Diretrizes Bioclimáticas paraespaços arquitetônicos eurbanos naRua João     Gomes, nº26Salvador,                          ...
Diretrizes Bioclimáticas         para espaços arquitetônicos e urbanos   Ter domínio do conhecimento sobre as variáveis c...
Diretrizes Bioclimáticaspara espaços arquitetônicos eurbanos
Salvadorespaços construídos               Cidade situada a 12°58′ 16″ S e               38° 30′ 39″ W sendo a parte baixa ...
Salvador   clima                                                                       Localizada no nordeste             ...
Salvador temperaturas máxima e mínima e dados pluviométricos
Salvador         ventos   A predominância dos ventos em Salvador é sudeste seguido de leste e sul com    velocidade média...
Salvador         ventosGráfico de distribuição dos ventos predominantes nos meses de dezembro e junho –solstício de verão ...
SalvadorPercurso Aparente do Sol   Cartas solares são    representações do percurso do    Sol na abóbada celeste nas     ...
Salvador             Carta Bioclimática    A carta psicrométrica apresenta dados climáticos de um determinado local, com ...
Salvador               Zona Bioclimática 8    Recomendações da NBR 15220-3 para a                                         ...
SalvadorZona Bioclimática 8Para a zona 8 devem seratendidas diretrizes apresentadasnas tabelas a seguir:
SalvadorZona climática 8
SalvadorZona climática 8
SalvadorZona climática 8
Estudo de Caso         Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)O estudo de caso encontra-se entre arua João Gomes nº 26 e a...
Estudo de CasoLote nº26 (próximo ao largo de Santana)
Estudo de CasoLote nº 364 (fachada nordeste do terreno, rua Conselheiro Pedro Luís)
Estudo de Caso              Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)     Período de Insolejamento das FachadasPara as edifi...
Período de Insolejamento das                      FachadasFACHADA                         45oSO    FACHADA                ...
Estudo de Caso         Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)      Período de Insolejamento das CalçadasA calçada a norde...
Estudo de Caso     Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)                  VentilaçãoAs                                  ...
Estudo de Caso            Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)As ruas das fachadas principais são de grande fluxo epequ...
Diretrizes Bioclimáticas para o              Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)Diretrizes Bioclimáticas para os lotes...
Diretrizes Bioclimáticas para o           Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)   Recomendações para o sombreameto das  ...
Diretrizes Bioclimáticas para o            Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)  Recomendações para esquadriasEsquadria...
Diretrizes Bioclimáticas para           a           Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)   Diretrizes Bioclimáticas par...
Diretrizes Bioclimáticas para           a           Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)  Diretrizes Bioclimáticas para...
Diretrizes Bioclimáticas para           a           Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)Considerações FinaisEste trabal...
Referências:1)Manual do Conforto Térmico2)Manual do Arquiteto Descalço3)http://www.windfinder.com/windstats/windstatistic_...
Meu conforto ambiental    faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lotes e ruas brasileiras prontíssimo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Meu conforto ambiental faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lotes e ruas brasileiras prontíssimo

5.962 visualizações

Publicada em

Diretrizes bioclimáticas para Salvador

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.962
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
163
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meu conforto ambiental faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lotes e ruas brasileiras prontíssimo

  1. 1. Diretrizes Bioclimáticas paraespaços arquitetônicos eurbanos naRua João Gomes, nº26Salvador, Laina Pinto Rebeca MidianeBA Conforto Ambiental I Faculdade de Arquitetura da UFBA Professora: Denise Vaz 2012.2
  2. 2. Diretrizes Bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos Ter domínio do conhecimento sobre as variáveis climáticas que atuam sobre determinado local, é de extrema importância para o projetista. Pois, tendo este controle ele poderá manipular sua obra de tal forma que permitirá oferecer ao homem mais conforto e qualidade de vida. Então, a partir do estudo dos elementos e fatores climáticos são delimitadas diretrizes bioclimáticas para propor o melhor aproveitamento do local.
  3. 3. Diretrizes Bioclimáticaspara espaços arquitetônicos eurbanos
  4. 4. Salvadorespaços construídos Cidade situada a 12°58′ 16″ S e 38° 30′ 39″ W sendo a parte baixa da cidade a nível do mar. Na altitude de 51m na “cidade alta“ de na “cidade baixa“ a 13m. A cidade foi projetada para ser forte e ao mesmo tempo porto para mercadorias de abastecimento. No entanto a cidade com o tempo cresceu e o planejamento feito já não serve para a contemporaneidade. O centro histórico da cidade manteve seus prédios não edificados, porém sem o espaçamento adequado entre eles. A mata atlântica pouco é encontrada e quase cem por cento do litoral já é urbanizado. Sendo sua topografia variada os desníveis podem induzir diferentes situações climática no mesmo sítio.
