SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
METABOLISMO ENERGÉTICO
     DAS CÉLULAS
    BIOLOGIA CELULAR (Parte 2)

       LIVRO 2, CAPÍTULO 1
O QUE VEM À NOSSA MENTE QUANDO OBSERVAMOS ESTA FIGURA?



                             Que processos metabólicos estão
                            representados na figura?
                            Por que dizemos que os dois
                            processos representados na figura
                            são complementares?
                             Qual é a fonte de energia
                            representada na figura?
                             O que aconteceria se essa fonte
                            fosse suprimida do ambiente?
                             Todos os seres vivos obtêm
                            energia na mesma forma?
METABOLISMO
 É o conjunto de transformações que as substâncias químicas
sofrem no interior dos organismos vivos.
 São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema
transformar os alimentos em energia, que será utilizada pelas
células para que as mesmas se multipliquem, cresçam,
movimentem-se, etc.
 O metabolismo é o conjunto de reações químicas responsáveis
pelos processos de síntese e degradação dos nutrientes na célula.
 Divide-se em 2 etapas:
        Catabolismo  Degradação, quebra de moléculas, com
       consequente produção de energia. Ex: quebra da glicose
          Anabolismo  Síntese, formação de moléculas,
envolvendo consumo de energia. Ex: união de várias moléculas de
glicose para a síntese de glicogênio.
Antes que você possa saber tudo sobre fotossíntese, respiração celular, e
fermentação precisamos entender alguns conceitos e fenômenos, como por
exemplo, de que maneira as células armazenam energia. Existem dois tipos
de reações químicas que fazem parte do metabolismo celular:


      Reações endotérmicas                 Reações exotérmicas

                                             Para ocorrer, não
      Para ocorrer, precisam                 precisam receber
       de receber energia.                       energia.
                                             Liberam energia.



     Como exemplo de reação química endotérmica temos a
   fotossíntese e como exemplo de reação química exotérmica
                    temos a respiração celular.
A MOLÉCULA DE ATP (trifosfato de adenosina)
 Todos os processos celulares dependem de energia para
acontecer.
 Essa energia é obtida dos alimentos e pode ser prontamente
utilizada pela célula ou armazenada em moléculas especiais
chamadas de ATP.
 O ATP é a molécula armazenadora de energia na célula.
 Constituição química:
A MOLÉCULA DE ATP (trifosfato de adenosina)
 Participa de todos os processos energéticos da célula:
         Necessidade de energia  Quebra do ATP, liberando um
       fosfato e formando ADP (difosfato de adenosina).

                          ATP  ADP + P
Obs: ligações entre os 2 fosfatos (ADP) podem, ainda, ser quebradas,
formando AMP (monofosfato de adenosina) e liberando mais energia.
         Não há demanda energética  Síntese de ATP, através da
união de um fosfato ao ADP.
                          ADP + P  ATP
 Reações reversíveis.
Acontecem o tempo todo na célula.
 Objetivo: liberar ou armazenar energia (Reações exotérmicas e
endotérmicas).
FORMAS DE OBTENÇÃO DE ENERGIA
         (Produção de ATP )



1) FERMENTAÇÃO

2) RESPIRAÇÃO CELULAR
FERMENTAÇÃO
 Processo mais simples de produção de energia.
 Processo ANAERÓBICO (ausência de O2).
 Ocorre no CITOPLASMA.
 Realizado naturalmente por fungos, bactérias, e, em algumas
situações, por nossas células musculares.
 O homem há décadas utiliza este processo natural para produção
de alimentos, bebidas (iogurtes, leites, fermentados, pães, cervejas,
vinhos...).


       Tipos de Fermentação:
       •Alcoólica
       •Lática
       •Acética
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA

 O açúcar é degradado em álcool etílico (etanol), liberando
também gás carbônico e energia.
 Fabricação de pães, vinhos, cervejas, álcool combustível.


             AÇÚCAR  ÁLCOOL + CO2 + ENERGIA
Reação ocorre no citoplasma.
                          Rendimento energético: 2 ATP

           Consumo
                            1 molécula açúcar  2 ATP



Produção       Produção
FERMENTAÇÃO LÁTICA

 O açúcar do leite (lactose) é degradado, formando ácido lático e
liberando energia.
 Ácido lático: coagulação de proteínas.
 Fabricação de queijos, iogurtes e coalhadas.


              AÇÚCAR  ÁCIDO LÁTICO + ENERGIA
FERMENTAÇÃO LÁTICA

 Ocorre também em nossas células musculares, em situações de
grande demanda energética, quando fazemos um esforço muscular
intenso, como nos exercícios físicos prolongados.
 A quantidade de energia que chega aos nossos músculos é
insuficiente para fornecer toda a energia necessária à atividade
desenvolvida.
 As células musculares passam a realizar o processo mais simples
de obtenção de energia, que é a fermentação.


