SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Baixar para ler offline
Quitéria Paravidino
 Geotropismo negativo do caule e
geotropismo positivo da raiz
 Fototropismo positivo do caule e
fototropismo negativo da raiz
 Promove a germinação de sementes e brotos;
estimula o alongamento do caule, o
crescimento das folhas, a floração; afeta o
crescimento e a diferenciação das raízes.
 São usados no tratamento de plantas
geneticamente anãs e também na produção
de frutos partenocárpicos.
 Produzido pelos frutos, nódulos foliares e
tecidos velhos.
 Promove o amadurecimento dos frutos; reduz
o efeito da auxina; abscisão das folhas no
outono.
1- (UERJ-13) Em algumas plantas transgênicas, é
possível bloquear a produção de um determinado
fito-hormônio capaz de acelerar a maturação
dos frutos.
Com o objetivo de transportar frutos
transgênicos por longas distâncias, sem grandes
danos, o fito-hormônio cuja produção deve ser
bloqueada é denominado:
(A) etileno
(B) giberelina
(C) ácido abscísico
(D) ácido indolacético
2-(UERJ-13) Na presença de certos solventes, as
proteínas sofrem alterações tanto em sua estrutura
espacial quanto em suas propriedades biológicas. No
entanto, com a remoção do solvente, voltam a
assumir sua conformação e propriedades originais.
Essas características mostram que a conformação
espacial das proteínas depende do seguinte tipo de
estrutura de suas moléculas:
(A) primária
(B) secundária
(C) terciária
(D) quaternária
3-Existem dois tipos principais de inibidores da
atividade de uma enzima: os competitivos e os não
competitivos. Os primeiros são aqueles que
concorrem com o substrato pelo centro ativo da
enzima.
Considere um experimento em que se mediu a
velocidade de reação de uma enzima em função da
concentração de seu substrato em três condições:
• ausência de inibidores;
• presença de concentrações constantes de um
inibidor competitivo;
• presença de concentrações constantes de um
inibidor não competitivo.
Os resultados estão representados no gráfico abaixo:
A curva I corresponde
aos resultados obtidos
na ausência de
inibidores.
As curvas que
representam a resposta
obtida na presença de
um inibidor competitivo
e na presença de um não
competitivo estão
indicadas,
respectivamente, pelos
seguintes números:
(A) II e IV
(B) II e III
(C) III e II
(D) IV e III
7-(UERJ-12) O aumento da poluição
atmosférica, especialmente pelo acúmulo de
gases do efeito estufa, como o CO2, tem
acarretado a elevação da temperatura global.
Alguns seres vivos, no entanto, apresentam
um metabolismo capaz de fixar esse gás em
matéria orgânica.
Em condições ideais, o grupo de organismos
com maior capacidade de fixar CO2 é:
(A) levedo (B) bactéria
(C) zooplâncton (D) fitoplâncton
9-(UERJ-12) Observe a sequência de bases
nitrogenadas que compõem a porção inicial de um
RNA mensageiro transcrito em uma determinada
proteína de uma célula eucariota:
AUGGCUAAAUUAGAC..........
Nessa proteína, o aminoácido introduzido pelo códon
iniciador foi removido durante o processo de síntese.
Admita que uma mutação tenha atingido o códon
correspondente ao aminoácido número 3 da estrutura
primária desse polipeptídeo, acarretando a troca de
uma base A, na célula original, pela base U, na célula
mutante.
A tabela abaixo permite a identificação dos códons
dos aminoácidos encontrados tanto na proteína
original como na mutante, codificados pelo trecho
inicial desse RNA mensageiro:
Agora, a estrutura primária da proteína
mutante tem como terceiro aminoácido:
(A) tirosina (B) leucina
(C) triptofano (D) fenilalanina
15- (UERJ-11) O petróleo contém hidrocarbonetos
policícliclos aromáticos que, absorvidos por
partículas em suspensão na água do mar, podem
acumular-se no sedimento marinho. Quando são
absorvidos por peixes, esses hidrocarbonetos são
metabolizados por enzimas oxidases mistas
encontradas em seus fígados, formando produtos
altamente mutagênicos e carcinogênicos. A
concentração dessas enzimas no fígado aumenta em
função da dose de hidrocarboneto absorvida pelo
