SlideShare uma empresa Scribd logo

Educa+º+úo do campo unidade 4

O documento discute a importância do lúdico no processo de alfabetização de crianças dos povos do campo. Ele explica como os jogos podem auxiliar na apropriação do sistema de escrita alfabética ao mesmo tempo em que valorizam as singularidades desses povos. O documento fornece exemplos de jogos e atividades que podem ser usados em sala de aula para ensinar leitura, escrita e conteúdos relacionados ao campo de forma lúdica.

1 de 55
Realização:
EDUCAÇÃO DO CAMPO
UNIDADE 04
BRINCANDO NA ESCOLA: O
LÚDICO NAS ESCOLAS DO
CAMPO
EDUCAÇÃO DO CAMPO - Unidade 04
• Discutiremos sobre:
• A importância do lúdico no processo de alfabetização
para as crianças dos povos do campo.
• Como os jogos podem auxiliar no processo de
apropriação do sistema de escrita alfabética.
• Valorizar singularidades dos povos do campo.
(pág. 07)
OBJETIVOS
• Compreender a importância do lúdico no processo de
alfabetização para as crianças dos povos do campo;
• Entender a importância do papel dos jogos no processo de
alfabetização de crianças do campo;
• Compreender como os jogos podem ser uma alternativa
didática que contemple a heterogeneidade de
conhecimentos dos aprendizes no processo de
alfabetização;
• .Refletir sobre a necessidade do diagnóstico dos alunos e
os diferentes tipos de jogos a serem utilizados na sala de
aula .( pág. 07)
OBJETIVOS
• Planejar o ensino inserindo os jogos nas propostas de
organização de rotinas da alfabetização, adequando-
as às diferentes necessidades de aprendizagem dos
alunos;
• Analisar jogos para turmas multisseriadas
contemplando crianças que tenham diferentes
conhecimentos sobre a escrita. (pág. 07)
1- Brincando e aprendendo; alternativas didáticas para
as crianças do campo
• As brincadeiras de alguma forma marcam a vida das
crianças por todo o mundo. O brincar se materializa num
conjunto de ações sócio - culturalmente criadas, que, nos
remete ao passado, mas ao mesmo tempo são recriadas
refletindo o presente das crianças em cada espaço -
tempo em que vivem.
• Segundo Borba, a brincadeira não é simplesmente
reproduzida, e sim recriada a partir do que a criança traz
de novo, com seu poder de imaginar, criar, reinventar e
produzir cultura. O brincar envolve, complexos processos
de articulação entre o já dado e o novo, entre a
experiência, a memória e a imaginação, entre a realidade
a fantasia. (pág.09)
• Borba, aponta que nas sociedades ocidentais, as
brincadeiras são classificadas como tempo perdido,
embora estudos especializados tenha demonstrado
seu potencial para melhoria do processo ensino -
aprendizagens.
• Essa visão equivocada do importante papel das
brincadeiras no processo de aprendizagem está no
fato de estarem associadas à ideia de oposição ao
trabalho ou "coisa de criança"
• Borba fundamenta em Vygotsky (1987), citação pág.
10
• Compreendemos que as brincadeiras contribuem para o
desenvolvimento cognitivo, motor, social e físico. E as
várias práticas passadas de geração em geração no
contexto do campo, devem ser resgatadas e incorporadas
às rotinas didáticas escolares
• Como compreendermos que brincando podemos
aprender? pág. 11 Essa afirmação rebate qualquer
perspectiva das brincadeiras como mera reproduções das
crianças ao longo de várias gerações, levando - se em
conta também que; citação de Borba, pág. 10
• A ludicidade estimula o desenvolvimento de diferentes
habilidades nos campos da expressão oral, corporal e da
criatividade.
• É brincando que as crianças (re)traduzem seus universos
e significam jogos e brincadeiras, (re)descobrindo letras e
fonemas, (re) escrevendo histórias, que retratam vidas.
• Leal et al citando Luckesi apyd Grilo, afirmam que o
lúdico vai além do jogar ou brincar, poderia ser
entendido como aquilo que é feito de forma espontânea
ou livre que resulta numa experiência de plenitude,
alegre e agradável. ( pág. 11)
• As correntes teóricas construtivistas e
sociointeracionistas, apontam a importância do lúdico
para aprendizagem das crianças. Desde o nascimento, as
crianças brincam. Como aproveitar esta aptidão nata
para potencializar a alfabetização no universo escolar?
• As crianças devem assumir papel ativo no contato direto
com os objetos com os quais brinca, definindo e
cumprindo regras, alcançando objetivos pré -
estabelecidos. O educador deve agir como mediador,
acompanhando o envolvimento da criança,
problematizando a brincadeira ou propor elementos
novos. ( pág. 11)
• Muitas brincadeiras poderiam ser utilizadas em dif
erentes disciplinas, tempos e espaços de
aprendizagem. Na Língua Portuguesa, podemos citar
brincadeiras que se preocupam em oportunizar
práticas de leitura e escrita e para aprendizagem do
S. E. A.. Brincadeira com adivinhações, pág. 11 e 12
• Sugestão de literatura:
• - O QUE É O QUE É? - Ruth Rocha
• - Um tigre, dois tigres, três tigres (parlendas) -
Neusa Pisard Caccese e Eva Furnari
• As parlendas podem ser cantadas, faladas, dramatizadas ou
exploradas em leituras, identificação de rimas, contagem e
registro de quantidade de linhas ou ilustradas. Fazer
coletânea de parlendas ou adivinhações trazidas de casa.
• Na área externa da escola, podem brincar de pique esconde,
cabra cega, gato e rato, passa anel ou telefone sem fio,
(escolher uma brincadeira que vivenciam na comunidade). Na
sala de aula podem listar nomes de brincadeiras que
conhecem. Montar quebra cabeça, jogo da memória,
brinquedos ou brincadeiras que começam com a mesma
letra, classificar de acordo com a quantidade de letras,
palavras cruzadas, caça palavras, montar nomes com alfabeto
móvel e propor a criação de outra regras para algum jogo.
(pág.12)
• Essas atividades oportunizam as crianças de aprender
brincando e o professor estará inserindo na rotina escolar
alternativas pedagógicas que consideram a necessidade de
alfabetizar letrando. Como diz Soares na pág. 04.
• Outra opção seria a árvore das letras. pág. 12 e 13
• Caçada ecológica, trilhando o caminho das plantas. pág. 13 e
14
• É preciso compreender que nenhuma das brincadeiras
propostas traz conhecimentos prontos, portanto não devem
ser utilizadas como única estratégia de alfabetizar. O seu uso
deve ser combinado com outras estratégias didáticas.
• O educador tem o papel de avaliar a sua eficácia, a partir do
objetivo proposto.
Jogos na alfabetização: contemplando diferentes
percursos e conhecimentos sobre a escrita
Os jogos, os brinquedos e as brincadeiras
estão presentes em todas as sociedades na
contemporaneidade. Inserem-se na vida das
pessoas em diferentes fases de seu
desenvolvimento, tornando, muitas vezes,
indivíduos em eternos jogadores. (p. 17)
• Brandão et al (2009), citando Kishimoto (2003),
exemplificam essa dimensão histórica dos jogos e
brinquedos, mostrando que, “se o arco e a flecha
hoje aparecem como brinquedos, em certas
culturas indígenas representavam instrumentos
para a arte da caça e da pesca”; assim, os
jogos/brinquedos podem representar uma das
maneiras de resguardar a história das sociedades
(P. 17).
• Piaget (1987) destaca os jogos de exercício, através dos
quais os bebês começam a coordenar os movimentos das
mãos e dos pés e a visão, ainda no período sensório-motor
• Chauncey (1979) e Venguer e Venguer (1988), citados por
Brandão (2009), destacam o uso dos jogos de construção,
que auxiliam no desenvolvimento de múltiplas habilidades
como as noções de equilíbrio, de diferenciação de espaços
e formas, dentre outras.
• Brandão (2009, p.10), através dos jogos, crianças e/ou
adultos se engajam num mundo imaginário, regido por
regras próprias que, geralmente, são construídas a partir
das próprias regras sociais de convivência. (P. 17)
CARACTERÍSTICAS DOS JOGOS
• Representam a realidade e as atitudes humanas;
possibilitam a ação no mundo (mesmo que de modo
imaginário); incorporam motivos e interesses da própria
criança; estão sujeitos a regras, sejam elas explícitas ou
implícitas; e têm alto grau de espontaneidade na ação.
• Leontiev (1988), por exemplo, defendia que as brincadeiras
seriam as atividades principais durante a infância e que,
