Educação inclusiva na escola pública

1.672 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.672
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação inclusiva na escola pública

  1. 1. 1EDUCAÇÃO INCLUSIVA NAESCOLA PÚBLICAEscola Nossa Senhora de Lourdes
  2. 2. AUTORES• Bárbara Cristina Neves• Cristiane do Carmo Leal• Eliana Barros de Oliveira• Laércio Santana da Luz• Márcia Duarte Santos• Reginalda Santiago Alves
  3. 3. SUMÁRIO1. Apresentação ...........................................................................................................42. Introdução..................................................................................................................53. Diferença...................................................................................................................64. Educação Inclusiva: Um pouco de História..............................................................75. A questão da Inclusão no Brasil...............................................................................86. Escola Nossa Senhora de Lourdes : Histórico e localização...................................97. Instalações físicas...................................................................................................108. Corpo docente/discente / vínculo da instituição......................................................119. Quadro administrativo.............................................................................................1210. Objetivo da Instituição............................................................................................1311. Declaração de Salamanca (1994).........................................................................1412. Lei nº 10.436/02.....................................................................................................1513. Projeto pedagógico...............................................................................................1614. Fazer pedagógico.................................................................................................1715. Considerações finais.............................................................................................1816. ReferênciasSUMÁRIO
  4. 4. 4 O presente estudo visa compreender as práticascotidiana da educação especial numa escola públicado Ensino Fundamental . Em atendimento às determinações das disciplinasProcesso Escolares de exclusão e inclusão eEducação e Novas Tecnologias, sob orientação dasprofessoras Mara Shwingel e Jacqueline Leal com atemática “Educação Inclusiva na Escola Pública” naEscola Nossa Senhora de Lourdes.APRESENTAÇÃO
  5. 5. 5 Pensar sobre a inclusão de pessoas comnecessidade especiais implicaimpreterivelmente repensar o sentidoatribuído à educação. Desse modo, atualizarconcepções e dar um novo ressignificado àspropostas educacionais, compreendendo aamplitude e complexidade que envolve oprocesso de construção de cada individuo,com necessidades especiais ou não.INTRODUÇÃO
  6. 6. 6DIFERENÇA
  7. 7. 7 Nos anos 70, as escolas regulares começam amatricular alguns alunos com necessidadesespeciais em salas comuns, contando, que essealuno conseguisse adequar-se as metodologiasimpostas. Essa adequação do aluno poucas vezesacontecia, pois era uma tarefa do mesmo, a essaadequação (BRASIL,2013).EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Um pouco de História
  8. 8. 8 Em 1995, de acordo com a política adotada peloMEC de oferecimento de Educação Básica dequalidade para todos, foi promovido no avançoqualitativo na direção do cumprimento doscompromissos assumidos em Jomtiem e Salamanca,quando o governo voltou seus esforços para aimplantação e implementação da política daeducação especial em todo território brasileiro,visando expandir e melhorar as ações da Educaçãoespecial na rede regular de ensino preferencial paraEducação Especial.(BRASIL,2013)A Questão da Inclusão noBrasil
  9. 9. 9 A Escola Nossa Senhora de Lourdes está localizada naPraça João Tiago dos Santos, s/nº centro, Lauro de Freitas– BA. Sua fundação se deu no ano de 1986. A gestora Estemar trabalha há 28 anos na educação etrabalha com alunos necessidade especiais auditiva há 8anos. É formada em Pedagogia com Especialização emEducação Especial, porém não tem o curso de Libras. A escola está preparada para receber estudantes comnecessidades especiais.ESCOLA NOSSA SENHORA DE LOURDES:HISTÓRICO E LOCALIZAÇÃO
  10. 10. 10 08 salas de aula 01 biblioteca 01 secretaria 01 sala de professores 01 lanchonete 01 diretoria 01 pátio internoINSTALAÇÕES FÍSICAS