  5. 5. Salvador clima Localizada no nordeste do Brasil, a cidade de Salvador possui um clima tropical atlântico sem estação seca discernível. As temperaturas são relativamente constantes ao longo do ano, com condições de clima quentes e úmidas. O mês mais seco de Salvador no ano é Janeiro, onde a cidade recebe, emDados de temperatura média e umidade relativa no ano de 2012. Fonte: média, 110mm de chuva.INMET Já os meses mais chuvosos de Salvador acontece entre Maio e Julho e 789mm de chuva cai durante estes 3 meses. Chega a extremos de 17 °C no inverno e a 32 °C no verão. A umidade relativa
  6. 6. Salvador temperaturas máxima e mínima e dados pluviométricos
  7. 7. Salvador ventos A predominância dos ventos em Salvador é sudeste seguido de leste e sul com velocidade média anual que varia de 2,9 m/s a 3,4 m/s. Há maior oferta e velocidade nos ventos é nos meses quentes de outubro, novembro e dezembro, quando o sentido predominante é leste. O vento leste se mantém nos meses de verão até março, quando começa a descer para sudeste até se aproximar da direção sul nos meses de inverno.
  8. 8. Salvador ventosGráfico de distribuição dos ventos predominantes nos meses de dezembro e junho –solstício de verão e solstício de inverno, respectivamente. Dados baseados emobservações feitas entre 10/2002 - 2/2013. Fonte: windfinder.com
  9. 9. SalvadorPercurso Aparente do Sol Cartas solares são representações do percurso do Sol na abóbada celeste nas Carta Solar diferentes horas do dia e períodos do ano. Nelas são normalmente desenhadas as projeções da trajetória do Sol em datas particulares – solstícios e os equinócios – e em algumas outras datas intermediárias. A carta solar, além de variar em função da data e da hora, também é especifica para a latitude do lugar. Ao lado está representada a carta solar de salvador, que localiza-se entre as latitudes - 12o56’ (Aeroporto) e - 13o01’(Morro do Conselho). A projeção estereográfica do sol adotada é a de -13o, que equivale ao ponto onde se encontra o Farol da Barra.
  10. 10. Salvador Carta Bioclimática  A carta psicrométrica apresenta dados climáticos de um determinado local, com o intuito da realização de um projeto que respeite cada clima, atendendo as estratégias bioclimáticas recomendadas.Estratégias projetuaisrecomendadas, emordem de importância:02 - Ventilação Natural11 - Ventilação/ Massatérmica pararesfriamento/resfriamentoevaporativo10 - Ventilação/Massatérmica pararesfriamento07 - Massa térmica/aquecimento solar
  11. 11. Salvador Zona Bioclimática 8 Recomendações da NBR 15220-3 para a Mapa Bioclimático Zona 8 ZB8 Aberturas grandes e sombreadas com área de pelo menos 40% da área do piso. Paredes leves e refletoras com transmitância térmica menor ou igual a 3,6 W/m²k, atraso térmico maior ou igual a 4,3 horas e Fator solar menor ou igual a 4,0%. Coberturas leves e refletoras com Transmitância Térmica menor ou igual a 2,3.FT W/m²k, Atraso Térmico menor ou igual a 3,3 horas e Fator Solar menor ou igual a 6,5%. Coberturas com telha de barro sem forro desde que as telhas não sejam esmaltadas ou pintadas. Coberturas com transmitância térmica maior que a sugerida seram permitidas se possuir ático ventilado em dois beirais
  12. 12. SalvadorZona Bioclimática 8Para a zona 8 devem seratendidas diretrizes apresentadasnas tabelas a seguir:
  13. 13. SalvadorZona climática 8
  14. 14. SalvadorZona climática 8
  15. 15. SalvadorZona climática 8
  16. 16. Estudo de Caso Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)O estudo de caso encontra-se entre arua João Gomes nº 26 e a ruaConselheiro Pedro Luiz nº 364, nobairro do Rio Vermelho, em Salvador,Bahia. O terreno se desenvolve nosentido sudoeste-nordesteOs lotes têm suas fachadas principaisorientadas para 45°SO E 45°NE Asfachadas laterais estão a 45oNO e45oSE.