             AÇÚCAR  ÁCIDO LÁTICO + ENERGIA


 O acúmulo de ácido lático nas fibras musculares (células
musculares) causa dores, cansaço e cãibras.
FERMENTAÇÃO ACÉTICA

 Realizada por alguns tipos de bactérias que fermentam o açúcar,
produzindo ácido acético, gás carbônico e energia.
 Fabricação de vinagres.


         AÇÚCAR  ÁCIDO ACÉTICO + CO2 + ENERGIA
 Expressão popular: “O vinho virou vinagre!”
       Etanol, em contato com O2 forma ácido acético.
        Garrafas de vinho devem ser mantidas bem fechadas para
       evitar o acúmulo deste ácido acético, que altera o sabor do
       vinho.
RESPIRAÇÃO CELULAR

 Processo mais complexo de produção de energia.
 Ocorre nas células eucarióticas (animais, vegetais).
Ocorre nas MITOCÔNDRIAS.
 Processo AERÓBICO (há participação de O2).
 Rendimento energético muito maior que o da fermentação !!!
                         1 molécula açúcar  38 ATP
 Respiração aeróbica envolve 2 fases:
       • Troca de gases através de membranas respiratórias;
       • Respiração celular.
TROCA DE GASES ATRAVÉS DE MEMBRANAS
                     RESPIRATÓRIAS

 Através de finas membranas que devem estar sempre úmidas,
para permitir a passagem dos gases.
 Transporte se dá por DIFUSÃO SIMPLES.
 Depende das diferenças nas concentrações dos gases dentro e
fora das membranas.
TROCA DE GASES ATRAVÉS DE MEMBRANAS
                    RESPIRATÓRIAS

 HEMATOSE  processo em que ocorre a troca de gases, nos
alvéolos pulmonares e o O2 atravessa as membranas dos alvéolos e
chega até às células.
 O processo de difusão simples para as trocas gasosas ocorre em outros
tipos de respiração
 Nos vegetais, as trocas gasosas ocorrem em estruturas presentes nas
superfícies das folhas, denominadas ESTÔMATOS.
RESPIRAÇÃO CELULAR


A respiração aeróbia, libera a totalidade da energia contida na
molécula de glicose, como se pode comprovar analisando os
produtos finais deste processo (água e dióxido de carbono),
que são exatamente os mesmos utilizados na sua síntese
(fotossíntese).
           C6H12O6 + 6O2 → 6CO2 + 6H2O + energia (ATP)




O conjunto das reações da respiração celular aeróbia é extremamente
complexo, tendo sido uma das maiores conquistas da bioquímica
moderna a sua compreensão. Por esse motivo, consideram-se
geralmente as seguintes etapas:

                        CICLO DE KREBS              CADEIA
GLICÓLISE                 (ÁC. CÍTRICO)          RESPIRATÓRIA
RESPIRAÇÃO CELULAR

                           GLICÓLISE

 Quebra da molécula de glicose (hexose) em duas moléculas de
ácido pirúvico (triose).
Ocorre no citoplasma, na ausência de oxigênio (anaerobiose).
 Mesmo processo que ocorre na fermentação.
 Rendimento energético: 2 ATP
 Há perda de 2 hidrogênios na molécula de ácido pirúvico, os quais
são capturados por uma substância encontrada no citoplasma: o
NAD (nicotinamida adenina nucleotídeo).
 O NAD funciona como um transportador de hidrogênios.
 Formação de 2 moléculas de NADH2.
RESPIRAÇÃO CELULAR

    GLICÓLISE
RESPIRAÇÃO CELULAR
                        CICLO DE KREBS
                    (CICLO DO ÁCIDO CÍTRICO)


Ocorre na matriz mitocondrial.
Quebra das moléculas de ácido pirúvico.
 Produção de CO2, que é liberado da célula e eliminado para o
ambiente.
 Produção de mais moléculas de NADH2 (capturam os hidrogênios
liberados).
 Rendimento energético: 30 ATP
       1 ácido pirúvico  15 ATP
       2 ácidos pirúvicos  30 ATP
RESPIRAÇÃO CELULAR

                CICLO DE KREBS
            (CICLO DO ÁCIDO CÍTRICO)
RESPIRAÇÃO CELULAR
                        CADEIA RESPIRATÓRIA

Ocorre nas cristas mitocondriais.
Os hidrogênios do NADH2 (produzidos na glicólise e no ciclo de
Krebs) passam através de várias substâncias, liberando elétrons.
 Envolve um conjunto de reações químicas, onde participam
substâncias chamadas de citocromos.
 A passagem dos elétrons pelos citocromos na cadeira
respiratória, libera energia suficiente para a síntese 6 moléculas de
ATP.
 Elétrons atravessam a cadeia e chegam até o aceptor final, que é
o oxigênio.
 Oxigênio se combina com os hidrogênios, formando água.
 Rendimento energético: 6 ATP
RESPIRAÇÃO CELULAR
 CADEIA RESPIRATÓRIA
RESPIRAÇÃO CELULAR
                       RENDIMENTO ENERGÉTICO TOTAL


