Oligoelementos

3.848 visualizações

Publicada em

Uma apresentação sobre os oligoelementos fabricados pelo Laboratório Fisioquantic

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.848
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
386
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
160
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oligoelementos

  1. 1. ION QUÂNTIC OLIGOELEMENTOSBIOCATALÍTICOS QUELADOS SUPLEMENTOS MINERAIS
  2. 2. Desde que o homem aprendeu a conhecer os metais, estes tornaram-se úteis eaté indispensáveis companheiros ao longo da história, primeiro como utensíliosna vida quotidiana e depois, especialmente os mais belos, como ornamentos oupara a construção de objetos utilizados nas práticas mágico-religiosas e,também para a cura de algumas doenças.Também a alquimia e as práticas com ela relacionadas na antiguidade, forampercursoras na relação da vida com os metais.A descoberta de componentes químicos de metais no organismo indispensáveisa vida, fez voltar a cena o misterioso mundo das energias sutis que tem vindopouco a pouco a ser redescoberto e a consolidar a sua utilização.
  3. 3. O termo "Catálise" foi introduzido na química mineral por Berzelius no séculoXIX e é:O processo em que a velocidade de uma reação é influenciada pela simplespresença de um agente, que permanece químicamente intacto.Foram no entanto as pesquisas começadas em 1897 por Gabriel Bertrand quecolocaram em evidência os catalizadores como fazendo parte dosmicronutrientes essênciais a vida, sendo a sua carência origem de doenças.Os trabalhos de Gabriel Bertrand visavam sobretudo a agricultura e a medicinaveterinária.A sistematização da oligoterapia como técnica credível deve-se contudo aJacques Ménétrier que em 1932 a aplica ao seu estudo das diáteses - acatálise biológica.Comprovando que o uso clínico dos oligoelementos corrigiu o terreno biológicodos pacientes, impedindo o aparecimento de doenças em sua forma lesionalJacques Menétriér foi o idealizador da “Medicina das Funções”, com a propostainovadora na época, de tratar o paciente num estado entre a saúde e a doença,ou seja, no nível funcional.
  4. 4. Cada organismo é um sistema de trocas e adquire uma orientaçãodependendo de seus contatos com o meio ambienteOs meios interiores podem perder suas qualidades e reagir contraas modificações do seu equilíbrio- este é o fundamento das diátesesA diátese exprime uma evolução metabólicaUma diátese exprime uma transição entre o estado de saúde e oestado lesional.A avaliação diatésica sistemática leva em consideração :* O comportamento geral (físico, intelectual psicológico, sono)* Os sintomas funcionais* As evoluções patológicas
  5. 5. As diáteses fundamentais são:1. Alérgico2. Hipostênico3. Distônico4. Anérgico5- Desadaptação
  6. 6. DIATESE IÉ uma diatese constitucional.Predomina nos jovens e adolescentes.Os fenômenos patológicos são agudos mas raramente são graves.Costuma evoluir com mais frequência para a diátese III (distônica).Há um excesso de reações tanto comportamentais como sintomáticas.Sinais comportamentais da Diátese ICansaço matinal (dificil de acordar)Hiper-atividade para o fim do dia ( euforia noturna)Fadiga que desaparece com o esforço (melhora com exercícios)Geralmente são magros, agitados, apressados, otimistas, idealizadoras,Afetivas,Nervosas, agressivas, dinâmicas, emotivas, explosiavas e nãoGuardam rancores.
  7. 7. Semiologias da Diátese IAlérgica Eczemas, Urticária de repetição, Asma alérgica, Sinusite alérgicaCardiovascular Précordialgias, Taquicardia emocional, HipotensãoDigestiva Nauseas, Digestões lentas, Vomitos, ColiteEndócrina Disfunção tireoide (hiper)Uro-Genital Dismenorreia, Urina ácidaFaneras Unhas quebradiças, Queda de cabelo, Artrite dentáriaReumatológica Dores reflexas, Artrites agudas não deformantes, Ciática, Lombalgias.