  17. 17. Estudo de CasoLote nº26 (próximo ao largo de Santana)
  18. 18. Estudo de CasoLote nº 364 (fachada nordeste do terreno, rua Conselheiro Pedro Luís)
  19. 19. Estudo de Caso Lote nº26 (próximo ao largo de Santana) Período de Insolejamento das FachadasPara as edificações nos lotes desta rua,considerando que as fachadas serão paralelasaos limites do lote, o período de insolejamentodas fachadas se dá da seguinte forma:
  20. 20. Período de Insolejamento das FachadasFACHADA 45oSO FACHADA 45oNENo verão recebe sol a partir das 11h e No verão recebe sol nas manhãsse extende até mais das 18h. desde as 5h30 e se extende até antes do meio dia.No inverno recebe recebeinsolejamento a partir das 14h20 até No inverno recebe insolejamento naspouco mais das 17h. manhãs das 6h20 até pouco mais das 14h.FACHADA 45oNO FACHADA 45oSENo verão recebe sol durante a tarde No verão recebe pela manhãdesde próximo ao meio dia. chegando a pouco mais das 12h.No inverno recebe insolejamento No inverno recebe insolejamentodesde a manhã próximo a 10h até o pela manhã até antes das 10h.fim da tarde.
  21. 21. Estudo de Caso Lote nº26 (próximo ao largo de Santana) Período de Insolejamento das CalçadasA calçada a nordeste recebe radiação solar direta no período de verão nas manhãs e hápouca vegetação que ajude na manutenção do clima dos traseuntes ali. Na calçadasudoeste há sombra durante as manhãs mas não há vegetação em toda extensão darua João Gomes tornando a manutenção do clima dos pedestres a depender desombras projetadas nas calçadas durante as manhãs, entretando durante as tardes nãohá sombra sombra suficiente para pedestres já que as edificações paralelas tem nomáximo dois pavimentos.No inverno há menor tempo de incidência solar no entanto temos incidência solar noshorários de maior temperatura e radiação direta, principalmente na fachada norddeste.Na Rua Conselheiro Pedro Luís há a possibilidade de maior conforto térmico nascalçadas já que possui maior dimenção, vias em dois sentidos e vegetação, mesmo quepouca.Já na rua João Gomes temos a maior proximidade com a costa de Salvador queproporciona maior intensidade da brisa marítima.
  22. 22. Estudo de Caso Lote nº26 (próximo ao largo de Santana) VentilaçãoAs RuasA rua Csno. Pedro Luiz está perpendilar aovento nordeste (inverno). Também tem ovento sudeste (verão) que é paralelo as ruasCsno. Pedro Luiz e João Gomes.O loteNos lotes, a fachada nordeste recebe osventos predominantes de inverno e a fachadasudoeste e noroeste não são privilegiadascom os ventos predominates. A fachadalateral sudeste recebe os ventos de verãoperpendicularmente.
  23. 23. Estudo de Caso Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)As ruas das fachadas principais são de grande fluxo epequeno porte, logo durante todo o dia existe muitotrânsito de veículos trazendo aumento do nível sonoro,lançando gases próximo as edificações e trocando calorcom aquele local, isso torna o ar mais desagradável. Há,inclusive, na rua Conselheiro Pedro Luís uma grandequantidade de oficinas para manutenção de veículos, fatoque aumenta a frequencia de automóveis na área.Nessa localidade há um rio, Camoroipe, que foi aterrado ehoje é poluído pelo desaguar dos esgotos locais edesagua na região do mercado do peixe.Com dois largos construídos e pouca vegetação, calçadasestreiras, edificações sem afastamento adequado, distaum quarteirão da orla.
  24. 24. Diretrizes Bioclimáticas para o Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)Diretrizes Bioclimáticas para os lotesA edificação a ser construída de acordoChuva: NaTetos legilação local pode para usomelhor inclinados ter misto.Para o melhor chuvaescoamento da conforto dos usuáriosdeve nível acima da rua.Piso ser contruída observando asexigências para um clima tropicalúmido.Contra calor retido Paredes delgadas e refletorasVentilação:Ter beiraisVarandas ao redorDesumidificação dos ambientesVentilação cruzada permanenteDeve-se afastar dos demais, paramelhor circulação de ar.Deve ter grandes aberturas esombreadasA fachada principal deve serperpendicular ao vento predominante,
  25. 25. Diretrizes Bioclimáticas para o Lote nº26 (próximo ao largo de Santana) Recomendações para o sombreameto das aberturas Fachada NEO lote posiçona-se obliquamente ao nascer epoer do sol. Logo a incidência direta do solcorrerá obliquamente as fachadas.Caso possível o uso de beirais extensos naconstrução deve-se colocar nas aberturas a fimde sombrá-las nos horários de maior insolação.Além do uso de janelas e portas coloniais parabarrar o sol sem que haja o fechamento totaldela.O uso de brises, cobogós e outros elementosvazados ajudam na barragem dos raios solaresnas fachadas em geral e podem manter aventilação cruzada pensada entre as fachadasnodeste e sudoeste, nos momentos de insolação.