   2 ATP      +       30 ATP        +           6 ATP              =      38 ATP
(GLICÓLISE)       (CICLO KREBS) (CADEIA RESPIRATÓRIA)


                                  EQUAÇÃO GERAL



      C6H12O6 + 6O2 → 6CO2 + 6H2O + energia (38 ATP)


                  Aceptor final   Ciclo de Krebs Resultado da combinação dos
                  de elétrons                    elétrons com o oxigênio, ao final
                                                 da cadeia respiratória
RESPIRAÇÃO CELULAR


                           ATENÇÃO


Na ausência de glicose, a célula pode utilizar outras moléculas
para a realização da respiração celular, como aminoácidos
(proteínas) e ácidos graxos (lipídios), com a participação da
Coenzima- A. Os compostos intermediários obtidos a partir
dessas moléculas entrarão no ciclo de Krebs.
RESPIRAÇÃO CELULAR
FOTOSSÍNTESE

 Processo pelo qual algas e plantas absorvem a energia da luz solar
e o CO2 da atmosfera para a síntese de moléculas orgânicas
(glicose) que serão usadas posteriormente pela própria célula para
obtenção de energia.
Organela responsável: CLOROPLASTOS.
 Para que ocorra é necessário:
       • Clorofila
       • Luz solar
       • Água                 Fatores limitantes da
                                  fotossíntese
       • CO2
       • Temperatura
FOTOSSÍNTESE
FOTOSSÍNTESE
FOTOSSÍNTESE


De onde vem a energia para que esta
          reação ocorra ?
 Vem do Sol.
É captada pela clorofila, um
pigmento verde, presente nos
cloroplastos das folhas da planta.
 Há dois tipos de clorofila que
participam do processo: a clorofila a e
a clorofila b.
FOTOSSÍNTESE


           Para onde vai a glicose sintetizada no processo?
1)Glicose é usada como fonte de alimento e de energia, pela própria
célula vegetal, ou por outros seres da cadeia alimentar;
2) Glicose é usada na síntese de celulose, que compõe a parede celular
dos vegetais;
3) Glicose é usada como matéria-prima para a síntese de outras
moléculas (outros carboidratos, aminoácidos e ácidos graxos);
4)Glicose é armazenada como fonte de reserva energética:
               AMIDO nos vegetais
               GLICOGÊNIO nos animais
AS FASES DA FOTOSSÍNTESE


                              1ª: Fotofosforilação cíclica
   FASE CLARA
(Presença de luz)             2ª: Fotofosforilação acíclica
                              3ª: Fotólise da água



                              Ciclo das Pentoses ou Ciclo de Calvin
  FASE ESCURA
(Ausência de luz)               (Síntese da molécula de glicose)
FASE CLARA

                   1ª) FOTOFOSFORILAÇÃO CÍCLICA




Ocorre nos tilacóides do cloroplasto.
Luz solar, ao incidir nas partes verdes da
planta, atinge a molécula de clorofila a,
excitando-a.
 Ocorre a liberação de elétrons, os quais
passam por uma cadeia transportadora,
promovendo a síntese de ATP.
 É chamada de cíclica porque os elétrons
passam pela cadeia transportadora e
retornam à clorofila a.
1ª) FOTOFOSFORILAÇÃO CÍCLICA
2ª) FOTOFOSFORILAÇÃO ACÍCLICA



Ocorre nos tilacóides do cloroplasto.
Ocorre excitação da clorofila b, transporte de elétrons por uma cadeia
transportadora e captura de elétrons pela clorofila a.
A liberação e o transporte de elétrons pela cadeia transportadora
promove a síntese de ATP.
 É chamada de acíclica porque os elétrons passam pela cadeia
transportadora e não retornam à clorofila b , mas são enviados à
clorofila a.
 Da clorofila a, os elétrons são transferidos ao NADP, formando
NADPH2.
3ª) FOTÓLISE DA ÁGUA

Ocorre quebra das moléculas de água, na presença de luz , consumindo
ATP.
As moléculas de água (H2O) serão quebradas, formando oxigênio e
íons hidrogênio.
Parte do oxigênio é utilizado pela própria planta (respiração celular).
 Outra parte do oxigênio é liberada para ambiente.
 Os íons hidrogênios serão capturados pelo NADP e os elétrons
resultantes retornam à clorofila b.