brincando, as crianças aprenderiam a se inserir no mundo
adulto. (P. 18)
CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS: DE REGRAS E DE
ENREDO
• Esse tipo de jogo contribui,
consideravelmente, para
desenvolver, nos jogadores
(indivíduos e grupos), não só
atitudes sociais, morais e éticas,
mas também o princípio de
colaboração e solidariedade,
sobretudo, nos jogos em equipe.
(p.19)
Jogos de regras
CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS: DE REGRAS E DE
ENREDO
• O foco são as representações de situações,
narrativas e a vivência de histórias, muitas
vezes, fundamentadas em recortes da vida
cotidiana, ou mesmo em contos, mitos e
lendas. Para Dias (2003), citado por
Brandão (2009, p.11), a importância desse
tipo de jogo está no seu funcionamento
com instrumento de desvelamento do
mundo, visando ao enfrentamento da
realidade, na medida em que amplia “as
possibilidades de ação e compreensão do
mundo”.
Jogos de Enredo
CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS: DE REGRAS E DE
ENREDO
• Assim, a autora e
colaboradores concluem
que “os jogos de enredo,
portanto, fazem com que as
crianças experimentem a
vida em sociedade e
exerçam papéis sociais
diversos, de modo que as
regras sociais são o alicerce
da brincadeira” (BRANDÃO,
2009, p.11). (p. 19)
Jogos de Enredo
• Os jogos por serem muito apreciados pelos
alunos e fonte de muitas reflexões sobre a
língua, podem constituir em ricos aliados na
alfabetização, potencializando a exploração e
construção de conhecimentos, ajudando a
promover a aprendizagem. Eles podem, como
com outras estratégias pedagógicas, contemplar
situações que atendam a alunos que tenham
diferentes graus de conhecimento sobre a escrita
e situações que mobilizem/explicitem diferentes
princípios desse sistema. (p. 19)
Jogos na alfabetização de crianças do campo
• O brinquedo educativo data dos tempos do Renascimento,
mas ganha força com a expansão da Educação Infantil [...].
Entendido como recurso que ensina, desenvolve e educa de
forma prazerosa, o brinquedo educativo materializa-se no
quebra-cabeça, destinado a ensinar formas ou cores, nos
brinquedos de tabuleiro que exigem a compreensão do
número e das operações matemáticas, nos brinquedos de
encaixe, que trabalham noções de sequência, de tamanho e
de forma, nos múltiplos brinquedos e brincadeiras cuja
concepção exigiu um olhar para o desenvolvimento infantil e
materialização da função psicopedagógica: móbiles
destinados à percepção visual, sonora ou motora; carrinhos
munidos de pinos que se encaixam para desenvolver a
coordenação motora, parlendas para a expressão da
linguagem, brincadeiras envolvendo músicas, danças,
expressão motora, gráfica e simbólica. (p. 21)
Papel do mediador
Deve ser desempenhado pelo
educador. Tal papel requer que ele
selecione recursos didáticos, em
consonância com seus objetivos ao
alfabetizar, avalie sua eficácia e planeje,
sistematicamente, ações para o melhor
aprendizado das crianças. (p. 22)
Papel do mediador - Jogos com palavras
• Torna os signos palpáveis: nos damos conta de
que as palavras não são feitas apenas de fonemas
e grafemas, mas de sons e de letras e que estes
sons e estas letras dialogam de uma palavra a
outra, em correspondências tão polifônicas, que
os sentidos acabam sempre misturando-se e
embaralhando-se. ...Brincar com as palavras
torna-se, então, jogar com a substância da
expressão: sons, letras, sílabas, rimas... e com os
acidentes de forma e de sentido que esta
manipulação encerra. (p. 22)
Exemplos de jogos de regras (P. 23 a 28)
• Ludo do pomar;
• Caça-palavras;
• Pescaria de palavras;
• Adivinha de árvores;
• Roçado ecológico;
A importância dos jogos de
alfabetização
• O uso dos jogos de alfabetização aqui
apresentados visa, portanto, a garantir a
todos os alunos oportunidades para,
ludicamente, atuarem como sujeitos da
linguagem, numa dimensão mais reflexiva,
num contexto que não exclui os usos
pragmáticos e de puro deleite da língua
escrita, através da leitura e exploração de
textos e de palavras. (P. 29)
3. Alfabetizar brincando: a valorização
dos elementos do campo (p.31)
Na organização da rotina escolar, é importante
inserir atividades que:
Viabilizem as práticas de leitura e escrita na
aprendizagem do Sistema de Escrita Alfabética (SEA);
Contemplem a dimensão lúdica;
Sugestões: Jogos e brincadeiras
Na Educação do Campo, tais recursos também
potencializam a construção de conhecimentos,
principalmente quando os jogos valorizam a vida em
comunidade e estimulam a curiosidade das crianças.
A utilização dos jogos potencializa a exploração e construção do
conhecimento, por contar com a motivação interna, típica do
lúdico, mas o trabalho requer a oferta de estímulos externos e a
influência de parceiros bem como a sistematização de conceitos
em outras situações que não jogos. (Kishimoto, 2003, pp. 37-38)
p. 31
Processo de ensino
Serve para conhecimento estático e/ou
uniforme?
 Para oportunizar o desenvolvimento das
diversas habilidades do educando,
ampliando suas participações sociais e
envolvimento nas lutas da comunidade?
OU
p. 31
Como propor jogos didáticos para a
aprendizagem do SEA que contemplem as
necessidades das turmas multisseriadas e que
valorizem as vivências dos povos do campo?
Como organizar situações didáticas com os
jogos que potencializem as trocas entre alunos
em turmas multisseriadas?
p. 31
Jogos didáticos: explorando temas das
comunidade do campo
(p.32)
Considerações:
As crianças, mesmo antes de escrever e ler de forma
convencional, constroem suas hipóteses sobre a escrita (cf.
FERREIRO & TEBEROROSKY, 1985; FERREIRO, 1995).
1ª hipótese pré-silábica: não estabelecem uma relação
entre as formas gráficas da escrita e os significantes das
palavras;
2ª hipótese silábica: relacionam os símbolos gráficos às
sílabas orais das palavras;
3ª hipótese alfabética: compreendem que as letras
representam unidades menores que as sílabas;
Os aprendizes não possuem conhecimentos
uniformes em relação ao SEA, por isso é
importante:
Diagnosticar quais são os conhecimentos acerca
do SEA que os alunos ainda não possuem e que
precisam se apropriar e/ou consolidar com
reflexões sistemáticas.
p. 32
De acordo com Leal e Morais (2010), para compreender as
propriedades do SEA, o indivíduo precisa reconstruir certos
conhecimentos, tais como:
p. 33
a) Escreve-se com letras, que não podem ser inventadas, que têm
um repertório finito e que são diferentes de números e outros
símbolos;
b) As letras têm formatos fixos e pequenas variações produzem
mudanças na identidade das mesmas (p,q,b, d), embora uma letra
assuma formatos variados (P, p,P, p);
c) A ordem das letras é definidora da palavra e uma letra pode se
repetir no interior de uma palavra e em diferentes palavras;
d) Nem todas as letras podem vir juntas de outras e nem todas
podem ocupar certas posições no interior das palavras;
e) As letras notam a pauta sonora e não as características físicas
ou funcionais dos referentes que substituem;
f) Todas as sílabas do português contêm uma vogal;
g) As sílabas podem variar quanto às combinações entre
consoantes, vogais e semivogais (CV, CCV, CVSv, CSvV, V,
CCVCC...), mas a estrutura predominante e a CV (consoante-
vogal);
h) As letras notam segmentos sonoros menores que as sílabas
orais que pronunciamos;
i) As letras têm valores sonoros fixos, apesar de muitas terem
mais de um valor sonoro e certos sons poderem ser notados com
mais de uma letra.
p. 33
Os conhecimentos/princípios citados são alguns dos
elementos que devem nortear a elaboração de atividades
que viabilizem a compreensão sobre a lógica do
funcionamento da escrita.
No trabalho com as crianças do campo: atrelada à
preocupação de alfabetizar, está também a valorização
dos aspectos socioculturais da comunidade.
Importante: a exploração de palavras deslocadas das
situações de interação social das crianças contrapõe-se a
qualquer tentativa de aproximar do currículo as
especificidades da população do campo.
p. 34
A exploração de temas relacionados às
diferentes realidades das crianças do
campo – como animais, sementes,