  8. 8. DIATESE IIÉ uma diatese constitucional.Trata-se de um indivíduo calmo, ponderado, metódico,pessimista,organizado, que apresenta astenia progressiva durante odia, com necessidade de muito repouso, não gosta de imprevistose organiza seu tempo para descansar.Astenia cresce com o passar do dia.Apresenta predisposição para desequilibrios do tipo infeccioso derepetição, especialmente vias respiratóriasMais inclinado à reflexão, comedido, pessimista.Geralmente indiferente ao meio ( parece não se interessar por nada)Todo paciente hipostenico é intolerante a lactose.
  9. 9. Sinais comportamentais da Diátese IIFadiga progressiva por falta de resistênciaFatigável com o esforçoMá memória por falta de resistênciaMedianamente enérgicoTendência á reflexãoCalmo,Cauteloso, organizado, introvertido, não gosta deimprevistos.Sono muito bom (dorme cedo e acorda bem)
  10. 10. Semiologias da Diátese IIRespiratória Rinites, Faringites, Laringites, Traqueítes, Bronquites, SinusitesLinfática AdenitesSistema Digestivo Perturb. duodenais, Enterocolite, Alternância de Diarreia e ObstipaçãoUro-Genital Cistites ligeiras reincidentes, DismenorreiasEndócrina HipotiroidismoReticulo-Endotelial Anemia com LeucopeniaOsteo-Articular Atraso na ossificação, Laxidez ligamentarPele Prurido, Eritemas polimorfos, Acne, Psoríase
  11. 11. DIATESE IIIEsta diátese aparece normalmente no adulto, raramente é constitucional.Geralmente é a evolução da Diátese I (Diatese Alérgica não tratada).É um sinal de alarme para o médico, pois a instalação de disfunçãoorgânica de degeneração dá início a processos não curáveis.Sinais comportamentais da Diátese IIIFadiga de manhã, voltando ao fim da tarde.Má memória que se acentua progressivamenteLigeiro pessimismo com ansiedadeSono mau com ansiedade,tem facilidade de iniciar o sono, porém acordano meio da noite e tem dificuldade de dormir novamente.
  12. 12. Semiologias da Diátese IIINeuro-Vegetativa Espasmos epigástricos, Inchaço das extremidades, Hemicranianas difusasCirculatória Hemorroidas, Pernas pesadas, Edemas dos membros inferiores, Varizes, PrecordialgiasDigestivos Aerofagia, Dispepsia, Gastrite, Colite espasmódica direitaOsteo-Articular Algo-Neuro-Distrofias, Artrose, Estados gotososPele Urticária crónica, Eczema crónico, LíquenUro-Genitais Oliguria, Uremia, Menopausa
  13. 13. DIATESE IVEsta diátese nunca é constitucional. Geralmente é uma evolução dasdiáteses precedentes e, normalmente muito grave.Paciente é levado ao consultório.Pode desencadear por excesso de toxinas ambientais, farmacológicas,virais, bacterianas, fúngicas e emocionais.Paciente é levado ao consultório.Diminuição da vitalidade, anergia, falta de vitalidade e ausência de defesaimunológica.Vários graus de desgosto da existência, sinais de reações depressivas comdesejo de morte.Importante diminuição da memória e do sono.Perda total do apetite sexual.
  14. 14. Sinais comportamentais da Diátese IVFadiga permanenteMá memóriaDesconcentraçãoFalta de energiaPessimismo com depressãoApático e confusoSono mau com pesadelos
  15. 15. Semiologias da Diátese IVInfecciosa Infecções de repetição, Otites, Anginas, Cistites, Febre inexplicávelOsteo-Articulares Reumatismo evolutivo, OsteomielitesPele Furunculos de repetição, Acne, AntrazEmocional Sindrome do pânico
  16. 16. DIATESE VNão é propriamente uma Diátese ou síndrome, trata-se de umadesadaptação endócrina e/ou hipófiso-suprarenal, umamodalidade "reacional" ao agravamento dos sintomas de umadas Diáteses anterioresHá um desequilíbrio na esfera endócrina,com indicativos dedesadaptação hipófiso-genital e/ou Hipófiso-pancreática.Comumente apresenta alterações de peso (efeito sanfona),sintomas relacionados com alterações de metabolismoglicêmico (prédisposição para desencadear síndromeplurimetabólica), no sexo feminino, frequentemente apresentadisfunções ovarianas e do ciclo menstrual.No sexo masculino, pode apresentar alterações funcionaisligadas a próstata.É comum esses indivíduos desencadearem intolerânciasalimentares no curso da evolução dessa síndrome.