                    2 H2 O  4 H + + O 2 + 4 e -


   Obs: O oxigênio (O2 ) que é produzido na fotossíntese surge das
   moléculas de água (H2O), que são quebradas ao final da fase clara,
   durante a fotólise da água.
3ª) FOTÓLISE DA ÁGUA
3ª) FOTÓLISE DA ÁGUA
RESUMO DA FASE CLARA


1) A energia liberada formará moléculas de ATP;
2) Parte do oxigênio (O2) liberado será usado na respiração
   celular da própria célula vegetal;
3) Os hidrogênios serão capturados pelo NADP, formando
   NADPH2;
4) As moléculas de ATP e de NADPH2 serão usadas na
   próxima etapa da fotossíntese, que é a FASE ESCURA.
FASE ESCURA
                (Ciclo das Pentoses ou Ciclo de Calvin)

 Ocorre no estroma do cloroplasto.
Não depende de luz, nem de clorofila,
mas depende da fase clara.
 Nesta fase serão usadas substâncias
formadas durante a fase clara (ATP e
NADPH2).
 O CO2 absorvido pela planta, a partir da
atmosfera, combina-se com os hidrogênios
do NADPH2, formando a molécula se
glicose.
Como é uma reação de síntese, há
consumo do ATP que foi produzido
durante a fase clara.
FASE ESCURA
(Ciclo das Pentoses ou Ciclo de Calvin)
EQUAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE

Todo o processo da fotossíntese pode der representado pela seguinte
equação química:




Esta reação pode ser simplificada da seguinte maneira:
RESUMO DAS FASES DA FOTOSSÍNTESE
FOTOSSÍNTESE

FATORES LIMITANTES



 Clorofila
 Luz solar
  Água
  CO2
 Temperatura
INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE CO2




À medida que a concentração de CO2 aumenta, aumenta a
taxa de fotossíntese, até certo ponto, quando se estabiliza.
Sendo uma reação enzimática, a partir daquele ponto, as
enzimas estarão todas em funcionamento, não permitindo,
portanto, uma elevação da taxa de fotossíntese.
INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA




As reações enzimáticas dependem da temperatura.
Entretanto, em altas temperaturas, as enzimas se
desnaturam, perdendo sua atividade e impedindo a
formação do complexo enzima-substrato.
PONTO DE COMPENSAÇÃO


 As plantas só realizam a fotossíntese em presença de luz, mas respiram
o tempo todo, estando claro ou escuro.
Ponto de compensação é a intensidade luminosa na qual a taxa de
fotossíntese é igual à taxa de respiração.
 Indica o ponto em que todo o oxigênio produzido na fotossíntese está
sendo consumido na respiração.


                                             PONTO DE COMPENSAÇÃO:
                                              Intensidade luminosa na qual
                                                        TF = TR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
César Milani
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
prodeinha
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
Nayara de Queiroz
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
emanuel
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
Rebeca Vale
 

Mais procurados (20)

II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Metabolismo
MetabolismoMetabolismo
Metabolismo
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo Energético
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
 
Genetica hereditariedade
Genetica hereditariedadeGenetica hereditariedade
Genetica hereditariedade
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
Respiração anaeróbia
Respiração anaeróbiaRespiração anaeróbia
Respiração anaeróbia
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
 

Destaque

Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossínteseMetabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
pereira159
 
Metabolismo energetico
Metabolismo energeticoMetabolismo energetico
Metabolismo energetico
elciotx
 
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Roberto Bagatini
 
Processos energéticos que ocorrem nas células
Processos energéticos que ocorrem nas célulasProcessos energéticos que ocorrem nas células
Processos energéticos que ocorrem nas células
Roberto Bagatini
 
Processos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energiaProcessos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energia
Larissa Yamazaki
 
Metabolismo celular
Metabolismo celularMetabolismo celular
Metabolismo celular
hoas161004
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
Felipe Machado
 
Metabolismo energético respiração aeróbia e fermentação
Metabolismo energético respiração aeróbia e fermentaçãoMetabolismo energético respiração aeróbia e fermentação
Metabolismo energético respiração aeróbia e fermentação
Matheus Oliveira Santana
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
MARCIAMP
 

Destaque (20)

Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossínteseMetabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Metabolismo energetico
Metabolismo energeticoMetabolismo energetico
Metabolismo energetico
 
Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético
 
Metabolismos Energético
Metabolismos EnergéticoMetabolismos Energético
Metabolismos Energético
 
Metabolismo Energético - Introdução
Metabolismo Energético - IntroduçãoMetabolismo Energético - Introdução
Metabolismo Energético - Introdução
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
 
Processos energéticos que ocorrem nas células
Processos energéticos que ocorrem nas célulasProcessos energéticos que ocorrem nas células
Processos energéticos que ocorrem nas células
 
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I   Carboidratos e LipídiosMetabolismo Energético I   Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
 
Processos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energiaProcessos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energia
 
Metabolismo celular
Metabolismo celularMetabolismo celular
Metabolismo celular
 
Aula 2 - Bioenergetica - Fisiologia do exercício
Aula 2   - Bioenergetica - Fisiologia do exercícioAula 2   - Bioenergetica - Fisiologia do exercício
Aula 2 - Bioenergetica - Fisiologia do exercício
 
