Papert

565 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Papert

  1. 1. Abordagem construcionista de Papert Caxias-(MA) 31/05/2012
  2. 2. Biografia: Seymour Papert  Nasceu Pretória, África do Sul em 01/03/1928. É matemático e proeminente educado. Trabalhou com Piaget na University of Genova de 1958 a 1963. Reside nos Estados Unidos. Fundador e membro do media Lab – http://pt.wikipedia.org/wiki/Institu
  3. 3. Seymour Papert  Uns do pioneiros na historia da Informática na Educação, preocupado com a relação entre o homem e a tecnologia e com a natureza da aprendizagem. Criou a Linguagem de Programação Logo na década de 60 como foco educacional, ou seja, para ser utilizada por educadores no processo de aprendizagem das crianças.
  4. 4. Seymour Papert Conseguiu ressignificar os princípios psicológicos e pedagógicos, tais como:  O aprender-fazendo;  A aprendizagem significa e reflexiva;  A afetividade e a interação integrando-os no contexto computacional.
  5. 5. Construcionismo de Seymour Papert  Apresenta-se pautado nos principais psicológicos, pedagógicos e computacionais. Estar abordagem foi fundamental para orientar as ações de mediação do professor interagindo com os alunos programando a Linguagem de Programação Logica.
  6. 6. A abordagem Construcionista Inspirada e fundamental:  Construtivismo de Piaget  Teoria de inteligências múltiplas de Howard Gardner  Pedagogia Social de Paulo Freire
  7. 7. A abordagem Construcionista  Na década de 90, com a expansão do uso do computador em diferentes comunidades escolares e em diversas culturas, evidenciou a importância do desenvolvimento de materiais e a criação de ambiente de aprendizagem que permitem aos diferentes sujeitos envolver-se em atividade reflexiva.
  8. 8. Segundo Papert (1994)  “Os materiais devem favorecer ao aluno tanto a aprender-com como o aprender-sobre-o-pensar. É a idéia do “hands-on” e “head-in”. Isto significa que o aluno aprende fazendo ( colocando a mão na massa) e construindo algo que lhe seja significativo, de modo que possa envolver-se afetiva cognitivamente com aquilo que estar sendo produzido.
  9. 9. ReferênciaPAPERT, S. A maquina das crianças:representando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artmed, 1994

×