Oficina de Redação – Anglo – Página 19 e seguintes
Como a argumentação pretende
influenciar, por meio do discurso, a
aceit...
Cabe ao enunciador utilizar-
se da linguagem mais
adequada ao público que
quer atingir. A linguagem
deve ser acessível, ma...
Não haverá diálogo se o
enunciador não tiver
predisposição e interesse
para respeitar as opiniões
alheias. O enunciador de...
O completo desacordo quanto aos valores inviabiliza
qualquer argumentação. É necessário defender os
valores humanos (valor...
O repertório cultural é que irá possibilitar a compreensão dos
argumentos. Se o leitor não puder fazer essa relação com a
...
A exemplificação consiste no
relato de um pequeno fato
(real ou fictício). Esse recurso
argumentativo é amplamente
usado q...
Para comprovar uma
tese, você pode buscar
as relações de causa
(os motivos, os
porquês) e de
consequência (os
efeitos).
“S...
A criação de relações de
causa e efeito é um recurso
utilizado para demonstrar
que uma conclusão (afirmada
no texto) é nec...
Falar sobre determinado assunto não é a mesma coisa que argumentar sobre ele.
Vejamos os exemplos.
Demonstração do assunto...
Argumento que consiste na
exposição de fatos
inquestionáveis sobre o
assunto em questão. Não
parte da defesa e/ou crítica
...
Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte
Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte

703 visualizações

Publicada em

Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
703
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
490
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenvolvimento nos textos dissertativos - 2ª parte

  1. 1. Oficina de Redação – Anglo – Página 19 e seguintes Como a argumentação pretende influenciar, por meio do discurso, a aceitação de algumas teses, bem como o conhecimento linguístico é essencial para o desenvolvimento e entendimento do texto.
  2. 2. Cabe ao enunciador utilizar- se da linguagem mais adequada ao público que quer atingir. A linguagem deve ser acessível, mas deve inspirar respeito do público.
  3. 3. Não haverá diálogo se o enunciador não tiver predisposição e interesse para respeitar as opiniões alheias. O enunciador deve ser flexível quanto ao seu posicionamento. É necessário que, através do texto, o leitor perceba as competências do enunciador. “Não há diálogo quando o assunto é a redução da maior idade penal. É incabível a análise dessa redução, uma vez que as crianças não pensam. Os pais são os verdadeiros responsáveis por quaisquer eventuais crimes causados pelos menores infratores.”
  4. 4. O completo desacordo quanto aos valores inviabiliza qualquer argumentação. É necessário defender os valores humanos (valores que mobilizam opiniões, crenças, atitudes). “ É indiscutível que pais e responsáveis que agridem fisicamente seus filhos, sejam eles crianças ou adolescentes, devem ser punidos perante as leis. Entretanto, nota-se uma falha nesse sistema de julgamento, cabendo, portanto, a pena de morte para tais infratores, bem como a sua humilhação pública, a fim de servirem de exemplo para futuros agressores.”
  5. 5. O repertório cultural é que irá possibilitar a compreensão dos argumentos. Se o leitor não puder fazer essa relação com a realidade vivida, a argumentação não surtirá o efeito pretendido.
  6. 6. A exemplificação consiste no relato de um pequeno fato (real ou fictício). Esse recurso argumentativo é amplamente usado quando a tese defendida é muito teórica e carece de esclarecimentos com mais dados concretos. “Baseando-se nos pilares da fé, o aborto é abominado, uma vez que as instituições religiosas, em sua maioria, consideram a existência da vida a partir do momento da concepção do ser, sendo ele ,portanto, um crime, tendo em vista que a vida é o direito básico a todo ser humano, garantido inclusive na Constituição”.
  7. 7. Para comprovar uma tese, você pode buscar as relações de causa (os motivos, os porquês) e de consequência (os efeitos). “São Paulo só chegou a esse caos porque um seleto grupo de dirigentes decidiu, no início do século, que não seria necessário ter metrô. Como cresce dia a dia o número de veículos, a tendência é piorar ainda mais o congestionamento – o que leva técnicos a preverem como inevitável os perigos e transtornos causados pelo trânsito” (Adaptação de Folha de São Paulo, 01/10/2000)
  8. 8. A criação de relações de causa e efeito é um recurso utilizado para demonstrar que uma conclusão (afirmada no texto) é necessária, e não fruto de uma interpretação pessoal que pode ser contestada. “Ao se desesperar num congestionamento em São Paulo, daqueles em que o automóvel não se move nem quando o sinal está verde, o indivíduo deve saber que, por trás de sua irritação crônica e cotidiana, está uma monumental ignorância histórica.” Adaptação de Folha de São Paulo, 01/10/2000 “É comum a mulher passar por essas situações dentro do seu próprio ambiente familiar, levando em consideração que a maioria das tarefas domésticas são, culturalmente, delegadas a elas, o que leva a reflexão sobre sua possível situação no ambiente profissional, geralmente fora de sua residência”
  9. 9. Falar sobre determinado assunto não é a mesma coisa que argumentar sobre ele. Vejamos os exemplos. Demonstração do assunto: “Cada vez mais as mulheres da atualidade têm ocupado o seu papel na sociedade. Elas não ficam mais apenas em casa realizando tarefas domésticas. Elas buscam, diariamente, a sua posição social. Argumentação do assunto: É perceptível que o papel social das mulheres tem apresentado um grande mudança, uma vez que elas, que antes apenas ficavam em casa realizando tarefas domésticas, hoje, saem em busca de sustento para sua família, visto que o provedor da renda familiar não cabe mais (somente) ao homem.
  10. 10. Argumento que consiste na exposição de fatos inquestionáveis sobre o assunto em questão. Não parte da defesa e/ou crítica de um ponto de vista, e sim, da exposição clara, firme e precisa sobre o tema. Argumento factual: “Cada vez mais as mulheres da atualidade têm ocupado o seu papel na sociedade. Elas não ficam mais apenas em casa realizando tarefas domésticas. Elas buscam, diariamente, a sua posição social.” Outra possibilidade de argumentação: É perceptível que o papel social das mulheres tem apresentado um grande mudança, uma vez que elas, que antes apenas ficavam em casa realizando tarefas domésticas, hoje, saem em busca de sustento para sua família, visto que o provedor da renda familiar não cabe mais (somente) ao homem

×