Nietzsche 1 (livro filosofando)

1.748 visualizações

Publicada em

3º ano - Apostila (Nietzsche 1)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.748
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nietzsche 1 (livro filosofando)

  1. 1. Giordano Cássio FRIEDRICH WILHELM NIETZSCHE NIETZSCHE: O CRITÉRIO DA VIDA Friedrich Nietzsche (1844-1900) procedeu a um deslocamento do problema do conhecimento, alterando o papel da filosofia. Para ele, o conhecimento não passa de interpretação, de atribuição de sentidos, sem jamais ser uma explicação da realidade. Conferir sentidos é, também, conferir valores, ou seja, os sentidos são atribuídos a partir de determinada escala de valores que se quer promover ou ocultar. Para Nietzsche, o conhecimento resulta de uma luta, do compromisso entre instintos. Ao compreender a avaliação que foi feita desses instintos, descobre que o único critério que se impõe é a vida. O critério da verdade, portanto, deixa de ser um valor racional para adquirir um valor de existência. O que Nietzsche quer dizer com “critério da vida”? Ao perguntar-se que sentidos atribuídos às coisas fortalecem nosso “querer viver” e quais o degeneram, questiona os valores para distinguir quais nos fortalecem vitalmente e quais nos enfraquecem. Outra teoria que destaca o caráter interpretativo de todo conhecimento é a do perspectivismo, que consiste em considerar uma ideia a partir de diferentes perspectivas. Essa pluralidade de ângulos não nos leva a conhecer o que as coisas são em si mesmas, mas é enriquecedora por nos aproximar mais da complexidade da vida em seu movimento. NIETZSCHE: O CRITÉRIO DA VIDA Friedrich Nietzsche (1844-1900) procedeu a um deslocamento do problema do conhecimento, alterando o papel da filosofia. Para ele, o conhecimento não passa de interpretação, de atribuição de sentidos, sem jamais ser uma explicação da realidade. Conferir sentidos é, também, conferir valores, ou seja, os sentidos são atribuídos a partir de determinada escala de valores que se quer promover ou ocultar. A tarefa da filosofia é a de interpretar “a escrita de camadas sobrepostas das expressões e gestos humanos”. O trabalho interpretativo volta-se, em primeiro lugar, para o exame do conjunto do texto metafísico, a fim de desmascarar o modo pelo qual a linguagem passou do nomear as coisas concretas para o sistematizar verdades eternas. Como método de decifração, Nietzsche propõe a genealogia, que coloca em relevo os diferentes processos de instituição de um texto, mostrando as lacunas, os espaços em branco mais significativos, o que não foi dito ou foi reprimido e que permitiu erigir determinados conceitos em verdades absolutas e eternas. A genealogia, portanto, visa a resgatar o conhecimento primeiro e que foi transformado em verdade metafísica, estável e intemporal. Mas a vida é um devir – está sempre em movimento – e, portanto, não é possível reduzi-la a conceitos abstratos, a significados estáveis e definitivos. Para Nietzsche, o conhecimento resulta de uma luta, de um compromisso entre instintos. Pelo procedimento genealógico, ao compreender a avaliação que foi feita desses instintos, descobre que o único critério que se impõe é a vida. O critério da verdade, portanto, deixa de ser um valor racional para adquirir um valor de existência. O que Nietzsche quer dizer com “critério da vida”? Ao fazer o exame genealógico,
  2. 2. -2- pergunta-se que sentidos atribuídos às coisas fortalecem nosso “querer-viver” e quais o degeneram. Enfim, a interpretação genealógica questiona os valores para saber o que nos fortalece vitalmente e o que nos enfraquece. A esse respeito, a professora Scarlett Marton cita Nietzsche: Fazer qualquer apreciação passar pelo crivo da vida equivale a perguntar se ela contribui para favorecê-la ou obstruí-la; submeter ideias ou atitudes ao exame genealógico é o mesmo que inquirir se são signos de plenitude de vida ou da sua degeneração; avaliar uma avaliação, enfim, significa questionar se é sintoma de vida ascendente ou declinante.1 Nietzsche dá o exemplo da dificuldade de se dizer o que é a honestidade. Pois nada sabemos de uma qualidade essencial que se chame a honestidade, mas sabemos, isso sim, de numerosas ações individualizadas, portanto desiguais. Ao reunir todas elas sob o conceito de honestidade, estamos diante de uma abstração. O que se perde nesse processo é que, ao colocar seu agir sob a regência das abstrações, as intuições são desprezadas para privilegiar o conceito. Como conhecemos, então? Para Nietzsche, o conhecimento se vale da metáfora. Se na linguagem comum a metáfora é um ornamento e como tal não tem significado de conhecimento propriamente dito, para ele a metáfora assume um caráter cognitivo. Só ela consegue perceber as