A técnica de edificar walid yazigi

8.897 visualizações

Publicada em

Técnicas de construção civil

Publicada em: Engenharia
2 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.897
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
918
Comentários
2
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A técnica de edificar walid yazigi

  1. 1. Walid Yazigi 10a Edição • Revisada e Atualizada
  2. 2. W a l i d Yazigi é engenheiro civil, graduado pela Escola Politécnica da Universidade do São Paulo em 195^. Desde 1960 está na direção da Construtora Yazigi e suas coligadas, responsáveis pela construção de cerca de cinco mil moradias — conjuntos habitacionais de interesse social e edifícios de apartamentos (de alto padrão e para população de renda média) —, prédios de escritórios e industriais, hospitais, clubes, shopping centers, entre outras edificações, totalizando aproximadamente uma centena de obras, Foi presidente do Conselho do Sindicato da Indústria da Construção Civil do listado de São Paulo - SindusCon-SP, membro dos comitês da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para revisão das normas N B 30/78 e NB 595/78, do Colegiado Técnico da Secretaria da Habitação e Desenvolvimento Urbano (SEHAB) da Prefeitura Municipal de São Paulo e do Setor Imobiliário da Federação do Comércio do Estado de São Paulo; participou de uma série decursos técnicos e de administração voltados para construção predial, informática e gestão de empresas. Seus conhecimentos técnicos e sua experiência profissional estão condensados nesta obra.
  3. 3. Walid Yazigi A TÉCNICA EDIFICAR 10* Edição Revista e Atualizada S i n d u s C o n { § Í S P Sindicato clà indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo PINI
  4. 4. A T É C N I C A DE EDIFICAR C Copyright 1997, Todos os direitos de reprodução reservados pela Editora Pini Ltda. Estios Internacionais do Catalogarão na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Yazigi, Walid A técnica de edificar / Walid Yazigi. - 10. ed. rev. e atual. - São Paulo : Pini : SindusCon, 2009. Bibliografia ES RN 978-85-7266-219-2 1. Construções 2. Edifícios I. Título. 09-08863 CDD-690 Índices para catálogo sistemático: 1. Construção de edifícios: Tecnologia 690 2. Edifícios: Construção: Tecnologia 690 3. Qualidade : Controle: Construção civil: Tecnologia 690 Revisão Técnica: Josué F. Lima e Mônica Costa (6ª edição) Edição e projeto gráfico: Setor de Comunicação do SindusCon-SP Foto da Capa: Keystone Coordenação gráfica: Ricardo Alves Editoração eletrônica: Adriene Amadeu e João Marcelo Ribeiro Soares (10ª edição) Coordenação de Livros: Josiani Souza (10ª edição) Produção editorial: Renata Costa SindusCon SP Rua Dona Veridiana, 55, 01238-010, São Paulo, SP Telefone: (11) 3224-0566 - Fax (11) 3224-8266 Rua Anhaia, 964, 01130-900, São Paulo, SP Telefone (011) 2173-2328- Fax (011) 2173-2327 www.piniweb.com - manuais@pini.com.br 10ª Edição Setembro/2009
  5. 5. APRESENTAÇÃO Esta publicação tem como principal objetivo auxiliar o construtor a alcançar, em suas obras, a qualidade total, exigência que vem crescendo em função da competitividade do mercado imobiliário, do controle de desper-dícios - antes mascarados pela inflação - do recente e severo Código de Defesa do Consumidor e das normas técnicas NBR ISO 9001. O trabalho resultou de informações constantes no Manual de normas recomendadas para o canteiro e especificação para as obras - organizado pelo engenheiro Walid Yazigi, superintendente da Construtora Yazigi, de São Paulo (com certificação da NBR ISO 9001 :2000) -, acrescidas de transcrições de trechos de publicações a respeito de temas específicos sobre a técnica de edificar, em especial as normas da Associação Brasileira de Normas Téc-nicas - ABNT. Lm razão de o material ter sido coletado ao longo de cinco décadas de minha atividade profissional na área de construção predial, sem o propósito de publicação futura, não houve a preocupação de anotar nome de autores e fontes de consulta. Os direitos autorais são doados parcialmente à ABNT, pois considero a obra também como resultado de contribuição de engenheiros, arquitetos e outros técnicos especialistas citados no corpo do livro. Meu trabalho foi o de reunir em um único tomo, para facilitar o uso como livro de consulta todo esse conhecimento, que pode ser observado pela bibliografia. Na elaboração da coletânea, procurou-se uma forma condensada de redação e, por razões econômicas, sem a inclusão de ilustrações. E, apesar de várias normas da ABNT estarem aqui parcialmente reproduzidas, sugiro ao profissional de edificação a consulta contínua o o acompanhamento per-manente de atualização das Normas Técnicas Brasileiras. No texto foram utilizadas algumas unidades de medida não adotadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO), por serem elas ainda largamente usadas na prática de edifica-ção, como por exemplo metro de coluna de água (mca) e unidades inglesas e americanas, como polegada ("). A cada nova edição são festas revisões e atualização de técnicas. Por se tratar de complementação de conteúdo, este processo pode, ocasionalmente, resultarem redundâncias ou divergências quanto a procedimentos publicados nas edições anteriores. Como o presente trabalho tem certamente falhas (omissões e mesmo até erros), o autor pede aos leitores que queiram colaborar com o seu aperfei-çoamento que enviem suas críticas e sugestões para o e-mail sac@construto-rayazigi. com.br. O autor
  6. 6. LIÇÕES DE QUALIDADE E SERIEDADE PROFISSIONAL São notórios os avanços da tecnologia da construção civil, associados a um processo de constante desenvolvimento do saber cientifico aplicado. O perfil de cada obra, porém, naquilo que interessa à porção do mercado a que se destina, estará definido pelo conteúdo de engenharia que se possa encontrar no projeto e, depois, em todos os passos de sisa realização. Estará aí o teor de qualidade do empreendimento, seja este modesto ou grandioso, que corresponderá ao modo competente de usar-se a tecnologia, num quadro de relações entre custos e benefícios administradas também com apurado senso de responsabilidade profissional. A Técnica de Edificar, de Walid Yazigi, tem essa virtude de trazer para o dia-a-dia do trabalho na construção uma enorme série de exemplos de como se confere conteúdo de engenharia a uma obra, para que se garanta sua qualidade - a característica diferenciadora que, afinai de contas, e o primeiro objetivo de um projeto sério, aquele que, além de especificações técnicas em si mesmas, constitui expressão de desempenhos profissionais respeitáveis. No entanto, é ainda mais: tem-se aqui um completo guia para a atividade construtiva em seu sentido amplo, que começa no levantamento topográfico da área onde se levantará a edificação e segue, passo a passo, até o momento da sua entrega ao usuário final. Nào há paralelo a fazer com nenhum outro roteiro do gênero. Destaque-se ainda que os ensinamentos encontrados neste livro têm a valorizá-los o fato de que Walid Yazigi é uma personalidade em nosso meio. como empreendedor e construtor. O SindusCon-SP tem a grande satisfação de eo-ediiar este trabalho, com a certeza de estar contribuindo para que os cuidados com a qualidade da construção civil se disseminem pelas pranchetas de projetistas e canteiros de obras, ainda mais amplamente do que se viu até agora. É assim que a engenharia brasileira se fortalecerá como profissão e como instrumento do desenvolvimento tecnológico e econômico do País. Sergio Porto presidente do SindusCon-SP (1996/2000)
  7. 7. ÍNDICE 1 SERVIÇOS I N I C I A IS 1.1 Leva Ma mento Topográfico do Terreno . . 39 1.2 Estudo Geotécnico 40 1.2.1 Sondagem de Simples Reconhecimento do Solo 40 1.2.1.1 Generalidades 40 1.2.1.2 Execução de Sondagem a Percussão (SPT) 40 1.2.1.2.1 Aparelhagem 40 1.2.1.2.2 Realização do Ensaio ...41 Processo tfe Perfuração .»41 Amostragem. ,„„., „„,...,„„..,„„.„„„ ..„„,..,,„„„„„, .......,..,.,.„„...„...,42 Ensaios de Penetração Dinâmica 43 Observação do Nível de Água Freático 43 1.2.1.2.3 Resultados .«.44 Relatório de Campo.... 44 Relatório (para o cliente) 44 1.2.2 Rochas e Solos - Terminologia, .,„„,.46 1.2.2.1 Rochas 46 1.2.2.2 Solos 46 1.2.2.2.1 Pedregulhos 46 1.2.2.2.2 Areias 46 1.2.2.2.3 Silte 47 1.2.2.2.4 Argila 47 1.2.2.2.5 Solos com Matéria Orgânica... 47 1.2.2.2.7 A Iteração de Rocha 48 1.2.2.2.8 Solo Concrecionado 48 1.2.2.2.9 Solos Superficiais 48 1.2.2.2.10 Aterros 48 1.3 Vistoria da Área da Obrn 48 1.4 Demolição ,... 48 1.4.1 Engenharia de Demolição ,.,.„ 48 1.4.2 Segurança na Demolição 49 1.4.3 Responsabilidade Civil 49 1.4.4 Cuidados na Obra 49 1.5 Limpezu do Terreno.... 49 I N S T A L A Ç Õ E S P R O V I S Ó R I AS 2.1 liistiiliiçOcs do Canleiro d;i Obra 53 2.1.1 Área de Vivência „,„„„., „„.„„„.. 53 2.1.2 Instalação Sanitária.... 53 2.1.2.1 Generalidades 53 2.1.2.2 Lavatório. 53 2.1.2.3 Vaso Sanitário 54 2.1.2.4 Mictório 54 2.1.2.5 Chuveiro 54 2.1.3 Vestiário 54
  8. 8. 2.1.5 Locai para Refeições 55 2.1.6 Cozinha (quando houver preparo de refeições) 56 2.1.7 Lavanderia 56 2.1.8 Área de Lazer 56 2.2 Almoxarifado da Obra 57 2.2.1 Responsabilidade do Almoxarife 57 2.2.2 Divisão do Almoxarifado 57 2.2.3 Localização do Almoxarifado 57 2.3 Regras dc Segurança Patrimonial 57 3 SERVIÇOS C E R A IS 3,1 Serviços de Controle. 61 3,1.1 Controle da Qualidade na Construção Civil 61 3.1.1.1 Introdução 61 3.1.1.2 Sistemas de Gestílo da Qualidade 62 3.1.1.2.1 Abordagem Sistêmica da Qualidade 62 3.1.1.2.2 Normas ISO 9000 63 3.1.1.2.3 NBR ISO 9001: 2008 - Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos 64 3.1.1.2.4 Si AC - Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 75 3.1.1.3 Etapas do Processo de Produção 86 3.1.1.4 I rtterven ien tes no Processo . - . 87 3.1.1.5 Mecanismos de Controle da Qualidade ...87 3.1.1.6 Princípios da Qualidade Total 89 3.1.1.6.1 Generalidades 89 3.1.1.6.2 Total Satisfação dos Clientes 89 3.1.1.6.3 Gerência Participativa „.,., ..89 3.1.1.6.4 Desenvolvimento dos Recursos Humanos 90 3.1.1.6.5 Constância de Propósitos ...., 90 3.1.1.6.6 Aperfeiçoamento Contínuo 3.1.1.6.7 Gerência de Processos 91 3.11.6.8 Delegação 91 3.1.1.6.9 Disseminação de Informações ,.,. 9] 3.1.1.6.10 Garantia da Qualidade 9! 3.1.1.6.11 Nüo-Aceitação de Erras 91 3.1.1.7 Posicionamento em Relação ã Qualidade ,.,.,. »92 3.1.1.8 Exigências do Usuário 92 3.1.1.9 Tipos de E I T O que Afeiam a Qualidade .......92 3.1.1.10 Fatores Introdutores da Qualidade .»»93 3.1.1.11 Detalhamento dos Elementos do Sistema da Qualidade 93 3.1.1.12 Checklist de Requisitos da Quai idade 94 3.1.1.13 Situação no Setor Habitacional dc Interesse Social 95 3.1.1.13.1 Planejamento 96 3.1.1.13.2 Projeto 96 3.1.1.13.3 Materiais e Componentes 96 3.1.1.13.4 Execução 97 3.1.1.13.5 Uso - Operação e Manutenção „., .97 3.1.1.14 Perspectivas 97 3.1.1.15 Desperdíc i o 98 3.1.1.15.1 Falhas na Empresa Construtora .....98 3.1.1.15.2 Falhas no Processodo Produção 98 3.1.1.15.3 Falhas Após a Entrega da Obra,.. 98 3.1.1.15.4 Generalidades 99
