismo  conjunto de reações químicas que ocorrem no organismo. </li></ul><ul><li>Reagentes Produtos </li></ul>Energia
  3. 3. DE ONDE VEM ESSA ENERGIA? <ul><li>A energia necessária para a realização de reações químicas do organismo vem da quebra de moléculas, principalmente carboidratos - glicose . </li></ul><ul><li>Outras moléculas também podem ser fonte de energia para a célula: lipídeos , proteínas e ácidos nucléicos . </li></ul>
  4. 4. ONDE A ENERGIA FICA ARMAZENADA? <ul><li>Nas ligações químicas entre os fosfatos da molécula de ATP. </li></ul><ul><li>ATP: Adenosina Tri-fosfato ou Trifosfato de Adenosina. </li></ul>
  5. 5. Adenina Pentose ATP Ribose P P P 2kcal/mol 7kcal/mol 7kcal/mol
  6. 6. COMO O ATP ARMAZENA ENERGIA? <ul><li>A energia liberada na quebra da glicose é armazenada nas ligações fosfato. </li></ul><ul><li>Quando a célula precisa de energia o ATP é quebrado em ADP + P, liberando energia. </li></ul>
  7. 7. Adenina Pentose ATP ADP + P Energia
  8. 8. SERES AUTÓTROFOS <ul><li>São aqueles que produzem o “próprio alimento”. </li></ul><ul><li>Eles são capazes de transformar energia. </li></ul><ul><li>Os autótrofos fotossintetizantes são capazes de transformar energia luminosa em energia química contida na molécula de glicose. </li></ul>
  9. 9. SERES HETERÓTROFOS <ul><li>Não “produzem o próprio alimento”. </li></ul><ul><li>Não conseguem transformar energia, logo precisam adquirir substratos que liberem energia quando são quebrados. </li></ul>
  10. 10. RESPIRAÇÃO CELULAR CAPÍTULO 09 Reações que resultam em liberação de energia através da quebra da molécula de glicose.
  11. 11. RESPIRAÇÃO CELULAR <ul><li>Pode ser de dois tipos: </li></ul><ul><li>Respiração anaeróbia  sem a utilização de O 2 , também chamada de FERMENTAÇÃO . </li></ul><ul><li>Respiração aeróbia  com a utilização de O 2 . </li></ul>
  12. 12. FERMENTAÇÃO <ul><li>Processo de degradação incompleta de substancias orgânicas com liberação de energia e realizada principalmente por fungos e bactérias. </li></ul><ul><li>A quebra de uma molécula de glicose gera apenas 2ATPs </li></ul>
  13. 13. FERMENTAÇÃO <ul><li>Os principais tipos são: </li></ul><ul><li>Fermentação Alcoólica </li></ul><ul><li>Fermentação Láctica </li></ul>
  14. 14. FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA <ul><li>Realizada por leveduras (fungos unicelulares). </li></ul><ul><li>Produtos finais da quebra da glicose: CO 2 e Etanol (C 2 H 5 OH). </li></ul><ul><li>Utilização humana: produção de pães, bolos e bebidas alcoólicas. </li></ul>
  15. 16. FERMENTAÇÃO LÁCTICA <ul><li>Realizada por bactérias do leite. </li></ul><ul><li>Produto final da quebra da glicose: Ácido Láctico. </li></ul><ul><li>É empregada na preparação de iogurtes e queijos. </li></ul><ul><li>Também ocorre em nossos músculos em situações de grande esforço físico – fadiga muscular </li></ul>
  16. 18. RESPIRAÇÃO AERÓBIA <ul><li>Processo pelo qual a glicose é degradada em CO 2 e H 2 O na presença de oxigênio. </li></ul><ul><li>Rendimento: 38 ATPs por molécula de glicose quebrada. </li></ul><ul><li>Dividida em duas partes: </li></ul>
  17. 19. RESPIRAÇÃO AERÓBIA <ul><li>Fase anaeróbia (glicólise): não necessita de oxigênio para ocorrer e é realizada no citoplasma. </li></ul><ul><li>Fase aeróbia (oxidação do ácido pirúvico, ciclo de Krebs, fosforilação oxidativa e cadeia transportadora de elétrons) : requer a presença de oxigênio e ocorre dentro das mitocôndrias </li></ul><ul><li>NÃO ESQUEÇA! Redução – reação química que leva ao ganho de energia. Oxidação – reação química que leva a perda de energia. </li></ul>
  18. 20. EQUAÇÃO GERAL <ul><li>C 6 H 12 O 6 + 6O 2  6CO 2 + 6H 2 O + 38 ATP </li></ul>
  19. 21. GLICÓLISE – PROCESSO CITOPLASMÁTICO NAD : substância que atua como coenzima e que recebe elétrons e hidrogênios sendo reduzida a NADH 2 .