coisas no seu devir permanente, porque cada metáfora intuitiva é individual, e, por isso, escapa ao “grande edifício dos conceitos”. O conceito, por sua vez, nada mais é do que “o resíduo de uma metáfora”. Assim diz Nietzsche: O que é a verdade, portanto? Um batalhão móvel de metáforas, metonímias, antropomorfismos, enfim, uma soma de relações humanas, que foram enfatizadas poética e retoricamente, transpostas, enfeitadas, e que, após longo uso, parecem a um povo sólidas, canônicas e obrigatórias: as verdades são ilusões, das quais se esqueceu que o são, metáforas que se tornaram gastas e sem força sensível, moedas que perderam sua efígie e agora só entram em consideração como metal, não mais como moedas.2 Outro aspecto do caráter interpretativo de todo conhecimento é a teoria do perspectivismo, que consiste em perseguir uma ideia a partir de diferentes perspectivas. Essa pluralidade de ângulos não nos leva a conhecer o que as coisas são em si mesmas, mas é enriquecedora por nos aproximar mais da complexidade da vida em seu movimento. Genealogia. Do grego génos, “origem”, “nascimento”, “descendência”, e logos, “estudo”, “razão”. Em Nietzsche, genealogia significa o questionamento da origem dos valores. Metáfora. Do grego metaphorá, “mudança”, “transposição”. É uma figura de linguagem que realiza a transposição do sentido próprio de uma palavra ao sentido figurado, estabelecendo uma comparação. Por exemplo, quando dizemos estar com “uma fome de leão” ou que suportamos uma desilusão com “nervos de aço”. Metonímia. Do grego metonymia, "emprego de um nome por outro". Figura de retórica que consiste no uso de uma palavra fora do seu significado normal. Na frase “comi dois pratos”, “pratos” significa “porções de alimento”. Canônico. Do latim canon, canonis, “lei”, “regra”, “padrão”. Referente a cânone (ou cânon), conjunto de leis eclesiásticas; por extensão, na atividade cotidiana, comportamento social padronizado por regras. 1 2 MARTON, Scarlett. Nietzsche, a transvaloração dos valores. São Paulo: Moderna, 1993. p. 62. NIETZSCHE, Friedrich. Introdução teorética sobre verdade e mentira no sentido extramoral, § 1.
  3. 3. -3- NIETZSCHE: A TRANSVALORAÇÃO DOS VALORES O pensamento de Friedrich Nietzsche (1844-1900) orienta-se no sentido de recuperar as forças vitais, instintivas, subjugadas pela razão durante séculos. Para tanto, critica Sócrates por ter sido o primeiro a encaminhar a reflexão moral em direção ao controle racional das paixões. Segundo Nietzsche, a tendência de desconfiança nos instintos culmina com o cristianismo, que acelera a “domesticação” do ser humano. Em diversas obras, como Sobre a genealogia da Nietzsche. Edvard Munch, 1906. Após a moral, Para além do bem e do mal e morte de Nietzsche, prevaleceu uma distorção de seu pensamento, para Crepúsculo dos ídolos, em estilo associá-lo ao nazismo e ao antissemitismo. apaixonado e mordaz, Nietzsche faz a Isso se deveu à atuação de sua irmã análise histórica da moral e denuncia a Elisabeth, que difundiu suas obras incompatibilidade entre esta e a vida. descontextualizando trechos e sonegando outros que melhor explicitavam sua Em outras palavras, sob o domínio da posição, o que desvirtuou sua filosofia, moral, o ser humano se enfraquece, claramente contrária ao racismo e tornando-se doentio e culpado. nacionalismo germânico. Nietzsche relembra a Grécia homérica, do tempo das epopeias e das tragédias, momento em que predominavam o que para ele eram os verdadeiros valores aristocráticos, quando a virtude reside na força e na potência, como atributo do guerreiro belo e bom, amado dos deuses. Segundo Homero, entre inimigos não há bom ou mau, porque ambos são valorosos. Ao fazer a crítica da moral tradicional, Nietzsche preconiza a “transvaloração de todos os valores”. Diz Scarlett Marton: A noção nietzschiana de valor opera uma subversão crítica: ela põe de imediato a questão do valor dos valores e esta, ao ser colocada, levanta a pergunta pela criação dos valores. Se até agora não se pôs em causa o valor dos valores ‘bem’ e ‘mal’, é porque se supôs que existiram desde sempre; instituídos num além, encontravam legitimidade num mundo suprassensível. No entanto, uma vez questionados, revelam-se apenas ‘humanos, demasiado humanos’; em algum momento e em algum lugar, simplesmente foram criados.3 A genealogia da moral Se os valores não existiram desde sempre, mas foram criados, Nietzsche propõe a genealogia como método de investigação sobre a origem deles. Mostra assim as lacunas, o que não foi dito ou foi recalcado, permitindo que alguns valores predominassem sobre outros, tornando-se conceitos abstratos e inquestionáveis. Pela genealogia Nietzsche descobre que os instintos vitais foram submetidos e degeneraram. Procura