  9. 9. 3.1.1.15.5 Pesquisa Nacional 101 3.1.1.16 Recomendações 101 3.1.1.17 Resíduos Sólidos e Líquidos Produzidos pela Obra 102 3.1.1.18 Plano de Controle Tecnológico da Qualidade de Materiais 103 3.1.2 Descrição do Preenchimento de Impressos 103 3.1.2.1 Registro das Despesas da Obna (RDO) 103 3.1.2.2 Resumo da Mâo-de-Obra (RMO) 104 3.1.2.3 Controle Parcelado de Consumo (CPC) 105 3.1.2.4 Cartão de Ponto 106 3.1.2.5 Boletim Diário 10® 3.1.3 Normas para o Controle Administrativo da Obra 109 3.1.3.1 Recebimento dos Materiais 109 3.1.3.2 Serv iços Contratados 109 3.1.3.3 Despesas Diversas 109 3.1.3.4 Generalidades 109 3.1.4 Mâo-de-Obra HO 3.1.4.1 Acordo de Compensação de Moras 110 3.1.4.2 Cálculo dos Dias Gastos no Ano M l 3.1.4.3 Cálculo dos Encargos Sociais (no município de Sito Paulo) 112 3.1.5 Ferramentas de Propriedade de Cada Oficiai 114 3.1.6 Cálculo da Área Equivalente de Construção »115 3.1.7 Unidades de Medida - 116 3.1.7.1 Generalidades "6 3.1.7.2 Sistema Internacional de Unidades (SI) 116 3.1.7.3 Outras Unidades 117 3.1.7.4 Grandezas Expressas por Valores Relativos 117 3.1.7.5 Quadro Geral de Unidades de Medida de Uso mais Comum 117 3.1.7.6 Prescrições Gerais 119 3.1.7.6.1 Grafia do Nome de Unidades 119 3.1.7.6.2 Plural do Nome de Unidades - 119 3.1.7.6.3 Grafia do Símbolo de Unidades - 120 3.1.7.6.4 Grafia dos Números - 120 3.1.7.6.5 Espaçamento entre Número e Símbolo.. 121 3.1.7.6.6 Pronúncia dos Múltiplos e Submúltiplos Decimais das Unidades 121 3.1.7.6.7 Grandezas Expressas por Valores Relativos .121 3.1.8 Gerenciamento de Empreendimentos 122 3.1.8.1 Introdução 122 3.1.8.2 Declínio da I iierarquia 122 3.1.8.3 Menos Chefes. Mais Líderes; Menos Comando, Mais Coordenação 122 3.1.8.4 Paradoxo da Hierarquia em Empreendimentos.... 122 3.1.8.5 Rede - Promessa de Novo Paradigma de Valores 123 3.1.8.6 Por Que Planejar 123 3.1.8.7 Planejar é o Oposto de Improvisar.. 124 3.1.8.8 Diferentes Planos em um Empreendimento 124 3.1.8.9 Antagonismo entre Planejamentos 124 3.1.8.10 Perplexidade dos Executores 125 3.1.8.11 Necessidades dos Executores de Empreendimentos... 125 3.1.8.12 O Que o Planejamento Gerencial Pode Oferecei? 125 3.1.8.13 Novas Funções para o Planejamento 126 3.1.8.13.1 O Planejamento Pode e Deve Lidar com Estratégias 126 3.1.8.13.2 O Planejamento Precisa Explicitar e I lannonizar Estratégias e Objetivos 126 3.1.8.13.3 O Planejamento como Poderoso Instrumento de Comunicação 126 3.1.8.13.4 Planejar para Tomar Decisões 127 3.1.8.13.5 O Planejamento Coordena e Catalisa a Execuçílo ,.».». 127 3.1.8.14 Reengenharia 127
  10. 10. 3.1.8.14.1 Definição 127 3.1.8.14.2 Objetivos, Conceitos eAplicação . »»-128 3.1.9 Código de Ética da Construção 129 3.1.9.1 Princípios Fundamentais ,.....,...,.. 129 3.1.9.2 Direitos e Deveres 130 3.1.10 Depreciação de Edificações 132 3.1.10.1 Terminologia '32 3.1.10.2 Depreciação de Ordem Física. 132 3.1.10.2.1 Vida Útil e Residual 132 3.1.10.2.2 Cálculo da Depreciação 133 3.1.10.2.3 Apuração Mais Detalhada e Conjunto de Edificações 133 3.1.10.3 Depreciação de Ordem Funcional 133 3,2 Medidas de Proteção e Segurança do Trabalho 134 3.2.1 Terminologia .............. ...„,...,.,,.. ,.,....,.,, 134 3.2.2 Recomendações Gerais 138 3.2.2.1 Equipamento de proteção individual (ept). 138 3.2.2.2 Equipamento de proteção coletiva (epe) 140 3.2.2.3 Carpintaria 140 3.2.2.4 Armação de Aço - 14 i 3.2.2.5 Estrutura de Concreto Armado 141 3.2.2.6 Estrutura Metálica 141 3.2.2.7 Operações de Soldagem e Corte a Quente 142 3,2.2.6 Escada, Rampa e Passarela 142 3.2.2.8.1 Escada '42 3.2.2.8.2 Rampa e Passarela 143 3.2.2.9 Medidas de Proteção contra Quedas de Altura 143 3.2.2.10 Movimentação e Transporte de Materiais e Tratalliadores 144 3.2.2.10.1 Torre de Elevador 144 3.2.2.10.2 Elevador de Transporte de Materiais 145 3.2.2.10.3 Elevador de Transporte de Trabalhadores 146 3.2.2.10.4 Equi pain enlo de Gu indar 146 3.2.2.11 Andaime 147 3.2.2.11.1 Andaime Simplesmente Apoiado 147 3.2.2.11.2 Andaime Fachadeiro 147 3.2.2.11.3 Andaime Móvel 147 3.2.2.11.4 Andaime em Balanço-..,.......,,.., ..,..„„..., 148 3.2.2.11.5 Andaime Suspenso Mecânico (Balancim) 148 3.2.2.11.6 Andaime Suspenso Mecânico Pesado 148 3.2.2.11.7 A ndai me Sus penso Mecàn ico Leve 149 3.2,2.11.» Cadeira Suspensa 149 3.2.2.12 Cabo de Aço 149 3.2.2.13 Alvenaria, Revestimento e Acabamento 150 3.2.2.14 Serviços em Telhado 150 3.2.2.15 l ocal Confinado 150 3.2.2.16 Instalação Elétrica no Canteiro 151 3.2.2.17 Máquinas, Equipamentos c Ferramentas Diversas 153 3.2.2.18 Armazenagem e Estocagem de Materiais 154 3.2.2.19 Proteção Contra Incândio 155 3.2.2.20 Sinalização de Segurança - 155 3.2.2.21 Treinamento 156 3.2.2.22 Anumação e Limpeza 156 3.2.2.23 Tapume e Galeria de Proteção 156 3.2.2.24 Disposições Gerais..., 156 3.2.2.25 Disposições Finais 159 3.2.2.26 Generalidades »159
  11. 11. 4 TRABALHOS E M TERRA 4.1 Locação üa Obra Procedimento de Execução de Serviço . 163 4.1.1 Documentos de Referência... 163 4.1.2 Materiais e Equipamentos 163 4.1.3 Método Executivo „..,.,.„„„. 163 4.1.3.1 Condições paia o Inicio dos Serviços 163 4.1.3.2 Execução dos Serviços 164 4.2 Escavação ..„.„.... „.„ -164 4.3 Aterro e Reaterro.................. ..........,„....,............,......,.........................* 165 4.3.1 Generalidades 165 4.3.2 Controle Tecnológico do Execução de Aterros 165 4.3.2.1 Condições Gerais - 165 4.3.2.2 Controle dos Materiais c sua Compactação 165 4.4 Drenagem... .........,.,„,„... 166 4.4.1 Generalidades, 166 4.4.2 Geotêxteis - Terminologia.,,,....... 166 4.5 Segurança do Trabalho em Escavação e em Fundações 167 5 FUNDAÇÕES 5.1 Definições 171 5.1.1 Fundação em Superfície <também chamada Rasa, Direta ou Superficial) 171 5.1.2 Fundação Profunda 171 5.1.3 Cota de Arrasamento 172 5.1.4 Nega 172 5.1.5 Pressão Admissível 172 5.1.6 Viga de Equilíbrio (também chamada ! Jga-Alavanca) 173 5.2 Investigações Geotécnicas e Geológicas 173 5.2.1 Generalidades 173 5.2.2 Reconhecimento Geológico 173 5.2.3 Reconhecimento Geotécnico ....174 5.2.4 Sondagem e Poço de Obseivação com Retirada de Amostras indeformadas 174 5.2.5 Ensaio de Penetração Estática (Diepsondering) 174 5.2.6 Outros Ensaios In Situ 174 5.2.7 Provas de Carga ' 74 5.2.8 Ensaios de Laboratório 174 5.2.9 Observações de Obra - 175 5.2.10 Programação de Sondagens de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações 175 5.3 Fundações em Superfície 176 5.3.1 Pressão A dmissivel 176 5.3.2 Dimensionamento ... 177 5.3.3 Disposições Construtivas 177 5.3.3.1 Profundidade Mínima I77 5.3.3.2 Implantação de Fundações em Terrenos Acidentados I77 5.3.3.3 Fundações em Cotas Diferentes I77 5.3.3.4 Fundação por Sapatas I78 5.3.3.4.1 Sapata Corri da de AI venaria de Tijolos 178 5.3.3.4.2 Sapata Isolada de Concreto Armado Procedimento de Execução de Serviço 178 5.4 Fundações Profundas 179 5.4.1 Carga A dmissivel de Uma Estaca ou Tubulão Isolado 179 5.4.2 Efeito de Grupo de Estacas ou Tubulões 180 5.4.3 Peculiaridades dos Diferentes Tipos de Fundação Profunda., 180 5.4.3.1 Estaca de M ade ira 18 0 5.4.3.2 Estaca de Aço 181
  12. 12. 5.4.3.3 Estaca de Concreto 181 5.4.3.3.1 Estaca Pré-Moldadaou Pré-Fabricada 181 5.4.3.3.2 Estaca Moldada In Loco 182 Generalidades 180 Broca de Concreto 181 Estaca Strauss - 18! Estaca Franki 182 Estaca Escavada com Uso de Lama Bentonítica 182 Generalidades 182 Estaca Escavada de Grande Diâmetro (Estacão) 183 Parede-Di afragma 183 Estaca-Barrete 184 Metodologia Executiva 184 Capacidade de Carga 185 Equipamentos Utilizados 185 Composição e Propriedades da Bentonita.. 185 Especificações Técnicas dos Materiais Empregados 186 Estaca Injetada de Pequeno Diâmetro, 186 Estaca-Hélice Contínua Monitorada 187 Generalidades 187 Definição e Execução 187 Controle do Processo 189 5.4.3.4 Estaca Raiz 193 5.4.3.5. Tubulão. 193 5.4.3.5.1 TUbulão Não-Revestido 193 5.4.3.5.2 Tubulão Revestido 193 5.4.4 Disposições Construtivas 194 5.4.4.1 Cravação de Estaca 194 5.4.4.2 C ravação de Tubul ão a Céu Abe tio 196 5.4.4.3 Cravação de Tubulão a Máquina 196 5.4.4.4 Cravação de Tubulão a Ar Comprimido 197 5.4.4.5 Materiais Empregados 197 5.4.4.6 Sequência Executiva de Estacas e TubulÕes 198 5.4.4.7 Iniluêucia do Tempo de Execução 199 5.4.4.8 Emenda de Estacas 199 5.4.4.9 Preparo de Cabeças e Ligação com o Bloco de Coroamento 199 5.4.5 Controle Executivo 200 5.4.5.1 De Estaca Cravada 200 5.4.5.2 De Estaca Escavada 201 5.4.5.3 De Tubulão 201 5.4.6 Tolerâncias 202 5.4.6.1 De Estaca 202 5.4.6.1.1 Quanto à Excentricidade 202 5.4.6.1.2 Quanto ao Desvio de Inclinação 202 5.4.6.1.3 Recomendação 202 5.4.6.2, De Tubulão 202 5.4.6.2.1 Quanto ã Excentricidade 202 5.4.6.2.2 Quanto ao Desaprumo 203 5.4.6.2.3 Quanto à Ovalização de Camisa Metálica 203 5.4.7 Cálculo Estrutural 203 5.4.7.1 Estaca Cravada 203 5.4.7.1.1 Generalidades 203 5.4.7.1.2 Estaca de Madeira 203 5.4.7.1.3 Estaca de Aço 203 5.4.7.1.4 Estaca de Concreto 204 5.4.7.2 Estaca Escavada 204
  13. 13. 5.4.7.2.1 Estaca Submetida Apenas à Compressão 204 5.4.7.2.2 Estaca Submetida a Cargas Transversais 205 5.4.7.3 Tubulâo 205 5.4.7.3.1 Generalidades 205 5.4.7.3.2 Flambagem 205 5.4.7.3.3 Dimensionamento da Base Alargada 205 5.4.7.3.4 Dimensionamento do Fuste 205 5.4.7.3.5 Armadura do Núcleo de Tubulâo e Ferragem de Ligação Fuste-Base 206 5.5 Observação do Com porta mento e Instrumentação de Obras de Fundação 206 5.6 Processos Usuais dc Reforço de Fundação 207 5.6.1 Escavação por A feio efe "Cachimbos" 207 5.6.2 Estaca Cravada por Reação (tipo Mega) 207 5.7 Cr itéri os de Mcd ição 20 7 5.7.1 Brocas de Concreto e Estacas (Exclusive Estacas Cravadas por Reação) 207 5.7.2 TubuiÕes a Céu Aberto 207 5.8 Escavação e Escoramento de Cava de Fundação 208 5.8.1 Cava Sem Escoramento 208 5.8.2 Escoramento com Pranchada Horizontal 208 5.8.3 Escoramento com Pranchas Verticais.... 208 5.9 Rebaixamento dc Lençol de Agua 208 5.10 Prevenção de Fissuras em Edificação. 209 6 ESTRUTURA 6.1 De Concreto Armado 213 6.1.1 Generalidades.... - 213 6.1.1.1 Aglomerantes de Origem Mineral Terminologia 213 6.1.1.2 Propriedades Básicas do Concreto.,.,, ..,.„.,.,.,. 214 6.1.2 Dosagem do Concreto - 215 6.1.2.1 Generalidades 215 6.1.2.2 Fd do Concreto 215 6.1.2.2.1 Generalidades 215 6.1.2.2.2 Dosagem Experimental « 216 6.1.2.2.3 Dosagem por Tabela de Traço ..,...., 216 6.1.2.2.4 Descrição do Método de Dosagem 216 6.1.2.3 Controle da Trabalhabilidade 216 6.1.2.4 Diâmetro Máximo de Agregados Recomendado.. 217 6.1.2.5 Agregado Miúdo - 218 6.1.3 Inspeção e Ensaios de Materiais 218 6.1.3.1 Agregados 218 6.1.3.1.1 Generalidades 218 6.1.3.1.2 Estocagem 220 6.1.3.1.3 Testes 220 6.1.3.2 Aço para Concreto Armado 220 6.1.3.2.1 Critérios para Especificação, Compra e Aplicação 220 Generalidades.,... 218 Vergai lião 219 Arame eTela de Aço Soldado.... 222 6.1.3.2.2 Dobramento e Fixação da Ferragem 226 6.1.3.3 Cimento 227 6.1.3.3.1 G enera li dades 227 6.1.3.3.2 Estocagem 229 6.1.4 Inspeção Antes da Concretagem 229 6.1.5 Inspeção Durante a Concretagem ,.„„ 229 6,1,5.1 Generalidades 229