árvores, brincadeiras, ciclo da água,
agricultura – possibilita uma organização
diferenciada do trabalho pedagógico a
partir de modelos alternativos. (p.34)
Para propor
e/ou elaborar
jogos didáticos,
considerando a
diversidade de
conhecimentos
da turma:
- pensar nos conhecimentos em
relação à escrita alfabética que
precisam ser problematizados na
turma para, então, definir os
objetivos didáticos;
- escolher o tipo de jogo
apropriado às hipóteses de escrita
das crianças;
- escolher palavras dentro de um
mesmo campo semântico que
contemplem a realidade
sociocultural das crianças (terra,
pá, enxada, solo, dentre outras);
p. 34
EXEMPLO:
O professor diagnosticou que, em sua turma, alguns
alunos ainda precisam compreender que as palavras
são compostas por unidades sonoras e que algumas
palavras diferentes possuem partes sonoras iguais.
Nesse caso, uma alternativa didática para o
desenvolvimento da consciência fonológica no
processo de compreensão do SEA seria, por exemplo,
propor um jogo de análise fonológica que explorasse
nomes de animais (galinha/ andorinha, gavião/pavão,
pato/gato, cavalo/ galo, abelha/ovelha).
p. 34
Diagnóstico:
Quando os alunos necessitam compreender que as sílabas são
unidades menores; precisam atentar que a ordem das letras é
importante para se escrever; e/ou apresentem dificuldades em
estabelecer correspondências grafofônicas.
SUGESTÃO:
“Jogo de letras atrapalhadas” - as crianças, em grupo,
teriam que descobrir a palavra das cartelas que estão com
as letras embaralhadas. Caso esteja trabalhando com a
temática, por exemplo, aves do sertão, as palavras
selecionadas para compor o jogo poderiam ser: anu, asa-
branca, bacurau, canário, coruja, golinha, lavandeira,
marreco, nambu, tetéu, dentre outras.
p. 34
Atividades com os jogos: a mediação
do docente
 Os jogos, por si só, não trazem um saber acabado, é
preciso considerar que os conhecimentos mobilizados pelos
jogos podem ou não ser ativados pelas crianças.
 A criança é um ser ativo e a aprendizagem da leitura e da
escrita envolve processos mentais, portanto, nas situações
em que as crianças estão jogando, o professor assume um
papel preponderante não só por intermediar as trocas entre
as crianças, mas, principalmente, por potencializar os
conflitos.
p. 35
PAPEL DO
PROFESSOR
Intermediar trocas
e experiências
durante o jogo
Criar novas
situações
(extrajogo)
Potencializar
conflitos
Cabe, portanto, ao professor:
• desenvolver a capacidade de contextualização, de adequações das
atividades pedagógicas às condições particulares de ensino, ao perfil
dos alunos e às particularidades culturais e/ou socioeconômicas da
comunidade local, pois é o sujeito mais experiente, de ação
intencionalmente guiada e que provoca as instabilidades e os ajustes
no processo de construção de conhecimentos.
p. 35
Os jogos didáticos, para propiciarem uma
reflexão sobre os princípios do SEA,
precisam ser realizados em duplas,
pequenos grupos e/ou grande grupo,
oportunizando as trocas de saberes entre
os alunos. Trata-se de uma
aprendizagem colaborativa que modifica
as relações entre professor/aluno e
aluno/aluno.
Pode-se dividir a turma, considerando os conhecimentos que os
alunos já possuem em relação à escrita: um grupo que precisa
perceber a sequência de segmentos sonoros da palavra; outro
necessita descobrir as unidades sonoras e compreender como elas
correspondem às unidades gráficas; e, por fim, outro grupo que
ainda precisa refletir sobre todas as correspondências a serem
registradas na escrita das palavras.
p. 35-36
 Em um momento posterior, pode-se, ainda, trabalhar com
um tipo de jogo que contemple os diferentes percursos e
aprendizagens das crianças em um único tempo
pedagógico. Ou seja, participam desse momento crianças
que apresentam hipóteses e conhecimentos diversos sobre
a escrita alfabética.
 Um exemplo para contemplar esta diversidade é o jogo
citado por Silva e Morais (2011): o “Bingo de figuras”.
Como os alunos terão que encontrar, na cartela, as
palavras correspondentes aos nomes das figuras sorteadas
pelo professor, o jogo tem como objetivo didático
desenvolver a capacidade de leitura/reconhecimento de
palavras.
p. 36
Outra possibilidade de jogo é agrupar as crianças
por conhecimentos próximos sobre a escrita
alfabética. Destacamos, como exemplo, o jogo
“Baralho do saber”.
Esse jogo favorece a compreensão de que as
palavras são constituídas por unidades menores
(letras/fonemas) e a ordem em que os fonemas
são pronunciados corresponde à ordem em que as
letras são notadas na escrita. Assim, os alunos são
desafiados a compor palavras a partir de letras.
p. 36
Ao brincar com as palavras, as crianças têm a
oportunidade de compreender a lógica do SEA. Nesta
perspectiva, os jogos se configuram como um recurso
em potencial para as crianças e uma alternativa didática
para o professor. No entanto, para o ensino de língua
materna nos anos iniciais, outras atividades precisam
estar presentes na organização da rotina escolar, tal
como destacam Silva Morais (2011, p.24): “os jogos não
podem ser utilizados como únicos recursos didáticos
no processo inicial da aprendizagem da leitura e
escrita, pois eles, por si sós, não garantem a
apropriação dos conhecimentos visados”.
p. 37
LEITURA DE IMAGENS – BRUEGEL,
PORTINARI, LIÑERA E CRUZ
• Vocês conhecem as brincadeiras
retratadas nas telas?
• Em quais locais as brincadeiras ocorrem?
• Quais pinturas chamaram mais a
atenção? Por quê?
• Que brincadeiras são semelhantes às que
vocês costumam participar?
Jogos Infantis –Pieter Bruegel (1560)
RELEITURA DE BRUGEL
Outra curiosidade dessa obra é o período em foi criada. Naquele
tempo a brincadeira era vista como algo pecaminoso pela sociedade
e ainda não existia o sentimento de infância. Logo as crianças eram
consideradas como adultos em miniaturas. Apenas por volta do séc.
XX com a eclosão do movimento científico, que a brincadeira
ocupou com mais força a mente de grandes pensadores que
investigavam o desenvolvimento humano.
O quadro mostra cerca de 250 personagens participando de 84
brincadeiras em 1560.
Grande parte delas é conhecida ainda hoje.
Você consegue identificar algumas dessas brincadeiras e
jogos que ainda existem nos dias de hoje?
• Se recortássemos a tela em pedacinhos, cada fragmento
seria outra obra distinta.
Há uma coisa que me incomoda muito observar "jogos
de criança": Notem que apesar de estarem envolvidas na
arte de brincar, não há expressão de alegria ou
satisfação em sua carinhas. Com certeza Bruegel queria
dizer algo com isso. Nesse período da historia, as
crianças não eram muito valorizadas .Eram só mais uma
boca para alimentar. Visto que muitas eram entregues
como pajens, praticamente escravos em cozinhas, nas
cavalariças ,servindo a ricas senhoras cheias de
vontades, navios...Os meninos eram vendidos pelos pais
e levados nas grandes viagens como grumetes e por lá
eram explorados, violentados sexualmente, passavam
fome, frio, medo, muito medo.
Meninos com pipas (1943)– Candido
Portinari
Meninos soltando papagaios (1947)
Menino com estilingue (1958)
SALET LIÑERA- BOLINHA DE GUDE
Bolinha de Gude – Salet LiñeraMuitas formas que as crianças inventam para brincar são universais,
pois podem ser encontradas em diversos países. Podem também ter
mais de uma denominação. Assim, o “jogo do gude”, conforme a
região do Brasil, é conhecido como “baleba”, “firo”, “bilosca”,
“birosca”, “bolita”, “ximbra”, “búraca”, “pirosca”.
As crianças costumam utilizar em suas brincadeiras o que a natureza
oferece. Há no Brasil uma árvore conhecida como saboeiro, em cujos
frutos existem sementes - carocinhos pretos. Com estes as crianças
brincavam alegremente. Mas as sementes foram abandonadas tão
logo começaram a ser fabricadas “bolinhas de vidro”. Há muitas
formas de se jogar o "gude". Uma delas consiste em fazer entrar as
bolinhas de vidro em três buracos no chão. Ou em acertar a bolinha
adversária. A situação exige dos jogadores muita atenção e controle
sobre os movimentos das mãos (FIORI, LUNARDON, 2004, p. 258-
259).
Pinturas da série “Brincadeiras de
Crianças” de Ivan Cruz
- Assistir o vídeo.