Processos energéticos que ocorrem nas células
Processos energéticos que ocorrem nas célulasProcessos energéticos que ocorrem nas células
Processos energéticos que ocorrem nas células
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
 
Metabolismo energético respiração aeróbia e fermentação
Metabolismo energético respiração aeróbia e fermentaçãoMetabolismo energético respiração aeróbia e fermentação
Metabolismo energético respiração aeróbia e fermentação
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Introducao metabolismo
Introducao metabolismoIntroducao metabolismo
Introducao metabolismo
 
Metabolismo dos carboidratos
Metabolismo dos carboidratosMetabolismo dos carboidratos
Metabolismo dos carboidratos
 

Semelhante a Metabolismo energético das células

Bioenergética respiração, fermentação e fotossíntese
Bioenergética   respiração, fermentação e fotossínteseBioenergética   respiração, fermentação e fotossíntese
Bioenergética respiração, fermentação e fotossíntese
Joel Leitão
 
Plastos e mitocondrias 5 a
Plastos e mitocondrias 5 aPlastos e mitocondrias 5 a
Plastos e mitocondrias 5 a
César Milani
 
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
Hugo Martins
 

Semelhante a Metabolismo energético das células (20)

Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
 
Bioenergetica
BioenergeticaBioenergetica
Bioenergetica
 
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)Bioenergética i   metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
Bioenergética i metabolismo e fermentação - aulas 29 e 30 (1)
 
Bioenergética respiração, fermentação e fotossíntese
Bioenergética   respiração, fermentação e fotossínteseBioenergética   respiração, fermentação e fotossíntese
Bioenergética respiração, fermentação e fotossíntese
 
BIOENERGÉTICA CELUAR
BIOENERGÉTICA CELUARBIOENERGÉTICA CELUAR
BIOENERGÉTICA CELUAR
 
Plastos e mitocondrias 5 a
Plastos e mitocondrias 5 aPlastos e mitocondrias 5 a
Plastos e mitocondrias 5 a
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
 
SLIDES 2 ANO ENERGIA 2 - obtenção de energia.pptx
SLIDES 2 ANO ENERGIA 2 - obtenção de energia.pptxSLIDES 2 ANO ENERGIA 2 - obtenção de energia.pptx
SLIDES 2 ANO ENERGIA 2 - obtenção de energia.pptx
 
Tema 3 biologia pdf
Tema 3   biologia pdfTema 3   biologia pdf
Tema 3 biologia pdf
 
Aula sobre fotossíntese
Aula sobre fotossínteseAula sobre fotossíntese
Aula sobre fotossíntese
 
Resp celul glicolise
Resp celul glicoliseResp celul glicolise
Resp celul glicolise
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Respiracao celular
Respiracao celularRespiracao celular
Respiracao celular
 
Metabolismo
MetabolismoMetabolismo
Metabolismo
 
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
 
CFO BMMG - Aula 01
CFO BMMG - Aula 01CFO BMMG - Aula 01
CFO BMMG - Aula 01
 
CFO BMMG - BIOLOGIA / AULA 01
CFO BMMG - BIOLOGIA / AULA 01CFO BMMG - BIOLOGIA / AULA 01
CFO BMMG - BIOLOGIA / AULA 01
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)Citoplasma   aulas 27 e 28 (1)
Citoplasma aulas 27 e 28 (1)
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
 

