SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
BIOLOGIA A (Profª Lara)
Livro Texto Capítulo 7(Itens 8 ao 19 )
Caderno 2
Aulas 21 a 24
 A síntese de uma proteína é comandada por
uma sequência de bases específica da molécula
de DNA (gene).
 Uma molécula de RNA interpreta e executa a
informação do DNA, através de dois eventos:
TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO.
 Existem três tipos de RNA produzidos na célula e sua
fabricação sempre está a cargo de moléculas de DNA.
 Todos eles apresentam a mesma estrutura básica: fita
simples, sequência de nucleotídeos contendo o açúcar
ribose, um grupamento fosfato e as bases (A, U, C e G).
 Localizam-se tanto no núcleo, quanto no citoplasma.
 Todos participam da síntese de proteínas em uma
série de reações controladas pela sequência de bases do
DNA, que determina a sequência de bases dos três tipos
de RNA.
 É o intermediário entre a “receita” (DNA) e a
execução (produção da proteína).
 Determina a posição dos aminoácidos nas proteínas,
através da sequência de bases de sua molécula. É o
único que será traduzido.
 Ocorre tanto no núcleo (onde é sintetizado) quanto no
citoplasma, onde se associa aos ribossomos para a
síntese de proteínas.
 É formado sempre que for necessário e depois de
exercer sua função é degradado para que os nucleotídeos
possam ser reciclados.
““ O tipo de proteínaO tipo de proteína
dependerá da sequência dedependerá da sequência de
nucleotídeos do RNA-m”nucleotídeos do RNA-m”
 Cada conjunto de 3 bases
do RNA-m é chamado
códon e codifica apenas
um determinado
aminoácido.
 1 códon = 1 aminoácido
 1 aminoácido = 1 ou mais
códons
 O código genético é
degenerado.
 É o que ocorre em menor quantidade.
Capaz de se combinar de modo reversível, com certos
aminoácidos que serão transportados por ele para
formar as proteínas.
 Sintetizado no núcleo e passa imediatamente para o
citoplasma.
 Em cada molécula de RNA-t existe uma série de 3
bases nitrogenadas, que lhes darão especificidade
quanto ao tipo de aminoácido transportado.
 É o que ocorre em maior quantidade.
 É encontrado no nucléolo, onde é produzido, e no
citoplasma, associado a proteínas, formando os
ribossomos.
 Seu papel é estrutural, pois faz parte da estrutura do
ribossomo.
 Nos ribossomos ocorrerá a síntese das proteínas. São
os sítios da tradução.
I) TRANSCRIÇÃO
Síntese do RNA-m, a partir do DNA.
II) TRADUÇÃO
Organização dos aminoácidos soltos no
citoplasma, pelo RNA, de modo a formar
uma proteína característica.
 O processo por meio do qual uma molécula de RNA
é sintetizada, tendo como molde uma das fitas da
molécula de DNA.
 A transcrição é realizada por um complexo
enzimático cuja enzima chave é a RNA polimerase,
composta de várias subunidades e que realiza a
polimerização do RNA a partir de um molde de DNA.
 Em procariotos existe apenas um tipo de RNA
polimerase enquanto nos eucariontes existem três. 
 Para cada tipo de RNA há uma RNA-pol diferente.
 Enzimas específicas desfazem a dupla hélice do
DNA. Este processo ocorre apenas na região referente ao
gene que deverá ser transcrito.
 A síntese de RNA começa em regiões do DNA
chamadas de promotoras (sequências específicas
reconhecidas pela RNA-polimerase - que direcionam a
transcrição dos genes).
 A RNA-polimerase atua apenas em uma das fitas de
DNA. A fita de DNA utilizada é sempre a mesma e
denominada fita codificante ou fita ativa.
 A RNA-polimerase encaixa ribonucleotídeos, produzindo
uma única fita de RNA, complementar à fita de DNA que
serve de molde.
 O pareamento será A → U, C → G, T → A e G → C.
 O RNA recém-formado vai se desligando do DNA que lhe
serviu de molde.