Recomendados

Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sProf. Marcus Renato de Carvalho
 
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTILA IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTILcefaprodematupa
 
A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincarJakeline Lemos
 
Jogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetizaçãoJogos no Ciclo da alfabetização
Jogos no Ciclo da alfabetizaçãoDenise Oliveira
 
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICAEXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICALarissa Gomes
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Jaqueline Sarges
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmicamegainfoin
 
Power point importância do brincar
Power point   importância do brincarPower point   importância do brincar
Power point importância do brincarinesaalexandra
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILritagatti
 
Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar
Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar
Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar Joelson Honoratto
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetAnaí Peña
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
LudicidadeFSBA
 
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteEpistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteAnaí Peña
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...Thaynã Guedes
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntesedenisecgomes
 
Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...
Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...
Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...Eunice Portela
 
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogiaDisciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogiaGiovanazava
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Carlos Caldas
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slidesestercotrim
 
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...SimoneHelenDrumond
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilVIROUCLIPTAQ
 

Mais procurados (20)

Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
 
Power point importância do brincar
Power point   importância do brincarPower point   importância do brincar
Power point importância do brincar
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar
Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar
Tcc - O lúdico na aprendizagem escolar
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteEpistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
Jogos e brincadeiras
Jogos e brincadeirasJogos e brincadeiras
Jogos e brincadeiras
 
Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...
Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...
Anisio Teixeira- Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova- Educação Não é Privi...
 
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogiaDisciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Aprendizagem significativa 1
Aprendizagem significativa   1Aprendizagem significativa   1
Aprendizagem significativa 1
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
 
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
 
Kishimoto 6
Kishimoto 6Kishimoto 6
Kishimoto 6
 
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 

Destaque

Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionaisPieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionaisTatiDS
 
I giochi nei secoli xv e xvi
I giochi nei secoli xv e xviI giochi nei secoli xv e xvi
I giochi nei secoli xv e xviDario Forlani
 
Brinquedos e Brincadeiras
Brinquedos e BrincadeirasBrinquedos e Brincadeiras
Brinquedos e BrincadeirasJerusa Lehnen
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural7 de Setembro
 
Exemplo de catalogo de jogos
Exemplo de catalogo de jogosExemplo de catalogo de jogos
Exemplo de catalogo de jogosrenatavivi6
 
PNAIC - Jogo cubra a diferença
PNAIC - Jogo cubra a diferençaPNAIC - Jogo cubra a diferença
PNAIC - Jogo cubra a diferençaAna Macanario
 
Cinderelaindigena
CinderelaindigenaCinderelaindigena
CinderelaindigenaLakalondres
 
Ceciliameirelesquemmecompraumjardim
CeciliameirelesquemmecompraumjardimCeciliameirelesquemmecompraumjardim
CeciliameirelesquemmecompraumjardimLakalondres
 
A lingua portuguesaagradece.pps
A lingua portuguesaagradece.ppsA lingua portuguesaagradece.pps
A lingua portuguesaagradece.ppsLakalondres
 
Apresentação da carla
Apresentação da carlaApresentação da carla
Apresentação da carlaLakalondres
 
Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)
Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)
Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)Echirley
 
Dia das-crianas3553
Dia das-crianas3553Dia das-crianas3553
Dia das-crianas3553Lakalondres
 
Atividadesdeleitura
AtividadesdeleituraAtividadesdeleitura
AtividadesdeleituraLakalondres
 
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e PortinariApresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinarisilvasenas
 
Atv -turma monica-
 Atv -turma monica- Atv -turma monica-
Atv -turma monica-Lakalondres
 
Escadinha maria aparecida
Escadinha maria aparecidaEscadinha maria aparecida
Escadinha maria aparecidaLakalondres
 
PNAIC - Ano 2 educação do campo
PNAIC - Ano 2   educação do campoPNAIC - Ano 2   educação do campo
PNAIC - Ano 2 educação do campoElieneDias
 

Destaque (20)

Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionaisPieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
Pieter Brueghel e as brincadeiras tradicionais
 
I giochi nei secoli xv e xvi
I giochi nei secoli xv e xviI giochi nei secoli xv e xvi
I giochi nei secoli xv e xvi
 
Brinquedos e Brincadeiras
Brinquedos e BrincadeirasBrinquedos e Brincadeiras
Brinquedos e Brincadeiras
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Relatório de atividades
Relatório de atividadesRelatório de atividades
Relatório de atividades
 
Exemplo de catalogo de jogos
Exemplo de catalogo de jogosExemplo de catalogo de jogos
Exemplo de catalogo de jogos
 
PNAIC - Jogo cubra a diferença
PNAIC - Jogo cubra a diferençaPNAIC - Jogo cubra a diferença
PNAIC - Jogo cubra a diferença
 
Cinderelaindigena
CinderelaindigenaCinderelaindigena
Cinderelaindigena
 
Ceciliameirelesquemmecompraumjardim
CeciliameirelesquemmecompraumjardimCeciliameirelesquemmecompraumjardim
Ceciliameirelesquemmecompraumjardim
 
Carnava .
Carnava .Carnava .
Carnava .
 