animal.
Em um trabalho de monitoramento, quatro gaiolas
contendo, cada uma, peixes da mesma espécie e
tamanho foram colocadas em pontos diferentes no
fundo do mar, próximos ao local de um
derramamento de petróleo. Uma semana depois, foi
medida a atividade média de uma enzima oxidase
mista nos fígados dos peixes de cada gaiola.
 Observe os resultados
encontrados na tabela
abaixo:
 A gaiola colocada no
local mais próximo do
derramamento de
petróleo é a de
número:
(A) 1
(B) 2
(C) 3
(D) 4
Número da
gaiola
Atividade média da
oxidase mista
(unidades/grama de
fígado)
1 1,0 x 10 -2
2 2,5 x 10 -3
3 4,3 x 10 -3
4 3,3 x 10 -2
16- (UERJ-11) A influência de fatores
ambientais, como a disponibilidade de
alimentos, sobre o crescimento dos seres
vivos pode ser avaliada experimentalmente.
Considere, por exemplo, um inóculo da
bactéria E. coli que foi introduzido em um
meio nutritivo adequado. O tempo de
geração, ou seja, o intervalo de tempo
necessário para que uma célula se duplique,
foi medido durante a fase de crescimento
exponencial e durante a fase estacionária.
 Observe os gráficos abaixo:
O resultado desse
experimento, em
relação à influência de
fatores ambientais no
crescimento
bacteriano, está
representado pelo
gráfico de número:
(A) I (B) II
(C) III (D) IV
17-(UERJ-11) Algumas células da pele de uma
mesma rã foram retiradas em sua fase girino e,
depois, em sua fase adulta.
Observe a tabela abaixo, na qual são mostradas
as combinações possíveis das macromoléculas
DNA e RNA mensageiro.
Comparação entre as moléculas
DNA RNAm
1) mesma molécula 3) mesmos tipos
2) moléculas
diferentes
4) tipos diferentes
Os resultados referentes à comparação das
macromoléculas das células da rã nas fases girino
e adulta estão indicados pelos seguintes
números:
(A) 1 e 3 (B) 1 e 4
(C) 2 e 3 (D) 2 e 4
Chuva ácida
18-(UERJ-11) A chuva ácida é um tipo de
poluição causada por contaminantes gerados
em processos industriais que, na atmosfera,
reagem com o vapor d’água.
Dentre os contaminantes produzidos em uma
região industrial, coletaram-se os óxidos SO3,
CO, Na2O e MgO.
Nessa região, a chuva ácida pode ser
acarretada pelo seguinte óxido:
(A) SO3 (B) CO
(C) Na2O (D) MgO
Eutrofização ou Eutroficação
Excesso de dejetos orgânicos
Proliferação de
algas e
cianobactérias
Proliferação de
consumidores
Águas turvas
Maior consumo de O2
Diminuição da taxa
de fotossíntese
Redução
da aeração
Morte dos seres
sensíveis
Aumento de
decompositores aeróbios
Aumento da DBO
Desaparecimento ou
redução de aeróbios
Aumento de
decompositore
s anaeróbios
Liberação de H2S
Hiper-excesso de dejetos
orgânicos
Águas turvas
Maior consumo de
O2
Diminuição da taxa
de fotossíntese
Redução
da aeração
Mortalidade de
peixes
Aumento de
decompositor
es aeróbios
Aumento da DBO
Desaparecimento ou
redução de aeróbios
Aumento de
decompositore
s anaeróbios
Liberação de H2S
 24-O processo de eutrofização ocorrido em
um determinado lago acarretou alterações em
diversos parâmetros medidos na água, dentre
eles, as concentrações de nutrientes, de
oxigênio dissolvido, de organismos aeróbicos
e de organismos anaeróbicos.
Observe os gráficos abaixo, que relacionam
as concentrações desses parâmetros e o
tempo no processo citado.
 O gráfico que representa o processo de
eutrofização ocorrido na água desse lago está
indicado pela
 seguinte letra:
 (A) W
 (B) X
 (C) Y
 (D) Z
XX
X
XY
XX Y
X X X Y YX XX
Normal
Normal
(portadora)
Hemofílica Normal
Hemofílico
 25- A hemofilia A, uma doença hereditária
recessiva que afeta o cromossoma sexual X, é
caracterizada pela deficiência do fator VIII da
coagulação.
Considere a primeira geração de filhos do
casamento de um homem hemofílico com
uma mulher que não possui o gene da
hemofilia.
XX
X
XhY
XhX Y
X X Y YX XXh Xh
As chances de que sejam gerados, desse
casamento, filhos hemofílicos e filhas
portadoras dessa doença, correspondem,
respectivamente, aos seguintes percentuais:
(A) 0% - 100% (B) 50% - 50%
(C) 50% - 100% (D) 100% - 100%