  14. 14. 6.1.5.2 Lotes 229 6.1.5.3 Amostragem 230 6.1.6 Inspeção Depois da Concretagem 230 6.1.7 Ensaios do Concreto 230 6.1.7.1 Generalidades 230 6.1.7.2 M olde C i I indrico 230 6.1.7.3 Amostragem 230 6.1.7.4 Local de Moldagem 231 6.1.7.5 Processo de Adensamento 231 6.1.7.6 Moldagem 231 6.1.7.7 Adensamento Manual 231 6.1.7.8 Adensamento Manual Enérgico 232 6.1.7.9 Capeamento 232 6.1.7.10 Cura 232 6.1.8 Extração, Preparo, Ensaio e Análise de Testemunhos de Estruturas de Concreto 232 6.1.8.1 Amostragem 232 6.1.8.2 Extração 233 6.1.8.3 Correção Relativa às Dimensões 234 6.1.8.4 Correção Relativa à Idade 234 6.1.8.5 Cálculo da Resistência Característica do Concreto 235 6.1.8.6 Apresentação dos Resultados.. 235 6.1.9 Fôrma - 235 6.1.9.1 Generalidades. 235 6.1.9.2 Materiais 236 6.1.9.2.1 Madeira Serrada de Coníferas 236 6.1.9.2.3 MDPouMDF 237 6.1.9.2.4 Prego 237 6.1.9.3 Depósito 238 6.1.9.4 Desmoldante 238 6.1.9.5 Confecção de Forma de Madeira Procedimento de Execução de Serviço 238 6.1.9.5.1 Documentos de Referência 238 6.1.9.5.2 Materiais e Equipamentos 239 6.1.9.5.3 Método Executivo 239 6.1.9.6 Montagem de Forma (Pilar, Viga e Laje) Procedimento de Execução de Serviço 240 6.1.9.6.1 Documentos de Referência 240 6.1.9.6.2 Materiais e Equipamentos 240 6.1.9.6.3 Método Executivo 241 6.1.9.7 Remoção das Fornias (Desforma) - Procedimento de Execução de Serviço 242 6.1.9.7.1 Documentos de Referência 242 6.1.9.7.2 Materiais e Equipamentos 242 6.1.9.7.3 Método Executivo 242 6.1.10 Corte, Dohramento e Montagem de Armadura Procedimento de Execução de Serviço.... 243 6.1.10.1 Documentos de Referência 243 6.1.10.2 Materiais e Equipamentos 243 6.1.10.3 Método Executivo 244 6.1.10.1 Documentos de Referência 241 6.1.10.2 Materiaise Equipamentos - 241 6.1.10.3 Método Executivo 242 6.1.10.3.1 Condições para o Inicio dos Serviços 242 6.1.10.3.2 Execução dos Serviços 242 6.1.11 A rgamassa de Concreto 246 6.1.11.1 Preparo de Concreto na Obra Procedimentos de Execução de Serviço 246 6.1.11.1.1 Documentos de Referência 246 6.1.11.1.2 Materiais e Equipamentos 247 6.1.11.1.3 Método Executivo 247 6.1.11.2 Concreto Pré-Misturado 249
  15. 15. 6.1.11.3 Altura da Queda 250 6.1.11.4 Plano de Concretagem 250 6.1.11.5 Lançamento e Adensamento de Concreto - Procedimento de Execução de Serviço 250 6.1.11.5.1 Documentos de Referência 250 6.1.11.5.2 Materiaise Equipamentos 250 6.1.11.5.3 Método Executivo... 251 6.1.11.6 Vibrador para Concreto 253 6.1.11.6.1 Vibrador Tipo Mangote (ou de Imersão) 253 6.1.11.6.2 Vibrador Externo (ou de Fôrma) 254 6.1.11.6.3 Vibrador de Superfície 254 6.1.11.6.4 Manutenção do Equipamento 254 6.1.11.7 Aditivos 254 6.1.11.7.1 Terminologia 254 6.1.11.7.2 Generalidades 255 6.1.11.7.3 Plastificante - ...255 6.1.11.7.4 Retardador de Pega...., ....256 6.1.11.7.5 Acelerador de Pega 256 6.1.11.7.6 Superplastificante 256 6.1.11.7.7 1 ncorporador de A r 256 6.1.11.7.8 Expansor - ...256 6.1.11.7.9 Impe nneabi I izante 2 5 7 6.1.11.7.10 Fungicida 257 6.1.11.7.11 Pigmentos 257 6.1.11.7.12 Condições Gerais 257 6.1.12 Cura 257 6.1.13 Transporte do Concreto 258 6.1.13.1 Função da Água..,.. 258 6.1.13.2 Manutenção da Uniformidade 259 6.1.13.3 Ocasião do Descarregamento 259 6.1.13.4 Cuidados com a líeloneira 259 6.1.14 Modificações 259 6.1.15 Concreto Aparente 259 6.1.15.1 Concreto 259 6.1.15.2 Fôrmas 260 6.1.15.3 Armadura 260 6.1.15.4 Remoção das Fôrmas 260 6.1.16 Concretagem de Lajes ,...260 6.1.16.1 Condições para o Início do Serviço 260 6.1.16.2 Transporte do Concreto 261 6.1.16.3 Lançamento do Concreto 262 6.1.16.4 Adensamento do Concreto 263 6.1.16.5 Cura do Concreto ,...263 6.1.17 Preparo de Junta Horizontal de Concretagem ....263 6.1.17.1 Generalidades 263 6.1.17.2 Argamassa de Cimento e Areia 264 6.1.17.3 Pasta de Cimento 264 6.1.17.4 Encbarcamenlo do Concreto ...264 6.1.17.5 Dissimulação de Junta de Concretagem, 264 6.1.18 Acabamento do Concreto 264 6.1.19 Grame 265 6.1.20 Adesivo Estrutural à Base de Epáxi 266 6.1.21 Tipos de Fissura do Concreto ... 267 6.1.22 Movimentação Térmica do Arcabouço Estrutural 268 6.1.23 Laje de Cobertura sobre Paredes Autoportantes 269 6.1.24 Laje Plana Protendida 269 6,1,24.1 Introdução 269
  16. 16. 6.1.24.1.1 Generalidades 269 6.1.24.1.2 Protensâo Com e Sem Aderência 269 6.1.24.13 Terminologia ,.,.,. ..,.,.,.„,.270 6.1.24.2 Fundamentos para o Câictdo Estrutural....,.,.,... 270 6.1.24.2.1 Objetivo 270 6.1.24.2.2 Sequência de Cálculo 270 6.1.24.2.3 Dimensionamento á Flexão 271 6.1.24.2.4 Funcionamento ..,.„„.,,.271 6.1.24.3 Considerações Econômicas.,,.. „...271 6.1.25 Carga Acidental 272 6.1.26 Carga Permanente., ..,„„„. .„,.,.,,., ....,,.,...,272 6.1.27 Desenho Técnico para a Obra ,.,.,....,. 272 6.1.27.1 Desenhos de Conjunto ....,.,.„,.273 6.1.27.2 Desenhos para Execução de Fôrmas..,, „,,....„ 273 6.1.27.2.1 Designação das Peças.,.,,,,,,.,,., ................. ............... ,.,..,.,..,.273 6.1.27.2.2 Lajes 273 6.1.27.2.3 Vigas 274 6.1.27.2.4 Pilares c Tirantes 274 6.1.27.2.5 Aberturas 274 6.1.27.3 Desenhos para Execução de Armaduras .,„„.,..274 6.1.27.3.1 Representação das Barras „.„„.„„., ,.,..„„„.„, .....„„ 274 6.1.27.3.2 Numeração 275 <S. 1.27,3.3, Tabc la da A rmadura 275 6.1.27.3-4 Representação de Emendas ,.,...., ....-275 6.1.27.3.5 Ganchos c Raios de Curvatura „„.„„„„.. „„„,„„„., „„„,„,275 6.1.27.3.6 Barras Dobradas 275 6.1.27.3.7 Armadura de Lajes...,..,.,.,... ....,....,.„„.,..275 6.1.27.3.8 Armadura de Vigas 276 6.1.27.3.9 Armadura de Pilares 276 6.1.27.3.10 Armadura de Sapatas-.,..,...,.,.,............,.........., „„.„„„„.„„„ ,.„„.„„,276 6.1.27.4 Desenhos para Execução de Escoramentos .......,...„.„ 276 6.1.27.5 Desenhos de Detalhe ......276 6.1.20 Estrutura Pré-Motdada de Concreto - 276 6.1.23.1 General idades 276 6.1.28.2 Montagem 277 6.1.28.3 Sistema Tdt-up 277 6.2 Metálica, 278 6.2.1 Produtos de Aço para Uso Estrutural ,...,.,... ,.,, 278 6.2.1.1 Chapa Fina Laminada a Frio .....„„,..,.,278 6.2.1.2 Chapa Fina Laminada a Quente ...„...„„,... 278 6.2.1.3 Chapa Grossa 279 6.2.1.4 Perfil Laminado Estrutural 279 6.2.1.5 Tubo Estrutural de Aço.,, ,„., ..,,.279 6.2.1.6 Barra Redonda 280 6.2.1.7 Produtos Estruturais Derivados de Aço Plano 280 6.2.1.7.1 Perfil Soldado 280 6.2.1.7.2 Perfil em Chapa Dobrada 280 6.2. LS Pré-Fabrieação da Estrutura 280 6.2.1.5.1 Generalidades 281 6.2.1.8.2 Procedimentos Normais 281 6.2.1.8.3 Armazenamento ...........281 6.2.1.8.4 Esmerilhamento 281 6.2.1.8.5 Riscos mais Frequentes ,,„.. ...» 281 6.2.1.8.6 Normas de Segurança tia Pré-Fabricação da Estrutura... 282 6,2.1,9 Montagem da Estrutura 282 6.2.1.9,1 Generalidades 282
  17. 17. 6.2.1.9.2 Içamento - 282 6.2.1.9.3 Pisos Provisórios 283 6.2.1.9.4 Segurança nas Alturas 283 6.2.1.9.5 Cuidados com a Eletricidade 283 6.2.1.9.6 Recomendações Importantes 283 6.2.1.9.7 Operações de Soldagem e Corte a Quente.. ..... 284 6.2.1.9.8 Irradiação do Arco 284 6.2.1.9.9 Máscara e Escudo 2 84 6.2.1.9.10 Lentes Retangulares Filtrantes 285 6.2.1.9.11 Riscos mais Frequentes .. 285 6.2. L9.12 Normas de Segurança nas Operações de Soldagem e Corte a Quente 285 7 INSTALAÇÕES 7.1 Elétrica e Telefônica 289 7.1.1 Generalidades 289 7.1.1.1 Introdução 289 7.1.1.2 Terminologia...... - 289 7.1.1.3 Potência 292 7.1.2 Condutor Elétrico 293 7.1.2.1 Generalidades... 293 7.1.2.2 Símbolos Gráficos 294 7.1.3 FJetmduto 296 7.1.3.1 Eletroduto Rígido de Aço-Carbono ...296 7.1.3.1.1 Condições Gerais 298 7.1.3.1.2 Generalidades 300 7.1.3.2 Eletroduto de P VC Rígido 300 7.1.3.3 Eletroduto de PVC Flexível 301 7.1.3.4 Eletroduto de Polietileno Flexível 302 7.1.3.5 Tubulação Elétrica e Telefônica Procedimento de Execução de Serviço .302 7.1.3.5.1 Documentos de Referência 302 7.1.3.5.2 Materiais e Equipamentos -302 7.1.3.5.3 Método executivo 303 7.1.4 Caixa de Derivação 3 06 7.1.4.1 Terminol ogia 306 7.1.4.2 Condições Gerais 306 7.1.4.3 Condições Específicas 306 7.1.4.3.1 Caixa de Embutir Estampada em Chapa de Aço 306 7.1.4.3.2 Caixa Fundida em Liga de Metais Não-Ferrosos 306 7.1.4.3.3 Caixa de Plástico 307 7.1.4.4 Generalidades .» 307 7.1.5 Enfiação 308 7.1.6 Ligação aos Terminais 308 7.1.7 Manobra e Proteção dos Circuitos 308 7.1.7.1 Genera lidades 308 7.1.7.2 Terminologia .309 7.1.7.3 Fusíveis DiazedeNIH 310 7.1.7.3.1 Fusíveis Diazed 310 7.1.7.3.2 Fusíveis NH - 3- í i 7.1.7.3.3 Secionadores de Fusíveis Diazed ..,.312 7.1.7.4 Interruptor Diferencial Residual - DR 312 7.1.7.4.1 Proteção Pessoal 312 7.1.7.4.2 Princípio de Funcionamento 312 7.1.7.4.3 Instalação 312 7.1.8 Tomadas .».313
  18. 18. 7.1.9 Quadro de Distribuição 313 7.1.10 Caixas Geral e de Passagem 315 7.1.11 Ligação à Terra 315 7.1.11.1 Sistema de Terra .315 7.1.11.2 Sistema de Tèrra do Para-Raios 316 7.1.11.3 Terra para Comunicação 316 7.1.11.4 Generalidades 316 7.1.12 Linha Aérea 316 7.1.13 Normas da Concessionária de Eletricidade 316 7.1.13.1 Terminologia 316 7.1.13.2 Condições Gerais para Fornecimento 3IS 7.1.13.2.1 Sistemas e Tensões Nominais de Fornecimento 318 7.1.13.2.2 Modalidades de Fornecimento 319 7.1.13.2.3 Limites de Fornecimento para Cada Unidade Consumidora 319 7.1.13.2.4 Bomba Contra Incêndio 320 7.1.13.2.5 Entrada de Serviço 320 Fornecimento de Materiais para Entrada de Serviço 320 Execução da Entrada de Serviço.. 320 Conservação da Entrada de Serviço..., ...320 7.1.13.2.6 Condições Não-Permiti das 321 7.1.13.3 Solicitação de Ligação 321 7.1.13.3.1 Consulta Preliminar 321 7.1.13.3.2 Ligação Permanente 322 Execução I medi ata 322 Bomba Contra Incêndio 322 7.1.13.3.3 Ligação Provisória 323 Ligação Provisória Com Medição 323 Ligação Provisória Sem Medição 323 Ligação Provisória de Emergência ou Ligação Provisória ....323 para Rclorma ou Reparo da Instalação de Entrada Consumidora Ligada 323 7.1.13.4 Determinação da Demanda 323 Iluminação e Tomadas de Uso Geral.., 323 Apare lho E tétrico - 324 Motor Elétrico 324 Aparelho de Ar-Condicionado 325 Equipamentos Especiais 325 Coeficiente de Simultaneidade 326 7.1.13.5 Especificação e Montagem de Materiais e Equipamentos Rede Aérea e Futura Subterrânea 328 7.1.13.5.1 Ramal de Ligação 328 7.1.13.5.2 Ponto de Entrega 328 Condutores Elétricos - 328 Fixação dos Condutores 328 7.1.13.5.3 Poste Particular 329 Tipos de Poste 329 Dimensionamento do Poste 329 Instalação do Poste 329 7.1.13.5.4 Ramal de Entrada. 330 Condutores do Ramal de Entrada Instalação do Ramal de Entrada 7.1.13.5.5 Elelroduto Tipos de Eletroduto Dimensionamento do Eletroduto Instalação do Eletroduto Fixação do Eletroduto do Ramal de Estrada. 7.1.13.5.6 Terminal e Adaptador ...330 ...330 ... 331 ... 331 ...331 ...331 ,..331 ,...333
  19. 19. 7.1.13,5.7 7.1.13.5.8 7.1.13,5.9 7.1.13.5.10 7.1.13.5.11 7.1.13.5.12 7.1.13.5.13 7.1.14 7.1.14.1 7.1.14.2 7.1.14.3 7.1.14.4 7.1.14.4.1 7.1.14.4.2 7.1.14.4.3 7.1.14.5 7.1.14.5.1 7.1.14.5.2 7.1.14.5.3 7.1.14.5.4 7.1.13.5.5 7.1.14.6 7.1.14.6.1 7.1.14.6.2 7.1.14.6.3 7.1.14.6.4 7.1.14.6.5 7.1.14.6.6 7.1.14.7 7.1.14.7.1 7.1.14.7.2 7.1.13.7.3 7.1.14.7.4 7.1.14.7.5 7.1.14.8 7.1.14.8.1 7.1.14.8.2 7.1.14.8.3 7.1.14.9 7.1,14.9.1 Caixa Caixa de Passagem Caixa Seccionadora Caixa de Distribuição Caixa de Dispositivos de Proteção e Manobra Caixa de Medição... Caixa de Barramento Equipamentos de Medição Medição Direta Medição Indireta Dispositivo de Proteção Dimensionamento do Dispositivo de Proteção Instalação dos Dispositivos de Proteção e Manobra Recomendações das Normas Técnicas Bomba Contra Incêndio... ... Entrada Individual Entrada Coletiva Plaqueta de Identificação Aterram en to Aterrameiito da Entrada Consumidora Dimensionamento do Aterramento Instalação do AterTamento Câmara Transformadora Telefonia Fixa Condições Gerais Tubulação ... Critérios para Previsão Mínima de Pontos Telefônicos Caixa de Saída Tipos Utilização Localização Caixas de Distribuição Geral, de Distribuição e de Passagem Generalidades Utilização de Acordo com a Finalidade Dimensões Localização Detalhes de Instalação Tubulação Secundária e Tubulação Primária Tipos e Utilização Tubulação Secundária Dimensões Detalhes de Instalação de Elelroduto Rígido Detalhes de Instalação de Eletroduto Semi-Rígido Detalhes Gerais de Instalação Canaleta de Piso Características Tipos e Utilização Dimensões Caixa de Derivação Detalhes de Instalação Poço de Elevação Finalidade Características Dimensões Sala de Distribuição Geral (DG) Finalidade 333 333 333 333 333 334 336 339 339 .339 340 340 .... 340 ....340 341 341 341 342 342 342 343 343 344 344 344 344 ,...344 345 ....345 ....345 ....345 ....346 ....346 346 346 347 ....347 347 347 ....347 348 348 348 349 350 350 ,...350 350 350 350 350 350 „...350 351 351 351