A lingua portuguesaagradece.pps
A lingua portuguesaagradece.ppsA lingua portuguesaagradece.pps
A lingua portuguesaagradece.pps
 
Apresentação da carla
Apresentação da carlaApresentação da carla
Apresentação da carla
 
Vamos Brincar
Vamos BrincarVamos Brincar
Vamos Brincar
 
Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)
Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)
Brinadeiras de Crianças - Tela de ivan Cruz (Crianças na Praça)
 
Dia das-crianas3553
Dia das-crianas3553Dia das-crianas3553
Dia das-crianas3553
 
Atividadesdeleitura
AtividadesdeleituraAtividadesdeleitura
Atividadesdeleitura
 
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e PortinariApresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinari
 
Atv -turma monica-
 Atv -turma monica- Atv -turma monica-
Atv -turma monica-
 
Escadinha maria aparecida
Escadinha maria aparecidaEscadinha maria aparecida
Escadinha maria aparecida
 
PNAIC - Ano 2 educação do campo
PNAIC - Ano 2   educação do campoPNAIC - Ano 2   educação do campo
PNAIC - Ano 2 educação do campo
 

Semelhante a Educa+º+úo do campo unidade 4

Semelhante a Educa+º+úo do campo unidade 4 (20)

PNAIC - Educação do Campo - unidade 4
PNAIC - Educação do Campo - unidade 4PNAIC - Educação do Campo - unidade 4
PNAIC - Educação do Campo - unidade 4
 
Unidade 4 parte 1, 2 e 3
Unidade 4   parte 1, 2 e 3Unidade 4   parte 1, 2 e 3
Unidade 4 parte 1, 2 e 3
 
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.pptUnidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
 
Jogos lúdicos
Jogos lúdicosJogos lúdicos
Jogos lúdicos
 
PNAIC - Unidade 4 geral
PNAIC - Unidade 4 geralPNAIC - Unidade 4 geral
PNAIC - Unidade 4 geral
 
Pibid no contexto escolar
Pibid no contexto escolarPibid no contexto escolar
Pibid no contexto escolar
 
PNAIC - Ano 02 unidade 4
PNAIC - Ano 02   unidade 4PNAIC - Ano 02   unidade 4
PNAIC - Ano 02 unidade 4
 
Ano 02 unidade 4
Ano 02 unidade 4Ano 02 unidade 4
Ano 02 unidade 4
 
4 encontro - Pnaic 2015
4 encontro - Pnaic 20154 encontro - Pnaic 2015
4 encontro - Pnaic 2015
 
Aline naiany erika
Aline naiany erikaAline naiany erika
Aline naiany erika
 
4º encontro pnaic
4º encontro pnaic4º encontro pnaic
4º encontro pnaic
 
2. brincadeiras
2. brincadeiras2. brincadeiras
2. brincadeiras
 
4791-32024-1-PB.pdf
4791-32024-1-PB.pdf4791-32024-1-PB.pdf
4791-32024-1-PB.pdf
 
A importância do brincar
A importância do brincarA importância do brincar
A importância do brincar
 
Manual de Jogos Didáticos
Manual de Jogos DidáticosManual de Jogos Didáticos
Manual de Jogos Didáticos
 
Manual de jogos_didáticos_revisado
Manual de jogos_didáticos_revisadoManual de jogos_didáticos_revisado
Manual de jogos_didáticos_revisado
 
Planejamento do 6ª encontro tarde certo
Planejamento do 6ª encontro tarde  certoPlanejamento do 6ª encontro tarde  certo
Planejamento do 6ª encontro tarde certo
 
jogos de alfabetização
  jogos de alfabetização  jogos de alfabetização
jogos de alfabetização
 
Jogos-de-alfabetizacao
Jogos-de-alfabetizacaoJogos-de-alfabetizacao
Jogos-de-alfabetizacao
 
O brincar na educação infantil texto final
O brincar na educação infantil texto finalO brincar na educação infantil texto final
O brincar na educação infantil texto final
 

Mais de Lakalondres

planejamento_3o_ano.pptx
planejamento_3o_ano.pptxplanejamento_3o_ano.pptx
planejamento_3o_ano.pptxLakalondres
 
Projeto O Grande Rabanete
Projeto O Grande RabaneteProjeto O Grande Rabanete
Projeto O Grande RabaneteLakalondres
 
Encontros vocálicos
Encontros vocálicosEncontros vocálicos
Encontros vocálicosLakalondres
 
Encontros vocálicos (2)
Encontros vocálicos (2)Encontros vocálicos (2)
Encontros vocálicos (2)Lakalondres
 
Curso de informatica
Curso de informaticaCurso de informatica
Curso de informaticaLakalondres
 
Copa do mundo 2010 matematica
Copa do mundo 2010  matematicaCopa do mundo 2010  matematica
Copa do mundo 2010 matematicaLakalondres
 
Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...
Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...
Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...Lakalondres
 
Cartilha hinos brasileitos
Cartilha hinos brasileitosCartilha hinos brasileitos
Cartilha hinos brasileitosLakalondres
 
Cartilha e a sua historia
Cartilha e a sua historiaCartilha e a sua historia
Cartilha e a sua historiaLakalondres
 
Caderno de leitura poesias
Caderno de leitura poesias Caderno de leitura poesias
Caderno de leitura poesias Lakalondres
 
Atividades seu lobato
Atividades seu lobatoAtividades seu lobato
Atividades seu lobatoLakalondres
 
Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01
Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01
Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01Lakalondres
 
Arte é matemática
Arte é matemáticaArte é matemática
Arte é matemáticaLakalondres
 
Animaisedinfantil
Animaisedinfantil Animaisedinfantil
Animaisedinfantil Lakalondres
 

Mais de Lakalondres (20)

planejamento_3o_ano.pptx
planejamento_3o_ano.pptxplanejamento_3o_ano.pptx
planejamento_3o_ano.pptx
 
Projeto O Grande Rabanete
Projeto O Grande RabaneteProjeto O Grande Rabanete
Projeto O Grande Rabanete
 
Encontros vocálicos
Encontros vocálicosEncontros vocálicos
Encontros vocálicos
 
Encontros vocálicos (2)
Encontros vocálicos (2)Encontros vocálicos (2)
Encontros vocálicos (2)
 
Em cima-embaixo
Em cima-embaixoEm cima-embaixo
Em cima-embaixo
 
Curso de informatica
Curso de informaticaCurso de informatica
Curso de informatica
 
Copa do mundo 2010 matematica
Copa do mundo 2010  matematicaCopa do mundo 2010  matematica
Copa do mundo 2010 matematica
 
Contra dengue
Contra dengueContra dengue
Contra dengue
 
Combinados
Combinados Combinados
Combinados
 
Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...
Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...
Cdocumentsandsettingsglauciaaparecidadesktopparalelacicloiiport 100706111554-...
 
Cartilha hinos brasileitos
Cartilha hinos brasileitosCartilha hinos brasileitos
Cartilha hinos brasileitos
 
Cartilha e a sua historia
Cartilha e a sua historiaCartilha e a sua historia
Cartilha e a sua historia
 
Caderno de leitura poesias
Caderno de leitura poesias Caderno de leitura poesias
Caderno de leitura poesias
 
Bianca
BiancaBianca
Bianca
 
Atividades seu lobato
Atividades seu lobatoAtividades seu lobato
Atividades seu lobato
 
Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01
Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01
Atasprincesassoltampum 120203083354-phpapp01-130326063347-phpapp01
 
Asa de-papel-
Asa de-papel-Asa de-papel-
Asa de-papel-
 
Arte é matemática
Arte é matemáticaArte é matemática
Arte é matemática
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Animaisedinfantil
Animaisedinfantil Animaisedinfantil
Animaisedinfantil
 