Metabolismo energético das células

  • 1. METABOLISMO ENERGÉTICO DAS CÉLULAS BIOLOGIA CELULAR (Parte 2) LIVRO 2, CAPÍTULO 1
  • 2. O QUE VEM À NOSSA MENTE QUANDO OBSERVAMOS ESTA FIGURA?  Que processos metabólicos estão representados na figura? Por que dizemos que os dois processos representados na figura são complementares?  Qual é a fonte de energia representada na figura?  O que aconteceria se essa fonte fosse suprimida do ambiente?  Todos os seres vivos obtêm energia na mesma forma?
  • 3. METABOLISMO  É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos.  São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será utilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam, movimentem-se, etc.  O metabolismo é o conjunto de reações químicas responsáveis pelos processos de síntese e degradação dos nutrientes na célula.  Divide-se em 2 etapas:  Catabolismo  Degradação, quebra de moléculas, com consequente produção de energia. Ex: quebra da glicose  Anabolismo  Síntese, formação de moléculas, envolvendo consumo de energia. Ex: união de várias moléculas de glicose para a síntese de glicogênio.
  • 4. Antes que você possa saber tudo sobre fotossíntese, respiração celular, e fermentação precisamos entender alguns conceitos e fenômenos, como por exemplo, de que maneira as células armazenam energia. Existem dois tipos de reações químicas que fazem parte do metabolismo celular: Reações endotérmicas Reações exotérmicas Para ocorrer, não Para ocorrer, precisam precisam receber de receber energia. energia. Liberam energia. Como exemplo de reação química endotérmica temos a fotossíntese e como exemplo de reação química exotérmica temos a respiração celular.
  • 5. A MOLÉCULA DE ATP (trifosfato de adenosina)  Todos os processos celulares dependem de energia para acontecer.  Essa energia é obtida dos alimentos e pode ser prontamente utilizada pela célula ou armazenada em moléculas especiais chamadas de ATP.  O ATP é a molécula armazenadora de energia na célula.  Constituição química:
  • 6. A MOLÉCULA DE ATP (trifosfato de adenosina)  Participa de todos os processos energéticos da célula:  Necessidade de energia  Quebra do ATP, liberando um fosfato e formando ADP (difosfato de adenosina). ATP  ADP + P Obs: ligações entre os 2 fosfatos (ADP) podem, ainda, ser quebradas, formando AMP (monofosfato de adenosina) e liberando mais energia.  Não há demanda energética  Síntese de ATP, através da união de um fosfato ao ADP. ADP + P  ATP  Reações reversíveis. Acontecem o tempo todo na célula.  Objetivo: liberar ou armazenar energia (Reações exotérmicas e endotérmicas).
  • 7. FORMAS DE OBTENÇÃO DE ENERGIA (Produção de ATP ) 1) FERMENTAÇÃO 2) RESPIRAÇÃO CELULAR
  • 8. FERMENTAÇÃO  Processo mais simples de produção de energia.  Processo ANAERÓBICO (ausência de O2).  Ocorre no CITOPLASMA.  Realizado naturalmente por fungos, bactérias, e, em algumas situações, por nossas células musculares.  O homem há décadas utiliza este processo natural para produção de alimentos, bebidas (iogurtes, leites, fermentados, pães, cervejas, vinhos...). Tipos de Fermentação: •Alcoólica •Lática •Acética
  • 9. FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA  O açúcar é degradado em álcool etílico (etanol), liberando também gás carbônico e energia.  Fabricação de pães, vinhos, cervejas, álcool combustível. AÇÚCAR  ÁLCOOL + CO2 + ENERGIA
  • 10. Reação ocorre no citoplasma. Rendimento energético: 2 ATP Consumo 1 molécula açúcar  2 ATP Produção Produção
  • 11. FERMENTAÇÃO LÁTICA  O açúcar do leite (lactose) é degradado, formando ácido lático e liberando energia.  Ácido lático: coagulação de proteínas.  Fabricação de queijos, iogurtes e coalhadas. AÇÚCAR  ÁCIDO LÁTICO + ENERGIA
  • 12. FERMENTAÇÃO LÁTICA  Ocorre também em nossas células musculares, em situações de grande demanda energética, quando fazemos um esforço muscular intenso, como nos exercícios físicos prolongados.  A quantidade de energia que chega aos nossos músculos é insuficiente para fornecer toda a energia necessária à atividade desenvolvida.  As células musculares passam a realizar o processo mais simples de obtenção de energia, que é a fermentação. AÇÚCAR  ÁCIDO LÁTICO + ENERGIA  O acúmulo de ácido lático nas fibras musculares (células musculares) causa dores, cansaço e cãibras.
  • 13. FERMENTAÇÃO ACÉTICA  Realizada por alguns tipos de bactérias que fermentam o açúcar, produzindo ácido acético, gás carbônico e energia.  Fabricação de vinagres. AÇÚCAR  ÁCIDO ACÉTICO + CO2 + ENERGIA  Expressão popular: “O vinho virou vinagre!” Etanol, em contato com O2 forma ácido acético.  Garrafas de vinho devem ser mantidas bem fechadas para evitar o acúmulo deste ácido acético, que altera o sabor do vinho.
