SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
OS VALORES E A ACÇÃO: A QUESTÃO DA
OBJECTIVIDADE E VERDADE DAS NORMAS E
          DOS JUÍZOS MORAIS.


        O SUBJECTIVISMO MORAL
      A cada indivíduo a sua verdade
Subjectivismo Moral




                O Subjectivismo moral (SM)

        O subjectivismo moral também afirma que há verdades
morais mas rejeita o Relativismo Moral Cultural porque considera
que a verdade é relativa ao indivíduo, às suas crenças, sentimentos e
gostos. Ninguém pode dar lições de moral a ninguém. A cada qual a
sua verdade e assim deve ser. Uma vez que reina a discórdia entre os
seres humanos acerca de questões morais, o subjectivista não admite
que alguém tenha o direito de julgar no lugar dos outros o que é certo
e errado. Cada um de nós, baseado nos seus sentimentos e gostos é
capaz de distinguir o certo do errado. Ninguém é melhor do que os
outros em assuntos morais sendo ilegítimo querer impor a sua
perspectiva aos outros.
Subjectivismo Moral

  Pode assim perceber que o SM rejeita o RMC. Com efeito, este
consiste na ideia de que a maioria dos membros de uma sociedade é
que determina o certo e o errado em termos morais. Para o
subjectivista moral é inadmissível que a maioria dos membros de
uma cultura tente impor aos outros as suas concepções morais
porque nenhum de nós possui a verdade absoluta sobre estes
assuntos. Não há princípios e normas morais a não ser os que cada
indivíduo escolhe para si mesmo.
  O subjectivismo moral é uma forma de relativismo segundo a qual
cada indivíduo responde às questões morais baseado no seu código
moral pessoal e não pode estar errado se os seus juízos
corresponderem aos seus sentimentos. Os nossos juízos morais
baseiam-se nos nossos sentimentos e como os sentimentos são
subjectivos nenhum juízo moral é objectivamente certo ou errado. É
também denominado relativismo individual.
Subjectivismo Moral

Suponhamos que o João diz que é correcto matar
animais para comermos a sua carne e o Miguel diz
que esse acto é moralmente reprovável além de
desnecessário. Se adoptarmos o subjectivismo
ético, como avaliaremos estas duas teses? Segundo
o subjectivismo ambos os juízos morais são
verdadeiros porque cada um está em conformidade
com os princípios em que cada um dos indivíduos
acredita. Uma vez que João aceita o princípio de
que matar animais para os comer não é incorrecto,
o seu juízo é verdadeiro para ele. Como Miguel tem
como princípio moral pessoal que é errado matar
animais para esse fim, o seu juízo também é
verdadeiro. Para o subjectivismo moral não tem
sentido perguntar quem está errado acerca da
correcção ou incorrecção moral de matar animais
para os comer. A cada qual a sua opinião de acordo
com aquilo em que acredita e em nenhum caso o
juízo moral de uma pessoa é mais correcto ou
razoável do que o de outra.
Subjectivismo Moral


       Será esta uma boa resposta ao problema?

As principais críticas ao Subjectivismo Moral:

1. O subjectivismo ético é contraditório ou auto-refutante
O subjectivismo moral afirma que nenhuma perspectiva moral
é mais verdadeira ou melhor do que outra. Mas como o
subjectivismo é também uma perspectiva moral então não é
melhor do que qualquer outra. Contudo, os subjectivistas
acreditam que o absolutismo moral e a crença na existência de
verdades objectivas em ética são perspectivas erradas. Estamos
perante uma contradição.
Subjectivismo Moral


2. O subjectivismo moral torna inviável a discussão de
questões morais.
 O subjectivismo moral parece sugerir que não podemos dizer que
as opiniões e juízos morais dos outros estão errados. Se as verdades
morais dependem dos sentimentos de aprovação ou de
desaprovação de cada indivíduo basta que os nossos juízos morais
estejam de acordo com os nossos sentimentos para serem
verdadeiros. Um genuíno debate moral em que cada interlocutor
tente convencer o outro das suas razões acerca de algo em que
acredita perde qualquer sentido. Para o subjectivista será mesmo
sinal de intolerância.
Subjectivismo Moral