 Há uma sequência que indica o final do gene (códon de
parada ou stop códon) e, portanto, o fim da transcrição. A
RNA-polimerase se desprende do DNA e a molécula de
RNA é liberada.
 O RNA recém-formado vai para o citoplasma e as duas
fitas do DNA voltam a se parear.
RNA
DNA
Sob a ação da RNA-polimerase,
uma das fitas da molécula de
DNA é usada como molde para
sintetizar uma molécula de
RNA (fita simples). Este
processo é chamado de
TRANSCRIÇÃO.
 Na duplicação, os 2 filamentos de DNA são
complementados por nucleotídeos livres. Na transcrição,
apenas 1 filamento é complementado (fita ativa).
 Na duplicação, existem o pareamento A-T. Na
transcrição, se houver A no DNA, entrará U no RNA).
 Na duplicação, as 2 fitas recém-produzidas são partes
das duas novas moléculas de DNA. Na transcrição, o RNA
sintetizado se destaca da molécula de DNA e migra para o
citoplasma.
 Ao contrário da duplicação, a transcrição envolve certos
trechos do DNA, os genes, e ocorre durante toda a vida
normal da célula
Cada região do DNA que produz uma molécula de RNA funcional
constitui um gene.
 No DNA, cada trinca de nucleotídeos constitui um códon.
 Cada códon de DNA é transcrito e formará um códon do RNA-m.
 Cada grupo de 3 nucleotídeos do RNA-m constitui um códon.
 E cada códon de RNA codifica um aminoácido. Ex.: 1
 Ex.: 300 códons (300 trincas de nucleotídeos) = 300 aminoácidos.
 Como há 4 tipos de nucleotídeos no RNA (A, U, G e C), existem
64 agrupamentos possíveis.
 Em 1961, foi decifrado qual aminoácido é codificado por cada
códon.
O CÓDIGO GENÉTICO É UNIVERSAL E
DEGENERADO
 Um mesmo aminoácido pode ser codificado por
códons diferentes.
 Por isso algumas mutações no DNA (alterações na
sequência de bases) podem eventualmente não
implicar mudança na sequência de aminoácidos da
proteína.
 Embora vários códons possam codificar o mesmo
aminoácido, um determinado códon nunca codifica
aminoácidos diferentes.
 O que varia de um ser vivo para outro é a sequência
de códons, que acaba formando proteínas diferentes.
 Síntese de proteínas, a partir de RNA-m. Ocorre no
citoplasma.
A sequência de bases no RNA-m passa para uma sequência
de aminoácidos. Cada grupo de 3 bases consecutivas (códon)
corresponde a um aminoácido.
 O RNAt, no citoplasma, carrega um trio de bases
nitrogenadas, chamado de anticódon, com um aminoácido
correspondente.
 O processo de união dos aminoácidos trazidos por cada
RNA-t correspondente ao longo da sequência de códons do
RNA –m acontece nos ribossomos.
 Os aminoácidos vão se unindo por meio de ligações
peptídicas e a proteína vai sendo sintetizada.
 Os códons UAG, UAA e UGA são códons finalizadores.
 O códon do aminoácido metionina é o sinalizador do início
da tradução.
 Vários ribossomos efetuando a leitura do mesmo RNA-m,
cada qual com a proteína em um estágio de construção
diferente.
 Assim, grandes quantidades da mesma proteína podem ser
produzidas.
 Ao chegar ao fim da fita do RNA-m, o ribossomo sai da fita e
proteína, já pronta, é liberada.
O material genético é também fonte de variabilidade entre os
organismos, por meio do processo de mutação.
Se ocorrer uma mutação (modificação na composição química
do DNA), essa alteração pode repercutir na transcrição e na
tradução, afetando a proteína específica.
 A mudança de apenas um aminoácido pode alterar totalmente
o papel biológico da proteína.
 As mutações podem ser gênicas ou cromossômicas.
Se uma mutação estiver presente em um gameta, pode ser
transmitida às futuras gerações e, com o tempo, tornar-se
disseminada na população.
 Constitui uma importante fonte de variabilidade, fato
necessário ao mecanismos de evolução