  • 14. RESPIRAÇÃO CELULAR  Processo mais complexo de produção de energia.  Ocorre nas células eucarióticas (animais, vegetais). Ocorre nas MITOCÔNDRIAS.  Processo AERÓBICO (há participação de O2).  Rendimento energético muito maior que o da fermentação !!! 1 molécula açúcar  38 ATP  Respiração aeróbica envolve 2 fases: • Troca de gases através de membranas respiratórias; • Respiração celular.
  • 15. TROCA DE GASES ATRAVÉS DE MEMBRANAS RESPIRATÓRIAS  Através de finas membranas que devem estar sempre úmidas, para permitir a passagem dos gases.  Transporte se dá por DIFUSÃO SIMPLES.  Depende das diferenças nas concentrações dos gases dentro e fora das membranas.
  • 16. TROCA DE GASES ATRAVÉS DE MEMBRANAS RESPIRATÓRIAS  HEMATOSE  processo em que ocorre a troca de gases, nos alvéolos pulmonares e o O2 atravessa as membranas dos alvéolos e chega até às células.
  • 17.  O processo de difusão simples para as trocas gasosas ocorre em outros tipos de respiração
  • 18.  Nos vegetais, as trocas gasosas ocorrem em estruturas presentes nas superfícies das folhas, denominadas ESTÔMATOS.
  • 19. RESPIRAÇÃO CELULAR A respiração aeróbia, libera a totalidade da energia contida na molécula de glicose, como se pode comprovar analisando os produtos finais deste processo (água e dióxido de carbono), que são exatamente os mesmos utilizados na sua síntese (fotossíntese). C6H12O6 + 6O2 → 6CO2 + 6H2O + energia (ATP) O conjunto das reações da respiração celular aeróbia é extremamente complexo, tendo sido uma das maiores conquistas da bioquímica moderna a sua compreensão. Por esse motivo, consideram-se geralmente as seguintes etapas: CICLO DE KREBS CADEIA GLICÓLISE (ÁC. CÍTRICO) RESPIRATÓRIA
  • 20. RESPIRAÇÃO CELULAR GLICÓLISE  Quebra da molécula de glicose (hexose) em duas moléculas de ácido pirúvico (triose). Ocorre no citoplasma, na ausência de oxigênio (anaerobiose).  Mesmo processo que ocorre na fermentação.  Rendimento energético: 2 ATP  Há perda de 2 hidrogênios na molécula de ácido pirúvico, os quais são capturados por uma substância encontrada no citoplasma: o NAD (nicotinamida adenina nucleotídeo).  O NAD funciona como um transportador de hidrogênios.  Formação de 2 moléculas de NADH2.
  • 21. RESPIRAÇÃO CELULAR GLICÓLISE
  • 22. RESPIRAÇÃO CELULAR CICLO DE KREBS (CICLO DO ÁCIDO CÍTRICO) Ocorre na matriz mitocondrial. Quebra das moléculas de ácido pirúvico.  Produção de CO2, que é liberado da célula e eliminado para o ambiente.  Produção de mais moléculas de NADH2 (capturam os hidrogênios liberados).  Rendimento energético: 30 ATP 1 ácido pirúvico  15 ATP 2 ácidos pirúvicos  30 ATP
  • 23. RESPIRAÇÃO CELULAR CICLO DE KREBS (CICLO DO ÁCIDO CÍTRICO)
  • 24. RESPIRAÇÃO CELULAR CADEIA RESPIRATÓRIA Ocorre nas cristas mitocondriais. Os hidrogênios do NADH2 (produzidos na glicólise e no ciclo de Krebs) passam através de várias substâncias, liberando elétrons.  Envolve um conjunto de reações químicas, onde participam substâncias chamadas de citocromos.  A passagem dos elétrons pelos citocromos na cadeira respiratória, libera energia suficiente para a síntese 6 moléculas de ATP.  Elétrons atravessam a cadeia e chegam até o aceptor final, que é o oxigênio.  Oxigênio se combina com os hidrogênios, formando água.  Rendimento energético: 6 ATP
  • 26. RESPIRAÇÃO CELULAR RENDIMENTO ENERGÉTICO TOTAL 2 ATP + 30 ATP + 6 ATP = 38 ATP (GLICÓLISE) (CICLO KREBS) (CADEIA RESPIRATÓRIA) EQUAÇÃO GERAL C6H12O6 + 6O2 → 6CO2 + 6H2O + energia (38 ATP) Aceptor final Ciclo de Krebs Resultado da combinação dos de elétrons elétrons com o oxigênio, ao final da cadeia respiratória
  • 27. RESPIRAÇÃO CELULAR ATENÇÃO Na ausência de glicose, a célula pode utilizar outras moléculas para a realização da respiração celular, como aminoácidos (proteínas) e ácidos graxos (lipídios), com a participação da Coenzima- A. Os compostos intermediários obtidos a partir dessas moléculas entrarão no ciclo de Krebs.
  • 29.
  • 30. FOTOSSÍNTESE  Processo pelo qual algas e plantas absorvem a energia da luz solar e o CO2 da atmosfera para a síntese de moléculas orgânicas (glicose) que serão usadas posteriormente pela própria célula para obtenção de energia. Organela responsável: CLOROPLASTOS.  Para que ocorra é necessário: • Clorofila • Luz solar • Água Fatores limitantes da fotossíntese • CO2 • Temperatura