  20. 20. 7.1.14.9.2 Características 35 i 7.1.14.10 Tubulação de Entrada Subterrânea 351 7.1.14.10.1 Finalidade. 351 7.1.14.10.2 Comprimento 352 7.1.14.10.3 Materiais e Utilização 352 7.1.14.10.4 Dimensões 352 7.1.14.11 Caixa Subterrânea de Entrada 352 7.1.14.11.1 Finalidade .352 7.1.14.11.2 C aracteristicas 353 7.1.14.11.3 Localização 353 7.1.14.11.4 Tipos e Dimensões 353 7.1.14.11.5 Detalhes de Construção 353 7.1.14.12 Tubulação de Entrada Aérea 353 7.1.14.12.1 Finalidade.. 353 7.1.14.12.2 Comprimento 353 7.1.14.12.3 MateriaiseUtilização 354 7.1.14.12.4 Dimensões 354 7.1.14.12.5 Tipos de Entrada Aérea (de Acordo com as Características Construtivas da Edificação) 354 7.1.14.13 Sistemas de Distribuição de Piso 355 7.1.14.13.1 Finalidades 355 7.1.14.13.2 Sistema em Malha com Tubulação Convencional 355 7.1.14.13.3 Sistema Paralelo de Canaletas 355 7.1.14.13.4 Sistema em "Pente" de Canaletas 355 7.1.14.13.5 Sistema em "Espinha de Peixe" de Canaletas 355 7.1.14.13.6 Sistema em Malha de Canaletas 356 7.1.14.13.7 Sistemas de Distribuição Conjugados 356 7.1.14.13.8 Caixa de Distribuição em Sistemas de Distribuição 356 7.1.14.13.9 Detalhes de Instalação 356 7.1.14.14 Prumada Telefônica ...356 7.1.14.14.1 Prumada Convencional 356 7.1.14.14.2 Poço de Elevação 356 7.1.14.14.3 Prumada Residencial Dirigida 356 7.1.14.15 Edificação Constituída de Vários Blocos 3 59 7.1.14.16 Aterramento de Caixa de Distribuição Geral e Sala de DG 359 7.1.14.16.1 Finalidades 359 7.1.14.16.2 Características Básicas 359 7.1.14.17 Sistemas Telefônicos 359 7.1.14.17.1 PAliX 359 7.1.14.17.2 KS 360 7.1.14.17.3 Micro-PABX 360 7.1.14.17.4 Sistema Híbrido 360 7.1.15 Televisão.... 360 7.1.15.1 TV Analógica e TV Digital 360 7.1.15.2 Generalidades 360 7.1.15.3 Antena Coletiva Convencional 361 7.1.15.4 Antena Parabólica 361 7.1.15.5 Transmissão a Cabo 361 7.1.16 Para-raios 361 7.1.16.1 Terminologia 361 7.1.16.2 Generalidades 362 7.1.16.3 Execução da Instalação 362 7.1.16.4 Dimensionamento e Detalhes Construtivos 362 7.1.16.5 Controle e Manutenção 363 7.1.17 Iluminação - Termino!ogia 364 7.1.17,1 Radiações - Grandezas e Unidades 364
  21. 21. 7.1.17.2 Visão - Reprodução das Cores 364 7.1.17.3 Colorimetria 365 7.1.17.4 EmissSo - Propriedades Ópticas dos Materiais 365 7.1.17.5 Medições Radiométricas, Fotomérricas e Colorimétricas 366 7.1.17.6 Luininotécnica - Iluminação Diurna 366 7.1.17.7 Sinalização Visual... 367 7.1.18 Lu: de Obstáculo 368 7.1.19 Sistema de Iluminação de Emergência 368 7.1.19.1 Terminologia - 368 7.1.19.2 Composição 369 7.1.19.2.1 Localização 369 7.1.19.2.2 Tipos de Fonte de Energia 369 Sistema Centralizado de Acumuladores, 367 Grupo Motogerador ....368 Conjunto de Blocos Autônomos 368 7.1.19.2.3 Luminária 371 7.1.19.2.4 Circuito de Alimentação 371 7.1.19.2.5 Autonomia 371 7.1.19.3 Função 371 7.1.19.3.1 Quanto à Evacuação de Público 371 Iluminação de Ambiente 370 Iluminação por Sinalização 370 7.1.19.3.2 Quanto à Função de Continuidade de Trabalho 372 7.1.19.4 Classificação 372 7.1.19.4.1 Quanto á Condição de Permanência de Iluminação dos Pontos do Sistema 372 7.1.19.4.2 Quanto ao Tipo de Fonte de Energia e Permanência de Iluminação dos Pontos do Sistema 372 7.1.19.5 Projeto e Instalação do Sistema....... 373 7.1.19.6 Manutenção 373 7.1.19.6.1 Generalidades 373 7.1.19.6.2 Para Instalações de Blocos Autônomos 373 7.1.19.6.3 Para Instalações Centralizadas com Acumuladores 374 7.1.19.6.4 Para Instalações Centralizadas com Grupo Motogerador.. 374 7.1.19.6.5 Para Aparelhos Portáteis 374 7.1.20 Verificação Final da instalação 374 7.2 Hidráulica, Sanitária c de Gás 375 7.2.1 General idades 375 7.2.1.1 Materiais de Encanamento e Seus Acessórios 375 7.2.1.1.1 Ferro Fundido ....375 7.2.1.1.2 Aço-Carbono, Apto para Rosca.... 376 Terminologia 374 Condições Gerais 374 Condições Especificas e Ensaios... 376 A ço-Carbono Galvanizado 376 7.2.1.1.3 Cobre 379 7.2.1.1.4 PVC (Po li cloreto de Vinila) 380 Generalidades 378 Linha Hidráulica 378 Linha Sanitária 379 Manuseio c Estocagem 379 Características do Tubo 379 Sistemas de Junta em Instalação Sanitária 380 Execução das Juntas 380 Recomendações Gerais 381 7.2.1.1.5 Cerâmica 385 7.2.1.2 Estimativa do Consumo de Água, 385
  22. 22. 7.2.1.3 Reservatório de Fibrocimento para Água 386 7.2.1.4 Reservatório de Poliéster Reforçado com Fibra de Vidro 386 7.2.1.4.1 Terminologia 386 7.2.1.4.2 Descrição 387 7.2.1.4.3 Capacidade e Carga 387 7.2.1.4.4 Instruções de Montagem 387 7.2.1.5 Cores da Tubulação Aparente 388 7.2.1.6 Ramal de Alimentação 388 7.2.1.7 Extravasor de Reservatório 388 7.2.1.8 Dispositivo de Limpeza de Reservatório 388 7.2.1.9 Elevação da Água 388 7.2.2 Agua Fria 388 7.2.2.1 Terminologia 388 7.2.2.2 Condições Gerais 390 7.2.2.3 Sistemas de Abastecimento 391 7.2.2.4 Sistemas de Distribuição 391 7.2.2.5 Vazões 392 7.2.2.6 Dimensionamento 393 7.2.2.7 Materiais Empregados 396 7.2.2.8 Detalhes Construtivos 399 7.2.2.9 Condições Sanitárias Mínimas 399 7.2.2.10 Generalidades 400 7.2.2.11 Diretrizes para Limpeza da Rede de Agua 400 7.2.2.12 Recebimento de Ins falações 400 7.2.3 Água Quente 402 7.2.3.1 Terminologia.. 402 7.2.3.2 Projeto e Instalação 403 7.2.3.3 Materiais e Equipamentos 406 7.2.3.4 Execução 407 7.2.3.5 Ensaio de Pressão Interna 407 7.2.4 Gás Combustível 407 7.2.4.1 Terminologia 407 7.2.4.2 Sistemas de Fornecimento 408 7.2.4.3 Adequação de Ambientes Residenciais 408 7.2.4.3.1 Terminologia......... 408 7.2.4.3.2 Condições Gerais - Projeto e Execução 409 7.2.4.3.3 Condições Especificas para Chaminés 410 Chaminé Individual com Tiragem Natural 408 Chaminé Individual com Exaustão Forçada ou Aparelho de Exaustão Forçada Semi- Aberto 409 Chaminé Coletiva com Tiragem Natural 409 Conjunto de Dutos para Aparelhos Hermeticamente Isolados 409 7.2.4.4 Aparelho de Utilização e Equipamentos 412 7.2.4.5 Utilização de Bujão de GL.P (Gás Liquefeito de Petróleo) 413 7.2.4.6 Instalação Permanente 413 7.2.4.7 Tubulação (Materiais e Acabamento) 413 7.2.4.8 Ramal Interno 414 7.2.4.9 Canalização Interna 414 7.2.4.10 Testes da Tubulação 415 7.2.5 Prevenção e Proteção Contra Incêndio 415 7.2.5.1 Projeto 415 7.2.5.2 Terminologia 416 7.2.5.3 Classes de Incêndio 419 7.2.5.4 Agente Extintor 419 7.2.5.5 Aparelho Extintor 419 7,2.5.5,1 Fixo..., 419
  23. 23. 7,2.5.5,2 Portátil 420 7.2.5.6 Extintor Manual 421 7.2.5.7 Hidrante 421 7.2.5.8 Canalização 421 7.2.5.9 Reservatório 422 7.2.5.10 Mangueira, Abrigo e Esguicho 422 7.2.5.11 Bomba de Água. 422 7.2.5.12 Ed ifi cação de Interesse Soe ial 422 7.2.5.13 Solicitação de Vistoria . 423 7.2.5.14 Sinalização 423 7.2.6 Água Pluvial. -423 7.2.6.1 Terminologia .423 7.2.6.2 Coiul ições Gera is ...... 424 7.2.6.2.1 Materiais 424 7.2.6.2.2 Instalação de Drenagem de Água Pluvial .425 7.2.6.3 Cobertura I lorizontal de Laje 425 7.2.6.4 Calha 425 7.2.6.5 Condutor Vertical de Água Pluvial 426 7.2.6.6 Condutor Horizontal de Água Pluvial 426 7.2.6.7 Dimensionamento 4 26 7.2.7 Esgoto Sanitário 426 7.2.8 Instalação llidro-Swiilária e de Gás Procedimento de Execução de Se/riço 427 7.2.8.1 Documentos de Referência .427 7.2.8.2 Materiais e Equipamentos 427 7.2.8.3 Método Executivo 428 7.2.8.3.1 Condições para o Início dos Serviços 428 7.2.8.3.2 Execução dos serviços 429 7.3 Mecânica 433 7,3.1 Elevador de Passageiros 433 7.3.1.1 Caixa 433 7.3.1.1.1 Fechamento da Caixa 433 7.3.1.1.2 Portas de Inspeção e de Emergência 434 7.3.1.1.3 Aberturas para Saída de Gases e Fumaça 434 7.3.1.1.4 Materiais da Caixa 434 7.3.1.1.5 Superfícies Internas da Caixa .434 7.3.1.1.6 Acesso à Caixa para Fins de Emergência 435 7.3.1.1.7 Poço - -.435 7.3.1.1.8 Uso Exclusivo da Caixa 435 7.3.1.1.9 Proteção para os Recintos Abaixo do Poço 435 7.3.1.2 Casa de Máquinas 435 7.3.1.2.1 Generalidades... 435 7.3.1.2.2 Acesso 436 7.3.1.2.3 Resistências Mecânica e ao Fogo. Isolamento Térmico, Propriedades do Piso e Disposições Construtivas 436 Piso e Disposições Construtivas 434 7.3.1.2.4 Ventilação e Temperatura 436 7.3.1.2.5 Iluminação e Tomadas de Eletricidade... 436 7.3.1.2.6 Meios de Içameiito do Equipamento 437 7.3.1.2.7 Extintor de Incêndio .437 7.3.1.3 Instalação Elétrica 437 7.3.1.3.1 Instalação dos Condutores Elétricos 437 7.3.1.3.2 Alimentação de Força para Casa de Máquinas...... 437 7.3.1.3.3 Aterramento 437 7.3.1.3.4 Fontes de Alimentação 437 7.3.1.4 Folgas 438 7.3.1.5 Portas de Pavimento 438
  24. 24. 7.3.1.5.1 Dimensões 438 7.3.1.5.2 Iluminação. 438 7.3.1.5.3 Outros Fechos 438 7.3.1.6 Para-Choque 438 7.3.1.7 Dispositivos de Alarme e Comunicação 438 7.4 Ar-condicionado 438 7.4.1 Generalidades 438 7.4.2 Distribuição do Ar peio Forro 439 7.4.3 Distribuição do Ar peio Piso 439 7.4.4 Sistema Básico de Ar-Condicionado - 440 7.4.4.1 Generalidades 440 7.4.4.2 Terminologia 440 7.4.4.3 Casa de Máquinas 440 7.4.4.4 Rede de Dutos de Distribuição de Ar 441 7.4.4.5 Isolamento Térmico de Rede de Dutos 441 7.4.4.6 Bocas de Ar - 442 7.4.4.6.1 Difusores 442 7.4.4.6.2 Grelhas 442 7.4.4.6.3 Acessórios para Bocas de Ar 443 7.4.4.7 Tomada de Ar Externo 443 7.4.5 Sistemas de Geração de Frio 443 7.4.5.1 Gases Refrigerantes 443 7.4.5.2 Condicionador Resfriado a Água 444 7.4.5.3 Condicionador de Ar "Self Contained" 444 7.4.5.3.1 "Self Contained" a Ar (com condensador remoto) 444 7.4.5.3.2 "Self Contained" a Água 444 7.4.5.4 Sistema "Split" 444 7.4.5.5 Sistema "Self Contained" Resfriado a Água 444 7.4.5.6 Sistema de Água Gelada 445 7.4.5.7 Termoacuimilaçâo de Gelo ("Ice Bank") 446 7.4.5.8 Sistema com Acumulação de Água Gelada 446 7.5 1'isc in a 446 7.5.1 Localização 446 7.5.2 Elementos 446 7.5.3 Tanque - 447 7, S,4 Sistema de Recircutação e Tratamento de Água .447 7.5.5 Instalações Sanitárias.... 449 7.5.6 Limpeza 449 7.5.7 Sistema de Aquecimento de Água 449 7.6 Sauna 450 7.6.1 Sauna Úmida. , 450 7.6.1.1 Teto 450 7.6.1.2 Revestimento das Paredes e Teto 450 7.6.1.3 Bancos.,... - 450 7.6.1.4 Piso 450 7.6.1.5 Poria 450 7.6.1.6. Instalação I lidráulica 450 7.6.1.7 Instalação Elétrica 450 7.6.1.8 Recomendações de Uso 451 7.6.2 Sauna Seca 451 7.6.2.1 Revestimento das Paredes e Teto 451 7.6.2.2 Piso » 451 7.6.2.3 Bancos 451 7.6.2.4 Porta - 451 7.6.2.5 instalação Elétrica 451 7.6.2.6 Ducha 451