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
 
Regulação e expressão gênica bacteriana
Regulação e expressão gênica bacterianaRegulação e expressão gênica bacteriana
Regulação e expressão gênica bacteriana
 
Proteínas
ProteínasProteínas
Proteínas
 
Cromossomos
CromossomosCromossomos
Cromossomos
 
Aula Proteinas
Aula ProteinasAula Proteinas
Aula Proteinas
 
Metabolismo de carboidratos
Metabolismo de carboidratosMetabolismo de carboidratos
Metabolismo de carboidratos
 
Organização celular 2
Organização celular 2Organização celular 2
Organização celular 2
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Transcrição gênica
Transcrição gênicaTranscrição gênica
Transcrição gênica
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNAAula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 
Aula de comunicação celular
Aula de comunicação celularAula de comunicação celular
Aula de comunicação celular
 
Ciclo de krebs ou ciclo do ácido cítrico
Ciclo de krebs ou ciclo do ácido cítricoCiclo de krebs ou ciclo do ácido cítrico
Ciclo de krebs ou ciclo do ácido cítrico
 
A síntese de proteínas
A síntese de proteínasA síntese de proteínas
A síntese de proteínas
 
Carboidratos aula (2)
Carboidratos aula (2)Carboidratos aula (2)
Carboidratos aula (2)
 
Síntese proteica
Síntese proteicaSíntese proteica
Síntese proteica
 
Exercícios de bioquímica- Metabolismo, ciclo cítrico e ciclo da ureia.
Exercícios de bioquímica- Metabolismo, ciclo cítrico e ciclo da ureia.Exercícios de bioquímica- Metabolismo, ciclo cítrico e ciclo da ureia.
Exercícios de bioquímica- Metabolismo, ciclo cítrico e ciclo da ureia.
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 

Destaque

Bioquímica metabolismo de proteínas
Bioquímica  metabolismo de proteínasBioquímica  metabolismo de proteínas
Bioquímica metabolismo de proteínasMarcos Gomes
 
Metabolismo de-proteínas
Metabolismo de-proteínasMetabolismo de-proteínas
Metabolismo de-proteínasGleice Lima
 
Proteínas essenciais e metabolismo do cho
Proteínas essenciais e metabolismo do choProteínas essenciais e metabolismo do cho
Proteínas essenciais e metabolismo do choPhoenixSportFitness
 
Controle de metabolismo
Controle de metabolismo Controle de metabolismo
Controle de metabolismo Emanuel Fraca
 
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOSVALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOSAmarildo César
 
Metabolismo de proteínas famed
Metabolismo de proteínas famedMetabolismo de proteínas famed
Metabolismo de proteínas famedRhomelio Anderson
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspMessias Miranda
 
Aula sintese proteica romero brandao - 2013
Aula   sintese proteica romero brandao - 2013Aula   sintese proteica romero brandao - 2013
Aula sintese proteica romero brandao - 2013karinemc18
 
Aula metabolismo de prote+¡nas cb
Aula metabolismo de prote+¡nas cbAula metabolismo de prote+¡nas cb
Aula metabolismo de prote+¡nas cbRodrigo Tinoco
 
Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2Sergio Câmara
 
Metabolismo dos carboidratos
Metabolismo dos carboidratosMetabolismo dos carboidratos
Metabolismo dos carboidratosRamon Bispo
 
Metabolismo de Carboidratos
Metabolismo de CarboidratosMetabolismo de Carboidratos
Metabolismo de CarboidratosAdriana Quevedo
 
Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.
Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.
Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.Luana D'Luna
 
Acidos Nucléicos
Acidos NucléicosAcidos Nucléicos
Acidos Nucléicosemanuel
 
Excreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power PointExcreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power PointBio
 

Destaque (20)

Proteinas dani
Proteinas daniProteinas dani
Proteinas dani
 
Bioquímica metabolismo de proteínas
Bioquímica  metabolismo de proteínasBioquímica  metabolismo de proteínas
Bioquímica metabolismo de proteínas
 
Metabolismo de-proteínas
Metabolismo de-proteínasMetabolismo de-proteínas
Metabolismo de-proteínas
 
Proteínas essenciais e metabolismo do cho
Proteínas essenciais e metabolismo do choProteínas essenciais e metabolismo do cho
Proteínas essenciais e metabolismo do cho
 
Controle de metabolismo
Controle de metabolismo Controle de metabolismo
Controle de metabolismo
 
Metabolismo de construção I - aulas 13 a 15
Metabolismo de construção I - aulas 13 a 15Metabolismo de construção I - aulas 13 a 15
Metabolismo de construção I - aulas 13 a 15
 
Gliconeog..
Gliconeog..Gliconeog..
Gliconeog..
 