Educa+º+úo do campo unidade 4

  • 2. EDUCAÇÃO DO CAMPO UNIDADE 04 BRINCANDO NA ESCOLA: O LÚDICO NAS ESCOLAS DO CAMPO
  • 3. EDUCAÇÃO DO CAMPO - Unidade 04 • Discutiremos sobre: • A importância do lúdico no processo de alfabetização para as crianças dos povos do campo. • Como os jogos podem auxiliar no processo de apropriação do sistema de escrita alfabética. • Valorizar singularidades dos povos do campo. (pág. 07)
  • 4. OBJETIVOS • Compreender a importância do lúdico no processo de alfabetização para as crianças dos povos do campo; • Entender a importância do papel dos jogos no processo de alfabetização de crianças do campo; • Compreender como os jogos podem ser uma alternativa didática que contemple a heterogeneidade de conhecimentos dos aprendizes no processo de alfabetização; • .Refletir sobre a necessidade do diagnóstico dos alunos e os diferentes tipos de jogos a serem utilizados na sala de aula .( pág. 07)
  • 5. OBJETIVOS • Planejar o ensino inserindo os jogos nas propostas de organização de rotinas da alfabetização, adequando- as às diferentes necessidades de aprendizagem dos alunos; • Analisar jogos para turmas multisseriadas contemplando crianças que tenham diferentes conhecimentos sobre a escrita. (pág. 07)
  • 6. 1- Brincando e aprendendo; alternativas didáticas para as crianças do campo • As brincadeiras de alguma forma marcam a vida das crianças por todo o mundo. O brincar se materializa num conjunto de ações sócio - culturalmente criadas, que, nos remete ao passado, mas ao mesmo tempo são recriadas refletindo o presente das crianças em cada espaço - tempo em que vivem. • Segundo Borba, a brincadeira não é simplesmente reproduzida, e sim recriada a partir do que a criança traz de novo, com seu poder de imaginar, criar, reinventar e produzir cultura. O brincar envolve, complexos processos de articulação entre o já dado e o novo, entre a experiência, a memória e a imaginação, entre a realidade a fantasia. (pág.09)
  • 7. • Borba, aponta que nas sociedades ocidentais, as brincadeiras são classificadas como tempo perdido, embora estudos especializados tenha demonstrado seu potencial para melhoria do processo ensino - aprendizagens. • Essa visão equivocada do importante papel das brincadeiras no processo de aprendizagem está no fato de estarem associadas à ideia de oposição ao trabalho ou "coisa de criança" • Borba fundamenta em Vygotsky (1987), citação pág. 10
  • 8. • Compreendemos que as brincadeiras contribuem para o desenvolvimento cognitivo, motor, social e físico. E as várias práticas passadas de geração em geração no contexto do campo, devem ser resgatadas e incorporadas às rotinas didáticas escolares • Como compreendermos que brincando podemos aprender? pág. 11 Essa afirmação rebate qualquer perspectiva das brincadeiras como mera reproduções das crianças ao longo de várias gerações, levando - se em conta também que; citação de Borba, pág. 10
  • 9. • A ludicidade estimula o desenvolvimento de diferentes habilidades nos campos da expressão oral, corporal e da criatividade. • É brincando que as crianças (re)traduzem seus universos e significam jogos e brincadeiras, (re)descobrindo letras e fonemas, (re) escrevendo histórias, que retratam vidas. • Leal et al citando Luckesi apyd Grilo, afirmam que o lúdico vai além do jogar ou brincar, poderia ser entendido como aquilo que é feito de forma espontânea ou livre que resulta numa experiência de plenitude, alegre e agradável. ( pág. 11)
  • 10. • As correntes teóricas construtivistas e sociointeracionistas, apontam a importância do lúdico para aprendizagem das crianças. Desde o nascimento, as crianças brincam. Como aproveitar esta aptidão nata para potencializar a alfabetização no universo escolar? • As crianças devem assumir papel ativo no contato direto com os objetos com os quais brinca, definindo e cumprindo regras, alcançando objetivos pré - estabelecidos. O educador deve agir como mediador, acompanhando o envolvimento da criança, problematizando a brincadeira ou propor elementos novos. ( pág. 11)
  • 11. • Muitas brincadeiras poderiam ser utilizadas em dif erentes disciplinas, tempos e espaços de aprendizagem. Na Língua Portuguesa, podemos citar brincadeiras que se preocupam em oportunizar práticas de leitura e escrita e para aprendizagem do S. E. A.. Brincadeira com adivinhações, pág. 11 e 12 • Sugestão de literatura: • - O QUE É O QUE É? - Ruth Rocha • - Um tigre, dois tigres, três tigres (parlendas) - Neusa Pisard Caccese e Eva Furnari
  • 12. • As parlendas podem ser cantadas, faladas, dramatizadas ou exploradas em leituras, identificação de rimas, contagem e registro de quantidade de linhas ou ilustradas. Fazer coletânea de parlendas ou adivinhações trazidas de casa. • Na área externa da escola, podem brincar de pique esconde, cabra cega, gato e rato, passa anel ou telefone sem fio, (escolher uma brincadeira que vivenciam na comunidade). Na sala de aula podem listar nomes de brincadeiras que conhecem. Montar quebra cabeça, jogo da memória, brinquedos ou brincadeiras que começam com a mesma letra, classificar de acordo com a quantidade de letras, palavras cruzadas, caça palavras, montar nomes com alfabeto móvel e propor a criação de outra regras para algum jogo. (pág.12)
  • 13. • Essas atividades oportunizam as crianças de aprender brincando e o professor estará inserindo na rotina escolar alternativas pedagógicas que consideram a necessidade de alfabetizar letrando. Como diz Soares na pág. 04. • Outra opção seria a árvore das letras. pág. 12 e 13 • Caçada ecológica, trilhando o caminho das plantas. pág. 13 e 14 • É preciso compreender que nenhuma das brincadeiras propostas traz conhecimentos prontos, portanto não devem ser utilizadas como única estratégia de alfabetizar. O seu uso deve ser combinado com outras estratégias didáticas. • O educador tem o papel de avaliar a sua eficácia, a partir do objetivo proposto.
  • 14. Jogos na alfabetização: contemplando diferentes percursos e conhecimentos sobre a escrita Os jogos, os brinquedos e as brincadeiras estão presentes em todas as sociedades na contemporaneidade. Inserem-se na vida das pessoas em diferentes fases de seu desenvolvimento, tornando, muitas vezes, indivíduos em eternos jogadores. (p. 17)
  • 15. • Brandão et al (2009), citando Kishimoto (2003), exemplificam essa dimensão histórica dos jogos e brinquedos, mostrando que, “se o arco e a flecha hoje aparecem como brinquedos, em certas culturas indígenas representavam instrumentos para a arte da caça e da pesca”; assim, os jogos/brinquedos podem representar uma das maneiras de resguardar a história das sociedades (P. 17).
  • 16. • Piaget (1987) destaca os jogos de exercício, através dos quais os bebês começam a coordenar os movimentos das mãos e dos pés e a visão, ainda no período sensório-motor • Chauncey (1979) e Venguer e Venguer (1988), citados por Brandão (2009), destacam o uso dos jogos de construção, que auxiliam no desenvolvimento de múltiplas habilidades como as noções de equilíbrio, de diferenciação de espaços e formas, dentre outras. • Brandão (2009, p.10), através dos jogos, crianças e/ou adultos se engajam num mundo imaginário, regido por regras próprias que, geralmente, são construídas a partir das próprias regras sociais de convivência. (P. 17)
  • 17. CARACTERÍSTICAS DOS JOGOS • Representam a realidade e as atitudes humanas; possibilitam a ação no mundo (mesmo que de modo imaginário); incorporam motivos e interesses da própria criança; estão sujeitos a regras, sejam elas explícitas ou implícitas; e têm alto grau de espontaneidade na ação. • Leontiev (1988), por exemplo, defendia que as brincadeiras seriam as atividades principais durante a infância e que, brincando, as crianças aprenderiam a se inserir no mundo adulto. (P. 18)
  • 18. CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS: DE REGRAS E DE ENREDO • Esse tipo de jogo contribui, consideravelmente, para desenvolver, nos jogadores (indivíduos e grupos), não só atitudes sociais, morais e éticas, mas também o princípio de colaboração e solidariedade, sobretudo, nos jogos em equipe. (p.19) Jogos de regras