  17. 17. Sinais Comportamentais da Diátese VQuebra súbita e momentânea de energia.Fome violenta.Aumento de peso súbito.EnureseDiminuição da potência sexual ( frigidez e esterilidade)Sonolência
  18. 18. Semiologias da Diátese VDisfunçöes Endócrinas: Hipofiso-Genital Disturbios menstruais, Menopausa Hipofiso-Suprarenal Com Impotência, Com Frigidez Hipofiso-Pancreático Hipoglicémia, Disturbios digestivos Sindroma prostático
  19. 19. SUPLEMENTOS MINERAIS QUELADOSO funcionamento do organismo depende de diversos elementos que sãoingeridos, os nutrientes.Dentre estes nutrientes destacam-se os sais minerais, substâncias nãoorgânicas de extrema importância para a saúde como um todo.A suplementação mineral através de um elemento quelado torna-seaindamais importante, pois o processo de quelação faz com que a absorçãodomineral seja mais rápida e completa, aumentando assim seu benefícionutritivo.A ligação a um aminoácido protege o mineral de reações indesejáveisque possam ocorrer antes do processo de absorção nos diferentes locaisdo organismo.
  20. 20. CÁLCIOÉ um dos elementos mais abundantes do organismo. Possuiimportante função na regulação de diversos processos fisiológicos,como na integridade das células nervosas e musculares, na funçãocardíaca e, principalmente, na formação de dentes e ossos. Até os 30anos de idade o cálcio é de extrema importância, pois nesse períodoocorre a formação óssea do corpo. Com o avançar da idade, o serhumano perde gradativamente massa óssea, e então a falta de cálcioestá relacionada a uma doença muito comum que atinge os ossos, aosteoporose. Além disso, o cálcio atua ainda como um co-fatorenzimático e participa nos processos de secreção e excreção dasglândulas endócrinas e exócrinas, na liberação de neurotransmissores,na coagulação sanguínea e na manutenção da permeabilidade demembrana, da função renal e da respiração. A deficiência de cálcio pode provocar raquitismo, falhas nomecanismo da coagulação sanguínea, distúrbios nervosos econtrações musculares convulsivas. A suplementação mineral comcálcio quelato torna-se importante também durante a gravidez e emcasos de deficiência de vitamina D.
  21. 21. COBREO cobre é um elemento mineral que desempenha um papel primordial nasaúde e no funcionamento adequado de cada célula do organismo. Suasfunções incluem: absorção e transporte de oxigênio como componente dahemoglobina e facilitação da absorção de ferro na corrente sanguínea.Mais recentemente, o cobre foi identificado como um elemento essencialpara aumentar a resistência ao stress e às doenças de caráter crônicoe/ou degenerativo, como artrite reumatóide e doenças inflamatórias. Suadeficiência está relacionada com: deformidades esqueléticas em crianças,epilepsia, esclerose múltipla, fraqueza e ruptura das artérias, ineficiênciana absorção e metabolismo do ferro, baixa imunidade.A suplementação com cobre também é muito importante durante agestação e, principalmente nas infecções virais e bacterianas em geral.
  22. 22. CROMO A importância do cromo no organismo está relacionada aocontrole da glicose sanguínea e dos lipídios. A principal função do cromo épotencializar os efeitos da insulina. Considerando-se os efeitos anabólicospromovido pela insulina nos tecidos, a presença de cromo potencializaestas ações, reduzindo os níveis de gordura corpórea e normalizando oslipídios sangüíneos. As desordens relacionadas com a deficiência de cromo são:aumento da glicose sanguínea e em conseqüência a elevação docolesterol, aterosclerose, desenvolvimento de placas de ateroma, retardono crescimento, alterações no metabolismo de proteínas. Existem estudosque mostram que além de reduzir o LDL (colesterol ruim), o cromopromove também o aumento do HDL (bom colesterol). É um mineral muitoutilizado principalmente por diabéticos, no combate ao stress e, em atletas,em vista de sua elevada perda durante os exercícios físicos e atranspiração. O cromo desempenha ainda papel relevante em estadosdepressivos, uma vez que está envolvido com a síntese da serotonina. Aserotonina, além de estar envolvida no ciclo do sono, também controlacomportamentos agressivos e regula alterações de humor, o que explicaporque pessoas com deficiência de cromo tendem a apresentarcomportamentos violentos.