  20. 22. PROCESSOS MITOCONDRIAIS Membrana interna Membrana externa Matriz Mitocondrial Oxidação do ácido pirúvico Ciclo de Krebs Fosforilação oxidativa e cadeia respiratória Crista Mitocondrial
  21. 23. OXIDAÇÃO DO ÁCIDO PIRÚVICO Importante! Duas moléculas de ácido pirúvico passam pelo processo de oxidação, produzindo duas moléculas de acetil - CoA
  22. 24. CICLO DE KREBS Importante! Duas moléculas de acetil - CoA passam pelo ciclo de Krebs. Portanto, os resultados apresentados devem ser considerados sempre em dobro.
  23. 25. FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA E CADEIA TRANSPORTADORA DE ELÉTRONS <ul><li>NADH 2 e FADH 2 sofrem oxidação (liberam H + ). </li></ul><ul><li>Os citocromos (moléculas transportadoras) transferem elétrons de um nível de maior energia para outro de menor energia. </li></ul><ul><li>- A liberação de energia permite a produção de ATPs (fosforilação = adição de Pi) </li></ul>
  24. 26. E O GÁS OXIGÊNIO? <ul><li>O gás oxigênio (O 2 ) é o aceptor final de hidrogênios que se soltam das moléculas de NADH 2 e FADH 2 . </li></ul><ul><li>A formação das moléculas de água (H 2 O) se dá porque os hidrogênios liberados são recebidos pelas moléculas de O 2 . </li></ul>
  25. 27. OS NUTRIENTES E O METABOLISMO ENERGÉTICO
  26. 28. SALDO ENERGÉTICO DA RESPIRAÇÃO AERÓBIA <ul><li>Glicólise – 2 ATPs e 2 NADH 2 </li></ul><ul><li>Oxidação do ácido pirúvico – 2 NADH 2 </li></ul><ul><li>Ciclo de Krebs – 6 NADH 2 , 2 FADH 2 e 2 ATPs </li></ul><ul><li>Fosforilação oxidativa e cadeia respiratória </li></ul><ul><li>- cada NADH 2 gera 3 ATPs = 30 ATPs (10 NADH 2 ) </li></ul><ul><li>- cada FADH 2 gera 2 ATPs = 4 ATPs (2 FADH 2 ) </li></ul><ul><li>TOTAL = 38 ATPs </li></ul>
  27. 29. FOTOSSÍNTESE CAPÍTULO 10 Reações químicas que resultam na transformação da energia luminosa do sol em energia química orgânica
  28. 30. FOTOSSÍNTESE <ul><li>Energia solar transformada em energia química. </li></ul>CO 2 + H 2 O C 6 H 12 O 6 + O 2 Luz Clorofila
  29. 31. CLOROPLASTO <ul><li>Organela presente nos autótrofos fotossintetizantes eucariotos onde encontramos a clorofila. </li></ul><ul><li>Clorofila  pigmento necessário para a realização da fotossíntese. </li></ul>
  30. 33. FOTOSSÍNTESE <ul><li>Todo o processo é dividido em duas etapas: </li></ul><ul><li>Fase clara ou etapa fotoquímica </li></ul><ul><li>Fase escura ou fase química </li></ul><ul><li>Obs.: a fase escura da fotossíntese não necessita de ativação luminosa para acontecer, mas utiliza os produtos provenientes da fase clara. </li></ul>
  31. 34. FASE CLARA <ul><li>Ocorre nas membranas dos tilacóides. </li></ul><ul><li>É necessária a presença da luz para que ocorra. </li></ul><ul><li>Acontecem dois processos: </li></ul><ul><li>Fotofosforilação </li></ul><ul><li>Fotólise da água. </li></ul>
  32. 35. FOTO FOSFORILAÇÃO <ul><li>Uma série de reações químicas desencadeadas pela ação luminosa que resulta na produção de ATP . </li></ul>
  33. 36. e - A luz solar incide na molécula de clorofila. Essa molécula armazena essa energia e elétrons são liberados.
  34. 37. e - e - Esse elétron é passado para uma proteína transportadora presente na membrana dos tilacóides.
  35. 38. e - e - e - ATP ATP Dessa proteína, o elétron é passado para outras proteínas transportadoras presentes na membrana dos tilacóides. Quando o elétron pula de uma proteína para outra, energia é liberada e ATPs são produzidos.
  36. 39. FOTÓLISE DA ÁGUA <ul><li>Quebra da água pela energia da luz. </li></ul>
  37. 41. NADP <ul><li>Aceptor intermediário de hidrogênios. </li></ul><ul><li>Essa molécula capta os hidrogênios liberados durante a fotólise da água e os passa para os Carbonos que formarão a molécula de glicose. </li></ul><ul><li>NADP + 2H  NADPH 2 </li></ul>
  38. 42. NADPH 2
  39. 43. FIM DA FASE CLARA <ul><li>Produtos: </li></ul><ul><li>ATPs  fosforilação </li></ul><ul><li>NADPH 2  fotólise da água </li></ul>
  40. 44. FASE ESCURA <ul><li>Processo que não depende diretamente da luz para acontecer. </li></ul><ul><li>Porém necessita dos produtos da fase clara para ocorrer. </li></ul><ul><li>Ocorre no estroma do cloroplasto. </li></ul><ul><li>Também pode ser chamada de Ciclo de Calvin. </li></ul>
  41. 45. + + ATP ATP GLICOSE

×