  • 19. CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS: DE REGRAS E DE ENREDO • O foco são as representações de situações, narrativas e a vivência de histórias, muitas vezes, fundamentadas em recortes da vida cotidiana, ou mesmo em contos, mitos e lendas. Para Dias (2003), citado por Brandão (2009, p.11), a importância desse tipo de jogo está no seu funcionamento com instrumento de desvelamento do mundo, visando ao enfrentamento da realidade, na medida em que amplia “as possibilidades de ação e compreensão do mundo”. Jogos de Enredo
  • 20. CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS: DE REGRAS E DE ENREDO • Assim, a autora e colaboradores concluem que “os jogos de enredo, portanto, fazem com que as crianças experimentem a vida em sociedade e exerçam papéis sociais diversos, de modo que as regras sociais são o alicerce da brincadeira” (BRANDÃO, 2009, p.11). (p. 19) Jogos de Enredo
  • 21. • Os jogos por serem muito apreciados pelos alunos e fonte de muitas reflexões sobre a língua, podem constituir em ricos aliados na alfabetização, potencializando a exploração e construção de conhecimentos, ajudando a promover a aprendizagem. Eles podem, como com outras estratégias pedagógicas, contemplar situações que atendam a alunos que tenham diferentes graus de conhecimento sobre a escrita e situações que mobilizem/explicitem diferentes princípios desse sistema. (p. 19)
  • 22. Jogos na alfabetização de crianças do campo • O brinquedo educativo data dos tempos do Renascimento, mas ganha força com a expansão da Educação Infantil [...]. Entendido como recurso que ensina, desenvolve e educa de forma prazerosa, o brinquedo educativo materializa-se no quebra-cabeça, destinado a ensinar formas ou cores, nos brinquedos de tabuleiro que exigem a compreensão do número e das operações matemáticas, nos brinquedos de encaixe, que trabalham noções de sequência, de tamanho e de forma, nos múltiplos brinquedos e brincadeiras cuja concepção exigiu um olhar para o desenvolvimento infantil e materialização da função psicopedagógica: móbiles destinados à percepção visual, sonora ou motora; carrinhos munidos de pinos que se encaixam para desenvolver a coordenação motora, parlendas para a expressão da linguagem, brincadeiras envolvendo músicas, danças, expressão motora, gráfica e simbólica. (p. 21)
  • 23. Papel do mediador Deve ser desempenhado pelo educador. Tal papel requer que ele selecione recursos didáticos, em consonância com seus objetivos ao alfabetizar, avalie sua eficácia e planeje, sistematicamente, ações para o melhor aprendizado das crianças. (p. 22)
  • 24. Papel do mediador - Jogos com palavras • Torna os signos palpáveis: nos damos conta de que as palavras não são feitas apenas de fonemas e grafemas, mas de sons e de letras e que estes sons e estas letras dialogam de uma palavra a outra, em correspondências tão polifônicas, que os sentidos acabam sempre misturando-se e embaralhando-se. ...Brincar com as palavras torna-se, então, jogar com a substância da expressão: sons, letras, sílabas, rimas... e com os acidentes de forma e de sentido que esta manipulação encerra. (p. 22)
  • 25. Exemplos de jogos de regras (P. 23 a 28) • Ludo do pomar; • Caça-palavras; • Pescaria de palavras; • Adivinha de árvores; • Roçado ecológico;
  • 26. A importância dos jogos de alfabetização • O uso dos jogos de alfabetização aqui apresentados visa, portanto, a garantir a todos os alunos oportunidades para, ludicamente, atuarem como sujeitos da linguagem, numa dimensão mais reflexiva, num contexto que não exclui os usos pragmáticos e de puro deleite da língua escrita, através da leitura e exploração de textos e de palavras. (P. 29)
  • 27. 3. Alfabetizar brincando: a valorização dos elementos do campo (p.31) Na organização da rotina escolar, é importante inserir atividades que: Viabilizem as práticas de leitura e escrita na aprendizagem do Sistema de Escrita Alfabética (SEA); Contemplem a dimensão lúdica; Sugestões: Jogos e brincadeiras
  • 28. Na Educação do Campo, tais recursos também potencializam a construção de conhecimentos, principalmente quando os jogos valorizam a vida em comunidade e estimulam a curiosidade das crianças. A utilização dos jogos potencializa a exploração e construção do conhecimento, por contar com a motivação interna, típica do lúdico, mas o trabalho requer a oferta de estímulos externos e a influência de parceiros bem como a sistematização de conceitos em outras situações que não jogos. (Kishimoto, 2003, pp. 37-38) p. 31
  • 29. Processo de ensino Serve para conhecimento estático e/ou uniforme?  Para oportunizar o desenvolvimento das diversas habilidades do educando, ampliando suas participações sociais e envolvimento nas lutas da comunidade? OU p. 31
  • 30. Como propor jogos didáticos para a aprendizagem do SEA que contemplem as necessidades das turmas multisseriadas e que valorizem as vivências dos povos do campo? Como organizar situações didáticas com os jogos que potencializem as trocas entre alunos em turmas multisseriadas? p. 31
  • 31. Jogos didáticos: explorando temas das comunidade do campo (p.32) Considerações: As crianças, mesmo antes de escrever e ler de forma convencional, constroem suas hipóteses sobre a escrita (cf. FERREIRO & TEBEROROSKY, 1985; FERREIRO, 1995). 1ª hipótese pré-silábica: não estabelecem uma relação entre as formas gráficas da escrita e os significantes das palavras; 2ª hipótese silábica: relacionam os símbolos gráficos às sílabas orais das palavras; 3ª hipótese alfabética: compreendem que as letras representam unidades menores que as sílabas;
  • 32. Os aprendizes não possuem conhecimentos uniformes em relação ao SEA, por isso é importante: Diagnosticar quais são os conhecimentos acerca do SEA que os alunos ainda não possuem e que precisam se apropriar e/ou consolidar com reflexões sistemáticas. p. 32
  • 33. De acordo com Leal e Morais (2010), para compreender as propriedades do SEA, o indivíduo precisa reconstruir certos conhecimentos, tais como: p. 33 a) Escreve-se com letras, que não podem ser inventadas, que têm um repertório finito e que são diferentes de números e outros símbolos; b) As letras têm formatos fixos e pequenas variações produzem mudanças na identidade das mesmas (p,q,b, d), embora uma letra assuma formatos variados (P, p,P, p); c) A ordem das letras é definidora da palavra e uma letra pode se repetir no interior de uma palavra e em diferentes palavras; d) Nem todas as letras podem vir juntas de outras e nem todas podem ocupar certas posições no interior das palavras;
  • 34. e) As letras notam a pauta sonora e não as características físicas ou funcionais dos referentes que substituem; f) Todas as sílabas do português contêm uma vogal; g) As sílabas podem variar quanto às combinações entre consoantes, vogais e semivogais (CV, CCV, CVSv, CSvV, V, CCVCC...), mas a estrutura predominante e a CV (consoante- vogal); h) As letras notam segmentos sonoros menores que as sílabas orais que pronunciamos; i) As letras têm valores sonoros fixos, apesar de muitas terem mais de um valor sonoro e certos sons poderem ser notados com mais de uma letra. p. 33
  • 35. Os conhecimentos/princípios citados são alguns dos elementos que devem nortear a elaboração de atividades que viabilizem a compreensão sobre a lógica do funcionamento da escrita. No trabalho com as crianças do campo: atrelada à preocupação de alfabetizar, está também a valorização dos aspectos socioculturais da comunidade. Importante: a exploração de palavras deslocadas das situações de interação social das crianças contrapõe-se a qualquer tentativa de aproximar do currículo as especificidades da população do campo. p. 34
  • 36. A exploração de temas relacionados às diferentes realidades das crianças do campo – como animais, sementes, árvores, brincadeiras, ciclo da água, agricultura – possibilita uma organização diferenciada do trabalho pedagógico a partir de modelos alternativos. (p.34)