  25. 25. 8 ALVENARIA 8,1 Generalidades 455 8.1.1 455 8.1.2 456 8.1.2.1 Usos e Propriedades da Cal 456 8,1.2.2 O Processo de Fabricação da Cal e seu Conlrole 457 8,1.2.3 Especificação da Cal 457 8.1.2.4 Recomendações .....458 8.1.2.5 Generalidades.. .................................................. 459 8,1.3 Execução de Alvenaria de Tijolos e Blocos Sem Função Estrutura! 460 8,1.4 Demarcação das Paredes de Vedação 461 8.2 Alvenaria em Blocos Silicocalcários em Geral ....... 461 8.2.1 461 8,2.2 Corte de Blocos „,...463 8,2.3 Ferramentas para Corte de Blocos - 463 8.3 Alvenaria Autoportantc (Estrutural) em Blocos Silicoealcários-Procedimento de EvecuçSo de Serviço 463 8.3.1 463 8,3.2 463 8.3.3 464 8.3.3.1 464 8.3.3.2 ExecuçSo do serviço ................................. 464 8.3.3.3 Moldagem de corpos-de-prava da argamassa dc assentamento,... 465 8.4 Alvenaria em Blocos Vazados de Concreto Simples ..... 466 8.4.1 466 8.4.2 466 8.4.3 467 8.4.4 Condições Especificas ,.,...... ... 467 8.4.5 467 8.5 Alvenaria cm Tijolos Maciços Cerâmicos „....,„ .„,.„„.,.,„....„„„„„ 468 8.6 Alvenaria em Blocos Cerâmicos Vazados 468 8.6.1 468 8.6.2 Condições Gerais... 468 8.6.3 469 8.6.4 469 8.6.5 470 8.6.6 Características Visuais 470 8.6.7 Características Geométricas — 470 8.6.8 471 8.6.9 47! 8.6,10 471 8.6.11 Absorção de Agua..... 471 8.6,12 Procedimento de Execução de Serviço -472 8.6.12.1 Documentos de Referência 472 8.6.12.2 Materiais c Equipamentos 472 8.6,12.3 473 8.6,12,3.1 Condições para o inicio 473 8.6,12,3,2 Execução do serviço 473 8.7 Concreto Celular... 474 8.8 Paredes de Gesso Acartonado (DrywaU) 474 8.8.1 Generalidades 474 8.8.2 475 8.8.3 Instalação de Parede Comum 476 8.8.4 Instalação de Parede Técnica 477 8.8.5 Trabalho com as Placas 478
  26. 26. 8.8.6 Tratamento cie Juntas 478 8.8.7 Fixações e Reforços. 479 8.8.8 Ferramentas 480 8.9 Ligação entre Estrutiira e Paredes ile Vedação 48 i 8.9.1 Generalidades 4SI 8.9.2 Teia Soldada Galvanizada para Alvenaria 481 8.9.2.1 Generalidades 481 8.9.2.2 Ligação da Estrutura com Alvenaria 482 8.9.2.3 I.igação entre Duas Paredes com Tela 4S2 8.10 Execução de Desenho de Arquitetura 482 8.10.1 Formatos do Papel 482 8.10.2 Cortese Superficies Cortadas 483 8.10.3 Linhas - 483 8.10.4 Dimensionamento 483 8.10.5 Letras e Anotações 483 8.10.6 Convenções, A breviações e Indicações 484 9 COBERTURA 9.1 Terminologia ,.. 487 9.2 Componentes da Estrutura de Madeira 487 9.3 Materiais 487 9.3.1 Generalidades 487 9.3.2 Espécies de Madeira para Estrutura de Cobertura 488 9.3.3 Parafusos 488 9.4 Estruturo Pontaletada 489 9.5 Dimensionamento da Madeiro 489 9.6 DisposiçOes Construtivas . 489 9.7 Estruturo de Telhado Procedimento de Execução de Serviço 490 9.7.1 Documentos de Referência 490 9.7.2 Materiais e Equipamentos 490 9.7.3 Método Executivo 490 9.7.3.1 Condições para o inicio 490 9.7.3.2 Execução do serviço 49 ] 9.8 Telha Ondulada de C R F S {Cimento Reforçado com Fios Sintéticos) 492 9.8.1 Generalidades 492 9.8.2 Montagem e instruções de Uso 493 9.8.3 Peças de Fixação 494 9.8.4 Peças de Concordância e Arremate 494 9.9 Telha Cerâmica 495 9,9,1 Cohen ura em Telhas Cerâmicas - Procedimento de Execução de Serviço 496 9.9.1.1 Documentos de Referência 496 9.9.1.2 Materiais e Bqu i pamen tos .496 9.9.1.3 Método Executivo 496 9.9.1.3.1 Condições para o inicio 496 9.9.1.3.2 Execução do serviço 497 9.10 Telha Ondulada de Poliéster 497 9.11 Telha Ondulada de Madeira Revestida com Alumínio 497 9.12 Domo 498 10 TRATAMENTO 10,1 Impermeabilização ....,501
  27. 27. 10.1.1 Terminologia 501 10.1.2 Condições Gerais de Execução 503 10.1.3 Escolha do Sistema 503 10.1.3.1 Generalidades 503 10.1.3.2 Manta Elasiomérica (EPDM) e Manta Butílica 504 10.1.3.3 Manta Asfáltica {Aplicação com Asfalto Quente) 504 10.1.3.4 Emulsão Asfáltica Estruturada 504 10.1.3.5 Elastômeros em Solução...... 504 10.1.4 Quantidade Média de Materiais Consumidos nos Principais Sistemas 505 10.1.4.1 Impermeabilização de Áreas Frias 505 10.1.4.1.1 Sistema Moldado no Local 505 10.1.4.2 Impermeabilização de Lajes 505 10.1.4.2.1 Sistema Moldado no Local (para Posterior Recebimento de Proteção Mecânica) 505 10.1.4.2.2 Sistema Pré-Fabricado (para Posterior Recebimento de Proteção) 505 10.1.4.2.3 Sistema Pré-l-abriçado para Lajes Expostas e Telhados {Sem Necessidade de Proteção),. 506 10.1.4.2.4 Sistema Moldado no Local para Lajes Expostas (Sem Necessidade de Proteção). 506 10.1.4.3 Impermeabilização de Reservatórios e Piscinas 506 10.1.4.3.1 Sistema Moldado no Local para Estruturas Elevadas.. 506 10.1.4.3.2 Sistema Pré-Eabricado para Estruturas Elevadas ... -.506 10.1.4.3.3 Sistema Moldado no Local, para Estruturas Enterradas, Sem Lençol Freático (Pressão Positiva) 506 10.1.4.3.4 Sistema Moldado no Local, para Estruturas Enterradas, Com Lençol Freático e Pressão Negativa 507 10.1.4.3.5 Sistema Moldado no Local, para Estruturas Enterradas, Com Lençol Freático e Pressão Positiva 507 10.1.4.4 Impermeabilização com Umidade de Solo 507 10.1.4.4.1 Sistema Moldado no Local para Umidade de Solo...., ,...507 10.1.4.5 Piso de Acabamento 507 10.1.4.5.1 Piso de Acabamento em Poliuretano (Impermeável, Flexível. Aplicado a Frio, para Trânsito de Veículos Leves) 507 10.1.5 Resiiiência dos Materiais 507 10.1.6 Longevidade dos Sistemas de Impermeabilização 508 10.1.7 Argamassa Rígida Impermeável. 508 10.1.7.1 Generalidades 508 10.1.7.2 Em Reservatório de Água e Muro de Arrimo 509 10.1.7.3 Em Baldrame Procedimento de Execução de Serviço 510 10.1.7.3.1 Documentos de Referência 510 10.1.7.3.2 Materiais e Equipamentos 510 10.1.7.3.3 Método Executivo 510 10.1.7.4 Em Paredes Internas de Subsolo 511 10.1.7.5 Material Impermeabilizante em Concreto Impermeável 511 10.1.8 Aditivo impermeabilizante .511 10.1.9 Proteção da Impermeabilização 512 10.1.9.1 Proteção para Solicitação Pesada ou Leve 512 10.1.9.2 Proteção Contra Raízes 512 10.1.9.3 Proteção Térmica 512 10.1.10 Junta de l edação de Silicone --513 10.1.11 Interferências Estruturais no Processo de impermeabilização.. 513 10.1.11.1 Junta 513 10.1.11.2 Soleira em Área Fria...., 514 10.1.11.3 Caixão Perdido 514 10.1.11.4 Engaste no Plano Vertical (Rodapé) 514 10.1.11.5 Arranque 514 10.1.11.6 Ralo 515 10.1.11.7 Tubulação que Atravessa a Impermeabilização 515 10.1.12 Importantes Fatores a Considerar 515
  28. 28. 10.1.12.1 Preparação da Superfície 515 10.1.12.2 Proteção Mecânica 515 10.1.12.3 Isolamento Térmico . 515 101.12.4 Principais Pontos a Serem Observados 515 10.2 Falhas Relacionadas com a Umidade 516 10.2.1 Generalidades 516 10.2.2 Absorção Capilar de Água 516 10.2.3 Água de Infiltração ou de Fluxo Superficial 516 10.2.4 Formação de Água de Condensação 516 10.2.5 A bsorção Higroscópica de Água e Condensação Capilar 517 10.2.6 Mofo em Edificação - 517 10 2,6.1 Generalidades - 517 10.2.6.2 Tratamento de Área Afetada 518 10.3 Proteção Térmica c Acústica 518 10.3.1 Isolamento Têrm ico 518 10.3.2 Poliestireno Expandido (EPS) 519 11 ESQUADRIA 11.1 Generalidades 523 11.1.1 Janela 523 11.1.1.1 Terminologia 523 11.1.1.2 Condições Especificas 523 11.1.1.3 Condições Gerais 523 11.1.1.4 Atenuação Sonora 524 11.1.1.5 Diversos 524 11.1.2 Porta 525 11.1.2.1 Batente de Madeira 525 11.1.2.2 Folha de Poria de Madeira 525 11.1.3 Porta Corta-Fogo 526 11.1.3.1 Terminologia 526 11.1.3.2 Classificação 526 11.1.3.3 Condições Gerais 526 11.1.3.4 Detalhes Construtivos 527 11.1.3.5 Instalação 528 11.1.3.6 Armazenamento.... 529 11.1.3.7 Func ionamento 529 11.1.3.8 Recomendações de Utilização 529 11.2 Esquadria de Madeira 529 11.2.1 Colocação de Batente e Porta - Procedimento de Execução de Serviço 530 11.2.1.1 Documentos de Referência 530 11.2.1.2 M ateriais e Equipamentos 530 11.2.1.3 Método Executivo 531 11.2.1.3.1 Condições para o início dos serviços 531 11.2.1.3.2 Execução do serviço 531 11.3 Esquadria de Ferro... 532 11.3.1 Generalidades 532 11.3.2 Colocação - Procedimento de Execução de Serviço 533 11.3.2.1 Documentos de Referência 533 11.3.2.2 Materiais e Equipamentos 533 11.3.2.3 Método Executivo 534 11.3.2.3.1 Condições para o inicio dos serviços 534 11.3.2.3.2 Execução do serviço 534 11.4 F.squiulria de Alumínio.,... ••• 535 11,4,1 Evoluçãodos Produtos 535
  29. 29. 11.4.2 Generalidades - 535 11.4.3 Especificação de Esquadrias de Alumínio 53 5 11.4.4 Qualificação de Fornecedores • 536 11.4.5 Questionamentos e Discussão 537 11.4.6 Recomendações 537 11.4.7 Tipologia e Escolha da Esquadria ...538 11.4.8 Proteção Superficial do Alumínio.... 539 11.4.9 Guarnição 540 11.4.10 instalação de Vidros 541 11.4.11 Fixação da Esquadria em Parede 542 11.4.12 Proteção e Conservação de Superfície do A iuminio Anodizado 542 11.4.13 Procedimentos Básicos para identificar uma Janela de Qual idade 542 11.4.14 Instalação - Procedimento de Execução de Serviço 543 11.4.14.1 Documentos de Referência 543 11.4.14.2 Materiais e Equipamentos - ,...543 11.4.14.3 Método Executivo 54 3 11.4.14.3.1 Mediçflo do V3o 543 11.4.14.3.2 Chumbainento do Contramarco 544 11.4.14.3.3 Revisito Final 544 12 REVESTIMENTO 12.1 Generalidades .547 12.2 Areia para Argamassa de Revestimento 547 12.3 Chapisco 548 12.3.1 Generalidades •» 548 12.3.2 Aditivo Adesivo para Chapisco 548 12.4 Trabalhabilidade da Argamassa 548 12.5 Emboço 549 12.6 Argamassa Industrializada para Assentamento e Revestimento 549 12.6.1 Generalidades . 549 12.6.2 Revestimento interno em Argamassa Única Procedimento de Execução de Serviço 550 12.6.2.1 Documentos de Referência 550 12.6.2.2 Materiais e Equipamentos 550 12.6.2.2.1 Condições para o início dos serviços 551 12.6.2.2.2 ExecuçHo dos serviços 551 12.6.3 Revestimento Externo em Argamassa Única - Procedimento de Execução de Serviço 553 12.6.3.1 Documentos de Referência 553 12.6.3.2 Materiais e Equipamentos ,.,.553 12.6.3.3 Método Executivo - 554 12.6.3.3.1 Condições para o inicio dos serviços 554 12.6.3.3.2 Execução dos serviços 554 12.7 Reboco 557 12.7.1 Generalidades 557 12.7.2 Argamassa Fina industrializada para Interiores 557 12.7.3 Argamassa Fina industrializada para Fachadas 558 12.7.4 Reboco Rústico 559 12.7.5 Vesículas 559 12.8 Aderência da Argamassa ....559 12.9 Pasta de Gesso 559 12.9.1 Generalidades 559 12.9.2 Revestimento - Procedimento de Execução de Serviço 560 12,9.2,! Documentos de Referência 560 12.9.2.2 Materiais e Equipamentos 561 12.9.2.3 Método Executivo 561
  30. 30. 12.9.2.3.1 Condições para o início dos serviços 561 12.9.2.3.2 Execução do serviço 561 12.10 Azulejo 562 12.10.1 Generalidades 562 12.10.2 Assentamento 562 12.10.2.1 Terminologia 563 12.10.2.2 Materiais 563 12.10.2.3 Superfície de Aplicação 564 12.10.2.4 Revestimento 565 12.10.2.5 Processo de Assentamento com Argamassa de Cimento Portland e Cal.. 567 12.10.2.6 Processo de Assentamento com Produtos Industrializados 569 12.10.2.6.1 Argamassa Industrializada Colante . 569 12.10.2.6.2 Procedimento de Execução de Serviço 569 12.10.2.7 Inspeção 571 12.11 Movimentação Térmica e por Retração em Argamassa de Revestimento 571 12.12 Pastilha 571 12.12.1 Generalidades 571 12.12.2 Argamassa Industrializada para Assentamento 572 12.13 Laminado Decorativo de Alta Pressão ( L D A P ) 573 12.13.1 Generalidades... 573 12.13.2 LDAP na Indústria Moveteira 574 12.13.2.1 Generalidades 574 12.13.2.2 Substratos Indicados 574 12.13.2.3 Adesivos Indicados 575 12.13.2.4 Ferramentas de Trabalho 575 12.13.2.5 Problemas Típicos - Causas e Prevenção 576 12.13.3 LDA P em Construção Predial 577 12.13.3.1 Aplicação em Portas e Divisórias 577 12.13.3.2 Aplicação sobre Parede de Alvenaria 577 12.13.4 Embalagem e Armazenamento 578 12.13.5 Manuseio - 579 12.14 Forro 579 12.14.1 Generalidades 579 12.14.2 Forro Suspenso de Placas de Gesso (não acartonado) - Generalidades 580 12.14.3 Forro Suspenso de Placas de Gesso - Procedimento de Execução de Serviço 581 12.14.3.1 Documentos de Referência 581 12.14.3.2 Materiais e Equipamentos 581 12.14.3.3 Método Executivo 581 12,14.3.3.1 Condições para o inicio dos serviços 581 1214.3.3.2 Generalidades 582 12.14.3.3.3 Execução dos serviços 582 12.14.4 Forro Suspenso de Réguas Metálicas 582 13 PISO E P A V I M E N T A Ç AO 13.1 Piso Cerâmico 587 13.1.1 Terminologia - 587 13.1.2 Generalidades 588 13.1.3 Assentamento - Procedimento de Execução de Serviço 589 13.1.3.1 Documentos de Referência 589 13.1.3.2 Materiais e Equipamentos 589 13.1.3.3 Método Executivo 590 13.1.3.3.1 Condições para o in icio dos serviços 590 13.1.3.3.2 Execução dos serviços 590