então ressaltar aqueles valores comprometidos com o “querer-viver”. Denuncia a falsa moral, “decadente”, “de rebanho”, “de escravos”, cujos valores seriam a bondade, a humildade, a piedade e o amor ao próximo. Distingue então a moral de escravos e a moral de senhores. a) A moral de escravos A moral de escravos é herdeira do pensamento socrático-platônico – que provocou a ruptura entre o trágico e o racional – e da tradição judaico-cristã, da qual deriva a moral decadente, porque baseada na tentativa de subjugação dos instintos pela razão. O homem-fera, animal de rapina, é transformado em animal doméstico ou cordeiro. A moral plebeia estabelece um sistema de juízos que considera o bem e o mal valores metafísicos transcendentes, isto é, independentes da situação concreta vivida. A moral de escravos nega os valores vitais e resulta na passividade, na procura da paz e do repouso. O indivíduo se enfraquece e tem diminuída sua potência. A alegria é transformada em ódio à vida, o ódio dos impotentes. A conduta humana, orientada pelo ideal ascético, torna-se vítima do ressentimento e da má consciência – o sentimento de culpa. O ressentimento nasce da fraqueza e é nocivo ao fraco. O indivíduo ressentido, incapaz de esquecer, é como o dispéptico: fica “envenenado” pela sua inveja e impotência de vingança. 3 MARTON, Scarlett. Nietzsche, a transvaloração dos valores. São Paulo: Moderna, 1993. p. 50. (Coleção Logos).
  4. 4. -4- Ao contrário, o indivíduo nobre sabe “digerir” suas experiências, e esquecer é uma das condições de manter-se saudável. O sentimento de culpa é o ressentimento voltado contra si mesmo, daí fazendo nascer a noção de pecado, que inibe a ação. O ideal ascético nega a alegria da vida e coloca a mortificação como meio para alcançar a outra vida num mundo superior, do além. As práticas de altruísmo destroem o amor de si, domesticando os instintos e produzindo gerações de fracos. b) A moral de senhores A moral “de senhores” é a moral positiva que visa à conservação da vida e dos seus instintos fundamentais. É positiva porque baseada no sim à vida, e configura-se sob o signo da plenitude, do acréscimo. Funda-se na capacidade de criação, de invenção, cujo resultado é a alegria, consequência da afirmação da potência. O indivíduo que consegue se superar é o que atingiu o além-do-homem. O sujeito além-do-homem é aquele que consegue reavaliar os valores, desprezar os que o diminuem e criar outros que estejam comprometidos com a vida. Assim diz Roberto Machado: É por isso que contra o enfraquecimento do homem, contra a transformação de fortes em fracos – tema constante da reflexão nietzschiana – é necessário assumir uma perspectiva além de bem e mal, isto é, “além da moral”. Mas, por outro lado, para além de bem e mal não significa para além de bom e mau. A dimensão das forças, dos instintos, da vontade de potência permanece fundamental. “O que é bom? Tudo que intensifica no homem o sentimento de potência, a vontade de potência, a própria potência. O que é mau? Tudo que provém da fraqueza”. A vontade de potência Com o que foi exposto, talvez se pense que Nietzsche chega ao extremo individualismo e amoralismo. Muitos inclusive o chamaram de niilista, para acusá-lo de não acreditar em nada e negar os valores, o que não faz jus ao seu pensamento. Ao contrário, o filósofo atribuía o niilismo à moral decadente dos valores tradicionais, que acomodaram o ser humano na mediocridade que tudo uniformiza. Destruir esses valores é a condição para que possam nascer os valores novos do além-do-homem, o que só pode ser alcançado pela vontade de poder. Também essa expressão leva a confusões: não se trata de poder que domina os outros, mas das forças vitais recuperadas pelo indivíduo dentro de si “num dionisíaco dizersim ao mundo” e que se encontravam entorpecidas. Nesse sentido, o poder é virtude no sentido de força, vigor, capacidade. Portanto, virtude é autorrealização. Se essa moral valoriza a individualidade, o faz tanto para si como para os outros, pois cada um pode ser ele mesmo. Dispéptico. Que digere mal os alimentos. No contexto, o ressentido “remói” o seu fracasso. Niilismo. Do latim nihil, “nada”. Além-do-homem. Da expressão alemã Übermensch, que significa “sobre-humano”, “que transpõe os limites do humano”. Também “super-homem” é usado, embora dê margens a mal-entendidos. Baco. Caravaggio, 1596. Baco é o nome romano de Dioniso, deus grego do vinho e do êxtase. Nietzsche criou os termos “apolíneo” e “dionisíaco” para opor Apolo a Dioniso: o primeiro é o deus daracionalidade, da ordem e da harmonia, enquanto Dioniso representa o excesso, a inspiração, a exaltação da vida. Referência ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. 4. ed. ver. São Paulo: Moderna, 2009.

×