  • 37. Para propor e/ou elaborar jogos didáticos, considerando a diversidade de conhecimentos da turma: - pensar nos conhecimentos em relação à escrita alfabética que precisam ser problematizados na turma para, então, definir os objetivos didáticos; - escolher o tipo de jogo apropriado às hipóteses de escrita das crianças; - escolher palavras dentro de um mesmo campo semântico que contemplem a realidade sociocultural das crianças (terra, pá, enxada, solo, dentre outras); p. 34
  • 38. EXEMPLO: O professor diagnosticou que, em sua turma, alguns alunos ainda precisam compreender que as palavras são compostas por unidades sonoras e que algumas palavras diferentes possuem partes sonoras iguais. Nesse caso, uma alternativa didática para o desenvolvimento da consciência fonológica no processo de compreensão do SEA seria, por exemplo, propor um jogo de análise fonológica que explorasse nomes de animais (galinha/ andorinha, gavião/pavão, pato/gato, cavalo/ galo, abelha/ovelha). p. 34
  • 39. Diagnóstico: Quando os alunos necessitam compreender que as sílabas são unidades menores; precisam atentar que a ordem das letras é importante para se escrever; e/ou apresentem dificuldades em estabelecer correspondências grafofônicas. SUGESTÃO: “Jogo de letras atrapalhadas” - as crianças, em grupo, teriam que descobrir a palavra das cartelas que estão com as letras embaralhadas. Caso esteja trabalhando com a temática, por exemplo, aves do sertão, as palavras selecionadas para compor o jogo poderiam ser: anu, asa- branca, bacurau, canário, coruja, golinha, lavandeira, marreco, nambu, tetéu, dentre outras. p. 34
  • 40. Atividades com os jogos: a mediação do docente  Os jogos, por si só, não trazem um saber acabado, é preciso considerar que os conhecimentos mobilizados pelos jogos podem ou não ser ativados pelas crianças.  A criança é um ser ativo e a aprendizagem da leitura e da escrita envolve processos mentais, portanto, nas situações em que as crianças estão jogando, o professor assume um papel preponderante não só por intermediar as trocas entre as crianças, mas, principalmente, por potencializar os conflitos. p. 35
  • 41. PAPEL DO PROFESSOR Intermediar trocas e experiências durante o jogo Criar novas situações (extrajogo) Potencializar conflitos Cabe, portanto, ao professor: • desenvolver a capacidade de contextualização, de adequações das atividades pedagógicas às condições particulares de ensino, ao perfil dos alunos e às particularidades culturais e/ou socioeconômicas da comunidade local, pois é o sujeito mais experiente, de ação intencionalmente guiada e que provoca as instabilidades e os ajustes no processo de construção de conhecimentos. p. 35
  • 42. Os jogos didáticos, para propiciarem uma reflexão sobre os princípios do SEA, precisam ser realizados em duplas, pequenos grupos e/ou grande grupo, oportunizando as trocas de saberes entre os alunos. Trata-se de uma aprendizagem colaborativa que modifica as relações entre professor/aluno e aluno/aluno. Pode-se dividir a turma, considerando os conhecimentos que os alunos já possuem em relação à escrita: um grupo que precisa perceber a sequência de segmentos sonoros da palavra; outro necessita descobrir as unidades sonoras e compreender como elas correspondem às unidades gráficas; e, por fim, outro grupo que ainda precisa refletir sobre todas as correspondências a serem registradas na escrita das palavras. p. 35-36
  • 43.  Em um momento posterior, pode-se, ainda, trabalhar com um tipo de jogo que contemple os diferentes percursos e aprendizagens das crianças em um único tempo pedagógico. Ou seja, participam desse momento crianças que apresentam hipóteses e conhecimentos diversos sobre a escrita alfabética.  Um exemplo para contemplar esta diversidade é o jogo citado por Silva e Morais (2011): o “Bingo de figuras”. Como os alunos terão que encontrar, na cartela, as palavras correspondentes aos nomes das figuras sorteadas pelo professor, o jogo tem como objetivo didático desenvolver a capacidade de leitura/reconhecimento de palavras. p. 36
  • 44. Outra possibilidade de jogo é agrupar as crianças por conhecimentos próximos sobre a escrita alfabética. Destacamos, como exemplo, o jogo “Baralho do saber”. Esse jogo favorece a compreensão de que as palavras são constituídas por unidades menores (letras/fonemas) e a ordem em que os fonemas são pronunciados corresponde à ordem em que as letras são notadas na escrita. Assim, os alunos são desafiados a compor palavras a partir de letras. p. 36
  • 45. Ao brincar com as palavras, as crianças têm a oportunidade de compreender a lógica do SEA. Nesta perspectiva, os jogos se configuram como um recurso em potencial para as crianças e uma alternativa didática para o professor. No entanto, para o ensino de língua materna nos anos iniciais, outras atividades precisam estar presentes na organização da rotina escolar, tal como destacam Silva Morais (2011, p.24): “os jogos não podem ser utilizados como únicos recursos didáticos no processo inicial da aprendizagem da leitura e escrita, pois eles, por si sós, não garantem a apropriação dos conhecimentos visados”. p. 37
  • 46. LEITURA DE IMAGENS – BRUEGEL, PORTINARI, LIÑERA E CRUZ • Vocês conhecem as brincadeiras retratadas nas telas? • Em quais locais as brincadeiras ocorrem? • Quais pinturas chamaram mais a atenção? Por quê? • Que brincadeiras são semelhantes às que vocês costumam participar?
  • 47. Jogos Infantis –Pieter Bruegel (1560)
  • 48. RELEITURA DE BRUGEL Outra curiosidade dessa obra é o período em foi criada. Naquele tempo a brincadeira era vista como algo pecaminoso pela sociedade e ainda não existia o sentimento de infância. Logo as crianças eram consideradas como adultos em miniaturas. Apenas por volta do séc. XX com a eclosão do movimento científico, que a brincadeira ocupou com mais força a mente de grandes pensadores que investigavam o desenvolvimento humano. O quadro mostra cerca de 250 personagens participando de 84 brincadeiras em 1560. Grande parte delas é conhecida ainda hoje. Você consegue identificar algumas dessas brincadeiras e jogos que ainda existem nos dias de hoje?
  • 49. • Se recortássemos a tela em pedacinhos, cada fragmento seria outra obra distinta. Há uma coisa que me incomoda muito observar "jogos de criança": Notem que apesar de estarem envolvidas na arte de brincar, não há expressão de alegria ou satisfação em sua carinhas. Com certeza Bruegel queria dizer algo com isso. Nesse período da historia, as crianças não eram muito valorizadas .Eram só mais uma boca para alimentar. Visto que muitas eram entregues como pajens, praticamente escravos em cozinhas, nas cavalariças ,servindo a ricas senhoras cheias de vontades, navios...Os meninos eram vendidos pelos pais e levados nas grandes viagens como grumetes e por lá eram explorados, violentados sexualmente, passavam fome, frio, medo, muito medo.
  • 50. Meninos com pipas (1943)– Candido Portinari
  • 54. Bolinha de Gude – Salet LiñeraMuitas formas que as crianças inventam para brincar são universais, pois podem ser encontradas em diversos países. Podem também ter mais de uma denominação. Assim, o “jogo do gude”, conforme a região do Brasil, é conhecido como “baleba”, “firo”, “bilosca”, “birosca”, “bolita”, “ximbra”, “búraca”, “pirosca”. As crianças costumam utilizar em suas brincadeiras o que a natureza oferece. Há no Brasil uma árvore conhecida como saboeiro, em cujos frutos existem sementes - carocinhos pretos. Com estes as crianças brincavam alegremente. Mas as sementes foram abandonadas tão logo começaram a ser fabricadas “bolinhas de vidro”. Há muitas formas de se jogar o "gude". Uma delas consiste em fazer entrar as bolinhas de vidro em três buracos no chão. Ou em acertar a bolinha adversária. A situação exige dos jogadores muita atenção e controle sobre os movimentos das mãos (FIORI, LUNARDON, 2004, p. 258- 259).
  • 55. Pinturas da série “Brincadeiras de Crianças” de Ivan Cruz - Assistir o vídeo.