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOSVALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
VALOR ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS
 
Metabolismo de proteínas famed
Metabolismo de proteínas famedMetabolismo de proteínas famed
Metabolismo de proteínas famed
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
 
Aula sintese proteica romero brandao - 2013
Aula   sintese proteica romero brandao - 2013Aula   sintese proteica romero brandao - 2013
Aula sintese proteica romero brandao - 2013
 
gliconeogenese
gliconeogenesegliconeogenese
gliconeogenese
 
Aula metabolismo de prote+¡nas cb
Aula metabolismo de prote+¡nas cbAula metabolismo de prote+¡nas cb
Aula metabolismo de prote+¡nas cb
 
Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2
 
Metabolismo dos carboidratos
Metabolismo dos carboidratosMetabolismo dos carboidratos
Metabolismo dos carboidratos
 
Metabolismo de Carboidratos
Metabolismo de CarboidratosMetabolismo de Carboidratos
Metabolismo de Carboidratos
 
Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.
Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.
Vitaminas, Lipídios, Proteínas e Ácidos nucleicos.
 
Acidos Nucléicos
Acidos NucléicosAcidos Nucléicos
Acidos Nucléicos
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Excreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power PointExcreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power Point
 

Semelhante a Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24

Resumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oanoResumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oanosilvia_lfr
 
Crescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celularCrescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celularsilvia_lfr
 
Apresentação2.pdf
Apresentação2.pdfApresentação2.pdf
Apresentação2.pdfLinoReis1
 
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRADESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRADMARCIAMP
 
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de BiologiaBiologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de Biologianatboy51
 
Síntese de proteínas
Síntese de proteínasSíntese de proteínas
Síntese de proteínasletyap
 
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º AnoVitor Perfeito
 
Os ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celular
Os ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celularOs ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celular
Os ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celularAlpha Colégio e Vestibulares
 
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínasOs ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínasDelminda Venancio
 
Dna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteícaDna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteícaLarissaComparini
 
ácidos nucléicos
ácidos nucléicosácidos nucléicos
ácidos nucléicosYuri Almeida
 
Bases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedadeBases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedadeHerivelto Carlotto
 
Crescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º ano
Crescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º anoCrescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º ano
Crescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º anoAna Mestre
 

Semelhante a Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24 (20)

Transcrição gênica
Transcrição gênicaTranscrição gênica
Transcrição gênica
 
Transcrição gênica
Transcrição gênicaTranscrição gênica
Transcrição gênica
 
Jjj
JjjJjj
Jjj
 
Resumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oanoResumo da materia_de_biologia_do_11oano
Resumo da materia_de_biologia_do_11oano
 
Crescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celularCrescimento e renovação_celular
Crescimento e renovação_celular
 
Apresentação2.pdf
Apresentação2.pdfApresentação2.pdf
Apresentação2.pdf
 
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRADESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
ESPECÍFICA REPLIC TRANSC E TRAD
 
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de BiologiaBiologia Celular: Dogma Central de Biologia
Biologia Celular: Dogma Central de Biologia
 
Síntese de proteínas
Síntese de proteínasSíntese de proteínas
Síntese de proteínas
 
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
 
Os ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celular
Os ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celularOs ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celular
Os ácidos nucleicos e o controle do metabolismo celular
 
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínasOs ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
Os ácidos nucleicos e a síntese de proteínas
 
Dna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteícaDna, rna e síntese proteíca
Dna, rna e síntese proteíca
 
ácidos nucléicos
ácidos nucléicosácidos nucléicos
ácidos nucléicos
 
Acidosnucleicos
AcidosnucleicosAcidosnucleicos
Acidosnucleicos
 
Síntese de Proteínas
Síntese de ProteínasSíntese de Proteínas
Síntese de Proteínas
 
Bases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedadeBases genética da hereditariedade
Bases genética da hereditariedade
 
Crescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º ano
Crescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º anoCrescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º ano
Crescimento e Renovação Celular, Biologia // 11º ano
 