Imaginemos que João defende que o aborto é
errado e que Maria defende que o aborto é
moralmente aceitável. Segundo o subjectivista,
eles não estão realmente em desacordo sobre se o
aborto é ou não moralmente legítimo. Estão
simplesmente a exprimir os seus sentimentos
sobre a moralidade do aborto. Será perda de
tempo que um tente convencer outro de que está
enganado. Se João sente verdadeiramente que o
aborto é errado, ou seja, se desaprova fortemente
essa prática, então esse juízo é verdadeiro. Se o
seu ponto de vista corresponde ao que sente então
é subjectivamente certo. O mesmo se passa com
Maria. Não faz sentido debater ou discutir porque
será conversa de surdos. Cada qual exprime
gostos diferentes e julga que gostos não se
discutem. O que é verdade para ti é verdadeiro e o
que é verdade para mim é verdadeiro e ponto
final.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)InesTeixeiraDuarte
 
Liberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoLiberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoJulia Martins
 
Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Marco Casquinha
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radicalpauloricardom
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)InesTeixeiraDuarte
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millLuis De Sousa Rodrigues
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantFilipe Prado
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantFilazambuja
 
Os valores e a acção o relativismo moral cultural (2)
Os valores e a acção   o relativismo moral cultural (2)Os valores e a acção   o relativismo moral cultural (2)
Os valores e a acção o relativismo moral cultural (2)Luis De Sousa Rodrigues
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoIsabel Moura
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantJorge Lopes
 

Mais procurados (20)

Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
Liberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoLiberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismo
 
Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Emotivismo
EmotivismoEmotivismo
Emotivismo
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Os valores e a acção o relativismo moral cultural (2)
Os valores e a acção   o relativismo moral cultural (2)Os valores e a acção   o relativismo moral cultural (2)
Os valores e a acção o relativismo moral cultural (2)
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
O subjectivismo moral
O subjectivismo moralO subjectivismo moral
O subjectivismo moral
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 

Destaque

A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantesLuis De Sousa Rodrigues
 
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividadesDiversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividadesLuis De Sousa Rodrigues
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaLeonidia Afm
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - FilosofiaIsaque Tomé
 
Sociedade de informação
Sociedade de informaçãoSociedade de informação
Sociedade de informaçãomluisavalente
 
Justificação Estado
Justificação Estado Justificação Estado
Justificação Estado mluisavalente
 
O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré
O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andréO papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré
O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andrémluisavalente
 
Será a ética relativa algumas actividades (2)
Será a ética relativa   algumas actividades (2)Será a ética relativa   algumas actividades (2)
Será a ética relativa algumas actividades (2)Luis De Sousa Rodrigues
 
O papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimento
O papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimentoO papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimento
O papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimentomluisavalente
 
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11ºAmbiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11ºmluisavalente
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos DivinosBruno Pedro
 

Destaque (20)

A ética será relativa
A ética será relativaA ética será relativa
A ética será relativa
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
 
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividadesDiversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 
Sociedade de informação
Sociedade de informaçãoSociedade de informação
Sociedade de informação
 
Justificação Estado
Justificação Estado Justificação Estado
Justificação Estado
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré
O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andréO papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré
O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré
 
Globalização
Globalização Globalização
Globalização
 
Será a ética relativa algumas actividades (2)
Será a ética relativa   algumas actividades (2)Será a ética relativa   algumas actividades (2)
Será a ética relativa algumas actividades (2)
 
.- Racismooo
 .- Racismooo .- Racismooo
.- Racismooo
 
201 - FILOSOFIA
201 - FILOSOFIA201 - FILOSOFIA
201 - FILOSOFIA
 
O papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimento
O papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimentoO papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimento
O papel do cérebro no desenvolvimento do conhecimento
 
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11ºAmbiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11º
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos Divinos
 
Direito e moral
Direito e moralDireito e moral
Direito e moral
 
A dedução de verdades
A dedução de verdadesA dedução de verdades
A dedução de verdades
 
Instrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosoficoInstrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosofico
 

Semelhante a Subjectivismo Moral e Ética

Os valores e a acção o subjectivismo moral
Os valores e  a acção    o subjectivismo moralOs valores e  a acção    o subjectivismo moral
Os valores e a acção o subjectivismo moralLuis De Sousa Rodrigues
 
A dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdfA dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdfjmapinho
 
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...Luis De Sousa Rodrigues
 
Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?Helena Serrão
 
O relativismo cultural exposição extensa
O relativismo cultural   exposição extensaO relativismo cultural   exposição extensa
O relativismo cultural exposição extensaLuis De Sousa Rodrigues
 
Texto25 P7
Texto25 P7Texto25 P7
Texto25 P7renatotf
 
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional  (1ª e 2ª aula) turma gbaÉtica profissional  (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gbaGis Viana de Brito
 
Tua medida (Renovando Atitudes)
Tua medida (Renovando Atitudes)Tua medida (Renovando Atitudes)
Tua medida (Renovando Atitudes)Candice Gunther
 
Convitea-Filosofia.pdf
Convitea-Filosofia.pdfConvitea-Filosofia.pdf
Convitea-Filosofia.pdfMarcioPrimac1
 
Convite a Filosofia - Marilena Chauí.pdf
Convite a Filosofia - Marilena Chauí.pdfConvite a Filosofia - Marilena Chauí.pdf
Convite a Filosofia - Marilena Chauí.pdfDennisClementino2
 
Apontamentos cristianismo e cultura
Apontamentos cristianismo e culturaApontamentos cristianismo e cultura
Apontamentos cristianismo e culturaZé Santos
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFabio Santos
 
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2Sérgio Henrique da Silva Pereira
 
O que é filosofia e os problemas filosoficos
O que é filosofia e os problemas filosoficosO que é filosofia e os problemas filosoficos
O que é filosofia e os problemas filosoficosCleonice Jordão
 

Semelhante a Subjectivismo Moral e Ética (20)

Os valores e a acção o subjectivismo moral
Os valores e  a acção    o subjectivismo moralOs valores e  a acção    o subjectivismo moral
Os valores e a acção o subjectivismo moral
 
A dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdfA dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdf
 
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
 
Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?
 
O relativismo cultural exposição extensa
O relativismo cultural   exposição extensaO relativismo cultural   exposição extensa
O relativismo cultural exposição extensa
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Gui nadine
Gui nadineGui nadine
Gui nadine
 
Texto25 P7
Texto25 P7Texto25 P7
Texto25 P7
 
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional  (1ª e 2ª aula) turma gbaÉtica profissional  (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
 
Entre o bem e o mal
Entre o bem e o malEntre o bem e o mal
Entre o bem e o mal
 
Tua medida (Renovando Atitudes)
Tua medida (Renovando Atitudes)Tua medida (Renovando Atitudes)
Tua medida (Renovando Atitudes)
 
1 - Ética
1 - Ética1 - Ética
1 - Ética
 
Convitea-Filosofia.pdf
Convitea-Filosofia.pdfConvitea-Filosofia.pdf
Convitea-Filosofia.pdf
 
Convite a Filosofia - Marilena Chauí.pdf
Convite a Filosofia - Marilena Chauí.pdfConvite a Filosofia - Marilena Chauí.pdf
Convite a Filosofia - Marilena Chauí.pdf
 
Apontamentos cristianismo e cultura
Apontamentos cristianismo e culturaApontamentos cristianismo e cultura
Apontamentos cristianismo e cultura
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro ano
 
Valor
ValorValor
Valor
 
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
 
O que é filosofia e os problemas filosoficos
O que é filosofia e os problemas filosoficosO que é filosofia e os problemas filosoficos
O que é filosofia e os problemas filosoficos
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 