  26. 26. Diretrizes Bioclimáticas para o Lote nº26 (próximo ao largo de Santana) Recomendações para esquadriasEsquadrias de madeira são melhor opção Janela Colonialpara locais em que não se pode semprereceber a incidência direta do sol sem o usode persianas ou cortinas.As janelas basculante e coloniais são boaspara a ventilação. As coloniais porpossuírem partes fechadas podem nomomento de maior insolação protegeremsem o uso de cortinas e persianas porém Janela Basculantecom o passar do tempo a chuva podecausar danos a mesma por ser feita emmadeira. As basculantes podem ventilar eproteger da chuva ao mesmo tempo já quetemos direçoes diferentes de chuva,engtretanto ela nunca poderá protegercompletamente da radiação direta do sol porser de vidro, mesmo esse sendo colocada apelícula para escurecer.
  27. 27. Diretrizes Bioclimáticas para a Lote nº26 (próximo ao largo de Santana) Diretrizes Bioclimáticas para o espaço urbanoOs muros das ruas devem ser altos não fugindo ao gabarito da rua e comaberturas eventuais para passagem de ar. Além de canteiro central parainserção de vegetação, necessária ao local muito quente e movimentado.Beirais de comércios trazem conforto ao pedestre em dias de chuva e desol porém os beirais não devem atrapalhar a localização do indivíduo noespaço ao ponto de escurecer totalmente o piso.
  28. 28. Diretrizes Bioclimáticas para a Lote nº26 (próximo ao largo de Santana) Diretrizes Bioclimáticas para o espaço urbanoExistem construções a empatar a transição da brisamarítima, edifícios empatanto a ventilação nordeste.São necessárias mais áreas verdes para a melhorqualidade do ar e também o frescor do ambiente.As cores escolhidas nas edificações não causam muitoofuscamento porque não há muita incidência direta dosraios perpendiculares a fachada e geralmente usam-setintas não brilhantes ou ofuscadas com o tempo,principalmente na rua Conselheiro Pedro Luís.O ruído na via é causado por causa da quantidade deveículos que trafegam e não neccessariamente pelavelocidade que eles apresentam já que ali é uma via demédio porte.Poderíam ser divididos os tipos de veículos nas vias jáque existem ruas paralelas que podem levar ao mesmodestino, mas que são muito restritas.
  29. 29. Diretrizes Bioclimáticas para a Lote nº26 (próximo ao largo de Santana)Considerações FinaisEste trabalho fez uma análise bioclimática para subsidiar projetos arquitetônicos e urbanos na rua JoãoGomes, na cidade de Salvador,Bahia.As principais estratégias bioclimáticas que devem ser adotadas pela edificação são: bomposicionamento da construção, inserção de vegetações de grande porte,ventilação cruzada, para operíodo de inverno e verão.Quanto ao insolejamento, as orientações dos lotes são: 45° NE, 45° SE, 45° SO e 45° NO, sendo queas fachadas SE e NE devem permitir a adoção das estratégias de maior proteção contra a radiaçãosolar, mantendo sempre muita ventilação. Já as fachadas SO e NO, devem se preteger da insolação etambém ajudar no entorno do espaço urbano oferecendo conforto aos pedestres.Quanto à ventilação, deve-se observar os ventos predominantes, criar aberturas favoráveis ao mesmo,sombrear todas as aberturas.Nos espaços públicos, deve-se sombrear calçadas de maneira a não empatar a visibiidade dopedestre, inserir mais vegeetação de grande porte, diminuir o trafego de automóveis pesados ou pelomenos o fluxo, aproveitar beirais de construções próximas para fornecer sombra ao pedestre.
  30. 30. Referências:1)Manual do Conforto Térmico2)Manual do Arquiteto Descalço3)http://www.windfinder.com/windstats/windstatistic_salvador_da_bahia.htmhttp://eduardollarquitetura1.blogspot.com.br/http://www.irdeb.ba.gov.br/tve/catalogo/media/view/620http://engenhariaitpac20112.blogspot.com.br/2011/11/atividade-de-ingles-vinte-palavras-em_22.html

×