UMA PERSPECTIVA HISTÓRIA DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

330 visualizações

Publicada em

UMA PERSPECTIVA HISTÓRIA DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Construtivismo é uma das correntes teóricas empenhadas em explicar como a inteligência humana se desenvolve partindo do princípio de que o desenvolvimento da inteligência é determinado pelas ações mútuas entre o indivíduo e o meio.
    O sociointeracionismo é uma teoria de aprendizagem cujo foco está na interação. Segundo esta teoria, a aprendizagem dá-se em contextos históricos, sociais e culturais e a formação de conceitos científicos dá-se a partir de conceitos quotidianos.
  • UMA PERSPECTIVA HISTÓRIA DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

    1. 1. UMA PERSPECTIVA HISTÓRIA DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Autores: Sílvio Profírio da Silva – Prof. De Língua Portuguesa da rede privada de ensino em Recife - PE Jacineide Gabriel Arcanjo – Mestre em ensino das ciências e técnica em serviços educacionais da secretaria de educação do estado de Pernambuco (SEDUC/PE)
    2. 2. INTRODUÇÃO O reconhecimento de novos recursos didáticos e de novas formas de aprendizagem, na medida em que trazem o conteúdo de uma forma inovadora, induz o aluno a refletir e a construir sentidos e significados para compreender as diversidades da língua.
    3. 3. TEMA Modelo educacional vinculado às concepções de ensino tradicional frente as perspectivas inovadoras de cunho construtivista e sociointeracionista.
    4. 4. OBJETIVO Na década de 1980, várias pesquisas relacionadas à construção social do conhecimento marcaram o início de uma série de mudanças nas relações tradicionais nos processos de ensino-aprendizagem. Hoje, entram em cena a interatividade, a dialogicidade e também a autonomia do aluno.
    5. 5. JUSTIFICATIVA Evidenciar as Múltiplas Linguagens expostas nos estudos de Gomes e Nascimento Neto (2009) que divulgaram o conceito de linguagens alternativas, as quais podem ser pautadas em tecnologias tradicionais ou contemporâneas, impressas ou digitais, ilustrando os novos meios didáticos.
    6. 6. METODOLOGIA Pesquisas bibliográficas; Embasamento e referenciais teóricos.
    7. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo das Múltiplas Linguagens permitiu perceber que o professor não é mais aquele que detém o conhecimento absoluto e dogmático, aquele que não admite questionamentos, mas sim o que organiza a articulação entre o saber e o aluno.
    8. 8. EQUIPE ÉRICA GOMES LEANDRO CARNEIRO SANDRA BRAGA REFERÊNCIAS Revista presença pedagógica, set 2012.v.18 / n.107 ed. Dimensão Home Page: www.presencapedagogica.com.br

    ×