ácidos nucleicos
ácidos nucleicosácidos nucleicos
ácidos nucleicos
 
Biologia aula 04 ácidos nucleicos
Biologia aula 04   ácidos nucleicosBiologia aula 04   ácidos nucleicos
Biologia aula 04 ácidos nucleicos
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasAlpha Colégio e Vestibulares
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª LaraAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminosesAlpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36Alpha Colégio e Vestibulares
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 

Último

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Metabolismo de controle II Síntese de proteínas - aulas 21 a 24

  • 1. BIOLOGIA A (Profª Lara) Livro Texto Capítulo 7(Itens 8 ao 19 ) Caderno 2 Aulas 21 a 24
  • 2.  A síntese de uma proteína é comandada por uma sequência de bases específica da molécula de DNA (gene).  Uma molécula de RNA interpreta e executa a informação do DNA, através de dois eventos: TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO.
  • 3.
  • 4.  Existem três tipos de RNA produzidos na célula e sua fabricação sempre está a cargo de moléculas de DNA.  Todos eles apresentam a mesma estrutura básica: fita simples, sequência de nucleotídeos contendo o açúcar ribose, um grupamento fosfato e as bases (A, U, C e G).  Localizam-se tanto no núcleo, quanto no citoplasma.  Todos participam da síntese de proteínas em uma série de reações controladas pela sequência de bases do DNA, que determina a sequência de bases dos três tipos de RNA.
  • 5.  É o intermediário entre a “receita” (DNA) e a execução (produção da proteína).  Determina a posição dos aminoácidos nas proteínas, através da sequência de bases de sua molécula. É o único que será traduzido.  Ocorre tanto no núcleo (onde é sintetizado) quanto no citoplasma, onde se associa aos ribossomos para a síntese de proteínas.  É formado sempre que for necessário e depois de exercer sua função é degradado para que os nucleotídeos possam ser reciclados.
  • 6. ““ O tipo de proteínaO tipo de proteína dependerá da sequência dedependerá da sequência de nucleotídeos do RNA-m”nucleotídeos do RNA-m”
  • 7.  Cada conjunto de 3 bases do RNA-m é chamado códon e codifica apenas um determinado aminoácido.  1 códon = 1 aminoácido  1 aminoácido = 1 ou mais códons  O código genético é degenerado.
  • 8.
  • 9.  É o que ocorre em menor quantidade. Capaz de se combinar de modo reversível, com certos aminoácidos que serão transportados por ele para formar as proteínas.  Sintetizado no núcleo e passa imediatamente para o citoplasma.  Em cada molécula de RNA-t existe uma série de 3 bases nitrogenadas, que lhes darão especificidade quanto ao tipo de aminoácido transportado.
  • 10.
  • 11.  É o que ocorre em maior quantidade.  É encontrado no nucléolo, onde é produzido, e no citoplasma, associado a proteínas, formando os ribossomos.  Seu papel é estrutural, pois faz parte da estrutura do ribossomo.  Nos ribossomos ocorrerá a síntese das proteínas. São os sítios da tradução.
  • 12.
  • 13. I) TRANSCRIÇÃO Síntese do RNA-m, a partir do DNA. II) TRADUÇÃO Organização dos aminoácidos soltos no citoplasma, pelo RNA, de modo a formar uma proteína característica.
  • 14.  O processo por meio do qual uma molécula de RNA é sintetizada, tendo como molde uma das fitas da molécula de DNA.  A transcrição é realizada por um complexo enzimático cuja enzima chave é a RNA polimerase, composta de várias subunidades e que realiza a polimerização do RNA a partir de um molde de DNA.  Em procariotos existe apenas um tipo de RNA polimerase enquanto nos eucariontes existem três.   Para cada tipo de RNA há uma RNA-pol diferente.
  • 15.  Enzimas específicas desfazem a dupla hélice do DNA. Este processo ocorre apenas na região referente ao gene que deverá ser transcrito.  A síntese de RNA começa em regiões do DNA chamadas de promotoras (sequências específicas reconhecidas pela RNA-polimerase - que direcionam a transcrição dos genes).  A RNA-polimerase atua apenas em uma das fitas de DNA. A fita de DNA utilizada é sempre a mesma e denominada fita codificante ou fita ativa.