  23. 23. FERRO O ferro é um mineral encontrado fundamentalmente nosangue. É responsável, em grande parte, pelo transporte e assimilaçãodo oxigênio pelas células, promovendo sua utilização no processo vitaldas mesmas. Além de sua função essencial na produção dehemoglobina, o ferro tem um papel importante na formação adequadados ossos, na cicatrização, na síntese do RNA, na pigmentação da pelee do cabelo e, no metabolismo das proteínas. Os grupos de pessoasmais vulneráveis à carência de ferro são crianças em fase decrescimento, adolescentes, mulheres em fase reprodutiva, gestantes elactantes e, indivíduos que praticam atividade física intensa. Pessoascom deficiência de ferro apresentam fadiga generalizada, anorexia,palidez de pele e mucosas (parte interna do olho, gengivas), edificuldade de aprendizagem (em crianças). As principais desordens relacionadas com a deficiência deferro são: diminuição na formação de hemoglobina e comoconseqüência anemia ferropriva, distúrbios na função da medula óssea,depressão na produção de hemácias e possíveis danos à membranacelular.
  24. 24. FÓSFORO O fósforo é um mineral de alta importância para o metabolismo intrae extracelular. Está presente em todas as células do organismo e, para queseu funcionamento seja adequado, depende diretamente do cálcio e davitamina A. Está envolvido em praticamente todas as reações químicas efisiológicas orgânicas, sendo necessário para uma boa estrutura óssea emental, para a regularidade dos batimentos cardíacos, funcionamento normaldos rins, transmissão de impulsos nervosos, crescimento e regeneração doorganismo, aumento da energia e do vigor físico, promoção da saúde dasgengivas e dos dentes. É, portanto, considerado o mineral com maior númerode funções no organismo, estando envolvido em processos de sumaimportância para o mesmo, em especial a transmissão e o armazenamentode energia na forma de ATP (adenosina trifosfato), como constituinte dosfosfolipídios de membranas celulares, além da participação na composiçãodo esqueleto. No meio extracelular, exerce ainda um efeito tampãoimportante, garantindo a faixa de pH ideal para o sangue.
  25. 25. IODO O iodo é um micronutriente essencial para o organismo.Participa da síntese dos hormônios produzidos pela tireóide, atriiodotironina (T4) e a tiroxina (T3), os quais atuam no crescimentofísico e neurológico e, na manutenção do fluxo normal de energia. Esteshormônios são muito importantes para o funcionamento de váriosórgãos, como coração, fígado, rins e ovários. O iodo é um mineral que promove o crescimento e odesenvolvimento normal do organismo como um todo, incluindo océrebro, melhora a resistência às infecções e a capacidade física emental, age diminuindo o muco no trato respiratório, além de ser umexcelente anti-séptico. Também previne problemas da tireóide, como obócio, por exemplo. A deficiência de iodo pode causar cretinismo emcrianças, anomalias congênitas, bócio e hipotiroidismo, o qual causafadiga crônica, apatia, pele seca, intolerância ao frio e aumento de peso.
  26. 26. MAGNÉSIO O magnésio é o mineral de maior importância para ofuncionamento adequado do organismo. Atua na formação de mais de 300diferentes enzimas e tem papel fundamental na produção, armazenamentoe liberação de energia das células. Está envolvido com os principaisprocessos biológicos, incluindo o metabolismo da glicose e a síntese deácidos nucléicos. Além disso, é importante para a contração muscular, emespecial do músculo do coração. O magnésio auxilia no stress, emprocesso inflamatórios, trombose, problemas cardiovasculares, eliminaçãode substâncias estranhas ao organismo e regulação do pH sanguíneo. Adeficiência desse mineral está envolvida com perturbações, insônia,irritabilidade, má digestão, taquicardia, convulsões, depressão, síndrome dointestino irritado e doenças pulmonares. O magnésio reage ainda com o ácido clorídrico estomacal,aumentando o pH do estômago, aliviando os sintomas de hiperacidez emelhorando úlceras pépticas, refluxo gastro-esofágico, gastrite aguda eulceração por stress, além de constipação intestinal.