Subjectivismo Moral e Ética

  • 1. OS VALORES E A ACÇÃO: A QUESTÃO DA OBJECTIVIDADE E VERDADE DAS NORMAS E DOS JUÍZOS MORAIS. O SUBJECTIVISMO MORAL A cada indivíduo a sua verdade
  • 2. Subjectivismo Moral O Subjectivismo moral (SM) O subjectivismo moral também afirma que há verdades morais mas rejeita o Relativismo Moral Cultural porque considera que a verdade é relativa ao indivíduo, às suas crenças, sentimentos e gostos. Ninguém pode dar lições de moral a ninguém. A cada qual a sua verdade e assim deve ser. Uma vez que reina a discórdia entre os seres humanos acerca de questões morais, o subjectivista não admite que alguém tenha o direito de julgar no lugar dos outros o que é certo e errado. Cada um de nós, baseado nos seus sentimentos e gostos é capaz de distinguir o certo do errado. Ninguém é melhor do que os outros em assuntos morais sendo ilegítimo querer impor a sua perspectiva aos outros.
  • 3. Subjectivismo Moral Pode assim perceber que o SM rejeita o RMC. Com efeito, este consiste na ideia de que a maioria dos membros de uma sociedade é que determina o certo e o errado em termos morais. Para o subjectivista moral é inadmissível que a maioria dos membros de uma cultura tente impor aos outros as suas concepções morais porque nenhum de nós possui a verdade absoluta sobre estes assuntos. Não há princípios e normas morais a não ser os que cada indivíduo escolhe para si mesmo. O subjectivismo moral é uma forma de relativismo segundo a qual cada indivíduo responde às questões morais baseado no seu código moral pessoal e não pode estar errado se os seus juízos corresponderem aos seus sentimentos. Os nossos juízos morais baseiam-se nos nossos sentimentos e como os sentimentos são subjectivos nenhum juízo moral é objectivamente certo ou errado. É também denominado relativismo individual.
  • 4. Subjectivismo Moral Suponhamos que o João diz que é correcto matar animais para comermos a sua carne e o Miguel diz que esse acto é moralmente reprovável além de desnecessário. Se adoptarmos o subjectivismo ético, como avaliaremos estas duas teses? Segundo o subjectivismo ambos os juízos morais são verdadeiros porque cada um está em conformidade com os princípios em que cada um dos indivíduos acredita. Uma vez que João aceita o princípio de que matar animais para os comer não é incorrecto, o seu juízo é verdadeiro para ele. Como Miguel tem como princípio moral pessoal que é errado matar animais para esse fim, o seu juízo também é verdadeiro. Para o subjectivismo moral não tem sentido perguntar quem está errado acerca da correcção ou incorrecção moral de matar animais para os comer. A cada qual a sua opinião de acordo com aquilo em que acredita e em nenhum caso o juízo moral de uma pessoa é mais correcto ou razoável do que o de outra.
  • 5. Subjectivismo Moral Será esta uma boa resposta ao problema? As principais críticas ao Subjectivismo Moral: 1. O subjectivismo ético é contraditório ou auto-refutante O subjectivismo moral afirma que nenhuma perspectiva moral é mais verdadeira ou melhor do que outra. Mas como o subjectivismo é também uma perspectiva moral então não é melhor do que qualquer outra. Contudo, os subjectivistas acreditam que o absolutismo moral e a crença na existência de verdades objectivas em ética são perspectivas erradas. Estamos perante uma contradição.
  • 6. Subjectivismo Moral 2. O subjectivismo moral torna inviável a discussão de questões morais. O subjectivismo moral parece sugerir que não podemos dizer que as opiniões e juízos morais dos outros estão errados. Se as verdades morais dependem dos sentimentos de aprovação ou de desaprovação de cada indivíduo basta que os nossos juízos morais estejam de acordo com os nossos sentimentos para serem verdadeiros. Um genuíno debate moral em que cada interlocutor tente convencer o outro das suas razões acerca de algo em que acredita perde qualquer sentido. Para o subjectivista será mesmo sinal de intolerância.
  • 7. Subjectivismo Moral Imaginemos que João defende que o aborto é errado e que Maria defende que o aborto é moralmente aceitável. Segundo o subjectivista, eles não estão realmente em desacordo sobre se o aborto é ou não moralmente legítimo. Estão simplesmente a exprimir os seus sentimentos sobre a moralidade do aborto. Será perda de tempo que um tente convencer outro de que está enganado. Se João sente verdadeiramente que o aborto é errado, ou seja, se desaprova fortemente essa prática, então esse juízo é verdadeiro. Se o seu ponto de vista corresponde ao que sente então é subjectivamente certo. O mesmo se passa com Maria. Não faz sentido debater ou discutir porque será conversa de surdos. Cada qual exprime gostos diferentes e julga que gostos não se discutem. O que é verdade para ti é verdadeiro e o que é verdade para mim é verdadeiro e ponto final.