  11. 11. 11QUADRO ADMINISTRATIVO• 01 diretora•01 vice-diretora•01 coordenadora pedagógica•01 secretária•05 intérpretes de línguas de sinais
  12. 12. 12 Corpo docente – 16 professores Corpo discente – 248 alunos, sendo que 16 sãosurdos. A unidade escolar funciona em três turnos, sendoque no turno matutino atende os alunos da redeprivada(não há crianças com necessidade especiais),no vespertino é conveniada a Prefeitura no noturnoconveniado com o Estado.CORPO DOCENTE /DISCENTE /Vínculo da Instituição
  13. 13. 13A INCLUSÃO NA INSTITUIÇÃO O processo de inclusão na instituição iniciou no ano de 2007,quando a psicopedagoga e especialista em educação inclusivaEstemar Passos, teve a oportunidade de implantar nainstituição Nossa Senhora de Lourdes inclusão de surdos, essapercepção foi após a dificuldade que teve no período da suaespecialização, quando observou algumas escolas e percebeua dificuldade do trabalho inclusivo. A instituição trabalha com a inclusão de surdos através de umaproposta pedagógica que possibilita a interação dos alunossurdos e ouvintes. Os Alunos surdos têm acesso a escola a partir do sexto ano.
  14. 14. 14OBJETIVO DA INSTITUIÇÃOA instituição Nossa Senhora de Lourdes, tem comoobjetivo trabalhar a inclusão na sala de aulaenvolvendo toda a comunidade escolar através deoficinas e atividades socializadoras ministrada umavez por semana, por um professor auxiliado de umintérprete, cujo objetivo é avaliar a interação e odesempenho do grupo.
  15. 15. 15DECLARAÇÃO DE SALAMANCA - 1994Em 1994, a Declaração de Salamanca proclamaque as escolas regulares orientação inclusivaconstituem os meios mais eficazes de combateratitudes discriminatórias e que os alunos comnecessidades educacionais especiais devem teracesso a escola regular, tendo como principioorientador que” às crianças independentemente desuas condições sociais físicas, intelectuais, sociais,emocionais, lingüísticas ououtras.”(BRASIL,2006,p.330)
  16. 16. 16A Lei nº 10.436/02 reconhece a Língua Brasileira de Sinais-LIBRAS como meio legal de comunicação e expressãodeterminando que sejam garantidas formas Institucionalizadasde apoiar seu uso e difusão, bem como a inclusão da disciplinade Libras como parte integrante do currículo nos cursos deformação de professores e de fonoaudiologia.(BRASIL,2006,p.330)LEI Nº 10.436/02
  17. 17. 17 O projeto tem como tema: Sonhos e Metas, transformandoos sonhos. Os subtemas são relacionados ao tema gerador como:Sonho de São João; Coral de Mãos; Tango; Ginástica Rítmica.PROJETO
  18. 18. 18 Aulas Interativas; Presença de InterpretesEm cada sala de aula há um intérprete que auxilia o professor na suadidática, fazendo com que os alunos com necessidade especiais participema partir da língua de sinais – LIBRAS. Os alunos com necessidade especiais participam das mesmas atividadesque os ouvintes. Não há atividades específicas para os mesmos, eles interagem em todas asdisciplinas com empenho e propriedade, mas com suas particularidadesque necessitam do auxílio de intérprete, por estarem inseridos em ummundo de ouvintes. Os alunos surdos mantêm contato com as duas línguas: a língua de sinais –Libras e a língua portuguesa.FAZER PEDAGÓGICO
  19. 19. 19Entendemos que o currículo não deve ser concebidode maneira a ser o aluno quem adapte aos moldes quea escola oferece, mas como um campo aberto à diversidade.Essa diversidade não é no sentido de que cada aluno poderiaaprender conteúdos diferentes,mas sim aprender conteúdos dediferentes maneiras. Por isso o docente ao planejar, precisaestabelecer expectativas altas, criando oportunidades paratodos em suas diferença, sejam étnicas, sociais ou asnecessidades educacionais especiais.CONSIDERAÇÕES FINAIS
  20. 20. 20 BRASIL.Constituição da República Federativa do Brasil.24 de abril2002. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>Acessado em 07 de março de 2013. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial:Política Nacional de Educação Especial. Brasília, Secretaria deEducação Especial, 1994. Disponível em: portal do professor.MEC.gov.br/storage/materiais/0000013526.pdf. Acessado em 03 demaio de 2013 BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobrenecessidades educativas especiais, Brasília, CORDE, 1994REFERÊNCIAS
  21. 21. 21AGRADECIMENTOSNossos agradecimentos aos colegas da equipe pelo desempenhodurante a elaboração do livro, a direção da escola Nossa Senhorade Lourdes, aos funcionários, a professora Mara Schwingel emnos conceder a oportunidade de apresentar o nosso trabalhoneste ambiente escolar.

×