  • 16.  A RNA-polimerase encaixa ribonucleotídeos, produzindo uma única fita de RNA, complementar à fita de DNA que serve de molde.  O pareamento será A → U, C → G, T → A e G → C.  O RNA recém-formado vai se desligando do DNA que lhe serviu de molde.  Há uma sequência que indica o final do gene (códon de parada ou stop códon) e, portanto, o fim da transcrição. A RNA-polimerase se desprende do DNA e a molécula de RNA é liberada.  O RNA recém-formado vai para o citoplasma e as duas fitas do DNA voltam a se parear.
  • 18. Sob a ação da RNA-polimerase, uma das fitas da molécula de DNA é usada como molde para sintetizar uma molécula de RNA (fita simples). Este processo é chamado de TRANSCRIÇÃO.
  • 19.
  • 20.  Na duplicação, os 2 filamentos de DNA são complementados por nucleotídeos livres. Na transcrição, apenas 1 filamento é complementado (fita ativa).  Na duplicação, existem o pareamento A-T. Na transcrição, se houver A no DNA, entrará U no RNA).  Na duplicação, as 2 fitas recém-produzidas são partes das duas novas moléculas de DNA. Na transcrição, o RNA sintetizado se destaca da molécula de DNA e migra para o citoplasma.  Ao contrário da duplicação, a transcrição envolve certos trechos do DNA, os genes, e ocorre durante toda a vida normal da célula
  • 21.
  • 22.
  • 23. Cada região do DNA que produz uma molécula de RNA funcional constitui um gene.  No DNA, cada trinca de nucleotídeos constitui um códon.  Cada códon de DNA é transcrito e formará um códon do RNA-m.  Cada grupo de 3 nucleotídeos do RNA-m constitui um códon.  E cada códon de RNA codifica um aminoácido. Ex.: 1  Ex.: 300 códons (300 trincas de nucleotídeos) = 300 aminoácidos.  Como há 4 tipos de nucleotídeos no RNA (A, U, G e C), existem 64 agrupamentos possíveis.  Em 1961, foi decifrado qual aminoácido é codificado por cada códon.
  • 24.
  • 25. O CÓDIGO GENÉTICO É UNIVERSAL E DEGENERADO  Um mesmo aminoácido pode ser codificado por códons diferentes.  Por isso algumas mutações no DNA (alterações na sequência de bases) podem eventualmente não implicar mudança na sequência de aminoácidos da proteína.  Embora vários códons possam codificar o mesmo aminoácido, um determinado códon nunca codifica aminoácidos diferentes.  O que varia de um ser vivo para outro é a sequência de códons, que acaba formando proteínas diferentes.
  • 26.  Síntese de proteínas, a partir de RNA-m. Ocorre no citoplasma. A sequência de bases no RNA-m passa para uma sequência de aminoácidos. Cada grupo de 3 bases consecutivas (códon) corresponde a um aminoácido.  O RNAt, no citoplasma, carrega um trio de bases nitrogenadas, chamado de anticódon, com um aminoácido correspondente.  O processo de união dos aminoácidos trazidos por cada RNA-t correspondente ao longo da sequência de códons do RNA –m acontece nos ribossomos.  Os aminoácidos vão se unindo por meio de ligações peptídicas e a proteína vai sendo sintetizada.  Os códons UAG, UAA e UGA são códons finalizadores.  O códon do aminoácido metionina é o sinalizador do início da tradução.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.  Vários ribossomos efetuando a leitura do mesmo RNA-m, cada qual com a proteína em um estágio de construção diferente.  Assim, grandes quantidades da mesma proteína podem ser produzidas.  Ao chegar ao fim da fita do RNA-m, o ribossomo sai da fita e proteína, já pronta, é liberada.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. O material genético é também fonte de variabilidade entre os organismos, por meio do processo de mutação. Se ocorrer uma mutação (modificação na composição química do DNA), essa alteração pode repercutir na transcrição e na tradução, afetando a proteína específica.  A mudança de apenas um aminoácido pode alterar totalmente o papel biológico da proteína.  As mutações podem ser gênicas ou cromossômicas. Se uma mutação estiver presente em um gameta, pode ser transmitida às futuras gerações e, com o tempo, tornar-se disseminada na população.  Constitui uma importante fonte de variabilidade, fato necessário ao mecanismos de evolução