  31. 31. 13.2 Ladrilho Hidráulico - .591 13.3 Granilite -591 13.4 Cimentado 592 13.4.1 Regularização Impermeável de Piso Procedimento de Execução de Serviço 592 13.4.1.1 Documentos de Referência 592 13.4.1.2 Materiais e Equipamentos 592 13.4.1.3 Método Executivo 593 13.4.1.3.1 Condições para o inicio dos serviços 593 13.4.1.3.2 Execução dos serviços 593 13.4.2 Piso de Concreto Moldado In Loco Procedimento de Execução de Serviço 593 13.4.2.1 Documentos de Referência 593 13.4.2.2 Materiais e Equipamentos 593 13.4.2.3 Método Executivo 594 13.4.2.3.1 Condições para o início dos serviços 594 13.4.2.3.2 Execução dos serviços 594 13.4.3 Pavimento Armado - — 595 13.5 Peça Pré-Moldsida de Concreto Simples 595 13.6 Pedra de Revestimento 596 13.6.1 Placa de Pedra Natura1 - 596 13.6.2 Mosaico Português - 596 13.7 Soalho de Tacos - 596 13.7.1 Assentamento de Tacos de Soalho Procedimento de Execução de Serviço 596 13.7.1.1 Documentos de Referência 596 13.7.1.2 Materiais e Equipamentos 596 13.7.1.3 Método Executivo 597 13.7.1.3.1 Condições para o início dos serviços 597 13.7.1.3.2 Execução dos serviços 597 13.7.2 Cola (Branca) de Emulsão para Fixação de Tacos -597 13.7.3 Raspagem e Calafate 598 13.8 Soalho de Tábuas 598 13.9 Carpete (Tufif) c ForrwçSo (Agulhado) 598 13.10 Ladrilho Vinitico Sem iflcxívcl 602 13.11 Placa de Borracha Sintética 602 13.12 Piso Melaminico dc Alta Pressão (PMAP)... 603 13.12.1 Generalidades 603 13.12.2 Substrato Indicado 603 13.12.3 Adesivo Indicado 603 13.12.4 Fatores importantes para Boa Colagem 603 13.12.5 Aplicação sobre Base de Cimento e Areia 604 13.12.6 Instruções de Aplicação 604 13.12.7 instruções para Corte do PMAP —605 13.12.8 Características —605 13.13 Efloresccncia cm Revestimento de Piso de Área Impermeabilizada 605 14 RODAPÉ, S O L E I R A E P E I T O R IL 14.1 Rodapé de Madeira 609 14.2 Peitoril Pré-Moldado de Concreto 609 14.3 Soleira - 609 15 FERRAGEM PARA E S Q U A D R IA 15.1 Terminologia................. 613
  32. 32. 15.2 Generalidades.. <514 15.3 Fecho 614 15.4 Fechadura <514 15.5 Dobradiça 615 15.6 Pu v a dor 615 16 VIDRO 16.1 Generalidades 619 16.2 Tipos c Aplicaçiío 620 16.3 Vidro Plano Comum Impresso (Fantasia) 621 16.4 Vidro Plano Tem perado ....... 621 16.5 Vidro Plano Aramado .....62I 16.6 Vidro Laminado. - - - 621 16.7 Bloco de Vidro 622 17 PINTURA 17.1 Terminologia 627 17.2 Generalidades ..,..628 17.3 Pintura a Látex (PVA) 629 17.4 Pintura a Esmalte 630 17.4.1 Generalidades 630 17.4.2 Esmalte Sobre Superfície de Madeira „.„„...., 630 17.4.3 Esmalte Sobre Superfície Metálica 631 17.5 Pintura a Óleo 631 17.6 Pintura à Base de Cal 632 17.7 Pintura Lavável Multicolorida com Pigmentos 632 17.8 Pintura com Hidrofugante 633 17.9 Pintura com Verniz 633 17.10 Pintura de Madeira com Verniz Poliuretânico 633 17.11 Pintura com Tinta Epóxi 633 17.12 Repintura 634 17.12.1 Substratos Metálicos 634 17.12.2 Substrato a Base de Cimento (alvenaria revestida ou concreto) 634 17.12.2.1 Repintura Com Tinta Látex à Base de PVA ou Acrílica 634 17.12.2.2 Repintura Com Tinta à Base de Óleo ou Resina Alquídica 634 17.12.2.3 Repintura Com Tinta ã Base de Cimento ou Cal 635 17.12.3 Substrato de Madeira Pintada com Esmalte ou Verniz ...,.,„. 635 17.13 Princípios Gerais para a Execução de Pintura .......635 17.13.1 Limpeza - 635 17.13.2 Condições Ambientais Durante a Aplicação ..„„.„., 636 17.13.3 Pintura Interna Procedimento de Execução de Serviço 636 17.13.3.1 Doeu mentos dc Referência 636 17.13.3.2 Materiais e Equipamentos 636 17.13.3.3 Método Executivo 637 17.13.3.3.1 Condições para o inicio dos serviços 637 17.13.3.3.2 Execução dos serviços 637 17.13.4 Pintura Externa Procedimento de Execução de Serviço 639 17.13.4.1 Documentos de Referência 639 17.13.4.2 Materiais e Equipamentos 639 17.13.4.3 Método Executivo - 639 17.13.4.3.1 Condições para o inicio dos serviços 639 17.13.4.3.2 Execução dos serviços .....640
  33. 33. 17.14 Critérios de Medição ...640 18 A P A R E L H O S 18.1 Aparelhos Sanitários 18.1.1 Generalidades 18.1.2 Conjunto de Louça Sanitária 18.1.3 Caixa de Descarga A copiada a Bacia, 18.1.4 Válvula Fluxível de Descarga 18.1.5 Tanque de Lavar Roupa 18.1.6 Banheira com Hidromassagem 18.1.6.1 G enera I idades 18.1.6.2 Instruções de Uso..,.,.,, 18.1.7 Tanque de Pressurização de Agua 18.1.8 Triturador de Lixo 18.1.8.1 Generalidades 18.1.8.2 Instruções de Uso 18.1.9 Melais Sanitários - .. 18.1.9.1 Registro de Pressão. ,„„, ....... 18.1.9.2 Registro de Gaveta 18.1.9.3 Torneira 18.1.9.4 Chuveiro 18.1.9.5 Chuveiro Elétrico 18.1.9.6 Válvula de Escoamento 18.1.9.7 Sitòo. 18.1.9.8 Ducha de Crivo para Bidê 18.1.9.9 Misturador de Lavatório ou Pia 18.1.10 Banca de Pia de Aço Inoxidável 18.1.11 Colocação de Bancada, Louça e Metal Sanitário Procedimento de Execuç 18.1.11.1 Documentos de Referência 18.1.11.2 Materiais e Equipamentos „.„„., ........... 18.1.11.3 Método Executivo 18.1.11.3.1 Condições para o início dos serviços 18.1.11.3.2 Execuç3o dos serviços 18.2 Aparelhos Elétricos 18.2.1 Aparelho de Iluminação (Luminária) .„.„.., ...,»., ....... 18.2.2 Aquecedor Elétrico de Acumulação de Agua 18.2.3 Luminárias e Lâmpadas 18.2.3.1 Terminologia 18.2.3.1.1 Fontes de Luz 18.2.3.1.2 Componentes de Lâmpadas c Dispositivos Auxiliares 18.2.3.1.3 Luminárias e seus Componentes..., „.„.„„ 18.2.3.2 Lâmpada Incandescente 18.2.3.3 Lâmpada Relletora 18.2.3.4 Lâmpada Fluorescente Comum 18.2.3.5 Lâmpada a Vapor de Mercúrio 18.2.3.6 Lâmpada de Luz Mista 18.2.3.7 Lâmpada a Vapor Metálico 18.2.3.8 Lâmpada a Vapor de Sódio a Alta Pressão 18.2.3.9 Lâmpada Halógena 18.2.3.10 Lâmpada Dicraica 18.2.3.11 Lâmpada Fluorescente Compacta ão de 645 645 645 645 646 646 646 646 647 647 64S 648 648 649 649 650 650 650 650 651 651 651 651 652 Serviço 652 652 652 653 653 653 655 655 655 656 656 656 659 660 663 663 663 665 665 „„,„.,.„.665 665 666 666 666
  34. 34. 19 JARDIM 19.1 Preparo da Terra - 671 19.1.1 Em Canteiro no Solo <37! 19.12 Em Canteiro sobre Laje 671 19.2.1 Generalidades 671 19.2.2 Gramado 67! 20 LIMPEZA 20.1 De Ladrilhos Cerâmicos 675 20.2 De Mármore, Granito e Granilite ..,.„„.„..., ....„,.,..„ 675 20.3 De Ladrilhos Vinílicos Semiflesíveis ,...,.,. 675 20.4 De Cimentado Liso ou Áspero ......675 20.5 675 20.6 De Laminado Decorativo de Alta Pressão...,. 675 20.7 De Piso Melamíníco de Alia Pressão 675 20.« De Ferragem e Metais Sanitários.,,., .,.,.,676 20.9 De Esquadrias de Alumínio Anodizado 676 20,10 De Esquadrias Metálicas com Pintura Eletrostática com Poliéster em Pó 676 20.11 ......676 20.12 De Aparelhos Sanilários 676 20.13 De Pedra Decorativa 676 21 RESPONSABILIDADE S O B R E A E D I F I C A Ç ÃO 21.1 Arremates Finais,,,......,... ,.,......, ..,..679 21.2 Testes de Funcionamento ........679 21.3 Código de Defesa do Consumidor 679 21.4 Manual do Proprietário/Usuário e das Áreas Comuns,,,.. 679 21.4.1 introdução 679 21.4.2 Modelo de Manual 680 21.5 Prazos de Garantia de Edifícios Habitacionais de até cinco Pavimentos 729 21.6 Manutenção da Edificação 743 21.6.1 Terminologia 743 21.6.2 Elementos Necessários à Administração do Imóvel 743 21.6.2.1 Documentos Legalmente Autenticados 744 21.6.2.2 Outros Elementos 744 21.6.3 Âmbito da Manutenção da Edificação 744 21.6.4 Setores de Atividades dos Serviços de Manutenção 745 21.6.5 Atividades Não-Concernentes à Manutenção da Edificação 747 21.6.6 Gestão da Manutenção da Edificação 747 A N E X O S ..749 R E F E R Ê N C I A S B I B L I O G R Á F I C A S 757
  35. 35. 1 SERVIÇOS INICIAIS
  36. 36. 1 SERVIÇOS INICIAIS U - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DO TERRENO A plaina do levan lamento p Ian ialti métrico do imóvel deverá conter informações referentes á topografia, aos acidentes físicos, à vizinhança eaos logradouros. A elaboração da planta precisa serem escala conveniente, variando entre 1:100c 1:250. data do levantamento e assinatura do profissional que a executou. O levantamento planiâllimétrico partirá do alinhamento da via pública existente para o imóvel. Com referência á topografia do imóvel te rito de ser prestadas as seguintes informações: - indicação da linha norte-sul; - indicação das medidas de cada segmento do perímetro que define o imóvel, mostrando a extensão levantada e a constante do titulo de propriedade, para verificação de eventual divergência • tolerada de até 5% quanto às dimensões (planimetría e área) - convcnçíonando-sc cm a medida real de cada segmento e em " E " a medida da escritura; - indicação dos ângulos entre os segmentos que definem o perímetro do imóvel ou seus rumos; - demarcação do perímetro de edificações eventualmente existentes no imóvel: - se a comprovação de propriedade da área for constituída por mais de um título, deverão ser demarcados os vários imóveis que a compõem, relacionando-os com os títulos de propriedade, indicando suas áreas e os respectivos números de contribuinte do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano); - indicação da área rea! do imóvel resultante do levantamento, bem como da área constante do título de propriedade; - apresentação de curvas de nível, de metro em metro, devidamente coladas, ou de planos cotados (para caso de terreno que apresente desnível não superior a 2 m); - localização de árvores existentes, de caule (tronco) com diâmetro superior a 5 cm (medido a 1,3 m acima do terreno circundante - altura da peito) Lei 10,365 de 22^09/87 do Município dc São Paulo; - demarcação dc córregos ou quaisquer outros cursos de água existentes no imóvel ou em sua divisa; - demarcação de faixas n<m aedificandi (de não edificação) e galerias de águas pluviais existentes no imóvel ou em suas divisas; • indicação das cotas de nível na guia. nas extremidades da testada do imóvel. Com referência â vizinhança e ao(s) logradouro(s), necessitam ser prestadas as informações seguintes: - localização de postes, árvores, bocas-de-lobo, fiação e mobiliários urbanos existentes eiri frente ao imóvel; - indicação da largura do(s) logradouro(s), medida uo centro da testada cio imóvel e em vários pontos {no mínimo três) do trecho do logradouro, sc houver variação da medida, completando a indicação com a dimensão dos passeios; - código do logradouro onde se situa o imóvel e número dc contribuinte do IPTU; - inexistindo emplacamento do imóvel, deverão ser indicadas as distâncias compreendidas entre o eixo da entrada das edificações vizinhas e as divisas do imóvel, medidas no alinhamento, bein como as respectivas numerações de emplacamento (posição do lote na quadra em que se siltia); - cm caso de dúvida ou de inexistência de emplacamento dos imóveis vizinhos, deverá ser indicada a distância entre o imóvel c o inicio do logradouro ou a distância entre o imóvel c o eixo das vias trans-versais mais próximas; - indicação do tipo de pavimentação do(s) logradouros) e do(s) passeto(s) e do número do imóvel (se existir); - quando se tratar dc terrenos com acentuado aclive ou declive, o levantamento terá de conter dados ge-néricos de implantação das eventuais edificações vizinhas, correspondendo a uma faixa de. no mínimo, 3 m de largura ao longo das divisas.