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 Revisadoelisamello
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralPbsmal
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosprofatatiana
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisadoelisamello
 
FISIOLOGIA VEGETAL
FISIOLOGIA VEGETALFISIOLOGIA VEGETAL
FISIOLOGIA VEGETALMarcos Lopes
 
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nuciferaEcofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nuciferaDandara Cunha
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosadelinacgomes
 
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.Leandro Araujo
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosmainamgar
 
B16 QuimiossíNtese
B16   QuimiossíNteseB16   QuimiossíNtese
B16 QuimiossíNteseNuno Correia
 
Atividades jacob
Atividades jacobAtividades jacob
Atividades jacobLuh Soares
 
B16 QuimiossíNtese
B16   QuimiossíNteseB16   QuimiossíNtese
B16 QuimiossíNteseNuno Correia
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacterianoGildo Crispim
 

Mais procurados (20)

Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 02 2007 Revisado
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineral
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 RevisadoAulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007 Revisado
 
FISIOLOGIA VEGETAL
FISIOLOGIA VEGETALFISIOLOGIA VEGETAL
FISIOLOGIA VEGETAL
 
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nuciferaEcofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
Ecofisiologia do Estresse Hídrico em C. nucifera
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
metabolismo e fixação de nitrogênio: BIOLOGICA E NÃO BIOLOGICA.
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 004
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 004Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 004
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 004
 
A quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivosA quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivos
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
 
Simulado 2 ciências
Simulado 2 ciênciasSimulado 2 ciências
Simulado 2 ciências
 
B16 QuimiossíNtese
B16   QuimiossíNteseB16   QuimiossíNtese
B16 QuimiossíNtese
 
Atividades jacob
Atividades jacobAtividades jacob
Atividades jacob
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
B16 QuimiossíNtese
B16   QuimiossíNteseB16   QuimiossíNtese
B16 QuimiossíNtese
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
 
Apresentação josinei valdir dos santos - seminário cianobactérias
Apresentação   josinei valdir dos santos - seminário cianobactériasApresentação   josinei valdir dos santos - seminário cianobactérias
Apresentação josinei valdir dos santos - seminário cianobactérias
 

Semelhante a Revisão UERJ

Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico Rafael Lima
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoIonara Urrutia Moura
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoIonara Urrutia Moura
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoIonara Urrutia Moura
 
Revisao de biologia para o enem
Revisao de biologia para o enemRevisao de biologia para o enem
Revisao de biologia para o enemEstude Mais
 
Trabalho toxicologia net ateneia
Trabalho toxicologia net ateneiaTrabalho toxicologia net ateneia
Trabalho toxicologia net ateneiaCelso Aquivo
 
Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico bikengineer
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007elisamello
 
1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bim
1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bim1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bim
1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bimIonara Urrutia Moura
 
Lista de exercícios 2 - Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...
Lista de exercícios 2 -  Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...Lista de exercícios 2 -  Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...
Lista de exercícios 2 - Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...James Martins
 
ECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).ppt
ECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).pptECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).ppt
ECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).pptEDUARDOMARCELLOCARDO1
 
ECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.ppt
ECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.pptECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.ppt
ECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.pptEDUARDOMARCELLOCARDO1
 

Semelhante a Revisão UERJ (20)

Aula 1. ecologia
Aula 1. ecologiaAula 1. ecologia
Aula 1. ecologia
 
Aula 1. ecologia
Aula 1. ecologiaAula 1. ecologia
Aula 1. ecologia
 
Aula 24 poluição
Aula 24   poluiçãoAula 24   poluição
Aula 24 poluição
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro ano
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro ano
 
Exercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro anoExercicios fotossintese primeiro ano
Exercicios fotossintese primeiro ano
 
Poluição iii
Poluição iiiPoluição iii
Poluição iii
 
Revisao de biologia para o enem
Revisao de biologia para o enemRevisao de biologia para o enem
Revisao de biologia para o enem
 
Trabalho toxicologia net ateneia
Trabalho toxicologia net ateneiaTrabalho toxicologia net ateneia
Trabalho toxicologia net ateneia
 
biologiabaula1
biologiabaula1biologiabaula1
biologiabaula1
 
Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
 
Aula de domingo
Aula de domingoAula de domingo
Aula de domingo
 
Biologia no enem
Biologia no enemBiologia no enem
Biologia no enem
 
1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bim
1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bim1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bim
1S_Exerc . membranas e metabolismo energético_4bim
 
Lista de exercícios 2 - Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...
Lista de exercícios 2 -  Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...Lista de exercícios 2 -  Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...
Lista de exercícios 2 - Bio frente 1 e 2 - 1º bim - Profs James e Mariana 20...
 
ECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).ppt
ECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).pptECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).ppt
ECOLOGIA-GERAL-introducao-ççula1 (1).ppt
 
ECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.ppt
ECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.pptECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.ppt
ECOLOGIA-GERAdddddL-introducao-aula1.ppt
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasAlpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª LaraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 

Último

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 

Revisão UERJ

  • 2.
  • 3.  Geotropismo negativo do caule e geotropismo positivo da raiz
  • 4.  Fototropismo positivo do caule e fototropismo negativo da raiz
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.  Promove a germinação de sementes e brotos; estimula o alongamento do caule, o crescimento das folhas, a floração; afeta o crescimento e a diferenciação das raízes.  São usados no tratamento de plantas geneticamente anãs e também na produção de frutos partenocárpicos.
  • 10.  Produzido pelos frutos, nódulos foliares e tecidos velhos.  Promove o amadurecimento dos frutos; reduz o efeito da auxina; abscisão das folhas no outono.
  • 11. 1- (UERJ-13) Em algumas plantas transgênicas, é possível bloquear a produção de um determinado fito-hormônio capaz de acelerar a maturação dos frutos. Com o objetivo de transportar frutos transgênicos por longas distâncias, sem grandes danos, o fito-hormônio cuja produção deve ser bloqueada é denominado: (A) etileno (B) giberelina (C) ácido abscísico (D) ácido indolacético
  • 12.
  • 13.
  • 14. 2-(UERJ-13) Na presença de certos solventes, as proteínas sofrem alterações tanto em sua estrutura espacial quanto em suas propriedades biológicas. No entanto, com a remoção do solvente, voltam a assumir sua conformação e propriedades originais. Essas características mostram que a conformação espacial das proteínas depende do seguinte tipo de estrutura de suas moléculas: (A) primária (B) secundária (C) terciária (D) quaternária
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. 3-Existem dois tipos principais de inibidores da atividade de uma enzima: os competitivos e os não competitivos. Os primeiros são aqueles que concorrem com o substrato pelo centro ativo da enzima. Considere um experimento em que se mediu a velocidade de reação de uma enzima em função da concentração de seu substrato em três condições: • ausência de inibidores; • presença de concentrações constantes de um inibidor competitivo; • presença de concentrações constantes de um inibidor não competitivo. Os resultados estão representados no gráfico abaixo:
  • 19. A curva I corresponde aos resultados obtidos na ausência de inibidores. As curvas que representam a resposta obtida na presença de um inibidor competitivo e na presença de um não competitivo estão indicadas, respectivamente, pelos seguintes números: (A) II e IV (B) II e III (C) III e II (D) IV e III
  • 20. 7-(UERJ-12) O aumento da poluição atmosférica, especialmente pelo acúmulo de gases do efeito estufa, como o CO2, tem acarretado a elevação da temperatura global. Alguns seres vivos, no entanto, apresentam um metabolismo capaz de fixar esse gás em matéria orgânica. Em condições ideais, o grupo de organismos com maior capacidade de fixar CO2 é: (A) levedo (B) bactéria (C) zooplâncton (D) fitoplâncton
  • 21. 9-(UERJ-12) Observe a sequência de bases nitrogenadas que compõem a porção inicial de um RNA mensageiro transcrito em uma determinada proteína de uma célula eucariota: AUGGCUAAAUUAGAC.......... Nessa proteína, o aminoácido introduzido pelo códon iniciador foi removido durante o processo de síntese. Admita que uma mutação tenha atingido o códon correspondente ao aminoácido número 3 da estrutura primária desse polipeptídeo, acarretando a troca de uma base A, na célula original, pela base U, na célula mutante. A tabela abaixo permite a identificação dos códons dos aminoácidos encontrados tanto na proteína original como na mutante, codificados pelo trecho inicial desse RNA mensageiro:
  • 22. Agora, a estrutura primária da proteína mutante tem como terceiro aminoácido: (A) tirosina (B) leucina (C) triptofano (D) fenilalanina