  • 33. FOTOSSÍNTESE De onde vem a energia para que esta reação ocorra ?  Vem do Sol. É captada pela clorofila, um pigmento verde, presente nos cloroplastos das folhas da planta.  Há dois tipos de clorofila que participam do processo: a clorofila a e a clorofila b.
  • 34. FOTOSSÍNTESE Para onde vai a glicose sintetizada no processo? 1)Glicose é usada como fonte de alimento e de energia, pela própria célula vegetal, ou por outros seres da cadeia alimentar; 2) Glicose é usada na síntese de celulose, que compõe a parede celular dos vegetais; 3) Glicose é usada como matéria-prima para a síntese de outras moléculas (outros carboidratos, aminoácidos e ácidos graxos); 4)Glicose é armazenada como fonte de reserva energética: AMIDO nos vegetais GLICOGÊNIO nos animais
  • 35. AS FASES DA FOTOSSÍNTESE 1ª: Fotofosforilação cíclica FASE CLARA (Presença de luz) 2ª: Fotofosforilação acíclica 3ª: Fotólise da água Ciclo das Pentoses ou Ciclo de Calvin FASE ESCURA (Ausência de luz) (Síntese da molécula de glicose)
  • 36. FASE CLARA 1ª) FOTOFOSFORILAÇÃO CÍCLICA Ocorre nos tilacóides do cloroplasto. Luz solar, ao incidir nas partes verdes da planta, atinge a molécula de clorofila a, excitando-a.  Ocorre a liberação de elétrons, os quais passam por uma cadeia transportadora, promovendo a síntese de ATP.  É chamada de cíclica porque os elétrons passam pela cadeia transportadora e retornam à clorofila a.
  • 38. 2ª) FOTOFOSFORILAÇÃO ACÍCLICA Ocorre nos tilacóides do cloroplasto. Ocorre excitação da clorofila b, transporte de elétrons por uma cadeia transportadora e captura de elétrons pela clorofila a. A liberação e o transporte de elétrons pela cadeia transportadora promove a síntese de ATP.  É chamada de acíclica porque os elétrons passam pela cadeia transportadora e não retornam à clorofila b , mas são enviados à clorofila a.  Da clorofila a, os elétrons são transferidos ao NADP, formando NADPH2.
  • 39.
  • 40.
  • 41. 3ª) FOTÓLISE DA ÁGUA Ocorre quebra das moléculas de água, na presença de luz , consumindo ATP. As moléculas de água (H2O) serão quebradas, formando oxigênio e íons hidrogênio. Parte do oxigênio é utilizado pela própria planta (respiração celular).  Outra parte do oxigênio é liberada para ambiente.  Os íons hidrogênios serão capturados pelo NADP e os elétrons resultantes retornam à clorofila b. 2 H2 O  4 H + + O 2 + 4 e - Obs: O oxigênio (O2 ) que é produzido na fotossíntese surge das moléculas de água (H2O), que são quebradas ao final da fase clara, durante a fotólise da água.
  • 44. RESUMO DA FASE CLARA 1) A energia liberada formará moléculas de ATP; 2) Parte do oxigênio (O2) liberado será usado na respiração celular da própria célula vegetal; 3) Os hidrogênios serão capturados pelo NADP, formando NADPH2; 4) As moléculas de ATP e de NADPH2 serão usadas na próxima etapa da fotossíntese, que é a FASE ESCURA.
  • 45. FASE ESCURA (Ciclo das Pentoses ou Ciclo de Calvin)  Ocorre no estroma do cloroplasto. Não depende de luz, nem de clorofila, mas depende da fase clara.  Nesta fase serão usadas substâncias formadas durante a fase clara (ATP e NADPH2).  O CO2 absorvido pela planta, a partir da atmosfera, combina-se com os hidrogênios do NADPH2, formando a molécula se glicose. Como é uma reação de síntese, há consumo do ATP que foi produzido durante a fase clara.
  • 46. FASE ESCURA (Ciclo das Pentoses ou Ciclo de Calvin)
  • 47. EQUAÇÃO DA FOTOSSÍNTESE Todo o processo da fotossíntese pode der representado pela seguinte equação química: Esta reação pode ser simplificada da seguinte maneira:
  • 48. RESUMO DAS FASES DA FOTOSSÍNTESE
  • 49. FOTOSSÍNTESE FATORES LIMITANTES Clorofila Luz solar  Água  CO2 Temperatura
  • 50. INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO DE CO2 À medida que a concentração de CO2 aumenta, aumenta a taxa de fotossíntese, até certo ponto, quando se estabiliza. Sendo uma reação enzimática, a partir daquele ponto, as enzimas estarão todas em funcionamento, não permitindo, portanto, uma elevação da taxa de fotossíntese.
  • 51. INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA As reações enzimáticas dependem da temperatura. Entretanto, em altas temperaturas, as enzimas se desnaturam, perdendo sua atividade e impedindo a formação do complexo enzima-substrato.
  • 52. PONTO DE COMPENSAÇÃO  As plantas só realizam a fotossíntese em presença de luz, mas respiram o tempo todo, estando claro ou escuro. Ponto de compensação é a intensidade luminosa na qual a taxa de fotossíntese é igual à taxa de respiração.  Indica o ponto em que todo o oxigênio produzido na fotossíntese está sendo consumido na respiração. PONTO DE COMPENSAÇÃO: Intensidade luminosa na qual TF = TR