O FUTURO DA PSICOLOGIA
JURÍDICA NO BRASIL
Muito se tem questionado sobre a Avaliação
Psicológica, uso de
instrumentos, fidedignidade, confiabilidade. Na
área da Psi...
A elaboração do psicodiagnóstico estava
associada a “instrumentos que forneciam dados
matematicamente comprováveis para
or...
Os psicólogos jurídicos hoje precisam ultrapassar
essa prática pericial, buscando atividades que
promovam a possibilidade ...
Algumas considerações a respeito da realização
do processo de avaliação psicológica na área
jurídica apresentadas por ser ...
- A avaliação psicológica na área jurídica pode
ou não utilizar instrumentos psicométricos ou
projetivos, que se constitue...
Com a advento da Constituição Brasileira de
1988 formalizou-se o conceito de “DANO
MORAL”, que abriu a possibilidade de
re...
Se quer demonstrar hoje não apenas as
mudanças no fazer da avaliação
psicológica, cuja exigência é que seja realizada
dent...
A crescente “judicialização” dos conflitos
interpessoais e das mudanças sociais na
dinâmica familiar, com instabilidades n...
Material retirado do livro: Psicologia Jurídica:
perspectivas teóricas e processos de intervenção
de Sonia L. R. Rovinsky ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Psicologia jurídica no basil

428 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
428
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicologia jurídica no basil

  1. 1. O FUTURO DA PSICOLOGIA JURÍDICA NO BRASIL
  2. 2. Muito se tem questionado sobre a Avaliação Psicológica, uso de instrumentos, fidedignidade, confiabilidade. Na área da Psicologia Jurídica esse movimento tem sido repetitivo em relação a avaliação, quando se questiona o valor do trabalho da perícia, realizado em instituições judiciais.
  3. 3. A elaboração do psicodiagnóstico estava associada a “instrumentos que forneciam dados matematicamente comprováveis para orientação dos operadores do Direito., em que o trabalho se caracterizava como o de “Psicometrista” e do qual se gerariam laudos e informações, que facilitavam a exclusão e segregação dos mais vulmeráveis.
  4. 4. Os psicólogos jurídicos hoje precisam ultrapassar essa prática pericial, buscando atividades que promovam a possibilidade de abordarem questões da subjetividade humana, as particularidades do sujeito e das relações nos problemas psicossociais. Profissionais que vêm trabalhando hoje no campo da avaliação psicológica, na área jurídica, têm procurado contestar essas críticas, salientando a importância com uma via de expressão da subjetividade em sujeitos envolvidos no processo judicial
  5. 5. Algumas considerações a respeito da realização do processo de avaliação psicológica na área jurídica apresentadas por ser uma demanda significativa do Judiciário: - A atividade de avaliação forense atual é extremamente ampla, envolvendo temas muito distintos, e não pode ser comparada ao trabalho inicial dos psicometrista.
  6. 6. - A avaliação psicológica na área jurídica pode ou não utilizar instrumentos psicométricos ou projetivos, que se constituem apenas em elementos auxiliares ao diagnóstico. - Da mesma forma quando se utiliza a palavra “diagnóstico”, principalmente no contexto forense, não se está referindo, necessariamente, a uma entidade nosológica, mas a uma compreensão psicológica mais ampla e aprofundada do fenômeno que nos foi apresentado.
  7. 7. Com a advento da Constituição Brasileira de 1988 formalizou-se o conceito de “DANO MORAL”, que abriu a possibilidade de ressarcimento financeiro de pessoas lesionadas em seu patrimônio psíquico. Nesta situação, o psicólogo tem a possibilidade de levar aos autos do processo judicial a realidade psicológica da vítima.
  8. 8. Se quer demonstrar hoje não apenas as mudanças no fazer da avaliação psicológica, cuja exigência é que seja realizada dentro de procedimentos técnicos e éticos, que ultrapassem as possibilidades atuais do conhecimento psicológico. Hoje, a proposta é salientar a importância das mudanças sociais e das transformações das normas legais que trazem demandas diferenciadas aos técnicos da área jurídica.
  9. 9. A crescente “judicialização” dos conflitos interpessoais e das mudanças sociais na dinâmica familiar, com instabilidades nos vínculos em maior proporção, produzem problemáticas diferenciada e novas. Exigindo do psicólogo a flexibilização e ampliação de suas intervenções para responder as necessidades atuais.
  10. 10. Material retirado do livro: Psicologia Jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção de Sonia L. R. Rovinsky e Roberto M. Cruz. São Paulo: Editora Vetor, 2009.

×