  • 23. 15- (UERJ-11) O petróleo contém hidrocarbonetos policícliclos aromáticos que, absorvidos por partículas em suspensão na água do mar, podem acumular-se no sedimento marinho. Quando são absorvidos por peixes, esses hidrocarbonetos são metabolizados por enzimas oxidases mistas encontradas em seus fígados, formando produtos altamente mutagênicos e carcinogênicos. A concentração dessas enzimas no fígado aumenta em função da dose de hidrocarboneto absorvida pelo animal. Em um trabalho de monitoramento, quatro gaiolas contendo, cada uma, peixes da mesma espécie e tamanho foram colocadas em pontos diferentes no fundo do mar, próximos ao local de um derramamento de petróleo. Uma semana depois, foi medida a atividade média de uma enzima oxidase mista nos fígados dos peixes de cada gaiola.
  • 24.  Observe os resultados encontrados na tabela abaixo:  A gaiola colocada no local mais próximo do derramamento de petróleo é a de número: (A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 Número da gaiola Atividade média da oxidase mista (unidades/grama de fígado) 1 1,0 x 10 -2 2 2,5 x 10 -3 3 4,3 x 10 -3 4 3,3 x 10 -2
  • 25.
  • 26. 16- (UERJ-11) A influência de fatores ambientais, como a disponibilidade de alimentos, sobre o crescimento dos seres vivos pode ser avaliada experimentalmente. Considere, por exemplo, um inóculo da bactéria E. coli que foi introduzido em um meio nutritivo adequado. O tempo de geração, ou seja, o intervalo de tempo necessário para que uma célula se duplique, foi medido durante a fase de crescimento exponencial e durante a fase estacionária.
  • 27.  Observe os gráficos abaixo: O resultado desse experimento, em relação à influência de fatores ambientais no crescimento bacteriano, está representado pelo gráfico de número: (A) I (B) II (C) III (D) IV
  • 28. 17-(UERJ-11) Algumas células da pele de uma mesma rã foram retiradas em sua fase girino e, depois, em sua fase adulta. Observe a tabela abaixo, na qual são mostradas as combinações possíveis das macromoléculas DNA e RNA mensageiro. Comparação entre as moléculas DNA RNAm 1) mesma molécula 3) mesmos tipos 2) moléculas diferentes 4) tipos diferentes Os resultados referentes à comparação das macromoléculas das células da rã nas fases girino e adulta estão indicados pelos seguintes números: (A) 1 e 3 (B) 1 e 4 (C) 2 e 3 (D) 2 e 4
  • 30.
  • 31. 18-(UERJ-11) A chuva ácida é um tipo de poluição causada por contaminantes gerados em processos industriais que, na atmosfera, reagem com o vapor d’água. Dentre os contaminantes produzidos em uma região industrial, coletaram-se os óxidos SO3, CO, Na2O e MgO. Nessa região, a chuva ácida pode ser acarretada pelo seguinte óxido: (A) SO3 (B) CO (C) Na2O (D) MgO
  • 33. Excesso de dejetos orgânicos Proliferação de algas e cianobactérias Proliferação de consumidores Águas turvas Maior consumo de O2 Diminuição da taxa de fotossíntese Redução da aeração Morte dos seres sensíveis Aumento de decompositores aeróbios Aumento da DBO Desaparecimento ou redução de aeróbios Aumento de decompositore s anaeróbios Liberação de H2S
  • 34. Hiper-excesso de dejetos orgânicos Águas turvas Maior consumo de O2 Diminuição da taxa de fotossíntese Redução da aeração Mortalidade de peixes Aumento de decompositor es aeróbios Aumento da DBO Desaparecimento ou redução de aeróbios Aumento de decompositore s anaeróbios Liberação de H2S
  • 35.
  • 36.  24-O processo de eutrofização ocorrido em um determinado lago acarretou alterações em diversos parâmetros medidos na água, dentre eles, as concentrações de nutrientes, de oxigênio dissolvido, de organismos aeróbicos e de organismos anaeróbicos. Observe os gráficos abaixo, que relacionam as concentrações desses parâmetros e o tempo no processo citado.
  • 37.
  • 38.  O gráfico que representa o processo de eutrofização ocorrido na água desse lago está indicado pela  seguinte letra:  (A) W  (B) X  (C) Y  (D) Z
  • 39.
  • 40. XX X XY XX Y X X X Y YX XX
  • 41.
  • 42.
  • 44.  25- A hemofilia A, uma doença hereditária recessiva que afeta o cromossoma sexual X, é caracterizada pela deficiência do fator VIII da coagulação. Considere a primeira geração de filhos do casamento de um homem hemofílico com uma mulher que não possui o gene da hemofilia.
  • 45. XX X XhY XhX Y X X Y YX XXh Xh
  • 46. As chances de que sejam gerados, desse casamento, filhos hemofílicos e filhas portadoras dessa doença, correspondem, respectivamente, aos seguintes percentuais: (A) 0% - 100% (B) 50% - 50% (C) 50% - 100% (D) 100% - 100%