  37. 37. 1.2 - ESTUDO GEOTÉCNICO 1.2.1 - SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO DO SOLO 1.2.1.1 - GENERALIDADES Para fins de projeto das fundações, deverão sei1 programadas no mínimo Sondagens a Percussão (SPT) de simples reconhecimento dos solos, abrangendo o número, a localização e a profundidade dos furos em função cie uma Referência de Nivel (RN) bem definidae protegida contra deslocamentos. As sondagens a percussão neces-sitam ser, no mínimo, de uma para cada 2ÜÜ mJ de área de projeção em planta da edificação, até 1200 ms de área. Entre 1200 ni* e 2400 m!, precisará ser feito um furo para cada 400 m- que excederem de 1200 m-. ENI quaisquer circunstâncias, o número mínimo de sondagens será: - dois para área de projeção em planta de edificação até 200 m1 - trás para área entre 200 mJ c 400 m1. Os furos de sondagem nâo poderão ser distribuídos ao longo do mesmo alinhamento. O resultado das sondagens terá de ser apresentado graficamente com a discriminação: do tipo de solo encontrado em cada ca-mada e sua consistência; da resistência oferecida A penetração do amostrador-padrão e do n(vcl de agua na data da perfuração. A sondagem de percussão - SPT (Standard Penctration Test) é realizada com um amostrador cravado por meio de golpes de um martelo de 65 kg em queda livre de 75 cm. Durante o ensaio é registrado o número de golpes necessários à penetração de cada 15 cm da camada investigada, além da observação das ca-racterísticas d o solo trazido no amostrador, O relatório final traz a planta de locação, a situação e a RN dos furos, a descrição das camadas do solo. o índice de resistência à penetração, o gráfico de resistência * profundidade, a classificação macroscópica das camadas, a profundidade e o limite da sondagem a percussão por furo e. ainda, a existência ou não de lenço! freático e o nível inicial e apôs 24 h. Sempre que as características da obra e/ou do terreno exigirem, será estabelecido um programa de investigação direta do subsolo, que inclua, conforme o caso, ensaios in lavo do tipo SPT-T (Standard Penetrai ion Test com Torque)'. possibilila informar o momento torsor entre amostrador c solo; CPT (Cone Penetrativa Test): consiste na cravação estática lenta cie um cone, mecânica ou elétrica, que armazena cm um computador os dados a cada 20 cm; sondagem rotativa: com uso de uma coroa amostradora de aço, na qual são eiicrustados pequenos diamantes; prexsiõmetro (para estabelecer estimativas de recalque ou para a previsão de capacidade de carga-l imite); cisai li amento de palheta (vane tçsty. uma palheta de seção cruci forme é cravada em argilas saturadas, de consistência mole, e é submetida ao torque necessário para cisalliar o solo por rotação etc. Nos casos em que houver necessidade de estudos aprofundados das condições de trabalho do terreno, o programa de investigação do subsolo deverá contar com a extração de amostras indejonnadas e consequentes análises laboratoriais, que determinem os limites de plasticidade e de liquidez, a granulonictria, a permeabilidade, a capilaridade etc, das camadas de interesse, Nos casos de obra pequena, poderão ser admitidos processos simples de investigação do subsolo, como a sondagem com trado-cavadeira (braça), para a obtenção dc amostras (então deformadas) e caracterização tátíl-visual. Os serviços de sondagem necessitam ser executados por empresa especializada, com o acompanhamento dc um consultor de mecânica dos solos, 1.2.1.2 - EXECUÇÃO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO ( S P T) 1.2,1.2.1 - APARELHAGEM A aparelhagem-padrão compõe-se dos seguintes elementos principais: * toire (ein geral tripé) com roldana • tubos de revestimento • sapalade revestimento * hastes de lavagem e penei ração
  38. 38. • amostrador-padrão • martelo padronizado para cravação do amostrador • cabeças de bater do tubo de revestimento e da haste de penetração * baldinho com válvula de pê • trépano (ferramenta de perfuração) de lavagem • trado-concha - irado helicoidal * medidor do nível de água * metro de balcão ou similar - trena • recipientes para amostras * bomba de água motorizada * martelo de saca-tubos e ferramentas gerais necessárias á operação da aparelhagem * opcionalmente, o equipamento poderá ter guincho motorizado e/ou sarilho manual O trado-concha deve ter (i(K}±5) mm de diâmetro. Os tubos de revestimento precisam ser de aço, com diâmetro nominal interno de 67 mm ou de 76 mm, O trado helicoidal lera diâmetro mínimo de 56 mm e máximo de 62 mm, quando da utilização do tubo de revestimento de diâmetro interno de 67 mm e diâmetro mínimo de 67 mm c máximo de 73 mm, quando da utilização do tubo de revestimento de diâmetro interno de 76 mm. O trépano de lavagem tem de ser constituído por peça de aço terminada em bisel e dotada de duas saídas laterais para a água. A lâmina do trépano, conforme os tubos de revestimento descritos acima, necessita ter 62 mm ou 73 mm de largura e o comprimento mínimo de 200 mm. A composição de perfuração tem de ser constituída de tubos de aço com diâmetro nominal interno dc 25 mm c massa teórica de 3,23 kg por metro, As hastes precisam ser relilíneas e dotadas de roscas em bom estado. Quando acopladas por luvas apertadas, elas devem formar um conjunto retilíneo. A composição das hastes será utilizada tanto acoplada ao trépano de lavagem quanto ao trado helicoidal e ao a mostrador. A cabeça de bater das hastes de penetração, destinada a receber o impacto direto do martelo, é constituída por tarugo de aço dc 0 «3 mm c 0(1 mm dc altura, o qual é atarraxado ao topo das hastes, O amostrador-padrâo a ser utilizado, de diâmetro externo de 50.8 mm e interno de 34,9 mm, tem rigorosamente a forma e dimensões indicadas nas normas técnicas, possuindo ou não corpo bipartido. A sapata ou bico do amostrador é de aço temperado c substituída sempre que estiver gasta ou danificada. A cabeça do amostrador tem dois orifícios laterais para saida de água e do ar, e contém, interiormente, uma válvula constituída por esfera de aço recoberta de material inoxidável. O martelo padronizado, para cravação das hastes de perfuração e dos tubos de revesti mento, consiste de uma massa de ferro de 65 kg, de forma prismática ou cilíndrica. Encaixado na parte inferior do martelo, possui um coxim de madeira dura, O martelo padronizado, quando maciço, tem uma haste-guia de 1,2 m de comprimento, fixada á sua parle inferior, para assegurar a centralização da sua queda, e na qual há uma marca visível distando de 75 cm da base do peso, O martelo, quando vazado, possui um furo central de O 44 mm. Nesse caso. a cabeça de bater é dotada, na sua parte superior, de uma haste-guia de 0 33,4 mm e 1.2 m de comprimento, ena qual há uma marca distando 75 em do topo da cabeça de bater. As hastes-guias do martelo precisam estar perfeitamente alinhadas e ortogonais á superfície que recebe o impacto. 1,2.1,2,2 - REALIZAÇÃO DO ENSAIO Processos de Perfuração A sondagem é iniciada com emprego do trado-concha ou cavadeira manual até a profundidade de 1 m, seguindo a instalação, até essa profundidade, do primeiro segmento do tubo de revestimento dotado de sapata cortante, Nas operações subsequentes de perfuração, intercaladas às operações de amostragem, é utilizado trado helicoidal até atingir » nível dc água freático. Quando o avanço da perfuração, com emprego do irado hei te o ida I. for inferior a 50 mm após 10 min de operação, ou no caso de solos aderentes ao trado, passa-se ao método de perfuração por circulação de água, também denominado por lavagem. Esses casos, considerados especiais, devem ser devidamente justificados no relatório, A operação de perfuração por circulação de água é realizada utilizando o trépano de lavagem como ferramenta de escavação e a remoção do material
  39. 39. escavado por meio dc circulação de agita feita pela bomba de água motorizada, mediante a composição dás hastes de perfuração. A operação consiste na elevação da composição de lavagem em cerca de 30 cm do fundo do furo, e sua queda tem de ser acompanhada de movimento de rotação, imprimido manualmente peio operador. Recomenda-sc que, ã medida que sc for aproximando da cota de amostragem, essa altura seja progressivamente diminuída. Quando sc atingir a cota de amostragem, o conjunto de lavagem precisa ser suspenso à altura de 20 cm do fundo do furo. mantendo a circulação de água por tempo suficiente, até que lodos os detritos da perfuração tenham sido removidos do interior do furo. Toda vez que for descida a composição de perfuração com o trépano e instalado um novo segmento do tubo de revestimento, am-bos serão medidos com precisão de 10 mm. Durante as operações de perfuração, caso a parede do furo se mostre instável, é obrigatória, para amostragens subsequentes, a descida do tubo de revestimento até onde se fizer necessário, alternadamente com a operação de perfuração. Atenção especial será dada para não descer o tubo de revestimento a profundidades além do fundo do furo aberto. O lubode revestimento necessita ficar no mínimo a 50 cm do fundo, quando da operação de amostragem. Somente em casos de fluência do solo para o interior do furo é admitido deixá-lo à mesma profundidade do fundo do furo, Km casos especiais de sondagens profundas cm solos instáveis, onde a descida c/ou a posterior remoção dos tubos de revestimento for problemática, podem ser empregadas lamas de estabilização em lugar de tubo de revestimento, Esses casos serão anotados na folha de campo. Durante a operação de perfuração devem ser registradas as profundidades das transições de camadas detectadas por exame tátil-visual e da mudança de coloração dos materiais trazidos á boca do furo pelo trado helicoidal ou pela água de lavagem. Durante todas as operações da sondagem leni de ser mantido o nível dc água no interior do furo cm cola igual ou superior á do nível do lençol freático. Antes de retirar a composição dc perfuração, com o trado helicoidal ou com o trépano de lavagem apoiado no fundo do furo, será feita uma marca na haste à altura da boca do revestimento, para que seja medida, com precisão de 10 mm, a profundidade em que se apoiará o amostrador na operação de amostragem. Amostragem Tem de ser coletada, para exame posterior, uma parte representai iva do solo colhida pelo trado-concha durante a perfuração até t m de profundidade. A cada metro de perfuração, a conlarde t m de profundidade, serão colhidas amostras dos solos por meio do amostrador-padrão. As amostras colhidas serão imediata-mente acondicionadas cm recipientes herméticos c de dimensões tais que permitam receber, pelo menos, um cilindro de solo dc 60 mm de altura, colhido intacto do interior do amostrador. Os recipientes podem ser de vidro ou plástico com tampas plásticas, ou sacos plásticos. Havendo perda da amostra na operação de subida da composição das hnsles. é necessário ser empregado amostrador de janela lateral para collieiia de amostra representativa do solo. Caso haja insucesso nessa tentativa, na operação imediata de avanço do furo por lava-gem, será colhida, separadamente, na bica do tubo de revestimento, uma porção de água de circulação c. por sedimentação, colhidos os detritos do solo. Ocorrendo camadas distintas na coluna do solo amostrado, serão colhidas amostras representativas e colocadas em recipientes distintos, tal como acima descrito. Os recipientes das amostras têm de ser providos de urna etiqueta, na qual, escritos com tinta indelével, constarão: * designação ou número do trabalho * local da obra • número de ordein da sondagem * número de ordem da amostra * profundidade da amostra • número de golpes do ensaio de penetração Os recipientes das amostras serão acondiconados em caixas ou sacos, com etíquelas em que constarão a designação da obra e o número da sondagem. As caixas, ou sacos, devem permanecer permanentemente pro-tegidos do sol e da chuva. As amostras serão conservadas no laboratório, à disposição da construtora, por um período de 30 d, a contar da data da apresentação do relatório.