  27. 27. MANGANÊS Poucos elementos exercem tantas funções metabólicas como omanganês. É um catalisador importante e um co-fator de muitasenzimas no organismo, além de ser necessário para o desenvolvimentonormal de ossos e tecidos conjuntivos. Está envolvido com a utilizaçãoadequada da glicose, funcionamento e desenvolvimento normal dopâncreas e do sistema nervoso central, prevenção da esterilidade,síntese do colesterol e síntese e metabolização dos lipídios, formaçãoda tiroxina (T3), melhora dos reflexos musculares e da memória. As desordens relacionadas com a deficiência de manganêssão: crescimento deficitário, diminuição da função testicular e ovariana,disfunção no metabolismo de lipídios, anomalias ósseas e alteraçõesgenéticas, diabetes mellitus, processos inflamatórios crônicos eosteoporose.
  28. 28. MOLIBDÊNIO O molibdênio é um mineral que faz parte de enzimasimportantes, como xantina oxidase hepática, aldeído oxidase e sulfitooxidase. Auxilia no metabolismo de carboidratos e gorduras, sendo partevital da enzima responsável pela utilização do ferro. Também ajuda naprevenção da anemia, promovendo o bem-estar geral. As desordens relacionadas com a deficiência de molibdêniosão: diminuição na formação de hemoglobina, metabolismo ineficientede ferro, distúrbios mentais, alergias alimentares.
  29. 29. SELÊNIO O selênio está presente em quase todos os tecidos, porém o seuteor é mais elevado nos rins, fígado, baço e pâncreas. Sua ação principalé a regulação da enzima glutationa peroxidase, que exerce umaimportante função antioxidante endógena. A importância do selênio naprevenção de alterações degenerativas do pâncreas também é bastanteevidente. Além disso, o selênio pode exercer um efeito protetor no sentidode retardar o desenvolvimento do tecido cancerígeno. As desordensrelacionadas com a deficiência de selênio são: câncer, doençasdegenerativas, deficiências imunológicas, artrite reumatóide, doençascardíacas.
  30. 30. ZINCO O zinco é o componente de inúmeras enzimas que atuam nadigestão e no metabolismo. É essencial na síntese dos ácidosnucléicos, fato que o liga ao crescimento e à regeneração de novostecidos. É também um elemento essencial em todos os aspectos doprocesso reprodutivo, além de ser necessário para o funcionamentonormal da próstata e da insulina no organismo. Tem sido diretamenteassociado à cicatrização de ferimentos e colabora com o bomfuncionamento do sistema imunológico. As desordens relacionadas com a deficiência de zinco são:demora na cicatrização de ferimentos, retardo no crescimento,maturidade sexual retardada, impotência sexual, perda de cabelo,diarréias, apatia, cansaço e depressão, lesões oculares e de pele(inclusive acne), unhas quebradiças, amnésia, perda de apetite e depeso.
  31. 31. MANGANÊS COBRE Os minerais manganês e cobre atuam conjuntamente nodesenvolvimento dos tecidos, ossos e cartilagens, e na prevenção deprocessos infecciosos e/ou inflamatórios que possam afetar esteslocais. A deficiência de ambos os minerais, cobre e manganês, estárelacionada com alergias em geral, debilidades imunológicas, infecçõescrônicas e infecções recidivantes que acometem as vias aéreassuperiores.
  32. 32. ZINCO COBRE O zinco e o cobre são minerais que atuamsinergicamente sobre as glândulas e os estímulos hipófiso-genitalque as regulam, estando envolvidos, portanto, na regulação dediversos mecanismos endócrinos. A diminuição destes mineraisestá associada principalmente a: impotência sexual, disfunçõesovarianas e perturbações no ciclo menstrual, alterações namenopausa, endometriose, miomas, ovários policísticos, atrasona maturação sexual, disfunções tireoidianas, peles acneicas eoleosas, síndrome neuroendócrina, retardo no desenvolvimento.

×