  40. 40. Ensaio de Penetração Dinâmica O amostrador-padrão, conectado às liastes de perfuração, precisa descer livremente no furo de sondagem até ser apoiado suavemente no fundo. Estacionado o amostrador, confere-se a profundidade com medida feita com a liaste de perfuração, conforme item anterior Processos de Perfuração. Caso a medida não confira, ficando o amostrador acima da cota além da diferença de 10 cm, será retirada a composição de amostragem e repetida a operação de limpeza do furo. Posicionado o amostrador c colocada a cabeça de bater no topo da liaste, o martelo será apoiado suavemente sobre a cabeça de bater, anotando a eventual penetração do amostrador no sob. Utilizando o topo do tubo de revesti mento com o referencia, in arca-se na haste de perfuração, com giz, um segmento de 45 em dividido em três trechos, Para efetuar a cravação do amostrador-padrão, o martelo tem de ser erguido até a altura de 75 cm, marcada nas bastes-guias, por meio de corda flexível que se encaixa com folga no sulco da roldana. E necessário ser observado que os eixos de simetria do martelo e da composição do amostrador devem ser rigorosamente coincidentes. Precauções espe-ciais serão tomadas para evitar que. durante a queda livre do martelo, haja perda de energia de cravação por atrito, principalmente nos equipamentos mecanizados, que são dotados de dispositivo disparador que garanta a queda totalmente livre do martelo. O ensaio de penetração consiste na cravação do barrilete amostrador no solo, por meio de quedas sucessivas do martelo. Não tendo ocorrida penetração igual ou maior que 45 cm no procedimento já descrito, inicia-se a cravação do barrilete por meio de impactos sucessivos do martelo, até a cravação de 45 cm do amostrador, Será anotado, separadamente, o número de golpes necessários á cravação de cada 15 cm do amostrador. A penetração obtida, conforme descrito, corresponderá a zero golpe. 5o apenas com um golpe do niEirtelo, o amostrador penetrar mais que 15 cm, anota-se a penetração obtida. O processo de perfuração por lavagem, associado aos ensaios penetrométricos, será utilizado até onde se obtiver, nesses ensaios, uma das seguintes condições; * quando, em 3 m sucessivos, forem obtidos índices de penetração maiores que 45/15 * quando, em 4 m sucessivos, forem obtidos índices de penetração entre 45''15 e 45/30 * quando, em 5 m sucessivos, forem obtidos índices de penetração entre 45/30 e 45/45 Dependendo do tipo da obra, das cargas a serem transmitidas ãs fundações e da natureza do subsolo, será admitida a paralisação da sondagem a percussão em solos de menor resistência à penetração do que aquela discriminada conforme acima, desde que haja uma justificativa geotécnica. Durante o ensaio penetrométrico, caso a penetração seja nula dentro da precisão da medida na sequ-ência de cinco impactos do martelo, o ensaio tem de ser interrompido, não havendo necessidade de obedecer ao critério acima estabelecido. Ca.so ocorra a situação descrita imediatamente acima antes da profundidade de íí m. a sondagem precisa ser deslocada até o máximo de quatro vezes em posições diametralmente opostas a 2 IH da sondagem inicial. Ensaios de Avanço da Perfuração por Lavagem Quando forem atingidas as condições acima descritas e após a retirada da composição com o amostrador, pode ser executado, a seguir, um ensaio de avanço da perfuração por lavagem. Esse ensaio consiste no emprego do procedimento já anteriormente descrito, o ensaio lerá duração dc 30 min, devendo ser anotados os avanços do trépano obtidos em cada período de 10 min. A sondagem será dada por encerrada quando, no ensaio de avanço da perfuração por lavagem, forem obtidos avanços inferiores a 5 cm em cada período de 10 min, ou quando após a serem feitos 4 ensaios consecutivos não for alcançada a profundidade de execução do ensaio penetrométrico. Ocorrendo esses casos, no relatório constará a designação de impenetrável ao Trépano. Caso haja necessidade técnica de continuara investigação do subsolo em profundidades superiores àquelas acima limitadas, o processo dc perfuração por trépano e circulação dc água tem de ser abandonado, podendo a perfuração ser prosseguida por método rotativo, após entendimentos entre a empresa responsável pela execução das sondagens e o consultor especialista em mecânica dos solos. Observação do Nível dc Agua Freático Durante a perfuração com o auxilio do trado helicoidal, o operador precisa estar alenlo a qualquer aumento apa-raile da umidade do solo, indicativo da presença próxima do nível de água, bem como um indicio mais forte, tal corno:
  41. 41. estar molhado um determinado trecho inferior do trado espirai, comprovando ler sido atravessado um nível de água. Nessa oportunidade, interrompe-se a operação de perfuração e passa-se a observar a elevação cio nível de água no furo. efetuando leituras a cada 5 min. durante 30 min. Sempre que ocorram paralisações na execução das sondagens, anies do seu reinídoé obrigatória a medida da posição do nível de água. bem como a profundidade do tubo de revestimento. Sendo observados níveis de água variáveis durante o dia, essa variação será anotada. No caso de ocomer pressão de artesianismo no lençol freático ou fuga de água no furo. têm de ser anotadas as profundidades das ocorrências e do tubo de revestimento. Após o término da sondagem, será leito o esgotamento do furo até o nível dc água com auxílio do baldínho, procedendo a seguir conforme acima descrito. Após o encerramento da sondagem e a retirada do tubo de revestimento, decorridas 24 h, e estando o furo ainda aberto, serâ medida a posição do nível dc água. 1.2.1.2.3 - RESULTADOS Relatório de Campo Nas folhas dc anotação de campo serão registrados: • nome d EI empresa de sondagem e da construtora ' número do trabalho * local do terreno * número de ordem da sondagem * cota de nível da boca do furo em relação a uma referência de nível (RN) fixa e bem defini-da • dam de início e de término da sondagem • métodos de perfuração empregados e profundidades respectivas (TC-Trado-Concha; TH-Trado Helicoidal; CA-Circulação de Agua) * avanços do lubo de revestimento • profundidades das mudanças das camadas de solo e do final da sondagem • numeração e profundidade das amostras colhidas no barriIcte amostrador • anotação das amostras colhidas por lavagem quando não for obtida recuperação da amostra - descrição látil-visual das amostras, na sequência: a) textura principal e secundária b) origem (orgânica, turfosa, marinha ou residual) c) cor (no caso de solo dc várias cores, utilizar o termo variegado/a e indicar, entre parênteses. a cor predominante} • número de golpes necessários â cravação de cada 15 cm do amostrador ou as penetrações obtidas conforme o item 1.2.! ,2,2. Ensaio de Penetração Dinâmica * resullados dos ensaios de avanço de perfuração por lavagem, conforme o item 1,2.1,2.2, Ensaios dc Avanço da Perfuração por Lavagem * anotações sobre a posição do nível de água. com data, hora e profundidade, e respectiva posição do revestimento * nome do operador e vistos do fiscal • outras informações colhidas durante a execução da sondagem, se julgadas de interesse. As anotações serão levadas às folhas dc campo assim que colhidos os dados. Os relatórios de campo têm de ser conservados â disposição da construtora, por um período de 30 d, a coutar da data da apresentação do relatório, Relatório (para o cliente) Os resultados das sondagens de simples reconhecimento precisam ser apresentados em relatórios, numerados, datados e assinados por responsável lécnico pelo trabalho perante o Conselho Regional de
  42. 42. Engenharia, Arquitetura e Agronomia-CREA, O relatório scrã apresentado cm formato A4. Constarão do relatório; * nome da construtora/cliente * local c natureza da obra - descrição sumária do método e dos equipamentos empregados na realização das sondagens * total perfurado, em metros * declaração de que foram obedecidas as Normas Técnicas Brasileiras relativas ao assumo * outras observações e comentários, se julgados importantes * referências aos desenhos constantes do relatório Anexo ao relatório acompanhará desenho, contendo; * planta do local da obra, cotada e amarrada a referências facilmente encontradas e pouco mu-táveis (logradouros públicos, acidentes geográficos, marcos topográficos etc), de forma a não deixar dúvidas quanto à sua localização; - nessa planta constará a localização das sondagens cotadas e amarradas a elementos fixos e bem definidos no terreno. A planta conterá, ainda, a posição da referência de nível (RN) tomada para o nivelamento da boca das sondagens, bem como a descrição sumária do elemento físico tomado como RN. O resultado das sondagens é apresentado em desenho(s) contendo o perfil individual de cada sondagem c/ou seções do subsolo, no qual é necessário constar, obrigatoriamente: * o nome da empresa executora das sondagens, o nome da construtora/cliente, local da obra, indicação do número do trabalho e os vistos do desenhista e do engenheiro ou geólogo res-ponsável peto trabalho; * diâmetro do tubo de revestimento e do amostrador empregados na execução das sondagens; * número de ordem da(s) soudagein(s); * cola dc nível da boca do(s) furo{s) de sondagem, com precisão de I cm; * linhas horizontais cotadas a cada 5 m em relação à referência de nível; - posição das amostras colhidas, tendo de ser indicadas as amostras não recuperadas e os detritos colhidos por sedimentação; * as profundidades, em iclação à boca do furo, das transições das camadas c do final das sondagens; * os índices de resistência à penetração, calculados como sendo a soma do número de golpes necessários ã penetração, no solo, dos 30 cm finais do amostrador, não ocorrendo a penetração dos 4.s cm do amostrador, o resultado do ensaio penetrométrico será apresentado na forma de frações ordinárias, contendo, no numerador, o número de golpes e, no denominador, as penetrações, em centímetros, obtidas na sequência do ensaio; * identificação dos solos amostrados, utilizando as Normas Técnicas Brasileiras; * a posição do(s) nível(is) de água encontrado(s) c a(s) respcctiva(s) data(s) de observação. Indicação se houve pressão ou perda de água durante a perfuração; * convenção gráfica dos solos que compõem as camadas do subsolo como prescrito nas Normas Técnicas Brasileiras; * datas de início e término de cada sondagem; * indicação dos processos de perfuração empregados (TH-Trado Helicoidal, CA-Circulação de Água) e respectivos trechos, bem como as posições sucessivas do tubo de revestimento. As sondagens serão desenhadas na escala vertical de 1: 100. Somente nos casos de sondagens profundas e em subsolos muito homogêneos poderá ser empregada escala mais reduzida.
  43. 43. 1.2.2 - ROCHAS C SOLOS - TERMINOLOGIA 1.2.2.1 - ROCHAS Materiais constituintes essenciais da crosta terrestre provenientes da solidificação do magma ou de lavas vulcânicas ou da consolidação de depósitos sedimentares, tendo ou não soírido transformações metamórficas. Esses materiais apresentam elevada resistência, somente modificável por contatos com ar ou água cm casos especiais. As rochas são designadas pela sua nomenclatura corrente em geologia, mencionando, sempre que possível, estado de fraturamento e alteração. Tratando-se de ocorrências de rochas de dimensões limitadas, são empregados os seguintes termos; * bloco de rocha: pedaço isoiado de rocha tendo diâmetro superior a I m • matacão: pedaço de rocha lendo diâmetro médio superior a 25 cm c inferior a 1 m • pedra: pedaço de roclia lendo diâmetro médio compreendido entre 7.6 cm e 25 cm Rocha alterada c aquela que se apresenta, pelo exame macroscópico ou elementos mineralógicos cons-tituintes, lendo geralmente diminuídas suas características originais de resistência, 1.2.2.2 - SOLOS Materiais constituintes essenciais da crosta terrestre provenientes da decomposição in situ das rochas pelos diversos agentes geológicos, ou pela sedimentação não consolidada dos grãos elementares constituintes das rochas, com adição eventual de partículas fibrosas de material carbonoso e matéria orgânica no estado coloidal. Os solos são identificados por sua textura, composição granulotuétrica. plasticidade, consistência ou compacidade, citando-se outras propriedades que auxiliam sua identificação, como: estrutura, forma dos grãos, cor, cheiro, inabilidade, presença dc outros materiais (conchas, materiais vegetais, mica ctc). Consideram-se: 1.2.2.2.1 - PEDREGULHOS Solos cujas propriedades dominantes são devidas â sua parte constituída pelos grãos minerais de diâmetro máximo superior a 4.R mm e inferior a 76 mm. São caracterizados pela sua texlura, compacidade e forma dos grãos, 1.2.2.2.2 - /Uf/AS Solos cujas propriedades dominantes são devidas à sua parte constituída pelos minerais de diâmetro máximo superiora 0.05 mm e inferior a 4,8 mm. São caracterizados pela sua lextura. compacidade e forma dos grãos. Quanto á textura, a areia pode ser: • gj-ossa: quando os grãos acima referidos têm diâmetro máximo compreendido enlre 2,00 mm e 4,80 mm • média: quando os giãos acima referidos têm diâmetro máximo compreendido entre 0.42 mm e 2,00 mm 'fim: quando os grãos acima referidos têm diâmetro máximo compreendido entre 0,05 mm e 0,42 mm Quanto à compacidade, a areia pode ser: • Ibla (pouco compactada) * medianamente compacta * compacta Qualitativamente, a compacidade pode ser estimada peta dificuldade relativa de escavação ou de pene-tração dc um instrumento de sondagem (como seja, a resistência â penetração de um barrilctc amostrador).

×